Your SlideShare is downloading. ×
Realismo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Realismo

7,996

Published on

2 Comments
13 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
7,996
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
11
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
2
Likes
13
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Realismo
  • 2. “ Eu não posso pintar um anjo porque nunca vi nenhum. Mostrem-me um anjo e eu pintá-lo-ei.” Gustave Coubert
  • 3. Origem do Realismo O realismo foi um movimento artístico e cultural que se desenvolveu na segunda metade do século XIX. A característica principal deste movimento foi a abordagem de temas sociais e um tratamento objetivo da realidade do ser humano. Possuía um forte caráter ideológico, marcado por uma linguagem política e de denúncia dos problemas sociais como, por exemplo, miséria, pobreza, exploração, corrupção entre outros. Com uma linguagem clara, os artistas e escritores realistas iam diretamente ao foco da questão, reagindo, desta forma, ao subjetivismo do romantismo. Uma das correntes do realismo foi o naturalismo , onde a objetividade está presente,porém sem o conteúdo ideológico.
  • 4.  
  • 5.  
  • 6. Realismo • Movimento do Séc. XIX, que tem início mais ou menos na década de 30. • Tem como marco associado o aparecimento da Fotografia «(…) realizava-se uma série de descobrimentos científicos dos mais variados géneros, que fomentaram a eclosão de uma doutrina optimista: o do progresso social.» ... A Lavadeira, Honoré Daumier, 1863
  • 7. Realismo ...«Assim, como outrora o homem do romantismo sentia a nostalgia do passado , a partir de agora os ideais irão ser projectados para o futuro . Em vez de sonhar, como antes, com a melhoria utópica de uma vida que lhe aparecia como algo substancialmente imutável, o homem orienta agora as suas especulações a partir da realidade: torna-se realista »
  • 8. Realismo O Realismo é uma forma de expressão artística que procura reproduzir de forma mais ou menos evidente e naturalista o mundo e os objectos da realidade envolvente, surgindo de forma cíclica ao longo da história e tendo como grande impulsionadora a França. O Angelus, Jean-François Millet, 1858-1859
  • 9. Realismo Caracteriza-se por: • Pintura figurativa • Retratavam-se cenas reais • Não apenas as mais «belas» • Outras realidades, como a pobreza, as más condições de vida Marques D’Oliveira
  • 10. Retratavam degradação da parte «feia» da vida
  • 11. Naturalismo e Realismo No século XIX, o termo Realismo estava associado ao conceito de Naturalismo, corrente estética que reagiu contra o subjectivismo romântico e o idealismo classicista. As Respigadoras, Jean-François Millet, 1857
  • 12. Naturalismo e Realismo O interesse dos artistas pela realidade visível manifestou-se primeiramente em França com um grupo de pintores que, nos anos 30 do séc. XIX, abandonou a agitação urbana que então se vivia e o rigoroso academismo da época, para se instalar em plena Floresta de Fontainebleau, na aldeia de Barbizon, onde desenvolveu uma pintura da Natureza, em pleno ar livre, inaugurando a pintura fora dos ateliers. Clara ou Torcendo a Roupa, José Malhoa, 1903
  • 13. Naturalismo e Realismo “ A pintura do século XIX fez sua primeira ruptura com a literatura quando, na pessoa de Coubert, fugiu do espírito para a matéria. Courbet, o primeiro verdadeiro pintor da vanguarda, tentou reduzir a sua arte a dados sensoriais imediatos, pintando unicamente o que os olhos podiam ver, como uma máquina sem o auxílio do espírito.”
  • 14. Naturalismo e Realismo
    • A natureza:
    • Era o tema principal
    • Amada com intensidade
    • Estudada directa e objectivamente
    • Única fonte de inspiração
    • Esta «corrente» ainda se mantém nos nossos dias...
    Charneca de Belas, Silva Porto
  • 15.  
  • 16. A Revolução Industrial foi um factor muito importante para o desenvolvimento da Arquitectura do Ferro no XIX O desenvolvimento da indústria metalúrgica, têxtil, a máquina a vapor e as novas fontes de energia (electricidade e petróleo) caracterizam este crescente progresso que teve consequências a nível económico, tecnológico e sócio-cultural Arquitectura do Ferro fundição belga
  • 17. Os engenheiros eram portadores de maior preparação científico-técnica Foram eles que inovaram ao criarem novas infra-estruturas para produção e transportes: fábricas, armazéns, gares de caminho-de-ferro , mercados, pontes, pavilhões… Aproveitaram os novos equipamentos e os novos materiais (tijolo cozido, ferro, vidro, aço, cimento armado e o betão)
  • 18.  
  • 19.
      • O Construtor Gustave Eiffel – Principal impulsionador da arquitectura do ferro
      • Gustave Eiffel nasceu em Dijon, na França, em 1832. Graduou-se pela École Centrale des Arts et Manufactures. Tornou-se um importante construtor de pontes metálicas para ferrovias e utilizou o domínio desse conhecimento para projectar a Torre que leva o seu nome. Gustave Eiffel também foi o responsável pela estrutura interna da Estátua da Liberdade, em Nova Iorque. Faleceu em 27 de Dezembro de 1923.
    Gustave Eiffel
  • 20. Torre Eiffel
  • 21. Projectada por Gustave Eiffel em 1889; Foi relevante para a divulgação do uso do metal em construções. Edifício mais alto do mundo, com altura projectada em 300 metros. Foram feitos 5.300 desenhos, detalhando as 18.038 peças que compõe a torre. O monumento foi construído para expor temporariamente a Feira Mundial, realizada naquele ano na capital francesa. Quase foi destruída em 1909 e só foi salva por ter sido descoberto o seu uso para transmissão de sinais de rádio. Desde então, tornou-se um dos monumentos mais famosos do mundo. 
  • 22. Estátua da Liberdade
  • 23. Projectado por Joseph Paxton em 1851; o Arquitecto do Projecto foi o Inglês Thomas Dillen, 1861 Superfície coberta - equivalente a 3.300 colunas e 2.224 vigas de ferro que seriam vedadas com 300 mil placas de vidro); o Palácio de Cristal é formado por uma estrutura metálica e placas de vidro francês. O Palácio de cristal de Londres é um dos exemplos de como a Revolução Industrial influenciou os estilos arquitectónicos. Foi destruído num incêndio, em 1936.  Palácio de Cristal, Londres
  • 24. Características
    • O ferro foi utilizado na construção de edifícios com carácter utilitário, como pontes, mercados, pavilhões de exposições, grandes armazéns e estações ferroviárias.  
    • O ferro permitiu: - libertar as paredes da sua função estrutural; - construção modular, de elementos pré fabricados e estandardizados; - construção em altura e mais barata; - desenvolvimento de novos gostos e conceitos estéticos; - grande linearidade dinâmica e estrutural das barras que aliadas ao vidro desmaterializam os volumes arquitectónicos interpenetrando-os de luz e ar.
  • 25.
    • Funcionalidade
    • Simplicidade estética
    • Simplicidade estrutural (uso de vigas em “I” e em “H”)
    • Coexistência com elementos decorativos
  • 26. Ponte de D. Luís I- Porto
  • 27. Palácio de Cristal, Porto O Palácio de cristal do Porto foi construído por Thomas Dillen Jones, em ferro e vidro com a finalidade da exposição Industrial Internacional do Porto e da Península em 1865.
  • 28. Ponte D. Maria Pia
  • 29. O Elevador de Santa Justa é uma obra de arte concebida por um aprendiz de Gustave Eiffel e liga a Baixa ao Bairro Alto. Abriu em 1902, altura em que funcionava a vapor, e em 1907 começou a trabalhar a energia eléctrica, sendo o único elevador vertical em Lisboa a prestar um serviço público. Feito inteiramente de ferro fundido e enriquecido com trabalhos em filigrana, o elevador dentro da torre sobe 45 metros e leva 45 pessoas em cada cabine (existem duas). Elevador de Santa Justa, Raoul Mesnier du Pousard, 1900-1901, Lisboa Arquitectura do Ferro em Portugal
  • 30. Foi edificada no princípio do século XX, no Porto, no preciso local onde existiu o Convento de S. Bento de Avé-Maria. Daí o nome com que a estação foi baptizada. O átrio está revestido com vinte mil azulejos historiados, do pintor Jorge Colaço (1864-1942). É um dos mais notáveis empreendimentos artísticos que marcou o início do século. O edifício é do arquitecto Marques da Silva. Estação de São Bento, Porto
  • 31.  

×