Capitalismo natural e produo mais limpa  final
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Capitalismo natural e produo mais limpa final

  • 4,027 views
Uploaded on

Trabalho para a cadeira de Gestão Sócio-ambiental da Escola de Administração da UFRGS

Trabalho para a cadeira de Gestão Sócio-ambiental da Escola de Administração da UFRGS

More in: Education , Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
4,027
On Slideshare
3,817
From Embeds
210
Number of Embeds
10

Actions

Shares
Downloads
80
Comments
0
Likes
0

Embeds 210

http://2020sustentavelcapitalnaturalepmaisl.blogspot.com.br 74
http://2020sustentavelcapitalnaturalepmaisl.blogspot.com 62
http://bioterra.blogspot.com 28
http://bioterra.blogspot.com.br 25
http://www.slideshare.net 12
http://bioterra.blogspot.pt 5
http://webcache.googleusercontent.com 1
http://bioterra.blogspot.com.tr 1
http://bioterra.blogspot.com.es 1
http://bioterra.blogspot.fr 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Carina Esteves, Daniel Souza e Daniel Ferrão
  • 2.
    • ... Ainda hoje, vemos em muitas empresas que aumentar a produção significava gerar mais resíduos e gastar mais recursos para tratá-los ou dispô-los adequadamente...
  • 3.
    • Muitas empresas vêem-se frente a um dilema:
    • como produzir mais garantindo que os custos ambientais não inviabilizem a atividade da empresa?
  • 4.
    • SIMPLES: deixando de gerar resíduos e desperdício.
    • Mas como fazer isso?
  • 5.
    • BASTA APLICAR NA EMPRESA OS CONCEITOS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA
  • 6. PML
    • Produção Mais Limpa é a APLICAÇÃO CONTÍNUA de uma ESTRATÉGIA ECONÔMICA , AMBIENTAL e TECNOLÓGICA integrada aos processos e produtos, a fim de AUMENTAR A EFICIÊNCIA no uso de matérias-primas, água e energia, através da não geração, MINIMIZAÇÃO ou RECICLAGEM de resíduos gerados, com benefícios ambientais e econômicos para os processos produtivos.
    • (Def.: UNIDO)
  • 7. PRODUÇÃO MAIS LIMPA Evolução da Legislação e das Questões Ambientais DÉCADA DE 50/60 DÉCADA DE 70/80 DÉCADA DE 90/00 Resíduos, efluentes e emissões atmosféricas dispostos sem controle no solo, nas águas e no ar Resíduos, efluentes e emissões atmosféricas controlados no final do processo em cumprimento da norma legal Busca pela redução e/ou não geração de resíduos, efluentes e emissões SEM TRATAMENTO FIM DE TUBO P+L
  • 8. Abordagem convencional X PML http://www.youtube.com/watch?v=KBqwrEPS4pI&NR=1
  • 9.
    • Quais são os benefícios reais da PML?
  • 10. PML
    • Para a PRODUÇÃO:
    • REDUÇÃO NO CONSUMO de matéria-prima, energia e água.
    • REDUÇÃO DE RESÍDUOS e EMISSÕES .
    • REUSO DE RESÍDUOS de processo.
    • RECICLAGEM de resíduos.
    • Para os PRODUTOS:
    • REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS (Ecodesign).
    • USO DE MATERIAL RECICLÁVEL para novos produtos.
    • DIMINUIÇÃO DO CUSTO FINAL
  • 11.
    • Quais são os objetivos da adoção da PML?
    • http://www.youtube.com/watch?v=U0kB4Ak8yS8&feature=related
  • 12. PML
    • AUMENTAR a vantagem econômica e competitiva da empresa.
    • RACIONALIZAR o uso de insumos.
    • REDUZIR os desperdícios.
    • MINIMIZAR a geração de resíduos, diminuindo os impactos ambientais.
    • ADEQUAR os processos e produtos conforme a legislação ambiental.
    • Permitir a obtenção de INDICADORES DE EFICIÊNCIA .
    • DOCUMENTAR e MANTER os resultados obtidos.
    • PROMOVER e MANTER a boa imagem da empresa.
  • 13.
    • Quais são as vantagens da Produção Mais Limpa?
  • 14. PML
    • REDUÇÃO DOS CUSTOS de produção e
    • AUMENTO DA EFICIÊNCIA E COMPETITIVIDADE.
    • DIMINUIÇÃO DOS RISCOS de acidentes ambientais.
    • MELHORIA das condições de saúde e segurança do trabalhador.
    • MELHORIA da imagem da empresa
    • AMPLIAÇÃO das perspectivas de mercado interno e externo.
    • ACESSO FACILITADO às linhas de financiamento.
  • 15. CASO PRÁTICO
    • http://www.youtube.com/watch?v=fBptS_3xt78&NR=1
  • 16. CASO
  • 17. Fluxograma Início Testar cartucho Realizar limpeza Inserir puxador Inserir tinta Testar cartucho Embalagem / cartucho vazio Papel toalha / água Tinta Embalagem / cartucho Papel toalha / efluente Resíduo de tinta Entradas Saídas Fita adesiva Resíduo de fita adesiva Papel A4 branco Papel A4 impresso
  • 18. Fluxograma (Continuação) Etiquetar cartucho Ensacar cartucho Colocar espuma Expedição do Cartucho de Tinta Fim Adesivo Sacos plásticos Espuma Resíduos de adesivo Sacos plásticos danificados Resíduos de espuma Entradas Saídas Embalar Embalagem Embalagens danificadas
  • 19. Oportunidades de PmaisL Oportunidades identificadas Tipo de intervenção Como pretende medir? Reaproveitamento da quantidade de papel gerado nos testes de qualidade dos cartuchos e impressoras Impressão de material didático para distribuição em escolas públicas Pesagem (kg) do material antes e depois da intervenção Redução do material de consumo Substituição do papel toalha por máquinas de ar quente Pesagem (kg) do material antes e depois da intervenção Melhor aproveitamento do layout dos materiais de propaganda Utilização dos espaços vazios (verso da folha) para divulgação de causas sociais Número (unidades) produzidas com aproveitamento total da folha Redução do consumo de água Mudança no procedimento de lavagem de cartucho (resultado já obtido: 248% de redução) Anotação do consumo de água antes, durante e depois da intervenção Adequação legal Licenciamento Ambiental Licença emitida Redução do resíduo sólido gerado Separação de resíduos sólidos (embalagens plásticas, de papelão, pó) Pesagem (kg) do resíduo total gerado antes e depois da intervenção
  • 20. Nome do estudo de caso Separação e reutilização dos resíduos gerados por meio da impressão de materiais didáticos nas folhas utilizadas como teste das impressoras Estudo de caso n o 1 Situação antes da PmaisL Situação depois da PmaisL Elevado custo econômico e ambiental gerado pela alta produção de resíduos Redução dos resíduos e melhoria da imagem socioambiental da empresa
  • 21. Memória de cálculo Custo da modificação Situação atual ( todas as folhas utilizadas no teste de cartuchos são descartadas no lixo, representando a maior parte dos resíduos gerados no processo produtivo) Situação esperada (redução do volume de resíduo sólido gerado, retorno sócioambiental para a empresa e motivação para os colaboradores) Benefício econômico (valor bruto) Descrição Valor (R$) Estudo de caso n o 1 20.280,00 Taxa Interna de Retorno Prazo de Retorno do Capital Valor Presente Líquido 00,00 12.168,00 Não há Não há Não há 8.112,00
  • 22. Nome do estudo de caso Substituição de papel toalha por máquina de ar quente nos banheiros Estudo de caso n o 2 Situação antes da PmaisL Situação depois da PmaisL Redução dos custos e de resíduos gerados nos processos produtivos Elevado custo de produção e alta geração de resíduos sólidos
  • 23. Memória de cálculo Custo da modificação Situação atual (descrever os envolvimentos: mão-de-obra, projetos, equipamentos....) Situação esperada (descrever os envolvimentos: mão-de-obra, projetos, equipamentos....) Benefício econômico (valor bruto) Descrição Valor (R$) Estudo de caso n o 2 22.848,00 1.344,00 Taxa Interna de Retorno Prazo de Retorno do Capital Valor Presente Líquido 2.650,00 21.504,00 2 meses 19.547,14 108,06%
  • 24. Nome do Estudo de caso Benefício econô-mico (líquido) (R$/ano) Investimento (R$) Investimento total (R$): Resumo dos benefícios econômicos Benefício econômico anual total (R$): Valor Presente Líquido total: 01- 02- Prazo de retorno e TIR Material didático Papel toalha 2.650,00 8 meses imediato 00,00 21.504,00 2.650,00 41.784,00 20.280,00 19.547,14
  • 25. Resumo dos benefícios ambientais Descrição Redução percentual Un Quantidade (mês) Papel toalha Resíduo sólido – Folha A4 Kg 3 62,50 Kg 58,82 7
  • 26. Capitalismo Tradicional x Capitalismo Natural Recapitulando a aula passada...
    • Capitalismo Tradicional
    • Características:
      • Produção de bens e serviços em larga escala;
      • Obtenção fácil de mão de obra;
      • Lucro é o que importa;
      • Danos ao meio ambiente (poluição, lixo, desmatamento).
    • Modelo nascido em uma realidade onde a mão-de-obra era escassa e os estoques globais de capital natural eram abundantes e pouco explorados. Pensamento focado em crescer mais, explorar mais, produzir mais, vender mais, obter mais, lucrar mais... Sem pensar nas conseqüências ao meio ambiente.
    • RESULTADO:
    • Da forma como é praticado hoje, o capitalismo tradicional mostra-se insustentável, pois não atribui valor aos recursos naturais e aos serviços prestados pelos ecossistemas do planeta.
  • 27. CAPITALISMO NATURAL: QUESTÕES “ Como assegurar menos desperdícios e evolução do meio ambiente ao mesmo tempo que se gere mais valor, mais riqueza, mais lucro?” “ Como criar uma economia em que se use cada vez menos materiais e energia ao produzir produtos cada vez mais eficazes e acessíveis?” “ Como produzir cada vez mais, utilizando cada vez menos, de forma que a produção de bens e serviços seja benéfica para empresas, sociedade e planeta? Como mensurar o valor de serviços como geração e armazenagem de água, disponibilidade de oxigênio, regulagem de atmosfera, controle do clima, entre tantos outros que são imprescindíveis para nós e que nem a tecnologia e as máquinas existentes são capazes de prover ou substituir ?
  • 28.
    • AS 4 ESTRATÉGIAS DO CAPITALISMO NATURAL
    • 1º. Aumento radical da eficiência dos recursos
    • Uso mais efetivo dos recursos / Produzir + Utilizar –
      • Setor Automobilístico: Hypercar
        • Polímeros e fibras de carbono que reduzem o peso em 2/3;
        • Design aerodinâmico que reduz a resistência em 70%;
        • Motor elétrico-híbrido: energia produzida por células de hidrogênio;
        • Produção de energia enquanto o carro está parado.
    • 2º. Biomimetismo
    • Nenhum desperdício, ciclos fechados contínuos;
    • Resíduos devem retornar harmoniosamente para o ecossistema;
    • Redesenho de processos industriais, visando reciclagem constante do material, modelado em desenhos naturais.
  • 29.
    • 3º. A “economia” de serviços e fluxos
    • Transformação de uma economia de bens e aquisições em uma economia de serviços.
    • Ex.: Schindler: leasing de serviços de transporte vertical, não mais venda de elevadores.
    • Ex.: Carrier: leasing de conforto, e não venda de ar-condicionado.
    • 4º. Investimentos no capital natural
    • É notório que os sistemas vivos são um fornecedor de componentes indispensáveis à vida do planeta;
    • Por isso, é preciso reverter a destruição do planeta mediante reinvestimentos na sustentação, na restauração e na expansão dos estoques de capital natural;
    • Exemplo: trabalhando com outras companhias para construção de prédios mais eficientes, que necessitem menos ar condicionado (até mesmo nenhum), com o mesmo nível de conforto.
  • 30.
    • Capitalismo Natural: O exemplo de Curitiba
    • Presença da combinação entre escassez de recursos e crescimento demográfico explosivo;
    • Curitiba associou um governo responsável à vitalidade empresarial e conseguiu, em pouco menos de 3 décadas, níveis de educação, saúde, bem-estar humano, segurança pública, participação democrática, integridade política, proteção ambiental e espírito comunitário consideravelmente mais elevado que outras cidades;
    • Implementação de iniciativas com múltiplos objetivos; todas baratas, rápidas, simples, de âmbito local e centrada nas pessoas;
    • Rua Quinze de Novembro: primeiro calçadão de pedestres do Brasil, 1972;
    • Centro da cidade com ruas exclusivas de pedestres e ressurreição do centro histórico, regenerando o domínio público e reernegizando o comércio e a comunidade organizada;
    • As ruas existentes foram readaptadas, com 3 eixos principais que ligam o centro aos bairros, sendo a do meio um corredor de ônibus e as outras para carros com sentidos contrários.
  • 31.
    • Reforma de parques e praças, tombamento e restauração de edifícios históricos, visando revitalizar a arte, a cultura e a história do núcleo urbano;
    • Construção de habitação para população de baixa renda próxima à infra-estrutura e equipamentos públicos, democratizando seu uso;
    • Ônibus expresso e estações tubo: mais rápidos, eficientes e confortáveis;
    • Considerado melhor sistema de ônibus do mundo, com eficiência próxima ao metrô;
    • 161 Km de ciclovias;
    • Criação de grupos comunitários de proteção ambiental, integrados a programas escolares;
    • Empresas obrigadas a depositar seus resíduos no próprio terreno, incentivando a reciclagem;
    • Pessoas votam para escolher onde o IPTU será aplicado, como, por exemplo, no Farol do Saber;
    • Garantia de moradia perto do emprego;
  • 32.
    • Programa “Lixo que não é lixo” : incentivo à reciclagem que emprega, nas estações de coleta, sem-tetos, deficientes e alcoólatras em tratamento;
    • Projeto “Câmbio verde”: incentivo à reciclagem nos bairros mais pobres em troca de alimentos;
    • Programa “Tudo limpo”: programa de limpeza de locais de difícil acesso, como os próximos de rios, contratando desempregados e aposentados que precisam do dinheiro;
    • Programa “Hortas Comunitárias”: incentivo à produção de hortas para o próprio consumo ou para venda;
    • Programa “Armazém da Família”: alimentos e produtos de higiene pessoal e limpeza vendidos a preços mais baixos para a população carente.
  • 33.  
  • 34.
    • Capitalismo Natural: O Exemplo da InterfaceFlor
    • Ray Andersen: Nos anos 90, após a leitura do livro de Paul Hawken, A Ecologia do Comércio, redesenhou todos os processos produtivos, mudou as matérias-primas, eliminou toxinas e introduziu a reciclagem em sua empresa de carpetes;
    • http://www.youtube.com/watch?v=OUG4JXE6K4A&feature=PlayList&p=223693354D18FCC3&playnext_from=PL&playnext=1&index=11
    • Mission Zero: Zerar todos os impactos negativos que a empresa possa gerar no meio ambiente até 2020;
    • Cool Carpet;
    • Convert;
    • Reentry.
  • 35.
    • Convert
    • “ No coração do Convert, está a habilidade de reciclar todos os fios de nylon em um fio de matéria-prima reciclada pós consumo.”
    • ReEntry 2.0
    • “ Nesse programa, reciclamos carpetes usados, incluindo os de nossos concorrentes, novamente em matéria-prima, de uma forma similar à da natureza. Carpetes usados não são mais desperdícios e sim alimento para o nosso programa.”
  • 36.
    • Cool Carpet
    • Cada uma das etapas da produção e do ciclo de vida do carpete – da colheita da matéria prima à fabricação na InterfaceFLOR (o envio, sua aspiração e, ao final do ciclo de vida, a reciclagem) – contribui para o aquecimento global através das emissões de carbono;
    • Compra de créditos de carbono de acordo com as cifras das emissões atuais da empresa para estudos de energias renováveis e projetos que evitem que as emissões ingressem na atmosfera.
    • http://www.youtube.com/watch?v=GIoUT5l3ifs