Your SlideShare is downloading. ×
Contabilidade geral ii slides cap 05_6_e_7_-_demonstra_es
Contabilidade geral ii slides cap 05_6_e_7_-_demonstra_es
Contabilidade geral ii slides cap 05_6_e_7_-_demonstra_es
Contabilidade geral ii slides cap 05_6_e_7_-_demonstra_es
Contabilidade geral ii slides cap 05_6_e_7_-_demonstra_es
Contabilidade geral ii slides cap 05_6_e_7_-_demonstra_es
Contabilidade geral ii slides cap 05_6_e_7_-_demonstra_es
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Contabilidade geral ii slides cap 05_6_e_7_-_demonstra_es

2,934

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,934
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
98
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Patrimônio Líquido Patrimônio Líquido O patrimônio líquido de uma empresa representa a riqueza real e pode ser interpretado como sendo os PC + PELP ativos líquidos pertencentes aos proprietários, ou seja, ($ 30) g ç bens mais direitos menos obrigações ATIVO ($ 100) PL ($ 70) Estrutura do Patrimônio Líquido DMPL A Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido evidencia a movimentação de todas as PATRIMÔNIO LÍQUIDO contas do Patrimônio Líquido ocorrida no exercício Capital Social Reservas de Capital Reservas de Lucros Lucros ou Prejuízos Acumulados 1
  • 2. DMPL Técnicas de Elaboração PASSIVO 31.12.X2 31.12.X1 a) Indicaremos uma coluna para cada conta do PATRIMÔNIO LÍQUIDO Patrimônio Líquido (preferencial-mente indicando o Capital Social 600.000 500.000 grupo de reservas a que pertence) Reservas 22 000 22.000 20 000 20.000 Reservas de Lucros Lucros Lucros Acumulados 84.000 50.000 Movimentações Capital Reservas Total Acumula de Capital Estatu- Contin- Expan- Legal dos tária gência são 706.000 570.000 Técnicas de Elaboração Técnicas de Elaboração b) Nas linhas horizontais indicaremos as c) A seguir faremos as adições e/ou subtrações de movimentações das contas acordo com as movimentações Reservas de Lucros Lucros Reservas Movimentações Capital Estatu- Contin- Expan- Acumula Total de Capital Legal tária gência são dos Saldo inicial Aumento de Capital Lucro Líquido Destinação do Lucro: Reserva Legal Reserva Estatutária Reserva p/ Conting. Reserva p/ Expansão Dividendos Saldo final Técnicas de Elaboração Técnicas de Elaboração Exemplo: Exemplo: Reservas de Lucros Lucros Reservas de Lucros Lucros Movimentações Capital Acumula Total Movimentações Capital Acumula Total Expan- Expan- Legal dos Legal dos são são Saldo inicial 14.000 3.000 17.000 Saldo inicial 14.000 3.000 17.000 Aumento de Capital 2.000 (2.000) - Aumento de Capital 2.000 (2.000) Lucro Líquido Lucro Líquido 5.000 5.000 Destinação do Lucro: Destinação do Lucro: Reserva Legal Reserva Legal 250 (250) Reserva Estatutária Reserva Estatutária Reserva p/ Conting. Reserva p/ Conting. Reserva p/ Expansão Reserva p/ Expansão 3.325 (3.325) Dividendos Dividendos (1.425) (1.425) Saldo final 16.000 1.000 17.000 Saldo final 16.000 1.250 3.325 - 20.575 2
  • 3. Inclusão da DLPA na DMPL Inclusão da DLPA na DMPL Reservas de Lucros Lucros Reservas Movimentações Capital Estatu- Contin- Expan- Acumula Total de Capital Legal tária gência são dos Saldo inicial Aumento de Capital Lucro Líquido DMPL Destinação do Lucro: DLPA Reserva Legal Reserva Estatutária Reserva p/ Conting. Reserva p/ Expansão Dividendos Saldo final Demonstração dos Fluxos de Caixa A Demonstração dos Fluxos de Caixa indica a origem de todo o dinheiro que entrou no Caixa, bem como a aplicação de todo o dinheiro que saiu do Caixa em determinado período p Caixa e Equivalente a Caixa Equivalente a Caixa A DFC considera o Caixa e o Equivalente a Caixa Considera-se Equivalente a Caixa, o saldo de Bancos conta movimento e de Aplicações Financeiras de Liquidez Imediata ATIVO Caixa CIRCULANTE + Disponibilidades = Equivalente a • Caixa • Bancos Caixa • Aplicações Financeiras 3
  • 4. Fluxos de Caixa Tipos de Fluxos de Caixa 31-Dez-X1 31-Dez-X2 Financeiro: é o modelo utilizado pela Tesouraria, ATIVO ATIVO separando os Recebimentos dos Pagamentos Disponibilidades 100,00 Disponibilidades 150,00 Contábil: separa os Fluxos de Caixa, em •Caixa 10,00 •Caixa 20,00 •Bancos 50,00 •Bancos 80,00 Atividades Operacionais, de Investimentos e de •Aplicações Financeiras 40,00 •Aplicações Financeiras 50,00 Financiamento, para fins de análise ∆ Disponibilidade = Disponibilidades n – Disponibilidade n-1 Fluxo de Caixa Financeiro Fluxo de Caixa Contábil Fluxo de Caixa Financeiro R$ Fluxo de Caixa Contábil R$ Entradas (Recebimentos) 70.000,00 Atividade Operacional 11.000,00 Recebimento de Vendas 35.000,00 Recebimento de Vendas 35.000,00 Integralização de Capital 12.000,00 Pagamento de Aluguel (5.000,00) Pagamento de Água e Esgoto (3.000,00) Empréstimos Recebidos 23.000,00 Pagamento de Comissões (4.000,00) Pagamento a Fornecedores (12.000,00) Saídas (Pagamentos) ( g ) ( (64.000,00) , ) Pagamento de Aluguel (5.000,00) Atividade de Investimentos (40.000,00) Pagamento de Água e Esgoto (3.000,00) Pagamento pela Compra de Veículos (40.000,00) Pagamento de Comissões (4.000,00) Pagamento pela Compra de Veículos (40.000,00) Atividade de Financiamento 35.000,00 Pagamento a Fornecedores (12.000,00) Integralização de Capital 12.000,00 Empréstimos Recebidos 23.000,00 Saldo Inicial 0,00 Saldo Inicial 0,00 ( ± ) Variação do Saldo de Caixa 6.000,00 ( ± ) Variação do Saldo de Caixa 6.000,00 Saldo Final 6.000,00 Saldo Final 6.000,00 Formas de Elaboração Método Direto Método Direto: livro caixa reorganizado Destacam-se objetivamente as entradas e saídas de dinheiro Método Indireto: começa-se pela DRE, ajustando- Facilmente analisado por leigos em contabilidade se o Lucro do período Fácil de ser elaborada pelos usuários que trabalham na empresa e dispõe das informações contidas nos livros razão das contas caixa e equivalentes a caixa 4
  • 5. Método Indireto Fluxos de Caixa Parte-se do resultado (lucro ou prejuízo), ajustando-o da Atividade Operacional pelas despesas e receitas que não interferem da Atividade de Investimento diretamente no caixa, tais como depreciações, da Atividade de Financiamento amortizações e exaustões É prática de ser elaborada por usuários externos à empresa Atividade Operacional Atividade de Investimentos Normalmente o caixa é gerado pela venda de bens e As aquisições de Ativo Permanentes, bem como as serviços, tendo como subtração o pagamento de vendas destes itens devem ser destacadas aqui. As despesas operacionais, impostos, fornecedores etc. São participações em outras empresas também são aqui as transações ligadas ao objeto social da empresa classificadas Atividade de Financiamentos Fluxos de Caixa As empresas também obtêm caixa através de financiamentos e aportes de capitais. As amortizações de financiamentos e o pagamento de dividendos aparecem neste item 5
  • 6. Modelo de DFC – Método Direto Demonstração dos Fluxos de Caixa Fluxos de Caixa da Atividade Operacional 10.000 Recebimento de Clientes 100.000 Pagamento a Fornecedores (50.000) Pagamento de Despesas (40.000) Fluxo de Caixa da Atividade de Investimento Fl d C i d Ati id d d I ti t (40.000) (40 000) Aquisição de Imobilizado (40.000) Fluxo de Caixa da Atividade de Financiamento 70.000 Captações de Empréstimos 80.000 Amortização de Empréstimos (10.000) Saldo Inicial 10.000 ( ± ) Variação 40.000 Saldo Final 50.000 Demonstração do Valor Adicionado Diferença entre DRE e DVA A Demonstração do Valor Adicionado demonstra DRE: mostra o lucro líquido que, em última quanto de riqueza a empresa adicionou ao seu produto instância, é a parte do valor adicionado que final e de que forma essa riqueza foi distribuída entre pertence aos sócios como investidores de capital de os vários fatores de p produção - empregados, p g risco acionistas, governo, financiadores etc. DVA: mostra a parte que pertence aos sócios, a que pertence aos demais capitalistas que financiam a empresa com capital a juros, a parte que pertence aos empregados e a que fica com o governo DVA Estrutura da DVA DVA Demonstração do Valor Adicionado 1 RECEITAS Receitas 100.000 1.1 Vendas de Mercadorias, produtos e serviços ( – ) Insumos (60.000) 1.2 Provisão para devedores duvidosos – reversão/constituição ( = ) Valor Adicionado 40.000 1.3 Não operacionais 2 INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS Distribuição do Valor Adicionado (incluem os valores dos impostos: ICMS e IPI) Funcionários 10.000 2.1 Matérias-primas consumidas Governo 8.000 2.2 Custo das mercadorias e serviços vendidos Bancos 2.000 2.3 Materiais, energia, serviços de terceiros e outros Acionistas 5.000 2.4 Perda/recuperação de valores ativos Retido 15.000 3 VALOR ADICIONADO BRUTO (1 – 2) 6
  • 7. Estrutura da DVA Exemplo de Distribuição do VA Demonstração do Valor Adicionado (continuação) Valor Adicionado distribuído em 2005 – SANASA: 4 RETENÇÕES 4.1 Depreciação, amortização e exaustão 5 VALOR ADICIONADO LÍQ. PROD. P/ ENTIDADE (3 – 4) 6 VALOR ADICIONADO RECEBIDO EM TRANSFERÊNCIA Pessoal e Encargos 6.1 Resultado de equivalência patrimonial 9% 14% 9% 6.2 Receitas financeiras Impostos, Taxas e  7 VALOR ADICIONADO TOTAL A DISTRIBUIR (5 + 6) Contribuições 8 DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO Juros e Aluguéis 8.1 Pessoal e encargos 28% 40% JCP e Dividendos 8.2 Impostos, taxas e contribuições 8.3 Juros e aluguéis Lucros Retidos 8.4 Juros sobre o capital próprio e dividendos 8.5 Lucros retidos Primeiro Exemplo Segundo Exemplo Venda de 5.000 unidades da mercadoria “A” pelo preço Venda de 6.000 unidades da mercadoria “B” pelo preço unitário de $ 20,00, a prazo; unitário de $ 25,00, a vista; Baixa das Mercadorias Vendidas, ao preço médio Baixa das Mercadorias Vendidas, ao preço médio ponderado de $ 12,50; ponderado de $ 14,00; Pagamento dos salários relativos ao mês de Recebimento de Duplicatas a Receber no valor de $ Fevereiro, no valor de R$ 27.500,00; 100.000,00; Apropriação dos salários relativos ao mês de Pagamento dos salários relativos ao mês de Março, no Março, no valor de $ 30.000,00, a ser pago no 3.º dia útil valor de $ 30.000,00; do mês de Abril; Apropriação dos salários relativos ao mês de Abril, no Apropriação e pagamento do IPTU do mês de valor de $ 40.000,00, a ser pago no 3.º dia útil do mês de Março, no valor de $ 750,00; Abril; Compra de Veículo no valor de $ 30.000,00. Segundo Exemplo Apropriação dos salários relativos ao mês de Abril, no valor de $ 40.000,00, a ser pago no 3.º dia útil do mês de Abril; Apropriação e pagamento do IPTU do mês de Abril, no valor de $ 750,00; Reconhecimento da depreciação do Veículo, no valor de $ 500,00; Rendimentos de Aplicações Financeiras no valor de $ 1.000,00; Apropriação de Juros sobre empréstimos bancários no valor de $ 1.500,00; Apropriação e Pagamento de Dividendos no valor de R$ 10.000,00. 7

×