Ccnccap10 analise demonstracoes financeiras

9,071 views
8,757 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
9,071
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
202
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ccnccap10 analise demonstracoes financeiras

  1. 1. Análise das Demonstrações Financeiras Introdução Objetivo da análise das Demonstrações Financeiras Estudo do desempenho econômico-financeiro passado para prever tendências futuras Objetivo dos usuários Administrador interno: avaliação do desempenho geral da empresa Analista externo: objetivos mais específicos de acordo com a posição de credor ou investidor Lucro líquido e Capacidade de desempenho liquidação e de ações continuidade
  2. 2. Análise das Demonstrações Financeiras Aspectos Básicos Todas as Demonstrações Financeiras (DF) devem ser analisadas: Balanço Patrimonial (BP) Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) Maior ênfase é dada ao Balanço Patrimonial e à Demonstração do Resultado do Exercício – DRE, pois evidenciam objetivamente a situação financeira da empresa. O uso de quocientes (índices) é considerado o melhor instrumento para avaliar a saúde das empresas.
  3. 3. Análise das Demonstrações Financeiras Aspectos Básicos Métodos de comparação Comparação temporal Análise da evolução dos indicadores da empresa nos últimos anos Comparação setorial Análise dos resultados da empresa versus dos concorrentes (mercado)
  4. 4. Análise das Demonstrações Financeiras Análise Horizontal Compara valores absolutos através do tempo Avaliação em intervalos seqüenciais de tempo Valores em moeda de mesma capacidade de compra Estabelece o ano inicial da série analisada como índice básico 100 e expressa as cifras dos anos posteriores, em relação ao índice básico 100. 31/1/X0 31/1/X1 31/1/X2 ($ MIL) ($ MIL) ($ MIL) Valores $358.300 $ 425.000 $ 501.000 Índices 100 119 140 Compara valores ou índices de dois ou mais anos. Nossos olhos fixam um sentido horizontal.
  5. 5. Análise das Demonstrações Financeiras Análise Horizontal Exemplo 31/1/X0 31/1/X1 31/1/X2 Evolução das vendas e dos ($ MIL) ($ MIL) ($ MIL) lucros brutos de uma Vendas Líquidas 8.087 9.865 11.572 empresa industrial do setor Lucro Bruto 2.512 2.982 3.612 de bebidas e refrigerantes: Vendas: Análise: ($ 9.865 / $ 8.087) x 100 = 122,00 O desempenho da empresa, no exercício encerrado em 31/1/X1, ($ 11.572 / $ 8.087) x 100 = 143,10 esteve aquém do apresentado em 31/1/X2. Efetivamente, o resultado bruto não acompanhou Lucro Bruto: a evolução verificada nas vendas ($ 2.982 / $ 2.512) x 100 = 118,70 líquidas, denotando-se maior consumo dessas receitas pelos ($ 3.612 / $ 2.512) x 100 = 143,80 custos de produção
  6. 6. Análise das Demonstrações Financeiras Cuidados na Interpretação da Análise horizontal Se os valores da Demonstração forem nominais, o crescimento dos índices expressará porcentagens nominais. Em ambiente inflacionário, as análises devem ser realizadas em evoluções reais (depurada a inflação) O desempenho efetivo de qualquer valor é definido por seu crescimento acima da taxa de inflação
  7. 7. Análise das Demonstrações Financeiras Análise vertical Extrai relacionamentos percentuais entre itens pertencentes à mesma Demonstração Financeira Fornece uma idéia da representatividade de determinado item ou subgrupo de uma Demonstração Financeira relativamente a determinado total ou subtotal tomado como base Possui especial importância na DRE, permitindo expressar os vários itens (contas) em relação às vendas, brutas ou líquidas; dentro das despesas, permite representar cada uma em relação ao total de despesas, além de outros relacionamentos A análise vertical é para um único ano. Nossos olhos fixam num sentido vertical. Na análise horizontal, verifica-se a variação em dois ou mais anos.
  8. 8. Análise das Demonstrações Financeiras Análise vertical Ex: S.A. Siderúrgica 31/12/X0 AV 31/12/X1 AV 31/12/X2 AV ($) (%) ($) (%) ($) (%) Ativo Circulante 4.585 50 3.922 46 3.732 44 Realizável a Longo Prazo 739 8 872 10 952 11 Ativo Imobilizado 3.936 42 3.783 44 3.826 45 Ativo Total 9.260 100 8.577 100 8.510 100 Passivo Circulante 4.012 43 3.624 42 3.917 46 Passivo Não Circulante 2.102 23 2.031 24 1.629 19 Patrimônio Líquido 3.146 34 2.922 34 2.964 35 Passivo Total 9.260 100 8.577 100 8.510 100
  9. 9. Análise das Demonstrações Financeiras Análise vertical – Exemplo de Cálculo Ex: S.A. Siderúrgica 31/12/X0 AV 31/12/X1 AV 31/12/X2 AV ($) (%) ($) (%) ($) (%) Ativo Circulante 4.585 50 3.922 46 3.732 44 Realizável a Longo Prazo 739 8 872 10 952 11 Ativo Imobilizado 3.936 42 3.783 44 3.826 45 Ativo Total 9.260 100 8.577 100 8.510 100 Ativo Circulante – X0: ($ 4.585 / $ 9.260) x 100 = 50% Ativo Imobilizado - X2: ($ 3.826 / $ 8.510) x 100 = 45%
  10. 10. Análise das Demonstrações Financeiras Quocientes Contábeis e Financeiros 2 grupos de indicadores básicos: Liquidez e endividamento Rotatividade Os quocientes têm como finalidade principal permitir a extração de tendências e compará-las com padrões preestabelecidos
  11. 11. Análise das Demonstrações Financeiras Indicadores de liquidez Visam medir a capacidade de pagamento da empresa Exprimem uma posição financeira em um dado momento (liquidez estática) Os valores considerados sofrem alterações constantes devido à dinâmica das empresas No quociente de liquidez é preciso atentar para os prazos dos vencimentos das Contas a Receber e das Contas a Pagar
  12. 12. Análise das Demonstrações Financeiras Indicadores de liquidez Disponível Liquidez Imediata = Passivo Circulante Representa o valor de quanto dispomos, imediatamente, para saldar as dívidas de curto prazo. Procura-se ter uma relação disponível/passivo circulante a menor possível, todavia, sem correr o risco de não possuir disponibilidades quando as dívidas vencerem. Ativo Circulante Liquidez Corrente = Passivo Circulante Relaciona quantos reais dispomos, imediatamente disponíveis e conversíveis em certos prazos em dinheiro, com relação às dívidas de curto prazo. Deve-se levar em conta que este índice pode diminuir sua validade como indicador de liquidez, devido ao risco de não receber todo o contas a receber de clientes e não conseguir vender os estoques no curto prazo.
  13. 13. Análise das Demonstrações Financeiras Indicadores de liquidez Ativo Circulante (-) Estoques Liquidez Seca = Passivo Circulante Relaciona os ativos circulantes de maior liquidez com o total do passivo circulante. Este índice representa uma posição bem realista e conservadora da liquidez da empresa em determinado momento, sendo preferido pelos emprestadores de capital. Ativo Circulante + Realizável a Longo Prazo Liquidez Geral = Passivo Circulante + Passivo Não Circulante Detecta a saúde financeira (quanto à liquidez) de longo prazo da empresa.
  14. 14. Análise das Demonstrações Financeiras Indicadores de endividamento (estrutura de capital) Relacionam as várias fontes de fundos entre si de uma empresa Mostram a proporção do Capital Próprio em relação ao Capital de Terceiros Avalia o grau de dependência da empresa com relação a Capital de Terceiros
  15. 15. Análise das Demonstrações Financeiras Indicadores de endividamento Exigível Total (Passivo Circulante + Participação de Capitais de Passivo não Circulante) = Terceiros sobre os Recursos Totais Exigível Total + Patrimônio Líquido Revela a porcentagem que o endividamento representa sobre os fundos totais. No longo prazo, este percentual não poderia ser muito grande, pois aumentaria as despesas financeiras da empresa. Capitais de Terceiros/ Exigível Total = Capitais Próprios Patrimônio Líquido Retrata o posicionamento das empresas com relação aos capitais de terceiros. Grande parte das empresas que vão à falência apresenta, durante um longo período, alto quociente de Capitais de terceiros/Capitais próprios.
  16. 16. Análise das Demonstrações Financeiras Indicadores de endividamento Participação do Exigível a Curto Passivo Circulante = Prazo sobre o Exigível Total Passivo Exigível Total Fornece indicação sobre como a empresa está financiando sua expansão (se estiver se expandindo). A expansão deveria ser financiada por endividamento de longo prazo.
  17. 17. Análise das Demonstrações Financeiras Quocientes de Rotatividade Expressam a velocidade com que determinados elementos patrimoniais se renovam durante certo período de tempo Tais índices normalmente apresentam seus resultados em dias, meses ou períodos, fracionários ou múltiplos, de um ano Relacionam entre si itens da Demonstração de Resultados e do Balanço Patrimonial
  18. 18. Análise das Demonstrações Financeiras Quocientes de Rotatividade Rotatividade dos = Custo das Vendas Estoques Estoque médio de Produtos (Mercadorias) Mensura quantas vezes se “renovou” o estoque de produtos ou mercadorias em função das vendas. Considera-se que quanto maior a rotatividade do estoque, melhor para a empresa. Ex.: custo das vendas de $100.000/estoque médio de produtos de $20.000 = 5, ou seja, o estoque se renovou a cada 2,4 meses (12 meses/5=2,4). Prazo Médio de Recebimento de Contas Duplicatas a Receber Médio a Receber (derivantes de vendas a prazo) = Vendas Médias Indica quantos dias, semanas ou meses a empresa deverá esperar, em média, para receber suas vendas a prazo.
  19. 19. Análise das Demonstrações Financeiras Quocientes de Rotatividade Prazo Médio de Pagamento de Contas a Pagar Fornecedores Médio (derivantes de vendas a prazo) = Compras Médias a Prazo Indica quantos dias, semanas ou meses a empresa terá para pagar, em média, suas compras a prazo. Se a empresa demora mais para receber suas vendas a prazo do que para pagar suas compras a prazo, necessitará mais capital de giro. Prazo Médio de Recebimento Quociente de Posicionamento Relativo = Prazo Médio de Pagamentos Relação de tempo entre os prazos de recebimentos e de pagamentos da empresa. A empresa deve fazer o possível para manter este índice inferior a 1 ou próximo dele.

×