Apresentacao cp2011

739 views
675 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
739
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentacao cp2011

  1. 1. <ul>Campus Party 2011 </ul><ul>Redes em Malha: - o que são? - o que muda? </ul><ul>Associação SoftwareLivre.Org - GT Mesh Vinicius John - vinicius@minuano.org Rodrigo Troian - rtroian@gmail.com </ul>
  2. 2. <ul>A Associação Software Livre.org em sua missão de fomentar pesquisas e desenvolvimento de softwares livre, vem formando grupos de trabalho em diversas áreas. <li>Assim nasce o GT Mesh, que há 3 anos vem buscando coletar informações, participar de eventos e pesquisar a tecnologia de redes sem fios em malha.
  3. 3. Intuindo ainda:
  4. 4. - dar suporte a eventos;
  5. 5. - implantar um projeto piloto de rede pública na cidade de Porto Alegre – RS. </li></ul><ul>Histórico GT Mesh ASL.org </ul>
  6. 6. - a própria internet é uma rede em malha; - sua criação previu tolerância a falhas; - usuários finais utilizam conexões ponto a ponto com os provedores; - provedores e backbones formam a malha redundante; Porém, falaremos especificamente sobre redes sem fio . <ul>Redes em malha: o que são </ul>
  7. 7. As redes sem fio normalmente operam no modo infraestrutura ou gerenciado, formando uma topologia ponto a ponto ou estrela: Mas também podem operar em modo adhoc: <ul>Redes em malha: o que são </ul>
  8. 8. Infraestrutura Ad-Hoc <ul>Modos de operação das redes sem fio </ul>
  9. 10. <ul>802.11 </ul>Os canais 1, 6 e 11 são os mais recomendados para a configuração de rede mesh
  10. 11. Os padrões das redes sem fios atuais (802.11) são seguintes: 802.11 A, B, G e N: relativos a velocidade Mbps (54, 11, 54, 108) e frequência Ghz (5, 2.4, 2.4, 5) de rádio 802.11 S: relativo a topologia da rede Então o padrão S é o que especifica e possibilita as redes sem fios operarem na topologia em malha . <ul>Redes em malha: o que são </ul>
  11. 12. O padrão S implementa protocolos de roteamento dinâmico. <ul>Redes em malha: o que são </ul>
  12. 13. Com a redução de custos: - Implantação em zonas rurais, periferias e centros urbanos; - Incentivando redes sociais, públicas e inclusão digital; - Utilização em eventos; - Redes móveis (militar, rural, urbano, etc.) - Redes Wireless para países em Desenvolvimento: http://wndw.net/translations.html <ul>Redes em malha: o que muda com elas </ul>
  13. 14. Vantagens - grande redução do custo de implementação - dinamismo em estruturas instáveis - redundância de gateways - pode possibilitar fim da ociosidade das conexões - soma da velocidade dos gateways - incentiva compartilhamento co-responsável entre usuários Desvantagens - aumento no tráfego devido aos protocolos de roteamento - rede transparente, não criptografada - criptografia possível a nível das aplicações (https, ssh, etc.) - protocolos ainda não homologados <ul>Para que? </ul>
  14. 15. Contexto atual: - ajuda a consolidar ideais de compartilhamento livre do conhecimento e dos produtos culturais humanos; - resposta a DRM, criminalização do compartilhamento (mesmo para fins não comerciais), direitos autorais, empresas de hardware que fecham e limitam os equipamentos via software; <ul>Por que? </ul>
  15. 16. <ul><li>No Brasil </li></ul><ul>Universidade Fluminense http://www.rnp.br/pd/gts2005-2006/mesh.html http://mesh.ic.uff.br/ Universidade Federal do Paraná OLSR alterado, versão própria OLSR-LM Site: http://www.rnp.br/_arquivo/wrnp/2007/gt-mesh-slides.pdf Linhas de transmissão elétrica RS-SC <li>Agricultura informatizada RS – colheita
  16. 17. Mas também na Amazônia, Pará, … </li></ul>
  17. 18. <ul>Configuração Roteadores </ul>
  18. 19. <ul>Configuração Roteadores </ul>
  19. 20. <ul>Configuração Roteadores </ul>
  20. 21. <ul>Configuração Roteadores </ul>
  21. 22. <ul>Buenos Aires Libre – AR <li>Rosário – AR – Lugromesh
  22. 23. Montevidéo Libre – UR
  23. 24. Bogotá Mesh – CO
  24. 25. Região costeira do Chile </li></ul>No Mundo América Latina
  25. 26. <ul>RoofNet - MIT - EUA Desenvolveram software protocolo próprio utilizando roteadores Wi-Fi WGT634U da Netgear até 20 nós • Site: http://pdos.csail.mit.edu/roofnet/doku.php Vmesh - Grécia Linksys WRT54G com o sistema operacional OpenWRT • Site: http://vmesh.inf.uth.gr/   Wireless África Site: http://wirelessafrica.meraka.org.za/ </ul>No Mundo
  26. 27. <ul>Cataluña – mais de 11.500 nós – http://guifi.net </ul>No Mundo
  27. 28. <ul>Configuração Roteadores </ul>
  28. 29. Uso Militar
  29. 30. Uso Militar
  30. 31. <ul>Paralelo aos computadores padrão x86 Análise de limitações de hardware e/por software Outras opções de firmwares </ul>Roteadores são Computadores!!! <ul>  </ul>Hardware
  31. 32. <ul>  </ul>Hardware
  32. 33. <ul>  </ul><ul>Os APs devem suportar a instalação de firmwares GNU/Linux – consulte página do projeto http://openwrt.org </ul>http://wiki.openwrt.org/toh/start <ul>Em relação aos microcomputadores, para serem replicadores da rede, somente necessário é uma placa de redes sem fio, padrão 802.11, e um sistema operacional compatível. Se você pretende só utilizar a rede, sem ser replicador, basta conectar! </ul>Hardware
  33. 34. <ul>  </ul><ul>Com o uso de software livre nos routers estes passam a ter recursos que os fabricantes “esquecem” de colocar em suas firmwares :( <li>- Acesso remoto via ssh
  34. 35. - Múltiplas redes wifi, WDS, repeater, adhoc
  35. 36. - Gerenciamento switch (VLANS)
  36. 37. - Diferentes protocolos: como os para redes em malha – mesh (OLSR, B.A.T.M.A.N., etc.)
  37. 38. Enfim, tudo o que o GNU/Linux pode fazer por você!
  38. 39. (e seu hardware permitir claro!) </li></ul>Hardware
  39. 40. <ul>Protocolos para redes Mesh </ul>Necessidades: - descoberta de nós - descoberta de bordas - métricas dos links: qualidade - cálculo de rotas - gerenciamento de endereços - gerenciamento de gateways
  40. 41. <ul>Principais Protocolos </ul>OLSR – um dos primeiros protocolos de roteamento para redes mesh, é o mais estável e documentado, apresentando interfaces gráficas para configuração e diversas redes em operação. Será homologado no padrão 802.11s (RFC3626). Utiliza porta UDP 698 ; B.A.T.M.A.N. – apresenta vantagens em relação ao OLSR ao reduzir o tráfego e a carga sobre os nós, não exigindo que cada nó saiba toda a topologia da rede; NETSUKUKU – abordagem p2p para roteamento em redes Mesh; BABEL – novo protocolo que promete unir diversos conceitos utilizados em outros protocolos; Entre diversos outros em desenvolvimento
  41. 42. <ul>Campus Party 2011 </ul><ul>Redes em Malha: - o que são? - o que muda? </ul><ul>Associação SoftwareLivre.Org - GT Mesh Vinicius John - vinicius@minuano.org Rodrigo Troian - rtroian@gmail.com </ul>

×