Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.

26,627 views
26,212 views

Published on

Published in: Education, Travel, Technology
0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
26,627
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
25
Actions
Shares
0
Downloads
453
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.

  1. 1. Sociologia<br />Roberto Mosca Junior<br />
  2. 2. Desigualdades sociais no Brasil<br />Existem desigualdades sociais de várias ordens.<br />Alguns cenários sobre a desigualdade:<br />Segregação espacial<br />No Brasil, conforme o IBGE até o final de 2006 temos:<br />40 milhões de domicílios registrados.<br />10 milhões são considerados insalubres (sem condições mínimas para viver dignamente) <br />
  3. 3. Segregação espacial<br /> Nas cidades aos menos favorecidos são reservadas as áreas mais insalubres e sujeitas a toda sorte de riscos, como enchentes e deslizamentos de terra, violência crônica.<br /> Afinal de contas onde podemos encontrar a segregação espacial:<br />Nas Favelas<br />Nos Cortiços<br />Nos Casebres<br />Nas Palafitas<br />Nos Alagados<br />
  4. 4. Dados sobre as favelas<br />6,5 milhões de pessoas.<br />65% nas capitais<br />São Paulo (2,07 milhões)<br />Rio de Janeiro (1,38 milhões)<br />Belém maior população favelada proporcionalmente 35% (581 mil)<br />
  5. 5. Palafitas<br />
  6. 6. Tarsila do Amaral<br />'Morro da Favela'-1924
óleo/tela 64 X 76cm
Assin:"Tarsila 1924" 
Col. JoãoEstéfano, SP<br />
  7. 7. “Cultura do medo”<br />A existência de uma massa de pessoas vivendo precariamente alimenta uma crescente “cultura do medo”, presente em muitos segmentos da sociedade, e justifica os movimentos de abandono da cidade e a busca de isolamento, traduzido na multiplicação de condomínios fechados.<br />
  8. 8. Condomínios Barra da Tijuca<br />
  9. 9. Vida social desigual <br />Nestes condomínios temos uma vida social marcada pelo isolamento:<br />Escola específica<br />Lazer próprio<br />Regulamento e guardas particulares<br />Delimitando o espaço <br />E criando uma cultura desigual<br />
  10. 10. Sociabilidade violenta<br />Definição de Estado de Max Weber:<br />“uma comunidade humana que pretende, com êxito, o monopólio do uso legítimo da força física dentro de determinado território”.<br />Será que o Estado perdeu o monopólio da força?<br />“Estado Paralelo” ou “para estado” <br />
  11. 11. Sociabilidade violenta<br />Luis Antonio Machado Silva<br />Os comandos não tem de ser visto como:<br />“Estado dentro do Estado” e nem em um contexto de “Ausência de Estado”<br />O problema é de convivência entre a ordem institucional legal e uma ordem cujo princípio norteador é a violência.<br />
  12. 12. Sociabilidade violenta<br />Estamos vivendo uma nova sociabilidade – uma sociabilidade violenta - que rege o corpo social, afetando de forma ainda mais direta e profunda as áreas desfavorecidas economicamente.<br />Característica da SV:<br />Transformação da força, de meio de obtenção de interesses, no próprio princípio de coordenação das ações.<br />
  13. 13. Sociabilidade violenta<br />Não há princípios da honra, amizade e laços de sangue.<br />Esta Sociabilidade é fragmentada (lógica do cada um por si)<br />“Cadeia de submissão formada pelo reconhecimento do desequilíbrio da força” (comandos)<br />O poder não se dá por meio da negociação ou convencimento.<br />
  14. 14. Sociabilidade violenta<br />Mas sim pelo uso da força, no mais das vezes, letal , imposta aos demais.<br />Violência é usada para fora do grupo (cidadãos e grupos rivais) bem como no interior do próprio grupo.<br />
  15. 15. Protesto no Rio<br />
  16. 16. Sociabilidade violenta<br />Dois criminosos assaltam um caixa eletrônico.<br />Sob efeito de drogas e um deles está com uma pistola automática.<br />Eles não tem exatamente um plano.<br />A única coisa que sabem é que precisam escapar da polícia.<br />O sinal de trânsito fecha e caminham na direção de um carro qualquer.<br />
  17. 17. Sociabilidade violenta<br />Não tem interesse no carro como tal, apenas precisam de um veículo para a fuga.<br />Na lógica da sociabilidade violenta, sempre extremamente imprevisível, há vários desfechos possíveis para essa história:<br />Os criminosos ameaçam o motorista do carro com a pistola, este lhe entrega o carro e os criminosos conseguem escapar.<br />
  18. 18. Sociabilidade violenta<br />O motorista do carro, paralisado de medo, não consegue sair do carro rapidamente. Os criminosos se exaltam e matam o motorista- perceba que de início não estava previsto o assassinato – e seguem em fuga.<br />O motorista do carro também está armado e ocorre uma troca de tiros.<br />Zona de incerteza – ninguém sabe exatamente como agir, nem mesmo os criminosos, o que acaba gerando nos cidadãos de bem uma profunda insegurança.<br />
  19. 19. Reflexões finais<br />Não faz sentido as noções de “criminalidade organizada” e “Estado paralelo”. Muito menos que o indivíduo já nasça violento para explicar o problema da violência no Brasil.<br />Ninguém nasce cidadão é preciso aprender a sê-lo.<br />Da mesma maneira ninguém nasce “portador” de sociabilidade violenta.<br />Não se trata de uma questão de caráter ou índole.<br />Justamente porque não se trata de uma questão natural, alguém que no presente é criminoso, no futuro pode deixar de sê-lo.<br />
  20. 20. Manchetes de jornais (a violência está em todo lugar)<br />Briga em festa de condomínio na Barra deixa seis feridos: Estudante é preso acusado de esfaquear pai e filho no Barra Summer Dream.<br />Vítima de pitboys recebe ameaça por telefone<br />
  21. 21. Questão<br />
  22. 22. Questão ENEM<br />Esta foto, do fotógrafo mexicano Carlos Cazalis, flagra, na porta de um prédio comercial, um morador de rua que passa a noite no centro de São Paulo.<br />(imagem premiada no World Press Photo 2009). <br />A partir da foto e considerando as condições de vida nas grandes cidades no Brasil, é possível afirmar que a questão incorretamente é:<br />
  23. 23. Questão modelo ENEM<br />O acesso a boas condições de moradia no Brasil está relacionado ao alto poder econômico das grandes cidades, que tende a ter um valor de custo de vida elevado nas áreas centrais e urbanizadas.<br />Há uma tendência nas grandes cidades brasileiras, devido ao alto valor do custo de vida nas áreas centrais e urbanizadas, de isolamento das populações, confinadas a bolsões de miséria.<br />Nas grandes cidades brasileiras, com a prática de tarifas de transportes caras e falta de integração de vários meios de transporte, a mobilidade social é dificultada e, com isso, a ascensão social das pessoas por meio de estudo e aumento de renda é um sonho distante para muitos.<br />As favelas surgem e crescem sem planos de lotes e ruas, com frequência em terrenos públicos, às vezes acidentados e sem condições de segurança, e os governos encontram várias dificuldades para regularizar as moradias, pois cabe ao poder público cumprir as normas que ele mesmo estabeleceu .<br />Com o processo de favelização das grandes cidades brasileiras, os moradores destas são assistidos e tem pleno acesso a direitos humanos básicos (comida, trabalho e moradia).<br /> <br />
  24. 24. Naturalização da pobreza<br />Justificativa no perfil da população para a condição de subalternidade:<br />São pobres e violentos por questões “naturais” e biológicas, esta explicação apresenta um caráter preconceituoso, desconsidera o caráter sócio-cultural do indivíduo e as características do meio social no qual ele vive.<br />
  25. 25. Relação entre pobreza e violência<br />
  26. 26. Relação entre pobreza e violência<br />
  27. 27. Pena de morte <br />
  28. 28. Segregação espacial<br />
  29. 29. Quem é o responsável?<br />
  30. 30. Quem é o responsável?<br />
  31. 31. Quem é o responsável?<br />
  32. 32. Desemprego estrutural<br />
  33. 33. Desemprego estrutural<br />
  34. 34. Desemprego estrutural<br />
  35. 35. A solução<br />
  36. 36. Violência<br />Não uma única causa, existe um conjunto de de situações que geram a violência. Barreiras culturais para controle de natalidade, a desestruturação dos laços familiares, a a redução de oportunidades por ineficiência do sistema escolar e falta de uma política de trabalho.<br />

×