• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Impressionismo e Pós-Impressionismo
 

Impressionismo e Pós-Impressionismo

on

  • 18,326 views

Trabalho de Introdução à História e Teoria da Arte e Linguagem sobre Impressionismo e Pós-impressionismo

Trabalho de Introdução à História e Teoria da Arte e Linguagem sobre Impressionismo e Pós-impressionismo

Statistics

Views

Total Views
18,326
Views on SlideShare
18,324
Embed Views
2

Actions

Likes
5
Downloads
607
Comments
1

1 Embed 2

http://www.saplei.eesc.usp.br 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • muito bom esse slide!!
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Impressionismo e Pós-Impressionismo Impressionismo e Pós-Impressionismo Presentation Transcript

    • Impressionismo e Pós-impressionismo
    • Contexto histórico
      Revolução Industrial: a burguesia ascende socialmente na França
      Maior estabilidade devido ao triunfo das democracias liberais e à consolidação da burguesia.
      Cidades transformam-se no símbolo da vida moderna. A vida noturna se intensifica devido ao advento da luz elétrica.
      Entre 1875 e 1914, ocorrem algumas alterações:
      • crescimento das cidades- Paris se torna protagonista;
      • canalizações, esgotos, estações e mercados, bem como parques, boulevares e edifícios públicos (ópera, Palais de I’Industrie...)
      • iluminação permite a circulação noturna- exposições podem permanecer abertas até mais tarde
      • Cafés continuam sendo centro da vida pública e das tertúlias artísticas e literárias.
    • Contexto histórico
      Inovações tecnológicas- exposições para apresentar essas inovações (telefone, máquina fotográfica, cinema, etc). Paris torna-se centro da vida artística e cultural ocidental.
      Afastamento da arte do religioso e político: tentativa de aproximação ao indivíduo (criador e consumidor)
      Instalado mercado de arte- círculo de críticos de arte. Revolução das técnicas e objetivos.
    • Definições
      • O impressionismo é um movimento artístico surgido na França no século XIX que criou uma nova visão conceitual da natureza utilizando pinceladas soltas dando ênfase na luz e no movimento. Foi o mais notório fenômeno visual da modernidade.
      • Primeira exposição aconteceu no atelier do fotógrafo Nadar, Boulevard dês Capucines, 35, de 15 de abril a 15 de maio de 1874
      • O nome do movimento se originou da obra “Impression, soleillevant”, de Claude Monet. O jornalista Louis Leroy, como de forma desdenhosa os nomeou assim, por terem abandonado os meios de expressão tradicionais para traduzir melhor suas impressões visuais.
      • Substituiu o enfoque conceptual da natureza (ela é o que se vê) pelo enfoque perceptual (baseado na experiência visual de fato).
    • Definições
      Escolhiam pintar sobre temas cotidianos e pessoas comuns. Desejavam ser visualmente sinceros, não distorcer as coisas que viam, e pintavam não como as coisas pareciam ser, mas como elas realmente eram.
      Não possuíam nenhum interesse ideológico ou político comum que uniam os jovens “ revolucionários” da arte
      Aversão pela arte acadêmica dos salons oficiais
      Orientação realista
      Total desinteresse pelo objeto- preferência pela paisagem e a natureza morta
      Recusa dos hábitos de ateliê de dispor e iluminar os modelos, de começar desenhando o contorno para depois passar ao chiaroscuro e à cor
      Obras passam a ser executadas ao ar livre, sem voltar para os estúdios
    • Café Guerbois
      Café Guerbois, naavenida Clichy de Paris, foi local de encontro do século XIX de grande parte dos artistas, escritores e amantes das artes do século XIX — osboêmios, emcontraste com osburgueses.
      Édouard Manet, Émile Zola, Bazille, Duranty, Degas, Monet, Renoir, Sisley, Cézanne, Pissarro sãouns dos nomesquefrequentavam o Café. Muitos deles sãoassociadosaoImpressionismo.
      Au Cafe Guerbois, Manet, 1869
    • Luz e sombra
      Variações de cores
       pintura deve mostrar as tonalidades que os objetos adquirem ao refletir a luz do sol num determinado momento, pois as cores da natureza mudam constantemente, dependendo da incidência da luz do sol.
      É também com isto uma pintura instantânea(captar o momento), recorrendo, inclusivamente à fotografia.
      As figuras não devem ter contornos nítidos pois o desenho deixa de ser o principal meio estrutural do quadro passando a ser a mancha/cor.
      As sombras devem ser luminosas e coloridas, tal como é a impressão visual que nos causam. O preto jamais é usado em uma obra impressionista plena.
      Os contrastes de luz e sombra devem ser obtidos de acordo com a lei das cores complementares. Assim um amarelo próximo a um violeta produz um efeito mais real do que um claro-escuro muito utilizado pelos academicistas no passado. Essa orientação viria dar mais tarde origem ao pontilhismo
      As cores e tonalidades não devem ser obtidas pela mistura das tintas na paleta do pintor. Pelo contrário,devem ser puras e dissociadas no quadro em pequenas pinceladas. É o observador que, ao admirar a pintura, combina as várias cores, obtendo o resultado final. A mistura deixa, portanto, de ser técnica para se tornar óptica.
      Preferência pelos pintores em representar uma natureza morta do que um objeto
    • Ênfase na natureza
      A busca da imagem ao naturalO volume e solidez – pintura tradicional
      Fidelidade com o objeto
      Efeitos do olhar e da mudança de luz durante o dia:
      The stroll, camillemonetandherson, Monet
    • A fonte das cores está nos raios do sol.
      CamilleMonet atthewindow, Monet
    • Sugestão de felicidade e vida harmoniosa
      O Passeio, Renoir
    • Mudança no ângulo
      Cavalos de corrida numa paisagem, Degas
    • Técnicas de pintura
      A importância do pincel na formulação da obra
    • Frescor da obra
      Noite estrelada, Van Gogh
    • Pinceladas Curtas
      Auto Retrato, Van Gogh
    • Contorno não definido
      At thetheater, Degas
    • Musée d'Orsay, Paris
      Movimento
    • Estação de Saint-Lazare, Monet
      Fotografia
    • Fotografia
      Tentava fixar a imagem da Modernidade. Revelou aos artistas aspectos desconhecidos do mundo: ângulos desconhecidos, primeiros planos, decomposição de movimentos. A ela pode-se atribuir em parte o gosto disseminado da época pela figura pintada ao ar livre.
    • Self-portrait
      Sarah Bernhardt - 1862
    • Artistas
      Claude Monet(14/11/1840 - 05/12/1926)
      Pintor pariesiense;
      O começo de sua carreira artística foi marcado por dificuldades financeiras;
      Na década de 1870, começou a obter sucesso;
      Trabalhava de forma harmônica as cores e luzes, criando imagens belas e fortes;
    • Auto Retrato
    • Vale a pena destacar também as obras de arte com temas aquáticos como, por exemplo, os murais que realizou no Museu I’orangerie.
    • A luminosidade de Monet – Catedral de Rouen
    • Edgar Degas(19 /07/1834 - 27/07/1917)
      Pintor parisiense;
      Nunca adotou o leque de cores típico dos impressionistas;
      Estilo impressionista - inspirado em Manet - com inspirações conservadoras, com bases assentes na Renascença Italiana e no Realismo francês;
      Ficou conhecido por pintar bailarinas, cavalos, retratos de família, cenas do quotidiano parisiense e cenas domésticas, paisagens e a burguesia de Nova Orleans. Todavia, durante algum tempo Degas aplicou-se a pintar as tensões maritais, entre homem e mulher.
    • Auto retrato
    • A banheira, 1886
    • Cavalo de Corridas diante das tribunas,1879
    • Pierre-Auguste Renoir (25/02/1841 – 03/12/1919)
      Pintor francês, nascido em Limoges;
      Seu 1 º contato com a arte foi em uma fábrica de porcelana dos Irmãos Lévy onde pintava buquês e flores em artigos de porcelana.
      È influenciado pelo sensualismo e pela elegância do rococó;
       Possui 3 períodos.
    • Período Impressionista – O camarote, 1874
    • Período Seco - As grandes banhistas, 1887
    • Período Iridescente – O julgamento de Páris, 1908
    • Neo-impressionismo
      Surge em França por volta de 1880 .
      Tem origem no estudo científico da cor.
      Os pintores mais representativos são: Paul Signac e Georges Seurat.
      Os artistas procuraram dar uma sensação de imagens pulverizadas no espaço.
      Tem como característica a colocação das cores puras umas ao lado das outras, diretamente na tela para que produzam sensações ópticas de novas cores.
      Pontilhismo: Técnica que consiste de decomposição dos tons, justapondo pequenas pinceladas sob a forma de pontos, em vez de misturar as cores na palheta. Os neo-impressionistas nomeavam essa técnica de divisionismo.
      Esses pontos de cores em estado primário, quando observados numa distância calculada, deveriam apresentar o máximo de luminosidade, realidade de cores e brilho.
      Temas: Vida cotidiana, paisagens marítimas e das diversões, tratados em grandes telas, e executados no atelier a partir de estudos realizados ao ar livre.
    • Artistas
      Paul Signac (1863-1935)
       
      • Pertenceu ao grupo de artistas designado por Grupo dos XX.
      • Como era amante de barcos, possuiu ao longo da sua vida cerca de 30 barcos. Isso permitiu-lhe fazer diversas viagens que o inspiraram no uso de novos tons, porque aclaridade das paisagens é diferente de região para região.
      • Em 1899 Signac publicou a obra De Eugène Delacroix ao Neo-impressionismo. Em 1908 foi eleito presidente da Sociedade dos Artistas Independentes, tendo mantido esse cargo até 1935, ano em que faleceu.
    • Georges Seurat (1859-1891)
      Inventou um método a que deu o nome “pintura óptica”, também conhecida como divisionismo, neo-impressionismo ou pontilhismo,  no qual as pinceladas colocadas lado a lado parecem fundir-se ao olhar do observador.
      Seurat acreditava que esses pontos de cor intensa, dispostos rigorosamente, imitavam os efeitos da luz com maior fidelidade que a prática intuitiva e mais aleatória dos impressionistas.
      Em vez de misturar tintas na paleta, ele pintava aplicando pinceladas ínfimas e regulares de cor pura, as quais, quando vistas à distância, criavam uma ilusão óptica.
      Se determinadas cores fossem colocadas muito próximas uma das outras, elas realçavam-se mutuamente e proporcionavam iridescência (produção das cores do arco-iris) e profundidade à pintura.
      Suas obras e princípios mais tarde exerceriam grande influência sobre os movimentos modernistas do século XX. Artistas como Picasso e Braque foram “impressionados” pelos seus trabalhos.
    • Simbolismo
      Definição:
      • Corrente artística de timbre espiritualista que floresce na França, nas décadas de 1880 e 1890, opondo-se ao Naturtalismo e ao Realismo.
      Características:
      - Ênfase em temas místicos, imaginários e subjetivos;
      - Caráter individualista
      - Desconsideração das questões sociais abordadas pelo Realismo e Naturalismo;
      - Estética marcada pela musicalidade (a poesia aproxima-se da música);
      - Produção de obras de arte baseadas na intuição, descartando a lógica e a razão
      - Utilização de recursos literários como, por exemplo, a aliteração (repetição de um fonema consonantal) e a assonância (repetição de fonemas vocálicos).
    • Pós-impressionismo
      Pintores influenciados pelo Impressionismo.
      Busca de melhoriaspara a técnicaimpressionista.
      Vida dos artistassãorelacionadas à suaobra.
    • Vincent Van Gogh (1853 – 1890)
      Esquizofrênico
      Pinceladasesparças e pastosas
      Cores expressamsentimentos
      Expressionismo
      Auto retrato
    • A NoiteEstrelada – Van Gogh, 1889
    • Paul Gauguin (1848 – 1903)
      Filho de francês e peruana
      Isola-se parapintar
      Teoricointelectual de arte
      Artistarústico da pintura
      Formas e cores simples
      Fauvismo
      Auto Retrato
    • PaisagemTaitiana com Montanha – Paul Gauguin, 1893
    • MulheresTaitianas – Paul Gauguin, 1891
    • Paul Cézanne (1839 – 1906)
      Desistiu de direitoparadedicar-se a pintura
      Sistemático
      Propôsmelhorar o Impressionismo
      Geometrizou as formas
      Cores faziam as delimitaçãoes dos objetos
      Cubismo
      Auto Retrato
    • Vista de Gardanne – Paul Cézanne, 1886
    • Monte Sainte-Victoire – Paul Cézanne, 1906
    • Ligações externas
      Cinema:
      O impressionismo francês surge após a segunda guerra mundial, na década de 20. Contingência econômica aos realizadores dessa nova vanguarda: realização de grandes produções em contrapartida, já que as grandes companhias produtoras decidiram apoiar os projetos dos cineastas que se dedicavam a inovação.
      Semelhanças entre impressionismo na pintura e no cinema
      -Dispensam técnicas tradicionais. No cinema, por exemplo, os impressionistas eram contra a “boa fotografia” e o modo comportado de filmar. Na pintura, as figuras não deviam ter contornos nítidos, pois o desenho deixa de ser o principal meio estrutural do quadro que passa a ser a mancha/cor.
      -Buscam o experimentalismo. O experimentalismo pode ser identificado no momento em que Abel Gance faz com a utilização de câmeras em pêndulos ou em dorsos de cavalos no filme “Napoleão” (1927). Na pintura, um exemplo de experiência era pintar o efeito da luz com rápidas pinceladas.
      -Exploração máxima da visualidade. A vanguarda cinematográfica é acima de tudo visual, se caracterizando por várias técnicas estilisticas, e dando importância ao enquadramento e à montagem ritmica acelerada. A pintura impressionista explora a visualidade a partir da utilização de várias tonalidades, de contraste de luz e sombra, de cores puras.
      - Pesquisas sobre a óptica e os efeitos (ilusões) ópticas. Na pintura existe a pesquisa sobre as tonalidades das cores e as mudanças que ocorrem dependendo da incidência da luz do sol. No cinema sobreimpressoões, deformações ópticas são muito utilizados.
      - Presença de um olhar móvel. Essa mobilização do olhar é originada da valorização do mundo natural, visto como palco de fenômenos atmosféricos e efêmeros. Na pintura também há a valorização das impressões momentâneas e fugazes de seu cotidiano e o aspecto efêmero da vida.
    • Música:A máxima “sinto, logo sou” de Gide influencia os músicos na medida que as cores, as palavras e sons servem ao artista para traduzir as sensações experimentadas pelo homem.
      Claude Debussy reconheceu a interpenetração das diferentes formas de arte quando escreveu: “Nada é mais musical do que um por do sol”.
    • Literatura: Poetas e escritores retomam os temas dos pintores e também cantam a água, a luz, as vibrações, os reflexos, o vento. André Gide: “O que fez minha alegria nesse dia. Escreverei e você me compreenderá se eu lhe disser que era a simples exaltação da luz? Estava sentado neste jardim; não via o sol, mas o ar brilhava de luz difusa como se o azul do céu se tornasse líquido e chovesse.” (os frutos da terra)
      Marcel Proust personifica o Impressionismo literário. Descreve as paisagens como um quadro do Impressionismo. (Os prazeres e os dias)
    • http://www.wetcanvas.com/Museum/Impressionists/CircleFriends/Cafes/index.html
      Enciclopédia Itaú Cultural, ARTES VISUAIS. http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_ic/index.cfm?fuseaction=termos_texto&cd_verbete=331
      Salão dos Recusados:
      http://www.notapositiva.com/trab_estudantes/trab_estudantes/historia/historia_trab/impressionismo.htm
      DENVIR, Bernard- O Impressionismo
      ARGAN, Giulio Carlo- A arte moderna. Companhia das Letras, 1995. São Paulo
      SERULLAZ, Maurice- O impressionismo. Editor Jorge Zahar, 1989. Rio de janeiro.
      Frascina, Blake, Garb, Fer, Harrison, Modernidade e Modernismo – A pintura Francesa do século XIX. Editora Cosac Naify, 1998.
      Di Cavalcanti, Carlos. História das Artes. Editora Rio, Rio de Janeiro
      Francastel, Pierre. Pintura e Sociedade. Martin Fontes, São Paulo.