Iniciativa hospital amigo da criança

3,267 views

Published on

Trabalho descritivo sobre o funcionamento do Programa Iniciativa Hospital Amigo da Criança.

Published in: Health & Medicine
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,267
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
56
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Iniciativa hospital amigo da criança

  1. 1. INICIATIVA HOSPITALAMIGO DA CRIANÇAUNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBIGraduação em Enfermagem – 5º SemestreDisciplina de Processo do Cuidar do Ciclo Vital IIProfª Rita JanicasBeatriz Portella; Camila Ferreira; Hellen Gouveia; JéssicaZebini
  2. 2. IHAC Elaborada em 1990pela OMS e UNICEF OBJETIVOS:o reduzir as taxas deMorbi e MortalidadeInfantil• Como?o Incentivando oALEITAMENTOMATERNO
  3. 3. ALEITAMENTO MATERNO UMASOLUÇÃO OMS – 1,5milhão de mortes poderiam serevitadas OMS – A incidência de doenças em crianças quesó mamam é 2,5x menor comparada às queutilizam fórmulas artificiais. Para a mulher que amamenta os benefícios são : < risco de contrair câncer de ovário e mama < risco de Diabetes II
  4. 4.  Lançada em 1991-92 Total de Hospitais credenciados àIHAC: >20mil em 156 países
  5. 5. Declaração de InnocentiProduzida e adotada por representantes deorganizações governamentais, ONGs, defensoresda amamentação de países de todo o mundo, noencontro "Breastfeeding in the 1990s: A GlobalInitiative" organizado pela OMS/UNICEF comapoio da A.I.D United States Agency forInternational Development e da SIDA - SwedishInternational DevelopmentAuthority, em, Florença, na Itália, entre os dias 30de Julho e 1 de Agosto de 1990.
  6. 6. Declaração de Innocenti“Conjunto de metas criadas com o objetivo de resgataro direito da mulher de aprender e praticar aamamentação com sucesso” Sobre a Proteção, Promoção e Apoio aoAleitamento Materno Uso do leite materno desde onascimento até os primeiros 4 e 6 mesesde vida 2 anos de idade ou > mesmo depois decomeçarem a ser alimentadas devemcontinuar sendo amamentadas
  7. 7.  Assegura o acesso ao PlanejamentoFamiliar; Incentivo a Campanhas demobilização social; Estabelecer metas a curto e longoprazo para os anos 90;
  8. 8. Metas Estabelecidas:Todos os países até 1995, devem ter: Nomeado uma autoridade coordenador nacional dealeitamento materno Estabelecido um comitê nacional de aleitamento maternocomposto por membros do Governo e de organizações não-governamentais; Assegurado que as maternidades coloquem em prática todosos "Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno"; Implementado totalmente o Código Internacional deComercialização de Substitutos do Leite Materno Elaborado uma legislação criativa de proteção ao direito aoaleitamento da mulher trabalhadora e estabelecido meiospara sua implementação.
  9. 9. Metas da IHAC IHAC soma-se ao Programa Nacional deIncentivo ao Aleitamento Materno(PNIAM/MS):◦ Informar profissionais de saúde e o público emgeral;◦ Trabalhar pela adoção de leis que protejam otrabalho da mulher que está amamentando;◦ Apoiar rotinas de serviços que promovam oaleitamento materno;◦ Combater a livre propaganda de leites artificiaispara bebês, bem como bicos, chupetas e
  10. 10. Benefícios: Redução doscustos commedicação, internação, material deconsumohospitalar; Aumento doespaço físico dohospital peladiminuição doberçário;
  11. 11.  Redução deinfecções clínicas embebês; Aumento do vínculo(mãe-bebê) Aumento do prestígiodo hospital; Diminuição decriançasabandonadas;
  12. 12. Aleitamento Materno no Brasil O tempo médio de aleitamentomaterno exclusivo é de 54,1 Dias; O tempo médio em crianças de 9-11meses é de 341,6 dias;
  13. 13. 10 Passos para o Sucesso doAleitamento Materno O que é?◦ “São recomendações que favorecem aamamentação a partir de práticas eorientações no período pré-natal, noatendimento à mãe e ao recém-nascidoao longo do trabalho do parto eparto, durante a internação após o parto enascimento e no retorno aodomicílio, com apoio da comunidade.”
  14. 14. 1. Ter uma norma escrita sobre aleitamentomaterno, que deve ser rotineiramentetransmitida a toda a equipe do serviço.2. Treinar toda a equipe, capacitando-a paraimplementar essa norma.3. Informar todas as gestantes atendidassobre as vantagens e o manejo daamamentação.4. Ajudar a mãe a iniciar a amamentação naprimeira meia hora após o parto.5. Mostrar às mães como amamentar e comomanter a lactação, mesmo se vierem a serseparadas de seus filhos.
  15. 15. 6. Não dar a recém-nascido nenhum outroalimento ou bebida além do leite materno, a nãoser que tenha indicação clínica.7. Praticar o alojamento conjunto – permitir quemães e bebês permaneçam juntos 24 horas pordia.8. Encorajar a amamentação sob livre demanda.9. Não dar bicos artificiais ou chupetas a criançasamamentadas.10. Encorajar o estabelecimento de grupos deapoio à amamentação, para onde as mãesdevem ser encaminhadas por ocasião da altahospitalar.
  16. 16. Avanços na Legislação Quanto ao Alojamento Conjunto: 1982 – Portaria 18 do Inamps/Ministério daSaúde, que estabeleceu a obrigatoriedade doalojamento conjunto. 1986 – Portaria do Ministério da Educação(MEC), tornando obrigatório o alojamentoconjunto nos hospitais universitários. 1993 – Portaria GM/MS nº 1016, com aatualização das normas.
  17. 17.  Das Normas de Comercialização: 1988 – Aprovação, pelo Conselho Nacional deSaúde, a Norma para Comercialização de Alimentospara Lactentes (Resolução Nº 5), elaborada combase no Código Internacional de Comercializaçãode Substitutos do Leite Materno. 1990 – Aprovação do Código de Defesa doConsumidor, que reforça vários artigos da Norma deComercialização de Alimentos para Lactentes. 1992 – Aprovação, pelo Conselho Nacional deSaúde, do novo texto da Norma Brasileira paraComercialização de Alimentos para Lactentes(Resolução Nº 31), que inclui item específico sobreo uso de bicos e mamadeiras.
  18. 18. ◦ 1992 – Acordo mundial entre o UNICEF e OMS com aAssociação Internacional de Fabricantes deAlimentos, para cessar o fornecimento gratuito ou abaixo custo de leites artificiais a maternidades ehospitais.◦ 1994 – Publicado parecer Nº 62/94 da ConsultoriaJurídica do Ministério da Saúde, que redefine aspenalidades para as infrações à norma.◦ 2006 – Aprovada a lei federal nº 11.265/06, queregulamenta a propaganda abusiva dos produtos queinterferem na amamentação. A lei foi elaborada combase na Norma Brasileira de Comercialização deAlimentos para Lactentes e Criança de PrimeiraInfância, Bicos, Chupetas e Mamadeiras(NBCAL), constituída pela Portaria MS nº 2.051/01 epelas resoluções da Agência Nacional de VigilânciaSanitária (Anvisa) nº 221 e nº 222/02. A lei prevêautuação e punição para estabelecimentos de saúde eempresas que não se enquadrarem nos dispositivos dalegislação.
  19. 19.  Quanto à Constituição: 1988 – Promulgação da constituição, queassegura licença-maternidade de 120 dias,licença-paternidade de cinco dias, proteção aotrabalho da mulher e o direito às presidiárias depermanecer com os filhos durante o período deamamentação. Quanto ao Estatuto: 1990 – Aprovação do Estatuto da Criança e doAdolescente, Lei Nº 8069, que assegura àgestante, pelo Sistema Único de Saúde, oatendimento antes e após o parto. Também tratada obrigatoriedade do alojamento conjunto.
  20. 20.  Quanto ao Hospital Amigo da Criança: 1994 – Portaria Nº 1.113, do Ministério da Saúde,que assegura pagamento de 10% a mais sobre aassistência ao parto, a Hospitais Amigo daCriança vinculados ao Sistema Único de Saúde. 1994 – Portaria Nº 155, da Secretaria deAssistência à Saúde (MS), que estabelece oscritérios para o credenciamento dos Hospitaiscomo Amigo da Criança.
  21. 21. Referências UNICEF. Nossas Prioridades. IniciativaHospital Amigo da Criança. Disponível em:http://www.unicef.org/brazil/pt/activities_9994.htm MINISTÉRIO DA SAÚDE. Iniciativa HospitalAmigo da Criança. Brasília 2010. Disponívelem:http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/relatorioihacatualizado.pdf FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA AINFÂNCIA(UNICEF). O Município e aCriança de até 6 anos, DireitosCumpridos, Respeitados e Protegidos.Disponível em :http://www.unicef.org/brazil/pt/municipio.pdf

×