Your SlideShare is downloading. ×
Pimai (Laos) e San Martin de los Andes (ARG)
Pimai (Laos) e San Martin de los Andes (ARG)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Pimai (Laos) e San Martin de los Andes (ARG)

412

Published on

Duas reportagens para a Revista Bons Fluídos (não publicadas): …

Duas reportagens para a Revista Bons Fluídos (não publicadas):
Uma sobre o Pimai - como é chamada a festa de ano novo do Laos. Está pouco descritiva porque eu tinha muita restrição de espaço e acabei optando por uma sensação;
e outra sobre San Martin de Los Andes (ARG)

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
412
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Portunhol  –  San  Martin  de  los  Andes  (ou  “onde  está  Wally,  versão  neve”)    Feche   os   olhos.   Com   uma   boa   promoção   e   mais   duas   horas   e   meia,   você   pode  abri-­‐los   em   ares   argentinos   e   já   praticar   suas   primeiras   palavras   de   portunhol  enquanto  olha  o  menu  de  uma  tradicional  Parrilla.  Para  ir  além  de  um  feriado  em  Buenos   Aires,   com   mais   umas   três   horas   de   vôo,   você   alcança   a   Patagônia  Argentina,   que   oferece   pacotes   de   diversão   mais   em   conta   do   que   uma   semana  no   nordeste.   É   uma   alternativa   ao   caldeirão   brasileiro   de   pleno   dezembro.   San  Martin  de  los  Andes  é  um  destino  conhecido  entre  os  argentinos.  Há  260  km  de  Bariloche,   essa   cidade   de   menos   de   40   mil   habitantes     aconchega-­‐se   entre  montanhas  e  o  Lago  Lácar,  com  direito  a  vista  para  o  vulcão  Lanin.  No  verão,  é  uma   estação   de   esporte   aquático   e   montanhismo   -­‐destaque   para   a   competição  nacional  de  escalada.  E  outras  aventuras  no  Parque  Nacional  Lanin.  No  inverno,  o  complexo   de   montanhas   de   Cerro   Chapelco   se   transforma   numa   estação   de  esqui.  Tem  poucas  pistas,  se  comparada  à  estação  vizinha.  Mas  a  fama  de  manter  um  bom  nível  de  neve  até  outubro,  faz  a  montanha  lotar,  o  que  não  se  percebe  no  centro   da   cidade,   só   nas   filas   amontoadas   dos   teleféricos   da   montanha.   Todo  mundo   tentando   se   equilibrar   em   material   deslizante,   um   pisando   na   tábua   do  outro,  apoiando  no  desconhecido,  e  sempre  tem  os  que  não  conseguem  sentar  de  primeira,   levam   uma   cadeirada,   parando   o   movimento   até   a   recomposição   do  ser.   Quando   finalmente   subimos   no   teleférico,   a   vista   é   incrível.   Tirando   a   beleza  natural  do  lugar,  o  resto  lembra  um  cartão  postal  de  “Onde  está  Wally”.    São  os  tipos   da   neve.   O   pessoal   cool   de   snowboard,   capacete,   jaquetas   coloridas,  mochila   e   goggle,   sentados   em   grupo   no   meio   da   pista,   com   a   prancha   para   cima.  Aí   um   se   levanta   e   o   resto   vai   atrás,   entre   tombos   e   piruetas,   os   braços   limpando  o   ar.   O   pessoal   elegante   do   esqui,   roupas   sem   estampas,   cabelos   ao   vento,   óculos  escuros   ao   invés   de   goggles.   Movimentam   pouco   o   corpo,   vão   dobrando   e  estendendo  o  joelho  de  leve,  tentando  deixar  os  esquis    mais  próximos  possível,  para  parecer  que  mandam  bem.  E  as  crianças  kamikaze.  Elas  vem  à  milhão,  esqui  em  cunha,  pernas  tremendo,  sem  medo  de  nada.  As  que  estão  em  aula  são  bem  comportadas,  vão  em  fila  indiana  atrás  da  professora,  a  mãe  pata  e  seus  patinhos.  É   uma   gracinha   até   encontrar   uma   desengatada   no   meio   do   caminho.   San   Martin  de  los  Andes  é  um  destino  pouco  conhecido,  se  comparado  ao  vizinho  Bariloche.  É  uma  região  meio  misteriosa,  talvez  pelo  famoso  “Roteiro  dos  Sete  lagos”,  que  liga   San   Martin   à   Villa   la   Angostura.   A     cidade   é   charmosa,   tem   excelente  gastronomia  e  casas  de  chá.  Pode  ser  considerado  mais  inóspito,  mas  não  pense  que   você   será   o   primeiro   brasileiro   a   ter   essa   idéia.   Afinal,   o   câmbio   diz   que  chegou   a   hora   de   praticarmos   nosso   portunhol.   Hablas   espanhol?   Um   pueco,  pero  no  mucho.      
  • 2. Pimai  –  ano  novo  budista  no  Laos    Em   pleno   abril,   tive   a   chance   de   recomeçar   o   ano   mais   uma   vez.   Um   avião   me  levou   de   Bangkok   até   Luang   Prabang   a   tempo   de   participar   do   último   dia   da  comemoração   do   ano   novo   laosiano.   Não   é   à   toa   que   a   cidade   é   considerada  patrimônio  histórico  pela  UNESCO.  Deslumbrante,  com  rochas  e  desfiladeiros  ao  longo   do   rio   Mekong,   casas   e   templos   seguindo   arquitetura   francesa   e   budista.  Caminhei  com  olhar  voyer,  anotando  e  fotografando.    Pimai,   como   chamam   o   ano   novo   no   Laos,   é   comemorado   na   segunda   semana   de  abril,   dependendo   da   lua   cheia.   Também   é   a   data   que   marca   o   início   da  temporada  das  monções.  A  celebração  dura  3  dias.  O  primeiro  marca  o  último  dia  do   ano   velho.   Casas   e   vilas   são   limpas   nesse   dia.   O   segundo   é   um   limbo,   não  pertence  a  ano  nenhum.  E  o  último  marca  o  início  do  novo  ano.  O  evento  conta  com   uma   coroação   da   Miss-­‐Ano-­‐Novo,   cerimônias   de   lavar   o   Budha,   procissões  de   monges,   dança   e,   principalmente,   água.   Se   você   pensa   em   visitar   o   Laos   nessa  época,  prepare-­‐se  para  se  molhar.       A   festa   acontece   de   dia,   ao   ar   livre,   num   banco   de   areia   em   pleno   rio  Mekong.   Andei   até   a   margem   onde   um   senhor   dispunha   a   sua   canoinha   para  levar   pessoas   até   o   banco   de   areia.   No   banco,   algo   que   pode   ser   chamado   de  grande   festa.   Tendas   coloridas,   crianças   correndo,   música   e   comida.   Entrei   na  canoa,   atravessei   o   rio   com   mais   cinco   num   lugar   que   cabem   três.   Assim   que  pisei  na  areia,  senti  esguicho  de  água  na  cara.  Crianças  com  armas  de  brinquedo  me   consideraram   o   próximo   alvo.   Um   menino   gritando   algo   que   imagino   ser,  Gringa  seca!  Vários  pivetes  chegaram  apontando  suas  armas.  No  aceno  do  líder,  armas   foram   disparadas.   Outros   chegaram   com   massas   coloridas,   tipo   gesso.  Bolada  no  olho,  no  cabelo.  Escutei  risadas  em  disparada.  Andei  até  uma  mulher  que   fritava   batatas   e   pedi   um   pano   para   me   limpar.   Ela   riu.   Nem   pano,   nem  guardanapo.   Fui   até   o   rio   para   lavar   o   rosto,   quando   outras   crianças   se  aproximaram,  fizeram  bolas  de  massas  com  as  mãos,  preparando  ataque.  Berrei  para  cima  deles,  e  fui  imitada  pelo  líder  mirim,  que  ofereceu  sua  versão  de  uma  galinha.   Contaram   até   algum   número   e   começou   tudo   de   novo.   Fui   andando   para  trás  xingando  aquelas  crianças  em  português.  Tropecei,  caí  de  bunda  no  barro  da  beira   do   rio.   Fiz   o   dia   delas.   Levantei   a   cabeça   rindo   de   mim   mesma.   Arrumei  uma  espingarda  dessas  para  mim,  enchi  bexigas  de  água  e  sai  com  meu  próprio  grito   de   guerra,   munida   de   muita   cara   de   pau.   Se   o   ano   novo   é   uma   época   de  limpeza  e  renovação,  água  é  o  que  não  falta  para  os  laosianos  completarem  seu  ritual.       A  resolução  do  segundo  ano  novo  foi  dedicada  às  crianças  e  a  afirmação  de  que  fazer  papel  de  ridículo  pode  ser  um  bom  jeito  de  recomeçar  o  ano.    

×