Your SlideShare is downloading. ×
Para os leitores que queriam mais, essa aqui é pra vocês.
Sim, vocês.
A tradução em tela foi efetivada pelo grupo Habemus Liber de forma a
propiciar ao leitor acesso parcial à obra, incentivan...
lho/2013
SINOPSE
Começando de onde "Beautiful Bastard" parou, Chloe Mills e Ryan Bennett con-
tinuam seu cheio de vapor e ...
Capítulo Um
Minha mãe sempre me disse para encontrar uma mulher que seria igual a mim
em todos os sentidos.
"Não se apaixo...
véssemos liquidados, ou que tínhamos estabelecido alguma rotina sólida. Mas
isso nunca aconteceu. Eu estava em um estado c...
Ainda assim, esta noite: a primeira noite completa a sós depois de semanas.
Nós estávamos apaixonados por mais de um ano e...
Mais tarde, porém, apesar de tudo o que havia dito lá em cima na sala de reu-
niões, ainda havia muito mais para dizer. A ...
"Eu estava tão triste pensando que eu não veria você hoje. E esta manhã, eu
passei toda a caminhada entre o edifício e aqu...
Ela riu, mas não respondeu. Em vez disso, aqueles olhos castanhos profundos
olharam fixamente em mim, sem piscar e difícei...
quadris, e eu levantei ela, pisando entre as pernas e apertando meu pau dolo-
rido dentro dela.
"Vou fazer você vir tantas...
Sua língua espiou para molhar os lábios. "Eu também."
"Foda-se, eu te amo."
Quando eu beijei seu pescoço, o peito ergueu e...
Tudo sobre Chloe sempre foi impecável, elegante e atual. Mas o apartamento
dela não poderia estar mais longe nessa descriç...
"Não seja tão esnobe. Eu não precisava de um novo sofá. E eu freqüentemente
necessito de novas calcinhas", disse ela em vo...
Ela assentiu com a cabeça, os olhos apertados. "Eu não sabia que você estaria
aqui. Eu não posso te dizer o quanto eu quer...
Ela balançou a cabeça, reprimindo um sorriso.
"Estou não estou com vontade de compartilhar agora. Você tem que estar
brinc...
Eu definitivamente queria passar a noite, em cada parte de Chloe.
Julia me estudou por um minuto e depois sorriu. "Eu vou ...
Peguei minha champanhe com a mão trêmula, e bebi. "Com certeza".
Necessidade enrolou em meu estômago e eu estava dividido ...
Sara estava claramente ainda um pouco nervosa com a minha presença, sen-
tou-se no outro lado de Chloe, e a fez recontar t...
Julia colocou a mão no meu ombro, olhando rapidamente para trás para se
certificar de que Chloe estava fora do alcance da ...
Eu balancei a cabeça, movendo os olhos para o fundo da sala, onde minha
menina virou um par de vezes, mirou, e, em seguida...
"Dificilmente." Eu virei minha bebida e envolvi meu braço em torno dela. "Po-
demos ir agora? Eu estive longe de você por ...
Capítulo Dois
Com minhas mãos no volante, e as mãos dela em qualquer outro lugar - mi-
nhas coxas, meu pau, meu pescoço, m...
"Você queria ir para a sua casa?"
Dando de ombros, ela disse, "Eu apenas assumi que faria. Eu não tenho ne-
nhuma das minh...
Tentei decifrar o que estava acontecendo. Obviamente, ela não esperava que
eu a provocasse sobre ela me deixando como tinh...
suspeitado que ela queria jogar, eu teria a virado em seu plano estômago e
então puxado seu rabo no ar para uma surra.
Dep...
"Diga-me que você me ama", ela sussurrou.
Meu coração estava disparado e meu sangue parecia bater em minhas veias.
"Eu te ...
voltando para mim, passando os dedos no meu cabelo e puxando meu rosto
contra seu peito.
"Sabíamos que não ia ser fácil fa...
Eu gemia, inclinando-me para beijá-la. Ela arqueou longe, assim eu beijei seu
queixo, e sua garganta.
"Você viu qualquer o...
Ela não piscava ou se remexia enquanto esperava para me responder. Ela sim-
plesmente me olhou. "Diga-me".
Eu não podia lu...
Ela se levantou, chegando atrás dela para desabotoar o sutiã. Ele deslizou pe-
los braços e caiu no chão. "Eu acho que nós...
E com essa lembrança em mente, meu dia ficou oficialmente morto. Aquela
noite havia sido a noite mais íntima da minha vida...
Minha porta se abriu e ela entrou, com as sobrancelhas juntas. Utilizávamos o
bat sinal principalmente para avisar um ao o...
Balançando a cabeça, ela se virou para mim. "A sua agenda de viagens é uma
merda agora." Ela se inclinou para frente, leva...
"Eu nem sempre cheiro como você", ela esclareceu, antes de lamber meu pes-
coço.
"O inferno que não."
Fazia muito tempo de...
diferente era o sabor dela depois que tínhamos provocado um ao outro para o
que pareceu uma eternidade. Isso, em seus dedo...
quase caiu para trás, seu corpo reprimir a minha volta. Firmando-a com a ou-
tra mão em seu quadril, dei um beijo em seus ...
"Vamos ficar na sua casa hoje?", Perguntei. Era sempre uma escolha difícil.
Minha cama era melhor para o jogo, mas a sua c...
O assunto estava encerrado.
Mas a palavra férias ficou em minha mente.
Capítulo Três
Eu tinha grandes planos para hoje à noite: fazer o jantar, jantarmos juntos,
finalmente decidir qual apartamento nos iríam...
"Oh, sim. Eu me lembro de algo parecido. É um pouco nebuloso, no entanto.
Talvez você possa atualizar minha memória... lín...
Em vez disso, fiz um sinal para a tábua de corte. "Você pode terminar a salada
para mim, por favor?”
Ele gemeu e afrouxou ...
Ele serviu, a cada um, um copo de vinho antes de cair na cadeira na minha
frente. Bennett me assistia tomar um gole, seus ...
O resto da refeição foi totalmente sobre o trabalho, sobre como arrumar o no-
vo escritório e de todas as peças que ainda ...
"Idem", ele respondeu com um sorriso. "E às vezes eu me sinto culpado por
quantas vezes eu joguei você para fora da janela...
"Tem muita certeza de si mesmo, não é?", Perguntei.
"Sem dúvida."
"E o que te faz pensar que eu não tenho a minha própria ...
Ele não conseguia conter o sorriso presunçoso. "Eu nunca faria isso”.
"Você me comprou uma lingerie de quatrocentos dólare...
Bennett xingava, descansando a testa contra meu peito. Meu coração batia
forte sob minhas costelas e minha respiração fico...
Bennett sabia o quanto precisávamos de hoje à noite, mas ele também tinha
um trabalho a fazer. Eu sabia disso melhor do qu...
Virei a chave na ignição e liguei o motor, forte o suficiente para os relógios ba-
terem no vermelho. Eu queria derramar t...
Olhei para o relógio no painel do meu carro e a data, iluminada em vermelho,
me atingiu como um soco no peito: 5 de maio. ...
alguns relatórios de marketing. Sara estava esquentando algo no pequeno mi-
cro-ondas, ao ter recusado nossas súplicas par...
"Eu senti sua falta", disse ela, entrando em meu escritório e fechando a porta
atrás dela. "Você acha que eles vão me dar ...
No final, eu tive que deixar Chloe para o que equivalia a 23 minutos de traba-
lho, o que efetivamente garantia que o meu ...
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Cretina irresistível
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Cretina irresistível

12,597

Published on

Uma forte atração. Nenhum tempo para ficarem sozinhos. E uma misteriosa disputa entre quatro paredes... O intenso relacionamento entre Chloe Mills e Beenett Ryan de Cretino Irresistível continua ainda mais ardente e sensual. Agora que a carreira de Chloe está decolando, ela não tem tempo para mais nada e insiste em recusar as investidas de Bennett para passarem um tempo a sós. Ele nunca foi do tipo que aceita um não como resposta e essa disputa resulta em uma ardente relação de amor e obsessão.

Cretina Irresistível - Beautiful Bastard - Livro 1.5

Published in: Education

Transcript of "Cretina irresistível "

  1. 1. Para os leitores que queriam mais, essa aqui é pra vocês. Sim, vocês.
  2. 2. A tradução em tela foi efetivada pelo grupo Habemus Liber de forma a propiciar ao leitor acesso parcial à obra, incentivando-o à aquisição da obra literária física ou em formato ebook. O grupo HL tem como meta a seleção, tradução e disponibilização parcial de livros, ausente de qualquer forma de obtenção de lucro, direto ou indireto. No intuito de preservar os direitos autorais contratuais de autores e editoras, o grupo, sem aviso prévio e quando julgar necessário, poderá cancelar o acesso e retirar o link de download dos livros cuja publica- ção for veiculada por editoras brasileiras. O leitor e usuário fica ciente de que o download da presente obra des- tina-se tão somente ao uso pessoal e privado e que deverá abster-se da postagem ou hospedagem em qualquer rede social (Orkut, Facebook, grupos), blogs ou qualquer outro site de domínio público, bem como abster-se de tornar público ou noticiar o trabalho de tradução do gru- po, sem a prévia e expressa autorização do mesmo. O leitor e usuário, ao disponibilizar a obra, também responderá pela correta e lícita utilização da mesma, eximindo o grupo HL de qualquer parceria, coautoria, ou coparticipação em eventual delito cometido por aquele que, por ato ou omissão, tentar ou concretamente utilizar da presente obra literária para obtenção de lucro direto ou indireto, nos termos do art. 184 do Código Penal Brasileiro e Lei nº 9610/1998. Agosto/2013
  3. 3. lho/2013 SINOPSE Começando de onde "Beautiful Bastard" parou, Chloe Mills e Ryan Bennett con- tinuam seu cheio de vapor e conturbado relacionamento. Apenas quando a carreira de Chloe começa a decolar, Bennett deseja que tudo abrande o sufici- ente para passar uma noite selvagem sozinho com sua namorada. Mas depois que ele se recusa a aceitar um não como resposta, Chloe e Bennett encon- tram-se com dois bilhetes de avião, numa vila francesa, e uma conversa sur- preendente que, previsivelmente, deixa-os lutando debaixo das cobertas.
  4. 4. Capítulo Um Minha mãe sempre me disse para encontrar uma mulher que seria igual a mim em todos os sentidos. "Não se apaixone por alguém que vai colocar o seu mundo antes do dele. Se apaixone por alguém forte, destemido, como você. Encontre a mulher que faz você querer ser um homem melhor." Eu definitivamente encontrei o meu igual, a mulher que fez da minha vida um inferno e vive para me contrariar. Uma mulher cujo a boca eu queria manter fechada. . . da mesma forma que eu quero beijá-la. Minha namorada, minha ex-estagiária, senhorita Chloe Mills. A Cadela Irresis- tível. Pelo menos, é assim que eu costumava vê-la, quando eu era um idiota e cego de como perdidamente apaixonado eu estava por ela. Eu certamente encontrei a mulher que me fez querer ser um homem melhor, eu me apaixonei pela des- temida. Aconteceu então que na maioria dos dias, eu era incapaz de ficar mais de dois minutos a sós com ela. Minha vida: finalmente ficar com a garota, mas nunca realmente vê-la. Eu estava viajando a maior parte dos últimos dois meses, em busca de espaço para o escritório do Ryan Media Group, criação que estávamos trabalhando em Nova York. Chloe ficou para trás, e durante nosso recente – e raro - fim de semana juntos aqui em Chicago estava cheio de amigos, sol e lazer, o tempo a sós com ela não foi suficiente. Nós socializamos todo o fim de semana, de ma- nhã até a meia-noite, tropeçando de volta para minha casa todas as noites, e mal conseguimos tirar nossas roupas antes de ter sexo calmo e sonolento. A verdade é, o sexo de toda noite - que tinha crescido tanto mais íntimo e mais selvagem ao longo do tempo e só nos permitia o mínimo de sono – não parecia suficiente. Fiquei esperando que isso nos fizesse sentir como se esti-
  5. 5. véssemos liquidados, ou que tínhamos estabelecido alguma rotina sólida. Mas isso nunca aconteceu. Eu estava em um estado constante de ansiedade. E as segundas-feiras eram as piores. Nas segundas-feiras, tínhamos reuniões de parede a parede, e toda a jornada de trabalho passava à minha frente: sem vida e sem Chloe. Ouvindo a cadência familiar de saltos clicando no ladrilho, eu olhei para cima de onde eu estava na impressora esperando alguns documentos para aparecer. Como se ouvindo meu apelo interior, Chloe Mills caminhou em minha direção, vestindo uma saia fina de lã vermelha, uma blusa náutica equipada e saltos que, francamente, não pareciam muitos seguros do lado de fora do quarto. Quando eu a tinha deixado esta manhã para me preparar para uma reunião ás oito horas, a única coisa que ela estava usando era um feixe de luz pálida do nascer do sol através da janela do quarto. Eu suprimi o meu sorriso, e tentoei não olhar muito desesperado, mas eu não sei porque eu me incomodava. Ela poderia ler todas as minhas expressões. "Eu vejo que você encontrou a máquina mágica que leva tudo o que está na tela do computador e coloca no papel", ela falou. "Em tinta." Enfiei a mão no bolso da calça, sacudiu alguma mudança ali, e senti um pingo de deslizamento de adrenalina em minhas veias em seu tom de provocação e abordagem. "Na verdade, eu descobri esta maravilhosa engenhoca no meu primeiro dia aqui. Eu só gostava dos momentos de calma feliz quando eu fazia você se le- vantar e sair do escritório externo para recuperar os meus documentos." Ela caminhou em direção a mim, seu sorriso largo e olhos maliciosos. "Idiota". Foda-se, sim. Vem pra mim, linda. Dez minutos na sala da copiadora? Eu po- deria facilmente fazer o seu dia nesses dez minutos. "Você estará em um treino hoje à noite", ela sussurrou enquanto, sem abran- dar o seu ritmo, ela bateu no meu ombro e passou por mim para o corredor. Eu olhei para a bunda dela, enquanto ela deu uma pequena sacudida, e espe- rei que ela voltasse a me torturar um pouco mais. Ela não fez. É isso? Isso é tudo que eu recebo? Um tapinha no ombro, algumas preliminares verbais, e uma manobra de bunda?
  6. 6. Ainda assim, esta noite: a primeira noite completa a sós depois de semanas. Nós estávamos apaixonados por mais de um ano e fodendo a mais do que isso - e ainda não tínhamos tido mais do que o comprimento de um fim de semana a sós desde San Diego. Suspirei e puxei meus papéis da bandeja da impressora. Precisávamos de fé- rias. De volta ao meu escritório, eu deixei cair os arquivos sobre a mesa e olhei pa- ra o monitor do computador, o que, para minha surpresa, exibia um calendário quase vazio. Eu puxei insanamente longos dias de trabalho durante toda a se- mana anterior para que eu pudesse chegar cedo em casa para Chloe, assim além da folha de pagamento me agarrando esta manhã, minha agenda havia permanecido em aberto. Chloe, no entanto, ficou claramente ocupada em sua nova posição. Eu sentia falta de ter ela como minha estagiária. Eu perdi o poder de mandar ao seu redor. Eu realmente sentia falta dela mandando em mim de volta. Pela primeira vez em meses, eu tinha tempo para sentar no meu escritório e, literalmente, não fazer nada. Fechei os olhos e uma centena de pensamentos do passado filtraram em poucos segundos: a visão dos escritórios vazios de Nova York, pouco antes de eu ir para o aeroporto. A perspectiva de arrumar minha casa. A perspectiva de longe preferível, de arrumar uma nova casa com Chloe. E então meu cérebro foi para seu caminho favorito: Chloe nua e em to- das as posições possíveis. O que me levou de volta para uma das minhas memórias favoritas de Chloe e eu: a manhã depois de sua apresentação. Devido ao calor e a tensão que veio com o fato de admitirmos que não estávamos mais com um ódio do caralho um do outro, mas realmente interessados em algo mais, nós tivemos um dos nossos maiores argumentos de sempre. Eu não a tinha visto em meses, então eu apareci em sua apresentação para o conselho da bolsa para vê-la apresen- tá-lo. E ela fez.
  7. 7. Mais tarde, porém, apesar de tudo o que havia dito lá em cima na sala de reu- niões, ainda havia muito mais para dizer. A realidade da nossa situação ainda se era tão nova, que eu não tinha certeza de onde estávamos. Uma vez que estávamos na calçada, eu olhava para ela: em seus olhos e lá- bios, e seu pescoço, que ainda estava um pouco vermelho dos beijos e mordi- das que eu tinha dado lá apenas alguns minutos antes. O jeito que ela esten- deu a mão e esfregou o dedo sobre o que parecia ser um pequeno chupão em- purrou um lembrete elétrico do meu cérebro para o meu pau: esse encontro estava bom, mas era hora de levá-la para casa e transar com ela no colchão. Eu não tinha certeza de que estávamos no mesmo pensamento sobre isso, no entanto. Lá fora, na luz do dia, ela parecia que estava prestes a quebrar. Claro que ela estava. Conhecendo Chloe, ela provavelmente estava se preparando e ajus- tando a sua apresentação nas últimas 72 horas direto, sem dormir. Mas eu não tinha visto ela a muito tempo - poderia ficarmos juntos tempo suficiente para deixá-la ir para casa para descansar? Se ela precisava tirar um cochilo, eu po- deria simplesmente sair e esperar ela acordar, certo? Eu poderia deitar-me perto dela, tranquilizar-me que ela estava realmente aqui e nós estávamos re- almente fazendo isso e. . . o quê? Tocar o cabelo dela? Puta merda. E se eu tivesse sido sempre assustador? Chloe colocou sua bolsa por cima do ombro, e o movimento me tirou dos meus pensamentos. Mas quando eu pisquei de volta ao foco, eu vi que ela estava olhando para longe, na direção do rio. "Você está bem?" Eu perguntei, tentando olhar nos olhos dela. Ela assentiu com a cabeça, assustando-se um pouco como se tivesse sido pe- ga. "Eu estou bem, apenas sobrecarregada." "Um pouco em estado de choque?" Seu sorriso exausto puxou algo sob minhas costelas, mas a maneira como ela lambeu os lábios antes de falar puxou dentro de mim um pouco menos.
  8. 8. "Eu estava tão triste pensando que eu não veria você hoje. E esta manhã, eu passei toda a caminhada entre o edifício e aqui pensando quão estranho era que eu estava indo fazer isso sem você, ou Elliott, ou qualquer um da Ryan Mídia. E então você veio aqui, e é claro que você me irritava, mas você tam- bém me fez rir..." Ela inclinou a cabeça, e estudou o minha face. "A apresentação foi exatamente o que eu queria que fosse, e, em seguida, o trabalho oferece... e você. Você me disse que me ama. Você está aqui." Ela estendeu a mão para apertar a palma da mão contra o meu peito. Eu sabia que ela podia sentir meu coração batendo contra meu esterno. "Minha adrena- lina está abrandando e agora, eu estou apenas..." Ela moveu a mão para longe de mim e acenou com ela na frente dela antes de deixar cair no seu lado. "Eu não tenho certeza de como vai ser hoje à noite." Como hoje seria hoje a noite? Eu poderia dizer a ela exatamente como iria ser. Falaríamos até escurecer e, em seguida, foder até o sol nascer. Eu estendi a mão para ela, escorregando meu braço em torno o ombro dela. Cristo, ela se sentiu bem. "Deixe-me preocupar com tudo isso. Eu vou levá-la para casa." Desta vez, ela balançou a cabeça, me trazendo de volta para o momento. "Es- tá tudo bem se você tem que voltar a trabalhar, podemos..." Carrancudo, eu rosnei: "Não seja ridícula. É quase quatro. Eu não vou voltar ao trabalho. Meu carro está aqui e você vai entrar." Seu sorriso se tornou nítido nos cantos. "Chefe Bennett surgindo. Agora eu de- finitivamente não vou com você." "Chloe, eu não estou brincando. Eu não vou deixar você fora da minha vista até o Natal." Ela olhou para o sol do final da tarde de junho. "O Natal? Isso soa um pouco presa-no-porão para o meu gosto." "Se você não está nisso, essa relação pode não funcionar depois de tudo," eu provoquei.
  9. 9. Ela riu, mas não respondeu. Em vez disso, aqueles olhos castanhos profundos olharam fixamente em mim, sem piscar e difíceis de ler. Eu me senti tão fora da prática com isso, e me esforcei para esconder a minha frustração. Colocando as mãos nos quadris, me inclinei para pressionar um pequeno beijo na sua boca. Porra, eu precisava de mais. "Vamos lá. Sem porões. Apenas nós." "Bennett..." Cortei-a com outro beijo, paradoxalmente relaxado por este pequeno desen- tendimento. "Meu carro. Agora." "Tem certeza que você não quer ouvir o que tenho a dizer?" "Absoluta certeza. Você pode falar tudo que você quer uma vez que eu tiver o meu rosto firmemente plantados entre as suas pernas." Chloe assentiu com a cabeça e seguiu quando eu peguei a mão dela e puxei-a suavemente em direção à garagem, mas ela estava sorrindo misteriosamente durante todo o tempo. Toda o caminho para sua casa, ela alisava seus dedos para cima e para baixo na minha coxa, se inclinava para lamber meu pescoço, deslizava sua mão so- bre meu pau, e falava sobre a pequena calcinha vermelha que ela vestiu esta manhã, precisando de um pouco de confiança. "Será que vai quebrar a sua confiança, se eu rasgá-las fora?", eu perguntei, inclinando-me para beijá-la em um sinal vermelho. O carro atrás de mim buzi- nou justamente quando estava ficando bom: quando seus lábios estavam dan- do lugar a pequenas mordidas e seus sons encheram minha boca e minha ca- beça e - fodendo - todo o meu peito. Eu precisava levá-la nua e debaixo de mim. No elevador, no caminho até o apartamento dela, foi selvagem. Ela estava aqui, santo cristo ela estava aqui, e eu perdi muito dela, se eu tivesse meu caminho, esta noite ia durar três dias. Ela empurrou a saia até acima de seus
  10. 10. quadris, e eu levantei ela, pisando entre as pernas e apertando meu pau dolo- rido dentro dela. "Vou fazer você vir tantas vezes..." eu prometi. "Mmm, promete?" "Prometo". Eu balancei meus quadris contra ela e ela engasgou, sussurrando: "Ok, mas primeiro..." O elevador apitou e ela mexeu-se livre, escorregando para o chão. Com um olhar hesitante, Chloe alisou a saia de volta para baixo, e caminhou na minha frente no corredor e para o apartamento dela. Meu estômago caiu. Eu não tinha voltado aqui desde que nos separamos e eu tinha virado seu guarda costa secreto tentando me permitir falar com ela. Eu estava passando o tempo todo conversando do lado de fora da porta de sua casa. Eu me senti estranhamente ansioso. Eu queria apenas me sentir aliviado em nosso encon- tro, não pensar em tudo o que tinha perdido em nossos meses de intervalo. Para me distrair, me abaixou e chupei a pele abaixo da orelha e comcei a tra- balhar com o zíper na parte de trás da saia enquanto ela se atrapalhava com a chave. Ela abriu a porta, virando-se para mim. "Bennett..." ela começou, mas eu a empurrei para dentro e para trás contra a parede mais próxima, acalmando-a com a minha boca. Porra, ela tinha um gosto bom, uma mistura de água com limão que tinha bebido e o gosto familiar que sempre teve: menta suave e os lábios mais macios, famintos. Meus dedos brincavam com a parte de trás da saia, mas eu perdi a minha finesse, puxando o zíper para baixo e empurrando o tecido para o chão, imediatamente alcançando seu blazer. Por que diabos ela está ainda vestindo esta maldita coisa? Por que ela ainda usava alguma coisa? Sob sua blusa roxa, seus mamilos endureceram enquanto eu a olhava, e es- tendi a mão fazendo um círculo com a ponta do dedo. Seu suspiro afiado levou meus olhos até ela. "Eu perdi isso. Eu senti sua falta."
  11. 11. Sua língua espiou para molhar os lábios. "Eu também." "Foda-se, eu te amo." Quando eu beijei seu pescoço, o peito ergueu e caiu com a respiração acelera- da, e eu não tinha certeza de como frear isso, como eu poderia desacelerar. Eu a levaria aqui mesmo, rápido e forte em primeiro lugar, ou eu iria levá-la para um sofá ou cadeira, ajoelhando-me, e apenas iria saboreá-la? Eu estava pen- sando sobre tudo isso por tanto tempo, jogando na minha cabeça como cada cenário ficaria e por um momento eu me senti um pouco paralisado pela reali- dade de ela estar aqui, em carne e osso. Eu precisava de tudo isso. Eu precisava sentir os sons e sua pele, me perder no conforto de sua mão em volta de mim, ver o suor se formando em sua tes- ta, enquanto ela me cavalgava, me mostrando o quanto ela me perdeu, tam- bém. Eu veria isso na maneira como seu ritmo iria vacilar quando ela chegasse mais perto, ou ela iria me agarrar enquanto eu iria dizer o nome dela de forma silenciosa como ela sempre gostou. Minhas mãos tremiam enquanto eu subi e cuidadosamente liberei o primeiro botão. Ficou registrado em algum lugar na parte cada vez menos evoluída do meu cérebro que eu não deveria destruir os botões da camisa que ela usara para a defesa de tese. Eu também queria saborear isto. Saboreá-la. "Bennett?" "Mmm", eu desfiz outro botão, corri um dedo no oco de sua garganta. "Eu te amo", disse ela, com as mãos apoiadas nos meus braços, os olhos arre- galados. Minhas mãos vacilaram, e eu perdi a minha respiração. "Mas... você vai odiar o que estou prestes a lhe dizer." Eu ainda estava preso no eu te amo. Meu sorriso ficou um pouco fora de con- trole. "O que?... Tudo o que você tiver a dizer, eu tenho certeza que eu não vou odiá-la." Ela estremeceu, virando-se para olhar para o relógio na parede. Foi a primeira vez, ocorreu-me a dar uma olhada ao redor de seu apartamento. Dei um passo para trás em surpresa, o seu lugar não parecia em nada como eu esperava.
  12. 12. Tudo sobre Chloe sempre foi impecável, elegante e atual. Mas o apartamento dela não poderia estar mais longe nessa descrição. A sala estava arrumada, mas cheio de mobiliário usado e coisas que não se parecem com nada que ela seria dona. Tudo era marrom e dourado; o sofá parecia confortável, mas pare- cia que foi feito do mesmo material de um bicho de pelúcia. Uma pequena co- leção de corujas de madeira estava agrupada em uma prateleira perto de uma pequena televisão e, na cozinha, o relógio que ela olhou tinha uma grande abelha sorridente na face com as palavras "Seja feliz!" Em letras bolhudas ber- rantes. "Isso... não é o que eu esperava." Chloe seguiu a minha atenção em torno do apartamento e, em seguida, soltou uma gargalhada livre. Era a mesma risada que ela deixaria sair antes de me estripar verbalmente. "O que você teria esperado, Sr. Ryan?" Dei de ombros, não querendo insultá-la, mas me sentindo sinceramente curio- so sobre esta desconexão. "Eu apenas esperar que sua casa parecesse um pouco mais como você." "O quê, você não gosta de minhas corujas?", ela perguntou, sorrindo. "Eu, sim, elas só..." Eu comecei, passando uma mão nervosa no meu cabelo. "E estes sofás?", ela interrompeu. "Você não acha que poderia se divertir com eles?" "Baby, nós poderíamos ter o divertimento em qualquer superfície neste lugar, eu só estou dizendo que eu esperava o seu lugar fosse menos..." Foda-se. Por que eu estava falando ainda? Eu olhei para cima e para ela e ela tinha uma mão sobre sua boca, rindo silenciosamente. "Acalme-se", disse ela. "Este era o apartamento da minha mãe. Eu adoro ele, mas você está certo. Nenhuma dessas coisas é minha. Quando eu estava na escola, ele simplesmente não fazia sentido para mim, para vendê-lo, ou para comprar coisas novas. " Tomei outro olhar curioso ao redor. "Você pode comprar-se calcinhas de cem dólares, mas você não quer um novo sofá?"
  13. 13. "Não seja tão esnobe. Eu não precisava de um novo sofá. E eu freqüentemente necessito de novas calcinhas", disse ela em voz baixa, de forma significativa. "Claro que sim, você precisa." Com este lembrete perfeito, eu pisei perto dela, retomando meu ataque suave em sua linha de botões. Empurrando a camisa sobre os ombros e para baixo os braços, eu olhava para onde ela estava na minha frente, em apenas um su- tiã de renda vermelha e calcinha combinando. Ela era mínima. "Diga-me o que você quer", eu disse, sentindo-me um pouco desesperado en- quanto eu empurrava o cabelo para trás do ombro para que eu pudesse chupar seu pescoço, queixo e orelha. "Meu pau? Minha boca? Minhas mãos? Cristo, eu vou fazer isso a noite toda mas por onde é que você quer começar? Eu não te- nho visto você em meses e sinto-me como se estivesse perdendo a cabeça. Eu estendi a mão para o braço dela, puxando-a mais perto. "Baby, coloque su- as mãos em mim." Ela passou as mãos no meu pescoço e segurou meu rosto. Eu podia sentir ela tremer. "Bennett". Só quando ela disse meu nome dessa forma, tímida e talvez até mesmo ansio- sa, eu me lembrei que ela disse que tinha algo para me dizer além do Eu te amo. Algo que eu não gostaria. "O que é isso?" Seus olhos eram enormes, procurando os meus e cheio de desculpas. "Eu tinha acabado de terminar minha defesa, e...” "Oh, merda. Eu sou um idiota. Devo levá-lo para jantar ou..." "E eu prometi Julia e Sara que iríamos sair..." "...talvez pudéssemos ir jantar depois de eu fizer você vir..." Eu continuei. "...para tomar umas bebidas depois da minha apresentação..." "Eu só preciso ouvir você vir uma vez e então nós podemos ir. Apenas me dê... "Eu parei, finalmente deixando suas palavras se dissolverem. "Espere, o quê? Você vai sair com a Julia e a Sara? Hoje à noite? "
  14. 14. Ela assentiu com a cabeça, os olhos apertados. "Eu não sabia que você estaria aqui. Eu não posso te dizer o quanto eu quero para ligar e cancelar. Mas a coi- sa é, eu não posso. Não depois de o quão bom elas foram comigo nos últimos meses.. quando você e eu estávamos..." Eu gemia, pressionando o calcanhar de minhas mãos para os meus olhos. "Por que você não me contou isso antes eu deixar você nua? Puta merda, como é que eu vou deixar você ir agora? Vou ficar duro por horas." "Eu tentei te dizer." Para seu crédito, ela parecia tão frustrada como eu me sentia. "Não temos tempo para..." Eu balancei a cabeça, olhando em volta, como se a resposta estivesse enterrada em algum lugar nesta mobília antiga. "Eu prova- velmente poderia nos levar, tipo, em dois minutos." Ela riu. "Eu não tenho certeza se isso é algo para se gabar." O inferno não que não era. Sua pequena exclamação de surpresa foi roubada pelos meus lábios enquanto eu a beijei, língua e dentes e nem mesmo me importando se tínhamos apenas alguns minutos. Eu poderia fazer em alguns minutos. Enfiei minha mão sobre o pulso acelerado de sua garganta, entre os seios e no inferior, na frente de seu estômago. Eu mudei-me ainda mais para baixo, en- contrando aquele familiar, lugar favorito onde ela era quente e lisa, e o telhado poderia cair em mim que eu não iria até mesmo notar, porque, por Deus, nada existia além dela e seus pequenos sons e sussurros tranquilos para manter-se de ir, manter-se de ir. "Bennett," ela sussurrou. "Por favor". Abaixei-me para as minhas próprias calças, e tinha acabado de começar a fa- lar... E fui interrompido por uma batida forte na porta. Uma voz familiar flutuou em sua entrada. "Nós estamos aqui, Miss Sériamente Graduada em Negócios, e estamos prontas para beber!" "Isso é uma piada. Diga-me isso é uma piada", eu disse, olhando para ela.
  15. 15. Ela balançou a cabeça, reprimindo um sorriso. "Estou não estou com vontade de compartilhar agora. Você tem que estar brincando comigo." "Eu esqueço o quanto eu amo vê-lo chorando de raiva." Ela caminhou até a porta em sua calcinha, e abriu uma fresta antes de se virar e correr para o quarto, deixando-me para cumprimentar os intrusos. Mas que diabos. "Estarei pronta jájá!” Chloe gritou por cima do ombro, a bunda dela quase nua desaparecendo em um quarto no fim do corredor. Julia assobiou, passando por cima do limite, e depois parou, e caiu na garga- lhada quando me viu. "Uau, eu não esperava que você atendesse a porta de calcinha, Chloe." Sara entrou com as mãos sobre os olhos, estendendo a mão cegamente. Ela agar- rou um punhado de minha camisa meio desabotoada e guinchou quando des- cobriu seus olhos e viu o que estava segurando. "Sr. Ryan!" "Olá, senhoras," eu disse, a voz plana. Eu endireitei minha camisa, puxado mi- nha gravata de volta no lugar. "Oh boy, nós interrompemos alguma coisa?", Perguntou Julia, os olhos arrega- lados e provocativos. "Sim, de fato. Nós estávamos... nos readaptando." Chloe chamou de um dos quartos no corredor para ajudar-nos com a champa- nhe na geladeira, e eu tentei ignorar a forma como os olhos de Julia caíram para o meu zíper. Fiquei parado, deixando-a dar uma boa olhada. Minha ere- ção tinha ido embora de qualquer maneira. Aparentemente. "Eu não sabia que era para ser noite de meninas", eu disse, quando o silêncio parecia se arrastar para sempre. Sara deu um passo atrás, seus olhos parecendo lutar para ficar acima dos meus ombros, e explicou: "Eu não acho que nenhuma de nós esperava que você estaria aqui e... passando a noite. "
  16. 16. Eu definitivamente queria passar a noite, em cada parte de Chloe. Julia me estudou por um minuto e depois sorriu. "Eu vou admitir que eu estava consideravelmente certa de que Bennett estaria aqui." Eu não poderia deixar de espelhar seu sorriso. Ela, afinal, chamou-me para me pedir para ir para a apresentação de Chloe. Ela estava, obviamente, do meu lado. Mesmo que ela tivesse interrompido a minha tentativa de foder Chloe pela primeira vez em sempre. Voltei-me, movendo-me para a cozinha para lavar as mãos. Julia me seguiu, e por trás eu a ouvi abrir a garrafa de champanhe, e o barulho de pop em segui- da, fiquei tranquilo me lembrando o quanto eu em pouco tempo estaria abrin- do aquela garrafa ao longo do corpo nu de Chloe, e lambendo as bolhas espu- mosas da pele dela. Julia continuou: "Mas eu acho que todos nós devemos sair para comemorar, e ele pode ter tanto dela como ele quer." Ela serviu quatro taças de champanhe e, em seguida, entregou uma para mim. "Você vai ter que esperar até mais tarde... para se readaptar." Chloe saiu do seu quarto em um jeans escuro, saltos altos pretos de tiras, e um top azul cintilante que fez destacar sua pele dourada. De jeito nenhum eu seria capaz de manter minhas mãos longe dela, se ela usava isso. "Chloe", eu comecei, caminhando até ela e colocando meu champanhe no bal- cão da cozinha com uma mão trêmula. Fiz uma careta para o cabelo, preso em um rabo de cavalo baixo e elegante. Seus olhos brilhavam com diversão e ela esticou para alcançar o meu ouvido para que eu pudesse ouvir. "Você pode tomá-lo para baixo mais tarde." "Conte com isso." "Você quer agarrá-lo? Puxá-lo?", ela perguntou, beijando o escudo do meu ou- vido. Eu balancei a cabeça, fechando os olhos. "Ou você quer sentir o meu ca- belo para baixo e soltar em seu estômago, enquanto minha boca chupa seu pênis?"
  17. 17. Peguei minha champanhe com a mão trêmula, e bebi. "Com certeza". Necessidade enrolou em meu estômago e eu estava dividido entre a vontade de quebrar alguma coisa e querendo arrastá-la de volta para seu quarto e ar- rastar os jeans por suas pernas. Absolutamente nenhuma parte de mim queria passar uma noite bebendo vinho e comendo queijo e ouvindo conversa de ga- rota. Eu não tinha certeza se seria capaz de mantê-los juntos. Como se estivesse lendo minha mente, ela sussurrou: "Isso só vai tornar me- lhor para quando chegarmos em casa." "Eu duvido que seja mesmo possível." Seus dedos levemente arranharam por cima do meu peito. "Eu perdi o rosto mal-humorado". Ignorando-a, perguntei: "Que tal você vir a minha casa mais tarde? Sair com as meninas, aproveite esta noite. Eu vou estar lá quando você estiver pronta." Ela se esticou e colocou um beijo lento e quente em minha boca. "O que acon- teceu com o não me deixar fora de sua vista até o Natal?" Eu esperava um clube de dança, talvez algo extravagante com bebidas de vin- te dólares e quilômetros de garotas de vinte e poucos anos em pequenos ves- tidos pretos. O que eu não esperava era um bar discreto nos subúrbios, com dardos e o que Julia chamou de "a melhor amostra de cerveja em Illinois." Contanto que eles poderiam me fazer um drink com vodka e eu pudesse estar em constante contato físico com Chloe, a noite poderia não ser um desastre. Eu segui as meninas para dentro, atirando punhais em cada babaca malicioso no lugar enquanto fazíamos o nosso caminho até o bar. Julia se estatelou em um banquinho de couro desgastado, gritando algo para o barman sobre o habi- tual para as senhoras e algo cor de rosa para o menino bonito. Pensando bem, essa ia ser uma longa noite.
  18. 18. Sara estava claramente ainda um pouco nervosa com a minha presença, sen- tou-se no outro lado de Chloe, e a fez recontar todos os detalhes sobre sua defesa. Chloe contou a ela sobre Clarence Cheng, sobre como eu tinha invadi- do lá e fui um idiota, como ela apresentou dois projetos, e até mesmo uma oferta de emprego. "Dois postos de trabalho," Eu esclareci, olhando-a de modo que ela sabia que eu estava pensando que seria melhor assumir o cargo na RMG. Ela revirou os olhos, mas nenhum de nós poderia perder seu sorriso orgulhoso. Com as suas cervejas e meu Cosmo rosa levantado no ar, brindamos Chloe por um trabalho bem feito. Ao meu lado, ela bebeu sua cerveja e, em seguida, moveu fora de seu assen- to. "Quem quer jogar alguns dardos?" Sara levantou a mão e pulou um pouco. Após uma única cerveja, ela parecia embriagada e solta o suficiente para não agir como se ainda estivesse no escri- tório. Eu deslizei meu olhar para baixo para o comprimento do corpo de Chloe. Eu gostava da ideia de ver seu alongamento e seus movimentos enquanto jo- gava os dardos em sua roupa apertada. "Você vem?", Ela perguntou, inclinando-se e apertando os seios em meu ante- braço. Porra de provocação. "Talvez, muito em breve." Eu deixei meus olhos permanecem em sua boca an- tes de cair contra o peito. Sob o tecido fino de sua blusa, seus mamilos aperta- ram. Sua risada trouxe a minha atenção para os lábios vermelhos e ela empurrou- los juntos em um biquinho brincalhão. "Bennett você está um pouco tenso?" "Bennett está muito tenso", eu disse, puxando-a entre as minhas pernas e bei- jando a curva de sua orelha. Eu queria ser paciente e deixá-la desfrutar desta noite, mas a paciência nunca tinha sido realmente o meu forte. "Bennett quer Chloe nua e tocando seu pênis." Com uma risadinha, ela dançou para longe e para a parte de trás do bar, com o braço ligado a Sara.
  19. 19. Julia colocou a mão no meu ombro, olhando rapidamente para trás para se certificar de que Chloe estava fora do alcance da voz. "Você fez bem." Eu ficava desconfortável em discutir questões pessoais com todos, senão al- gumas pessoas na minha vida, e sendo esta a mais pessoal de todas as con- versas, era a última coisa que eu queria ter com um estranho. Ainda assim, Julia conseguiu me derrubar por causa de Chloe. Isso definitivamente tomou minhas bolas. "Obrigado por ligar", disse eu. "Mas eu quero que você saiba que eu teria ido atrás dela de qualquer maneira. Eu não poderia ficar de fora mais." Julia tomou um gole de sua cerveja. "Eu pensei que se você fosse como ela, estaria prestes para mais um round. Eu liguei, porque eu queria que você ti- vesse essa confiança que precisava para entrar e ser apenas o melhor bastar- do que é.” "Eu não era muito um bastardo." Eu fiz uma careta, considerando. "Eu não acho." "Eu tenho certeza", Julia demorou. "Você é o retrato do compromisso." Ignorando isso, eu levantei a minha bebida de menina e a esvaziei. "Ela está tão feliz esta noite", Julia murmurou, quase para si mesma. "Ela está magra." Eu olhei para onde ela estava, preparada e pronta para lan- çar um dardo. Ela parecia feliz, e por isso eu estava emocionado, mas a dife- rença em seu corpo também foi difícil de ignorar. "Muito magra". Balançando a cabeça, Julia disse: "Ela se exercitou muito, trabalhou muito." Seus olhos procuraram os meus por um instante antes de acrescentar: "Não foi bom, Bennett. Ela estava destruída." "Como eu." Ela reconheceu isso com um sorriso maroto. A tristeza ficou no passado, de- pois de tudo. "Então, se você vai mantê-la na cama para os próximos dias, apenas certifique-se de dar-lhe pausas para comer."
  20. 20. Eu balancei a cabeça, movendo os olhos para o fundo da sala, onde minha menina virou um par de vezes, mirou, e, em seguida, mal atingiu o alvo. Ela e Sara caíram na gargalhada, parando apenas para dizer algo que, em seguida, fez as duas riem mais. E enquanto ela brincava e dançava ao som de Rolling Stones, eu senti o peso do meu amor por ela se estabelecer em um calor intenso no meu estômago. Dois meses de intervalo não era nada comparado ao que tínhamos diante de nós, mas na nossa história juntos parecia enorme. Eu queria apagar isso fican- do juntos. Eu precisava ter de volta, chegar mais perto. Acenei para o barman, murmu- rando, "A conta", quando ele olhou para mim. Julia me parou com uma mão de aviso no meu braço. "Não estrague tudo. Ela é independente, e ela vem fazendo isso por conta própria por tanto tempo que ela nunca vai ser a garota para dizer-lhe o quanto ela precisa de você. Mas ela vai mostrar-lhe o quanto ela quer isso. Chloe é mais sobre ação, não palavras. Eu a conheço desde que tínhamos doze, e você é isso para ela. " Dois braços suaves deslizaram em torno da minha cintura por trás, e Chloe me deu um beijo entre as minhas omoplatas. "O que estamos falando aqui?" "Futebol", disse Julia, assim quando eu respondi: "Política". Senti-a rir e deslizar debaixo do braço, envolvendo-se em torno de mim. "En- tão vocês estavam falando de mim." "Sim", nós dois respondemos. "E a confusão que eu era e quão feliz eu estou esta noite, e como é melhor Bennett não estragar tudo dessa vez." Julie olhou para mim, como um alerta em minha direção enquanto ela levantou a cerveja em um brinde silencioso e, em seguida, deixou-nos a sós no final do bar. Chloe virou os olhos castanhos em mim. "Ela disse a você todos os meus se- gredos?"
  21. 21. "Dificilmente." Eu virei minha bebida e envolvi meu braço em torno dela. "Po- demos ir agora? Eu estive longe de você por muito tempo e eu estou chegando ao limite de quanto compartilhamento estou disposto a tolerar. Eu quero que você só pra mim.” Senti-a rir como um pequeno tremor do corpo dela no meu braço, e depois o som tranquilo, feito para os meus ouvidos. "Você é tão exigente." "Estou apenas dizendo o que eu quero." "Tudo bem então. Seja específico. O que você realmente quer?" "Eu quero você de joelhos na minha cama. Eu quero que você suada e implo- rando. Eu quero que você molhada o suficiente para beber." "Merda," ela sussurrou, sua voz apertada. "Eu já estou lá." "Maldição, senhorita Mills. Entre já no meu carro."
  22. 22. Capítulo Dois Com minhas mãos no volante, e as mãos dela em qualquer outro lugar - mi- nhas coxas, meu pau, meu pescoço, meu peito - eu não tinha certeza de que iríamos chegar em casa em segurança. Especialmente quando ela levantou o braço direito para que ela pudesse abai- xar e abrir minhas calças, puxar meu pau da minha cueca, e arrastá-lo para a língua até seu comprimento. Eu queria levá-la para casa, mas porra, isso era tão bom. "Oh, Deus", ela sussurrou, antes de tirar tudo de mim em sua boca. "Santo Cristo", eu murmurei, movendo-me para a pista de tráfego lento. Era tão perfeito, tudo de novo: suas mãos e boca trabalhando em conjunto, minúsculo gemidos vibrando contra mim e soando a todo o mundo como se ela nunca quis nada tanto quanto ela queria me sentir assim. Ela começou lento, longo e puxando pequenas lambidas, provocando, olhando para mim através de cílios escuros, até que eu pensei que eu poderia perder minha mente. Mas ela leu-me como sempre fazia, sabendo quando não parar, quando se mover mais rápido ou mais áspera, apertando a minha base com força. O que me en- viou foi perceber a sua própria emoção, seus olhos escureceram, implorando, sua respiração ficou difícil, e ela soando ao meu redor ficou mais frenético. Muito cedo, eu estava segurando o volante, ofegante e implorando, e, final- mente, xingando em voz alta quando entrei em sua boca. Eu não tenho nenhuma idéia de como consegui dirigir o carro na minha rua, ou colocá-lo na minha garagem, mas com as mãos trêmulas, de alguma forma eu consegui. Ela beijou meu umbigo, e depois descansou a testa contra a minha coxa e o carro ficou completamente em silêncio. Não foi exatamente como eu imaginei estar com ela novamente, pela primeira vez, mas a forma como ela estava tão apressada e espontânea... que me senti como nós, também. Quando ela empurrou meu braço para que ela pudesse se sentar, eu me mexi no meu lugar, chegando para fechar minha calça e apertar meu cinto. "Que diabos?", Ela perguntou, olhando para fora da janela. Seu tom de surpre- sa rompeu minha neblina sexual. "Esta é sua casa? Por que estamos aqui?"
  23. 23. "Você queria ir para a sua casa?" Dando de ombros, ela disse, "Eu apenas assumi que faria. Eu não tenho ne- nhuma das minhas coisas aqui." "Eu também não tenho nada lá.” "Mas eu tenho escovas de dentes. Você tem escovas de dente? " Que diabos ela está falando? "Você pode usar a minha. Que porra é essa?" Suspirando, ela abriu a porta e murmurou: "Esse homem". "Para ser claro," eu disse, saindo do carro e seguindo-a até a passagem "Eu te trouxe aqui porque este é o lugar onde eu ia trazê-la depois de San Diego. Eu estava indo para amarrá-la à minha cabeceira da cama e bater a merda fora de você. E eu pretendo fazer isso de novo, depois de tudo o que você me fez passar." Chloe parou onde estava na minha varanda, de costas para mim por vários se- gundos, confundindo muito antes de ela se virou para olhar para mim. "O que você acabou de dizer?" "Será que eu gaguejei?" Eu perguntei, e quando ela simplesmente continuou a olhar, eu expliquei: "Sim, nós nos separamos porque eu era um idiota. Mas assim era você." Seus olhos se estreitaram e escureceram. Eu estava meio assustado e meio emocionado pra caralho que ela estava prestes a explodir em mim. Ela se apoiou na minha porta da frente, enrolando o punho apertado em volta da mi- nha gravata antes que ela puxou para baixo, puxando-me para que os nossos rostos estivessem quase empatados. Seus olhos escuros eram selvagens e lar- gos. "Dê-me as chaves." Cheguei no meu bolso, eu puxei-as, depositando-as na palma da mão espe- rando, sem dúvida. Eu vi como ela folheou-as e realmente encontrou a chave certa no primeiro palpite. "É a tranca superior e o..." Ela me interrompeu com um dedo em meus lábios. "Shh. Sem falar."
  24. 24. Tentei decifrar o que estava acontecendo. Obviamente, ela não esperava que eu a provocasse sobre ela me deixando como tinha feito. Talvez ela achava a discussão tinha morrido na sala de conferências onde se apresentou. E eu su- ponho que realmente morreu. Eu não preciso dela para pedir desculpas, e eu não me sinto como se eu precisava pedir desculpas mais. Mas a nossa separa- ção tinha sido uma merda de alguns meses, por isso não sinto que a conversa sobre o assunto tinha se encerrado totalmente. Além disso, espancar ela pare- cia ser a forma mais adequada para resolver tudo em nossos sistemas. Sua mão não se atrapalhou atrás de mim quando ela colocou a chave na fe- chadura. Eu ouvi o barulho familiar e o clique, em seguida, ela abriu a porta e se apoiou sobre o limiar. "Bem vinda de volta à minha sala de estar", eu ofereci. "Ou pelo corredor até a minha cama." Eu podia sentir que ela se dirigia à sala de estar, seus olhos se movendo entre o meu rosto, a mão sobre a minha gravata, e a casa atrás dela. Era, afinal, a primeira vez que estava vendo minha casa. "É boa", ela sussurrou, parecendo decidir o que ela iria fazer comigo, quando ela me deu uma puxada curta para cima. "É tão limpo. É tão... você." "Obrigada", eu disse, rindo. "Eu acho". Como se lembrando que ela estava me punindo por alguma coisa, ela me lan- çou um olhar severo. "Fique aqui". Ela saiu e embora eu estava tentado a ver o que ela estava fazendo, eu segui sua instrução. Depois de apenas alguns segundos, ela voltou com uma das mi- nhas cadeiras da sala de jantar de espaldar alto. Uma vez que ela se situou atrás de mim, apertou nos meus ombros para me pedir para sentar. Virando-se, caminhou até o meu sistema de som, pegou o controle remoto, e examinou os botões. "Para ligar é o..." "Shh." Sem se virar, Chloe ergueu uma mão para me acalmar. Fechei minha boca, com a mandíbula tensa. Ela estava esticando minha paci- ência um pouco. Se ela não tivesse indicado que era para eu ficar sentado, e
  25. 25. suspeitado que ela queria jogar, eu teria a virado em seu plano estômago e então puxado seu rabo no ar para uma surra. Depois de apenas alguns instantes, um ritmo pulsante suave deslizou para o quarto com a voz rouca de uma mulher em camadas. Chloe hesitou no apare- lho de som, os ombros movendo-se com suas respirações profundas, nervosas. "Baby, vem aqui", eu sussurrei, esperando que ela me ouvisse falar sobre a música. Ela virou-se, voltando para mim e tão perto que suas coxas pressionaram con- tra meus joelhos. Meu rosto estava em seu nível do peito, e eu não podia dei- xar de me inclinar para frente, beijei seu peito através de sua camisa. Mas su- as mãos se aproximaram e empurraram meus ombros para trás de modo que eu estava novamente sentado em linha reta. Ela seguiu o meu corpo, movendo-se para meu colo. Com as duas mãos, ela estendeu a mão e brincou com a minha gravata. "Sobre o que você disse do lado de fora... ", Ela sussurrou. "Talvez a gente precisa conversar um pouco mais." "Ok". "Mas se você não quiser fazê-lo agora, podemos ir para o seu quarto e você pode fazer tudo o que quiser comigo." Ela ergueu o olhar para o meu rosto, os olhos escuros sondando. "Podemos falar mais tarde." "Eu vou falar sobre o que você quiser." Engoli em seco, e sorri para ela. "Então eu vou levá-la para a minha cama e fazer tudo o que eu quero." Eu mal conseguia recuperar o fôlego. Estendi a mão para desfazer o primeiro botão da minha camisa, mas ela pegou a minha mão e puxou-a para baixo, sua sobrancelha levantada como uma pergunta silenciosa. Lentamente, ela desfez a minha gravata, até que enrolou em seu punho como uma fita de um boxeador. Eu estava tão ligado por este poder dela que quando ela se mudou para minhas mãos para o lado da cadeira, eu realmente não no- tei. Meu pau cresceu desconfortavelmente difícil, e eu mudei meus quadris pa- ra ajustar o ângulo em minhas calças, meu coração batendo sob minhas coste- las. Que diabos ela iria fazer?
  26. 26. "Diga-me que você me ama", ela sussurrou. Meu coração estava disparado e meu sangue parecia bater em minhas veias. "Eu te amo. Descontroladamente. Eu sou..." Eu tinha imaginado isso milhares de épocas diferentes, mas neste momento me senti demasiado carregado e as minhas palavras saíram em uma corrida sem fôlego. Respirando fundo e fe- chando os olhos, murmurei: "Estou loucamente apaixonado por você." "Mas você estava com raiva de mim quando eu saí." Meu estômago se apertou. Isso vai se transformar em uma luta? E isso seria uma boa ou uma coisa ruim? Chloe se inclinou para frente, beijou meu queixo, meus lábios, meu rosto. Ela deslizou a boca no meu ouvido. E então eu senti um puxão em torno de meus pulsos, ela tinha ligado as mi- nhas mãos atrás da cadeira com a minha gravata. "Está tudo bem", disse ela. "Não se preocupe. Eu só quero falar sobre isso." Ela queria falar sobre isso, queria saber como eu havia sido afetado, como eu tinha ficado com raiva. Mas ela precisava de mim amarrado em primeiro lugar? Eu sorri, virando-me para pegar seus lábios em um beijo. "Sim, eu estava com raiva de você. Eu estava principalmente com o coração partido, mas eu estava com raiva, também." "Diga-me por que você estava louco." Sua boca se moveu mais distante da minha, para o meu pescoço, e ela chupou ao longo de minha pele enquanto eu considerava como responder. Parecia que a nossa separação tinha acontecido a um milhão de anos atrás, mas também parecia que tinha acontecido hoje cedo. O fato de que ela estava aqui, montando meu colo e me beijando, me lembrou de que era em muitos aspectos, uma história antiga. Mas a forma como o meu peito torcia com a lembrança dela me deixar. . . me sentia muito perto. "Você nunca me deixou explicar ou pedir desculpas. Eu liguei. Fui até a sua casa. Eu teria feito qualquer coisa para trabalhar com isso." Ela não disse nada, não tentou se defender. Em vez disso, ela levantou-se e afastou-se, inclinando-se para desatar a correia de seus saltos. Ela saiu deles,
  27. 27. voltando para mim, passando os dedos no meu cabelo e puxando meu rosto contra seu peito. "Sabíamos que não ia ser fácil fazer a transição de grande ódio para estar no amor", eu disse para o tecido macio de seu top. "E a primeira vez que eu errei você me deixou." Ela deixou o botão superior solto em seu jeans, lentamente puxou o zíper para baixo, e depois os tirou de suas pernas. Em mais alguns segundos, a camisa juntou-se a calça jeans no chão. Ela estava diante de mim, completamente nua, só com seu sutiã e calcinha minúscula de renda vermelha. Na sala escura, sua pele parecia seda. Foda, foda, foda, foda-se. "Eu só percebi que eu te amava, que talvez eu estivesse apaixonado por você depois de um tempo e então de repente você se foi." Eu olhei para ela, espe- rando que eu não tivesse ido longe demais. Ela deslizou para cima do meu colo, e eu queria mais do que qualquer coisa ter as mãos livres para passá-las até suas coxas fortes. Em vez disso, eu olhava para onde as pernas se separavam em cima de mim, a poucos centímetros de distância do meu pau. "Sinto muito", ela sussurrou. Eu pisquei em surpresa. "Eu não mudaria nada, porque eu fiz o que precisava fazer na época. Mas eu sei que te machuquei, e eu sei que não foi justo apenas deixá-lo fora." Eu balancei a cabeça, inclinando meu queixo para que ela pudesse se aproxi- mar e me beijar. Sua boca apertou a minha, macia e molhada, e um pequeno gemido escapou de seus lábios. "Obrigado por ter vindo esta manhã", disse ela contra mim. "Você teria ido atrás de mim?", eu perguntei. "Sim". "Quando?" "Na manhã seguinte. Depois que eu terminasse a minha apresentação. Eu ti- nha decidido cerca de uma semana atrás."
  28. 28. Eu gemia, inclinando-me para beijá-la. Ela arqueou longe, assim eu beijei seu queixo, e sua garganta. "Você viu qualquer outra pessoa enquanto estávamos separados?" Eu parei e fiquei boquiaberto para ela. "O que? Isso é uma pergunta séria? Não." Um sorriso se espalhou pelo rosto dela. "Eu só precisava ouvir isso." "Se você deixar outro homem tocar em você, Chloe, eu juro por Deus, eu..." "Acalme-se." Ela apertou dois dedos na minha boca. "Eu não estive." Fechei os olhos, beijando os dedos e balançando a cabeça. A imagem agressiva evaporou lentamente da minha mente, mas meu coração não parecia se acal- mar nem um pouco. Senti sua respiração no meu pescoço apenas uma batida antes de ela pergun- tar: "Será que você pensa em mim?" "Várias vezes a cada minuto." "Alguma vez você pensou em me foder?" Todas as palavras saíram da minha cabeça. Cada palavra no idioma Inglês de- sapareceu e eu mudei com ela, querendo ela tão intensamente neste momento vulnerável,aberto e tranquilo que eu temia que eu iria me perder no segundo que ela me libertou de minhas calças. "Não em primeiro lugar," Eu consegui, finalmente. "Mas depois de algumas semanas, eu tentei." "Tentou tocar a si mesmo e pensou em mim? Como sua mão pode substituir- me?" Eu vi crescer a expressão curiosa para predatória antes de eu responder. "Yeah". "Será que você veio?" "Jesus, Chloe." Como era tão quente ser interrogado por ela assim?
  29. 29. Ela não piscava ou se remexia enquanto esperava para me responder. Ela sim- plesmente me olhou. "Diga-me". Eu não podia lutar contra o meu sorriso. Sempre um bastardo. "Um par de ve- zes. Não foi muito agradável porque você vinha na minha cabeça e era tão frustrante como relaxante." "Para mim, também", disse ela. "Eu te perdi tanto que doía. No trabalho, eu senti sua falta. Em casa, na minha cama, eu mal podia suportar. A única vez que eu podia limpar você da minha cabeça foi quando eu ia..." "Correr", eu sussurrei. "Eu posso dizer. Você perdeu muito peso." Sua sobrancelha levantou. "Assim como você". "Eu também bebi demais", eu admiti, lembrando-me que isso não era uma competição. Ela não precisa provar que ela tinha se saído melhor. Eu tinha re- almente certeza de que ela tinha. "O primeiro mês que estávamos separados ainda é uma espécie de borrão". "Sara me contou como você olhou. Ela me disse que eu não estava sendo justa por ficar longe de você." Minhas sobrancelhas subiram de surpresa. Sério? Sara tinha dito isso? "Você fez o que precisava fazer." Inclinando-se para trás, ela olhou para baixo o comprimento do meu torso, e, em seguida, até meus olhos. Eu estava curioso para ver que ela parecia um pouco surpresa. Talvez até tonta. "Você me deixou te amarrar". Olhei para ela. "É claro que eu fiz." "Eu não tinha certeza de que ia me deixar. Eu pensei que eu ia te enganar... Eu pensei que você pode dizer não." "Chloe, você me pertence desde o primeiro segundo que te vi. Eu teria deixado você me amarrar para trás na sala de conferência, se você tivesse pergunta- do." Um pequeno sorriso puxou de um lado da boca. "Eu não teria deixado você, se você tivesse perguntado." "Deus". Inclinei-me para um beijo. "Você é mais esperta do que eu."
  30. 30. Ela se levantou, chegando atrás dela para desabotoar o sutiã. Ele deslizou pe- los braços e caiu no chão. "Eu acho que nós dois sempre soubemos que é ver- dade." O jeito que eu queria ela era uma espécie de constante dor pesada. Eu era tão forte que eu podia sentir todos os meus batimentos cardíacos através do meu pau, mas eu também senti como se minha visão estivesse saturada com a cor: o vermelho de sua calcinha e lábios, o castanho dos olhos, o marfim cremoso de sua pele. Meu corpo estava gritando para o dela me levar para dentro, mas meu cérebro não conseguia parar de beber em cada detalhe. "Deixe-me sentir você". Ela voltou para mim, levantando o peito a minha boca. Eu me inclinei para a frente, tomando um mamilo entre os lábios, sacudindo-o com a minha língua. Sem aviso, ela levantou-se e afastou-se, voltando-se de costas para mim e olhando por cima do ombro, com um sorriso malicioso no rosto. "O que você está fazendo, diabinha?" Eu ofegava. Seus polegares engancharam na cintura da calcinha rendada e ela mexeu os quadris quando ela começou a tirá-la. Não. De jeito nenhum. "Não se atreva", disse, arrancando minhas mãos livres de seu nó frágil e de pé sobre ela como se uma nuvem de tempestade estivesse se formando em mi- nha própria sala de estar. "Vá para o corredor e entre na minha cama. Se você sequer pensar em tirar sua calcinha, eu vou cuidar de mim e você vai ficar lá e me assistir vindo." Seus olhos se arregalaram em enormes poças de preto na sala escura, e sem dizer uma palavra, ela virou-se e correu pelo corredor até o meu quarto.
  31. 31. E com essa lembrança em mente, meu dia ficou oficialmente morto. Aquela noite havia sido a noite mais íntima da minha vida, e tinha lançado o nosso relacionamento de dar uma chance para totalmente comprometido. Eu nunca iria superar o jeito que ela tornou a sua vulnerabilidade em um comando silen- cioso, ou a forma como ela me deixou virar o jogo no meu quarto, amarrá-la na minha cama e mordiscar cada centímetro de seu corpo. Eu gemi quando eu percebi que eu não tinha idéia de quando nós teríamos uma noite tão preguiçosa juntos novamente, e peguei meu telefone. -Almoço? Eu mandei uma mensagem. -Não posso, Chloe respondeu. Reunião com Douglas do meio-dia às três. Atire em mim. Olhei para o relógio. Era 11:36. Coloquei meu celular de volta na minha mesa e voltei para o artigo que eu estava trabalhando para The Journal. Eu era inútil e eu sabia disso. Após cerca de dois minutos, eu peguei meu telefone, enviando outra mensa- gem, desta vez usando o nosso código secreto. O Bat Sinal. Ela respondeu imediatamente: - Estou a caminho. A porta externa aberta ou fechada, trazia o som de saltos de Chloe batendo no chão do lado de fora do escritório. Ele já tinha sido de Chloe, mas quando ela voltou para Ryan Media Group depois de terminar seu MBA, ela se mudou para um escritório próprio na ala leste. Resultado final: o escritório exterior agora ficou vazio. Eu tinha tentado trabalhar com alguns assistentes diferentes, mas eles nunca realmente funcionaram. Andrea chorou o tempo todo. Jesse bateu a caneta sobre a mesa e o efeito foi muito parecido com um pica-pau bicando em uma árvore. Bruce não conseguia escrever. Aparentemente, Chloe era mais um santo para "aturar-me" eeu tinha que lhe dar crédito.
  32. 32. Minha porta se abriu e ela entrou, com as sobrancelhas juntas. Utilizávamos o bat sinal principalmente para avisar um ao outro de crises de trabalho, e por um momento eu me perguntava se eu estava exagerando. "O que aconteceu?", Ela perguntou, parando cerca de um metro de distância de mim, com os braços cruzados sobre o peito. Eu podia ver que ela estava se preparando para uma batalha profissional em meu nome, mas eu queria que ela combatesse uma muito mais pessoal. "Nada relacionado ao trabalho", eu disse, esfregando meu queixo. "Eu... " Eu me afastei, olhando para cada parte do seu rosto, por sua vez: os olhos en- quanto eles se estreitaram concentrados, os lábios carnudos que ela puxou junto com preocupação, sua pele lisa. E, claro, eu deixei meus olhos caírem para os seios porque ela empurrou-os juntos e... bem, foda-se. "Você está olhando para os meus peitos?" "Sim". "Você me enviou o bat sinal para que você possa olhar para os meus peitos?" "Acalme-se, fogo de artifício. Enviei-lhe o bat sinal, porque eu sinto sua falta." Seus braços caíram para os lados e parecia gaguejar, os dedos tateando para endireitar a bainha de seu suéter. "Como você pode sentir minha falta? Eu fi- quei com você durante a noite passada." "Eu sei." Eu conhecia esse lado dela. Sempre devolvendo o ataque para se au- to-preservar. "E nós passamos o fim de semana juntos." "Sim, você e eu e Julia e Scott", eu lembrei a ela. "E Henry e Mina. Não sozi- nhos. Não tanto quanto nós tínhamos planejado." Chloe virou a cabeça e olhou para fora da janela. Pela primeira vez em sema- nas, tivemos um dia perfeito, ensolarado, e eu queria levá-la para fora e só... ficarmos sentados. "Eu me sinto como se sentisse sua falta o tempo todo ultimamente", ela sus- surrou. O nó no meu peito desenrolou um pouco. "Você sente?"
  33. 33. Balançando a cabeça, ela se virou para mim. "A sua agenda de viagens é uma merda agora." Ela se inclinou para frente, levantando uma sobrancelha. "E vo- cê não me deu um beijo de adeus esta manhã." "Eu fiz, na verdade," eu disse, sorrindo. "Você ainda estava dormindo." "Não conta." "Você está procurando uma luta, senhorita Mills?" Ela deu de ombros, lutando para reprimir um sorriso, me estudando com cui- dado. "Nós poderíamos ignorar a luta e você poderia simplesmente chupar o meu pau por dez minutos mais ou menos." Sem esperar, ela se aproximou e colocou os braços em volta de mim, esten- dendo-se para pressionar o rosto no meu pescoço. "Eu te amo", ela sussurrou. "E eu amei você ter enviado o bat sinal só porque você sentiu saudades." Fiquei impressionado em silêncio, por, provavelmente, muito tempo, e eu fi- nalmente consegui sussurar um "eu também te amo." Não era que Chloe não era expressiva, ela era. Quando ficamos sozinhos, ela era fisicamente a mulher mais expressiva que eu já tinha conhecido. Mas, en- quanto eu lhe disse muitas vezes como eu me sentia, eu poderia contar nas duas mãos o número de vezes que ela realmente disse as palavras "eu te amo." Eu não preciso dela para dizer mais, mas cada vez que ela fazia, isso me afetava mais profundamente do que eu esperava. "É sério, embora..." eu sussurrei, lutando para recuperar a compostura. "Tal- vez eu só precise de uma rapidinha sobre a mesa." Ela riu, balançando a cabeça contra o meu pescoço e chegando entre nós es- palmando meu pau. Eu conhecia esse jogo, e era perfeitamente possível que ela ia fazer alguma coisa levemente ameaçadora que iria me emocionar tanto quanto me aterrorizar. Mas, em vez de olhar para mim com perigo em seus olhos, ela virou a cabeça para chupar meu pescoço, sussurrando: "Eu não pos- so cheirar a sexo neste encontro com Douglas." "Você acha que nem sempre cheira a sexo?"
  34. 34. "Eu nem sempre cheiro como você", ela esclareceu, antes de lamber meu pes- coço. "O inferno que não." Fazia muito tempo desde que tínhamos brincado ao redor do escritório, e eu estava tão ansioso para senti-la, eu queria puxar minhas calças para baixo em minhas pernas e enfiar a saia sobre os quadris, e depois estragar as pilhas bem arrumadas de papel na minha mesa, jogando-a sobre elas. Felizmente, ela beijou meu queixo, meu pescoço e deslizou ao longo do meu corpo para o chão, puxando a saia para cima um pouco, discretamente, para que ela pudesse se ajoelhar diante de mim. Mas não. . . uma vez no chão, ela continuou puxando a saia para cima até agrupados em seus quadris. Com uma mão, ela chegou entre as pernas e com a outra, ela fez um rápido trabalho com meu cinto e zíper. Fechei os olhos, precisando acalmar minha mente para uma batida quando ela me libertou ra- pidamente, e sem hesitação puxou meu pênis em sua boca. Eu estava quase duro, e com o seu toque eu alonguei. Quente, a sucção úmida deslizou meu comprimento e voltou de novo, mais forte na segunda passagem enquanto me ajustava a sensação de me ter em sua boca. Eu senti sua respiração sair em pequenas explosões contra o meu umbigo, po- dia ouvir o som de seus dedos movendo-se sobre si mesma, ela se ajoelhou no chão. "Você está tocando a si mesma?" Sua cabeça se moveu ligeiramente, enquanto ela balançou a cabeça. "Você já estava molhada para mim?" Ela parou por um instante e, em seguida, estendeu a mão por cima da cabeça. Inclinando-me, eu chupei dois de seus dedos na minha boca. Foda-se. Fiquei suprimido ao ver tão claramente o quanto ela queria isso. Eu sabia por experiência própria quando a provei antes que o gosto dela significava que ela estava realmente pronta para mim, por exemplo - quando eu vim a tarde e a surpreendi colocando minha boca na dela enquanto dormia - e eu sabia o quão
  35. 35. diferente era o sabor dela depois que tínhamos provocado um ao outro para o que pareceu uma eternidade. Isso, em seus dedos, era a excitação completa, e que deixou a minha cabeça girando. Por quanto tempo ela tinha pensado nis- so? Durante todo o dia? Desde que saí hoje de manhã? Mas ela não me deixou perder tempo com ele por muito tempo, voltando a mão rapidamente para o espaço invisível entre as pernas. Eu vi a cabeça dela se mover, seus lábios deslizaram sobre o meu comprimen- to, e tentou deixar isso me acalmar. Mas, mesmo quando sua boca estava em mim assim ou eu estava enterrado dentro dela, eu sempre queria mais. Era impossível tê-la de todas as formas de uma só vez, mas nunca me impediu de imaginar: um turbilhão de posições e sons e minhas mãos em seu cabelo e em seus quadris, meus dedos em sua boca e ainda também entre suas pernas e puxando a parte traseira das suas coxas. Quando eu corri minhas mãos em seu cabelo, ela sabia que eu queria mais rá- pido, e quando meus quadris começaram a empurrar, ela sabia que não devia provocar, nem um pouco. Pelo menos, não quando ela teria uma reunião a qualquer momento. Subitamente lembrei-me que o meu escritório estava destrancado, Chloe tinha vindo aqui pensando que iria discutir sobre trabalho. O escritório exterior esta- va fechado, mas não trancado também. "Oh, merda", eu gemi, porque de alguma forma a idéia de que poderia ser pe- go havia tornado tudo muito mais quente. "Chloe...”. E sem nenhum aviso, meu orgasmo atravessou minha espinha, afiado e quente, e tão intenso que fez minhas pernas tremerem e meus punhos enrolarem firmemente em seu cabelo. Ela arqueou contra a minha força, puxando seu braço enquanto tocava a si mesma, fazendo com que os sons de seu próprio prazer saíssem abafados em torno de mim. Olhando para baixo, eu percebi que ela estava observando minha reação. . . é claro que ela estava. Seus olhos estavam arregalados, mas de alguma forma suaves, e ela parecia fascinada. Tenho certeza de que sua expressão era exa- tamente como o minha era cada vez que eu a tinha visto desmoronar sob o meu toque. Depois de uma pausa para recuperar o fôlego, me puxei para fora de sua boca e me ajoelhei no chão de frente para ela, colocando a mão em ta- ça sobre o que ela tinha entre as pernas. Ela se mexeu um pouco, deixando meus dedos assumirem. Enfiei dois deles dentro, empurrando profundo, e ela
  36. 36. quase caiu para trás, seu corpo reprimir a minha volta. Firmando-a com a ou- tra mão em seu quadril, dei um beijo em seus lábios, sussurrando pela manei- ra de como eles eram um pouco vermelhos, um pouco inchados. "Estou muito perto", disse ela, deslizando a mão livre ao redor do meu pescoço para se apoiar. "Eu gosto de como você acha que precisa me dizer isso." Fiquei esperando pelo meu toque parecer excessivamente familiar, ou a minha técnica ficar cansada, mas cada vez que ela sentia a varredura e o pressionar do polegar contra o seu clitóris parecia mais intenso do que antes. "Outro", ela conseguiu com uma voz firme. "Por favor, eu quero..." Ela nunca terminou seu pensamento. Ela não precisava. Eu bombeei três dedos dentro dela e vi quando sua cabeça caiu para trás, os lábios entreabertos, e o silencioso, som rouco de seu orgasmo tentando ser quieto, correu através de- la. Por alguns segundos, ela me deixou segurá-la, respirar o cheiro do seu cabelo, e fingir que estávamos em outro lugar, talvez a minha sala de estar ou quarto dela, certamente não no chão da minha sala destrancada. Parecendo lembrar isso ao mesmo tempo em que eu fiz, Chloe puxou a calci- nha e colocou a saia de volta para baixo em suas coxas antes de me deixar levar a mão para ajudá-la a se segurar. Como de costume, fiquei impressiona- do com o silêncio em torno de nós, e me perguntei se estávamos sempre tão controlados e sorrateiros como pensávamos. Ela olhou ao redor, um pouco atordoada, e depois me jogou um sorriso pregui- çoso. "Isso vai tornar ainda mais difícil ficar acordada na minha reunião." "Não muito", eu murmurei, curvando-me para beijá-la no pescoço. Quando se endireitou, virou-se e entrou no meu banheiro, empurrando as mangas de sua blusa para cima de seus braços para que ela pudesse limpar as mãos. Eu me aproximei, pressionando minha frente nas suas costas, e mudei minhas mãos sob a água com a dela. Sabão escorregou entre os dedos e ela inclinou a cabeça para trás contra o meu peito. Eu queria passar uma hora la- vando seu cheiro de nossos dedos para que eu pudesse estar tão perto.
  37. 37. "Vamos ficar na sua casa hoje?", Perguntei. Era sempre uma escolha difícil. Minha cama era melhor para o jogo, mas a sua cozinha era melhor abastecida. Ela desligou a água e secou as mãos em minha toalha. "Sua casa. Eu tenho que fazer a lavanderia." "Nunca diga pra mim que o romance esfriou." Eu peguei a toalha e depois me inclinei para beijá-la. Ela manteve a boca fechada, olhos abertos, e eu me afastei um pouco. "Bennett?" "Mmm?" "Eu faço, você sabe." "Você faz o quê?" "Eu te amo. Talvez eu não diga o suficiente. Talvez seja por isso que você usou o bat sinal." Eu sorri, meu coração apertou firmemente sob minhas costelas. "Eu sei que você faz. E isso não é porque eu mandei uma mensagem. Mandei uma mensa- gem, porque não me canso de sua atenção exclusiva ultimamente e eu sou um bastardo ganancioso. Minha mãe não avisou que eu nunca fui bom em parti- lha?" "Depois de nos mudarmos para Nova York, as coisas vão se acalmar e nós va- mos ter mais tempo." "Em Nova York? Duvido", disse eu. "E mesmo se as coisas se acalmarem, não seria bom fugir um pouquinho antes de tudo isso, afinal?" "Quando?" Ela perguntou, e olhou ao redor, como se o seu atarefado calendá- rio permeasse todas as superfícies. "Nem sempre vamos ter o momento perfeito. E quando mudarmos de escritó- rio, isso vai ficar ainda mais louco." Rindo, ela balançou a cabeça. "Bem, eu não consigo pensar em um momento pior. Talvez no fim do verão?" Com um beijo rápido, virou-se e pegou o telefo- ne da minha mesa, arregalando os olhos quando viu o horário. "Eu tenho que ir", disse ela, beijando-me mais uma vez antes de sair de meu escritório.
  38. 38. O assunto estava encerrado. Mas a palavra férias ficou em minha mente. Capítulo Três
  39. 39. Eu tinha grandes planos para hoje à noite: fazer o jantar, jantarmos juntos, finalmente decidir qual apartamento nos iríamos alugar em Nova York, discutir o que manteríamos de ambas as casas, tanto da sua quanto da minha e des- cobrir quando, nesse inferno, nós encontraríamos tempo para empacotar tudo isso, em primeiro lugar. Oh, e passar as oito horas restantes reaprendendo cada centímetro do corpo bonito do meu Bastardo Bonito. Duas vezes. Mas esse itinerário foi antes dele entrar pela porta de sua casa para me encon- trar preparando o jantar em sua cozinha. Antes dele atirar sua jaqueta e as chaves no sofá e praticamente correr pela sala. Antes de me puxar contra ele e chupar o meu pescoço, bem abaixo do meu ouvido, como se não tivesse me provado por semanas. Desnecessário dizer que o plano havia sido reduzido dramaticamente. Um: o jantar. Dois: sem roupa. Mesmo assim, Bennett parecia inclinado a pular etapas. "Nós nunca vamos comer nesse ritmo", eu disse, inclinando minha cabeça para trás enquanto ele beijava ao longo do meu pescoço. Seu hálito quente enrola- va sobre a minha pele e a faca que eu segurava batia contra a tábua de corte. "E?", ele sussurrou, pressionando seus quadris contra a minha a bunda antes de me virar para encará-lo. Os armários eram duros contra as minhas costas. Bennett foi mais duro contra mim. Ele abaixou-se, elevando-se sobre mim, sem o benefício dos meus sapa- tos, e roçou os lábios na minha garganta. "E..." Eu murmurei. "A comida é superestimada." Ele riu suavemente, as mãos deslizando ao meu lado para descansar em meus quadris. "Exatamente. E Deus, parece que eu não toquei você por semanas.” "Esta tarde,” eu corrigi, puxando para trás apenas o suficiente para encontrar seus olhos. "Foi esta tarde, em sua mesa, você sabe, quando eu te chupei e fiz você gozar?”
  40. 40. "Oh, sim. Eu me lembro de algo parecido. É um pouco nebuloso, no entanto. Talvez você possa atualizar minha memória... língua, pau...". "Bela boca, Ryan. Sua mãe sabe que você é tão safado?” Ele soltou uma gargalhada. "Se o jeito que ela nos olhou depois que nós tran- samos, no armário, no casamento do meu primo em Fevereiro é uma indica- ção, então sim.” "Eu não tinha visto você em duas semanas", eu disse, sentindo meu rosto ficar quente. "Não fique tão presunçoso, seu idiota". "Mas eu sou o seu idiota", ele disse, e deu um prolongado beijo em meus lá- bios. "Não finja que você não ama isso.” Eu não podia argumentar. Bennett poderia ter passado mais tempo fora de Chicago do que isso, mas ultimamente, ele era todo meu. Ele nunca deixou qualquer dúvida sobre isso. "E por falar em bunda"1 , ele estendeu a mão e apertou a minha, duramente "as coisas que eu irei fazer com a sua hoje a noi- te...”. Eu comecei a responder, argumentar ou dizer algo inteligente de volta, para me colocar novamente no comando, mas eu não conseguia pensar em nada. "Jesus. Você está estonteantemente quieta”, disse ele, os olhos arregalados de surpresa. "Se eu soubesse que isso era tudo o que levaria a ter um pouco de paz e sossego, eu teria falado nisso há muito tempo.” "Eu... hum." Eu abri e fechei a boca algumas vezes mas nada saiu. Isso era novo. Quando o timer do forno soou no ar, eu me forcei a me afastar, ainda um pouco fora de equilíbrio. Tirei o pão do forno e escorri o macarrão, sentindo Bennett mover-se atrás de mim novamente. Ele colocou seu queixo sobre meu ombro, passou os braços em volta da minha cintura. "Você cheira tão bem", disse ele. Sua boca voltou a trabalhar no meu pescoço, suas mãos começaram uma lenta descida para a barra da minha saia. Eu esta- va mais do que tentada a deixá-lo terminar. 1 Aqui a autora faz referência a ela ter chamado de idiota, pois em inglês “ass” pode significar bunda e idiota.
  41. 41. Em vez disso, fiz um sinal para a tábua de corte. "Você pode terminar a salada para mim, por favor?” Ele gemeu e afrouxou a gravata, grunhindo algo ininteligível quando começou a trabalhar no balcão oposto. Um aroma de alho saia da travessa assim que eu coloquei o molho e o macar- rão juntos, tentando clarear a minha mente. Como de costume, era impossível quando ele estava nas proximidades. Havia algo sobre Bennett Ryan que pare- cia sugar todo o ar de uma sala. Eu tinha sido pega de surpresa por quão duro eu tinha me apaixonado por ele, e ultimamente eu sentia muito a sua falta quando ele não estava. Às vezes eu conversava com o meu quarto vazio. "Como foi seu dia?" Eu perguntava. "Meu novo assistente é hilário", eu dizia. Ou: "O meu apartamento tem sempre que ficar tão quieto?" Outros dias, quando eu já tinha usado a sua camisa para dormir tantas vezes, que elas perdiam o seu cheiro, eu ia para a sua casa. Eu sentava na enorme cadeira que dava para o lago, e me perguntava o que ele estaria fazendo. Per- guntando-me se era possível que ele sentisse a minha falta tanto quanto eu sentia a falta dele, ainda que fosse por uma fração de segundo. Jesus. Eu nun- ca tinha tentado entender as mulheres que agiam assim quando seus namora- dos viajavam. Eu costumava apenas supor que era uma boa oportunidade para uma noite inteira de sono e algum tempo de inatividade. De alguma forma, Bennett tinha conseguido trabalhar o seu caminho para cada parte da minha vida. Ele ainda era o mesmo homem teimoso e determinado que ele sempre foi, e eu adorava que ele não tinha mudado quem ele era ape- nas porque estávamos juntos. Ele me tratava como igual, e embora eu sou- besse que ele me amava mais do que qualquer coisa, ele nunca facilitou as coisas para mim. Por isso eu o amava ainda mais. Eu levava nossos pratos para a mesa quando olhei por cima do meu ombro e vi que Bennett ainda estava resmungando para si mesmo enquanto cortava um tomate. "Você ainda está reclamando?", Perguntei. "É claro." Ele trouxe a salada, batendo na minha bunda antes de puxar minha cadeira.
  42. 42. Ele serviu, a cada um, um copo de vinho antes de cair na cadeira na minha frente. Bennett me assistia tomar um gole, seus olhos se moveram para os meus lábios, e ele se animou novamente. Um sorriso doce saia do canto de sua boca, mas, em seguida, ele piscou, pare- cia de volta ao foco, lembrando-se de alguma coisa. "Eu estava querendo per- guntar a você, como está a Sara?" Sara Dillon havia se formado no mesmo programa de MBA que eu, mas havia deixado a RMG para trabalhar em outra firma. Ela era uma das minhas melho- res amigas, e Bennett havia lhe oferecido a posição de Diretora de Finanças no novo ramo da empresa, mas ela recusou, não querendo deixar sua família e a vida que ela tinha em Chicago. Ele não a culpava, é claro, mas como o grande dia se aproximava, e ainda não tinha encontrado ninguém para aquela posição, eu sabia que ele estava come- çando a se preocupar. Dei de ombros, lembrando-me da conversa que tive com ela mais cedo naque- le dia. O babaca do noivo de Sara tinha sido fotografado beijando outra mu- lher, e parecia que Sara realmente começava a enxergar o que o resto de nós suspeitávamos há anos: Andy era um idiota traidor. "Ela está bem, eu acho. Andy ainda afirma que aquela foto foi criada. O nome da outra mulher ainda aparece nos jornais a cada semana. Você conhece Sara. Ela não vai mostrar ao mundo como ela se sente, mas posso dizer que ela está completamente destruída com isso.” Ele sussurrou, considerando. "Penso que ela finalmente acabou. Não vai o que- rer de volta." "Quem sabe? Eles estão juntos desde que ela tinha vinte e um anos. Se ela não o deixou até agora, então talvez ela vá ficar com ele para sempre.” "Eu desejei tê-lo socado, chutado sua bunda no evento da Smith House no mês passado. Aquele sórdido miserável.” "Eu tentei convencê-la a ir para Nova York, mas... ela é muito teimosa.” "Teimosa? Não posso ver porque vocês duas são amigas.”, ele brincou. Eu joguei um tomate cereja nele.
  43. 43. O resto da refeição foi totalmente sobre o trabalho, sobre como arrumar o no- vo escritório e de todas as peças que ainda precisavam ser colocadas em práti- ca antes que isso pudesse acontecer. Nós tínhamos começado a discutir se a sua família voltaria para Nova York no- vamente diante dos novos escritórios abertos na cidade quando eu perguntei: "Quando seu pai voltar para a cidade?" Eu esperei um momento, mas quando Bennett não respondeu, eu olhei para cima, surpresa ao vê-lo empurrando a comida ao redor do seu prato. "Está tudo está bem por lá, Ryan?" Alguns segundos de silêncio se passaram antes que ele respondesse, "Eu sinto falta de você trabalhando para mim.” Senti meus olhos se arregalarem. "O quê?" "Eu sei. Isso não faz nenhum sentido para mim, também. Nós fomos terríveis um para o outro, e era uma situação insuportável.” Caramba, que subestimação. O fato que nós conseguimos sobreviver traba- lhando no mesmo escritório, juntos durante dez meses, sem nenhum derra- mamento de sangue ou algum tipo de incidente com um grampeador homicida ainda me surpreendia. "Mas... ", Continuou ele, olhando para mim através da mesa: "Eu via você to- dos os dias. Era previsível. Consistente. Eu te instigava e você me instigava de volta. Isso era a maior diversão que eu já tive em um emprego. E eu tinha isso como algo certo.” Eu coloquei a minha taça na mesa e encontrei seus olhos, senti uma onda avassaladora de carinho por este homem. "Isso... faz sentido", eu disse, pro- curando as palavras certas. "Eu não acho que eu também apreciava o que sig- nificava vê-lo todos os dias. Mesmo querendo envenená-lo em nada menos de vinte e sete diferentes ocasiões.”
  44. 44. "Idem", ele respondeu com um sorriso. "E às vezes eu me sinto culpado por quantas vezes eu joguei você para fora da janela nas minhas fantasias. Mas eu certamente pensava em fazer isso com você.” Ele pegou a taça e tomou um longo gole. "Você quer agora?" "Yep. Eu tenho uma lista." Eu levantei uma sobrancelha em silêncio. "Bem, primeiro eu vou tirar essa saia." Ele se inclinou para olhar debaixo da mesa. "Eu tenho que perturbá-la por usar essa coisa rendada por baixo só para me torturar, mas nós dois sabemos que eu estou gosto desse tipo de coisa.” Eu vi como ele se endireitou e se recostou de volta na cadeira, as mãos entre- laçadas atrás da cabeça. O peso de sua atenção trouxe arrepios na minha pele. Qualquer outra pessoa teria ficado intimidada, eu poderia ainda me lembrar de um momento em que eu ficaria intimidada, mas agora tudo o que eu sentia era a adrenalina, uma emoção que atirava no meu peito e estabelecia-se quen- te e pesada no meu estômago. "E esse suéter", ele começou, agora com os olhos nos meus seios. "Eu gostaria de rasgá-lo e ouvir o som desses pequenos botões estourando e espalhando-se pelo chão.” Eu cruzei as pernas, e engoli em seco. Ele seguiu o movimento e um sorriso lentamente surgiu nos cantos da sua boca. "Então talvez eu tenha que espalhá-la nesta mesa." Ele inclinou-se, mostrando toda a sua dureza. "Ponha suas pernas sobre meus ombros, vou chupar você até que você esteja implorando pelo o meu pau.” Tentei parecer indiferente, tentei romper o seu olhar. Eu não podia. Eu limpei minha garganta, minha boca repentinamente seca. "Você poderia ter feito isso ontem à noite," eu disse, o provocando. "Não. Ontem à noite, estávamos cansados e eu só queria sentir você gozar. Hoje à noite, eu quero tomar meu tempo, despindo você, beijando cada centí- metro desse corpo “Foda-se. Assistir você mexe comigo.” Estava de repente ficando quente aqui?
  45. 45. "Tem muita certeza de si mesmo, não é?", Perguntei. "Sem dúvida." "E o que te faz pensar que eu não tenho a minha própria lista?” Eu fiquei em pé, esquecendo a sobremesa, contornei a mesa e parei na sua frente. Seu pau já estava duro, forçando contra a braguilha de suas calças. Ele seguiu meu olhar e sorriu para mim, suas pupilas estavam escuras e tão selvagens que su- primia a cor avelã em torno delas. Eu queria rasgar a minha roupa e sentir o calor do seu olhar na minha pele, acordar de manhã exausta, dolorida e com a memória de seus dedos apertan- do o meu corpo. Como é que ele me fazia me sentir desta forma, com apenas um olhar e algumas palavras sujas? Bennett se mexeu na cadeira e dei um passo para ficar entre a suas pernas, estendendo a mão para retirar o cabelo, aquele eterno cabelo recém-fodido, de sua testa. Os fios macios escorregaram entre meus dedos e eu inclinei a sua cabeça para trás, trazendo seus olhos nos meus. Eu tenho sentido tanto a sua falta, eu queria dizer. Fique. Não vá para tão longe. Eu te amo. As palavras ficaram presas na minha garganta e nada mais do que um "Oi" saiu em seu lugar. Bennett inclinou a cabeça, e um sorriso enorme surgiu quando ele olhou para cima, para mim. "Oi". Suas mãos quentes agarraram meus quadris, puxando- me para mais perto. Risos enrolaram em torno de uma única palavra e eu sa- bia que ele poderia me ler como um livro, vi cada pensamento, tão claramen- te, como se estivesse escrito na minha testa com tinta. Não é que eu não es- tava confortável em dizer que o amava só que isso era tão novo. Eu nunca dis- se a ninguém antes dele, e às vezes parecia assustador abrir meu peito e lhe entregar o meu coração. Sua mão se moveu até parar em meu seio, seu polegar acariciava ao longo deles. "Eu não posso ajudar, mas me pergunto o que está embaixo desse pe- queno e lindo suéter”, disse ele. Eu respirei fundo, senti meus mamilos endurecerem sob o fino cashmere. Ele desabotoou um botão e depois outro, até que o suéter se abriu e seus olhos se moveram até os meu sutiã. Ele sussurrou com alegria. “Esse é novo." "E caro. Não o estrague”, eu avisei.
  46. 46. Ele não conseguia conter o sorriso presunçoso. "Eu nunca faria isso”. "Você me comprou uma lingerie de quatrocentos dólares e, em seguida, a usou para me amarrar na sua cama, Bennett.” Ele riu, empurrando o suéter dos meus ombros, tomando seu tempo para me desembrulhar como se eu fosse um presente. Seus longos dedos moveram-se para a minha cintura, para a minha saia e o som suave do zíper encheu a sala. Ele fez o que havia prometido, decididamente ele retirou a saia dos meus qua- dris e ela deslizou pelas minhas pernas, formando uma piscina em meus pés, deixando-me apenas com o meu sutiã de renda e minha minúscula calcinha. O ar condicionado ligou e um baixo zumbido lançou-se através do apartamen- to, uma rajada de ar frio correu ao longo da minha pele exposta. Bennett me puxou para o seu colo, as minhas pernas em cada lado dos seus quadris. O tecido áspero de sua calça roçou as minhas coxas e a minha bunda pratica- mente nua. Eu deveria ter me sentido vulnerável com isso - comigo em tão pouco e ele totalmente vestido - mas eu apreciava isto. Isto era tão parecido com a nossa primeira noite juntos na sua casa, depois da minha apresentação, depois que nós dois admitimos que não queríamos ficar um sem o outro e ele me deixou amarrá-lo para que eu pudesse ter a coragem de ouvir o quanto eu o tinha machucado. E então eu percebi que esta posição foi intencional. Eu suspeitava que ele es- tava pensando exatamente sobre aquela noite, também. Seus olhos brilhavam com tanta fome, tanta adoração, que eu não pude deixar de sentir uma sensa- ção de poder, como se não houvesse nada que esse homem não faria se eu apenas pedisse. Estendi a mão para os botões da sua camisa, queria ele nu, em cima de mim, atrás de mim e em todos os lugares. Eu o queria provar, arranhar e deixar marcas em sua pele, conectá-lo com os meus dedos, meus lábios e dentes. Eu queria esticá-lo sobre a mesa e transar com ele até qualquer pensamento de qualquer um de nós deixar esta sala fosse uma memória distante. Em algum lugar do apartamento, um telefone tocou. Nós congelamos, nenhum de nós disse nada, ambos esperando, esperando que aquilo tivesse sido um acaso e que nada mais que o silêncio viria a seguir. Mas o toque estridente - um que era muito familiar – encheu o ambiente novamente. Trabalho. O toque de emergência. E não o toque de emergência regular, mas o de emergência.
  47. 47. Bennett xingava, descansando a testa contra meu peito. Meu coração batia forte sob minhas costelas e minha respiração ficou muito rápida, muita alta. "Merda, eu sinto muito", ele disse quando o telefone continuava a tocar. "Eu tenho que..." "Eu sei." Eu fiquei em pé, usando o encosto da cadeira para apoiar às minhas pernas trêmulas. Bennett esfregou as mãos sobre o rosto antes de se levantar e atravessar a sala, encontrando o telefone onde ele havia jogado a sua jaqueta, sobre o en- costo do sofá. "Sim", ele disse, e então escutou. Me inclinei para o meu suéter e o coloquei sobre os meus ombros, encontrei a minha saia e a puxei para o meu quadril. Eu levava os pratos para cozinha en- quanto ele falava. Eu estava tentando dar a ele alguma privacidade, mas fiquei preocupada quando sua voz continuou a se elevar. "O que quer dizer com eles não podem encontrá-lo?", Ele gritou. Eu me inclinei contra o batente da porta e assistia de um lado para o outro, em frente da grande parede de janelas. “Isto era para amanhã e alguém perdeu o caralho do arquivo principal? Ninguém pode alguém lidar com isso?" Uma pausa se- guiu-se e eu juro que eu realmente assisti a pressão arterial de Bennett au- mentar. "Você está brincando?" Outra pausa. Bennett fechou os olhos com for- ça e respirou fundo. "Tudo bem. Eu estarei lá em vinte minutos.” Quando ele terminou a ligação, levou um momento para que ele olhasse para mim. "Está tudo bem", eu disse. "Não está." Ele estava certo. Ele não estava bem. Isto era uma merda. "Não é possível que não haja mais ninguém para lidar com isso?” "Quem? Eu não posso confiar algo tão importante para aqueles idiotas incom- petentes. A conta Timbk2 será lançada amanhã, a equipe de marketing não consegue encontrar o arquivo com as especificações financeiras –“ Ele parou, balançou a cabeça e pegou seu casaco. "Deus, nós precisamos de alguém em Nova York, que saiba o que diabos eles estão fazendo. Eu sinto muito, Chloe.”
  48. 48. Bennett sabia o quanto precisávamos de hoje à noite, mas ele também tinha um trabalho a fazer. Eu sabia disso melhor do que ninguém. "Vá", eu disse, fechando a distância entre nós. "Eu vou estar aqui quando você terminar.” Eu lhe entreguei as chaves e me levantei na ponta dos pés para bei- já-lo. "Na minha cama?" Eu concordei acenando com a cabeça. "Vista minha camisa." "Somente sua camisa." "Eu te amo". Eu sorri. "Eu sei. Agora vá salvar o mundo." Capítulo Quatro Você só pode estar brincando comigo.
  49. 49. Virei a chave na ignição e liguei o motor, forte o suficiente para os relógios ba- terem no vermelho. Eu queria derramar tudo para fora, na rua, deixando o si- nal da minha frustração como marcas de pneus pretos na estrada. Eu estava cansado. Foda-se eu estava cansado, e eu odiava ter que arrumar a bagunça de outras pessoas no trabalho. Eu vinha trabalhando doze, quinze, inferno, até dezoito horas por dia durante meses, e na única noite em que eu era capaz de passar um tempo com Chloe em casa, fui chamado de volta. Eu parei com aquela palavra que parecia saltar ao redor, dentro da minha ca- beça: casa. Tanto fazia se nos estávamos na minha casa ou na dela, se saímos com os amigos, ou se íamos naquele minúsculo e horrível restaurante chinês que ela gostava tanto, eu me sentia em casa. A parte mais estranha era que a casa que tinha me custado uma fortuna nunca se pareceu como um lar para mim, até que ela começou há passar mais tempo lá. Era a sua casa comigo, tam- bém? Nós ainda não tínhamos tido tempo para escolher onde iríamos morar em Nova York. Nós tínhamos identificado o novo local para a RMG, fizemos um mapa de onde cada um de nossos escritórios seriam, elaboramos os planos das refor- mas e contratamos um designer... mas Chloe e eu não tínhamos um aparta- mento para morar. Isso era o maior sinal de que velhos hábitos são difíceis de morrer, porque, na realidade, o meu relacionamento com ela tinha alterado completamente a mi- nha relação com o meu trabalho. Apenas um ano atrás eu tinha me compro- metido com uma coisa: a minha carreira. Agora, a coisa que mais importava para mim era Chloe, e cada vez a minha carreira tinha um jeito de estar com ela e isso me incendiava por dentro. Eu nem sei especificamente quando isso tinha acontecido, mas eu suspeito que a mudança havia ocorrido há muito tempo, antes mesmo de eu ter admitido isso. Talvez isso aconteceu na noite em que Joel veio a casa dos meus pais para o jantar. Ou talvez foi no dia se- guinte, quando eu caí de joelhos na frente dela e pedi desculpas da única ma- neira que eu sabia. O mais provável é que foi antes de tudo isso, na primeira noite que eu a beijei rudemente na sala de conferências, no meu mais escuro e fraco momento. Graças a Deus eu tinha sido um idiota.
  50. 50. Olhei para o relógio no painel do meu carro e a data, iluminada em vermelho, me atingiu como um soco no peito: 5 de maio. Exatamente um ano atrás, eu tinha visto Chloe sair do avião em San Diego, os ombros definidos em mágoa e raiva, de como eu havia, essencialmente, a jogado debaixo do ônibus depois que ela tinha me ajudado com um cliente. No dia seguinte, ela se demitiu; ela me deixou. Pisquei, tentando apagar essa memória da minha mente. Ela vol- tou, eu me lembrei. Nós trabalhamos isso para fora nos últimos 11 meses, e apesar de toda a minha frustração com o meu horário de trabalho, eu nunca tinha sido mais feliz. Ela era a única mulher que eu sempre quis. Lembrei-me de minha separação anterior, com Sylvie há quase dois anos. Nos- so relacionamento começou da mesma que se sobe em uma escada rolante: com um único passo e em seguida, movendo sem esforço ao longo de um ca- minho único. Nós começamos a sair como amigos e facilmente escorregou pa- ra uma intimidade física. A situação funcionou perfeitamente para mim, porque ela oferecia companheirismo e sexo, e ela nunca pediu mais do que eu ofere- cia. Quando terminamos, ela admitiu que sabia que eu não iria dar-lhe mais, e por um tempo o sexo e a quase intimidade tinha sido o suficiente. Até que, pa- ra ela, isso não era mais suficiente. Depois de um longo abraço e um beijo final, eu a deixei ir. Eu tinha ido direto para o meu restaurante favorito para um tranquilo jantar solitário, e então fui para a cama cedo, onde eu dormi a noite inteira sem acordar uma vez. Sem drama. Sem coração partido. Aquilo tinha terminado e eu fechei a porta para essa parte da minha vida, completamente pronto para seguir em frente. Três meses depois, eu estava de volta a Chicago. Era cômico comparar isso com a reação que eu tive ao perder Chloe. Eu essen- cialmente virei um vagabundo sujo, não comia, não tomava banho, e sobrevi- via apenas de whisky e auto-piedade. Me lembrei, agarrado aos pequenos de- talhes que Sara compartilhava comigo sobre Chloe - como que ela estava, o que ela estava fazendo - e tentava determinar partir desses comentários se ela sentia a minha falta e se possivelmente ela estava tão miserável como eu es- tava. No dia em que Chloe voltou a RMG foi, coincidentemente, o último dia de Sara na empresa. Embora tivéssemos feito às pazes, Chloe tinha insistido que ela dormiria na sua casa e eu dormiria na minha, para que pudéssemos realmente descansar um pouco. Depois de uma manhã caótica, eu entrei na sala do café para encontrar Chloe comendo um pequeno pacote de amêndoas e lendo de
  51. 51. alguns relatórios de marketing. Sara estava esquentando algo no pequeno mi- cro-ondas, ao ter recusado nossas súplicas para dar-lhe um grande almoço de despedida. Eu tinha ido para me servir de uma xícara de café, e nós três fica- mos juntos em um pesado silêncio, que parecia ter durado uns quinze minutos. Eu finalmente quebrei o silêncio. "Sara", eu disse, e minha voz parecia muito alta no silêncio da sala. Seus olhos se voltaram para mim, amplos e claros. "Obrigado por ter vindo até mim na- quele primeiro dia em que Chloe foi embora. Obrigado por me dar qualquer que fosse a informação, sobre ela, que você podia. Por essa e outras razões, eu sinto muito de vê-la partir." Ela encolheu os ombros, colocando a franja para o lado e me dando um pe- queno sorriso. "Estou contente de ver vocês dois juntos novamente. As coisas têm sido demasiadamente calmas por aqui. E por calma eu quero dizer chata. E por chata eu quero dizer ninguém gritando ou chamando um aos outro de megera odiosa.” Ela tossiu e comicamente quase cuspiu a sua bebida. Chloe resmungou. "Sem chance de isso acontecer novamente, eu garanto a você.” Ela jogou uma amêndoa em sua boca. "Ele pode não ser mais o meu patrão, mas ele ainda é definitivamente um gritador”. Rindo, eu dei uma olhada em sua bunda quando ela se levantou e curvou-se para pegar uma garrafa de água do fundo da geladeira. "Ainda assim," eu disse, voltando para Sara. "Eu aprecio que você me manteve informado. O contrário eu provavelmente teria perdido a cabeça.” Os olhos de Sara suavizaram e, como ela se mexia, eu poderia dizer que ela estava um pouco desconfortável com a minha rara demonstração de sentimen- tos. "Como eu disse, eu estou feliz que isso deu certo. Essas são coisas que valem a pena lutar.” Ela ergueu o queixo e deu a Chloe um último sorriso an- tes de sair da sala. Aquela distração que eu senti após o retorno de Chloe, tornou fácil ignorar os sussurros que nos seguiram pelos corredores da Ryan Media Group. Eu tinha o meu escritório e ela tinha o dela agora, e nós estávamos determinados, cada um, a provar a nós mesmos e para qualquer outra pessoa que poderíamos fa- zer isso. Nós estávamos a quase uma hora separados.
  52. 52. "Eu senti sua falta", disse ela, entrando em meu escritório e fechando a porta atrás dela. "Você acha que eles vão me dar o meu antigo escritório de volta?" "Não. Mesmo que eu goste da ideia, neste momento, seria flagrantemente ina- dequado." "Eu só estava meio séria." Ela revirou os olhos e em seguida, fez uma pausa, olhando ao redor. Eu quase podia ver cada memória voltando para ela: quando ela abriu as pernas do outro lado da mesa para mim, quando ela me deixava fazê-la vir com os meus dedos para distraí-la de suas preocupações, e, imagi- no eu, cada vez que nós sentamos juntos neste escritório, não dizendo tudo o que poderíamos ter dito muito mais cedo. "Eu te amo", eu disse. "Eu te amei por um longo tempo." Ela piscou e, em seguida, aproximou-se, esticando-se para me beijar. E então ela me puxou para o banheiro e me pediu para fazer amor com ela contra a parede, ao meio-dia, em uma segunda-feira. Quando parei no estacionamento do escritório e parei pra pensar, me lembrei das palavras de Sara. Saindo do carro, eu olhei para a parede de concreto em frente a mim. Essas são coisas que valem a pena lutar. Sara tinha levado seu próprio conselho para casa com o mais deplorável mulherengo de Chicago. Ela olhou para mim, quando ela soube que eu estava quebrado e perdido sem a Chloe. Em contraste, eu deixaria Sara continuar com um homem que eu sabia que era infiel, tudo porque eu sentia que não era a minha função interferir. Onde eu estaria se Sara tivesse feito o mesmo? Contemplando o que aquilo dizia sobre mim, sai do carro e me dirigi ao lobby principal. O guarda de segurança acenou, e depois voltou para o seu jornal en- quanto eu ia em direção aos elevadores. O prédio estava tão vazio que eu po- dia ouvir cada ranger e cada clique da máquina ao meu redor. As rodas zumbi- am ao longo dos cabos e a cabine deu um baque silencioso quando chegou no décimo oitavo andar. Eu sabia que não havia mais ninguém aqui. A equipe estava lutando para en- contrar a versão mais recente do arquivo e, pelo pânico, provavelmente esta- vam vasculhando os locais dos arquivos de documentos em seus laptops. Eu duvidava que alguém tivesse pensado em vir aqui e verificar o servidor de tra- balho.
  53. 53. No final, eu tive que deixar Chloe para o que equivalia a 23 minutos de traba- lho, o que efetivamente garantia que o meu humor amanhã seria estrondoso. Eu odiava ter que fazer o trabalho de alguém. O contrato tinha sido erronea- mente - e exatamente como eu suspeitava – colocado na pasta errada no ser- vidor. Na verdade, uma cópia impressa estava na minha mesa, virada para ci- ma, onde alguém realmente competente deveria ter percebido isso e me pou- pado esta viagem até o escritório. Eu enviei o arquivo para um dos meus exe- cutivos de Marketing e fiz várias cópias do documento em si, destacando al- gumas partes na primeira página e incisivamente colocando uma sobre a mesa de cada pessoa envolvida na conta, antes de finalmente sair do escritório. Isto foi de certa forma, era repugnante para mim, ser tão preciso. Mas, em segui- da, foi o que eles ganharam quando me afastaram de Chloe. Eu sabia que esses pequenos inconvenientes, não podiam me deixar nervoso também, mas eram esses detalhes que definiam uma equipe. Era exatamente por isso que eu precisava de alguém no topo do jogo para Nova York. Eu res- munguei assim que entrei no meu carro e liguei o motor, sabendo que isto era apenas mais uma coisa que eu precisava realizar até o próximo mês. No meu estado de espírito atual, eu não estava em condições de voltar para Chloe. Eu só ficaria mal-humorado e irritado... e não de um jeito divertido. Deus, eu só queria estar com ela. Por que tem que ser tão difícil, caralho? Eu tinha tão poucas horas com Chloe, assim era, e eu não queria desperdiçá-las, porque eu estava estressado com o trabalho, em procurar um apartamento e encontrar alguém que pudesse fazer o seu trabalho de merda, sem ter que ser uma baba. Nós reclamamos que não nos vemos suficiente, trabalhamos tão duro, por que nós não apenas... Consertamos isso? Continuamos? Eu sabia que Chloe pensava que este não era o momento certo, mas quando é que ele estaria certo? Ninguém virá para nos ajudar e desde quando eu era aquele tipo de pessoa que espera por alguma coisa para chegar há algum lugar? Foda-se isso. Conserte isso. "Pegue suas coisas, Ben." Minha voz ecoou no interior tranquilo do meu carro, e após uma breve olhada no relógio para me certificar de que eu não estava ligando muito tarde, peguei o meu telefone, procurando o número correto an- tes de apertar a discagem. Eu arranquei para fora do estacionamento, fazendo à volta para a Avenida Michigan.

×