• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Organização serviços de saúde
 

Organização serviços de saúde

on

  • 71,015 views

Organização dos serviços de saúde sob a ótica da enfermagem.

Organização dos serviços de saúde sob a ótica da enfermagem.

Statistics

Views

Total Views
71,015
Views on SlideShare
71,005
Embed Views
10

Actions

Likes
4
Downloads
849
Comments
0

2 Embeds 10

http://www.slideshare.net 8
http://webcache.googleusercontent.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Organização serviços de saúde Organização serviços de saúde Presentation Transcript

    • UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DISCENTE: ANTONIA MESQUITA Equipe: Aline Figueiredo Caline Sá Layna Campos Juan Mendes Jussara Pichara Nicolli Vieira ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE
    • Introdução
      • A organização é uma atividade básica de administração: serve para agrupar pessoas e estruturar todos os recursos organizacionais para atingir os objetivos predeterminados.Ao longo do século passado, especialmente com o fortalecimento das instituições hospitalares, tem se observado na enfermagem a predominância da gestão e organização da assistência baseada no modelo da administração científica do trabalho.
      • Este modelo fundamenta-se na cisão entre trabalho intelectual e manual; na valorização da autoridade, da disciplina e da direção com subordinação da maioria às decisões da gerência; estruturas rigidamente hierarquizadas, onde o apego a regras, normas e regulamentos rege o trabalho. Esta tendência, apesar de demonstrar sinais de esgotamento, ainda é majoritária nos serviços de enfermagem hospitalar.
      • Atualmente, por conta do novo modelo de gestão implantado no hospital, a enfermagem sofre o impacto de uma ruptura com os modelos anteriores de gestão. Isto porque, as estratégias adotadas pelo grupo superior não foram consistentes, para a implantação de uma mudança deste porte, pois permitiram suscitar dúvidas sobre quais os reais interesses que a sustentaram.
      • Diante desta nova organização, os profissionais de Enfermagem demonstram dificuldade de reorganizar a assistência em outra lógica e de fazer emergir lideranças para a condução deste momento.
    • Justificativa
      • As inovações tecnológicas têm provocado importantes mudanças no contexto empresarial, com reflexos no mercado de trabalho, em especial, na área de saúde, reduzindo os cargos, aumentando as diferenças salariais, criando novas profissões e descredenciando outras, constituindo-se em um desafio para o homem moderno que necessita promover sua adaptação, seu desenvolvimento pessoal e profissional para conviver nessa nova realidade (MUNARI et al, 2003).
      • Nessa perspectiva, a enfermagem passa por um repensar e uma redefinição de suas funções, de maneira a assegurar seu papel e seu compromisso com a sociedade que, nesse momento, aspira por maior qualidade na prestação da assistência à sua saúde (SIMÔES & FÁVERO, 2000). É no contexto dessas mudanças que devemos situar as novas perspectivas da enfermagem, das políticas de saúde e do trabalho gerencial.
      • Essas modificações invariavelmente colocam não só novas demandas para a profissão como encerram novas determinações na própria organização e dinâmica de seu processo de trabalho administrativo (AZEVEDO, 2000).
      • A inserção do Enfermeiro nesse contexto de mudanças, acompanhando a evolução do mundo globalizado, faz-se necessária, para a busca do progresso de seu conhecimento por meio da implantação da política do saber e fazer crítico, que certamente, o tornaria um profissional capaz de resolver desafios do cotidiano, desenvolvendo assim a organização.
    • Objetivo
      • Demonstrar a importância da estrutura organizacional nos serviços de enfermagem.
      Metodologia
      • Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, retrospectiva, realizado na Biblioteca Leontina Gomes no campus IV da Universidade Estadual do Pará, localizada na Av. José Bonifácio, n° 1203, bairro do Guamá.
      • Além da pesquisa, foram levantados dados concernentes à clínica cirúrgica do Hospital Universitário João de Barros Barreto através de entrevista com a chefia de enfermagem da mesma, afim de comparar embasamento teórico aliado à prática.
    • Aspectos Relativos à Estrutura Organizacional
      • Segundo Cury, a organização é um sistema planejado de esforço cooperativo, no qual cada participante tem um papel definido a desempenhar e deveres e tarefas a executar.
      • Organização é o estabelecimento de uma estrutura formal de autoridade, mediante a qual se definem, dispõem e coordenam as fases e métodos de trabalho para se atingir um objetivo (Faria, 1993).
      • Assim, no Serviço de Enfermagem (S.E.) como um grupo organizado de pessoas, onde é grande o número, a complexidade e a diversidade das atividades realizadas, é evidente a necessidade da divisão do trabalho entre seus elementos, bem como do estabelecimento do padrão de relações entre eles. Logo, os esforços são coordenados para o alcance do objetivo proposto, que é a prestação da assistência de enfermagem (Kurcgant, 1991).
      • Organização Formal: É um sistema estrutural, planejado, formalizado oficialmente, aquele que está no papel. Determina quem faz o que e onde nas organizações, evidencia as relações de autoridade e poder existentes entre os componentes organizacionais.
    • Aspectos Relativos à Estrutura Organizacional
      • Organização Informal: Refere-se aos aspectos que não foram planejados formalmente. Para Cury, é resultado da interação espontânea dos membros da organização, o impacto das personalidades dos atores sobre os papeis que lhes foram destinados. Surge, muitas vezes, pelo fato de a estrutura formal reagir lentamente às mudanças. Assim, a estrutura informal pode ser capaz de contornar os problemas que não estão sendo resolvidos a contento pela estrutura formal.
      • Na estrutura organizacional do S.E. devem ser considerados: a filosofia e os objetivos do S.E., o volume e a complexidade das atividades a serem executadas, os recursos disponíveis e as características desejáveis na estrutura.
      • Principais Características da Organização Formal
      • Divisão do Trabalho:
      • - Maneira pela qual um processo complexo pode ser decomposto em uma série de pequenas tarefas.
      • - Para ocorrer a Divisão do Trabalho, primeiro se procura determinar as atividades necessárias ao alcance dos objetivos gerais do S.E., para depois dividi-las compondo unidades distintas.
    • Aspectos Relativos à Estrutura Organizacional
      • Especialização:
      • É uma forma de divisão do trabalho, onde cada órgão ou cargo passa a ter funções especializadas.
      • Especialização Vertical
      • Caracteriza-se pelo aumento do número de níveis hierárquicos (crescimento vertical do organograma).
      • Adotada quando se verifica a necessidade de aumentar a qualidade da supervisão ou chefia, acrescentando mais níveis hierárquicos na estrutura.
      • É uma divisão do trabalho em termos de autoridade e responsabilidade.
      • Especialização Horizontal
      • Caracteriza-se pelo crescimento horizontal do organograma.
      • Adotada quando se verifica a necessidade de aumentar a perícia, a eficiência e a melhor qualidade do trabalho em si.
      • Mais conhecida pelo nome de departamentalização.
      • É uma divisão do trabalho em termos de diferenciação entre os diversos e diferentes tipos de tarefas executadas pelos órgãos.
    • Autoridade e responsabilidade
      • Autoridade é o poder de comandar subordinados para que executem atividade visando à realização dos objetivos propostos.
      • Max Weber, três origens: carismática, legal e tradicional.
      • KURCGANT, relações básicas de autoridade: Autoridade integral; Autoridade administrativa; Autoridade técnica.
      • A responsabilidade não é delegada. Mesmo que a execução de uma atividade seja atribuída a um subordinado, o “chefe” será sempre responsável pelo que o subordinado faz.
      • Na enfermagem.
      • KURCGANT, 1991.
    • Diretora da divisão de enfermagem Assistentes Diretoras de Área Enfermeiras chefe e demais categorias da equipe de enfermagem Pirâmide hierárquica e correspondente área de autoridade
    • Amplitude da Supervisão
      • Compreende o número de subordinados que uma pessoa pode supervisionar com eficiência.
      • A amplitude administrativa estreita provoca um custo administrativo maior, porque existem mais administradores para cuidar de um número menor de pessoas.
      • A amplitude de controle ampla permite custos administrativos menores, porque existem menos administradores para cuidar de um número maior de pessoas.
      • Grande amplitude de supervisão: configuração tipicamente achatada
      Diretora do serviço de Enfermagem Enfermeira chefe da Unidade Médica Enfermeira chefe da Unidade Cirúrgica Enfermeira chefe da Unidade Pediátrica Enfermeira chefe da Unidade de Pronto Socorro
    • Centralização e Descentralização
      • A centralização significa que a autoridade para decidir está localizada no topo da organização.
      • CHIAVENATO, três principais vantagens: controle, custos e novas tecnologias. Desvantagens: sobrecarga, demora, frustrações e decisões fora da realidade.
      • A descentralização significa que a autoridade para decidir está dispersa nos níveis organizacionais mais baixos.
      • CHIAVENATO, três principais vantagens: agilidade, independência e novas tecnologias. Desvantagens: falta de uniformidade nas decisões, despreparo do pessoal e falta de visão global.
      • CHIAVENATO, 1999.
      • Os serviços de enfermagem, que possuem na sua estrutura um grande número de níveis hierárquicos, apresentam sérios problemas em relação à velocidade da tomada de decisões, chegando a uma situação tal que, quando a decisão é tomada, ela já não se aplica à situação que a gerou. (KURCGANT, 1991).
    • Formalização
      • A formalização prescreve como, quando e por quem as atividades deverão ser executadas.
      • Segundo CHIAVENATO (2000), a formalização pode ser feita por meio: do cargo, do fluxo de trabalho, de regras e regulamentos .
      • É preciso analisar qual o nível necessário de formalização para o S.E., uma vez que isso pode funcionar como aspecto facilitador ou dificultador do desempenho dos indivíduos. Na maioria das vezes, as pessoas envolvidas não participam da sua elaboração, tornando a estrutura prescritiva e normativa, inibindo a criatividade e participação dos elementos integrantes (KURCGANT, 1991).
      • Organização do S.E. do HUJBB
      Diretoria Geral Diretoria Assistencial Gerente de toda a Clínica Cirúrgica Gerente Geral de Enfermagem Técnico Enfermagem Técnico Enfermagem Técnico Enfermagem Gerente da Clínica Cirúrgica 2ª Ala Oeste Técnico Enfermagem Técnico Enfermagem Técnico Enfermagem Técnico Enfermagem Gerente da Unidade de Recuperação Técnico Enfermagem Técnico Enfermagem
    • Tipos de estruturas organizacionais
      • Existem três tipos tradicionais básicos de estrutura organizacional:
      • a) estrutura da organização linear;
      • b) estrutura da organização funcional;
      • c) estrutura da organização linha-acessória (ou linha- staff );
      • d) estrutura da organização matricial.
    • Estrutura Linear
      • Constitui a forma estrutural mais simples, e foi concebida por Fayol influenciado pelas organizações militares e eclesiásticas dos tempos medievais.
      • A denominação “linear” se deve ao fato de que entre o supervisor e os subordinados existem linhas diretas e únicas de autoridade e responsabilidade.
      • Este tipo de estrutura é de larga aplicação nas organizações burocráticas e com alto grau de formalismo.
      • Características:
      • Direção singular;
      • Não valorizar a especialização;
      • A chefia é fonte exclusiva de autoridade;
      • As ordens seguem pela via hierárquica;
      • Cada empregado recebe ordens de um só chefe imediato.
      • Vantagens:
      • Aplicação simples;
      • Fácil transmissão de ordens e recebimento de informações;
      • Definição clara dos deveres e responsabilidades;
      • Decisões rápidas;
      • Fácil manutenção da disciplina;
      • Baixo custo de administração.
      • Desvantagens:
      • Não favorecer a especialização;
      • Organização rígida;
      • Sobrecarregar a direção;
      • Exigir chefes excepcionais;
      • Não favorecer o espírito de equipe, de cooperação;
      • A excessiva centralização dificulta a substituição do chefe.
    • Estrutura funcional
      • Este tipo de estrutura é fundamentado na técnica da supervisão funcional, tendo sido planejada para implantar as idéias de Taylor e tem larga aplicação na base da organização, onde prevalece a especialização.
      • Características:
      • Direção singular;
      • Valorização da especialização;
      • Multiplicidade de contatos entre supervisores e executores: cada empregado recebe ordens simultaneamente de mais de um supervisor;
      • Aplicação da divisão do trabalho às tarefas de execução e ás de supervisão.
      • Vantagens:
      • Promoção da especialização e o aperfeiçoamento;
      • Possibilidade de melhores salários e maior rendimento;
      • Maior facilidade de adaptação das capacidades e aptidões à função;
      • Promoção a cooperação e o trabalho em equipe;
      • É mais econômica a médio e longo prazos;
      • Torna a organização de produção mais flexível.
      • Desvantagens:
      • Difícil aplicação, requerendo maior habilidade gerencial;
      • Requer maior e mais difícil coordenação;
      • Difícil manutenção da disciplina;
      • Divisão de controle;
      • Dificuldade na formação de chefes administrativos;
      • Elevado custo.
    • Estrutura Assessória
      • Na organização de assessoria as unidades organizacionais não tem ação de comando.
      • Aconselham as unidades de linha no desempenho de suas atividades.
      • O assessor é considerado um extensor do executivo em termos de tempo e aspectos técnicos.
      • Se propõe a facilitação do controle e coordenação organizacionais, aquisição e manutenção de recursos
      • Desenvolvimento de conselhos e serviços.
    • Estrutura Matricial
      • Apareceu como solução à inadequação da estrutura funcional
      • Forma de estruturar recursos provenientes de várias fontes com objetivo de desenvolver atividades comuns: projetos ou produtos.
      • Grande flexibilidade pra Enfrentar: ambientes,riscos,incertezas
      • Trabalho em equipe: Metas dos projetos
      • Estágio mais desenvolvido das estruturas contemporâneas
    • Na enfermagem:
      • participar na elaboração dos projetos de construção e reformas dos serviços de saúde ocupacional;
      • Participar do planejamento, organização e implantação do serviço de saúde ocupacional;
      • Execução e avaliação dos programas de saúde;
      • Dimensionar recursos humanos, participando do recrutamento e seleção de pessoal de enfermagem;
      • Organizar programas de educação continuada e treinamentos;
      • Realizar reuniões periódicas, avaliando o desempenho da equipe de enfermagem e estimulando a elevação do padrão técnico-científico;
      • Prever, requisitar, controlar e guardar materiais, equipamentos e medicamentos;
      • Realizar auditoria e consultoria com emissão de parecer sobre assuntos de enfermagem do trabalho.
    • Posição hierárquica do serviço de enfermagem na estrutura geral da organização
      • Encontramos varias posições hierárquicas do serviço de enfermagem inserido na estrutura geral da organização. Essas posições vão desde a subordinação imediata a pessoas ou grupos deliberativos do hospital até a subordinação à pessoa ou serviço tecnicamente diferente. 
      • A posição ocupada na escala hierárquica geralmente evidencia a importância que é dada ao serviço de enfermagem;
      • Quanto mais alta a posição na hierarquia vertical, maiores são as considerações que a pessoa recebe e mais estratégicas são as suas decisões;
      • Comunicação entre os diferentes escalões hierárquicos da instituição;
      • Muitos dos problemas existentes nos serviços de enfermagem estão relacionados com suas estruturas organizacionais e com sua posição ocupada na estrutura geral da organização, uma vez que interferem na atuação do enfermeiro, na dinâmica do serviço de enfermagem e, conseqüentemente, na assistência de enfermagem prestada à clientela.
    • Considerações Finais
      • Embora a temática que envolva a questão da gerência e gestão dos serviços de enfermagem seja ampla, acreditamos que nosso estudo deixa alguns pontos importantes para reflexão acerca da formação de enfermeiros com maior satisfação profissional, com competência para organizar serviços de saúde, empregadores mais satisfeitos com o desempenho desses profissionais e, acima de tudo, clientes assistidos com mais dignidade e qualidade a que têm direito.
      • Entendemos que é o momento para reflexão sobre a responsabilidade que as instituições de ensino têm em formar e lançar no mercado de trabalho, profissionais para desempenhar ações organizacionais nos serviços de enfermagem e de saúde, que sejam comprometidos com o desenvolvimento de pessoas como forma de fortalecer as metas das organizações.
      • Somente através de um processo participativo que restitua aos sujeitos o sentimento de esperança nas possibilidades de futuro é possível construir algumas mudanças em relação à organização do trabalho na instituição. Um processo no qual os sujeitos percebem-se como co-responsáveis, fazendo-se sujeitos de sua prática, criando espaços de construção de projetos viáveis para a transformação da realidade.
      • CHIAVENATO, Idalberto. Administração nos novos tempos . – 2 ed. – Rio de Janeiro: Campus, 1999.
      • KURCGANT, Paulina & cols. Administração em Enfermagem . São Paulo: EPU, 1991.