-457200-342900Dr. Rodrigo Calado Nunes e Souza<br />CRO 63349<br />Cirurgia e Trauamtologia Bucomaxilofacial – Implantes –...
Orientacoes cirurgia ortognatica blog
Orientacoes cirurgia ortognatica blog
Orientacoes cirurgia ortognatica blog
Orientacoes cirurgia ortognatica blog
Orientacoes cirurgia ortognatica blog
Orientacoes cirurgia ortognatica blog
Orientacoes cirurgia ortognatica blog
Orientacoes cirurgia ortognatica blog
Orientacoes cirurgia ortognatica blog
Orientacoes cirurgia ortognatica blog
Orientacoes cirurgia ortognatica blog
Orientacoes cirurgia ortognatica blog
Orientacoes cirurgia ortognatica blog
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Orientacoes cirurgia ortognatica blog

6,597

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
6,597
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
86
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Orientacoes cirurgia ortognatica blog

  1. 1. -457200-342900Dr. Rodrigo Calado Nunes e Souza<br />CRO 63349<br />Cirurgia e Trauamtologia Bucomaxilofacial – Implantes – Diagnóstico bucal<br />CIRURGIA ORTOGNÁTICA<br />O que é?<br />A cirurgia ortognática é um conjunto de procedimentos cirúrgicos que tem o objetivo final de melhorar o posicionamento dos maxilares, colocando-os em relação adequada, corrigindo os problemas dentários (oclusão e mastigação) e esqueléticos (faciais). Desta forma, elimina as deformidades dentofaciais, o que favorece a harmonia facial, e com isso, normalmente há uma grande melhora na estética da face.<br />As deformidades dentofacias podem ser congênitas ou adquiridas, ou seja:<br />Congênita é quando ela é causada pelo fator hereditário (genético), passa dos pais para os filhos.<br />Adquirida é quando ela é causada por um outro fator externo, por um distúrbio no crescimento e desenvolvimento do esqueleto crâniofacial (ex: uso prolongado de chupeta, respiração bucal entre outros).<br />A deformidade dentofacial é facilmente detectada, pois traz alterações funcionais e/ou estéticas. Esta deve, preferencialmente, ser identificada e tratada precocemente pelo ortodontista, que em alguns casos pode eliminar a necessidade de uma futura cirurgia ortognática (caso o paciente ainda esteja na fase de crescimento). Nos pacientes adultos, a correção da deformidade é feita por meio de cirurgia ortognática.<br />Classe I (mordida normal)        De acordo com a classificação das má-oclusões realizada por Angle, a classe I é uma relação dentária correta em que os dentes superiores encontram-se perfeitamente encaixados aos dentes inferiores. Normalmente, este equilíbrio entre as arcadas vem acompanhado de simetria facial, o que garante a harmonia dos traços do rosto. <br />0300990<br />PERFEITA RELAÇÃO ENTRE AS ARCADAS SUPERIOR E INFERIOR CONTRIBUINDO PARA A MANUTENÇÃO DA HARMONIA FACIAL<br />Veja os diferentes tipos de deformidades:<br />Classe II        De acordo com a classificação das mal-oclusões feita por Angle, a classe II é uma relação dentária errada onde os dentes superiores encontram-se muito a frente dos dentes inferiores. Em muitos casos esse problema dentário vem acompanhado de um problema esquelético, tendo uma relação maxilo-mandibular alterada, onde a maxila encontra-se á frente da mandíbula, caracterizando a deformidade dentofacial.        É importante ressaltar que existem diferentes deformidades com a má-oclusão de classe II, podendo ser:Prognatismo maxilar (maxila para frente, mandíbula bem posicionada) Retrognatismo mandibular (mandíbula para trás, maxila bem posicionada) Ambos associados (maxila para frente e mandíbula para trás)        Outros problemas podem estar associados a este, como: Mordida aberta, face longa, face curta, etc.<br />-3810250190<br />MORDIDA CLASSE II COM POSICIONAMENTO POSTERIOR DE MANDÍBULA E ANTERIORIZAÇÃO DA MAXILA.<br />Classe III            De acordo com a classificação das mal-oclusões feita por Angle, a classe III é uma relação dentária errada onde os dentes inferiores encontram-se muito a frente dos dentes superiores. Em muitos casos esse problema dentário vem acompanhado de um problema esquelético, tendo uma relação maxilo-mandibular alterada, onde a mandíbula encontra-se á frente da maxila, caracterizando a deformidade dentofacial.         É importante ressaltar que existem diferentes deformidades com a má-oclusão de classe III, por exemplo:Prognatismo mandibular ( mandíbula para frente, maxila bem posicionada) Retrognatismo maxilar ( maxila para trás, mandíbula bem posicionada) Ambos associados (mandíbula para frente e maxila para trás)        Outros problemas podem estar associados á este, como: Mordida aberta, face longa, face curta, etc.<br />-114300121285<br />MORDIDA CLASSE III COM POSICIONAMENTO ANTERIOR DE MANDÍBULA E POSIÇÃO RETRAÍDA DA MAXILA.<br />Mordida Aberta         A mordida aberta anterior é uma deformidade dento facial caracterizada pela ausência de contato dos dentes anteriores, deixando um espaço entre os incisivos superiores e inferiores, gerando a impressão que o paciente não consegue fechar a boca. Esta deformidade normalmente vem associada a problemas respiratórios e dificuldade de mastigação, manifestando-se especialmente a dificuldade de uso dos incisivos centrais para o corte dos alimentos (como comer uma maçã ou morder um pão).-45085402590MORDIDA ABERTA ANTERIOR CAUSANDO DIFICULDADE DE CORTE DOS ALIMENTOS E PROJEÇÃO ANTERIOR DOS DENTES DA FRENTE DA MAXILA. <br />Face Longa        Neste caso o portador da deformidade possui o terço inferior da face aumentado, dando a impressão de que a face é alongada. Pode-se detectar vários componentes que geram a face longa:Excesso vertical da maxila (sorriso gengival, maxila grande no sentido vertical) Excesso vertical de mandíbula (queixo alto, mandíbula grande no sentido vertical) Mordida aberta (o espaço entre os incisivos deixa o terço inferior da face aumentado)<br />Face Curta        Neste caso o portador da deformidade possui o terço inferior da face diminuído, dando a impressão de que a face é encurtada. Pode-se detectar vários componentes que geram a face curta: Altura maxilar diminuída (mostra pouco os dentes ao sorrir, maxila pequena no sentido vertical) Altura mandibular diminuída (queixo curto no sentido vertical) Sobremordida (a sobreposição dos incisivos deixa o terço inferior da face diminuido)<br />-3810bottom<br />FACE CURTA CAUSANDO PREJUÍZO ESTÉTICO E MORDIDA PROFUNDA<br />Assimetrias        A assimetria é uma deformidade dentofacial que é notada quando observamos o paciente de frente. Neste caso, a maxila ou a mandíbula estão posicionadas de maneira assimétrica, dando a impressão de queixo torto (para o lado) ou sorriso torto. Quando a mandibula é rotada para o lado chama-se de laterognatismo. A assimetrias podem ser:de maxila de mandíbula de maxila e mandíbula de mento (queixo)<br />Diagnóstico        A cirurgia é necessária sempre que houver algum problema grave de natureza esqueletal ou dentoalveolar que não possa ser corrigido somente pela ortodontia.         Se a discrepância está presente, há somente três tratamentos alternativos:Modificação do crescimento Compensação ortodôntica (deslocamento dos dentes para obter relações dentárias corretas, a despeito das deformidades maxilomandibulares), cujo objetivo é mascarar a discrepância esqueletal Reposicionamento cirúrgico maxilomandibular         A ortopedia funcional dos maxilares pode, até certo ponto, alterar a expressão do crescimento e melhorar as relações maxilomandibulares, porém não existe previsibilidade no tratamento e o insucesso irá ocorrer se o paciente não possuir um potencial de crescimento favorável. Após a fase de crescimento, a cirurgia é a única forma de corrigir discrepâncias maxilomandibulares.         Uma relação esquelética tecnicamente fora dos padrões, além dos prejuízos estéticos, pode produzir também sérios problemas funcionais, como a falta de engrenagem dos dentes (ocasionando dificuldade mastigatória e/ou dores na articulação temporomandibular), um posicionamento errôneo da língua, com a conseqüente modificação da voz e da pronúncia de determinadas sílabas.        A respiração também pode ser prejudicada em menor ou maior grau, como no caso das micrognatias mandibulares (mandíbula pequena), que provocam a redução das vias aéreas superiores e contribuem para o conhecido ronco noturno ou apnéia do sono.<br />Planejamento Para o planejamento são necessários alguns exames rotineiros e uma avaliação criteriosa da face e oclusão, buscando também informações quanto à saúde geral do paciente, seu histórico médico e família, além de exames laboratoriais. Nesta fase, deve-se buscar os desejos do paciente, relacionando suas queixas iniciais às expectativas quanto ao resultado cirúrgico. Desta forma, o cirurgião tem a capacidade de avaliar as necessidades cirúrgicas, bem como, de fornecer ao paciente alguma previsão dos resultados.3106420498475Para a realização deste planejamento, o paciente precisa ter em mãos a documetação composta de:Rx Perfil Cefalométrico Rx Panorâmica Fotos intra e extra bucais Modelos de gesso para estudo (zocalados).4981575-718820Análise cefalométrica Rx de punho e mão para pacientes em fase de crescimento <br />Consulta Inicial        Devido à maloclusão ser uma característica da maioria dos casos, os ortodontistas, que são responsáveis pela colocação do aparelho dentário, geralmente, são os primeiros a receberem os pacientes com deformidades. Estes pacientes procuram este profissional, pois acreditam que a correção do mau posicionamento dentário irá também corrigir a sua deformidade estética, porém se deparam com a necessidade de um procedimento cirúrgico para que a devida correção da deformidade seja realizada.         Após a identificação da deformidade, o paciente deve procurar o cirurgião bucomaxilofacial e fazer a consulta inicial, onde se define o plano de tratamento com o ortodontista, e todas as dúvidas a respeito do tratamento são esclarecidas. A relação entre cirurgião e ortodontista é de suma importância para um caminhar adequado do tratamento, visto que existe uma interdependência entre os dois para resolução do problema.         A consulta inicial com o cirurgião deve ser feita idealmente antes do início do tratamento ortodôntico, ou logo no seu início. Assim o ortodontista e o cirurgião podem discutir antecipadamente aspectos importantes para o sucesso do tratamento, bem como agilização do mesmo.<br />Pré-Operatório        Para que o paciente possa ser submetido à Cirurgia Ortognática é necessário a realização de exames pré-operatórios de sangue, urina, coração, exame médico e exames radiográficos. A internação ocorrerá no dia da cirurgia ou noite anterior, devendo o paciente estar em jejum absoluto por 10 horas antes do procedimento. O tempo médio de cirurgia é variável de acordo com a necessidade cirúrgica (maxila ou mandíbula; cirurgias combinadas; mentoplastia), indo de 1 hora a até 6 horas, com tempo médio de 3 horas. O paciente normalmente permanece internado por 24/48 horas após a cirurgia.         Antes do procedimento cirúrgico é realizado um traçado predictivo (visualização da movimentação cirúrgica) por meio de avaliações e estudo das características clínicas e radiográficas do paciente. Após a decisão dos movimentos a serem realizados, faz-se uma cirurgia em modelos de gesso, buscando a simulação do procedimento, com confecção final de “splints cirúrgicos” (guias para reposicionamento da oclusão) que serão extremamente úteis durante a cirurgia.<br />Cirurgia        A cirurgia é feita sob anestesia geral, onde a pessoa dorme e não sente nada. A operação consiste em cortes realizados no osso com acessos por dentro da boca, não deixando cicatriz na face. O osso é fixado com placas e parafusos de titânio, sendo estes totalmente biocompatíveis (não provocam rejeição), ou seja, podem permanecer para sempre na boca e serem removidos apenas caso haja necessidade.        Com o uso de técnicas cirúrgicas modernas (osteotomia sagital bilateral do ramo mandibular) e a fixação interna rígida, o paciente não fica com a boca bloqueada, amarrada, no pós-operatório, fazendo apenas o uso de elásticos para guiar a nova mordida para a posição correta.<br />Pós-Operatório        O paciente deverá permanecer em repouso absoluto, durante 5 dias, e após 10 dias poderá ter suas atividades normais reestabelecidas, evitando o esforço físico e a exposição ao sol por aproximadamente 60 dias.        O "inchaço" (edema) é uma reação normal devido ao trauma cirúrgico e faz parte do processo de cicatrização, variando muito a intensidade de sua manifestação de paciente para paciente e de caso para caso. O edema perdura por bastante tempo, com 3-4 semanas cerca de 60% do edema desaparece deixando o rosto mais natural, porém o resultado final só será visto 6 meses após a cirurgia. Pode ainda, aparecer manchas roxas na face, que desaparecerão em aproximadamente 15 dias.<br />Finalização Ortodontia        Após aproximadamente dois meses da cirurgia, o paciente é encaminhado de volta ao ortodontista e este fará o "acabamento ortodôntico", onde são realizadas pequenas correções dentárias para o refinamento oclusal do caso e alta definitiva. <br />Dúvidas?        ALIMENTAÇÃO - Deverá ser líquida e pastosa, durante, aproximadamente 15 dias, pois o paciente não pode mastigar neste período. Após este periodo o paciente poderá se alimentar com uma dieta macia, como pasta, fejão bem cozido, purê ....(nada duro ou crocante). A dieta é liberada normalmete 60 dias após a cirurgia.        Uma alimentação equilibrada nutricionalmente é fundamental em todas as fases da vida. Após uma cirurgia, ela torna-se imprescindível na recuperação, pois bem alimentado acelera-se o processo de cicatrização e restabelece-se o bem-estar e o estado nutricional, refletindo diretamente na rapidez da recuperação da saúde.        Na primeira semana depois da cirurgia, o paciente pode sofre uma pequena depressão, como em qualquer tipo de cirurgia, mas que depois passará dando lugar a uma euforia (alegria intensa) e recuperação da auto-estima, podendo ocorrer grandes mudanças psicologicamente positivas.         Depois da cirurgia, principalmente na região inferior, perto do queixo e na região abaixo dos olhos, o paciente poderá ficar com hipoestesia (perda temporária da sensibilidade sem perda da função motora). A sensação de anestesia nestas regiões normalmente dura algumas semanas ou meses (muito raramente pode ser permanente). Em média a hipoestesia desaparece entre 02 e 12 meses, sendo observados casos onde a reversão do quadro de hipoestesia ocorreu até 3 anos após.<br />

×