Gestão, administração e mediação de conflitos: que possibilidades?<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />AERF - Ce...
1<br />2<br />3<br />4<br />  O conflito na escola e na sala de aula<br />  Elementos básicos de um conflito<br />  Perspe...
A Dupla dimensão do conflito<br />A maneira como conceptualizamos um conflito<br />influencia a maneira  como o resolvemos...
Labirintos <br />Os conflitos assemelham-se aos labirintos: <br />são complexos e confusos. <br />Podem  deslocar-se por d...
Um potencial educativo <br />B<br />A<br />C<br />Pode ser um desafio<br />…<br />Conflitos<br />D<br />E<br />…<br />O co...
O conflito na escola e na sala de aula<br />Como tratar criativamente o conflito?<br />Marchesi (2006, p. 82), aponta algu...
Efeitos negativos dos conflitos e potencial educativo <br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
O que é o conflito?<br />Qual é a natureza do conflito? <br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
Exemplos de conflito: movimentos e/ou rotura de paradigmas<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
O Conflito: aproximação ao conceito<br />Outros Fatores<br />o conflito é visto como “choque”, “embate”, “luta”, “guerra”,...
Elementos básicos de um conflito<br />Os  três P's do Conflito<br />estrutura de um conflito<br />Dinamizador: Professor C...
Triangulo da satisfação<br />Este modelo estabelece um marco <br />conceptual para analisar os conflitos e <br />elaborar ...
Os  três P's do Conflito: as  Pessoas<br />Este aspeto refere-se aos elementos <br />relacionais e psicológicos dos confli...
Os  três P's do Conflito: o processo<br />Refere-se às formas como se tomam decisões.<br />As pessoa que se sentem excluíd...
Os  três P's do Conflito: o problema<br />Refere-se aos temas específicos incluídos no conflito.<br />Pode incluir valores...
Diagnóstico do conflito<br />Donde ?<br />Quando?<br />Entre quem?<br />Porquê ?<br />O que se passou?<br />Como ?<br />Pa...
Comportamentos de resolução de conflitos <br />Na teoria da dupla preocupação (dual concerntheory), Costa (2002) destaca a...
Reações ao conflito<br />COMPETIR<br />COLABORAR<br />I<br />N<br />T<br />E<br />R<br />E<br />S<br />S<br />e <br />de <...
Conflitos: três fontes<br />A origem do conflito assenta em três fontes, para alguns autores: <br />- Pertença: conseguir,...
Origens dos conflitos (I)<br />Para outros a origem (Deutsch (1973)) dos conflitos resumem-se do seguinte modo: <br />DEUT...
Categorização dos conflitos (II)<br />Torrego (2003) categoriza os conflitos do seguinte modo:<br />TORREGO, J. C.(coord.)...
Categorização dos conflitos (III)<br />Moore (1986) descreve cinco tipos de conflitos, sendo eles:<br />TORREGO, J. C.(coo...
Parábola da Cebola: uma maneira diferente de pensar os conflitos<br />Necessidades<br />Valores<br />Estruturas<br />Inter...
Ainda a tipologia dos conflitos (síntese)  <br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
Formas de  afrontar e/ou solucionar conflitos<br />Quadro que nos mostra as diferentes formas de  afrontar e/ou solucionar...
Conflito aberto/Fechado<br />Segundo as circunstâncias, os conflitos nas escolas, podem manifestar-se  de forma aberta ou ...
Círculo do Conflito: problemas existentes num mesmo conflito<br />Negociáveis<br />Informação<br />Relações<br />Interesse...
Fatores relacionais, informacionais e de interesse do conflito<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
Fatores culturais e estruturais do conflito<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
O iceberg do conflito <br />Violência direta<br />Nas escolas deparamo-nos com ações de violência direta de múltiplas form...
O iceberg do conflito <br />Imagemexterior<br />Visível<br />invisível<br />Oportunidades<br />Clivagens<br />(Desmembrame...
O conflito na escola, na sala de aula e na sociedade<br />representações do conflito<br />Os comentadores / Opiniónmakers<...
Centro de Formação de Escolas do Porto Ocidental<br />Obrigado !<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

AF - 2º

2,976 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,976
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,016
Actions
Shares
0
Downloads
65
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

AF - 2º

  1. 1. Gestão, administração e mediação de conflitos: que possibilidades?<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />AERF - Centro de Formação de Escolas do Porto Ocidental<br />
  2. 2. 1<br />2<br />3<br />4<br /> O conflito na escola e na sala de aula<br /> Elementos básicos de um conflito<br /> Perspetiva multidimensional e complexa dos conflitos<br />Os Conflitos e as suas Potencialidades Educativas<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  3. 3. A Dupla dimensão do conflito<br />A maneira como conceptualizamos um conflito<br />influencia a maneira como o resolvemos.<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  4. 4. Labirintos <br />Os conflitos assemelham-se aos labirintos: <br />são complexos e confusos. <br />Podem deslocar-se por diferentes caminhos <br />e terminar de diferentes maneiras.<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  5. 5. Um potencial educativo <br />B<br />A<br />C<br />Pode ser um desafio<br />…<br />Conflitos<br />D<br />E<br />…<br />O conflito na escola e na sala de aula <br />Um conflito na escola e na aula pode provocar disfunções na convivência e tensões na comunidade escolar:<br />É, por isso, de vital importância afrontar os conflitos numa perspetiva diferente e desenvolver uma atitude positiva que nos permita tratar criativamente o conflito, para isso é necessário ter em conta os seguintes aspetos:<br />Uma oportunidade <br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  6. 6. O conflito na escola e na sala de aula<br />Como tratar criativamente o conflito?<br />Marchesi (2006, p. 82), aponta alguns tipos de condutas disruptivas como: brigar, chamar atenção, negar-se a trabalhar, desobedecer, provocação persistente, maus-tratos, insolência muda (não responder verbalmente, mas negar-se em cooperar com o trabalho escolar ou usar atitudes desafiadoras através de gestos ou expressões faciais). <br />MARCHESI, Álvaro. O que será de nós, os maus alunos? Porto Alegre: Artmed, 2006.<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  7. 7. Efeitos negativos dos conflitos e potencial educativo <br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  8. 8. O que é o conflito?<br />Qual é a natureza do conflito? <br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  9. 9. Exemplos de conflito: movimentos e/ou rotura de paradigmas<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  10. 10. O Conflito: aproximação ao conceito<br />Outros Fatores<br />o conflito é visto como “choque”, “embate”, “luta”, “guerra”, “oposição”, “momento crítico”. <br />Nestas definições podemos constatar que abrangem tanto as confrontações físicas como os fatores psicológicos, salientando sempre que se trata de ações antagónicas.<br />Fatores psicológicos<br />Dicionário da <br />Língua Portuguesa<br />Fatores sociológicos<br />o conflito existe “sempre <br />que surgem atividades incompatíveis (e) […] uma ação incompatível com outra vem obstruir, interferir e danificar ou, de alguma forma, fazer com que esta tenha menos possibilidades de se efetuar”<br />Deutsch (1973, p.10).<br />“situações em que duas ou mais pessoas entram em oposição ou desacordo por as suas posições, interesses, necessidades, desejos ou valores serem <br />incompatíveis”.<br />o conflito tanto unifica como divide, sendo considerado um dos principais fatores de coesão do grupo. O conflito ajuda a preservar relações que de outra forma seriam intoleráveis.<br />TORREGO, J. C.(coord.) (2003). Mediação de Conflitos em Instituições<br />Educativas. Manual para Formação de Mediadores. 1ª Edição. Porto: Asa.<br />Wallerin Costa, Maria Emília (coord.) (2003). Gestão de Conflitos na Escola. Lisboa: U. Aberta<br />Raquel A. D. Oliveira, 2007, (Tese de Mestrado) Resolução de Conflitos Perspetiva dos Conflitos,… U.A.<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  11. 11. Elementos básicos de um conflito<br />Os três P's do Conflito<br />estrutura de um conflito<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  12. 12. Triangulo da satisfação<br />Este modelo estabelece um marco <br />conceptual para analisar os conflitos e <br />elaborar estratégias de intervenção que <br />possam satisfazer as expectativas, <br />interesses e as necessidades das partes.<br />Um dos aspetos mais negativos do <br />conflito é sua personalização. Numa <br />disputa é comum atacar as pessoas como <br />se fossem a causa do problema.<br />Quando se respeita os nossos “adversários” <br />deve-se preservar a sua dignidade, por mais <br />que estejamos em desacordo com as suas <br />ideias, é necessário focarmo-nos no que <br />Realmente interessa<br />Pessoas<br />Problema<br />Processo<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  13. 13. Os três P's do Conflito: as Pessoas<br />Este aspeto refere-se aos elementos <br />relacionais e psicológicos dos conflitos. Estes incluem:<br />Emoções e sentimentos.<br />Maneiras pessoais de exteriorizar<br />O seu poder e influência <br />Distintos padrões de comunicação <br />e maneiras de a processar.<br />Maneiras de explicarem e justificar; de ser respeitado e escutado;<br />de manter a sua dignidade; ter segurança pessoal.<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  14. 14. Os três P's do Conflito: o processo<br />Refere-se às formas como se tomam decisões.<br />As pessoa que se sentem excluídas ou tem a sensação de que não podem influenciar as decisões que influenciam as suas vidas, raramente cooperam com quem toma as decisões ou apoiam essas decisões. <br />As pessoas querem processos: <br />justos, eficientes, rápidos, duradoiros e coerentes.<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  15. 15. Os três P's do Conflito: o problema<br />Refere-se aos temas específicos incluídos no conflito.<br />Pode incluir valores diferentes, pontos de vista opostos acerca da forma de tomar uma decisão, necessidade ou interesses incompatíveis e diferenças concretas a respeito do uso, da distribuição e do acesso aos recursos (terra, dinheiro, tempo, etc.).<br />
  16. 16. Diagnóstico do conflito<br />Donde ?<br />Quando?<br />Entre quem?<br />Porquê ?<br />O que se passou?<br />Como ?<br />Para compreender um conflito é necessário aprender a olhá-lo sem nos deixarmos influencia pelas primeiras impressões.<br />Diagnóstico do conflito<br />6 W <br />Why?<br />How?<br />Where?<br />When?<br />Who? <br />What? <br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  17. 17. Comportamentos de resolução de conflitos <br />Na teoria da dupla preocupação (dual concerntheory), Costa (2002) destaca a existência de duas dimensões ao nível da gestão dos conflitos:<br />Comportamentos de resolução de conflitos (Thomas, 1976).<br />COSTA, Maria Emília (coord.) (2003). Gestão de Conflitos na Escola. Lisboa: Universidade Aberta<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  18. 18. Reações ao conflito<br />COMPETIR<br />COLABORAR<br />I<br />N<br />T<br />E<br />R<br />E<br />S<br />S<br />e <br />de <br />A<br />RECIPROCIDADE<br />EVITAR<br />ACOMODAR<br />I N T E R E S S E de B<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  19. 19. Conflitos: três fontes<br />A origem do conflito assenta em três fontes, para alguns autores: <br />- Pertença: conseguir, oportunidade para partilhar e cooperar, utilizando o amor e amizade.<br />- Poder: capacidade de conseguir ser reconhecido e respeitado.<br />- Liberdade: capacidade de fazer escolhas livres na vida.<br /><ul><li>Prazer: capacidade de se rir e divertir.</li></ul>Crawford & Bodine (1996) e Torrego (2003) <br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  20. 20. Origens dos conflitos (I)<br />Para outros a origem (Deutsch (1973)) dos conflitos resumem-se do seguinte modo: <br />DEUTSCH, M. (1973). TheResolutionofConflict – constructiveanddestructivebprocesses. NewHavenandLondon. Yale UniversityPress. Citado por C OSTA, Maria Emília (coord.) (2003). Gestão de Conflitos na Escola. Lisboa: Universidade Aberta<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  21. 21. Categorização dos conflitos (II)<br />Torrego (2003) categoriza os conflitos do seguinte modo:<br />TORREGO, J. C.(coord.) (2003). Mediação de Conflitos em Instituições Educativas. Manual para Formação de Mediadores. 1ª Edição. Porto: Asa.<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  22. 22. Categorização dos conflitos (III)<br />Moore (1986) descreve cinco tipos de conflitos, sendo eles:<br />TORREGO, J. C.(coord.) (2003). Mediação de Conflitos em Instituições Educativas. Manual para Formação de Mediadores. 1ª Edição. Porto: Asa.<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  23. 23. Parábola da Cebola: uma maneira diferente de pensar os conflitos<br />Necessidades<br />Valores<br />Estruturas<br />Interesses<br />Relação<br />As diferenças de nível, profundidade e entrelaçamento/encastradas do conflito é representada pelos anéis da cebola.<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  24. 24. Ainda a tipologia dos conflitos (síntese) <br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  25. 25. Formas de afrontar e/ou solucionar conflitos<br />Quadro que nos mostra as diferentes formas de afrontar e/ou solucionar conflitos:<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  26. 26. Conflito aberto/Fechado<br />Segundo as circunstâncias, os conflitos nas escolas, podem manifestar-se de forma aberta ou fechada:<br />Conflito aberto: manifesta-se de forma visível, como, por exemplo, uma agressão física ou verbal que nos permite identificar as partes e aproximarmo-nos das suas causas.<br />Conflito fechado: está oculto atrás de um clima tenso e de evitamento entre as partes.<br />O conflito está latente quando existe tensões antagónicas entre as partes. Mas não se manifesta enquanto uma das partes não exercer o seu poder em relação à outra. <br />Se os objetivos e metas das partes implicadas no conflito são compatíveis poder-se-á dar uma cooperação entre ambas, podendo ter um efeito benéfico para o desenvolvimento da organização escolar.<br />Se os objetivos e metas das partes são antagónicos, então, cada uma das partes centrar-se-á na consecução dos seus próprios objetivos o que levará a um efeito destrutivo: a satisfação de uma das partes determinará a insatisfação da outra com a agravante de que uma acumulação de frustrações poderá gerar formas de violência de comportamento.<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  27. 27. Círculo do Conflito: problemas existentes num mesmo conflito<br />Negociáveis<br />Informação<br />Relações<br />Interesses<br />Estruturas<br />Valores<br />Difíceis de Negociar<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  28. 28. Fatores relacionais, informacionais e de interesse do conflito<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  29. 29. Fatores culturais e estruturais do conflito<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  30. 30. O iceberg do conflito <br />Violência direta<br />Nas escolas deparamo-nos com ações de violência direta de múltiplas formas: indisciplina; violação das normas ; disputa entre iguais; vandalismo; danos materiais; violência física e assédio sexual, etc., etc.<br />Refere-se à agressão física ou <br />moral, a danos físicos ou Psicológicos.<br />A violência direta é a mais visível, mas está sustentada numa cultura e estrutura que são menos palpáveis mas que supõem uma amalgama que alimenta a violência direta e a perpétua.<br />Violência estrutural<br />Violência cultural<br />Violência exercida pela estrutura no sistema conflitual: condições de vida; ordenamento jurídicos; sistemas políticos e económicos.<br />O conjunto de valores, crenças, ideologias e ensino que promovem e justificam a violência estrutural direta: conteúdos xenófobos dos livros escolares; homofobia. <br />É impossível educar para a democracia sem educar em democracia e estruturas democráticas: a falta de funcionamento efetivo dos órgãos democráticos de gestão e administração das escolas. <br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  31. 31. O iceberg do conflito <br />Imagemexterior<br />Visível<br />invisível<br />Oportunidades<br />Clivagens<br />(Desmembramento ou eclosão de debilidades)<br />Debilidades<br />(institucionais)<br />Conflitos<br />Problemas<br />Pressões<br />Tensões<br />As instituições albergam dentro de si um sem numero de elementos que simplificando poderíamos classificar em valores e debilidade institucionais. Estes emergem como soluções ou processos integradores ou, ainda, como problemas a solucionar através das clivagens que designaremos como oportunidades. <br />Valores<br />(Fortaleza)<br />Acordos<br />Compromissos<br />Projeto Educativo<br />etc.<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  32. 32. O conflito na escola, na sala de aula e na sociedade<br />representações do conflito<br />Os comentadores / Opiniónmakers<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />
  33. 33. Centro de Formação de Escolas do Porto Ocidental<br />Obrigado !<br />Dinamizador: Professor Carlos Jorge<br />

×