Your SlideShare is downloading. ×
Remo patrocinio set 2011
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Remo patrocinio set 2011

596
views

Published on

Remo patrocinio set 2011

Remo patrocinio set 2011

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
596
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
27
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. AGROMETEOROLOGIA E O CAFEEIRO Rogério Remo Alfonsi Pesquisador - IAC
  • 2.
    • INTRODUÇÃO
    • O cafeeiro continua sendo um dos esteios do agronegócio brasileiro.
    • O Brasil, além de grande produtor e exportador é também grande consumidor.
    • A expansão dos pontos de comercialização e de consumo da bebida em centros comerciais pelo mundo a fora aumentou a procura por cafés com qualidade de bebida superior.
    • O mercado mundial consumidor de produtos agrícolas está cada vez mais exigente, e as demandas atuais são de várias naturezas.
    • A agrometeorologia como ciência agrega todos os fatores mencionados.
  • 3.
    • ASPECTOS CLIMÁTICOS
    • Macroclima = Escala regional,
    • Condicionado pelos fatores geográficos
    • Latitude, Altitude, Relevo
    • Topoclima = Escala Local
    • Condicionado pelo relevo
    • Exposição e Configuração
    • Microclima = Pequena escala
    • Condicionado pela cobertura do terreno, presença de aguadas, etc
  • 4. c) CORRENTES MARÍTIMAS Provocam alterações climáticas nas regiões oceânicas por onde passam Quentes Corrente do Golfo Corrente do Brasil Frias Corrente do Peru ( Humboldt) Corrente das Malvinas d) CONTINENTALIDADE - (Menor amplitude térmica) e) OROGRAFIA ( Relevo) - aumento das precipitações nas encostas de barlavento - sombra de chuva - Efeito de Fohen - Canalização de vento FATORES METEOROLÓGICOS
  • 5. f) MASSAS DE AR Circulação Geral - Frentes Frias Quentes Estacionárias Circulação local Brisas “Terra - Mar “ TOPOCLIMÁTICOS a) Exposição Cardinal ( Faces N,S,L,O) b) Configuração do Terreno Côncavo ( baixada) Convexo Inclinado ( meia encosta) MICROCLIMÁTICOS Cobertura do Terreno - Solo nú Cobertura morta ( mulch) Mata , Cerrado , aguadas , etc FATORES METEOROLÓGICOS
  • 6. RADIAÇÃO SOLAR : Direta - 24% Difusa - 23% Perdas pela Atmosfera - 53% absorção ( vapor d’água , ozônio e CO2 atm.) reflexão pelas nuvens espalhamento ( difração ) 45% da radiação solar incidente compreende os comprimentos de onda da faixa da luz visível , utilizada na fotossíntese. ELEMENTOS METEOROLÓGICOS
  • 7. FATORES METEOROLÓGICOS MACROCLIMÁTICOS a) LATITUDE Quantidade de energia solar incidente Comprimento do dia - FOTOPERÍODO b) ALTITUDE Temperatura do ar ( relação inversa) Quantidade de chuvas . > qto > alt. Pressão Atmosférica : < qto > alt. GRADIENTE DE RESFRIAMENTO NORMAL DA ATM . - 0,65 C / a cada 100 m de altitude . INVERSÃO TÉRMICA
  • 8. TEMPERATURA DO AR Parâmetro obtido em abrigo meteorológico Influência nos processos fisiológicos das planta Germinação, Florescimento Fotossíntese e Precipitação Produção e Matéria Seca
  • 9.
    • DORMÊNCIA E QUEBRA DE DORMÊNCIA
    • Indução de Florescimento
    • COLORAÇÃO DOS FRUTOS
    • ÉPOCA DE MATURAÇÃO
    • Colheita
    • TEMPERATURA – BASE
    • Elementos climático utilizado no zoneamentos de aptidões para culturas
    • PARÂMETROS TERMOMÉTRICOS
    • Temperatura Mínima temp. extremas
    • Temperatura Média min, max, dia, mês, ano
    • Temperatura Máxima temp. extremas
    • Amplitude Térmica diária, mensal, annual
  • 10.
    • PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA
    • Principal forma de fornecimento de água para as plantas e solo
    • A água é essencial às plantas na manutenção da turgescência e crescimento das células; transpiração, fotossíntese, etc.
    • Importante no potencial de produtividade agrícola
    • Formas de Precipitação
    • Chuva Gotas Líquidas
    • Neve Forma de Cristais
    • Granizo Blocos Congelados
  • 11.
    • ORIGENS DA CHUVA
    • Frontal
    • Frentes Frias
    • Frentes Quentes
    • Orográficas
    • Sombras de Chuvas
    • Altura Pluviométrica
        • h = V
        • S
    • Unidade de Medida mm pluviométrico
    • 1mm = 1 litro de água / m 2 de solo
    • ORIGENS DA CHUVA
    • Frontal
    • Frentes Frias
    • Frentes Quentes
    • Orográficas
    • Sombras de Chuvas
    • Altura Pluviométrica
        • h = V
        • S
    • Unidade de Medida mm pluviométrico
    • 1mm = 1 litro de água / m 2 de solo
  • 12. Componentes do balanço hídrico para condições naturais Considerando-se um volume controle de solo, o BH apresenta os seguintes componentes, descritos a seguir.  ARM P O Ri DLi Ro DLo AC DP ET
  • 13.  
  • 14. Alt: 850 m Lat: 20°25’S Ta :21,0 °C DH: 70 mm Alt: 1026 m Lat: 20°33’S Ta: 19,3 °C DH: 53 mm Alt:1200 m Lat:21°47’S Ta: 18,6 °C DH: 16 mm Alt: 652 m Lat: 22°13’S Ta: 22,1 °C DH: 51 mm Alt: 570 m Lat:23°23S Ta: 20,6 °C DH: 0 mm Alt: 820 m Lat: 18°38’S Ta: 22,0 °C DH: 153 mm Alt: 700 m Lat: 12°09’S Ta: 22,0 °C DH: 183 mm BH DE REGIÕES PRODUTORAS DE CAFÉ ARÁBICA DO BRASIL Alt: 970m Lat: 18°57’S Ta: 21,5 °C DH: 56 mm
  • 15.  
  • 16. Probabilidade de ocorrência de armazenamento de água no solo < 50 mm para uma retenção máxima de 75 mm para várias localidades do Estado de São Paulo.
  • 17.  
  • 18.
    • BALANÇO HÍDRICO SEQUENCIAL
    • APLICAÇÕES
    • Comportamento anual dos elementos do balanço
    • DEF, EXC, ARM
    • Em séries longas, possibilidade de aplicação de tratamento estatístico de distribuição de frequências e probabilidade de ocorrências desses elementos
    • Utilização dos elementos do BHS na disponibilidade de água no solo e acompanhamento de “quebras” na produção agrícola
  • 19.  
  • 20.  
  • 21.  
  • 22. SECAS (ano civil): - 1961, 1963 (severíssimas); - 1985, 1994, 2000, 2001, 2002, 2004, 2007 (severas). EXCESSO DE UMIDADE: - 1976, 1982, 1983, 1987, 2009. GEADAS: - 1902, 1918, 1942 (severíssimas); - 1975 (severíssima): 1,5 bilhão de cafeeiros danificados; - 1979, 1981, 1994, 2000 (severas). ALTAS TEMPERATURAS: - 1985 (out), 2000 (out), 2002 e 2007 (outono e primavera): qualidade. PRINCIPAIS ADVERSIDADES AGROMETEOROLÓGICAS
  • 23. PRINCIPAIS CAUSAS DE QUEBRA DE PRODUTIVIDADE NA CAFEICULTURA ADVERSIDADES METEOROLÓGICAS - Def. Hídrica: 56 % - Excesso Hídrico: 17 % - Temp. Adversas: 14 % - Granizo: 8 % - Vento: 3 % - Outros: 2 % (Schwanz, 1996) 73%
  • 24. PRINCIPAIS ESPÉCIES DE CAFÉ CULTIVADAS NO BRASIL
    • CAFÉ ARÁBICA: ( Coffea arabica L.)
    • Planta tropical de altitude, de meia sombra.
    • Origem: altiplanos da Etiópia e Sudão: alt. 1.600 - 2.000m
    • Temperatura média anual: 18 - 23 °C
    • CAFÉ ROBUSTA: ( Coffea canephora Pierre ex Froehner)
    • Planta equatorial de baixa altitude, de meia sombra.
    • Origem: África central, regiões quentes e úmidas da bacia do Congo ( Congolês ); e quentes e sub-úmidas da região oeste da África: Guiné-Bissau, Costa do Marfim ( Guineano ).
    • Temperatura média anual: 22 - 26 °C
  • 25. ESQUEMA DA FENOLOGIA DO CAFEEIRO ARÁBICA Camargo, A. P. & Camargo, M.B.P. (2001)
      • 1. SET- MAR: Vegetação e formação das gemas vegetativas
      • 2. ABR-AGO: Indução, crescimento e dormência das gemas florais
      • 3. SET-DEZ: Florada, chumbinho e expansão dos frutos
      • 4. JAN-MAR: Granação dos frutos
      • 5. ABR-JUN: Maturação dos frutos
      • 6. JUL-AGO: Repouso
    DOS SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO GEMAS FLORAIS DOS FRUTOS CHUMBINHO CRESCIMENTO E FRUTOS FRUTOS MATURAÇÃO RAMOS DOS DOS GEMAS VEGETATIVAS DORMÊNCIA DAS E EXPANSÃO FLORADA, FORMAÇÃO DAS 1º ANO Fenológico 2º ANO Fenológico 1ª FASE 2ª FASE 3ª FASE 4ª FASE 5ª FASE 6ª FASE VEGETAÇÃO E INDUÇÃO, GRANAÇÃO PENEIRA BAIXA REPOUSO E SENESC. ETp = 700 mm DIAS LONGOS 7 MESES DIAS CURTOS ETp = 350 mm PEQUENAS PERÍODO VEGETATIVO REPOUSO PERÍODO REPRODUTIVO AUTO-PODA NOVO PERÍODO VEGETATIVO FOLHAS SECA: AFETA GEMAS E PRODUÇÃO DO ANO SEGUINTE SECA: SECA: CHOCHAMENTO SECA: BOA BEBIDA
  • 26. FATORES CLIMÁTICOS E QUALIDADE NATURAL DA BEBIDA DO CAFÉ Térmico: interfere na duração do ciclo produtivo e época de maturação.
        • Período “maturação-colheita” em função do acúmulo de GD
    Clima quente: ciclo curto Clima frio: ciclo longo Hídrico: clima úmido no período “maturação-colheita”. Favorece a fermentação da polpa do café cereja.
        • Ortolani, et al., 2001
  • 27. Angelo Paes de Camargo CONDIÇÕES CLIMÁTICAS IDEAIS PARA OBTENÇÃO DE BEBIDA FINA NO BRASIL TM (°C) DH (mm) Alt. (m) Local 18 - 19 > 20 1.150 Poços de Caldas - MG 19 – 20 > 50 980 Franca - SP 20 – 21 > 100 1.070 Carmo do Paranaíba – MG 21 – 22 > 100 900 Cerrado Mineiro – MG 21 – 22 > 150 820 Araguari-MG, Barreiras-BA < Ta: + lenta a fermentação < Umidade: + rápido a polpa se desidrata Não atingem as fases fermentativas prejudiciais
  • 28.
    • Monitoramento das condições climáticas e da água no solo ;
    • Estimativa da fenologia , fitossandidade, produtividade e qualidade .
    Balanços Hídricos Sequenciais Modelos Agrometeorológicos Monitoramento Agrometeorológico, Fenológico e Fitossanitário da Cafeicultura Brasileira Sistema Integrado de Monitoramento Agrometeorológico, Fenológico e Fitossanitário do Café no Brasil
  • 29. DADOS TERMOPLUVIOMÉTRICOS DECENDIAIS (Patrocinio-MG) 2009
  • 30. DADOS TERMOPLUVIOMÉTRICOS DECENDIAIS (Patrocinio-MG) 2010
  • 31. DADOS TERMOPLUVIOMÉTRICOS DECENDIAIS (Patrocinio-MG) 2011
  • 32. MONITORAMENTO AGROMETEOROLÓGICO: BH DECENDIAIS (Patrocinio-MG) 2002 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Período indutivo e gemas dormentes Gema entumecida Abotoado Florada Chumbinho Expansão dos frutos
  • 33. MONITORAMENTO AGROMETEOROLÓGICO: BH DECENDIAIS (Patrocinio-MG) 2007 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Período indutivo e gemas dormentes Gema entumecida Abotoado Florada Chumbinho Expansão dos frutos
  • 34. MONITORAMENTO AGROMETEOROLÓGICO: BH DECENDIAIS (Patrocinio-MG) 2008 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Período indutivo e gemas dormentes Gema entumecida Abotoado Florada Chumbinho Expansão dos frutos
  • 35. MONITORAMENTO AGROMETEOROLÓGICO: BH DECENDIAIS (Patrocinio-MG) 2009 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Período indutivo e gemas dormentes Gema entumecida Abotoado Florada Chumbinho Expansão dos frutos
  • 36. MONITORAMENTO AGROMETEOROLÓGICO: BH DECENDIAIS (Patrocinio-MG) 2010 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Período indutivo e gemas dormentes Gema entumecida Abotoado Florada Chumbinho Expansão dos frutos
  • 37. MONITORAMENTO AGROMETEOROLÓGICO: BH DECENDIAIS (Patrocinio-MG) 2011 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Período indutivo e gemas dormentes Gema entumecida Abotoado Florada Chumbinho Expansão dos frutos
  • 38. RISCO DE OCORRÊNCIA DE GEADAS Risco de ocorrência de geadas Dia 14/07/2010
  • 39. PRECIPITAÇÃO PLUVIAL: TOTAL ANUAL Campinas – SP: 1890 / 2010 (121 anos) Média = 1394 mm
  • 40. > 1.3 °C > 2.6 °C T Max > 2,0 °C Ta = 21.3°C T Média T Min TEMPERATURAS MÉDIAS ANUAIS Campinas - SP: 1890 / 2010 (121 anos)
  • 41. Alteração Planejada do Microclima ARBORIZAÇÃO IRRIGAÇÃO ADENSAMENTO MANEJO DO MATO Fazuoli, Thomaziello, Camargo (2007) AQUECIMENTO GLOBAL MITIGAÇÕES AGRONÔMICAS Mesmo Macroclima ... ... Mesmo Microclima
  • 42. Camargo, et al., 2008; Pezzopane et al., 2008 Coqueiro Anão: Reducão de até 2 °C Menores amplitudes Seringueira: Redução de até 3 °C Menores amplitudes Coqueiro Anão Cocos nucifera L. Seringueira Hevea brasiliensis espaçamento 16 x16 m espaçamento 8 x 8 m Banana Prata Musa spp Grevilea Grevilea robusta AQUECIMENTO GLOBAL Mitigações Agronômicas: Arborização
  • 43. Franca-SP (950 m ) Faz. São João Ambiente : < T°C ar, sensação de conforto; < danos por geadas, < RS, < Vento. Fitossanitário : < doenças (Cercospora, Phoma e Ascochyta). Maturação : Período + prolongado. Produtividade : 30 sc/ha; < bienalidade. IAC-Catuaí - 4,0 x 0,7m Área arborizada: 190 ha Cedrinho ( Cupressus luzitanica ) Idade: 13 anos Espaçamento: 8 x 16 m Densidade: 78 árvores / ha - (20 % de cobertura) AQUECIMENTO GLOBAL Mitigações Agronômicas: Arborização
  • 44. Fazuoli, L.C., Thomaziello, R.A., Camargo, M.B.P - 2007 AQUECIMENTO GLOBAL Mitigações Agronômicas: Adensamento, Manejo e Irrigação
      • Reduz erosão e amplitude térmica do ar e solo;
      • Aumenta capacidade de retenção de água no solo;
      • Irrigação :viabiliza cultivo em regiões Ta >23ºC
    GOTEJO
  • 45. Cambuhy Agrícola: Matão-SP Altitude: 540m; Ta°C = 24°C 1. Lavoura antiga (sem manejo de irrigação) cv: Mundo Novo: 4,0 x 1,5m (1.666 pés/ha); área 850 ha; Produtividade Média: 16 sc / ha 2. Lavoura atual (irrigado/gotejamento), manejo mato; cv: Catuaí: 3,5 x 0,5m (5.700 pés/ha); área 300 ha; Produtividade Média: 48 sc / ha Thomaziello, R.A. (2010) Cultivar Irrigação Arborização Adensamento Manejo do mato Podas AQUECIMENTO GLOBAL Mitigações Agronômicas: Associação de Tecnologias
  • 46. GEADA: 04-05 DE AGOSTO DE 2011
  • 47. GEADA: 04-05 DE AGOSTO DE 2011 Temperaturas mínimas absolutas observadas 04 / AGO / 2011 05 / AGO / 2011
  • 48.