José Mário Avaliação da sustentabilidade na propriedade rural

912 views
713 views

Published on

Apresentando no VIII Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil 25 – 28 de Novembro, 2013, Salvador-BA

Avaliação da sustentabilidade na propriedade rural

José Mário

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
912
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
19
Actions
Shares
0
Downloads
45
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

José Mário Avaliação da sustentabilidade na propriedade rural

  1. 1. Avaliação da sustentabilidade na propriedade rural
  2. 2. Indicadores de Sustentabilidade Agroecossistemas - ISA em 1 Concepção, estrutura e sua aplicação no campo; 2 Resultados e considerações finais.
  3. 3. PROJETO ESTRATÉGICO - ADEQUAÇÃO SOCIOECONÔMICA E AMBIENTAL DAS PROPRIEDADES RURAIS DE MINAS GERAIS Reduzir o grau de Criar incentivos incerteza sobre as para responder, conseqüências das juntamente com os atividades produtores, agrossilvipastoris no meio ao desafio da ambiente. produção com vistas à sustentabilidade.
  4. 4. ISA - Objetivos: Proporcionar uma visão integrada de um estabelecimento rural
  5. 5. ISA - Objetivos: Produtor assumir o papel de protagonista na gestão dos recursos naturais e do espaço rural: Ferramenta para o planejamento estratégico empreendimento rural (cada vez mais complexo); do Prover o produtor com instrumentos de suporte às tomadas de decisão no processo de gestão do espaço rural (metas).
  6. 6. ISA - Objetivos: Elaboração de planos de adequação socioeconômica e ambiental
  7. 7. ISA - Objetivos: Buscar o reconhecimento por parte do mercado (certificação), governo e sociedade • Sistemas com bom Subíndices de sustentabilidade desempenho ambiental, social e econômico e dos serviços Balanço econômico 1.0 Ecologia da paisagem agrícola Balanço social 0.0 ambientais gerados nos agroecossistemas; • Balanço das consequências das atividades relacionadas à agropecuária sobre o meio ambiente. Manejo dos sistemas de produção Gestão do estabelecimento Capacidade produtiva do solo Qualidade da água Atual Limiar de sustentabilidade
  8. 8. ISA - Premissas: Interpretação da paisagem e dos dados socioeconômicos regionais (contextualização dos dados, e estabelecimento de níveis de referência local e regional).
  9. 9. ISA - Premissas: Processo dialógico (técnico atua como facilitador na identificação de riscos, soluções e oportunidades).
  10. 10. ISA - Premissas: Avaliação de princípios e critérios que norteam a transição de agroecossistemas para um padrão que apresente maior resiliência, diversidade e adaptabilidade.
  11. 11. ISA e o Projeto de Adequação Projeto de pesquisa - Fapemig (2008) Workshop sobre Indicadores de sustentabilidade/IA (2009) Desenvolvimento do ISA – aplicação em 3 regiões Oficinas de avaliação Programa estruturador - sustentabilidade e infraestrutura no campo (projeto estratégico - adequação). Decreto 46 113 (2012) Ampliação do trabalho de campo IA / manuais Processo de incorporação do ISA no trabalho de ATER
  12. 12. Aplicação do ISA Base de dados IBGE; ZEE; ZAP; Mapas; diagnósticos Imagens de satélite Questionário Indicadores Relatórios Coleta de dados no campo Relatório Produtor Relatório Técnico Síntese de dados de uma microbacia hidrográfica
  13. 13. INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSSISTEMAS - ISA Balanço econômico Produtividade/preço de venda Perfil e diversidade de renda Evolução patrimonial Grau de endividamento Solo Fertilidade do solo Balanço social Serviços básicos disponíveis Segurança alimentar Escolaridade / capacitação Qualidade e ocupação Água Qualidade da água superficial Qualidade da água subterrânea Risco de contaminação Ecologia da paisagem Fisionomia e estado de conservação da vegetação nativa Áreas de Preservação Permanente - APPs Reserva Legal Diversificação da paisagem agrícola Gestão Gestão do empreendimento Gestão da informação Gerenciamento de resíduos Segurança do trabalho Manejo Avaliação solos degradados Práticas de conservação Estradas
  14. 14. ATRIBUIÇÃO DE VALORES - 0 A 1 0,70 – LINHA DE BASE – BOM DESEMPENHO AMBIENTAL E SOCIOECONÔMICO FUNÇÕES: COMPARAR O VALOR AFERIDO NO ESTABELECIMENTO COM O VALOR DE REFERÊNCIA
  15. 15. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Aspectos socioeconômicos 0.69 Índice de Sustentabilidade 0.61 1 - Produtividade e preço de venda 12 - Segurança do trabalho 1.0 11 - Gerenciamento de resíduos 10 - Gestão da informação 2 - Perfil e diversificação da renda 3 - Evolução patrimonial 4 - Grau de endividamento 0.0 9 - Gestão da produção 8 - Qualidade e ocupação do emprego gerado 5 - Serviços básicos 6 - Segurança alimentar 7Escolaridade, capac itação Atual Limiar Sust. Aspectos ambientais 0.51 13 - Fertilidade do solo 23 - Diversificação da paisagem 1.0 15 - Qualidade da água subterrânea 22 - Reserva Legal 0.0 21 - APP 20 - Habitats naturais 19 - Estradas 14 - Qualidade da água superficial 16 - Risco de contaminação 17 - Avaliação solos degradados 18 - Práticas de conservação Atual Limiar Sust.
  16. 16. MAPA COM O USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - APP
  17. 17. Produtividade e preço de venda apurados Principais atividades do estabelecimento Fator de ponderação (para produtividade e preço de venda) 1 2 3 café milho milho irrigado sc/ha sc/ha sc/ha > 20% 0,9 50,0 420,00 170,0 27,00 190,0 27,00 produção ou preço de venda = ao regional 0,7 50,0 130,0 180,0 < 20% 0,5 350,00 25,00 25,00 < 40% 0,3 Variação do item 1.3 em relação ao item 1.5 0% 31% 6% 1,0 Variação do item 1.4 em relação ao item 1.6 20% 8% 8% 1,0 1,0 1,0 1,0 0,70 0,90 1,00 0,78 0,76 0,78 Matriz de ponderação 1.1 - Descrição 1.2 - Unidade das atividades de medida 1.3 - Produtividade 1.4 - Preço médio de venda (R$/un.) 1.5 - Produtividade 1.6 - Média média atual (un./ha) média na região (un./ha)* de preço da região (R$/un.)* * Base de dados - Cooperativa no município, Emater, IBGE, etc. Resultado parcial Produtividade Preço de venda Resultado 0,82 Referência - Depo ntti (2001 Co rrea (2007); M atto s Filho (2004); Lo pez e Ridaura (2001 ); ).
  18. 18. Evolução patrimonial Distribuição (%) 0,6 -6,3% 1,0 3.3 - Equipamentos 38,0% 1,0 3.4 - Semoventes 1,0% 1,0 3.5 - Ampliação da área de lavoura e/ou agricultura irrigada Fatores internos (propriedade) 67,3% 3.2 - Benfeitorias Fator externo Fator de ponderação 0,0% 1,0 3.1 - Valor da terra na região 3.6 - Balanço patrimonial 21,3% 3.7 - Balanço patrimonial sem contar com a valorização da terra 6,1% Verificação Resultado 0,73 100,0% A daptação A P OIA -No vo Rural (Ro drigues et al, 2003); Gitman (1 987). Grau de endividamento Total das dívidas de custeio e investimentos em Marque a opção relação ao valor patrimonial (%) com x 4.1 - Valor da dívida em relação ao patrimônio (%) Resultado 0 - 5% 5 - 10% 10 - 15% 15 - 20% 20 - 25% >25% 0,70 Fator de ponderação 0,7 1,0 x 0,7 0,6 0,4 0,1 A daptação A P OIA -No vo Rural (Ro drigues et al, 2003), também sugerido po r Depo ntti (2001 ).
  19. 19. Gestão do empreendimento Dados: 1 (suficiente); 0,5 (parcial) Contabilidade das atividades 9.3 - Acesso 9.1 - Fluxo 9.2 - Custo Fator de ponderação de caixa (receita/despesa) 0,5 0,5 de produção das atividades 0,5 0,5 0,5 1,0 1 1,0 à assistência técnica (particular ou pública)* 9.4 - Participação - formas associativas - ativa (1) ou passiva (0,5) 9.5 - Regularização ambiental (uso da água, RL e licenciamento)** 9.6 - Utiliza crédito para investimento Utilização de crédito 9.7 - Utiliza crédito para custeio formal 9.8 - Utiliza crédito para comercialização * Não considerar assistência técnica de revendas de insumos. Resultado 0,56 1,0 1 0,4 1 0,4 0,2 ** Verificar Cadastramento Ambiental Rural - CAR e Plano de Regularização Ambiental - PRA. Referência: Co rrea (2007).
  20. 20. Gestão da informação Dados: 1 (suficiente); 0,5 (parcial) 10.1 - Busca informação para comercialização (consultoria; revistas especializadas; sites) da produção produtos com mercado diferenciado/institucional 10.3 - Adoção de técnicas inovadoras* Fator de ponderação 1 0,4 10.2 - Gera Descrição 10.4 - Capacidade 0,4 1 0,3 Sistema de antena RTK (maior margem de precisão), sistema irriga UFSM, aferição dos pivôs (válvulas, etc.) de inovação ou liderança na comunidade 0,4 Descrição Resultado 0,70 * MIP, equipamentos, tecnologias específicas, manejo diferenciado do solo ou da irrigação, etc.
  21. 21. Gerenciamento de resíduos e efluentes 11.1 - Coleta e destinação adequada dos resíduos gerados no estabelecimento (lixo reciclável e não reciclável) 11.2 - Destinação adequada do esgoto doméstico 11.3 - Compostagem e/ou reaproveitamento 11.4 - Destinação de resíduos sólidos orgânicos adequada e tratamento de efluentes líquidos Dados: (%) Fator de ponderação 0% 1,0 0% Deixar o campo em branco quando não houver geração de efluentes líquidos e/ou gasosos 1,0 100% 1,0 (gerados por Não se aplica 11.5 - Tratamento de efluentes gasosos (gerados em caldeiras, biodigestores, carvoaria). 0,33 1,0 Não se aplica * estação de tratamento; biodigestor; compostagem; etc. Resultado 1,0 Não se aplica criações ou unidades de beneficiamento)*. A daptação A P OIA -No vo Rural (Ro drigues et al, 2003). Segurança do trabalho e gestão do uso de agrotóxicos e produtos vet. Dados: nº de pessoas ã 12.1 - N° de pessoas que faz o manuseio de agrotóxicos e/ou 7 produtos veterinários* 12.2 - Nº de pessoas que utiliza EPI 7 12.3 - Armazenamento adequado das embalagens 12.4 - Devolução das embalagens de agrotóxico e destinação correta das embalagens de produtos veterinários *Controle de ectoparasitas (principalmente pulverização). Resultado 0,70 A daptação A P OIA -No vo Rural (Ro drigues et al, 2003). Fator de ponderação Marque as opções com x 1,0 1,0 x 1,0 x 1,0
  22. 22. Qualidade da água superficial pH da água 1.0 0.0 Nitrato total Fosfato total Coliformes Termotolerantes Montante Jusante Ideal Indicadores de fertilidade do solo Matéria orgânica do solo 1.0 Saturação por bases Fósforo disponível CTC pH 7 Cálcio trocável 0.0 Alumínio trocável Magnésio trocável Acidez ativa (pH) Atual Potássio trocável Limiar de sustentabilidade
  23. 23. Risco de contaminação da água por agrotóxicos Araponga Para incluir mais produtos clique aqui comercial do produto 16.2 - Descrição da cultura e do talhão 16.3 - Área aplicada (ha) 16.4 - Volume aplicado L/ha ou kg/ha Volume total aplicado por produto round up Atrasina cana / café milho 17,0 2,00 2,5 2,50 34,0 6,3 0,0 0,0 Produtos Utilizados (%) 16.1 - Nome 0,0 Marque a opção com o valor (1, 2 ou 3) 16.5 - Conteúdo de argila no solo (no talhão) > 60% (1); 30% - 60% (2); <30% (3) 16.6 - Distância do curso d' água (borda do talhão) >1.000m (1); 300 - 1.000m (2); <300m (3) 16.7 - Tipo de manejo do solo (no talhão) Solo protegido (1); Solo sem revolvimento protegido parcialmente (2); solo com revolvimento (3) Vulnerabilidade do talhão: itens 16.5 x 16.6 x 16.7 = 1 a 3 (1); 4 a 9 (2); 12 a 27 (3) 2 2 3 3 3 3 3 40.00 Ativo 3 glifosato para peixes - 96h LC50 (mg l-1) -1 -1 16.10 - Toxicidade - DAH (mg kg dia ) Toxicidade 16.11 - Koc 16.12 - t1/2 (DT50) 20.00 10.00 0.00 1 0,00 3,75 Potencial de contaminação (1, 2 ou 3) 1 3 16.13 - Risco 2 3 4,5 0,02 2,5 100,0 75,0 3 16.9 - Toxicidade Índice de vulnerabilidade de águas subterrâneas Groundwater Ubiquity Score (GUS) de contaminação (1, 2 ou 3) 16.14 - Identificação do talhão (ha) 16.16 - Risco Máximo (1), (2) ou (3) 16.17 - Média do risco de contaminação 16.15 - Área Volume total de agrotóxicos utilizados em 1 ano Área total de lavoura (incluindo rotações) Volume total / área identificada nos talhões Volume total / área com uso agropecuário Resultado 0,27 cana café 17,0 2,00 0,27 40,25 19,50 2,06 0,75 Referência: Chaves (201 0). Iraí de Minas milho 2,5 3,00 0,3 0,3 0,1 0,1 0 0 0 Produtos Utilizados (%) 38 2 Pontencial de Contaminação atrasina 0,3 1,5 21.699 12,0 28,57 % 28,57 % 30.00 Dados obtidos no site da IUPAC 16.8 - Princípio 42,86 % 50.00 42,86 % 50.00 34,69 % 40.00 30.00 22,45 % 20.00 10.00 0.00 1 2 3 Potencial de Contaminação
  24. 24. Avaliação de áreas com solo em estádio de degradação Estimativa da área (ha) com o estádio mais avançado de degradação dos solos Área (ha) 17.1 - Intensidade estádio de degradação* do Inicial Intermediário Avançado Proporção (%) área total Fator de ponderação 1,0 3,16 3,8% 0,8 0,5 Marque as opções com x erosão hídrica Má cobertura do solo Água - estabelecimentos vizinhos da Água de carreadores e estradas Rompimento terraços Marque a opção com x 17.3 - Tendência comportamento de Redução** Inalterado Intensificação Fator de ponderação 1,2 x 1,0 0,8 ** Adoção de medidas de recuperação ou mitigação como terraceamentos, barreiras físicas, barramentos, revegetação, etc. Resultado x Trilhas de gado Ausência de conservação do solo 17.2 - Causas 0,52 A daptação A P OIA -No vo Rural (Ro drigues et al, 2003); Fidalski (1 997). * Evidências de erosão (ordem crescente): Inicial: redução de infiltração de água, raízes expostas; Intermediário: remoção do horizonte superficial, presença de sulcos rasos localizados; Avançado: sulcos profundos e disseminados na área, voçorocas, movimento de massa (deslocamento de um volume de solo).
  25. 25. Estado de conservação das estradas internas e externas Dados: porcentual das estradas (% ) Presença de sistema de conservação e drenagem nas estradas 19.1 - Declividade 19.4 - Presença Conservação das estradas transversal da estrada 19.2 - Presença de lombadas/sulcos para desvio de enxurrada 19.3 - Descontinuidade dos carreadores Estradas externas Fator de ponderação 40% 0% 1,0 0% 0% 2,0 de caixas de infiltração 100% 0% 0% 3,0 19.5 - Ausência de buracos na estrada 60% 80% 1,0 19.6 - Ausência de valas na estrada 90% 80% 1,0 50% 40% 1,0 2,0 1,0 Bordas das estradas 19.7 - Bordas de aterros revegetadas Fator de ponderação Resultado Estradas internas 0,43 1,0 Não se aplica
  26. 26. Diversificação da paisagem agrossilvipastoril Unidade - Área (ha) 23.1 - Grau de Lavoura permanente Suficiente adoção de práticas Insuficiente que auxiliam na agrobiodiversidade* Situação inadequada** 11,94 Suficiente Insuficiente Situação inadequada** Pastagem Fator de ponderação 2,05 0,9 100,0% Área avaliada/área total 0,64 7,22 Área avaliada (ha) 23.2 - Índice 0,86 * Culturas intercalares, consórcio, integração LP ou LPF, adubação verde; roçadas em faixas alternadas; barreiras vegetais; arborização; rotação de culturas A daptação A P OIA -No vo Rural (Ro drigues et al, 2003). 0,75 A daptação A P OIA -No vo Rural (Ro drigues et al, 2003). (% ) do perímetro do estabelecimento Vegetação nativa 5% 23.3 - Descrição das Outro tipo de uso e ocupação do solo 35% áreas no entorno do Mesmo tipo de uso e ocupação do solo 60% estabelecimento Áreas degradadas Averiguação => Resultado parcial 0,67 Resultado 0,71 0,5 ** Sucessão com a mesma cultura; uso de fogo em pastagens ou nas palhadas, áreas sem nenhuma cobertura vegetal Shanon (áreas produtivas e vegetação nativa) Resultado parcial 16,50 0,1 54,0 64,4% Resultado parcial 1,25 Silvicultura 15,00 33,9% 66,1% 0,0% Averiguação (Questionário) => Lavoura temporária 100,0% Fator de ponderação 1,0 0,9 0,5 0,1
  27. 27. REALIZAÇÕES DO PROGRAMA ADEQUAÇÃO AMBIENTAL E SOCIOECONÔMICA 28 ENCONTROS TÉCNICOS CAPACITAÇÃO DE 316 TÉCNICOS DA EMATER-MG TREINAMENTO DE 21 MULTIPLICADORES APLICAÇÃO EM 1.000 ESTABELECIMENTOS RURAIS CERTIFICAMINAS CAFÉ REASSENTAMENTO – IRAPÉ/CEMIG MINAS LEITE VERDEMINAS
  28. 28. Resultados da aplicação do ISA e elaboração dos Planos de Adequação – Boa Esperança.
  29. 29. Boa Esperança – Sul de Minas Índice de Sustentabilidade 2011 - 0.65 Subíndices de sustentabilidade Balanço econômico 1.0 Ecologia da paisagem agrícola Balanço social 0.0 Manejo dos sistemas de produção Gestão do estabelecimento Capacidade produtiva do solo Qualidade da água Atual Limiar de sustentabilidade Subíndices de sustentabilidade Balanço econômico 1.0 Ecologia da paisagem agrícola Balanço social 0.0 Manejo dos sistemas de produção Gestão do estabelecimento Capacidade produtiva do solo Qualidade da água Índice de Sustentabilidade 2013 - 0.73 Atual Limiar de sustentabilidade Resultados da aplicação do ISA elaboração 3 – Resultados do projeto deeAdequaçãodos Planos de Adequação – Boa Esperança.
  30. 30. Aspectos ambientais 2011 Aspectos ambientais 13 - Fertilidade do solo 13 - Fertilidade do solo 23 - Diversificação da paisagem 1.0 1.0 23 - Diversificação da paisagem 14 - Qualidade da água superficial 16 - Risco de contaminação 22 - Reserva Legal 16 - Risco de contaminação 0.0 17 - Avaliação solos degradados 21 - APPs 20 - Vegetação nativa 20 - Vegetação nativa 18 - Práticas de conservação Aspectos socioeconômicos 2011 01 - Produtividade e preço de venda 12 - Segurança do 1.0 02 - Perfil e trabalho diversificação da renda 11 - Gerenciamento de 03 - Evolução resíduos patrimonial 09 - Gestão do empreendimento 07 Escolaridade, capacitaç ão Atual 18 - Práticas de conservação 19 - Estradas Atual Limiar de sustentabilidade 0.0 17 - Avaliação solos degradados 21 - APPs 19 - Estradas 10 - Gestão da informação 14 - Qualidade da água superficial 22 - Reserva Legal 0.0 Atual 2013 04 - Grau de endividamento 05 - Serviços básicos 06 - Segurança alimentar Limiar de sustentabilidade Limiar de sustentabilidade Aspectos socioeconômicos 2013 01 - Produtividade e preço de venda 12 - Segurança do 1.0 02 - Perfil e trabalho diversificação da renda 11 - Gerenciamento de 03 - Evolução resíduos patrimonial 10 - Gestão da informação 04 - Grau de endividamento 0.0 09 - Gestão do empreendimento 08 - Qualidade do emprego gerado 05 - Serviços básicos 06 - Segurança alimentar 07 Escolaridade, capacitaç ão Atual Limiar de sustentabilidade Resultados da aplicação do ISA e elaboração dos Planos de Adequação – Boa Esperança.
  31. 31. Caiana – Zona da Mata Índice de Sustentabilidade 2011 - 0.65 Subíndices de sustentabilidade Balanço econômico 1.0 Ecologia da paisagem agrícola Balanço social 0.0 Manejo dos sistemas de produção Gestão do estabelecimento Capacidade produtiva do solo Qualidade da água Atual Limiar de sustentabilidade Subíndices de sustentabilidade Balanço econômico 1.0 Ecologia da paisagem agrícola Balanço social 0.0 Manejo dos sistemas de produção Gestão do estabelecimento Capacidade produtiva do solo Qualidade da água Índice de Sustentabilidade 2013 - 0.78 Atual Limiar de sustentabilidade Resultados da aplicação do ISA eAdequaçãodos Planos de Adequação – Caiana. 3 – Resultados do projeto de elaboração
  32. 32. Aspectos socioeconômicos 2011 01 - Produtividade e preço de venda 12 - Segurança do 1.0 02 - Perfil e trabalho diversificação da renda 11 - Gerenciamento de 03 - Evolução resíduos patrimonial 0.0 10 - Gestão da informação 09 - Gestão do empreendimento 07 Escolaridade, capacitaç ão Atual 04 - Grau de endividamento 05 - Serviços básicos 06 - Segurança alimentar Aspectos socioeconômicos 01 - Produtividade e preço de venda 12 - Segurança do 1.0 02 - Perfil e trabalho diversificação da renda 11 - Gerenciamento de 03 - Evolução resíduos patrimonial 0.0 10 - Gestão da informação 09 - Gestão do empreendimento 07 Escolaridade, capacitaç ão Limiar de sustentabilidade Aspectos ambientais Atual 2011 1.0 0.0 21 - APPs 20 - Vegetação nativa 19 - Estradas 05 - Serviços básicos 06 - Segurança alimentar Limiar de sustentabilidade 13 - Fertilidade do solo 14 - Qualidade da água superficial 15 - Qualidade da água subterrânea 22 - Reserva Legal 04 - Grau de endividamento Aspectos ambientais 2013 13 - Fertilidade do solo 23 - Diversificação da paisagem 2013 16 - Risco de contaminação 17 - Avaliação solos degradados 18 - Práticas de conservação 23 - Diversificação da paisagem 1.0 15 - Qualidade da água subterrânea 22 - Reserva Legal 0.0 21 - APPs 20 - Vegetação nativa 19 - Estradas 14 - Qualidade da água superficial 16 - Risco de contaminação 17 - Avaliação solos degradados 18 - Práticas de conservação Resultados da aplicaçãoLimiarISA e elaboração dos Planos de Adequação – Caiana. do de sustentabilidade Atual Atual Limiar de sustentabilidade
  33. 33. Área média – Distância da sede do município – Idade do proprietário – Integrantes com algum vínculo – Principal atividade na renda bruta – Valor de referência da terra – Índice de sustentabilidade – Aspectos socioeconômicos 37,07 (1,46 MF) 15,2 Km 52 anos 3 78% R$ 22.800,00 0,69 Aspectos ambientais 13 - Fertilidade do solo 01 - Produtividade e preço de venda 12 - Segurança do 1.0 02 - Perfil e trabalho diversificação da renda 11 - Gerenciamento de 03 - Evolução resíduos patrimonial 10 - Gestão da informação 22 - Reserva Legal 0.0 05 - Serviços básicos 06 - Segurança alimentar 16 - Risco de contaminação 17 - Avaliação solos degradados 18 - Práticas de conservação 21 - APPs 07 Escolaridade, capacitaç ão Atual 1.0 04 - Grau de endividamento 0.0 09 - Gestão do empreendimento 08 - Qualidade do emprego gerado 23 - Diversificação da paisagem 20 - Vegetação nativa Atual 19 - Estradas Limiar de sustentabilidade Limiar de sustentabilidade Resultados da aplicação do ISA – Programa Certifica Minas Café (151 propriedades rurais)
  34. 34. Considerações Finais: Processo de aprimoramento contínuo ferramenta e ampliação de parcerias; da Comunicação entre as diversas bases de dados no governo, entre instituições e dentro das instituições (protocolos);
  35. 35. Apoio: SECTES / SEAPA / SEMAD Agentes locais, produtores rurais e Instituições parceiras José Mário Lobo Ferreira – jmlobo@inet.com.br - EPAMIG Coordenador do Projeto de pesquisa Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas

×