José Antonio Gonçalves dos Santos
Valdemiro Conceição Júnior
Sandra Elizabeth de Souza

30/11/13

Coordenação e Governança...
1. significativa relevância socioeconômica para
o Estado,
• por se constituir em importante opção
agrícola
para
pequenos
p...
• O cooperativismo impulsiona mudanças
sociais e econômicas expressivas. Relações
cooperativas, bem utilizadas constituem
...
Os mecanismos de comercialização de café
que são adotados pela Cooperativa Mista de
Pequenos Agricultores de Barra do Choç...
Analisar o papel da COOPERBAC na
coordenação da cadeia produtiva do café do
município de Barra do Choça, estado da Bahia.
...
Os mecanismos de comercialização
adotados pela COOPERBAC não favorece
a sua integração aos diversos segmentos
da cadeia pr...
• Nova Economia Institucional:
Pressupostos: racionalidade limitada e oportunismo
• Custos de transação

• Conceito de coo...
Estudo de Caso
• Método de abordagem: hipotético-dedutivo
• Métodos de procedimento
 Pesquisa exploratória, descritiva
 ...
• Instrumento de Coleta dos Dados
 Entrevista semiestruturada e focalizada
 Questionário estruturado
• Amostra
 Populaç...
• Cooperativa
Mista
dos
Pequenos
Agricultores de Barra do Choça e Região
LTDA. - criada em 20/12/ 2007;
• Possui no seu qu...
Mercado Spot
Características:
a)as transações são realizadas em um único instante do
tempo, diretamente ao consumidor fina...
Mercado Spot
•as transações com a COOPERBAC são
restritas a poucos produtores.
•a cooperativa terceiriza, (contrato inform...
Características das Transações
•Elevada especificidade dos ativos, caracterizada pela marca
COOPERBAC e pelo selo de inspe...
Mecanismo de comercialização via
Mercado a Termo
Características:
a)somente a COOPERBAC o utiliza, comercializando, a
atac...
Mecanismo de comercialização via Mercado a
Termo
•Elevada especificidade dos ativos, pode ser considerada elevada
em virtu...
Mercado Spot

Mercado a Termo

(Produtores individuais)

(COOPERBAC)

Preço

flexível

fré-fixado

Prazo

curto e longo pr...
Papel da COOPERBAC na governança
• A Bahia é o quarto maior produtor de café, após Minas Gerais, Espírito
Santo e São Paul...
a) Os custos de transação para os produtores não são
minimizados, pois os mecanismos de comercialização não
são aprimorado...
• A COOPERBAC exerce influências importantes na
cadeia produtiva, mas a coordenação central desta
entre seus segmentos pro...
• A maioria das transações é realizada pela confiança,
sendo que o preço dado pelo comprador é aceito
pelos produtores
• a...
• BARROS, Geraldo Sant’Ana. Comercialização agrícola.
Piracicaba: CEPEA/ESALQ, 2007.
• BATALHA, M. O. Gestão agroindustria...
E-mail: joseph.toni@gmail.com
Telefones: (77) 9131-4642 (OI)
(77) 9107-3918 (Tim)

VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO B...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

José Antonio Coordenação e Governança da Cadeia Produtiva do Café em Ambiente Cooperativo no município de Barra do Choça – Bahia

400 views
311 views

Published on

Apresentando no VIII Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil 25 – 28 de Novembro, 2013, Salvador-BA

Coordenação e Governança da Cadeia Produtiva do Café em Ambiente Cooperativo no município de Barra do Choça – Bahia José Antonio Gonçalves dos Santos Valdemiro Conceição Júnior Sandra Elizabeth de Souza

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
400
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

José Antonio Coordenação e Governança da Cadeia Produtiva do Café em Ambiente Cooperativo no município de Barra do Choça – Bahia

  1. 1. José Antonio Gonçalves dos Santos Valdemiro Conceição Júnior Sandra Elizabeth de Souza 30/11/13 Coordenação e Governança da Cadeia Produtiva do Café em Ambiente Cooperativo no município de Barra do Choça – Bahia 1
  2. 2. 1. significativa relevância socioeconômica para o Estado, • por se constituir em importante opção agrícola para pequenos produtores, contribuindo para a geração de trabalho e renda; 2. Expectativa dos produtores de fortalecimento da estrutura organizacional. 30/11/13 VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL INTRODUÇÃO
  3. 3. • O cooperativismo impulsiona mudanças sociais e econômicas expressivas. Relações cooperativas, bem utilizadas constituem fatores de crescimento e de competitividade. • Os estudos sobre a cafeicultura na Bahia são escassos quando comparados com outras regiões do Brasil. VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL MOTIVAÇÃO DA PESQUISA
  4. 4. Os mecanismos de comercialização de café que são adotados pela Cooperativa Mista de Pequenos Agricultores de Barra do Choça e Região (COOPERBAC) interferem na coordenação da cadeia produtiva do café formada por pequenos produtores? VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL PROBLEMA DA PESQUISA
  5. 5. Analisar o papel da COOPERBAC na coordenação da cadeia produtiva do café do município de Barra do Choça, estado da Bahia. VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL OBJETIVO GERAL
  6. 6. Os mecanismos de comercialização adotados pela COOPERBAC não favorece a sua integração aos diversos segmentos da cadeia produtiva do Café do município de Barra do Choça. A estrutura de governança verticalizada contribui para reduzir custos de transação. Tais arranjos organizacionais permitiriam aos produtores a apropriação das quaserendas geradas na diferenciação. VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL HIPÓTESE
  7. 7. • Nova Economia Institucional: Pressupostos: racionalidade limitada e oportunismo • Custos de transação • Conceito de cooperativismo e agricultura familiar • Conceito de cadeia perspectiva industrial produtiva • Mecanismos de comercialização na VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL Referenciais Teórico e Conceitual
  8. 8. Estudo de Caso • Método de abordagem: hipotético-dedutivo • Métodos de procedimento  Pesquisa exploratória, descritiva  Levantamento bibliográfico  Levantamento documental  Pesquisa qualitativa  Levantamento de informações e revisão de literatura nacional desenvolvida na temática dos SE. VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL METODOLOGIA
  9. 9. • Instrumento de Coleta dos Dados  Entrevista semiestruturada e focalizada  Questionário estruturado • Amostra  População: 130 pequenos cafeicultores  Amostra: 20% (26 cafeicultores) • Tratamento dos Dados  Software Statistical Package Science (SPSS) for Social VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL METODOLOGIA
  10. 10. • Cooperativa Mista dos Pequenos Agricultores de Barra do Choça e Região LTDA. - criada em 20/12/ 2007; • Possui no seu quadro 151 associados (sendo 130 produtores de café). VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL SOBRE A COOPERBAC
  11. 11. Mercado Spot Características: a)as transações são realizadas em um único instante do tempo, diretamente ao consumidor final, a revendedores e intermediários; b)as transações tanto dos produtores quanto da COOPERBAC são realizadas sem qualquer acordo contratual. VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL RESULTADOS E DISCUSSÃO
  12. 12. Mercado Spot •as transações com a COOPERBAC são restritas a poucos produtores. •a cooperativa terceiriza, (contrato informal) o processamento e embalagem de 1.200 sacas do produto. •Segundo Barros (2007), é comum os produtores comercializarem parte das atividades comerciais, sem participação da cooperativa. VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL RESULTADOS E DISCUSSÃO
  13. 13. Características das Transações •Elevada especificidade dos ativos, caracterizada pela marca COOPERBAC e pelo selo de inspeção municipal, além da existência de vários mercados; •Incerteza, apesar da diversidade de mercados e do consumo ser elevado, e durante o ano inteiro, aos fatores responsáveis pela elevada especificidade dos ativos; •Frequência esporádica para cada transação, uma vez que no mercado spot não existe garantia de recorrência. VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL RESULTADOS E DISCUSSÃO
  14. 14. Mecanismo de comercialização via Mercado a Termo Características: a)somente a COOPERBAC o utiliza, comercializando, a atacado b)Presença da Prefeitura de Barra do Choça para fornecimento do produto ao programa de merenda escolar do município. VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL RESULTADOS E DISCUSSÃO
  15. 15. Mecanismo de comercialização via Mercado a Termo •Elevada especificidade dos ativos, pode ser considerada elevada em virtude da marca COOPERBAC e pelo selo de inspeção municipal, além da existência de vários mercados; •Baixo grau de incerteza devido o consumo efetivo e potencial do produto, com garantias fortes de compra; •Frequência de forma recorrente, necessariamente com obrigatoriedade de negociações futuras, ao contrário do mercado spot (BATALHA, 2001). O motivo para a recorrência é o cumprimento de entErga do produto durante o período escolar. VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL RESULTADOS E DISCUSSÃO
  16. 16. Mercado Spot Mercado a Termo (Produtores individuais) (COOPERBAC) Preço flexível fré-fixado Prazo curto e longo prazos curto prazo Frequência de entrega mensal e, semestral mensal Produto único e padronizado único padronizado Quantidade Pré-fixado pré-fixado Especificidade de ativos elevado elevado Frequência da transação Esporádica recorrente Incerteza na transação alta baixa Exclusividade não não sanções e/ou penalidades não sim Ocorrência de conflitos não sim Assitência técnica não não Garantia de qualidade sim sim Forma de entrega da produção veículo do produtor veículo do produtor Venda antecipada não não Localização dos compradores próximo (local e regional) próximo (local e regional Poder de barganha baixo, quase nenhum baixo Ocorrência de oportunismo alto baixo Tomada de decisões individual cooperativa VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL Atributo das Transações
  17. 17. Papel da COOPERBAC na governança • A Bahia é o quarto maior produtor de café, após Minas Gerais, Espírito Santo e São Paulo, alcançando em 2012 volume de 2.164,7 mil sacas, o que representa 5% da produção nacional • A Bahia possui três regiões produtoras principais: Cerrado e Planalto (concentração de café arábica) e Atlântico (robusta ou conilon). • Atualmente, a Bahia possui 28 mil cafeicultores, sendo 85% da agricultura familiar, que respondem por 1/4 do que é produzido no estado, incluindo a região Oeste, Chapada Diamantina, Brejões, Planalto da Conquista e da região litorânea do estado (MDA). VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL RESULTADOS E DISCUSSÃO
  18. 18. a) Os custos de transação para os produtores não são minimizados, pois os mecanismos de comercialização não são aprimorados e os canais de comercialização se restringem aos mercados local e regional; b) A COOPERBAC influencia parcialmente no segmento de comercialização da cadeia. Os resultados econômicos e os benefícios sociais da marca de café ‘COOPERBAC’ são distribuídos entre poucos cooperados; c) As informações sobre o mercado para os produtores e para a COOPERBAC são incompletas e quase sempre com pouca antecedência à comercialização. VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL RESULTADOS E DISCUSSÃO
  19. 19. • A COOPERBAC exerce influências importantes na cadeia produtiva, mas a coordenação central desta entre seus segmentos produtor, industrial e de comercialização é realizada pelo mercado; • A COOPERBAC busca construir uma estrutura de governança via verticalização proporcionada por uma marca própria que já existe, realizando moagem, embalagem e comercialização de café recebido dos produtores; VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL CONCLUSÃO
  20. 20. • A maioria das transações é realizada pela confiança, sendo que o preço dado pelo comprador é aceito pelos produtores • a estrutura de governança da cadeia produtiva em estudo ocorre através do mercado, coordenada por contratos informais e formais exigidos pelo ambiente institucional de programas de alimentação escolar; • Existe ação oportunista de alguns produtores e assimetrias sobre a venda do café, decorrentes de restrições cognitivas referentes à negociação para obter preços melhores, gerando conflitos. VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL CONCLUSÃO
  21. 21. • BARROS, Geraldo Sant’Ana. Comercialização agrícola. Piracicaba: CEPEA/ESALQ, 2007. • BATALHA, M. O. Gestão agroindustrial. v. 1, São Paulo: Atlas, 2001. • COUTINHO, Luciano. Estudo da competitividade da indústria brasileira. 3.ed. Campinas, SP: Papirus, 1995. • DORATTO, Moacyr. Café: competitividade da cadeia produtiva no sistema cooperativo do Paraná. Londrina: IPAR, 2000. VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL REFERÊNCIAS
  22. 22. E-mail: joseph.toni@gmail.com Telefones: (77) 9131-4642 (OI) (77) 9107-3918 (Tim) VIII SIMPÓSIO DE PESQUISA DE CAFÉS DO BRASIL Agradeço a todos!

×