Fenicafé 2014 avanços tecnologicos pesquisa cafeeira   josé braz matiello
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Fenicafé 2014 avanços tecnologicos pesquisa cafeeira josé braz matiello

on

  • 872 views

Fenicafé 2014 avanços tecnologicos pesquisa cafeeira josé braz matiello

Fenicafé 2014 avanços tecnologicos pesquisa cafeeira josé braz matiello

Statistics

Views

Total Views
872
Views on SlideShare
837
Embed Views
35

Actions

Likes
0
Downloads
19
Comments
0

1 Embed 35

http://www.redepeabirus.com.br 35

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Fenicafé 2014 avanços tecnologicos pesquisa cafeeira josé braz matiello Presentation Transcript

  • 1. AVANÇOS TECNOLÓGICOS NAAVANÇOS TECNOLÓGICOS NA PESQUISA CAFEEIRAPESQUISA CAFEEIRA J. B. Matiello- Eng. Agr. MAPA/Procafé
  • 2. COMEÇANDO PELA CONCLUSÃO
  • 3. A cafeicultura precisa inovar com segurança, com base num forte trabalho de pesquisa e desenvolvimento.
  • 4. AVANÇOS DESTACADOSAVANÇOS DESTACADOS • Implantação de cafezais - Mudas, sistemas de plantio e espaçamentos • Variedades • Controle do mato, sistemas e herbicidas • Podas no manejo dos cafezais • Adubação e calagem • Enxertia • Irrigação suplementar • Pragas do cafeeiro • Doenças do cafeeiro • Eco-fisiologia: adaptação de espécies em ambientes • Colheita e preparo do café
  • 5. Novos tipos de mudas para plantio Sucesso no plantio de mudas de bandeja e de sacolas de TNT Super-adensamento, para ciclos curtos Interação entre espaçamentos e variedades Sulcamento e correção profunda para plantio Espaçamento na linha para Catuai e M. Novo Implantação de cafezais
  • 6. Produtividade, nas 3 primeiras safras, de plantas de café em diferentes tipos de mudas/plantio, Martins Soares,MG – 2009. TRATAMENTOS Produção (Scs/ha) 2007 2008 2009 Média Mudas de sacolinha 44,8ab 103,2 b 63,3 b 70,47ab Mudas de tubete 55,4a 112,0 ab 79,6 a 79,13 a Mudas de raiz nua 47,7ab 123,9 a 82,6 a 80,10 a Semeio direto em gavetas 18,7c 118,9 a 66,7 b 59,27 b Semeio direto nas covas 22,8c 94,2 c 86,0 a 65,77 b
  • 7. Sacola Plantio direto Raiz- nua
  • 8. Produção média (scs/ha), de 7 safras, em 3 variedades e 3 sistemas de plantio, em Martins Soares – MG, 2009. Variedades Sistemas de Espaçamento 2,0 x 0,5m 1,30 x 0,25m 1,0 x 0,5m Média Acaiá 49,4 71,7 52,7 58,1 Catuaí 44 52,3 75,3 72,9 66,8 Catucaí 785/15 72,2 102,3 90,3 89.9 Média 59,3 83,3 71,9
  • 9. Produção das 5 primeiras safras, em sacas/ha, em cafeeiros sob diferentes espaçamentos adensados e efeito de recepas em ciclos curtos, Martins Soares – MG, 2009. Espaçamentos 2005 2006 2007 2008 2009 Média 1,30 x 0,25 m 156,0 77,0 53,4 150,5 65,6 101,5 1,0 x 0,5 m 124,8 51,2 60,5 121,2 69,7 85,4 2,0 x 0,5 m 83,7 41,1 43,1 93,6 36,5 59,6 1,30 x 0,25 m (recepa após 1a safra) 156,0 0,0 23,8 108,2 42,8 66,2 1,30 x 0,25 ( Recepa após 3ª Safra ) 156,0 77,0 53,4 0 66,6 70,6
  • 10. Parâmetros de crescimento(altura das plantas) e primeira produção em cafeeiros sob diferentes sistemas de mudas e plantio, Pirapora-MG, 2009 Sistemas de mudas/plantio Altura das plantas (cm) Produção 2009 (scs/ha) Aos 7 meses de campo Aos 18 meses de campo Raiz nua, sob sombra de mamoeiros 65 1,45 63 Raiz nua, sob sombra inicial de palha 61 1,40 61 Raiz nua, pleno sol 53 1,15 58 Semeio direto, sombra de mamoeiros 67 1,54 66
  • 11. Quadro 1- Produtividade em cafeeiros, em 5 primeiras safras, sob diferentes espaçamentos e variedades. Varginha-MG, 2013 Cultivares e espaçamentos Produtividade média nas 5 safras (scs/ha) Catuai IAC 62 3,6 x 0,5m 52,2 3,6 x 0,75m 50,7 Média de 3,6 m 51,6 1,8 x 0,5m 70,8 1,8 x 0,75m 49,7 Média de 1,8 m 60,3 Média do Catuai 56,0 Catucai amarelo 3,6 x 0,5m 57,9 3,6 x 0,75m 38,6 Média de 3,6 m 48,2 1,8 x 0,5m 75,6 1,8 x 0,75m 58,6 Média de 1,8 m 67,1 Média do Catucai 57,7 IBC-Palma 2 3,6 x 0,5m 52,2 3,6 x 0,75m 42,3 Média de 3,6 m 47,2 1,8 x 0,5m 84,8 1,8 x 0,75m 63,0 Média de 1,8 m 73,9 Média do Palma 2 60,6
  • 12. Quadro 2- Produtividade em cafeeiros, na média das 5 primeiras safras, sob diferentes espaçamentos e variedades. Varginha-MG, 2013 Médias gerais, das 3 variedades, nos espaçamentos Média 5 safras (scs/ha) Média de 3,6 m 49,0 Média de 1,8 m 67,1 Média de 0,5 m 65,6 Média de 0,75 m 50,5 Fonte – Matiello et alli, Anais do 39º CBPC, Fundação Procafé, 2013, p.
  • 13. Tratamentos Produção (sacas de café beneficiado/ha) Média 6 Safras 2008 2009 2010 2011 2012 2013 1- Catuaí 4,0 x 0,25m 59,9 bc 90,0 a 86,1 a 28,1 a 71,5 a 20,5 a 59,3 a 2- Catuaí 4,0 x 0,50m 61,8 a 53,4 b 89,2 a 24,5 a 74,0 a 19,6 a 53,7 a 3- Catuaí 4,0 x 0,75m 50,3 c 47,2 bc 74 ab 20,2 a 62,5 ab 18,5 a 45,4 bc 4- Catuaí 4,0 x 1,00m 50,8 c 31,0 bc 75,4 b 25,0 a 47,0 b 25,0 a 42,3 bc Média do Catuaí 54,7 bc 58,8 a 81,1 a 24,4 a 63,7 a 20,9 a 50,2 a 5- Acaiá 4,0 x 0,25m 49,5 cd 54,3 b 56,1 c 14,2 a 49,6 b 19,0 a 40,4 bc 6- Acaiá 4,0 x 0,50m 54,7 bc 29,4 bc 78,2 b 18,4 a 43,0 b 10,0 b 38,9 bc 7- Acaiá 4,0 x 0,75m 57,3 bc 24,2 bc 56,0 c 16,4 a 31,2 c 11,2 b 26,5 c 8 - Acaiá 4,0 x 1,00m 45,6 d 20,2 c 56,0 c 16,1 a 31,3 c 10,5 b 30,2 c Média do Acaiá 51,8 b 32,9 b 64,3 b 16,2 b 38,7 b 12,6 b 34,0 b Tabela 1. Produtividade em cafeeiros sob diferentes espaçamentos entre plantas na linha de plantio, para as cultivares Catuaí Vermelho IAC-144 e Acaiá 474/19 na condições edafo-climáticas do Planalto de Araxá/MG. 2013. Fonte – Santinato et alli, Anais do 39º CBPC, Fundação Procafé, 2013, p.
  • 14. As letras após às medias representam diferenças pelo teste de Tukey, a 5%. Cultivares/ sistemas de controle da ferrugem % de fls infectadas por ferrugem (maio/13) % de desfolha (ago/13) Produção na safra atual(2013) em scs/ha Acaiá (solo e 2 foliares) 37 b 63 b 48 Catuai amarelo 32 (solo e 2 foliares) 45 b 74 b 63 Catucai amarelo 24/137 (solo e 1 foliar) 1,0 a 37 a 64 Japy (só 1 apl. via solo) 0,0 a 35 a 59 Quadro 1 – Infecção e desfolha em cafeeiros de diferentes cultivares, resistentes e susceptíveis, submetidos a diferentes programas de controle químico da ferrugem. Eloy Mendes, MG, 2013.
  • 15. ACAIÁCATUAI AMARELO IAC 32ACAIÁ
  • 16. ACAIÁ
  • 17. ACAIÁCATUAI AMARELO IAC 32CATUAI AMARELO IAC 32
  • 18. ACAIÁCATUAI AMARELO IAC 32
  • 19. ACAIÁCATUAI AMARELO IAC 32CATUCAI AMARELO 24-137
  • 20. CATUCAI AMARELO 24-137
  • 21. ACAIÁCATUAI AMARELO IAC 32 JAPY
  • 22. ACAIÁCATUAI AMARELO IAC 32 JAPY
  • 23. Cultivares/linhagens Época de maturação Produtividade (scs/ha),média de 8 safras Catucaí V. 785 cv.15 Precoce 51,1 Tupi Precoce 43,7 Katipó Precoce 41,9 Iapar 59 Precoce 37,5 Mundo Novo 379-19 Precoce 35,1 Catucaí A. 2 SL Média 52,3 Catucaí A. 24/137c.250 Média 48,7 Catucaí V. 19/08 c.380 Japi Tardia 50,7 Catuaí A. IAC-39 Tardia 46,8 Catuaí V. IAC-81 Tardia 43,7 Catuaí V. IAC-44 Tardia 39,1 Paraíso A. MG H 419-1 Tardia 23,8 Produtividade (sc/ha) na média de 8 safras (2005-2012) de Cultivares/linhagens de cafeeiros arábica com 3 diferentes épocas de maturação, Marechal Floriano –ES, 2012
  • 24. VARIEDADES PRODUÇÃO MÉDIA – 2002-09, 8 safras (scs/ha) Catucaí amarelo 24/137 101 Icatu 3696 sel Car. sel Varg. Tuiuiu 93 Palma 2 (cv 520 112 MG 3.13) 92 Catucaí 785 90 Tupi 89 HK 29/74 , Saira 88 Sarchimor amarelo/ Arara 87 Sabiá 398 86 Catucaí amarelo 20/15 cv 479 85 Topázio MG 1189 83 MN IAC 376-4 82 Oeiras 74 Catuai amarelo IAC 74 68 Acaiá 474/19 65 Obatã 63 Iapar 59 49 Produção (scs/ha) média das 8 primeiras safras (ordenadas) em cafeeiros de novas variedades com resistência à ferrugem – Martins Soares-MG, 2009, espaç 2x0,7 m.
  • 25. Itens do ensaio e material genético Produtividade(em scs por há) 2010 2011 2012 2013 Média 8) Catucai Vermelho 20-15 43,8 70,0 104,6 79,4 74,5 a 11) Acauã Corom 65-66 42,0 95,2 90,8 69,9 74,5 a 37) Catucaí Amarelo 24/137 (FEV) 47,3 93,3 89,8 53,7 71,0 a 20) Catucai amarelo 2 SL – Vga 37,1 66,4 93,5 62,1 64,8 b 13) IBC-Palma 1 26,0 82,6 105,6 42,6 64,2 b 21) Palma 2 Amarelo 45,5 64,4 98,1 48,4 64,1 b 27) Sarchimor Amarelo 38,0 66,1 73,1 78,7 64,0 b 38) Catucaí Vermelho 24/137 (FEV) 29,6 84,7 91,6 50,0 64,0 b 3) Acauã novo 36,8 81,1 93,5 43,2 63,7 b 4) Catucaí vermelho 36/6 cv-366 38,7 71,9 88,0 53,6 63,0 b 25) H 6839 – 5 cv 196 23,7 72,0 105,6 43,3 61,1 b 22) IBC_Palma 2 vermelho 39,1 57,5 81,5 60,3 59,6 b 16) Sabiá – 398 38,5 84,2 64,8 49,5 59,2 b 7) Catucaí Amarelo 2 SL – CAK 38,7 73,0 75,0 49,5 59,1 b 24) Acauã (DB – 16) 25,8 65,3 104,6 40,6 59,1 b 2) Catucai amarelo 19/8 – 221 46,2 74,1 78,3 33,8 58,1 b 30) Catucaí Vermelho 6/48 (FEV) 45,4 68,6 76,8 41,2 58,0 b 29) Bem-ti-vi Vermelho (cv 700-1) 38,9 50,6 95,3 45,6 57,6 b 23) Catuaí amarelo 32 36,7 57,2 84,2 51,8 57,5 b 1) Catucai amarelo 24/137 Jaguaray 42,3 73,6 78,7 34,2 57,2 b 39) Catuaí vermelho 44 21,9 71,1 77,8 43,6 53,6 c Quadro 1- Produtividade inicial, em 4 safras, em cafeeiros, do ensaio nacional de seleções do Procafé, com resistência à ferrugem. S.D. das Dores -MG, 2013
  • 26. VARIEDADES/SELEÇÕES PRODUTIVIDADE ( Scs por ha) Média 6 safras (2007-12) Sabiá 398 82 Conillon FC – 3 hastes 80 Sarchimor Amarelo 80 IBC/Palma 2 Vermelho 78 Icatu 2944 c. 190 75 Obatã 74 Catucaí 2 SL- CK 73 IBC- Palma 1 Corom. 69 Mundindu 68 Acaiá 67 Eparrey 65 Catucaí V. 20/15 cerrado 65 Acauã SH2 64 Catucaí Vermelho Fama 63 Catucaí V. 24/137 61 Catucaí Amarelo 2 SL 60 Catucaí A. 24/137 Jaguarai 60 IBC/Palma 2 Amarelo 60 Catucaí Amarelo 3SM c. 15 59 Catucaí V. 20/15 SSP 58 Catuaí Vermelho IAC 144 57 Produtividade, nas 6 primeiras safras, em cafeeiros de variedades arábica e robusta- conillon no ensaio em Pirapora-MG, 2012. Espaçamento 3,6 x 1,0 m, plantio em mar/05
  • 27. Quadro 1 – Produtividade nas 5 primeiras safras, em sacas/ha, com sua média ordenada, em cafeeiros do C.O. de São Gotardo-MG, 2013. Itens ensaiados Produtividade em scs/ha 2009 2010 2011 2012 2013 Média 30-IBC 02, Catucai V. 20-15 c- 233 60,8 73 80,5 74 50,8 67,8 29-IBC 02, Catucai V. 20/15 c- 131 58,3 64 67,6 97 43,5 66,0 43- Sarchimor Amarelo-Arara 64,5 72 70,3 50 56,4 62,6 32-IBC 12 ( Uva) 79,1 48 62,8 63 55,5 61,7 33-IBC 05 (Sabia 398) 74,7 57 64,4 78 33 61,4 5-Catuaí amarelo IAC 32 M B 42,4 91 61,6 88 22,5 61,1 17-Rubi MG 1192 59,4 88 41,7 78 34 60,2 15-Catucai Amarelo 2 SL 62,3 72 57,8 60 46,5 59,7 6-Catuaí amarelo IAC 62 70,1 93 33,3 98 2,4 59,4 45- Catucaí Vermelho 20/15 57,7 59 57,8 82 40 59,3 31-IBC 14, Palma 1 63,3 62 61,6 59 47,5 58,7 44- Catuaí Amarelo IAC. 66 67,1 59 63,1 70 33,1 58,5 10-Catucaí Vermelho 785/15 55,7 58 32,5 87 58 58,2 24-Catimor 3857 c- 256 48,7 69 64,8 68 40,2 58,1 23-Catimor 2983 c- 493 64,9 69 56,5 57 42,9 58,1 22-Acauã 41,6 98 31,2 86 29,5 57,3 47- Catucaí Vermelho 36/6 cv 366 58,6 70 46,2 86 20 56,2 42- Canário 57,5 47 62,1 64 49 55,9 25-Catimor 2989 c-596 83,9 55 42,9 70 27,4 55,8 37-IBC 15 pc-3e5 Vermelho GP 7DB 43,7 92 25,8 91 23,8 55,3 26-Catimor 6626 c- 154 53,7 56 61,7 62 41,8 55,0 53- Catucaí Amarelo 20/15 cv 479 58,9 60 54 65 36,6 54,9 18-Topazio MG 1190 54,1 74 42,8 70 33 54,8 1-Catuaí vermelho IAC 51 58,6 64 55,5 63 31 54,4 13-Catucai Amarelo 24/137 56,6 80 39,6 73 21 54,0 4-Catuaí amarelo IAC 17 55,7 49 67,7 55 41 53,7 7-Catuai amarelo IAC 86 67,1 78 43,3 76 3,1 53,5 3-Catuaí vermelho IAC 144 54,9 52 51,7 65 10,4 46,8
  • 28. Seleções ensaiadas Produtividade (scs/há) 2010 2011 2012 2013 Média 27) Sarchimor amarelo 58 64,9 77 71,7 67,9 29) Bem-te-vi vermelho c. 700 e 701 43,7 61,3 43 74,4 55,6 12) HK 29-74- Saira Corom 31,2 69 43 54,9 49,5 32) Catucaí roxinho 38,4 51,2 52 54,4 49,0 37) Catucaí amarelo 24/137 (FEV) 48,2 39,3 60 38,9 46,6 38) Catucaí vermelho 24/137 (FEV) 35,7 38,7 47 64,4 46,5 23) Catuaí 32 estaca 5 42 54,7 44 42,2 45,7 8) Catucai vermelho 20-15 30,4 39,9 64 43,7 44,5 11) Acauã Corom – 65-66 25,9 57,7 58 31,4 43,2 22) Palma 2 38,4 23,8 45 65,6 43,2 35) Catucaí vermelho toler. Xylella cv 70 35,7 42,2 55 37,8 42,7 20) Catucai amarelo 2SL –Vga 39,3 41,1 54 30,0 41,1 36) Eparey x sarchimor 41,1 59,3 55 8,9 41,1 3) Acauã Novo 33,9 55,5 46 28,0 40,9 16) Sabiá – 398 43,7 68,4 38 12,2 40,6 34) Catucaí amarelo FG –cv 612 34,4 31,5 67 27,4 40,1 5) Catucaí Amarelo – fruto grande 42,4 31,5 63 16,8 38,4 17) Saíra 44,6 56,5 33 16,7 37,7 39) Catuai V 144 24,1 54,7 42 30,0 37,7 Produtividade inicial, em 4 safras, em cafeeiros e média ordenada do ensaio nacional de seleções do Procafé, com resistência à ferrugem. Araxá-MG, 2013
  • 29. Quadro 1- Produtividade média de 5 primeiras safras em Diversas progênies de Acauã e outras, médias ordenadas, em sacas por ha. Varginha-MG, 2013. Item Origem Produtividade, em sacas/ha Média 09 a 132009 2010 2011 2012 2013 18 Acauã Novo ( broto verde) 43,9 67,2 52,4 57,9 65,3 57,3 3 Acauã 68.4. 26,2 58,2 51,3 82,5 60,0 55,6 7 Acauã 68.10. 27,5 57,1 51,8 71,8 51,3 51,9 1 Acauã 68.1. 39,3 53,9 50,1 58,5 46,2 49,6 2 Acauã 68.2. 41,0 54,6 53,0 56,7 34,3 47,9 12 Acauã 68.15. 27,7 60,1 44,6 61,7 42,4 47,3 5 Acauã 68.7. 27,2 62,4 43,4 61,7 40,2 47,0 11 Acauã 68.11. 24,4 62,6 44,2 62,9 37,5 46,3 8 Acauã 68.11. 44,8 59,0 37,6 43,2 39,2 44,8 10 Acauã 68.13. 32,2 60,6 41,1 55,3 24,9 42,8 4 Acauã 68.6. 33,4 56,1 44,2 31,0 43,7 41,7 15 Catucai amarelo 2SL 27,3 56,1 40,5 40,1 39,8 40,7 6 Acauã 68.9. 29,0 50,2 40,7 45,8 37,4 40,6 16 IAC 5217 catuai sh3. 18,3 46,7 40,3 56,7 38,8 40,1 9 Acauã 68.12. 27,4 57,5 35,8 44,6 31,0 39,3 13 Catucai amarelo 20/15 cv 479. 27,9 46,5 42,3 31,3 39,3 37,5 17 IAC 52115 catuai sh3. 24,3 53,3 27,8 38,7 30,2 34,9 14 Catucai vermelho 2015 cv 476. 30,0 27,7 35,5 29,2 30,5 30,6
  • 30. Sarchimor Amarelo- ARARA
  • 31. Catucaí amarelo 24/137 (FEV)
  • 32. Catucaí Vermelho 36/6 – 366 covas selecionadas
  • 33. Acauã Novo
  • 34. Catucai amarelo 24-137 na 10ª safra, após decote Machado Mineiro, Norte MG
  • 35. Catucai amarelo 24-137 na 1ª safra, Machado Mineiro, Norte MG
  • 36. Catucai vermelho 20-15, IBC 2, na 2ª safra, Coromandel-MG
  • 37. Acauã Novo, FEX Varginha, Sul MG
  • 38. Condição dos ensaios Produtividade, em scs/ha Catucai 20-15 V Padrão Catuai Produtivi- dade Coloca- ção Produtividade Ensaio Cepec, M. Soares-MG, média de 7 safras, padrão Catuai V. 44 74,6 2º 53,0 Ensaio São Gotardo-MG, média de 5 safras, padrão Catuai V. 144 67,0 1º 47,0 Ensaio S. D. das Dores-MG, média de 4 safras, padrão Catuai V. 44 74,0 1º 54,0 Ensaio Cepec, M. Soares-MG, média de 4 safras, padrão Catuai A. 32 44,6 1º 33,0 Ensaio FEV, Varginha -MG, média de 6 safras, padrão Catuai A.. 62 34,6 1º 29,6 Ensaio FEX B. Esperança-MG, média de 4 safras, padrão Catuai A . 32 35,1 3º 23,7 Média de 6 ensaios 55 - 40 Produtividade de cafeeiros da cultivar Catucai 20/15 V, Guará, em relação aos padrões, em ensaios em diferentes regiões cafeeiras, Varginha-MG, 2013
  • 39. (=ave vermelha), segue a nomenclatura que vimos adotando, de colocação de nomes de pássaros. Alem disso, representa outro animal, o lobo dos cerrados. Ambos são animais em perigo de extinção. Com a cultivar de café esperamos que ela viva e se multiplique nas lavouras, devido sua alta produtividade e resistência. O nome Guará Depois da Colheita Catucai V 20-15 GUARÁ
  • 40. Depois da Colheita Catuai V IAC 44
  • 41. Sistema de controle e trato nutricional. Efeito não prejudicial do Glifosato. Sempre no limpo, maior produtividade. Novos herbicidas para folhas largas - Flumizin, Aurora, Ally, Heat – e para lavouras novas Clorimuron + Cletodin ou Triflurometil e de pré- emergencia de grande residual – Alion(Aldaziflan) Aplicação de Oxifluorfen(Goal) deve ser com jato dirigido, para evitar fito-toxidez. Controle do mato
  • 42. Sistemas Produção ( scs/ha) 2007 2008 2009 2010 Média 1-Controle com gliphosate 44,1 71,1 41,0 50,5 51,7 a 2-Controle com roçadeira 48,47 53,2 47,1 41,1 47,5 a 3-Testemunha, com adubo 25,0 51,3 19,6 38,8 33,7 b 4-Testemunha, sem adubo 25,1 24,5 3,1 4,2 14,2 c Recuperação da Test (t 4), com adubo e contr. com/ glifos. a partir de 2008 6,0 36,6 - Quadro 1: Produções, em 4 safras em cafeeiros sob diferentes sistemas de controle do mato e trato nutricional, Martins Soares-MG, 2010. Fonte – Matiello et alli, Anais do 36º CBPC, Fundação Procafé, 2010, p.
  • 43. Tratamentos (l/ha, glifosato) Produtividade nas safras (scs/ha) 1ª safra 2ª safra, Média Testemunha capinada 68,3 a 19,2 a 43,7 1 l/ha/ano, 2 l período 62,8 a 25,9 a 43,9 2 l/ha/ano, 4 l período 64,6 a 21,0 a 47,3 4 l/ha/ano, 8 l período 71,4 a 19,1 a 45,2 8 l/ha/ano, 16 l período 60,8 a 21,7 a 41,2 16 l/há/ano, 32 l período 61,9 a 25,0 a 43,4 32 l/ha/ano, 62 l período 62,7 a 27,7 a 45,2 64 l/ha/ano, 128 l período 65,2 a 24,3 a 44,7 Produtividade de cafeeiros, nas 2 primeiras safras, sob doses crescentes de Glifosato, aplicado ao solo. Araxá-MG, 2009 Fonte: Santinato, R. et alli, Anais do 35º CBPC, Mapa/Procafé, 2009, p 265
  • 44. Tipos de controle do mato Produtividade (scs/ha) no anos agrícolas 2008 2009 2010 2011 2012 Média Roçadora 8,0 bc 26,0ab 41,7 ab 27,0 a 45,0 ab 29,6 cd Grade 11,7 bc 20,7 b 55,3 ab 20,0 a 30,0 b 27,5 cd Enxada rotativa 17,0 bc 25,7ab 48,3 ab 28,0 a 46,0 ab 33,0 cd Herb. Pós Emergência 14,4 bc 25,0ab 49,0 ab 28,0 a 42,3 ab 31,8 cd Herb. Pré-Emergência 31,3 a 33,0a 61,0 a 31,7 a 48,3 a 41,1 a Capina manual 17,7 b 24,0ab 48,3 ab 36,7 a 42,3 ab 33,9 ab Sem capina 4,0 c 18,7 b 37,3 b 25,3 a 30,0 b 23,1 d Produtividade em cafeeiros sob diferentes métodos de controle do mato, S.S. do Paraiso-MG, 2013. Fonte – Alcantara E. N, et alli– Anais do VIII Simpósio de Pesquisa dos Cafes do Brasil- Embrapa, 2013
  • 45. Adubação RacionalAdubação Racional Definição de níveis mais adequados (menores) no uso do potássio, nutriente caro, importado, 80 -100 ppm no solo. Função do acumulo em profundidade. Exclusão da parcela de nutrientes para vegetação no cálculo da adubação, em lavouras estabilizadas, função da reciclagem.
  • 46. 0 50 100 150 200 250 300 0 -15 15-30 3 0-45 45-6 0 6 0-7 5 75-9 09 0-10 51 05-120120 -1351 35-1 50 Profundidade (cm) K(mg/dm3) Área Virgem 2 anos 4 anos 11 anos
  • 47. Trincheira em lavoura de catuai aos 11 anos de idade
  • 48. Demanda de nutrientes NPK para a produção e vegetação de cafeeiros, correspondentes a uma saca de café por hectare Nutrientes Demanda, em kg Vegetação Produção Total N 3,60 2,60 6,20 P2O5 0,38 0,23 0,61 K2O 2,90 3,00 5,90
  • 49. •2,0 X 0,5
  • 50. Condição das lavouras Peso seco das folhas caídas ( Kg por ha) Cafeeiros arabica-Catuai 1-Catuai, aos 7 anos,, espaç. 3,6 x 0,5 m e produtividade, de 72 scs/há, Pirapora-MG 7400 2-Catuai, 13 anos, espaç 4 mX 0,,75m., Martins Soares-MG, CEPEC 3300 3-Catuai, 13 anos, espaç 2 m X 0,,75m., Martins Soares, CEPEC 4500 4-Catuai, 13 anos, espaç 1 m,, X 0,,75m, Martins Soares, CEPEC 7000 Média cafeeiros arabica 5500 Cafeeiros conillon 1-Lavoura de semente, 16 anos, espaç. 4x1m, produt. 50 scs por ha, Mutum-MG 11580 2- Lavoura de semente, 7 anos, espaç. 3x0,8m, produt. 80 scs por ha, Pirapora-MG 9620 3- Lavoura de semente, 13 anos, espaç. 3x1,3m, produt. 46 scs por ha, Linhares-ES 5100 4- Lavoura clonal, 5 anos, espaç. 3x 1,0m, produt. 90 scs por ha, Linhares-ES 2750 Média cafeeiros conillon 7200 Quadro 1- Peso seco de folhas caídas em diferentes condições de lavouras de café , arábica e conillon, Pirapora, Martins Soares, Mutum e Linhares, 2009-10
  • 51. NutriçãoNutrição Correção de solo com Cal dol. via pivô. Uso de doses altas de P. Toxidez de zinco em cafeeiros jovens. Novos sintomas de deficiência de boro. Uso de doses altas de gesso. Lavagem-lixiviação do K de folhas.
  • 52. . Tabela 1- Resultados de correção de solo em áreas cafeeiras Irrigadas e fertilizadas sob pivô-lepa, antes e após o uso de cal dolomitica via pivô. Pirapora-MG, 2011 Parâmetros analisados solo-folhas Amostras de ago/10(antes da apl. da cal via pivô-lepa) Amostras de nov/10(depois da apl. da cal via pivô-lepa) Dados no solo pH 4,2 5,2 Ca (% da CTC) 22 44 Mg (% da CTC) 9,6 15,6 K (% da CTC) 2,8 5,6 V (%) 32 64 Dados nas folhas N(%) - 3,30 K(%) - 2,30 Ca (%) - 1,20 Mg (%) - 0, 41
  • 53. Tratamentos - Modo e tipo de corretivo Parrâmetros no solo pH Ca (cmolc/dm3 Mg (cmolc/dm3 V% 1-GEOX, a seco 7,0 a 5,66 a 2,24 a 87,0 a 2-GEOX, diluído em água 7,1a 5,85 a 2,20 a 89,5 a 3 – GEOX HD, a seco 7,2 a 5,60 a 1,90 a 88,0 a 4 - Testemunha 6,0 b 3,52 b 1,03 b 70,7 b Tabela 1- Dados médios de pH, teores de Ca, Mg e V% em amostras de solo, O-20 cm, sob efeito de diferentes modos e produtos coretivos de rápida efeito – Coleta do solo aos 25 dias após aplicação. Piumhi-MG, 2013 Fonte - J. B. Matiello e Ana Carolina R.S. Paiva – Engs Agrs Mapa e Fundação Procafé, e Gabriel R. O. Vaz e Eduardo M. C. Pinto, Engs Agrs GECAL , In - Anais do 39º Cong. Bras. Pesq. Caf., Fundação Procafé, 2013, p. 153.
  • 54. A A A A A A A A A A A A C C C C C C B C C C C C 5,6 B B B B A B B B B B B B 5,0 5,1 5,2 5,3 5,4 5,5 5,6 5,7 5,8 5,9 6,0 6,1 6,2 6,3 6,4 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 Dias após a aplicação do corretivo pHdosolo Cal dolomita Calcário líquido Calcário comum CORREÇÃO DE PH EM SOLO SOB DIVERSAS FONTES DE CALCÁRIO, Muzambinho-MG, 2013 Fonte - LD do CARMO; FC FIGUEIREDO; PP BOTREL.. In- Anais do 39º Cong. Bras. Pesq. Caf., Fundação Procafé, 2013, p. 175
  • 55. Doses de P2O5 ensaiadas Produtividade media em 5 safras (scs por ha) Niveis de P no solo em 2011 0 - Testemunha 57,4 10 100 Kg de P2O5 64,3 120 200 Kg de P2O5 59,9 233 400 Kg de P2O5 57,1 NS 262 Produtividade, em 5 safras (2008-12), de cafeeiros sob diferentes doses de P2O5, e nivel do nutriente no solo, M. Soares-MG,2012. Fonte: Matiello, Rosa, Leite Filho e Cunha, Anais do 38º CBPC, Mapa/Procafé, 2012, p. 103.
  • 56. Tratamentos Peso seco (g) das plantas, 6 meses pós transplante % de coloniza- ção Teor de P nas folhas (%) Mudas inoc c/ Glomus clarum 42,7 a 40 0,16 “ “ G. margarita 50,2 a 44 0,17 “ “ G. clar. + G. marg. 46,4 a 50 0,20 Inoculação só no transplante 36,2 ab 30 0,18 Inoc.c/ fungos nat. de lavouras 46,8 a 30 0,21 Testemunha, sem inoculação 10,4 c 0 0,09 Efeito de fungos micorrizicos vesico-arbusculares nativos (Gigaspora margarita e Glomus clarum) no crescimento e nutrição fosfatada do cafeeiro. Lavras-MG, 1989. Fonte: Siqueira et alli, Anais do 15 CBPC, IBC, 1989, p.60
  • 57. Doses de P2O5 por vaso (g/pl) Teor de P2O5 no solo (ppm) Teor de P foliar (%) Massa seca das plantas (g) 0 5 0,08 47 2 13 0,10 49 4 20 0,10 52 8 33 0,12 47 16 84 0,16 51 32 230 0,24 53 64 575 0,30 52 Teores de fósforo, no solo e em folhas, e acumulo de massa seca em plantas de café, sob diferentes doses de P2O5 aplicadas ao solo, em vasos, Varginha-MG, 2009 Fonte: Garcia, A.L et alli, Anais do 35º CBPC, Mapa/Procafé, 2009, p. 90.
  • 58. Tratamentos Produtividade (sacas/ha) 2009 2010 2011 2012 2013 Média Testemunha 12,2 71,3 12,2 48,5 59,4 40,7 1,5 Kg/m (4,3 ton/ha) 9,9 68,0 18,1 52,6 64,3 42,6 3,0 Kg/m (8,6 ton/ha) 8,4 71,7 9,1 51,2 58,1 39,7 4,5 Kg/m(12,9 ton/ha) 14,6 58,5 9,5 50,3 55,7 37,7 6,0 Kg/m(17,1 ton/ha) 7,5 61,2 9,9 58,5 55,7 38,5 7,5 Kg/m (21,4 ton/ha) 14,8 70,9 12,2 48,5 64,3 42,1 9,0 Kg/m (25,7 ton/ha) 15,0 66,7 8,62 54,0 55,7 40,0 Produtividade média, em sacas/ha, nas 5 safras de 2009 a 2013, em cafeeiros dos tratamentos sob diferentes doses elevadas de gesso, Boa Esperança-MG,2013 Fonte - Fagundes, Garcia, Matiello e Ramos, Anais do 39º CBPC, no prelo. NS
  • 59. Tratamentos Teor de Zn foliar (ppm) Teor de Zn no solo (ppm) Altura das mudas, aos 10 meses Numero de ramos plagiotr. por muda Testemunha 16 1 37 6 0,75 g de Sulf Zn por vaso 21 18 24 1,3 1,5 g de Sulf Zn por vaso 29 48 14 0 Teores de Zn, nas folhas e no solo, e crescimento em mudas de café, com adição de doses de sulfato de zinco ao solo, em vasos. Fonte – Matiello, Barros e Barbosa, Anais do 24º CBPC, Mapa-Procafé, 1998, p.19
  • 60. Tratamentos Teores médios de K nas folhas(%) Folhas verdes, sem lavagem 2,000 a Folhas verdes, lavagem rápida de rotina 1,575 b Folhas verdes, com lavagem por 24 horas 1,166 c Folhas secas, lavadas por 24 horas 0,635 d Teores de K em folhas de cafeeiros, submetidas ou não a lavagens, rápidas ou demoradas- Varginha-MG, 2010 Fonte – Matiello, Garcia, Figueiredo e paiva, Anais do 36º CBPC, Fund. Procafé, 2010 p. 190
  • 61. ConillonArábica ConillonArábica Enxertia Arábica x Conillon
  • 62. ConillonArábica ConillonArábica Enxertia Arábica x Conillon
  • 63. ConillonArábica ConillonArábica Enxertia Arábica x Conillon
  • 64. Corte de ambos os caules aproximadamente 1,0 cm
  • 65. União dos caules com fita biodegradável
  • 66. 30 dias após a enxertia. As mudas serão levadas Para o campo
  • 67. Tratamentos Produtividade, em scs/ha, nas safras 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Média 2006- 11 Testemunha (sem irrigação) 60,3a 8,6b 68,0a 47,7b 48,1b 66,6b 49,9 Com irrigação suplementar(*) 63,4a 55,2a 68,0a 72,1a 43,5b 78,8a 63,5 Tabela 1. Produção obtida em 6 safras em cafeeiros com e sem irrigação suplementar, no Sul de Minas Gerais, Varginha - MG, 2011. (*) - Lâminas de irrigação suplementar aplicadas em cada ano:2006: 60 mm (maio a junho) e 30 mm em setembro – 2007: 150 mm (abril a maio) e 150 mm em setembro – 2008: 40 mm (maio) – 2009: 50 mm (maio a junho) – 2010: 100 mm (maio a junho) e 60 mm em setembro – 2011: 30 mm (fevereiro) e 40 mm (junho) e 40 mm setembro Fonte – Paiva, Garcia, Matiello, Padilha, Figueiredo e Lacerda, Anais do 37º CBPC, Funprocafé, 2011, p. 315
  • 68. Podas no manejo de Cafezais • Novo sistema de condução da brotação no esqueletamento-desponte safra zero • Decotes sucessivos, para re-equilibrio entre a parte aérea e o sistema radicular, em regiões com deficit hídrico. • Condução do conillon uni-caule
  • 69. Tratamentos, sistemas de condução de brotos Produtividade em 2013 (scs/ha) 1-Condução de 1 broto por planta 62,8 d 2- Condução de 2 brotos por planta 70,1 cd 3- Condução de 3 brotos por planta 73,9 bc 4- Condução de 4 brotos por planta 76,3 bc 5- Sem desbrota do topo 84,5 ab 6- Com desbrota mecânica alta 90,1 a CV % 8,09 •Sistemas de condução de brotos e produtividade em 2013, em sacas/ha, em cafeeiros sob diferentes tipos de condução da brotação, no topo de plantas esqueletadas. Tambau-SP, 2013. Fonte – Matiello e Silva, Anais do 39º CBPC, Fundação Procafé, 2013 p 87
  • 70. Produtividade média, em sacas por ha, e características de crescimento em cafeeiros conillon, conduzidos sob dois modos de condução de hastes. Pirapora-MG, 2010 Características de crescimento (aos 76 meses) e produtividade avaliada Tipos de plantas Conillon uni- caule Conillon 3-4 hastes Altura das plantas (m) 3,10 4,30 Diâmetro médio da saia ou copa ( m) 2,00 3,80 Diâmetro do tronco (cm) 6,36 4,46 Distância livre, espaço na rua(m) 1,50 -0,30 Produtividade média, em 5 safras( scs por ha) 70 82
  • 71. Pragas do cafeeiro • Inseticidas novos para o controle do Bicho Mineiro e do mesmo grupo para controle simultâneo da Broca • Broca das hastes em robusta. • Ataque de lagartas associado a Phoma- Pseudomonas • Queda de frutos por mosca e broca.
  • 72. Tratamentos % de Fls com minas vivas 30 DAT 60 DAT 1-Padrão Galaxy 300 ml/ha 8,5 b 9,0 b 2-Altacor – 60 g/ha 3,0 bc 1,5 bc 3-Altacor – 90 g/ha 0,0 a 0,0 c 4-Altacor – 120 g/ha 1,0 a 0,0 c 5-Padrão 2 Galaxy 300+Cartap 0,75+ Hostathion 0,5 l/ha 6,5 bc 2,5 bc 6-Altacor – 60 g/há +Cartap 0,75+ Hostathion 0,5 l/ha 3,5 bc 1,5 bc 7-Altacor – 90 g/ha+Cartap 0,75+ Hostathion 0,5 l/ha 6,5 bc 0,0 c 8-Altacor – 120 g/ha+Cartap 0,75+ Hostathion 0,5 l/ha 1,5 bc 0,7 c 9-Testemunha 58,5 d 50,5 d Percentagem de folhas com minas vivas de Bicho Mineiro, sob diferentes tratamentos inseticidas em cafeeiros- Rio Paranaiba-MG,2010 Fonte - Santinato ET alli, Anais 36º CBPC, Fund. Procafé, 2010, p. 189
  • 73. Doenças do cafeeiro • Controle da ferrugem Via pivô. • Controle da ferrugem tardia • Controle da ferrugem com aplicação concentrada ou sequencial. • Sintomas diferenciados de Pseudomonas
  • 74. Infecção e desfolha em cafeeiros sob tratamentos com fungicida Flutriafol, via pivô-Lepa, Pirapora-MG,2009. Tratamentos testados % fls. infectadas por ferrugem (junho/09) Desfolha - % (julho/09) 1- Impact, 5 l/ha, aplicado Pivô- Lepa 14 39 2- Epoxiconazole, 2 apl. foliares, 0,6 l/ha/apl 32 62 3- Testemunha 87 93
  • 75. Esquerda com Flutriafol via pivo- lepa e à direita sem o produto
  • 76. Tratamentos % de fls infectadas (junho-06) Alto 100, 2,5 l por ha, 1 apl Jan 3,60 a Alto 100, 1,25 l por ha, 2 apl, jan e mar 5,00 a Bayfidan, 4,0 kg por ha, 1 apl Jan 19,0 b Impact, 4,0 l por ha, 1 apl Jan 1,0 a Opera, 2,5 l por ha, 1 apl Jan 0,5 a Testemunha 91,0 c Infecção pela ferrugem em cafeeiros sob aplicação única e dividida de triazóis, em altas doses. Eloy Mendes, MG,
  • 77. Tratamentos Avaliações da ferrugem % de fls infectadas (junho-07) % de desfolha ago-07 Alto 100, 3 l por ha +150 g Amistar, 1 apl Jan 2,5 a 30 a Bayfidan, 5 l por ha+150 g Amistar, 1 apl Jan 9,5 a 38 a Opus, 2,5 l por ha +150 g Amistar, 1 apl Jan 1,5 a 28 a Impact, 4,5 l por ha +150 g Amistar, 1 apl Jan 7,5 a 32 a Domarck, 4 l por ha +150 g Amistar, 1 apl Jan 5,8 a 48 a Testemunha 65,0 b 81 b Infecção e desfolha pela ferrugem em cafeeiros sob aplicação única de triazóis, em altas doses, via foliar, Varginha-MG, 2007
  • 78. Programas de controle % de fls infectadas por ferrugem Fev Mar Abr Mai Cyproc solo NOV, Cypr + Azoxistr foliar, DEZ e FEV 0,7 3,7 8,7 45,0 Thiametoxan solo NOV, Cypr + Azoxistr foliar, DEZ, FEV e ABR 0,2 2,0 4,5 12,0 Testemunha 22,0 44,0 96,2 100,0 Infecção pela ferrugem em cafeeiros sob diferentes épocas de uso dos fungicidas Jeriquara-SP, 2009 Fonte- Becker et alli, Anais do 35º CBPC, Fundação Procafe, 2009
  • 79. TRATAMENTOS Infecção pela ferrugem (% de fls infectadas) Desfolha Em 30/04/13 Em 12/06/13 1-Testemunha 13,0 48,0 b 51 b 2-Opera - 1,5 l/ha 10,5 11,0 a 34 a 3-Comet - 0,7 l/ha 9,5 17,5 a 30 a 4-Comet 0,7 l/ha + Oxicl. de cobre 2 kg/ha 13,5 16,5 a 31 a 5-Priori xtra - 0,75 l/ha 9,0 4,0 a 25 a 6-Aproach prima - 0,5 l/ha 9,5 11,5 a 30 a 7-.Opera - 1,0 l/ha 9,0 15,0 a 21 a Infecção pela ferrugem em cafeeiros sob diferentes tratamentos com aplicação adicional de fungicidas, para controle da doença tardia- Varginha-MG, 2013 Fonte - Matiello, Paiva e Lacerda, Anais do 39º CBPC, Fundação Procafé 2013, p. 22
  • 80. Ecologia • Adaptação de cafeeiros arabica em regiões quentes. • Adaptação de cafeeiros conillon em regiões frias. • Introdução de cafeeiros robusta-conillon em regiões de deficit hídrico elevado.
  • 81. Adaptação de C. arabica em região quente: Pirapora-MG, 520 m alt., ta. média 24,6 graus C., 6 pivôs, 480 ha, Catuai V. IAC 144 • 2003 – 1,5 ano = 12 scs/ha • 2004 - 2,5 anos = 89 scs/ha • 2005 – 3,5 anos = 78 scs/ha • 2006 – 4,5 anos = 67,3 scs/ha • 2007 – 5,5 anos = 68 scs/ha • 2008 – 6,5 anos = 42 scs/ha • 2009 - 7,5 anos = 70 scs/ha • 2010 - 8,5 anos = 35 scs/ha • 2011 - 9,5 anos = 87 scs/ha MÉDIA 8 safras = 66,2 scs/ha
  • 82. Meses Ta média – graus C Chuva- mm Setembro 25 20 Outubro 26,5 60 Novembro 25,6 260 Dezembro 25,4 280 Janeiro 26,5 230 Fevereiro 26,6 70 Março 25,4 170 Abril 24,6 70 Maio 22,3 5 Junho 19 2 Julho 20,4 0 Agosto 23 4 Média-total 24,2 1171 Dados médios de chuva e temperatura (média de 6 anos) na Agrop. São Thomé, em Pirapora-MG, a 510 m alt.
  • 83. Produtividade inicial (4 primeiras safras) em cafeeiros de variedades arábica e Robusta-Conillon, em região quente. Pirapora-MG, 2009. Esp. 3,6x0,7 m. VARIEDADES PRODUTIVIDADE ( sacas/ha) 2006 2007 2008 2009 2010 2011 MÉDIA Catuaí V. IAC/144 76 82 18 64 72 68 63 Catucaí Amarelo 3/5 83 68 36 72 80 75 69 Catucaí Amarelo FG 78 91 48 64 80 68 71,5 IBC - Palma 1 82 98 16 80 45 72 65,5 IBC - Palma 2 62 92 18 80 48 78 63 Acauã C. 363 64 95 50 58 108 56 71,8 Topázio 80 80 56 56 97 64 70,5 Conillon – 1 haste 62 85 56 60 82 78 71 Conillon – 3 hastes 74 96 70 74 123 80 86 Catuaí V./144 AD. 156 130 30 95 85 96 98 Palma 2 - adensado 121 145 32 85 80 95 93
  • 84. Produção, nas 6 primeiras safras, em cafeeiros Catuaí e Conillon em 2 pisos altitudinais. Mutum, 240m e Martins Soares, 740m – 2005. Tratamentos Produção (scs/ha) Variedades Locais 2000 2001 2002 2003 2004 2005 Média 6 safras Catuaí Mutum Martins Soares 56,0 84,0 14,0 30,0 50,0 42,0 35,0 16,0 52 56 15 50 37 46 Conillon Mutum Martins Soares 140,0 94,0 88,0 27,0 87,0 120,0 120,0 80,0 72 39 54 54 93 70 Mutum=240m alt M. Soares=740m alt
  • 85. Material genético em estudo Localidades, sistema de manejo – Produtividade em scs/há Média de 4 safras Inhapim 550m alt. , com irrigação Imbé de Minas 580 m alt., com irrigação S. Domingos das Dores 790 m altitude, sem irrigação. Clone 02 117,5 aA 90,3 aB 64,4 aC Clone 03 96,0 aA 80,5 aB 67,4 aB Clone 08 86,4 bA 77,7 aA 61,5 aB Clone 14 78,3 bA 71,6 aA 42,0 bB Clone 120 109,6 aA 81,0 aB 56,0 aC Clone 23 88,7 bA 73,2 aB 64,8 aB Super tardio 67,2 bA 55,6 bA 43,6 bA Seminal 69,5 bA 65,6 bA 38,5 bB Produtividade média, em sacas por ha, em 4 safras em cafeeiros Conilon, de sementes e de diferentes clones, em 3 locais na Zona da Mata de Minas, S.D. das Dores-MG, 2013 Fonte- Carvalho, Matiello, Barros e Barbosa, Anais do 39º CBPC, Fundação Procafé, 2013, p.8.
  • 86. Quadro 1- Precipitações pluviométricas mensais, na média dos anos 2008 a 2011, na região de Brejões-BA Meses Sede Chapadão Setembro 23 21 Outubro 65 79 Novembro 16 23 Dezembro 91 76 Janeiro 69 61 Fevereiro 12 97 Março 63 60 Abril 95 81 Maio 35 48 Junho 64 56 Julho 52 71 Agosto 30 39 Total anual 615 712
  • 87. Colheita e preparo • Colheita mecanizada do Conillon • Despolpamento simplificado • Proteção dos frutos contra fermentações
  • 88. Percentagem de frutos café conilon colhidos pela KTR, derrubados no chão e remanescentes nos cafeeiros, em 2 situações de condução de cafeeiros, Pirapora-MG, 2008. - % de frutos colhidos Tipo de condução da lavoura Pela máquina Derriçados no chão Total derriçado Remanes- centes nos pés 1 haste/pl 51,5 13,0 64,5 35,5 3-4 hastes/pl 36,5 56,5 93,0 7,0
  • 89. Percentagem de frutos de café conilon colhidos pela KTR, derrubados no chão e remanescentes nos cafeeiros, em 2 situações de condução de cafeeiros, Pirapora-MG, 2010. - % de frutos colhidos Tipo de condução da lavoura Pela máquina Derriçados no chão Total derriçado Remanescentes nos pés 1 haste/pl 75,2 13,4 88,6 11,4 3-4 hastes/pl 72,0 25,5 97,5 2,5
  • 90. Tempo médio de secagem, em dias para atingir a umidade de 12%, e bebida em amostras de café em 6 tipos de preparação no pós colheita, Reduto-MG, 2009. TRATAMENTOS TEMPO DE SECA (Dias para atingir a umidade final de 12%) BEBIDA (Numero de Xícaras) Dura Dura fermentada Rio 1- Café da roça, sem lavar/separar 18 6 - 2 2- Idem 1, debulhado no terreiro 16 5 3 3- Café cereja natural 17 5 1 2 4- Café cereja debulhado no terreiro 13 6 2 - 5- Café cereja despolpado 13 8 - - 6- Café bóia debulhado 12 5 - 3
  • 91. Tratamentos Padrões de bebida Presença de fungos sobre os frutos no processo de seca Níveis de okratoxina A (ppb) !- Pulverização com Pyraclostrobina Dura Poucos fungos, frutos ficando com casca marron-clara 0,30 2- Testemunha, sem Pyraclostrobina Rio Muitos fungos, de cor esbranquiçada. Frutos ficando com casca preta 3,94 Bebida do café, presença de fungos e níveis de okratoxina A em grãos , em tratamentos com e sem Comet aplicados sobre os frutos de cafeeiros, Imbé de Minas-MG, 2011
  • 92. CONTATOCONTATO 35 – 3214-1411 (Fundação Procafé)35 – 3214-1411 (Fundação Procafé) jb.matiello@yahoo.com.brjb.matiello@yahoo.com.br