Your SlideShare is downloading. ×
Lisboa quinhentista - Resumo
Lisboa quinhentista - Resumo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Lisboa quinhentista - Resumo

17,592

Published on

Published in: Education, Travel, Business
0 Comments
8 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
17,592
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
442
Comments
0
Likes
8
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. LISBOA QUINHENTISTA 1-O crescimento de Lisboa no século XVI • A cidade cresceu para além da muralha fernandina, em direcção à zona ribeirinha do rio Tejo. • O Terreiro do Paço (junto ao Tejo) era a praça nobre da cidade. Em 1505, D. Manuel I abandonou o Castelo de S. Jorge para residir no novo palácio real, também situado junto ao Tejo: o Paço da Ribeira. 2-O crescimento populacional de Lisboa quinhentista • De 1500 a 1550, Lisboa passou de 50000 para 100000 habitantes. • A cidade atraía população, vinda de outras regiões de Portugal (migrações internas) e de territórios estrangeiros (imigrantes). • Imigrantes: muitos mercadores estrangeiros imigraram para Lisboa para se dedicarem ao comércio. Também vieram para Lisboa milhares de escravos, trazidos por portugueses e estrangeiros. 3-Lisboa: centro do comércio marítimo mundial • O porto de Lisboa tinha um movimento intenso de naus que chegavam e partiam, repletos de mercadorias provenientes de territórios localizados em diversos continentes: África, Ásia e América. • Lisboa era o centro de rotas comerciais que a ligavam ao Mundo: o Rota da Mina o Rota do Cabo (“carreira da Índia”) o Rota do Brasil o Rota da Terra Nova o Rota da Flandres
  • 2. 4-Comércio marítimo: monopólio do rei • Todo o comércio dos produtos vindos do império português era controlado pelo rei. Os lucros deste comércio pertenciam ao rei. • Para controlar e administrar o comércio do Oriente e da Índia, foi construída, junto ao porto de Lisboa, a Casa da Índia. 5-Os contrastes da vida quotidiana • Aumentaram os contrastes entre os ricos (burgueses e nobres) e os pobres (desempregados e mendigos). • Rua Nova dos Mercadores: Era a maior e mais movimentada rua de Lisboa. Localizava-se junto ao porto e era frequentada pelos burgueses mais ricos (comerciantes e banqueiros), que viviam com grande luxo e abundância. • Ribeira das Naus: Situava-se junto ao Terreiro do Paço. Era onde funcionava o principal estaleiro naval, dava emprego a centenas de artesãos, que se dedicavam, principalmente, a actividades relacionadas com a reparação e construção de naus. • Nem todos os habitantes de Lisboa tinham a sorte de ter um emprego. A entrada em Portugal de muitos escravos fez com que aumentasse o número de desempregados e o número de pessoas que viviam na miséria. 6-O luxo na corte de D. Manuel I • O reinado de D. Manuel decorreu no período em que os produtos de África, da Índia e do Oriente trouxeram grande riqueza para a sua corte. • D. Manuel gostava de dar grandes festas e banquetes. O rei e seus convidados vestiam ricamente: tecidos caros (veludos e sedas), muitos adornos de ouro e pedras preciosas. • Quando se deslocava nas ruas de Lisboa, o rei fazia questão de exibir toda a sua riqueza, chegando a ser acompanhado de animais exóticos, vindos de outros continentes: um rinoceronte, elefantes, um onça domesticada, um cavalo persa. Fazia-se acompanhar, também, de escravos de várias raças e de músicos. • D. Manuel I protegeu e apoiou as artes e os artistas. Na sua corte eram frequentes as sessões de poesia e os espectáculos de teatro e música. Gil Vicente foi um escritor de peças de teatro (dramaturgo) que beneficiou do apoio do rei. Prof. Carlos Baptista

×