Your SlideShare is downloading. ×
A revolução de 1383 1385-a resistência
A revolução de 1383 1385-a resistência
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A revolução de 1383 1385-a resistência

3,937

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,937
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
35
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Agrupamento de Escolas “Fernando Pessoa” Santa Maria da Feira Direcção Regional de Educação do Norte HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL A REVOLUÇÃO DE 1383-1385 A Resistência à Invasão CastelhanaEm 1384, na sequência da revolta popular de Lisboa, o rei deCastela invadiu Portugal.O Cerco de Lisboa (1384) Entre Maio e Setembro de 1384, Lisboa esteve cercada pelas tropas castelhanas. A população de Lisboa, comandada pelo Mestre de Avis, resistiu, apesar das grandes dificuldades. Devido à peste, que atingiu os soldados castelhanos, o exército do rei de Castela foi obrigado a retirar-se e a abandonar Portugal.A Batalha de Atoleiros (Abril de 1384) Enquanto Lisboa era cercada, outro exército castelhano invadiu Portugal pela fronteira do Alentejo. Sob o comando de D. Nuno Álvares Pereira, as tropas portuguesas enfrentaram o exército de Castela em Atoleiros e derrotaram-no.Em Abril de 1385, reuniram-se Cortes em Coimbra para se escolhero novo rei de Portugal. Professor Carlos Baptista
  • 2. As Cortes de Coimbra (1385) Os representantes dos três grupos sociais deveriam escolher, entre os vários candidatos ao trono, aquele que iria suceder a D. Fernando. Entre todos os presentes, destacou-se o doutor João das Regras, que apresentou várias razões para defender que o Mestre de Avis era o pretendente mais qualificado para ser o novo rei de Portugal: tinha sido corajoso na defesa do reino contra Castela e era filho de rei (D. Pedro I). Após longa discussão, foi tomada a decisão de aclamar o Mestre de Avis rei de Portugal. Com esta aclamação, D. João I inicia uma nova dinastia, a de Avis. Professor Carlos Baptista

×