Jerome Bruner

25,899 views
25,452 views

Published on

Seminário de Psicologia Cognitiva: Jerome Bruner

Published in: Education
2 Comments
11 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
25,899
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
751
Comments
2
Likes
11
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Jerome Bruner

  1. 1. A teoria de ensino de Bruner Paula Andréa Prata Ferreira Maria Clara 1º/2011
  2. 2. Introdução <ul><li>Jerome Bruner nasceu em New York, em 1915 e obteve o título de Doutor em psicologia em Harvard em 1941. </li></ul><ul><li>Dentro das principais vertentes do aprendizado e da psicologia do desenvolvimento, Bruner, é um dos principais representantes da  &quot;Teoria Cognitiva&quot; .  </li></ul><ul><li>A psicologia cognitiva tem ênfase nos processos de aquisição do conhecimento. </li></ul><ul><li>Atualmente professor pesquisador sênior da Universidade de Nova York. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Algumas publicações: </li></ul><ul><li>Mandate from the people ( 1944) ; </li></ul><ul><li>A study of thinking ( 1956 ); </li></ul><ul><li>The process of education ( 1960 ); </li></ul><ul><li>On knowing. Essays for the left hand ( 1962 ); </li></ul><ul><li>Toward a theory of instruction ( 1966 ); </li></ul><ul><li>Studies in cognitive growth ( 1966 ); </li></ul><ul><li>Processes of cognitive growth ( 1968 ); </li></ul><ul><li>Infancy ( 1968 ); </li></ul><ul><li>The relevance of education ( 1971 ); </li></ul><ul><li>First phases of the cognitive growth ( 1974 ); </li></ul><ul><li>Child's talk: learning to use language ( 1983 ); </li></ul><ul><li>Actual minds, possible worlds ( 1986 ); </li></ul><ul><li>Acts of meaning ( 1990 ); </li></ul><ul><li>The culture of education ( 1996 ); </li></ul><ul><li>Making stories: law, literature, life ( 2002 ). </li></ul>Introdução 1969 1990 Atos de significação (1990): Um estudo critico das conseqüências da Revolução Cognitiva , destacando o papel da cultura, como principal fator formador da mente
  4. 4. Introdução <ul><li>“ É possível ensinar qualquer assunto, de uma maneira honesta, a qualquer criança em qualquer estágio de desenvolvimento.” (MOREIRA, 1999 apud BRUNER, 1969, 1973, 1976) </li></ul>
  5. 6. Introdução <ul><li>Isso não quer dizer que qualquer assunto poderia ser ensinado como forma final. </li></ul><ul><li>Isso quer dizer que seria sempre possível ensiná-lo, desde que fosse respeitado as diferentes etapas do desenvolvimento intelectual . </li></ul>
  6. 7. Introdução <ul><li>Mas, que etapas são essas? </li></ul><ul><li>São etapas caracterizadas por um modo peculiar de representação. </li></ul><ul><li>E como seriam essas representações? </li></ul><ul><li>As representações seriam o modo como cada indivíduo visualiza o mundo e o explica-o para si mesmo. </li></ul>
  7. 8. Introdução <ul><li>Ou seja, “a tarefa de ensinar uma criança em qualquer idade é de representar a estrutura deste conteúdo em termos da visualização que a criança tem das coisas” (id. ib., p. 82). </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Assim, dentro desta visão, o que seria relevante em uma matéria de ensino para Bruner? </li></ul>Introdução
  9. 10. Introdução
  10. 11. <ul><li>Vemos aí a principal idéia de Bruner do que ensinar . </li></ul><ul><li>Porém, é importante ressaltar que suas ideias sofreram evolução, tendo o papel da estrutura perdido ênfase. </li></ul>Introdução
  11. 12. <ul><li>Mas e quanto à questão de como ensinar? </li></ul><ul><li>Que visão Bruner tinha sobre isso? </li></ul>Introdução
  12. 13. Introdução Processo de descoberta: a aprendizagem deve ser considerada significante e relevante, onde o ambiente de aprendizagem proporcione alternativas para a descoberta , de forma que o aprendiz sinta-se como um cientista em laboratório .
  13. 14. Introdução Currículo em espiral : o aprendiz deve ter a oportunidade de ver o mesmo tópico mais de uma vez com diferentes níveis de profundidade e com diferentes formas de representação .
  14. 15. Desenvolvimento intelectual
  15. 16. <ul><li>Segundo Bruner: </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>“ Ensinar é , em síntese, um esforço para moldar o desenvolvimento ”. </li></ul><ul><li>“ Uma teoria de ensino versa , com efeito, sobre as várias maneiras de auxiliar o desenvolvimento ” (MOREIRA, 1999, p. 82 apud BRUNER, 1969, p.15). </li></ul>Desenvolvimento intelectual
  16. 17. Desenvolvimento intelectual
  17. 18. <ul><li>Para Bruner o indivíduo ao se desenvolver deve, necessariamente, adquirir meios de REPRESENTAR o que acontece ao seu redor, sendo capaz de conservar em um modelo a experiência decorrente da estimulação do meio, como também de recuperar a informação desse mesmo modelo . </li></ul>Desenvolvimento intelectual
  18. 19. <ul><li>De forma semelhante à teoria dos períodos de desenvolvimento de Piaget ( pré-operacional, operacional concreto, operacional formal ), Bruner postulou 3 modos de representação do mundo pelos quais o indivíduo passa. </li></ul>Desenvolvimento intelectual
  19. 20. Desenvolvimento intelectual
  20. 21. Desenvolvimento intelectual
  21. 22. <ul><li>Representação ATIVA </li></ul><ul><li>Estágio pré-operacional; </li></ul><ul><li>operações de ensaio e erro; </li></ul><ul><li>a criança não tem aptidão de usar a reversibilidade, isto é, a operação inversa; </li></ul><ul><li>aprendizagem de respostas e formação de hábitos e </li></ul><ul><li>a criança resolve seus problemas pela ação pura e simples. </li></ul>Desenvolvimento intelectual
  22. 23. <ul><li>Representação ICÔNICA </li></ul><ul><li>Estágio operacional; </li></ul><ul><li>manipulação direta de objetos, ou interna, quando a criança manipula mentalmente símbolos que representam coisas e relações; </li></ul><ul><li>a criança organiza na mente os dados de forma seletiva; </li></ul><ul><li>a ação é interiorizada (pois a criança não precisa resolver um problema por ensaio e erro) e reversível e </li></ul><ul><li>a criança é capaz de estruturar a realidade imediatamente presente, não tendo ainda as todas as habilidades para tratar de possibilidades novas. </li></ul>Desenvolvimento intelectual
  23. 24. <ul><li>Representação SIMBÓLICA: </li></ul><ul><li>Estágio das operações formais; </li></ul><ul><li>Operações lógicas; </li></ul><ul><li>“ Nesse ponto, a atividade intelectual da criança parece basear-se antes numa capacidade para operar com proposições hipotéticas, do que em permanecer restrita ao que já experimentou, ou ao que tem diante de si. A criança pode, então, pensar a respeito de possíveis e, até mesmo, deduzir relações potenciais que, mais tarde, podem ser verificadas pelo experimento ou pela observação.” (MOREIRA, 1999, p. 84 apud BRUNER, 1973, p.35). </li></ul>Desenvolvimento intelectual
  24. 25. Desenvolvimento intelectual
  25. 26. Características de uma teoria de ensino <ul><li>Para Bruner teorias psicológicas de aprendizagem e desenvolvimento não devem ser somente descritivas , mas também prescritiva . </li></ul>
  26. 27. Características de uma teoria de ensino Estabelecer regras quanto à melhor maneira de obter conhecimentos e técnicas
  27. 28. Características de uma teoria de ensino
  28. 29. <ul><li>O desenvolvimento intelectual baseia-se numa interação sistemática e contingente, entre um professor e um aluno, na qual o professor, amplamente equipado com técnicas anteriormente inventadas, ensina a criança.” (MOREIRA, 1999, p. 90 apud BRUNER, 1969, p.20). </li></ul>A instrução e o papel do professor
  29. 30. Conclusão <ul><li>Tudo o que “entra” na consciência é o que foi “acordado” interpessoalmente; </li></ul><ul><li>Somente aquilo a que a criança pode assegurar “concordância compartilhada” torna-se parte de sua representação do mundo. </li></ul>
  30. 31. Referências bibliográficas <ul><li>MOREIRA, Marco Antônio. Teorias de Aprendizagem . 1. ed. São Paulo: EPU, 1999. 195 p. </li></ul><ul><li>NYU Department of Psychology. Jerome Bruner . 2010. Disponível em: < http://www.psych.nyu.edu/bruner/ >. Acesso em: 8 mar 2011. </li></ul><ul><li>Nova Escola. Howard Gardner, o cientista das inteligências múltiplas. Disponível em: < http://revistaescola.abril.com.br/historia/pratica-pedagogica/cientista-inteligencias-multiplas-423312.shtml?page=3 >. Acesso em: 6 mar 2011. </li></ul>

×