Your SlideShare is downloading. ×
Nevo De Sutton
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Nevo De Sutton

4,712
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
4,712
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. NEVO DE SUTTON-RELATO DE CASO E REVISÃO DE LITERATURA Godoi, Lília Tomaz1 ; Jesus, Bruna Pimentel 1 ; Pimenta, Ivy de Toledo Ribeiro1 ; Toti, Vanessa Junqueira1 ; Alquati, Ellene Papazis1 ; Reis, Gleice Rodrigues1 ;Bezerra, Maria Olívia Lima2 . INTRODUÇÃO O nevo de Sutton ou nevo halo ou vitiligo peri-névico ou leucoderma centrífugo adquirido é um halo despigmentado em redor do nevo melanocítico. Geralmente são múltiplos, em vários estágios evolutivos, com distribuição aleatória. Surge geralmente em adolescentes. Pode associar-se ao vitiligo ou ser a primeira manifestação deste. O nevo resulta de uma reação imunológica, pela formação de anticorpos antimelanócitos que destroem os melanócitos névicos e os melanócitos da pele ao redor. DISCUSSÃO Segundo o quadro clínico e resultado histopatológico, foi diagnosticado nevo de Sutton de acordo com o aspecto, disposição e multiplicidade das lesões. A reação tipo halo nevo é caracterizada clinicamente pelo surgimento de mácula acrômica em torno de lesão melanocítica tumoral, assemelhando-se a uma mancha de vitiligo. Do ponto de vista histopatológico, essa reação é formada por infiltrado mononuclear ao redor de células névicas, as quais vão sendo progressivamente destruídas. Já o vitiligo, no início, há manchas hipocrômicas, acrômicas, marfínicas, de limites nítidos, geralmente com bordas hiperpigmentadas, com forma e extensão variáveis não pruriginosas. Há tendência à distribuição simétrica e predileção por áreas como, maleolares, punhos, face ântero-lateral das pernas, dorso das mãos, dedos, axilas, pescoço e genitália. O vitiligo ao contrário do nevo de Sutton é de maior ocorrência em meia-idade, a evolução é indefinida e necessita de tratamento. Estudos evidenciaram a presença de anticorpos contra componentes citoplasmáticos de células de melanoma em pacientes com halo nevo em involução. Eles concluíram que anticorpos circulantes contribuem para a ocorrência do halo nevo e que tal fato sugere que a reação vitiligóide possa significar uma rejeição do organismo a um melanoma inicial que esteja se desenvolvendo sobre uma lesão névica. Doentes com vitiligo e nevo halo apresentaram anticorpos antimelanócitos detectados pela imunofluorescência. O melhor substrato constituiu-se de células de melanoma cultivadas. Não houve diferenças significativas nas comparações entre vitiligo e nevo halo. OBJETIVOS O objetivo deste trabalho consiste em relatar um caso de nevo de Sutton, estabelecer o diagnóstico diferencial com o vitiligo e fazer revisão da literatura. CONCLUSÃO Conclui-se que os nevos melanocíticos são de ocorrência comum, o nevo de Sutton possui freqüência relativamente comum, e não necessariamente se relaciona ao vitiligo. Todavia, sua presença está cercada de certo receio na população pelo fato de ser considerado vitiligo. O nevo de Sutton é uma lesão benigna e há relatos de que pelo menos 50% dos halos nevos desaparecem espontaneamente, logo não necessita de tratamento. Com a destruição dos melanócitos o halo acrômico irá gradualmente desaparecer. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1.AZULAY, RD, AZULAY, DR. Dermatologia, Guanabara Koogan, 4ª ed., 2006. 2.CAMPOS MGSC. Nevo halo e melanoma em regressão - uma avaliação da imunorreatividade com os marcadores HMB-45, Melan A e tirosinase. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: Rio de Janeiro, 2000. 3.COPEMAN PWM, ELLIOT PG. Melanoma cytoplasmic humoral antibody test. Br J Dermatol l976:94:565. 4.DU VIVIER, A, MCKEE, PH. Atlas of Clinical Dermatology, Gower Medical Publishing, 3rd ed., 2004. 5.FITIZPATRICK, TB, BERNHARD,JD. “The structure of skin lesions and fundamental of diagnosis.” In: FITZPATRICK, TB, EISEN, AZ, WOLFF, K, et al (Eds), Dermatology in General Medicine, 3rd ed., Mc Graw-Hill. 6. FRANK SB, COHEN HJ. The halo nevus. Arch Dermatol l964; 89:367. 7.SAMPAIO, SAP, RIVITTI, EA. Dermatologia, Artes Médicas 2ª ed., 2001. MATERIAIS E MÉTODOS Para tanto, utilizou-se a história clínica do paciente que constava em seu prontuário, cujos dados foram obtidos no ambulatório de dermatologia. De acordo com as normas éticas o paciente assinou um termo de consentimento. RELATO DE CASO FMR, masculino, leucodérmico, 28 anos, universitário, residente em Vassouras - RJ. Ao exame clínico, constataram-se lesões múltiplas, em vários estágios. Em uma mancha foi observado halo acrômico com nevo melanocítico, em outra, halo acrômico com regressão parcial do nevo, e ainda outras, de área acrômica com o nevo totalmente desaparecido. Há história familiar positiva (irmã) de nevo de Sutton. 1- Discentes do Curso de Medicina-USS 2- Docente do Curso de Medicina-USS VI ENIC - USS Seta única: nevo melanocítico com halo acrômico. Seta dupla: área acrômica com nevo totalmente desaparecido. Legenda:

×