• Like
  • Save

Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
4,558
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. NEVO DE SUTTON-RELATO DE CASO E REVISÃO DE LITERATURA   Godoi, Lília Tomaz 1 ; Jesus, Bruna Pimentel 1 ; Pimenta, Ivy de Toledo Ribeiro 1 ; Toti, Vanessa Junqueira 1 ; Alquati, Ellene Papazis 1 ; Reis, Gleice Rodrigues 1 ;Bezerra, Maria Olívia Lima 2 . INTRODUÇÃO O nevo de Sutton ou nevo halo ou vitiligo peri-névico ou leucoderma centrífugo adquirido é um halo despigmentado em redor do nevo melanocítico. Geralmente são múltiplos, em vários estágios evolutivos, com distribuição aleatória. Surge geralmente em adolescentes. Pode associar-se ao vitiligo ou ser a primeira manifestação deste. O nevo resulta de uma reação imunológica, pela formação de anticorpos antimelanócitos que destroem os melanócitos névicos e os melanócitos da pele ao redor. DISCUSSÃO Segundo o quadro clínico e resultado histopatológico, foi diagnosticado nevo de Sutton de acordo com o aspecto, disposição e multiplicidade das lesões. A reação tipo halo nevo é caracterizada clinicamente pelo surgimento de mácula acrômica em torno de lesão melanocítica tumoral, assemelhando-se a uma mancha de vitiligo. Do ponto de vista histopatológico, essa reação é formada por infiltrado mononuclear ao redor de células névicas, as quais vão sendo progressivamente destruídas. Já o vitiligo, no início, há manchas hipocrômicas, acrômicas, marfínicas, de limites nítidos, geralmente com bordas hiperpigmentadas, com forma e extensão variáveis não pruriginosas. Há tendência à distribuição simétrica e predileção por áreas como, maleolares, punhos, face ântero-lateral das pernas, dorso das mãos, dedos, axilas, pescoço e genitália. O vitiligo ao contrário do nevo de Sutton é de maior ocorrência em meia-idade, a evolução é indefinida e necessita de tratamento. Estudos evidenciaram a presença de anticorpos contra componentes citoplasmáticos de células de melanoma em pacientes com halo nevo em involução. Eles concluíram que anticorpos circulantes contribuem para a ocorrência do halo nevo e que tal fato sugere que a reação vitiligóide possa significar uma rejeição do organismo a um melanoma inicial que esteja se desenvolvendo sobre uma lesão névica. Doentes com vitiligo e nevo halo apresentaram anticorpos antimelanócitos detectados pela imunofluorescência. O melhor substrato constituiu-se de células de melanoma cultivadas. Não houve diferenças significativas nas comparações entre vitiligo e nevo halo. OBJETIVOS O objetivo deste trabalho consiste em relatar um caso de nevo de Sutton, estabelecer o diagnóstico diferencial com o vitiligo e fazer revisão da literatura. CONCLUSÃO Conclui-se que os nevos melanocíticos são de ocorrência comum, o nevo de Sutton possui freqüência relativamente comum, e não necessariamente se relaciona ao vitiligo. Todavia, sua presença está cercada de certo receio na população pelo fato de ser considerado vitiligo. O nevo de Sutton é uma lesão benigna e há relatos de que pelo menos 50% dos halos nevos desaparecem espontaneamente, logo não necessita de tratamento. Com a destruição dos melanócitos o halo acrômico irá gradualmente desaparecer. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1.AZULAY, RD, AZULAY, DR. Dermatologia, Guanabara Koogan, 4ª ed., 2006. 2.CAMPOS MGSC. Nevo halo e melanoma em regressão - uma avaliação da imunorreatividade com os marcadores HMB-45, Melan A e tirosinase. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: Rio de Janeiro, 2000. 3.COPEMAN PWM, ELLIOT PG. Melanoma cytoplasmic humoral antibody test. Br J Dermatol l976:94:565. 4.DU VIVIER, A, MCKEE, PH. Atlas of Clinical Dermatology, Gower Medical Publishing, 3rd ed., 2004. 5.FITIZPATRICK, TB, BERNHARD,JD. “The structure of skin lesions and fundamental of diagnosis.” In: FITZPATRICK, TB, EISEN, AZ, WOLFF, K, et al (Eds), Dermatology in General Medicine, 3rd ed., Mc Graw-Hill. 6. FRANK SB, COHEN HJ. The halo nevus. Arch Dermatol l964; 89:367. 7.SAMPAIO, SAP, RIVITTI, EA. Dermatologia, Artes Médicas 2ª ed., 2001. MATERIAIS E MÉTODOS Para tanto, utilizou-se a história clínica do paciente que constava em seu prontuário, cujos dados foram obtidos no ambulatório de dermatologia. De acordo com as normas éticas o paciente assinou um termo de consentimento. RELATO DE CASO FMR, masculino, leucodérmico, 28 anos, universitário, residente em Vassouras - RJ. Ao exame clínico, constataram-se lesões múltiplas, em vários estágios. Em uma mancha foi observado halo acrômico com nevo melanocítico, em outra, halo acrômico com regressão parcial do nevo, e ainda outras, de área acrômica com o nevo totalmente desaparecido. Há história familiar positiva (irmã) de nevo de Sutton. 1- Discentes do Curso de Medicina-USS 2- Docente do Curso de Medicina-USS VI ENIC - USS Seta única: nevo melanocítico com halo acrômico. Seta dupla: área acrômica com nevo totalmente desaparecido. Legenda: