Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Tutorial JSP parte 1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Tutorial JSP parte 1

  • 3,351 views
Published

Primeira parte do tutorial de JSP

Primeira parte do tutorial de JSP

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
3,351
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
85
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Prof. Bruno Strik brunostrik@gmail.comLondrina - PR brunostrik.blogspot.comJava Server PagesTutorial Básico – Parte 1
  • 2. Prof. Bruno Strik brunostrik@gmail.comLondrina - PR brunostrik.blogspot.comIntroduçãoOs servlets são muito eficientes, mas sua programação é lenta e difícil, e por se tratar decódigo Java, a maioria dos designers não consegue interpretar.Quando o JSP foi desenvolvido, a Sun Microsystems (Agora Oracle) reuniu váriosprogramadores, designers, especialistas em redes, padrões de projeto e focou na criação dealgo que seria rápido, funcional, seguindo os padrões da web, e entendido por designers comum básico conhecimento de programação e também por programadores especialistas. Nestaidéia nasceu o JSP, uma linguagem robusta e eficiente, com o propósito de substituir osservlets.Este tutorial é para quem já conhece programação java e servlets. Se você ainda não osconhece procure um tutorial em brunostrik.blogspot.com (DNS em 01-2010).
  • 3. Prof. Bruno Strik brunostrik@gmail.comLondrina - PR brunostrik.blogspot.comDireitos AutoraisEste material é de livre distribuição, para uso não comercial, desde que citada a fonte.Este material foi criado por mim com inspiração nos materiais do fórum JavaFree(www.javafree.com.br), fórum Grupo de Usuários Java – GUJ (www.guj.com.br), e nosmateriais do Prof. Msc. Fernando Accorsi (twitter.com/FernandoAccorsi). Não foram copiadasinformações, apenas foram utilizadas como referência de guia de estudo.
  • 4. Prof. Bruno Strik brunostrik@gmail.comLondrina - PR brunostrik.blogspot.comAparência do JSPO JSP pode ser escrito junto ao código HTML da página, e quando executado, só é visível aousuário o que lhe interessa, seus códigos estão protegidos.Página JSP quando programada:Página JSP quando exibida pelo browser:
  • 5. Prof. Bruno Strik brunostrik@gmail.comLondrina - PR brunostrik.blogspot.comFuncionamento do JSPO JSP é uma linguagem web dinâmica, como PHP e ASP. Para executá-la, precisamos de umservidor, como por exemplo, o Apache Tomcat (você pode baixá-lo em tomcat.apache.org).Na prática, o JSP quando compilado é transformado primeiro em Servlet e então o servidordisponibiliza esse servlet gerado automaticamente.Para programá-lo você pode usar até mesmo o Edit do MS-DOS o ainda o NANO do Unix/Linux,mas como o objetivo do tutorial é ser produtovo e de acordo com a lógica de mercado,recomendamos uma IDE como o Netbeans ou Eclipse (www.netbeans.org ouwww.eclipse.org).
  • 6. Prof. Bruno Strik brunostrik@gmail.comLondrina - PR brunostrik.blogspot.comSintaxe Básica: Scriplets <% %>Como nos exemplos anteriores, você pode notar que o que separa a programação Java deverdade do HTML de sua página é o scriplet <% no início e %> no fim. Eles são delimitadores daprogramação. Resumindo, tudo o que você escrever entre os scriplets, vai ser interpretadocomo java, processado pelo servidor e no final sairá código HTML, assim como no exemploinicial.É possível também usar mais de um scriplet por página, e por fazer parte da mesma página,uma variável declarada em um scriplet pode ser lida no scriplet seguinte.
  • 7. Prof. Bruno Strik brunostrik@gmail.comLondrina - PR brunostrik.blogspot.comTag de Expressão <%= %>Quando programamos servlets, devemos criar um objeto do tipo PrintWriter para escrever ocódigo HTML que queremos. No caso do JSP, quando estamos dentro do código HTML equeremos de modo rápido, através da programação JAVA mostrar alguma coisa podemos usara tag de expressão.A tag ‘<%=’ serve para exibir algo manipulado no java, no caso do exemplo, uma String escritadiretamente, uma String declarada em negrito e um valor int.
  • 8. Prof. Bruno Strik brunostrik@gmail.comLondrina - PR brunostrik.blogspot.comTag de declaração <%! %>Assim como para mostrar um texto na tela, o JSP dispões de uma tag rápida para criar umavariável ou criar um método.No exemplo observamos a declaração de uma variável int, a criação de um metodo e aexibição do retorno do método, dado o número como entrada.
  • 9. Prof. Bruno Strik brunostrik@gmail.comLondrina - PR brunostrik.blogspot.comComentários em JSPNuma página JSP você tem várias opções de comentário, cada uma com uma função diferente: 1. O comentário HTML normal, inserido em meio ao HTML da página; 2. O comentário JAVA usando // ou usando /* */ 3. O comentário JSP usando <%-- --%>  O comentário HTML é visível pelo usuário caso ele use a opção “exibir código-fonte” do browser.  O comentário Java é copiado para o Servlet gerado pelo JSP, mas o usuário não pode vê-lo pela opção “exibir código-fonte”.  O comentário JSP não é copiado para o Servlet e o usuário não pode vê-lo no código fonte da página.
  • 10. Prof. Bruno Strik brunostrik@gmail.comLondrina - PR brunostrik.blogspot.comDiretivas de JSPDiretivas são marcações com o propósito de informar ao contêiner JSP sobre as característicastécnicas do próprio JSP, instruindo como será construído o Servlet gerado.No exemplo acima encontramos as seguintes diretivas:  Diretiva page: Define as propriedades específicas da página. A diretiva page possui muitos atributos, ao todo são treze diferentes.  Diretiva include: Define que códigos de outro documento serão incluídos ao documento atual. No caso, usei URL relativa (sem usar C:Users...cabecalho.html), pois o arquivo cabecalho.html que será incluído está na mesma pasta do arquivo atual. Você pode incluir outros arquivos além de HTML, como por exemplo outro JSP.