Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this document? Why not share!

Interpretações 2010

on

  • 1,320 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,320
Views on SlideShare
1,317
Embed Views
3

Actions

Likes
1
Downloads
36
Comments
0

1 Embed 3

http://www.arbitragembasquete.blogspot.com 3

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Interpretações 2010 Interpretações 2010 Document Transcript

  • REGRAS OFICIAIS DE BASQUETEBOL 2010 Interpretações Oficiais Aprovado pelo Comitê Central da FIBA San Juan, Porto Rico, 17 de abril de 2010 Válido a partir de 1º de Outubro de 2010 DEPACBB-Departamento de arbitragem CBB VERSÃO OFICIAL EM PORTUGUES TRADUZIDA E REVISADA COORDENADOR GERAL DE ARBITRAGEM Prof. Marcelo Gomes de Ávila SUPERVISOR GERAL DE ARBITRAGEM Professor Jose Augusto Piovesan E COLABORADORES
  • Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 1 de 33 As interpretações que constam neste documento são as Interpretações Oficiais FIBA das Regras Oficiais de Basquetebol 2010 e entrarão em vigor a partir de 1° de outubro de 2010. Quando as interpretações deste documento difiram de outras interpretações FIBA anteriores, este documento terá prioridade. As Regras Oficiais de Basquetebol FIBA são aprovadas pelo Comitê Central da FIBA e são revisadas periodicamente pela Comissão Técnica da FIBA. As regras são mantidas tão claras e compreensíveis quanto possível, contudo elas expressam princípios ao invés de situações de jogo. Elas não conseguem, portanto, cobrir a ampla variedade de casos específicos que podem ocorrer durante uma partida de basquetebol. O objetivo deste documento é converter os princípios e conceitos do livro de regras em situações práticas e específicas da maneira em que ocorrem em uma partida de basquetebol. As interpretações das diversas situações podem estimular a mente dos árbitros e irão complementar um estudo inicial detalhado das regras em si. As Regras Oficiais de Basquetebol FIBA continuarão sendo o principal documento que rege o Basquetebol FIBA. Não obstante, o árbitro principal tem o total poder e autoridade para tomar decisões sobre qualquer ponto que não esteja coberto expressamente no livro de regras ou nas seguintes Interpretações Oficiais FIBA. ART. 5 JOGADORES – CONTUSÃO Determinação 1 Se um jogador está lesionado ou parece estar lesionado e, como conseqüência disso, o técnico, assistente técnico, substituto ou qualquer outro pessoal do banco da mesma equipe entra na quadra de jogo, considera-se que aquele jogador recebeu tratamento, seja administrado ou não o tratamento realmente. Exemplo: A4 parece ter lesionado um tornozelo e a partida é interrompida. (a) O médico da equipe A entra na quadra de jogo e trata o tornozelo lesionado de A4. (b) O médico da equipe A entra na quadra de jogo, mas A4 já se recuperou. (c) O treinador da equipe A entra na quadra de jogo para avaliar a lesão de A4. (d) O Assistente técnico de A, substituto de A ou acompanhante de equipe de A entra na quadra de jogo mas não tratam de A4 Interpretação: Em (a), (b), (c) and (d) A4 é considerado como tendo recebido tratamento e será substituído. Determinação 2 Não há limite de tempo para a remoção de um jogador seriamente lesionado da quadra de jogo se de acordo com o médico a remoção é perigosa para o jogador. Exemplo: A4 está lesionado seriamente e a partida é interrompida por cerca de quinze (15) minutos porque o médico estima que a remoção pode ser perigosa para o jogador. Interpretação: A opinião do médico determinará o tempo apropriado para a remoção do jogador lesionado da quadra de jogo. Depois da substituição o jogo será reiniciado sem nenhuma sanção. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 2 de 33 Determinação 3 Se um jogador está lesionado ou está sangrando, ou tem uma ferida aberta e não pode continuar jogando imediatamente (dentro de aproximadamente quinze (15) segundos), ele tem de ser substituído. Se um tempo debitado é concedido a qualquer equipe no mesmo período de cronômetro parado e este jogador se recupera durante o debitado, ele pode continuar jogando somente se o sinal do apontador para o tempo debitado tiver soado antes que um oficial tenha acenado para um substituto tornar-se um jogador.
  • Exemplo: A4 está lesionado e a partida é interrompida. Como A4 não é capaz de continuar jogando imediatamente, um oficial apita fazendo o sinal convencional para substituição. O técnico A (ou Técnico B) solicita um tempo debitado: (a) Antes que um substituto para A4 tenha entrado no jogo. (b) Depois que um substituto para A4 tenha entrado no jogo. Ao terminar o tempo debitado, A4 parece ter se recuperado e solicita continuar no jogo. Interpretação: (a) O tempo debitado é concedido e se A4 se recupera durante ele, A4 pode continuar jogando. (b) O tempo debitado é concedido, mas um substituto para A4 já entrou na partida. Portanto, A4 não pode voltar a jogar até que uma fase de jogo com o cronômetro em funcionamento tenha ocorrido. ART. 7 TÉCNICOS: DEVERES E PODERES Determinação 1 Pelo menos vinte (20) minutos antes da hora programada para o início da partida, cada técnico ou seu representante dará ao apontador uma lista com os nomes e números correspondentes dos membros da equipe com direito a jogar na partida bem como o nome do capitão da equipe, do técnico e do assistente técnico. O técnico é pessoalmente responsável que os números na lista correspondam aos números nas camisetas dos jogadores. Pelo menos dez (10) minutos antes da hora marcada para o início da partida, o técnico confirmará sua aprovação com os nomes e números correspondentes aos membros da sua equipe e com os nomes do técnico, assistente técnico e capitão assinando a súmula do jogo. Exemplo: A equipe A apresenta, em seu devido tempo, a lista da equipe ao apontador. Os números de dois (2) jogadores não são os mesmos que os números que aparecem nas suas camisetas, ou o nome de um jogador é omitido na súmula. Isto é descoberto: (a) Antes do início da partida. (b) Depois do início da partida. Interpretação: (a) Os números errados são corrigidos ou o nome do jogador é adicionado na súmula sem nenhuma sanção. (b) O árbitro interrompe a partida em um momento conveniente de modo que não ponha em desvantagem nenhuma das equipes. Os números errados são corrigidos sem nenhuma sanção. Porém, o nome do jogador não pode ser adicionado na súmula. Determinação 2 Pelo menos (10) minutos antes que o jogo está programado para começar cada técnico indicará os cinco (5) jogadores que começarão a partida. Antes do jogo começar o apontador conferirá se existe algum erro referente a estes cinco (5) jogadores e, se existir, ele avisará ao oficial mais próximo tão logo quanto possível. Se isto for descoberto antes do início do jogo, os cinco (5) jogadores iniciais serão corrigidos. Se isto for descoberto após o início do jogo, isto será desprezado. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 3 de 33 Exemplo: É descoberto que um (1) dos jogadores na quadra de jogo não é um (1) dos cinco (5) jogadores iniciais confirmados. Isto acontece: (a) Antes do início do jogo. (b) Após o início do jogo. View slide
  • Interpretação: (a) O jogador será substituído sem nenhuma sanção por um (1) dos cinco (5) jogadores que iriam iniciar o jogo. (b) O erro será ignorado e a partida continuará. ART. 9 INÍCIO E FINAL DE UM PERÍODO Determinação 1 Uma partida não começará a menos que cada equipe tenha um mínimo de cinco (5) jogadores com direito a jogar na quadra de jogo e prontos para jogar. Se na hora do início da partida há menos de cinco (5) jogadores, os árbitros têm de ser flexíveis diante de qualquer circunstância inesperada que possa explicar o atraso. Se uma explicação razoável for dada, não se aplicará uma falta técnica. Porém se não é dada nenhuma explicação, pode resultar em uma falta técnica e/ou a perda da partida por desistência até a chegada dos demais jogadores. Exemplo: Quando a partida está programada para começar, a equipe A tem menos de cinco (5) jogadores na quadra de jogo e prontos para jogar. (a) O representante da equipe A é capaz de dar uma explicação aceitável e razoável pela chegada tardia dos jogadores da equipe A (b) O representante da equipe A não é capaz de dar uma explicação aceitável e razoável pela chegada tardia dos jogadores da equipe A Interpretação: (a) O início da partida será atrasado no máximo por quinze (15) minutos. Se os jogadores que faltam chegarem à quadra de jogo prontos para jogar antes que tenham se passado quinze (15) minutos, a partida começará. Se os jogadores que faltam não chegarem à quadra de jogo prontos para jogar antes que quinze (15) minutos tenham se passado, a partida pode ser ganha por desistência pela equipe B e o placar registrado como 20 x 0. (b) O início da partida será atrasado no máximo por quinze (15) minutos. Se os jogadores que faltam chegarem à quadra de jogo prontos para jogar antes que tenham se passado quinze (15) minutos, uma falta técnica pode ser sancionada contra o técnico A, registrada como “B”, em seguida a partida começará. Se os jogadores que faltam não chegarem à quadra de jogo prontos para jogar antes que quinze (15) minutos tenham se passado, então a partida pode ser ganha por desistência pela equipe B e o placar registrado como 20 x 0. Em todos os casos o árbitro relatará o fato no verso da súmula para o Comitê Organizador da competição. Determinação 2 O Artigo 9 esclarece qual cesta uma equipe defende e em qual cesta ataca. Se por confusão qualquer período começar com ambas as equipes atacando/defendendo as cestas erradas, a situação será corrigida assim que descoberta, sem colocar nenhuma das equipes em desvantagem. Todos os pontos convertidos, tempo transcorrido, faltas marcadas, etc. antes da paralização do jogo serão válidos. Exemplo 1: Após o início do jogo, os oficiais descobrem que ambas as equipes estão jogando na direção errada. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 4 de 33 Interpretação: A partida será interrompida tão logo seja possível sem colocar nenhuma das equipes em desvantagem. As equipes trocarão de cestas. A partida será reiniciada no ponto mais próximo de onde foi interrompida (na outra quadra) como se tratasse de um espelho. Examplo 2: View slide
  • No início de um período, a equipe A está defendendo sua própria cesta quando B4 erradamente dribla até sua própria e converte uma cesta de campo. Interpretação: Os dois (2) pontos serão concedidos para o capitão da equipe A que está na quadra de jogo. ART. 12 BOLA AO ALTO E POSSE ALTERNADA Determinação 1 A equipe que não obteve o controle de uma bola viva na quadra de jogo após a bola ao alto no início do jogo terá direito a bola para uma reposição no lugar mais próximo de onde ocorra a próxima situação de bola ao alto. Exemplo 1: Um árbitro lança a bola na bola ao alto inicial. Imediatamente após a bola ter sido legalmente tocada pelo saltador A4: (a) Uma bola presa entre A5 e B5 é marcada. (b) Uma falta dupla entre A5 e B5 é marcada. Interpretação: Já que o controle de uma bola viva na quadra de jogo ainda não foi estabelecido, o oficial não pode usar a seta de posse alternada para conceder a posse. O árbitro administrará outra bola ao alto no círculo central e A5 e B5 saltarão. Qualquer tempo transcorrido no relógio de jogo após a bola ter sido legalmente tocada e antes da situação de bola presa/falta dupla permanecerá usado. Exemplo 2: Um árbitro lança a bola na bola ao alto inicial. Imediatamente após a bola ter sido legalmente tocada pelo saltador A4 e a bola: (a) Vai para fora da quadra diretamente. (b) É segura por A4 antes que ela tenha tocado um dos não saltadores ou o piso. Interpretação: Em ambos os casos uma reposição é concedida para a equipe B como resultado da violação de A4. Após a reposição, a equipe que não obteve o controle da bola viva na quadra de jogo terá o direito à primeira posse alternada no local mais próximo de onde a próxima situação de bola ao alto ocorrer. Exemplo 3: A equipe B tem direito a uma reposição pelo procedimento da posse alternada. Um oficial e/ou o apontador cometem um erro e a bola é equivocadamente concedida para uma reposição pela equipe A. Interpretação: Uma vez que a bola toque ou seja tocada legalmente por um jogador na quadra de jogo, o erro não pode ser corrigido. Contudo, a equipe B não perderá sua oportunidade de reposição pela posse alternada como conseqüência do erro e terá o direito à próxima reposição de posse alternada. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 5 de 33 Exemplo 4: Simultaneamente com o sinal do relógio de jogo para o final do primeiro período, B5 comete falta em A5 e uma falta antidesportiva é marcada. Interpretação: A5 arremessará dois (2) lances livres sem jogadores alinhados e sem tempo de jogo restando. Depois dos dois (2) minutos de intervalo de jogo, a partida será reiniciada com uma reposição pela equipe A no prolongamento da linha central, no lado oposto à mesa do apontador. Nenhuma das equipes perderá seu direito a reposição na próxima situação de posse alternada. Determinação 2
  • Sempre que uma bola viva se aloja no suporte entre o aro e a tabela, menos entre lances livres, esta é uma situação de bola ao alto que resulta em uma reposição de posse aternada. Como isto não resulta em uma situação de rebote, não é considerado como tendo a mesma influência no jogo do que quando a bola toca o aro simplesmente. Portanto, se a equipe que tinha o controle da bola antes dela se alojar entre o aro e a tabela tem direito a reposição, ela terá apenas o tempo restante no relógio de vinte e quatro (24) segundos como em qualquer outra situação de bola ao alto. Exemplo 1: Em um arremesso para cesta de campo de A4 a bola se aloja entre o aro e a tabela. A equipe A tem o direito a reposição referente ao procedimento de posse alternada. Interpretação: Após a reposição, a equipe A terá apenas o tempo que resta no relógio de vinte e quatro (24) segundos. Exemplo 2: Enquanto a bola está no ar em um arremesso de A4 para uma cesta de campo, o relógio de vinte e quatro (24) segundos expira, em seguida a bola fica alojada entre o aro e a tabela. A equipe A tem o direito a reposição devido o procedimento de posse alternada. Interpretação: Como a equipe A não tem mais tempo restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos, uma violação dos vinte e quatro (24) segundos ocorreu. A equipe B tem direito a uma reposição. A equipe A não perderá seu direito a próxima reposição de posse alternada na próxima situação de bola ao alto. ART. 16 CESTA: QUANDO FEITA E SEU VALOR Determinação Em uma situação de reposição ou em um rebote após o último ou único lance livre, um período de tempo sempre passará desde o momento que o jogador dentro da quadra toca na bola até que este jogador solte a bola em um arremesso. É particularmente importante ter isto em consideração próximo ao final de um período. Deve haver uma quantidade mínima de tempo disponível para esse arremesso antes do tempo expirar. Se 0:00.3 segundos são mostrados no relógio de jogo, é dever do(s) oficial( ais) determinar se o arremessador soltou a bola antes do sinal do relógio de jogo soar para o final do período. Se, contudo, 0:00.2 ou 0:00.1 segundo é mostrado no relógio de jogo, o único tipo de cesta de campo válida por um jogador que está no ar é por tapinha ou enterrando diretamente a bola. Exemplo: Uma reposição é concedida para a equipe A com (a) 0:00.3 (b) 0:00.2 ou 0:00.1 mostrados no relógio de jogo. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 6 de 33 Interpretação Em (a), se um arremesso para uma cesta de campo é tentado e o sinal do relógio de jogo soar para o final do período durante a tentativa, é responsabilidade dos oficiais determinar se a bola foi solta antes do sinal do relógio de jogo ter soado para o final do período. Em (b), a cesta poderá ser validada apenas se a bola, enquanto estava no ar no passe vindo da reposição, é tapeada para a cesta ou enterrada diretamente. ART. 17 REPOSIÇÃO Determinação 1 Antes que o jogador que está fazendo a reposição tenha soltado a bola na reposição, é possível que o movimento para realizar a reposição possa causar que a(s) mão(s) do jogador com a bola cruze o plano sobre a linha lateral que separa a quadra de jogo da área de fora da
  • quadra. Em tais situações, continua sendo responsabilidade do jogador defensor evitar interferir com a reposição, não tocando na bola enquanto ela ainda esteja na(s) mão(s) do jogador que repõe. Exemplo: Uma reposição é concedida para A4. Enquanto segura a bola, a(s) mão(s) de A4 cruza(m) o plano da linha limítrofe de tal maneira que a bola está sobre a área dentro da quadra. B4 agarra a bola que está na(s) mão(s) de A4 ou dá um tapa na bola para tirá-la da(s) mão(s) de A4 sem provocar nenhum contato físico contra A4. Interpretação: B4 interferiu com a reposição, portanto atrasando o reinício da partida. Uma advertência será dada a B4 e comunicada ao técnico B e esse aviso se aplicará a toda os jogadores da equipe B pelo resto da partida. Qualquer repetição de uma ação semelhante por qualquer jogador da equipe B, pode resultar em uma falta técnica. Determinação 2 Em uma reposição, o jogador que repõe tem de passar a bola (não entregar a bola) a um companheiro na quadra de jogo. Exemplo: Em uma reposição de A4, A4 entrega a bola para A5, que está na quadra de jogo. Interpretação: A4 cometeu uma violação na reposição. A bola tem de sair da(s) mão(s) do jogador para que a reposição seja considerada legal. Conceder-se-á a bola para a equipe B para uma reposição no local da reposição original. Determinação 3 Durante uma reposição, outro(s) jogador(es) não deverão ter nenhuma parte do seu corpo sobre a linha limítrofe antes da bola ter sido lançada através da linha limítrofe. Exemplo 1: Após uma violação de saída de bola, A3 recebeu a bola de um oficial para a reposição. A3 (a) Coloca a bola no chão e após isso a bola é pega por A2 (b) Entrega a bola para A2 na área fora da quadra. Interpretação: Isto é uma violação de A2 já que ele moveu seu corpo sobre a linha limítrofe antes da bola ter sido lançada por A3 através da linha limítrofe. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 7 de 33 Exemplo 2: Após uma cesta de campo convertida pela equipe A ou um último ou único lance livre convertido, um tempo debitado é concedido à equipe B. Após o tempo debitado, B3 recebe a bola de um oficial para uma reposição na linha final. B3 (a) Coloca a bola no chão e após isso a bola é pega por B2 (b) Entrega a bola para B2, que está também atrás da linha final. Interpretação: Jogada legal. A única restrição para a equipe B para repor a bola é que eles tem de passar a bola para dentro da quadra de jogo dentro de cinco (5) segundos. Determinação 4 Se um tempo debitado é concedido a uma equipe que tenha direito a posse de bola na sua quadra de defesa durante os dois (2) últimos minutos do quarto período ou nos dois (2) últimos minutos de cada período extra, a reposição será administrada na linha de reposição, no lado oposto a mesa do apontador, na quadra de ataque desta equipe. O jogador que repõe tem de passar a bola para um companheiro de equipe na quadra de ataque. Exemplo 1: No último minuto do jogo, A4 está driblando na sua quadra de defesa quando um jogador da equipe B toca a bola para fora da quadra na linha de lance livre estendida. (a) Um tempo debitado é concedido para a equipe B. (b) Um tempo debitado é concedido para a equipe A.
  • (c) Um tempo debitado é concedido primeiro para a equipe B e imediatamente após para a equipe A (ou vice-versa). Interpretação: Em (a), o jogo é reiniciado com uma reposição pela equipe A desde a linha de lance livre estendida. Em (b) e (c), o jogo será reiniciado com uma r eposição pela equipe A desde a linha de reposição na quadra de ataque d e A, no lado oposto a mesa do apontador . Exemplo 2: No ultimo minuto de jogo, A4 está arremessando dois (2) lances livres. Durante o segundo lance livre A4 pisa na linha de lance livre enquanto arremessa e uma violação é marcada. A equipe B solicita um tempo debitado. Interpretação: O jogo será reiniciado com uma reposição pela equipe B desde a linha de reposição na quadra de ataque da equipe B, no lado oposto da mesa do apontador. Exemplo 3: Durante os dois (2) últimos minutos do jogo, A4 driblou por seis (6) segundos na quadra de defesa da equipe A, quando (a) B4 toca a bola para fora da quadra (b) B4 comete a terceira falta da equipe B nesse período. Um tempo debitado é concedido para a equipe A. Após o tempo debitado, o jogo é reiniciado com uma reposição de A4 desde a linha de reposição na quadra de ataque da equipe A, no lado oposto à mesa do apontador. Interpretação: Em ambos os casos, a equipe A terá dezoito (18) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos. Exemplo 4: Durante os dois (2) últimos minutos do jogo, A4 dribla a bola na sua quadra de ataque. B3 toca a bola para a quadra de defesa de A onde qualquer jogador da equipe A começa a driblar a bola de novo. Agora (a) B4 toca a bola para fora da quadra Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 8 de 33 (b) B4 comete a terceira falta da equipe B nesse período na quadra de defesa da equipe A, restando seis (6) segundos no relógio de vinte e quatro (24) segundos. Um tempo debitado é concedido para a equipe A. Após o tempo debitado, o jogo é reiniciado com uma reposição de A4 na linha de reposição na quadra de ataque da equipe A no lado oposto à mesa do apontador. Interpretação: A equipe A terá (a) seis (6) segundos (b) catorze (14) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos. Determinação 5 Existem situações adicionais àquelas listadas no Art. 17.2.3 nas quais a reposição subseqüente será administrada na linha central estendida, no lado oposto à mesa do apontador. Exemplo: (a) O jogador que está realizando uma reposição na linha central estendida, no lado oposto à mesa do apontador, comete uma violação e a bola é concedida aos oponentes para uma reposição no local da reposição original.
  • (b) Se durante uma situação de briga, membros de ambas as equipes são desqualificados e não existem outras penalidades de falta restando para ser administradas e no momento que o jogo foi interrompido uma equipe tinha o controle da bola ou tinha o direito a bola. Interpretação: Em todas as situações acima, o jogador que repõe pode passar a bola tanto para a quadra de ataque como para a de defesa. Determinação 6 Em uma reposição, as seguintes situações podem ocorrer: (a) A bola é passada sobre a cesta e é tocada por um jogador de qualquer equipe que a alcança através da cesta por baixo. (b) A bola fica alojada entre o aro e a tabela. (c) A bola é lançada intencionalmente no aro de modo a “voltar” o relógio de vinte e quatro (24) segundos. Exemplo 1: Em uma reposição A4 passa a bola sobre a cesta quando ela é tocada por um jogador de qualquer equipe que a alcança através da cesta por baixo. Interpretação: Esta é uma violação de interferência. O jogo é reiniciado com uma reposição pelos oponentes na linha de lance livre estendida. No caso da violação ser cometida pela equipe defensora, não serão concedidos pontos para a equipe atacante já que a bola não veio de dentro da quadra de jogo. Exemplo 2: O jogador A4, que está repondo, passa a bola em direção à cesta e ela se aloja entre o aro e a tabela. Interpretação: Esta é uma situação de bola ao alto. O jogo é reiniciado aplicando-se o procedimento da posse alternada. Se a equipe A tem o direito a reposição, o relógio de vinte e quatro (24) segundos não será reprogramado. Exemplo 3: Com cinco (5) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos, durante a reposição A4 passa a bola em direção a cesta onde ela toca o aro. Interpretação: O operador de vinte e quatro (24) segundos não irá reprogramar seu relógio já que o relógio de jogo ainda não foi acionado. O jogo continuará sem interrupção. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 9 de 33 ART. 18/19 TEMPO DEBITADO / SUBSTITUIÇÃO Determinação 1 Um tempo debitado não pode ser concedido antes que o tempo de jogo de um período tenha começado ou após o tempo de jogo de um período ter terminado. Uma substituição não pode ser concedida antes que o tempo de jogo do primeiro período tenha começado ou após o tempo de jogo da partida ter terminado. Qualquer substituição pode ser concedida durante intervalos de jogo. Exemplo 1: Após a bola ter deixado as mãos do árbitro na bola ao alto, mas antes da bola ter sido legalmente tapeada, o saltador A5 comete uma violação e a bola é concedida para uma reposição pela equipe B. Neste momento qualquer técnico solicita um tempo debitado ou uma substituição. Interpretação: A despeito do fato do jogo já ter começado, o tempo debitado ou substituição não serão concedidos porque o relógio de jogo (tempo do jogo) ainda não iniciou. Exemplo 2:
  • Aproximadamente ao mesmo tempo que o sinal do relógio de jogo soa para o final de um período ou período extra, uma falta é marcada e dois (2) lances livres são concedidos para A4. Qualquer técnico solicita: (a) Um tempo debitado. (b) Uma substituição. Interpretação: (a) Um tempo debitado não pode ser concedido porque o tempo de jogo do período ou período extra terminou. (b) Uma substituição pode ser concedida somente após os lances livres terem sido completados e o intervalo de jogo para o próximo período ou período extra ter começado. Determinação 2 Se o sinal do relógio de vinte e quatro (24) segundos soa enquanto a bola está no ar durante um arremesso para uma cesta de campo, isto não é uma violação e o relógio de jogo não será paralisado. Se o arremesso para a cesta de campo é convertido isto é, sob determinadas condições, uma oportunidade de tempo debitado e substituição para ambas as equipes. Exemplo: Em um arremesso para uma cesta de campo, a bola está no ar quando o sinal do relógio de vinte e quatro (24) segundos soa. A bola entra na cesta. Neste momento, uma ou ambas as equipes solicita: (a) Tempos debitados. (b) Substituições. Interpretação: (a) Esta é uma oportunidade de tempo debitado apenas para a equipe que sofreu a cesta. Se um tempo debitado é concedido para a equipe que sofreu a cesta, os oponentes também podem ter um tempo debitado concedido e substituições também podem ser concedidas para ambas as equipes, se elas solicitarem. (b) Esta é uma oportunidade de substituição apenas para a equipe que sofreu a cesta e somente nos dois (2) últimos minutos do quarto período ou nos dois (2) últimos minutos de cada período extra. Se uma substituição é concedida a equipe que sofreu a cesta, uma substituição também pode ser concedida aos oponentes e tempos debitados podem ser concedidos a ambas as equipes, se elas solicitarem. Determinação 3 Se a solicitação de tempo debitado ou substituição (para qualquer jogador, inclusive o arremessador de lance livre) é feita após a bola estar a disposição do arremessador do lance livre no primeiro ou único lance livre, o tempo debitado ou substituição será concedida a ambas as equipes se: (a) O último ou único lance livre é convertido, ou (b) O último ou único lance livre é seguido por uma reposição na linha central estendida, no lado oposto à mesa do apontador, ou se por qualquer razão válida a bola irá permanecer morta após o último ou único lance livre. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 10 de 33 Exemplo 1: Dois (2) lances livres são concedidos a A4. A equipe A ou equipe B solicitam um tempo debitado ou substituição: (a) Antes da bola estar a disposição do arremessador de lances livres A4. (b) Após a tentativa do primeiro lance livre. (c) Após o segundo lance livre convertido, mas antes da bola estar à disposição do jogador que vai repor. (d) Após o segundo lance livre convertido, mas depois da bola estar à disposição do jogador que vai repor. Interpretação:
  • (a) O tempo debitado ou substituição é concedido imediatamente, antes de tentar o primeiro lance livre. (b) O tempo debitado ou substituição é concedido após o último lance livre, se convertido. (c) O tempo debitado ou substituição é concedido imediatamente antes da reposição. (d) O tempo debitado ou substituição não é concedido. Exemplo 2: Dois (2) lances livres são concedidos a A4. Após o primeiro lance livre, a equipe A ou equipe B solicitam um tempo debitado ou substituição. Durante o último lance livre: (a) A bola reboteia no aro e o jogo continua. (b) O lance livre é convertido. (c) A bola não toca o aro ou não entra na cesta. (d) A4 pisa na linha de lance livre enquanto arremessa e a violação é marcada. (e) B4 pisa na área restritiva antes que a bola deixe as mãos de A4. A violação de B4 é marcada e o lance livre de A4 não é convertido. Interpretação: (a) O tempo debitado ou substituição não é concedido. (b), (c) and (d) O tempo debitado ou substituição é concedido imediatamente. (e) Um lance livre adicional é arremessado por A4 e, se convertido, o tempo debitado ou substituição é concedido imediatamente. Determinação 4 Se, após uma solicitação de um tempo debitado, uma falta é cometida por qualquer equipe, o tempo debitado não começará até que o oficial tenha completado toda comunicação com a mesa do apontador relativa àquela falta. No caso da quinta falta de um jogador, essa comunicação inclui o procedimento de substituição necessário. Assim que completado, o período do tempo debitado começará quando um oficial apitar e fizer o sinal de tempo debitado. Exemplo 1: O técnico de A solicita um tempo debitado, em seguida B4 comete sua quinta falta. Interpretação: A oportunidade de tempo debitado não começará até que toda a comunicação com a mesa do apontador relativa àquela falta tenha sido completada e um substituto para B4 tenha se tornado um jogador. Exemplo 2: O técnico de A solicita um tempo debitado, em seguida qualquer jogador comete uma falta. Interpretação: É permitido às equipes ir ao seus bancos se elas estão cientes que um tempo debitado foi solicitado, ainda que o período de tempo debitado ainda não tenha começado formalmente. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 11 de 33 Determinação 5 Se os oficiais descobrem que mais de cinco (5) jogadores da mesma equipe estão participando na quadra de jogo simultaneamente, o erro será corrigido tão logo que possível sem colocar os oponentes em desvantagem. Assumindo que os oficiais e oficiais de mesa estão fazendo seu trabalho corretamente, um (1) jogador tem que ter entrado novamente ou permanecido na quadra de jogo ilegalmente. Os oficiais têm, portanto, que ordenar a um (1) jogador que deixe a quadra imediatamente e marcar uma falta técnica contra o técnico daquela equipe, registrada como ‘B’. O técnico é responsável por assegurar que uma substituição é efetuada corretamente e que o jogador substituído deixe a quadra de jogo imediatamente após a substituição. Exemplo: Enquanto o jogo está sendo disputado descobre-se que a equipe A tem mais de cinco (5) jogadores na quadra de jogo. (a) No momento da descoberta, a equipe B (com 5 jogadores) está com o controle da bola.
  • (b) No momento da descoberta, a equipe A (com mais de 5 jogadores) está com o controle da bola. Interpretação: (a) O jogo será interrompido imediatamente a menos que a equipe B seja posta em desvantagem. (b) O jogo será interrompido imediatamente. Em ambos os casos, o jogador que entrou novamente (ou permaneceu) no jogo ilegalmente tem que ser removido da partida e uma falta técnica será marcada contra o técnico de A, registrada como ‘B’. Determinação 6 Após se descobrir que a equipe A está jogando com mais de cinco (5) jogadores, também se descobre que A5 marcou pontos ou cometeu uma falta enquanto participava ilegalmente. Os pontos permanecerão válidos e toda(s) falta(s) cometida(s) por (ou contra) este jogador serão consideradas como falta de jogador. Exemplo: Os oficiais descobrem que A5 é o sexto jogador da equipe A na quadra de jogo e interrompem o jogo após: (a) Uma f alt a d e A5 no a taq u e s er mar cad a . (b) Uma cesta de campo de A5 ser convertida. (c) B5 cometer falta em A5 durante um arremesso à cesta não convertido. Interpretação: (a) A falta de A5 é uma falta de jogador. (b) A cesta d e campo de A5 valer á . (c) Qualquer jogador da equipe A na quadra de jogo no momento que a falta foi marcada tentará os lances livres. Determinação 7 Art. 18 e 19 esclarecem quando uma oportunidade de substituição ou de tempo debitado começa e termina. Técnicos solicitando um tempo debitado ou substituição tem de estar cientes destas limitações, de outro modo o tempo debitado ou substituição não será concedida imediatamente. Exemplo 1: Uma oportunidade de substituição ou tempo debitado acabou de terminar quando o técnico A corre até a mesa do apontador solicitando, em voz alta, uma substituição ou tempo debitado. O apontador reage e equivocadamente soa o sinal. O árbitro apita e interrompe a partida. Interpretação: Devido à interrupção do jogo pelo oficial, a bola está morta e o relógio de jogo permanece parado, resultando no que seria, normalmente, uma oportunidade de substituição ou tempo debitado. Porém, Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 12 de 33 devido a solicitação ter sido feita tardiamente, a substituição ou tempo debitado não será concedido. O jogo será reiniciado imediatamente. Exemplo 2: Uma violação de tendência de cesta (descendente) ou interferência ocorre em qualquer momento durante o jogo. Substitutos de qualquer equipe ou de ambas as equipes estão esperando na mesa do apontador para entrar no jogo ou um tempo debitado foi solicitado por qualquer equipe. Interpretação: A violação faz com que o relógio de jogo seja paralisado e a bola torne-se morta. As substituições ou tempo debitado serão permitidos. Determinação 8 Cada tempo debitado durará um (1) minuto. As equipes devem retornar prontamente à quadra de jogo após o oficial apitar e acenar para as equipes na quadra de jogo. Algumas
  • vezes uma equipe estende o tempo debitado além do um (1) minuto estipulado, ganhando uma vantagem por prolongar os tempos debitados e causando também um atraso na partida. Uma advertência será dada por um oficial àquela equipe. Se esta equipe não atender à advertência, um tempo debitado adicional será marcado contra a equipe ofensora. Se a equipe não possuir mais tempos debitados restantes, uma falta técnica por atrasar a partida pode ser marcada contra o técnico, registrada como ‘C’'. Exemplo: O período do tempo debitado termina e o oficial acena para a equipe A retornar à quadra de jogo. O técnico de A continua a instruir sua equipe que permanece na área do banco da equipe. O oficial acena novamente para a equipe A na quadra de jogo e (a) A equipe A volta, finalmente, à quadra de jogo (b) A equipe A continua permanecendo na área do banco da equipe. Interpretação: (a) Após a equipe iniciar seu retorno à quadra de jogo, o oficial fará uma advertência ao técnico que, se o mesmo comportamento se repetir, um tempo debitado adicional será aplicado contra a equipe A. (b) Um tempo debitado, sem advertência, será marcado contra a equipe A. Se a equipe A não possuir mais tempos debitados restando, uma falta técnica por atrasar o jogo será marcada contra o técnico de A, registrada como ‘C’. ART. 24 DRIBLE Determinação Se um jogador lança a bola contra a tabela intencionalmente (não tentando um arremesso legítimo para uma cesta de campo), isto é considerado como se o jogador tivesse driblado a bola no piso. Se o jogador então tocar a bola novamente antes que ela toque (ou seja tocada por) outro jogador, isso é considerado como um drible. Exemplo 1: A4 ainda não driblou quando A4 lança a bola contra a tabela e a pega novamente antes que outro jogador tenha tocado a bola. Interpretação: Após pegar a bola, A4 pode arremessar ou passar, mas não pode iniciar um novo drible. Exemplo 2: Após terminar um drible, seja em movimento contínuo ou parado, A4 lança a bola contra a tabela e a pega ou a toca novamente antes que ela tenha tocado outro jogador. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 13 de 33 Interpretação: A4 cometeu uma violação de duplo drible. ART. 25 ANDAR Determinação É legal se um jogador que está deitado no piso obtém o controle da bola. É legal se um jogador que está segurando a bola cai no solo. Também é legal se o jogador, após cair no piso, desliza brevemente. Se, contudo, o jogador rolar ou tentar levantar-se enquanto segura a bola, é uma violação. Exemplo 1: A3, enquanto segura a bola, perde o equilíbrio e cai no piso. Interpretação: A ação de A3 de cair involuntariamente no piso é legal. Exemplo 2: A3, enquanto deitado no piso, obtém o controle da bola. Então A3 (a) Passa a bola para A4. (b) Começa um drible enquanto ainda está deitado no piso. (c) Tenta levantar-se enquanto ainda segura a bola. Interpretação: Em (a) e (b), a ação de A3 é legal.
  • Em (c), uma violação de andar ocorreu. Exemplo 3: A3, enquanto segura a bola, cai no solo e seu movimento faz com que ele deslize. Interpretação: O deslizamento involuntário de A3 não se constitui em uma violação. Porém, se A3 rolar agora ou tentar levantar-se enquanto ainda segura a bola, uma violação de andar ocorre. ART. 28 OITO SEGUNDOS Determinação 1 A aplicação desta regra baseia-se unicamente na contagem individual dos oito (8) segundos por um oficial. Em caso de qualquer discrepância entre o número de segundos contados pelo oficial e aqueles mostrados no relógio de vinte e quatro (24) segundos, a decisão do oficial terá prioridade. Exemplo: A4 está driblando a bola na sua quadra de defesa quando o oficial apita uma violação de oito (8) segundos. O visor do relógio de vinte e quatro (24) segundos mostra que apenas sete (7) segundos se passaram. Interpretação: A decisão do oficial está correta. O oficial é o único responsável para decidir quando termina o período de oito (8) segundos. Determinação 2 A contagem de oito (8) segundos na quadra de defesa é interrompida devido uma situação de bola ao alto. Se a reposição de posse alternada resultante é concedida a mesma equipe que tinha o controle da bola, essa equipe só disporá do tempo restante do período de oito (8) segundos. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 14 de 33 Exemplo: A equipe A estava com o controle da bola por cinco (5) segundos na sua quadra de defesa quando uma bola presa ocorreu. A equipe A tem o direito à próxima reposição da posse alternada. Interpretação: A equipe A terá apenas três (3) segundos para fazer com que a bola chegue à sua quadra de ataque. Determinação 3 Durante um drible da quadra de defesa para a quadra de ataque, a bola vai para a quadra de ataque de uma equipe quando ambos os pés do driblador e a bola estão em contato com a quadra de ataque. Exemplo 1: A1 está com um pé de cada lado da linha central. Ele recebe a bola de A2, que está na quadra de defesa. A1 então passa a bola de volta para A2, que ainda está na quadra de defesa. Interpretação: Jogada legal. A1 não tem ambos os pés na quadra de ataque e, portanto, tem o direito de passar a bola para a quadra de defesa. A contagem dos oito (8) segundos continuará. Exemplo 2: A2 está driblando a bola desde sua quadra de defesa e termina seu drible segurando a bola e com um pé de cada lado da linha central. A2 então passa a bola para A1 que também está com um pé de cada lado da linha central. Interpretação: Jogada legal. A2 não tem ambos os pés na quadra de ataque e, portanto, tem o direito de passar a bola para A1, que também não está na quadra de ataque. A contagem dos oito (8) segundos continuará. Exemplo 3:
  • A2 está driblando a bola desde sua quadra de defesa e já tem um (1) pé (mas não ambos os pés) na quadra de ataque. Após isso A2 passa a bola para A1, que está com um pé de cada lado da linha central. A1 então começa a driblar a bola na sua quadra de defesa. Interpretação: Jogada legal. A2 não tem ambos os pés na quadra de ataque e, portanto, tem o direito de passar a bola para A1, que também não está na sua quadra de ataque. A1 está, portanto, autorizado a driblar a bola na quadra de defesa. A contagem dos oito (8) segundos continuará. Exemplo 4: A4 está driblando a bola desde sua quadra de defesa e para de avançar, mas continua driblando enquanto: (a) Tem um pé de cada lado da linha central. (b) Ambos os pés estão na quadra de ataque, mas a bola está sendo driblada na quadra de defesa. (c) Ambos os pés estão na quadra de defesa, mas a bola está sendo driblada na quadra de ataque. (d) Ambos os pés estão na quadra de ataque enquanto a bola está sendo driblada na quadra de defesa, depois A4 retorna ambos os pés para sua quadra de defesa. Interpretação: Em todos os casos o driblador A4 continua a estar na quadra de defesa até que ambos os pés, bem como a bola, estejam tocando a quadra de ataque. A contagem dos oito (8) segundos continuará em cada situação. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 15 de 33 ART. 29 VINTE E QUATRO SEGUNDOS Determinação 1 Um arremesso para uma cesta de campo é tentado próximo ao final do período de vinte e quatro (24) segundos e o sinal soa enquanto a bola está no ar. Se a bola não tocar o aro, ocorre uma violação a menos que os adversários tenham obtido um controle da bola claro e imediato. A bola será concedida aos oponentes para uma reposição desde o local mais próximo de onde o jogo foi paralisado pelo oficial, exceto diretamente atrás da tabela. Exemplo 1: A bola está no ar durante um arremesso de A5 quando o soa o sinal dos vinte e quatro (24) segundos. A bola toca a tabela e então rola pelo piso, onde é tocada por B4, depois por A4 e finalmente controlada por B5. Interpretação: Isso é uma violação de vinte e quatro (24) segundos porque a bola não tocou o aro e não houve um controle posterior da bola claro e imediato pelos adversários. Exemplo 2: Durante um arremesso à cesta de A5 a bola toca a tabela, mas não toca o aro. No rebote, a bola é tocada por B5, mas sem controlá-la. Em seguida, A5 obtém o controle da bola. Nesse momento soa o sinal dos vinte e quatro (24) segundos. Interpretação: Ocorreu uma violação de vinte e quatro (24) segundos. O relógio dos vinte e quatro (24) segundos continua em funcionamento quando a bola não toca o aro e um jogador da equipe A volta a controlar a bola novamente. Exemplo 3: No final do período de vinte e quatro (24) segundos, A4 arremessa para uma cesta de campo. A bola é bloqueada legalmente por B4 e logo após soa o sinal de vinte e quatro (24) segundos. Após o sinal, B4 comete falta em A4. Interpretação:
  • Ocorreu uma violação de vinte e quatro (24) segundos. A falta de B4 será desprezada a menos que seja técnica, antidesportiva ou desqüalificante. Exemplo 4: A bola está no ar em um arremesso de A4 para uma cesta de campo quando soa o sinal dos vinte e quatro (24) segundos. A bola não toca o aro. Em seguida uma bola presa entre A5 e B5 é imediatamente marcada. Interpretação: Ocorreu uma violação dos vinte e quatro (24) segundos. A equipe B não obteve um controle da bola claro e imediato. Determinação 2 Se o sinal do relógio de vinte e quatro (24) segundos soa em uma situação onde, no julgamento dos oficiais, os oponentes irão obter um controle da bola claro e imediato, o sinal será desprezado e o jogo continuará. Exemplo: Próximo ao final do período de vinte e quatro (24) segundos, um passe de A4 não é alcançado por A5 (ambos jogadores estão na sua quadra de ataque) e a bola rola para a quadra de defesa da equipe A. Antes que B4 obtenha o controle da bola com o caminho livre para a cesta, o sinal do relógio de vinte e quatro (24) segundos soa. Interpretação: Se B4 obtiver o controle claro e imediato da bola, o sinal será desprezado e o jogo continuará. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 16 de 33 Determinação 3 Se uma reposição por posse alternada é concedida para uma equipe que tinha o controle da bola, essa equipe só terá o tempo que restava no relógio de vinte e quatro (24) segundos no momento que aconteceu a situação de bola ao alto. Exemplo 1: A equipe A controla a bola restando dez (10) segundos no relógio de vinte e quatro (24) segundos quando ocorre uma bola presa. Uma reposição de posse alternada é concedida para: (a) Equipe A. (b) Equipe B. Interpretação: (a) A equipe A terá somente dez (10) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos. (b) A equipe B terá um novo período de vinte e quatro (24) segundos. Exemplo 2: A equipe A controla a bola restando dez (10) segundos no relógio de vinte e quatro (24) segundos quando a bola sai da quadra de jogo. Os árbitros discordam se o último jogador a tocar na bola antes dela sair da quadra de jogo foi A4 ou B4. Uma situação de bola ao alto é marcada e a reposição de posse alternada é concedida a: (a) Equipe A. (b) Equipe B. Interpretação: (a) A equipe A terá somente dez (10) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos. (b) A equipe B terá um novo período de vinte e quatro (24) segundos. Determinação 4 Se a partida é interrompida por um oficial devido uma falta ou violação (não por causa da bola sair da quadra) cometida pela equipe que não está com o controle da bola, e a posse de bola é concedida à mesma equipe que tinha o controle da bola na quadra de ataque previamente, o relógio de vinte e quatro (24) segundos será reprogramado como a seguir:
  •  Se catorze (14) segundos ou mais são mostrados no relógio de vinte e quatro (24) segundos no momento que o jogo é paralisado, o relógio de vinte e quatro (24) segundos não será reprogramado, mas continuará do tempo que foi parado  Se treze (13) segundos ou menos são mostrados no relógio de vinte e quatro (24) segundos no momento que o jogo é paralisado, o relógio de vinte e quatro (24) segundos será reprogramado para catorze (14) segundos. Exemplo 1: B4 comete uma violação de saída de bola na quadra de ataque da equipe A. O relógio de vinte e quatro (24) segundos mostra oito (8) segundos. Interpretação: A equipe A terá apenas oito (8) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos. Exemplo 2: A4 dribla a bola na sua quadra de ataque e sofre falta de B4. Essa é a segunda falta contra a equipe B neste período. O relógio de vinte e quatro (24) segundos mostra três (3) segundos. Interpretação: A equipe A terá catorze (14) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 17 de 33 Exemplo 3: Com quatro (4) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos, a equipe A está com o controle da bola na sua quadra de ataque quando (a) A4 (b) B4 está lesionado e os oficiais interrompem a partida. Interpretação: A equipe A terá (a) quatro (4) segundos (b) catorze (14) segundos restando no relógio de vinte quatro (24) segundos. Exemplo 4: A4 arremessa para uma cesta de campo. Enquanto a bola está no ar, uma falta dupla é marcada contra A5 e B5, com seis (6) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos. A bola não entra na cesta. A seta de posse alternada indica a próxima posse para a equipe A. Interpretação: A equipe A terá seis (6) segundos restando no relógio de vinte e quatro segundos. Exemplo 5: Com cinco (5) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos, A4 está driblando a bola quando uma falta técnica é marcada contra B4, seguida de uma falta técnica marcada contra o técnico de A. Interpretação: Após o cancelamento de penalidades iguais, o jogo será reiniciado com uma reposição para a equipe A e cinco (5) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos. Exemplo 6: Com (a) dezesseis (16) segundos (b) doze (12) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos B4, na sua quadra de defesa, deliberadamente toca a bola com seu pé ou golpeia a bola com o punho. Interpretação: Violação da equipe B. Após a reposição na sua quadra de ataque, a equipe A terá (a) dezesseis (16) segundos, (b) catorze (14) segundos
  • restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos. Exemplo 7: Durante uma reposição de A2, B4, em sua quadra de defesa, coloca seus braços sobre a linha limítrofe e bloqueia o passe de A4, com (a) dezenove (19) segundos (b) onze (11) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos. Interpretação: Violação de B4. Após a reposição na sua quadra de ataque, a equipe A terá (a) dezenove (19) segundos (b) catorze (14) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 18 de 33 Exemplo 8: A4 dribla a bola na sua quadra de ataque quando B4 comete uma falta antidesportiva em A4 com seis (6) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos. Interpretação: Independentemente se os lances livres são convertidos ou perdidos, será concedida uma reposição para a equipe A na linha central estendida, no lado oposto à mesa do apontador. A equipe A terá um novo período de vinte e quatro (24) segundos. A mesma interpretação é válida para falta técnica e desqüalificante. Determinação 5 Se o jogo é interrompido por um oficial por qualquer razão válida não relacionada a nenhuma das equipes e, se no julgamento dos oficiais, os oponentes serão colocados em desvantagem, o relógio dos vinte e quatro (24) segundos continuará do tempo em que foi paralisado. Exemplo 1: Com 0:25 a jogar no último minuto do jogo e com o placar de A 72 – B 72, a equipe A obtém o controle da bola e dribla a bola por vinte (20) segundos quando a partida é paralisada pelos oficiais devido a (a) O relógio de jogo ou o relógio dos vinte e quatro (24) segundos falha em iniciar ou correr (b) Uma garrafa ter sido arremessada na quadra de jogo (c) O relógio de vinte e quatro (24) segundos ter sido reajustado erradamente. Interpretação: Em todos os casos o jogo será reiniciado com uma reposição pela equipe A e com quatro (4) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos A equipe B seria posta em desvantagem se a partida fosse reiniciada com um novo período de vinte e quatro (24) segundos. Exemplo 2: Após um arremesso de A3 para uma cesta de campo, a bola reboteia do aro e é então controlada por A5. Nove (9) segundos depois, o relógio de vinte e quatro segundos soa erradamente. Os oficiais interrompem a partida. Interpretação: A equipe A, com o controle da bola, seria posta em desvantagem se houvesse uma violação de vinte e quatro (24) segundos. Após consultar o comissário e o operador do relógio de vinte e quatro (24) segundos, os oficiais reiniciarão a partida com uma reposição para a equipe A com quinze (15) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos. ART. 30 VOLTA DE BOLA Determinação Enquanto está no ar, um jogador mantém o mesmo status em relação ao piso de onde ele estava tocando o piso pela última vez antes de saltar. Contudo, quando um jogador que está no ar pula da sua quadra de ataque e obtém o controle da bola enquanto ainda está no ar, ele
  • é o primeiro jogador da sua equipe a estabelecer o controle da equipe. Se a inércia do salto faz com que ele volte à sua quadra de defesa, ele também é incapaz de evitar seu retorno com a bola à quadra de defesa. Portanto, se um jogador que está no ar devido um salto estabelece um novo controle pela equipe, a posição deste jogador em relação à quadra de ataque/defesa não será determinada até que o jogador tenha retornado com ambos os pés ao piso. Exemplo 1: A4, em sua quadra de defesa, tenta um passe de contra-ataque para A5 na quadra de ataque. B3 salta da quadra de ataque da equipe B, segura a bola enquanto está no ar e cai (a) Com ambos os pés na sua quadra de defesa. (b) Com um pé de cada lado da linha central. (c) Com um pé de cada lado da linha central e então dribla ou passa a bola para sua quadra de defesa. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 19 de 33 Interpretação: Não ocorreu violação. B3 estabeleceu o primeiro controle de bola da equipe B enquanto estava no ar e sua posição relativa à quadra de ataque/defesa não será determinada até que ambos os pés voltem ao solo. Em todos os casos B3 está legalmente na sua quadra de defesa. Exemplo 2: Na bola ao alto entre A4 e B4 que inicia o primeiro período, a bola foi legalmente tapeada quando A5 salta da sua quadra de ataque, segura a bola enquanto está no ar e cai (a) Com ambos os pés na quadra de defesa. (b) Com um de cada lado da linha central. (c) Com um pé de cada lado da linha central e então dribla ou passa a bola para sua quadra de defesa. Interpretação: Não ocorreu violação. A5 estabeleceu o primeiro controle de bola da equipe A enquanto estava no ar. Em todos os casos A5 está legalmente na sua quadra de defesa. Exemplo 3: A4, que está repondo a bola na sua quadra de ataque, tenta um passe para A3. A3 salta da sua quadra de defesa, segura a bola enquanto está no ar e cai (a) Com ambos os pés na quadra de defesa. (b) Com um de cada lado da linha central. (c) Com um pé de cada lado da linha central e então dribla ou passa a bola para sua quadra de defesa. Interpretação: Violação da equipe A. A4, que está repondo, estabeleceu o controle de bola pela equipe A na quadra de ataque antes de A3 segurar a bola enquanto estava no ar e cai na sua quadra de defesa. Em todos os casos A3 retornou a bola ilegalmente à quadra de defesa. Exemplo 4: A4, na sua quadra de defesa, tenta um passe para A5 em sua quadra de ataque. B4 salta da sua quadra de ataque, agarra a bola enquanto está no ar e, antes que caia na sua quadra de defesa, ele passa a bola para B5 na sua quadra de defesa. Interpretação: Violação de “volta de bola” da equipe B. ART. 31 DESCENDENTE E INTERFERÊNCIA Determinação 1 Quando a bola está acima do aro durante um arremesso para uma cesta de campo ou tentativa de lance livre, é uma interferência se um jogador colocar a mão por baixo e por dentro da cesta e tocar a bola. Exemplo: No último ou único lance livre de A4,
  • (a) Antes da bola tocar o aro, (b) Após a bola ter tocado o aro e ainda com possibilidade de entrar na cesta, B4 coloca a mão por debaixo da cesta e toca a bola. Interpretação: Violação de B4 por tocar ilegalmente na bola. (a) Um (1) ponto será concedido para A4 e uma falta técnica será marcada em B4. (b) Um (1) ponto será concedido para A4 mas não será marcada falta técnica em B4. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 20 de 33 Determinação 2 Quando a bola está acima do aro durante um passe ou após ter tocado o aro, é uma interferência se um jogador coloca a mão por debaixo (dentro) da cesta e toca a bola. Exemplo: A bola está sobre o aro como resultado de um passe quando B4 coloca a mão por debaixo (dentro) da cesta e toca a bola. Interpretação: Violação de B4. Dois (2) ou três (3) pontos serão concedidos para a equipe A. Determinação 3 Em seguida ao último ou único lance livre e depois que a bola tenha tocado o aro, o lance livre muda de estado e se converte em uma cesta de campo de dois pontos se a bola for legalmente tocada por qualquer jogador antes que entre na cesta. Exemplo: O último ou único lance livre de A4 toca o aro e está ressaltando acima dele. B4 tenta dar um tapa para afastar a bola, mas a bola entra na cesta. Interpretação: A bola foi tocada legalmente. O lance livre mudou de estado e dois (2) pontos serão concedidos para a equipe A. Determinação 4 Se, durante uma tentativa de cesta de campo, um jogador tocar a bola na sua trajetória ascendente, todas as restrições relacionadas à “descendente” e interferência serão aplicadas. Exemplo: Durante um arremesso para uma cesta de campo, a bola, em sua trajetória ascendente, é tocada por B5 (ou A5). Na sua trajetória descendente para a cesta, a bola é tocada por: (a) A3. (b) B3. Interpretação: O contato com a bola de A5 ou B5 em sua trajetória ascendente é legal e não muda a condição de um arremesso para uma cesta de campo. Não obstante, o contato seguinte de A3 ou B3 com a bola em sua trajetória descendente é uma violação. (a) A bola é concedida para uma reposição pela equipe B desde a linha de lance livre estendida. (b) Dois (2) ou três (3) pontos são concedidos para a equipe A. Determinação 5 É uma violação de interferência se, durante um arremesso para uma cesta de campo, um jogador faz com que a tabela ou o aro vibrem de tal modo que a bola, no julgamento do árbitro, seja impedida de entrar na cesta ou a tenha feito entrar na cesta. Exemplo: A4 tenta um arremesso de três pontos quase no final da partida. Enquanto a bola está no ar, soa o sinal do cronômetro de jogo para o final da partida. Em seguida ao sinal, B4 faz com que a tabela ou o aro vibrem e por isso, no julgamento do árbitro, a bola é impedida de entrar na cesta. Interpretação:
  • Mesmo após o sinal do cronômetro do jogo soar para o final da partida, a bola permanece viva e, portanto, uma violação de interferência ocorreu. Três (3) pontos são concedidos para a equipe A. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 21 de 33 Determinação 6 Uma interferência é cometida por um defensor ou um atacante, durante um arremesso para uma cesta de campo, quando um jogador toca a cesta ou a tabela enquanto a bola está em contato com o aro e ainda tem a possibilidade de entrar na cesta. Exemplo: Após um arremesso para uma cesta de campo de A4, a bola ressalta no aro e volta novamente a pousar sobre o aro. A bola ainda está tocando o aro quando B4 toca a cesta ou a tabela. Interpretação: Violação de B4. As restrições de interferência se aplicam enquanto a bola tiver possibilidade de entrar na cesta. ART. 33 CONTATO: PRINCÍPIOS GERAIS 33.10 Áreas semicirculares sem carga Determinação O propósito da regra do semicírculo sem carga é não recompensar um jogador defensor que toma uma posição sob sua própria cesta de maneira a obter uma falta uma falta de carga contra um jogador atacante que está com o controle da bola e está penetrando em direção à cesta. Para a regra do semicírculo sem carga ser aplicada: (a) O jogador defensor deverá ter ambos os pés dentro da área do semicírculo (ver Diagrama 1). As linhas do semicírculo não são parte da área semicircular. (b) O jogador atacante deverá se dirigir à cesta através da linha do semicírculo e tentar um arremesso para uma cesta de campo ou um passe enquanto estiver no ar. A regra do semicírculo sem carga não será aplicada e qualquer contato será julgado de acordo com as regras normais, i.e. princípio do cilindro, princípio de bloqueio/carga: (a) Em todas as situações de jogada ocorrendo fora da área semicircular sem carga e também se desenrolando desde a área entre a área semicircular e a linha final. (b) Em todas as situações de jogada de rebote quando, após um arremesso para uma cesta de campo, a bola ressalta e uma situação de contato ocorre. (c) Em qualquer uso ilegal das mãos, braços, pernas ou corpo, tanto do atacante quanto do defensor. Exemplo 1: A4 tenta um arremesso em suspensão que começa fora da área semicircular e faz uma carga em B4 que está dentro da área semicircular. Interpretação: A ação de A4 é legal já que a regra do semicírculo sem carga é aplicada. Exemplo 2: A4 dribla ao longo da linha final e, após alcançar a área atrás da tabela, salta diagonalmente ou para trás e faz carga em B4 que está em posição legal de defesa dentro da área semicircular. Interpretação: Falta de carga de A4. A regra do semicírculo sem carga não é aplicada já que A4 entrou na área semicircular sem carga desde a quadra de jogo diretamente atrás da tabela e sua linha imaginária estendida (ver Diagrama 1). Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 22 de 33 Exemplo 3: O arremesso para uma cesta de campo de A4 toca o aro e uma situação de rebote ocorre. A5 salta, agarra a bola e então faz uma carga em B4 que está em uma posição legal de defesa dentro da área do semicírculo.
  • Interpretação: Falta de carga de A5. A regra do semicírculo sem carga não é aplicada. Exemplo 4: A4 se dirige para a cesta e está no ato de arremesso. Ao invés de completar o arremesso para uma cesta de campo, A4 passa a bola para A5 que está diretamente atrás dele. A4 então comete uma carga em B4 que está dentro da área semicircular sem carga. Ao mesmo tempo A5, com a bola em suas mãos está se dirigindo diretamente para a cesta com a finalidade de pontuar. Interpretação: Falta de carga de A4. A regra do semicírculo sem carga não é aplicada já que A4 usou ilegalmente seu corpo para limpar o caminho de A5 para a cesta. Exemplo 5: A4 se dirige para a cesta e está no ato de arremesso. Ao invés de completar o arremesso para uma cesta de campo, A4 passa a bola para A5 que está colocado no canto da quadra de A4 então comete uma carga em B4 que está dentro da área semicircular sem carga. Interpretação: Ação legal de A4. A regra do semicírculo sem carga é aplicada. DENTRO FORA FORA FORA FORA FORA FORA Diagrama 1 Posição de um jogador dentro/fora da área semicircular sem carga ART. 35 FALTA DUPLA Determinação Sempre que existam decisões contrárias dos oficiais ou que infrações das regras aconteçam aproximadamente ao mesmo tempo e uma (1) das sanções é de cancelar a cesta convertida, essa sanção prevalece e pontos não serão concedidos. Exemplo: Durante o ato de arremesso, ocorre um contato físico entre o arremessador A4 e B4. A bola entra na cesta. O árbitro líder marca uma falta ofensiva de A4 e, portanto, a cesta não deverá valer. O árbitro seguidor marca uma falta defensiva de B4 e, portanto, a cesta deverá valer. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 23 de 33 Interpretação: Ocorreu uma falta dupla e a cesta não será válida. O jogo será reiniciado com uma reposição lateral para a equipe A, na altura da linha de lance livre estendida. A equipe A só terá o tempo que restava do período de vinte e quatro segundos quando a falta dupla ocorreu. ART. 36 FALTA ANTIDESPORTIVA Determinação 1 Durante os dois (2) últimos minutos do quarto período e durante os dois (2) últimos minutos de cada período extra, a bola está fora dos limites da quadra de jogo para uma reposição e ainda está nas mãos do oficial ou já à disposição do jogador que irá repor. Se neste momento um jogador defensor na quadra de jogo causa contato com um jogador da equipe atacante na quadra de jogo e uma falta é marcada, esta é uma falta antidesportiva. Exemplo 1: Com 0:53 a jogar no último minuto do jogo, A4 tem a bola em suas mãos ou à sua disposição ara uma reposição quando B5 causa contato na quadra de jogo e uma falta é marcada em B5. Interpretação: B5 obviamente não fez nenhum esforço para jogar a bola e ganhou uma vantagem não permitindo que o cronômetro fosse acionado. Uma falta antidesportiva deve ser marcada sem que nenhuma advertência tenha sido dada.
  • Exemplo 2: Com 0:53 a jogar no último minuto do jogo, A4 tem a bola em suas mãos ou à sua disposição para uma reposição quando A5 causa contato com B5 na quadra de jogo e uma falta é marcada em A5. Interpretação: A5 não obteve nenhuma vantagem cometendo uma falta. Uma falta pessoal é marcada em A5 a menos que exista um contato duro o qual deverá ser marcado como falta antidesportiva. A bola é concedida para a equipe B para uma reposição no local mais próximo do local da infração. Determinação 2 No(s) último(s) minuto(s) de um jogo equilibrado, após a bola ter deixado as mãos do jogador que está repondo, um jogador defensor, com a finalidade de parar ou não acionar o cronômetro de jogo, causa contato com um jogador atacante que está prestes a receber ou recebeu a bola na quadra de jogo. Este contato será marcado imediatamente como uma falta pessoal a menos que exista um contato duro que deverá ser marcado como uma falta antidesportiva ou falta desqüalificante. O princípio de vantagem/desvantagem não será aplicado. Exemplo 1: Com 1:02 para jogar nos últimos minutos de uma partida e com o placar de A 83 – B 80, a bola deixou as mãos do jogador A4 que está repondo, quando B5 causa contato na quadra de jogo com A5 que está prestes a receber a bola. Uma falta é marcada em B5. Interpretação: Uma falta pessoal será marcada em B5 imediatamente, a menos que os oficiais julguem que a severidade do contato de B5 requer a marcação de uma falta antidesportiva ou desqualificante. Exemplo 2: Com 1:02 para jogar nos últimos minutos de uma partida e com o placar de A 83 – B 80, a bola deixou as mãos do jogador A4 que está repondo, quando A5 causa contato na quadra de jogo com B5. Uma falta é marcada em A5. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 24 de 33 Interpretação: A5 não obteve vantagem cometendo uma falta. Uma falta pessoal será marcada em A5 imediatamente a menos que exista um contato duro. A bola é concedida para a equipe B para uma reposição no local mais próximo do local da infração. Exemplo 3: Com 1:02 para jogar nos últimos minutos de uma partida e com o placar de A 83 – B 80, a bola deixou as mãos do jogador A4 que está repondo quando, em uma área da quadra de jogo diferente de onde a reposição está sendo administrada, B5 causa contato em A5. Uma falta é marcada em B5. Interpretação: B5 obviamente não fez nenhum esforço para jogar a bola e ganhou uma vantagem não permitindo que o cronômetro de jogo fosse acionado. Uma falta antidesportiva deve ser marcada sem que nenhuma advertência tenha sido dada. ART. 38 FALTA TÉCNICA Determinação 1 Uma advertência de um oficial é dada a um jogador por uma ação ou comportamento que, em caso de repetição, pode levar a uma falta técnica. Essa advertência também deve ser transmitida ao técnico dessa equipe e se aplicará a qualquer membro dessa equipe, para ações semelhantes, durante o resto da partida. O aviso de um oficial só deve ser feito quando a bola estiver morta e o cronômetro de jogo parado.
  • Exemplo: Uma advertência é dada a um membro da equipe A por: (a) Interferir com a reposição. (b) Seu comportamento. (c) Qualquer outra ação que, se repetida, pode levar a uma falta técnica. Interpretação: A advertência também será comunicada ao técnico de A e se aplicará a todos os membros da equipe A, para ações similares, pelo restante do jogo. Determinação 2 Durante um intervalo de jogo uma falta técnica é cometida por um membro da equipe com direito a jogar e que está designado como jogador-técnico. A falta técnica contará como falta de jogador e como falta coletiva no próximo período. Exemplo: Uma falta técnica é marcada no Jogador-técnico A4 por: (a) Pendurar-se no aro durante o aquecimento pré-partida ou do intervalo do meio tempo. (b) Seu comportamento durante um intervalo de jogo. Interpretação: Em ambos os casos marca-se uma falta técnica em A4 como jogador. A falta contará como uma (1) das faltas coletivas do período seguinte assim como uma (1) das cinco (5) faltas como jogador. Determinação 3 Enquanto um jogador está no ato do arremesso, os adversários não podem desconcentrá-lo mediante ações tais como agitar a(s) mão(s) para obstruir o campo de visão do arremessador, gritar, pisar com força no solo ou bater palmas perto do arremessador. Tais ações podem levar a uma falta técnica se puserem o arremessador em desvantagem ou uma advertência será dada se o arremessador não foi posto em desvantagem. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 25 de 33 Exemplo: A4 está no ato do arremesso para uma cesta de campo quando B4 tenta distrair A4 gritando ou pisando pesadamente no solo. O arremesso para a cesta de campo é: (a) Convertido. (b) Não convertido. Interpretação: Será dada uma advertência a B4 que também deverá ser comunicada ao técnico de B. (a) Esta advertência aplicar-se-á a todos os jogadores da equipe B pelo resto da partida, por comportamento semelhante. (b) Uma falta técnica será marcada contra B4. Determinação 4 Um jogador volta a participar da partida após ter cometido sua quinta falta e após ter sido comunicado que já não tem mais o direito a jogar. Essa participação ilegal será penalizada no momento que for descoberta, sem pôr os adversários em desvantagem. Exemplo: Após cometer sua quinta falta, B4 é comunicado que já não tem direito a jogar. Mais tarde, B4 volta à partida como substituto. A participação ilegal de B4 é descoberta: (a) Antes que a bola esteja viva para o reinício da partida. (b) Depois que a bola se torna viva novamente e enquanto a equipe A está com o controle da bola. (c) Depois que a bola se torna viva novamente e enquanto a equipe B está com o controle da bola. (d) Depois que a bola se torna morta novamente após B4 ter entrado no jogo outra vez. Interpretação: (a) B4 será retirado da partida imediatamente. Uma falta técnica será marcada contra o técnico de
  • B, registrada como ‘B’. (b) A partida será interrompida imediatamente a menos que a equipe A seja posta em desvantagem. B4 será retirado da partida e uma falta técnica será marcada contra o técnico de B, registrada como ‘B’. (c), (d) A partida será interrompida imediatamente. B4 será retirado da partida e uma falta técnica será marcada contra o técnico de B, registrada como ‘B’. Determinação 5 Se, após ter sido comunicado que já não tem mais o direito a jogar devido a sua quinta falta, um jogador volta a entrar na partida e marca uma cesta, comete uma falta ou sofre uma falta de um oponente antes que se descubra a participação ilegal, a cesta será válida e a falta será considerada como falta de jogador. Exemplo: Após ter cometido sua quinta falta e ter sido comunicado que já não tem o direito a jogar, B4 volta à quadra como substituto. Esta participação ilegal é descoberta depois que: (a) B4 marca uma cesta de campo. (b) B4 comete uma falta. (c) B4 sofre falta de A4 (quinta falta coletiva). Interpretação: (a) A cesta de campo de B4 é válida. (b) A falta de B4 é uma falta de jogador. (c) Os dois (2) lances livres para B4 serão tentados pelo seu substituto. Em todos os casos, uma falta técnica será marcada contra o técnico de B, registrada como ‘B’. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 26 de 33 Determinação 6 Se após ter cometido sua quinta falta e não ter sido comunicado de que não tem mais direito a jogar, um jogador permanece na, ou volta a entrar na partida, esse jogador deverá ser retirado da partida tão logo o erro seja descoberto sem colocar os adversários em desvantagem. Não será aplicada penalidade pela participação ilegal do jogador. Se esse jogador converte uma cesta de campo, comete uma falta ou sofre uma falta de um oponente, a cesta será válida e as faltas serão consideradas como faltas de jogador. Exemplo 1: A10 solicita substituir A4. A próxima bola fica morta em conseqüência de uma falta de A4 e A10 entra no jogo. Os oficiais falham e não comunicam a A4 que aquela falta é sua quinta falta. Posteriormente, A4 volta à quadra de jogo como substituto. A participação ilegal de A4 é descoberta: (a) Após o cronômetro de jogo ter sido acionado e enquanto A4 está participando como jogador. (b) Após A4 ter marcado uma cesta de campo. (c) Após A4 cometer falta em B4. (d) Após B4 cometer falta em A4 durante um arremesso para uma cesta de campo não convertido. Interpretação: (a) A partida será interrompida e A4 deverá ser retirado imediatamente e substituído, sem por a equipe B em desvantagem. Não haverá penalidade pela participação ilegal de A4. (b) A cesta de campo de A4 será válida. (c) A falta de A4 é uma falta de jogador e será penalizada de acordo. (d) Falta de B4. Dois (2) ou três (3) lances livres serão concedidos ao substituto de A4. Exemplo 2: Dez (10) minutos antes do início da partida uma falta técnica é marcada em A4. Antes do início do jogo, o técnico de B designa B4 para tentar dois (2) lances livres, porém B4 não é um dos cinco (5) jogadores designados para começar a partida. Interpretação:
  • Um (1) dos jogadores entre os cinco (5) designados para iniciar o jogo tem de tentar os lances livres. Não se podem conceder substituições antes do tempo de jogo ter começado. Determinação 7 Quando um jogador cai para simular uma falta tentando obter uma vantagem injusta, conseguindo que uma falta seja marcada contra o seu adversário injustamente ou criando uma atmosfera antidesportiva dos espectadores contra os árbitros, esse comportamento deve ser considerado como antidesportivo. Exemplo: A4 está em direção à cesta quando B4 cai de costas no chão sem que tenha acontecido contato entre estes jogadores ou depois de um contato insignificante que é seguido por uma exibição teatral de B4. Os jogadores da equipe B já tinham sido advertidos por esta ação por meio do seu técnico. Interpretação: Este comportamento é obviamente antidesportivo e envenena o desenvolvimento tranqüilo da partida. Uma falta técnica será marcada. Determinação 8 Podem ocorrer sérias lesões devido o movimento excessivo dos cotovelos, especialmente na atividade de rebote e situações de marcação pressionada. Se tal ação cria contato, deve-se sancionar uma falta pessoal. Se a ação não cria contato, pode se marcar uma falta técnica. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 27 de 33 Exemplo: A4 obtém o controle da bola em um rebote e retorna ao piso. A4 é marcado de perto imediatamente por B4. Sem causar contato, A4 balança os cotovelos excessivamente na intenção de intimidar a B4 ou criar um espaço suficiente para poder pivotear, passar ou driblar. Interpretação: A ação de A4 não se ajusta ao espírito e intenção das Regras. Uma falta técnica pode ser marcada em A4. ART. 39 BRIGA Determinação Uma reposição é concedida a uma equipe porque esta equipe controlava a bola no momento que ocorreu uma briga ou no momento em que uma briga podia ocorrer. Esta equipe terá somente o tempo restante no relógio de vinte e quatro (24) segundos quando a partida for reiniciada. Exemplo: A equipe A controla a bola durante vinte segundos quando ocorre uma situação que pode degenerar em uma briga. Os oficiais desqualificam membros de ambas as equipes por abandonar as suas áreas de banco. Interpretação: A equipe A, que controlava a bola antes da situação de briga começar, terá direito a uma reposição desde o prolongamento da linha central, no lado oposto à mesa do apontador com apenas quatro (4) segundos restando no relógio de vinte e quatro (24) segundos. ART. 42 SITUAÇÕES ESPECIAIS Determinação 1 Em situações especiais com um número de penalidades a se administrar durante o mesmo período de cronômetro parado, os oficiais devem prestar atenção especial na ordem em que a violação ou as faltas ocorreram, para determinar quais penalidades devem ser administradas e quais devem ser canceladas. Exemplo 1: A4 tenta um arremesso aéreo para uma cesta de campo. Enquanto a bola está no ar, o sinal do relógio de vinte e quatro (24) segundos soa. Em seguida ao sinal, com A4 ainda no ar, B4 comete uma falta antidesportiva em A4 e: (a) A bola não toca o aro.
  • (b) A bola toca o aro mas não entra na cesta (c) A bola entra na cesta. Interpretação: Em todos os casos a falta antidesportiva de B4 não pode ser desprezada. (a) A4 sofreu falta de B4 enquanto A4 estava no ato do arremesso. A violação dos vinte e quatro (24) segundos da equipe A será ignorada uma vez que ocorreu depois da falta antidesportiva. Dois (2) ou três (3) lances livres são concedidos para A4, seguidos por uma reposição para a equipe A no prolongamento da linha central, no lado oposto à mesa do apontador. (b) Não ocorreu violação dos vinte e quatro (24) segundos. Dois (2) ou três (3) lances livres são concedidos para A4, seguidos por uma reposição para a equipe A no prolongamento da linha central, no lado oposto à mesa do apontador. (c) Dois (2) ou três (3) lances livres e um (1) lance livre adicional são concedidos para A4, seguidos por uma reposição para a equipe A no prolongamento da linha central, no lado oposto à mesa do apontador. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 28 de 33 Exemplo 2: A4 tenta um arremesso para uma cesta de campo e sofre falta de B3. Em seguida, enquanto A4 ainda está no ato do arremesso, ele sofre falta de B4. Interpretação: A falta de B4 será desprezada a menos que seja uma falta antidesportiva ou desqualificante. Determinação 2 Se faltas duplas ou faltas com penalidades iguais são cometidas durante a atividade de lances livres, as faltas serão anotadas, mas não serão administradas as penalidades. Exemplo 1: Dois (2) lances livres são concedidos para A4. Após o primeiro lance livre: (a) A5 e B5 cometem uma falta dupla. (b) A5 e B5 cometem faltas técnicas. Interpretação: Faltas serão marcadas contra A5 e B5, após isso A4 arremessará seu segundo lance livre. A partida será reiniciada normalmente como após qualquer último ou único lance livre. Exemplo 2: Dois (2) lances livres são concedidos a A4. Ambos os lances livres são convertidos. Antes que a bola volte a estar viva depois do último lance livre: (a) A5 e B5 cometem uma falta dupla. (b) A5 e B5 cometem faltas técnicas. Interpretação: Em ambos os casos as faltas são marcadas contra os jogadores envolvidos, após isso a partida será reiniciada com uma reposição desde a linha final como após qualquer último ou único lance livre convertido. Determinação 3 No caso de faltas duplas e após o cancelamento de penalidades iguais contra ambas as equipes, se não houver outras penalidades restando a ser administradas, o jogo é reiniciado com uma reposição pela equipe que tinha o controle da bola ou o direito a bola antes da primeira infração. No caso de nenhuma equipe ter o controle da bola ou o direito à bola antes da primeira infração, esta é uma situação de bola ao alto. A partida é reiniciada com uma reposição de posse alternada. Exemplo: Durante um intervalo de jogo entre o primeiro e segundo períodos, os jogadores A5 e B5 cometem faltas desqualificantes ou técnico de A e técnico de B cometem faltas técnicas. A seta de posse alternada aponta para: (a) Equipe A.
  • (b) Equipe B. Interpretação: (a) O jogo é reiniciado com uma reposição para a equipe A desde o prolongamento da linha central, no lado oposto à mesa do apontador. No momento que a bola toca ou é legalmente tocada por um jogador na quadra de jogo, a seta mudará de direção a favor da equipe B. (b) O mesmo procedimento é seguido, começando com uma reposição concedida para a equipe B. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 29 de 33 ART. 44 ERROS CORRIGÍVEIS Determinação 1 Para ser corrigível, o erro tem de ser descoberto pelos oficiais, oficiais de mesa ou comissário, se presente, antes da bola tornar-se viva em seguida à primeira bola morta após o cronômetro de jogo ter sido acionado em seguida ao erro. Isto é: O Erro ocorre Todos os erros ocorrem durante uma bola morta Bola viva Erro é corrigível Cronômetro é acionado ou continua ligado Erro é corrigível Bola morta Erro é corrigível Bola viva Erro não é mais corrigível Após a correção do erro, o jogo será reiniciado e a bola será concedida a equipe com o direito à bola no momento que a partida foi interrompida para corrigir o erro. Exemplo: B4 comete falta em A4 e esta é a segunda falta da equipe B. O oficial comete um erro concedendo dois (2) lances livres. Após o último lance livre convertido, o jogo continua e o cronômetro de jogo é acionado. B5 recebe a bola, dribla e marca. O erro é descoberto: (a) Antes (b) Depois da bola estar à disposição de um jogador da equipe A para a reposição na linha final. Interpretação: A cesta de B5 é válida. Em (a), qualquer lance livre convertido será cancelado. O erro ainda é corrigível e a bola será concedida para a equipe A para uma reposição na linha final onde o jogo foi interrompido para a correção do erro. Em (b), o erro não é mais corrigível e o jogo continua. Determinação 2 Se o erro consiste no jogador errado arremessando o (s) lance(s) livre(s), o(s) lances livre(s) arremessado( s) como resultado desse erro serão cancelados. A bola será concedida aos oponentes para uma reposição na linha de lance livre estendida. Se o jogo já foi reiniciado, a bola será concedida aos oponentes para uma reposição no local mais próximo de onde o jogo foi interrompido, a menos que penalidades por outras infrações devam ser administradas. Se os oficiais descobrem que um jogador errado tem a intenção de arremessar o(s) lance(s) livre(s), antes que a bola tenha deixado as mãos do arremessador do(s) lance(s) livre(s) para o primeiro ou único lance livre, ele será imediatamente trocado pelo arremessador correto sem nenhuma sanção. Exemplo 1: B4 comete falta em A4 e esta é a sexta falta da equipe B. Dois (2) lances livres são concedidos para A4. Ao invés de A4 é A5 quem tenta os (2) lances livres. O erro é descoberto: (a) Antes da bola ter deixado as mãos de A5 para o primeiro lance livre. (b) Após a bola ter deixado as mãos de A5 para o primeiro lance livre. (c) Após o segundo lance livre convertido. Interpretação:
  • Em (a), o erro é imediatamente corrigido e A4 é chamado para tentar os dois (2) lances livres sem nenhuma sanção para a equipe A. Em (b) e (c) os dois (2) lances livres são cancelados e o jogo é reiniciado com uma reposição para a equipe B na linha de lance livre estendida. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 30 de 33 O mesmo procedimento será aplicado se a falta de B4 for antidesportiva. Neste caso, também o direito à posse da bola como parte da penalidade é cancelado e o jogo é reiniciado com uma reposição para a equipe B desde a linha central estendida. Exemplo 2: B4 comete falta em A4 no ato do arremesso seguido por uma falta técnica do técnico de B. Ao invés de A4, é A5 quem tenta todos os quatro (4) lances livres. O erro é descoberto antes da bola ter deixado as mãos de um jogador da equipe A para a reposição que é parte da penalidade da falta técnica. Interpretação: Os dois (2) lances livres de A5 que deveriam ter sido tentados por A4 são cancelados e o jogo é reiniciado com uma reposição da equipe A na linha central estendida, no lado oposto à mesa do apontador. Determinação 3 Após a correção do erro, o jogo será reiniciado desde o ponto em que foi interrompido para a correção, a menos que a correção implique em conceder lance(s) livre(s) merecido(s) e: (a) Se não houve mudança na posse de bola pela equipe desde que se cometeu o erro, o jogo será reiniciado como depois de qualquer lance livre normal. (b) Se não houve mudança na posse de bola pela equipe desde que se cometeu o erro e a mesma equipe marca uma cesta, o erro será desprezado e o jogo será reiniciado como após qualquer cesta de campo normal. Exemplo 1: B4 comete falta em A4 e essa é a quinta falta da equipe B. Por erro, é concedida uma reposição ao invés dos dois (2) lances livres a A4. A5 dribla a bola na quadra de jogo quando B5 toca a bola para fora da quadra de jogo. O técnico da equipe A solicita um tempo debitado. Durante o tempo debitado, os oficiais se dão conta do erro ou são avisados que dois (2) lances livres deveriam ter sido concedidos para A4. Interpretação: Dois (2) lances livres são concedidos para A4 e o jogo é reiniciado como após qualquer lance livre normal. Exemplo 2: B4 comete falta em A4 e essa é a quinta falta da equipe B. Por erro, é concedida uma reposição ao invés dos dois (2) lances livres a A4. Após a reposição, A5 sofre falta de B4 em sua tentativa de arremesso para uma cesta de campo não convertida e lhe são concedidos dois (2) lances livres. Durante o tempo debitado, Durante o tempo debitado, os oficiais se dão conta do erro ou são avisados que dois (2) lances livres deveriam ter sido concedidos para A4. Interpretação: A4 terá dois (2) lances livres sem jogadores alinhados para rebote. Então, A5 tentará dois (2) lances livres e o jogo será reiniciado como depois de qualquer lance livre normal. Exemplo 3: B4 comete falta em A4 e essa é a quinta falta da equipe B. Por erro, é concedida uma reposição ao invés dos dois (2) lances livres a A4. Após a reposição, A5 marca uma cesta de campo. Antes da bola tornar-se viva os oficiais descobrem o erro. Interpretação: O erro é desprezado e o jogo continuará como após qualquer cesta de campo normal. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 31 de 33 ART. 46 ÁRBITRO: DEVERES E PODERES Determinação 1
  • O árbitro está autorizado a identificar as situações quando o uso do equipamento é apropriado, ou, por uma solicitação de um técnico, para verificar se um último arremesso no final de um período foi solto durante o tempo de jogo e/ou se este arremesso valerá dois (2) ou três (3) pontos. O árbitro é o único a decidir se tal equipamento será ou não utilizado. No caso de uma revisão no “replay”, esta revisão será conduzida pelos oficiais, comissário, se presente, e o cronometrista. O árbitro tomará a decisão final. A solicitação para o uso do equipamento de “replay” tem de ser feita antes do início do próximo período ou antes do árbitro ter assinado a súmula de jogo. Exemplo 1: A4 arremessa com sucesso para uma cesta de campo quando o sinal do cronômetro de jogo soa para o final do período ou do jogo. O técnico de B expressa sua opinião que, quando do último arremesso para cesta de campo convertido de A4, a bola foi solta após o término do tempo de jogo e solicita o uso do equipamento de “replay” (a) Os oficiais estão absolutamente convictos de sua decisão. (b) Os oficiais tem alguma dúvida ou discordam se o arremesso foi solto antes do sinal do cronômetro do jogo ter soado para o final do período ou jogo. Interpretação: (a) O árbitro não aceita a solicitação do técnico de B. (b) O árbitro aceita a solicitação do técnico de B. A revisão da jogada será realizada na presença dos oficiais, comissário, se presente, e do cronometrista. Se a repetição apresenta uma prova visual clara e conclusiva de que a bola foi solta depois do final do tempo de jogo do período ou partida, a cesta é cancelada. Se a repetição confirma que a bola foi solta antes do final do tempo de jogo do período ou partida, o árbitro confirma os dois (2) pontos para a equipe A. Exemplo 2: A equipe A está vencendo por dois (2) pontos. O sinal do cronômetro do jogo soa para o final do período ou jogo quando uma falta pessoal de A4 é marcada e dois (2) lances livres são concedidos para B4. Ambos os lances livres são convertidos e o resultado é um empate. Antes do início do período seguinte ou período extra, o técnico da equipe A solicita o uso do equipamento de “replay”. Interpretação: O equipamento técnico pode ser usado apenas para certificar se o último arremesso foi feito (não uma falta marcada) antes ou depois do final do tempo de jogo para um período. A solicitação do técnico A será negada. Exemplo 3: A equipe A está vencendo por dois (2) pontos. O sinal do cronômetro do jogo soa para o final do período ou jogo quando B4 arremessa para uma cesta de campo e converte, mas apenas dois (2) e não (3) pontos são concedidos pelos oficiais Antes do início do período seguinte ou período extra, ou antes do árbitro ter assinado a súmula, o técnico da equipe B solicita o uso do equipamento de “replay”.. Interpretação: O equipamento técnico pode ser usado para verificar se o arremesso final ao término do período foi solto durante o tempo de jogo e/ou se este arremesso valerá dois (2) ou três (3) pontos. A solicitação do técnico de B será aceita. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 32 de 33 Determinação 2 Antes da partida, o árbitro aprovará o equipamento técnico e informará aos dois (2) técnicos da sua disponibilidade. Apenas o equipamento técnico aprovado pelo árbitro pode ser usado para a revisão do “replay”. Exemplo: A4 arremessa para uma cesta de campo quando o sinal do cronômetro de jogo soa para o final do período ou jogo. O Arremesso é convertido. O técnico de B solicita a revisão do
  • “replay” porque, em sua opinião, o arremesso foi solto após o sinal do cronômetro de jogo ter soado para o final do período. Não existe equipamento técnico aprovado na quadra de jogo, mas o gerente da equipe B alega que o jogo foi filmado pelo câmera da equipe de uma posição elevada e apresenta o material de vídeo aos oficiais para revisão. Interpretação: A solicitação do técnico da equipe B será negada. ART. 50 OPERADOR DOS 24 SEGUNDOS: DEVERES Determinação O relógio de vinte e quatro (24) segundos será desligado após a bola tornar-se morta e o cronômetrode jogo ter sido paralizado quando faltarem menos de vinte e quatro (24) ou catorze (14) segundos nocronômetro de jogo em qualquer período. Exemplo 1: Com dezoito (18) segundos no cronômetro de jogo e três (3) segundos no relógio de vinte e quatro(24) segundos,o jogador B1, na sua quadra de defesa chuta a bola deliberadamente. Interpretação: O jogo é reiniciado com uma reposição para a equipe A na sua quadra de ataque com dezoito (18)segundos no cronômetro de jogo e catorze (14) segundos no relógio de vinte e quatro (24) segundos. Exemplo 2: Com sete (7) segundos no cronômetro de jogo e três (3) segundos no relógio de vinte e quatro (24) segundos, o jogador B1, na sua quadra de defesa, deliberadamente chuta a bola. Interpretação: O jogo é reiniciado com uma reposição para a equipe A, na sua quadra de ataque com sete (7) segundos no cronômetro de jogo e o relógio de vinte e quatro (24) segundos será desligado. Interpretações Oficiais FIBA 2010/LK/JCOF Pág. 33 de 33