• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Compras coletivas - entendendo o contexto [by Bruno Trindade]
 

Compras coletivas - entendendo o contexto [by Bruno Trindade]

on

  • 9,055 views

É incontestável o crescimento dos sites de compra coletiva no Brasil. Acredito que seja o modelo de negócios online que atingiu um resultado positivo em menos tempo. ...

É incontestável o crescimento dos sites de compra coletiva no Brasil. Acredito que seja o modelo de negócios online que atingiu um resultado positivo em menos tempo.
Na apresentação, faço uma analise desse "boom" e tento colocar no contexto do cenário positivo.

OBS.: Fiz um post na comunidade CampiDigital para enriquecer a discussão: http://goo.gl/f3GSK

Statistics

Views

Total Views
9,055
Views on SlideShare
8,950
Embed Views
105

Actions

Likes
23
Downloads
493
Comments
8

8 Embeds 105

http://datatrends.posterous.com 80
http://www.blogdokaio.com 16
http://blogdokaio2011.blogspot.com.br 4
http://us-w1.rockmelt.com 1
http://www.slideshare.net 1
http://www.techgig.com 1
http://www.twylah.com 1
http://blogdokaio2011.blogspot.pt 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution-NonCommercial LicenseCC Attribution-NonCommercial License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

18 of 8 previous next Post a comment

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Compras coletivas - entendendo o contexto [by Bruno Trindade] Compras coletivas - entendendo o contexto [by Bruno Trindade] Presentation Transcript

    • A “FEBRE” DASCOMPRAS COLETIVAS ENTENDENDO O CONTEXTO[OUTUBRO/2011]REVISÃO 07
    • CENÁRIOINTERNET NO BRASIL
    • O Brasil e, consequentemente o brasileiro, vive hoje emum cenário de crescimento, com aumento do poderaquisitivo, mobilidade social e um baixíssimo nível dedesemprego.Esse cenário reflete-se diretamenteno poder de consumo.
    • O computador torna-se um itemcada vez mais comum na casa dobrasileiro. •Nos últimos 5 anos, o número de domicílios com computador praticamente dobrou:
    • E a internet acompanha essecrescimento: •Já somos 68 milhões de usuários; • A internet já está presente em 27,4% dos domicílios.
    • CENÁRIOE-COMMERCE NO BRASIL
    • O e-commerce, logicamente,beneficia-se do aumento do númerode usuários e cresce de maneiraexpressiva:
    • • Segundo dados da E-consulting Corp, o volume de faturamento dos principais representantes do comércio eletrônico do Brasil nos segmentos bens de consumo, automobilismo e turismo, ultrapassou R$ 26 bilhões em 2010, um crescimento de 20% em relação ao ano anterior.Fonte: Revista Proxxima, 26 (março/2011)
    • Fonte: Revista Proxxima, 26 (março/2011)
    • Um número cada vez maior de brasileiros compra pela internet. A estimativa é que tenhamos 23 milhões de e- consumidores, correspondendo a 33% do total de usuários.Número de consumidores virtuais em milhões. Pessoas que fizeram pelo menos uma compra na internetFonte: Revista Exame, 987 (março/2011) - Com dados e-Bit, eMarketer, iResearch e Comscore
    • “Você costuma fazer compras pelainternet?” e “Com qual frequênciavocê costuma comprar pelainternet?”
    • Fonte: Pesquisa F/Radar (abril/2010)
    • • 23% dos internautas costumam comprar on-line;• Quanto mais velhos, mais instruídos e maior a renda,mais os internautas compram on-line;• Internautas de 45 a 59 anos são os que mais compram ecom maior frequência.Fonte: Pesquisa F/Radar (abril/2010)
    • “Por qual razão você não costumafazer compras pela internet?”
    • Fonte: Pesquisa F/Radar (abril/2010)
    • • Em 2010, sete em cada dez internautas brasileirosvisitaram algum site de varejo online. É a maiorpercentual em toda a América Latina.
    • Porcentagem do total de usuários de internet que visitaram uma loja virtual em 2010*População com 15 anos ou maisFonte: Revista Exame, 987 (março/2011))Com dados e-Bit, eMarketer, iResearch e Comscore
    • Os sites de varejo mais acessados no Brasil Porcentagem do total de usuários de internet que visitaram o site em 2010Fonte: Revista Exame, 987 (março/2011)Com dados e-Bit, eMarketer, iResearch e Comscore
    • Os maiores varejistas online em termos de faturamento Em bilhões de reaisFonte: Revista Exame, 987 (março/2011)Com dados e-Bit e Gmattos Consultoria
    • Tiquete médio das compras online Em dólaresFonte: Revista Exame, 987 (março/2011)Com dados e-Bit, eMarketer, iResearch e Comscore
    • CENÁRIOCOMPRAS COLETIVAS
    • Um dos mais básicos raciocínios nomundo dos negócios: quem compra emvolumes maiores tem mais poder debarganha.
    • Adicione o poder e a dinâmica dainternet e redes sociais e temos ummodelo de negócios que cresceassombrosamente no Brasil: Sites decompras coletivas.
    • Um formato de e-commercebaseado em ofertas agressivassegmentadas por cidades edivulgado principalmente atravésdas redes sociais.
    • •Embalados pelo crescimento do e-commerce, os sites decompra coletiva se estabeleceram no Brasil em 2010;• Estima-se que o segmento tenha movimentado R$ 200milhões;• A previsão, é que em 2011, o faturamento do setorultrapasse R$ 1bilhão.
    • O sites de compra coletiva tornaram-se uma “febre” noBrasil, com uma adesão expressiva de usuários em umcurto espaço de tempo.
    • • Atualmente, acredita-se que mais de 8 milhões de brasileiros tornaram-se adeptos das compras coletivas;• A estimativa é que esse número ultrapasse 20 milhões de usuários até o final de 2011.
    • Em relação ao perfil do usuário de compra coletiva, temos umaparticipação masculina levemente superior à feminina (54,9%) euma maior concentração na faixa etária de 25 a 49 anos.Fonte: Pesquisa NetView – Ibope Nielsen Online
    • O site Bolsa de Ofertas (que monitora as atividades nosegmento de compra coletiva) identificou em dezembro/2010,405 sites que atuavam com compras coletivas.Fonte: www.bolsadeofertas.com.br/
    • Sites de compracoletiva crescem153% no períodode dez/2010 ajan/2011.
    • Em novo levantamento, o Bolsa de ofertas, identificou emfev/2011, 1025 sites do compras coletivas;Em menos de 60 dias foram criados 620 novos sites.Fonte: www.bolsadeofertas.com.br/
    • Em outubro de 2011, a revista Info apontava 1800 sitesde compras coletivas ativos.Um crescimento de 75% nos últimos 08 meses.Fonte: Revista Info, 308
    • Até outubro de 2011, foram vendidosem média 1,5 milhão de cupons pormês. Ou seja, 35 cupons por minuto.Fonte: Revista Info, 308
    • COMPRAS COLETIVASOS LÍDERES NO BRASIL
    • Apesar da “explosão” dos sites de compra coletivas, o mercadoé bastante concentrado, os 4 grandes sites respondem por80% do mercado*. São empresas baseadas em grandesestruturas, com centenas de funcionários prospectando ofertas,call center para registrar queixas, e dinheiro de investidoresbrasileiros e estrangeiros. 20% Clube Urbano Groupon Click On 80% ImperdívelFonte: Revista Veja, Fevereiro/2011/
    • OBS.: Essa informação sobre a concentração do mercado, estána Veja (Ed. 2204), com dados do e-bit.Acredito na forte concentração, pois os líderes tem uma grandemusculatura (estrutura e capacidade de investimento), maspessoalmente, achei a concentração excessiva (80% para 4sites).Mas o estudo realizado pelo agregador de ofertas Comune,apontou um resultado semelhante.
    • • De acordo com os dados, que são coletados de forma automática pelos robôs do Comune, os seis maiores sites – ClickOn, Clube do Desconto, Groupon, Imperdível, Oferta X e Peixe Urbano – venderam 82,5% de um total de 1,3 milhão de cupons de desconto oferecidos em janeiro 2011.• Considerando as vendas em reais, a participação dos seis maiores diminui um pouco: 78,8% da receita vieram deste grupo, ante 21,2% do restante da lista de cerca de 200 sites considerada pela pesquisa.Fonte: www.idgnow.com.br
    • GROUPON •Fundado em 2008 nos EUA, é o responsável pelo modelo que inspira a maioria dos sites de compra coletiva atualmente; •Presente em 43 países; •Valor estimado de mercado – US$ 15 milhões; •Brasil já é o 5º maior mercado do Groupon no mundo; • São Paulo já é responsável pelo 3º maior faturamento da rede, atrás de Londres e Paris; •O escritório brasileiro já conta com 500 funcionários; • 7 milhões de usuários cadastrados; • Receita estimada em 2010: R$ 30 milhões*Fonte: *Revista Exame PME, fevereiro de 2011 e Revista Exame, julho de 2011
    • PEIXE URBANO •Site brasileiro que “inaugurou” o segmento de compra coletiva no país; • Emprega 650 pessoas, (em fevereiro eram 200 pessoas); • Tem mais de 5 milhões de usuários cadastrados e já realizou 3 mil ofertas com mais de 2 milhões de cupons vendidos; • Recebeu, no fim de 2010, um aporte financeiro de um fundo de venture capital americano. O apresentador Luciano Huck é dono de 5% do site; • Receita estimada em 2010: R$ 50 milhões*Fonte: *Revista Exame PME, fevereiro de 2011 e Revista Exame, julho de 2011
    • IMPERDÍVEL • Para diferenciar-se no mercado, foca suas ofertas para um público com maior poder aquisitivo; • Com a adoção da estratégia de segmentação das ofertas, o ticket médio do site passou de R$ 25 para R$ 100; • Inciou um processo de expanção com a aquisição do site DeuSampa (que atuava em SP, RJ e AM); • 1 milhão de usuários cadastrados • Receita estimada em 2010: R$ 10 milhões*Fonte: *Revista Exame PME, fevereiro de 2011
    • CLICK ON • Recebeu um aporte de R$ 17 milhões do fundo suíço Global Group Buying; • Emprega 300 pessoas • Adotou uma estratégia de negócios diferenciadas para crescer no mercado. Busca parceria com outras empresas, ficando responsável por toda operação do site (cobrando uma taxa mensal e comissão sobre vendas), e a empresa parceira entra com a marca e o cadastro de clientes; • Lançou em parceria com o Grupo Abril o Bananarama; •4 milhões de usuários cadastrados; •Receita estimada em 2010: R$ 25 milhões*Fonte: *Revista Exame PME, fevereiro de 2011 e Revista Exame, julho de 2011
    • OFERTA ÚNICA • Concentrou sua operação no mercado de São Paulo; • E buscou regionalizar suas ofertas, dividindo São Paulo em quarto regiões (Leste, Oeste, Norte e Sul); • Triplicou as vendas após a adoção dessa estratégia; • Não se baseia na mobilização de um mínimo de compradores para garantir as ofertas. Basta efetuar a compra e a oferta é prontamente disponibilizada para utilização •1 milhão de usuários cadastrados; •Receita estimada em 2010: R$ 15 milhões*Fonte: *Revista Exame PME, fevereiro de 2011
    • OUTROS PLAYERS E MOVIMENTAÇÕES DE MERCADO • Oferta X, que já realizou até venda de apartamentos, foi comprada pelo Compra Fácil, um dos principais players de e- commerce do Brasil; • Buscando expandir a atuação, o NaColmeia utiliza o modelo de franquias para todo o Brasil; •O Dog Urbano tem ofertas apenas para o mercado pet;
    • OUTROS PLAYERS E MOVIMENTAÇÕES DE MERCADO • ObaGanhei permite a utilização da oferta no momento da compra, com ofertas diversas, sem limite mínimo de compra e por tempo maior. Mais parecido com um catalogo de ofertas do que um site de compras coletivas; • BeClub tem uma proposta bastante diferenciada, oferece uma plataforma para que os empreendedores possam criar seus próprios clubes de compra; • Ofertas Club, por R$ 5 mil a empresa oferece tudo que é preciso para iniciar o negócio, desde o sistema ao cartão de visita.
    • OUTROS PLAYERS E MOVIMENTAÇÕES DE MERCADO • Clube do Ricardo A Máquina de Vendas, holding dona das marcas Ricardo Eletro e Insinuante, lançou em out/2011 o seu site de compra coletiva, com uma ação de marketing diferenciada, que irá premiar (em dez/2011) os 10 usuários que mais indicarem contatos.
    • COMPRAS COLETIVASNOVOS NEGÓCIOS
    • NOVAS SOLUÇÕES PARA NOVAS NECESSIDADES •Temos um grande número de sites de compras coletivas que inundam nosso e-mail diariamente com ofertas tentadoras, o que estimula a compra por impulso. Segundo a revista Info, 20% dos cupons não são utilizados; • Começam a surgir novas categorias de serviços diretamente relacionadas ao mercado de compras coletivas.Fonte: Revista Info, 308
    • AGREGADORES •São sites agrupam ofertas de diversos sites de compra coletiva e oferecem filtros diversos (cidade, serviço, preço, etc); • O negócios dos agregadores é principalmente publicidade. Eles oferecem taxas para os sites aparecerem nas primeiras posições nos resultados das buscas. • O Bolsa de Ofertas lista 10 agregadores em seu ranking (em ordem): Saveme, Aponta Ofertas, Ofertas Resumidas, Vale Junto, Mar de Cupons, Guia das Promoções, Nosso Desconto, Cupomzito, Descontos Fortaleza e Salada Coletiva. • O ranking deixa de fora o Comune, que pessoalmente acho muito interessante.
    • ORGANIZADORES / REVENDA •Gastou mais do que devia? Não tem tempo para usar tanto cupom? Não quer perder a validade dos cupons? • Novos serviços ajudam a organizar os cupons e até mesmo revende-los; • Nos serviços de compra e venda de ofertas, quanto mais perto do vencimento, maior o desconto; • Mas em alguns caso, quando a oferta se esgota rapidamente, acontece do usuário buscar lucro com a revenda.
    • ORGANIZADORES / REVENDA •ORGANIZAÍ – Organiza os cupons por ordem cronológica. Oferece assinaturas free e pagos. Envia alertas quando os cupons estão para vencer. A assinatura paga oferece opção de integração direta com os principais sites; •RECUPOM – Organiza e envia alertas do vencimento dos cupons e funciona também para revenda de cupons; • REGRUPE – Oferece opção de compra e venda de cupons. Oferece diversas opções de filtros das ofertas.
    • ORGANIZADORES / REVENDA
    • COMPRAS COLETIVASCOLOCAR O SITE NO AR ÉAPENAS O COMEÇO
    • Existem muito poucas barreiras para iniciar um negócio de comprascoletivas. A Exame (jul/2011) exemplificou a facilidade paraentrar no mercado:Abrir um site de compras coletivas parecia a ocupação ideal para aacupunturista Aline Toledo, de 33 anos, depois do nascimento doquarto filho. Junto com o marido, biólogo, Aline colocou no ar, emdezembro, o Agarre Fácil, site de compras coletivas em Atibaia, nointerior de São Paulo. Mas nem tudo andou como o planejado.Poucos estabelecimentos pareciam se interessar pelas promoções.Vender cupons também se revelou mais difícil do que parecia deinício. Depois de menos de cinco meses no ar, as ofertas foramsuspensas. Aline e o marido pretendem relançar o site em SãoPaulo. “Quem sabe lá as coisas sejam diferentes”, diz Aline.
    • GROUPONA empresa de crescimentomais rápido na história dainternet.(Forbes)
    • • Criada por Andrew Manson e dois sócios;• Surgiu como variação de um outro projeto de Manson, o ThePoint (cujo objetivo era reunir pessoas em torno de uma causacomum);• Atuando em 43 países, com mais de 70 milhões de cuponsvendidos e uma base de 83 milhões de usuários cadastrados, emapenas dois anos e meio de atuação;• 7 mil funcionários;• Principal concorrente global é o Living Social (EUA) presenteem 13 países;• A expectativa de faturamento para 2011 é de 2,5 bilhões dedólares. Mas a operação ainda está no prejuízo.
    • Faturamento x Prejuízo do Groupon Em dólaresFonte: *Revista Exame, junho de 2011 * Referente ao primeiro trimestre de 2011
    • Números do Groupon no mundoUSUÁRIOS PARCEIROS CUPONS VENDIDOS (em milhões) (em milhões) Fonte: *Revista Exame, junho de 2011 * Referente ao primeiro trimestre de 2011
    • COMPRAS COLETIVASINOVAÇÕES, ESTRATÉGIASE NOVOS PLAYERSGLOBAIS
    • A principal estratégia dos líderes dosegmento é crescer em tamanho ecobertura geográfica, na expectativa deacelerar a “morte” dos pequenos sites ealcançar a rentabilidade pelo volume devendas.Mas já é possível perceber novasestratégias para diferenciação.
    • DESCONTOS IMEDIATOS • GROUPON NOW – Novo sistema do Groupon que permite que um restaurantes crie descontos instantâneos no momento que o movimento estiver baixo; • INSTANTE – Serviço do Living Social muito semelhante ao Groupon Now.Fonte: *Revista Exame, junho de 2011
    • FACEBOOKDEALS – Lançado no final de 2010, e já está disponível em setepaíses: Estados Unidos, Canadá, França, Alemanha, Itália,Espanha e Reino Unido.A ideia é que os usuários da rede localizem os descontos nasproximidades através do dispositivos móveis (smartphone,tablets, etc).Fonte: *Revista Exame, junho de 2011
    • GOOGLEOFFERS – Disponível apenas nos EUA. Segue um modelo maistradicional, mas com ofertas limitadas.O sistema pode ir além. O Nexus S (celular do Google) é umdos primeiros aparelhos com o chip de pagamento paracelulares. O Google deverá oferecer o desconto e cuidar dopagamento.Fonte: *Revista Exame, junho de 2011
    • GOOGLEOFFERS – Disponível apenas nos EUA. Segue um modelo maistradicional, mas com ofertas limitadas.O sistema pode ir além. O Nexus S (celular do Google) é umdos primeiros aparelhos com o chip de pagamento paracelulares. O Google deverá oferecer o desconto e cuidar dopagamento.Fonte: *Revista Exame, junho de 2011
    • COMPRAS COLETIVASMOTORES DE EXPANSÃO
    • Três fatores fundamentais para umapequena ou média empresa sefortalecer num mercado emergente,como o de sites de compras coletivas:
    • OBTER CAPITAL É preciso ter recursos disponíveis para sustentar os investimentos necessários para o crescimento acelerado – contratação de pessoal, compra de equipamentos, etc. CONQUISTAR TERRITÓRIOS Ampliar e desenvolver novos mercados pode ajudar a reduzir os custos fixos da operação, a fortalecer o poder de barganha com os fornecedores e a construir uma marca mais conhecida entre clientes e parceiros comerciais. ADQUIRIR CONCORRENTES Quando a disputa num setor se transforma numa prova de velocidade, adquirir outras empresas é uma forma rápida de ganhar escala.Fonte: *Revista Exame PME, fevereiro de 2011
    • COMPRAS COLETIVASCUIDADOS NECESSÁRIOS
    • COMPRAS COLETIVASCUIDADOS NECESSÁRIOS
    • Fonte: http://www.folha.uol.com.br/
    • COMPRAS COLETIVASCONSIDERAÇÕES
    • O fato do modelo de “compra coletiva” ter tido uma excelente adesão porparte do internauta brasileiro, incentivou um grande número de“empreendedores” a colocarem seus próprios projetos de compracoletiva no ar.Mas desenvolver o site é com certeza a parte mais simples do projeto.André Barcelos (http://www.izanagi.com.br) comentou no seu blog sobreo aumento de consultas em sua agência (digital) sobre a possibilidade dedesenvolver um site de CC (compra coletiva): “Dos pedidos de orçamento que recebemos, 9 em 10 não possuem planejamento maior do que “preciso disso pra ontem”. Como qualquer empresa, um site de compra coletiva não pode pular o plano de negócios, planejamento estratégico e desenvolvimento / comunicação da marca.”
    • De maneira geral, os fatores críticos para sucesso das marcas quequerem atuar no nicho de compras coletivas não são muito diferentes dooutros mercados: •Investimento em comunicação para fortalecer a marca; •Estrutura comercial.A utilização de mídias sociais é uma importante estratégia de divulgação,mas os líderes de mercado já investem em mídias tradicionais (TV, rádio,outdoor, etc.), para manter o ritmo de crescimento. Além disso, possuemuma grande estrutura em termos de mão-de-obra (empregam mais de100 pessoas).
    • Acredito que haverá, rapidamente, uma concentração de mercado, e ospoucos sites menores que sobreviverem ficarão com ofertas esporádicasou buscarão estratégias de diferenciação, como especializar-se emofertas de nichos bastante específicos (ex.: produtos para surf).
    • EU, COMO USUÁRIOSou um cliente frequente de sites de CC, compro desde as primeirasofertas em Salvador. Conheci diversos lugares novos, já presenteei e atéoferta em lavanderia já aproveitei. Nunca tive uma experiência negativa,mas utilizo apenas os sites maiores, que me passam mais segurança(tanto no pagamento, quanto nas ofertas).
    • EU, COMO PROFISSIONAL DE COMUNICAÇÃOAcho uma mídia excelente. Na minha opinião é este o objetivo que asempresas devem buscar em uma ação em sites de C.C.: divulgação doserviço/produto através de um novo canal de marketing. E, comexcelente ROI, já que o investimento é feito baseado no resultado devendas.Mas não entendo por que as empresas não conseguem dar um segundopasso. Das inúmeras vezes que utilizei as ofertas compradas, apenasuma empresa se deu ao trabalho de cadastrar meu e-mail.As empresas não precisam de sites de C.C. para estabelecer umrelacionamento com seus clientes e ofertarem descontos com o objetivode fidelização.
    • Matéria VEJAPONTOCOM“Sites de compra coletivaatraem consumidores comdescontos de até 90%.”
    • BRUNO TRINDADEGERENTE DE PLANEJAMENTO - IDEIA 3@bruno_rtc :: ww.meadiciona.com/bruno_rtcProfissional de marketingGraduado em Administração (UFS), pós-graduado emMarketing (UFS) e Comunicação Corporativa (Unifacs)
    • FONTES:Revista Info, nº 308, Outubro/2011Revista Proxxima – Especial 15 anos da internet no Brasil. Novembro de 2010Revista Proxxima, nº 25. Janeiro/Fevereiro de 2011Revista Proxxima, nº 26. Março/Abril de 2011Pesquisa F/Radar, 7ª edição. Abril de 2010Revista Exame, 983. Dezembro de 2010Revista Exame, 987. Março de 2011Revista Veja, 2204. Fevereiro de 2011Revista Exame PME, 34. Fevereiro de 2011Revista Exame, 994, Junho de 2011www.bolsadeofertas.com.brwww.idgnow.com.brwww.folha.uol.com.br