Geologiaerelevodobrasil 110327065444-phpapp02

1,437 views
1,228 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,437
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
35
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Geologiaerelevodobrasil 110327065444-phpapp02

  1. 1. A GEOLOGIA E O RELEVO DO BRASIL <ul><li>PROFESSOR: Bráulio P. Santos </li></ul>
  2. 2. A GEOLOGIA E O RELEVO DO BRASIL
  3. 3. A TERRA E SEUS RECURSOS
  4. 4. 1 - A HISTÓRIA GEOLÓGICA DA TERRA <ul><li>A TERRA TEM UMA HISTÓRIA, DIFERENTE DA HISTÓRIA DO HOMEM... </li></ul><ul><li>SENDO O HOMEM, O SER MAIS RECENTE NA HISTÓRIA DA TERRA... </li></ul><ul><li>A HISTÓRIA DA TERRA SE CONTA ATRAVÉS DAS ERAS GEOLÓGICAS.... </li></ul>
  5. 5. TEMPO HISTÓRICO <ul><li>Tempo das transformações humanas. </li></ul><ul><li>Tempo em que as transformações ocorrem com uma intensidade de tempo maior que as do tempo geológicos. </li></ul>
  6. 6. TEMPO GEOLÓGICO <ul><li>É o tempo que mede a idade da Terra. </li></ul><ul><li>O tempo geológico é dividido em eras, que são subdivididas em períodos. </li></ul><ul><li>Cada etapa desse tempo é marcado pôr acontecimentos que o caracterizam. </li></ul>
  7. 7. O DIA TERRA
  8. 8. Tempo Geológico <ul><li>Era Primitiva ou Pré-Cambriana </li></ul><ul><li>Duração de mais ou menos 4,5 bilhões de anos. </li></ul><ul><li>Formação de rochas sedimentares resultantes da deposição de detritos ou sedimentos. </li></ul><ul><li>Maior desenvolvimento da vida. </li></ul><ul><li>Intensa atividade vulcânica e formação de grandes montanhas. </li></ul><ul><li>Início da vida nos oceanos (seres unicelulares, como as algas). </li></ul><ul><li>Chuvas intensas que formaram oceanos e mares. </li></ul><ul><li>Início da formação da atmosfera a partir dos gases e vapores que se desprenderam da Terra quando de seu resfriamento. </li></ul><ul><li>Ausência de vida na terra. </li></ul><ul><li>Formação das primeiras rochas em virtude da solidificação dos minerais. </li></ul><ul><li>Resfriamento da Terra. </li></ul>
  9. 9. Tempo Geológico <ul><li>Era Primária ou Paleozóica ( Paleo – antiga e Zóica – vida) </li></ul><ul><li>Duração de 570 milhões de anos. </li></ul><ul><li>Existência de uma única massa continental – a Pangéia – que irá se fragmentar e dar origem aos atuais continentes (veja era Cenozóica, período Quaternário). </li></ul><ul><li>Grande desenvolvimento da vida vegetal (florestas) e da vida animal nas águas e em terra (peixes, répteis, insetos etc.) </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Era Secundária ou Mesozóica ( Mezo – média ou intermediária e Zóica – vida) </li></ul><ul><li>Duração de 180 milhões de anos. </li></ul><ul><li>No que seria o Brasil, formação das ilhas de Trindade e Martin Vaz e do Arquipélago de Fernando de Noronha. </li></ul><ul><li>Separação da Pangéia em duas outras massas continentais. </li></ul><ul><li>Desenvolvimento de répteis (dinossauros). </li></ul><ul><li>Aparecimento dos mamíferos. </li></ul><ul><li>Plantas de sementes predominam. </li></ul><ul><li>Formação de depósitos de petróleo e gás </li></ul>Tempo Geológico
  11. 11. Tempo Geológico <ul><li>Era Cenozóica ou Terciária ( Ceno – recente e Zóica – vida) </li></ul><ul><li>  Terciário </li></ul><ul><li>Duração de 63 milhões de anos. </li></ul><ul><li>Formação de grandes cadeias montanhosas (Andes, Alpes, Himalaia, Rochosas) e do Grand Canyon (EUA). </li></ul><ul><li>Os continentes começam a assumir os atuais contornos. </li></ul><ul><li>Desaparecimento dos grandes répteis (dinossauros). </li></ul><ul><li>Grande desenvolvimento dos mamíferos e aves. </li></ul><ul><li>Grande desenvolvimento dos primatas, ou seja, mamíferos com capacidade de agarrar as coisas com as mãos (macacos e o ser humano). </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Era Cenozóica ou Terciária ( Ceno – recente e Zóica – vida) </li></ul><ul><li>Quaternário </li></ul><ul><li>Duração de cerca de 1 milhão e 600 mil anos. </li></ul><ul><li>Aparecimento do Homo sapiens (início da história da humanidade e do tempo histórico). </li></ul><ul><li>Ocorrência de glaciações com alterações climáticas, o que, entre outros fatores, provocou a extinção e a adaptação de muitos animais e plantas. </li></ul><ul><li>Alterações do relevo. </li></ul><ul><li>Formação dos atuais contornos dos continentes e oceanos. </li></ul><ul><li>  </li></ul>Tempo Geológico
  13. 13. <ul><li>ARQUEOZÓICA: </li></ul><ul><li>Formação da crosta terrestre. </li></ul><ul><li>Surgimento dos primeiros aglomerados rochosos, </li></ul><ul><li>chamados de escudos cristalinos. </li></ul><ul><li>PROTEROZÓICA: </li></ul><ul><li>Intensa atividade vulcânica originando imensos </li></ul><ul><li>depósitos de minerais metálicos. </li></ul><ul><li>PALEOZÓICA: </li></ul><ul><li>Grande atividade transformadora da superfície. </li></ul><ul><li>Surgem os Alpes Escandinavos, os Montes Apalaches. </li></ul><ul><li>Soterramento de florestas, dando origem às jazidas de carvão mineral. </li></ul><ul><li>MESOZÓICA: </li></ul><ul><li>Surgimento dos grandes répteis. </li></ul><ul><li>Intenso vulcanismo. </li></ul><ul><li>Intenso processo de sedimentação dos fundos marinhos, originando jazidas petrolíferas. </li></ul><ul><li>CENOZÓICA: </li></ul><ul><li>1. Terciário: - Intensa atividade orogenética. </li></ul><ul><li>- Dobramentos modernos (Andes, Alpes e Himalaia) </li></ul><ul><li>Quaternário: - Grandes glaciações; </li></ul><ul><li>- Tectônica de placas, deriva dos continentes. </li></ul>RESUMO DAS ERAS GEOLÓGICAS E O RELEVO
  14. 14. RESUMO
  15. 15. 2 - A DINÂMICA DA CROSTA TERRESTRE
  16. 16. A DINÂMICA DAS PLACAS TECTÔNICAS
  17. 17. AS FORÇAS ATUANTES NO RELEVO : INTERNAS E EXTERNAS <ul><li>O RELEVO TERRESTRE É RESULTADO DE FORÇAS INTERNAS (CRIADORAS) E EXTERNAS (MODELADORAS) QUE INTERFEREM DIRETAMENTE OU INDIRETAMENTE NA SUA FORMAÇÃO E ATUAL CARACTERIZAÇÃO. </li></ul>
  18. 18. A TEORIA DA TEORIA DERIVA CONTINENTAL
  19. 19. <ul><li>O PLANETA TERRA É COMPOSTO POR PLACAS TECTÔNICAS, QUE SE ACHAM APOIADAS SOBRE O MANTO, E ASSIM SENDO ELAS SE MOVEM E SÃO INSTÁVEIS E SE DESLOCAM EM IDADES DE ERAS TERRESTRES O QUE DENOMINAMOS DE DERIVA CONTINENTAL . </li></ul><ul><li>ASSIM, O QUE VAMOS ESTUDAR É A DINÂMICA DAS PLACAS TECTÔNICAS. </li></ul><ul><li>VAMOS VER NA SEQUÊNCIA, COM BASE NA TEORIA INICIAL PROPOSTA POR ¨ALFRED LOTHAR WEGENER¨ ,( GEOFÍSICO ALEMÃO) </li></ul>
  20. 20. 1. A TEORIA DAS PLACAS <ul><li>- ¨ALFRED LOTHAR WEGENER¨ , DESCREVE NO LIVRO “ A ORIGEM DOS CONTINENTES E DOS OCEANOS “ , EM 1915, PROPOS A TEORIA INICIAL EXPONDO OS PRINCÍPIOS BÁSICOS SOBRE A HISTÓRIA DO PLANETA TERRA. </li></ul>
  21. 21. ¨WEGENER PARTIU DA HIPÓTESE QUE EXISTIRA UM ÚNICO CONTINENTE, DENOMINADO ¨ PANGÉIA ¨ ( VISTO NA IMAGEM INICIAL ) , ONDE HÁ 200 MILHÕES DE ANOS, NO INÍCIO DA ERA MESOZÓICA , O PLANETA TERRA COMEÇOU A SE FRAGMENTAR E CONSEQUENTEMENTE FORMANDO OS CONTINENTES COM AS DISPOSIÇÕES ATUAIS, CONFORME ESTE PRÓXIMO SLIDE . 2 . O PRINCÍPIO DA DERIVA
  22. 22. TEORIAS DE ALFRED WEGENER... <ul><ul><li>Morfológicos : ex.: a morfologia das costas das duas massas continentais (África e América do Sul) </li></ul></ul><ul><ul><li>Paleontológicos : ex.: encontraram-se o mesmo tipo de fósseis na África e na América de Sul ( Mesossaurus ) </li></ul></ul><ul><ul><li>Litológicos : ex.: as mesmas rochas na América do Sul e na África </li></ul></ul><ul><ul><li>Paleoclimáticos : ex.: registos glaciares em zonas equatoriais </li></ul></ul>
  23. 25. <ul><li>A FRAGMENTAÇÃO DA PANGÉIA OCORREU NO INÍCIO DA ERA MESOZÓICA. </li></ul>
  24. 26. <ul><li>A PANGÉIA, AO SE FRAGMENTAR, FORMA DOIS SUPER CONTINENTES: GONDWANA , AO SUL E, LAURÁSIA AO NORTE. </li></ul>
  25. 27. DE ¨ GONDWANA¨ E DA ¨ LAURÁSIA¨ SURGIRAM OS CONTINENTES ATUAIS.
  26. 28. NO MESOZÓICO FINAL SURGEM A FORMAÇÃO DO ATLÂNTICO E A ÍNDIA COMEÇA O SEU DESLOCAMENTO PARA O NORTE .
  27. 29. <ul><li>NO INÍCIO DO TERCIÁRIO COMEÇA A FORMAÇÃO DAS ATUAIS CADEIAS MONTANHOSAS . </li></ul>
  28. 30. NA MEADOS DA ERA TERCIÁRIA SURGE A AMÉRICA CENTRAL E O MAR MEDITERRÂNEO COMEÇA A SE ESTREITAR .
  29. 31. ASSIM É A CONFIGURAÇÃO CONTINENTAL ATUAL DOS CONTINENTES, PORÉM INSTÁVEL E EM DERIVA.
  30. 32. POSIÇÃO DOS CONTINENTES DAQUI A 50 MILHÕES DE ANOS.
  31. 33. POSIÇÃO DOS CONTINENTES DAQUI A 150 MILHÕES DE ANOS.
  32. 34. POSIÇÃO DOS CONTINENTES DAQUI A 250 MILHÕES DE ANOS.
  33. 35. O QUE ACONTECEU NO HEMISFÉRIO SUL NO HEMISFÉRIO NORTE PANGÉIA LAURÁSIA GONDWANA AMÉRICA DO NORTE ÁSIA EUROPA ÁFRICA AMÉRICA DO SUL ANTÁRTICA AUSTRÁLIA ÍNDIA
  34. 36. PRINCIPAIS PLACAS TECTÔNICAS
  35. 37. TEORIA DA TECTÔNICA DAS PLACAS <ul><ul><li>A litosfera encontra-se dividida em placas que se movimentam sob uma camada com características plásticas ( Astenosfera ) </li></ul></ul><ul><ul><li>Correntes de convecção do manto: </li></ul></ul><ul><ul><li>Motor que gera as correntes: calor interno da Terra </li></ul></ul>
  36. 38. CORRENTES DE CONVECÇÃO
  37. 39. Principais Placas Tectônicas Euro-asiática Norte-americana Sul-americana Indo-australiana Nazca Pacífica Africana Antártida
  38. 40. POR QUE AS PLACAS SE MOVEM? <ul><li>As placas fragmentam em função da pressão interna da Terra é maior que a externa. </li></ul>
  39. 41. 4. INSTABILIDADES DAS PLACAS ATIVIDADE DAS CORRENTES CONVECTIVAS QUE OCORREM NO MANTO SUPERIOR OU ASTENOSFERA, INFLUENCIAM NA ESTABILIDADE DAS PLACAS.
  40. 42. 5. CONSEQÜÊNCIAS DOS DESLOCAMENTOS AS PLACAS AO SE DESLOCAREM PROVOCAM INSTABILIDADES TECTÔNICAS, REPRESENTADAS, PRINCIPALMENTE, PELO: A) VULCANISMO; B) TERREMOTOS.
  41. 43. Terremotos
  42. 44. Vulcanismo - Everest
  43. 45. Vulcanismo
  44. 46. Vulcanismo
  45. 47. AS MAIORES AÇÕES VULCÂNICAS DA TERRA OCORREM NO CINTURÃO DO FOGO DO PACÍFICO.
  46. 48. O Círculo de Fogo do Pacífico
  47. 49. ÁREAS DE INSTÁVEIS COM TERREMOTOS NOS CONTATOS ENTRE PLACAS TECTÔNICAS.
  48. 50. 6. TIPOS DE MOVIMENTOS AS PLACAS, AO SE DESLOCAREM, UMA EM RELAÇÃO À OUTRA, APRESENTAM TRÊS TIPOS DE MOVIMENTOS. ESTES TRES MOVIMENTOS SÃO: CONVERGENTE, DIVERGENTE, TANGENTE.
  49. 51. CARACTERIZA POR SER UM MOVIMENTO DE COLISÃO ENTRE AS PLACAS . 6.1 MOVIMENTO CONVERGENTE TRÊS INTERAÇÕES MECÂNICAS DIFERENTES ATUAM ENTRE AS PLACAS COM O MOVIMENTO CONVERGENTE. EM CADA TIPO DE INTERAÇÃO ASSOCIAM-SE ALGUMAS CONSEQÜÊNCIAS ESPECÍFICAS.
  50. 52. Convergência de placas
  51. 53. Convergência de placas
  52. 54. Convergência de placas
  53. 55. 1 . CONTINENTAL - CONTINENTAL COMO CONSEQÜÊNCIAS DESSA INTERAÇÃO TEM-SE A FORMAÇÃO: A) DAS CADEIAS MONTANHOSAS CONTINENTAIS; B ) DE UMA ZONA DE SUBDUCÇÃO, ISTO É, ÁREA ONDE OCORRE A ENTRADA DO MATERIAL DA LITOSFERA PARA O MANTO. COMO EXEMPLO DE PLACAS COM ESSE MOVIMENTO, PODE SER CITADA A INDIANA COM A EURO-ASIÁTICA.
  54. 56. 2. OCEÂNICA - CONTINENTAL C) DE FOSSAS OCEÂNICAS , ISTO É, ÁREAS DE MAIORES PROFUNDIDADES DOS OCEANOS. A) CINTURÕES VULCÂNICOS; B) MONTANHAS LITORÂNEAS, COMO OS ANDES; COMO EXEMPLO DE PLACAS COM ESSE TIPO DE MOVIMENTO É PLCA DE NAZCA COM A SUL-AMERICANA.
  55. 57. 3. OCEÂNICA - OCEÂNICA COMO CONSEQÜÊNCIAS DESSA INTERAÇÃO TEM-SE A FORMAÇÃO: COMO EXEMPLO DE PLACAS COM ESSE MOVIMENTO PODE SER CITADA A DO JAPÃO COM A DO PACÍFICO. A) DE FOSSAS ABSSAIS B) DE ARCOS DE ILHAS, CUJA ORIGEM SE DÁ A PARTIR DO VULCANISMO SUBMARINO . SAS OCEÂNICAS;
  56. 58. <ul><li>Pode-se observar, que as montanhas têm origem como conseqüência do movimento convergente. </li></ul>
  57. 59. <ul><li>Caracteriza por ser um movimento de separação entre as placas. </li></ul>6.2 Movimento Divergente <ul><li>Existem duas interações diferentes entre as placas com o movimento divergente. </li></ul><ul><li>Para cada tipo de interação associa-se conseqüências específicas. </li></ul>
  58. 60. <ul><li>Como conseqüência dessa interação, tem-se a formação de lagos tectônicos , como os existentes no leste da África. </li></ul>1. Fossa tectônica ou “ rift valley” . <ul><li>É exemplo dessa situação a relação entre as placas da África e da Somália. </li></ul>
  59. 61. 2. Dorsal oceânica ou montanha submarina <ul><li>Como conseqüência da interação, tem-se: </li></ul>A) formação de uma zona de agregação , isto é, área onde ocorre a saída de material do manto para a crosta; B) a expansão do fundo do mar como na Cordilheira Meso Atlântica ou Dorsal do Atlântico.
  60. 62. FORMAÇÃO DA DORSAL MESO-OCEÂNICA
  61. 63. DIVERGÊNCIA DE PLACAS
  62. 64. CADEIA MESO-OCEÂNICA
  63. 65. As principais dorsais oceânicas são: 2 1 1. Dorsal do Atlântico 2. Dorsal do Pacífico
  64. 66. <ul><li>A formação da Península do Sinai está ligada ao movimento divergente entre placas. </li></ul>
  65. 67. <ul><li>Veja um exemplo de placas com movimento divergente. </li></ul>
  66. 68. <ul><li>Caracteriza por ser um movimento paralelo entre as placas. </li></ul>6.3 Movimento tangencial <ul><li>Este movimento também é denominado de falha transformante . </li></ul>
  67. 69. Limites transformantes
  68. 70. <ul><li>Como conseqüência desse movimento tem-se as instabilidades tectônicas. </li></ul><ul><li>É um contato conservativo entre as placas, pois a litosfera não é criada ou destruída durante o movimento. </li></ul>
  69. 71. <ul><li>A Falha de Santo André , localizada no contato entre as placas Juan de Fuca e Norte-americana, é o principal exemplo de movimento tangencial ou transformante. </li></ul>
  70. 72. <ul><li>Veja um exemplo de placas com movimento transformante. </li></ul>
  71. 73. RESUMO
  72. 74. A AÇÃO DA TECTÔNICA GLOBAL E A FORMAÇÃO DO RELEVO TERRESTRE  
  73. 75. TIPOS DE FALHAS E DOBRAS
  74. 76. AS FALHAS GEOLÓGICAS
  75. 77. TIPOS DE FALHAS
  76. 78. DOBRAMENTOS
  77. 79. OS DOBRAMENTOS
  78. 80. AS DOBRAS
  79. 81. AS FALHAS
  80. 82. FALHAS NO BRASIL
  81. 83. OU SEJA... <ul><li>Toda placa é recortada por vários pequenos blocos, de várias dimensões. </li></ul><ul><li>Esses recortes, ou falhas, funcionam como uma ferida que não cicatriza: apesar de serem antigos, podem se abrir a qualquer momento para liberar energia. Se você tem um bloco recortado e o comprime de um lado e de outro, ele rompe onde já existe a fratura. </li></ul>
  82. 84. A SISMICIDADE NO BRASIL: DE ASSÍSMICO PARA PAÍS SÍSMICO <ul><li>Mapa de localização dos sismos ocorridos no Brasil entre 1724 e 1995, mostrando a localização aproximada da cidade de Rio Claro – SP. Modificado de Assunção (2000). </li></ul>
  83. 85. 3 - CAMADAS DA TERRA
  84. 86. A ESTRUTURA INTERNA DA TERRA <ul><li>crosta: constituída de materiais mais leves </li></ul><ul><li>manto: camada intermediária </li></ul><ul><li>núcleo: formado pôr materiais mais densos. </li></ul>
  85. 87. CAMADAS DA TERRA: LITOSFERA
  86. 88. A ESTRUTURA DA TERRA(INTERIOR)
  87. 89. A ESTRUTURA DA TERRA(INTERIOR)
  88. 90. Crosta terrestre ou Litosfera <ul><ul><li>É dividida em crosta : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>continental </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>oceânica </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Abaixo da litosfera está a astenosfera, e abaixo encontramos a mesosfera. </li></ul></ul><ul><ul><li>Logo em seguida encontramos a endosfera (núcleo) formada pôr ferro e níquel. </li></ul></ul>
  89. 91. Crosta continental superior(SIAL) <ul><ul><li>Crosta continental superior, com 15 a 25 km de espessura, formada principalmente pôr silício e alumínio (SIAL) </li></ul></ul>
  90. 92. Crosta continental inferior(SIMA) <ul><ul><li>Crosta continental inferior, com 30 a 35 km de espessura; nela predomina silício e magnésio (SIMA) </li></ul></ul>
  91. 93. 4 - TIPOS DE ROCHAS
  92. 94. ROCHAS METAMÓRFICAS
  93. 95. O CICLO DAS ROCHAS - 1
  94. 96. CROSTA E AS ROCHAS <ul><ul><li>A crosta é formada pôr rochas e minerais. </li></ul></ul><ul><ul><li>As rochas são agrupamentos de minerais. </li></ul></ul><ul><ul><li>Minerais são elementos ou compostos naturais sólidos, que possuem uma composição química bem definida, ou seja, é possível determinar com precisão os elementos que compõem um mineral.Exemplo , o elemento que compõem o diamante é o carbono. </li></ul></ul>
  95. 97. MINERAIS E MINÉRIOS <ul><ul><li>São exemplos de minerais: apatita, quartzo, calcita, fluorita topázio. </li></ul></ul><ul><ul><li>Os minerais e as rochas que possuem valor comercial são considerados minérios. </li></ul></ul><ul><ul><li>Minério, portanto, é uma rocha ou mineral dos quais são extraídas substâncias valiosas, como o ouro, o ferro, o cobre, o diamante etc. </li></ul></ul><ul><ul><li>Jazida mineral é a massa ou volume de minério que existe nas rochas, em um determinado lugar da crosta, seja na superfície ou no interior. </li></ul></ul>
  96. 98. 5 - AS ESTRUTURAS GEOLÓGICAS <ul><li>O conjunto das diferentes rochas de um lugar, uma vez que as mesmas não estão distribuídas de maneira uniforme. </li></ul><ul><li>Sua distribuição vai depender da ação das forças internas da terra - tectonismo. </li></ul><ul><li>TIPOS DE ESTRUTURAS GEOLÓGICAS </li></ul><ul><li>Escudos cristalinos </li></ul><ul><li>Faixa Orogênicas </li></ul><ul><li>Bacias sedimentares </li></ul>
  97. 99. NO BRASIL...
  98. 100. ESCUDOS CRISTALINOS <ul><li>Correspondente aos primeiros núcleos de rochas emersas desde o início da formação da crosta terrestre na Era Pré-Cambriana. </li></ul><ul><li>São blocos imensos constituídos de rochas cristalinas do tipo magmático-plutônicas, que foram as primeiras na crosta terrestre, formadas na era pré-cambriana, ou de rochas metamórficas, que são extensões resistentes, estáveis, bastante desgastadas e geralmente associadas à ocorrência de minerais metálicos, originadas de material sedimentar paleozóico. </li></ul><ul><li>São formadas por rochas cristalinas e ocupam cerca de 36% do território brasileiro. </li></ul><ul><li>Os escudos cristalinos foram muito desgastados pela erosão, apresentando altitudes modestas e formas arredondadas. </li></ul><ul><li>Nos Escudos Cristalinos encontramos minerais metálicos, dentre os escudos com potencial econômico temos: </li></ul><ul><li>Quadrilátero Ferrífero (MG) – minério de ferro, Serra dos Carajás (PA) – minério de ferro, Serra do Navio (AP) – cassiterita e o Maciço de Urucum (MS) – minério de ferro. </li></ul>
  99. 101. BACIAS SEDIMENTARES <ul><li>São depressões relativas, ou seja, planos mais baixos encontrados nos escudos, preenchidas por detritos ou sedimentos das áreas próximas. </li></ul><ul><li>Esse processo de deposição sedimentar surgiu nas eras Paleozóica, Mesozóica e Cenozóica e ainda continua. </li></ul><ul><li>As bacias sedimentares estão associadas à presença de combustíveis fósseis - petróleo, carvão, xisto e gás natural. </li></ul><ul><li>No Brasil, elas correspondem a 64% do território nacional e constituem grandes bacias: a Amazônica, a do Meio-norte, a do Paraná, a São-Franciscana e a do Pantanal Mato-Grossense; ou pequenas bacias, geralmente alojadas em compartimentos de planaltos, como as do Recôncavo Baiano, de Curitiba, Taubaté, Resende e São Paulo. </li></ul>
  100. 102. DOBRAMENTOS MODERNOS <ul><li>São grandes estruturas formadas por rochas magmáticas e sedimentares pouco resistentes. Forças tectônicas vigorosas, durante o período Terciário da era Cenozóica, provocaram o enrugamento dessas estruturas, originando grandes cadeias montanhosas ou cordilheiras, como os Andes, as Montanhas Rochosas, os Alpes, e o Himalaia. </li></ul><ul><li>Nessas áreas instáveis da crosta terrestre, são freqüentes os terremotos e as atividades vulcânicas. </li></ul><ul><li>Não estão presentes no território brasileiro. </li></ul>
  101. 103. MAPA DO MUNDO...

×