Your SlideShare is downloading. ×
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Design de interação
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Design de interação

211

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
211
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Por Fabricio Araújo & Ítala Celly
  • 2. Mas o que é,exatamente, interação?
  • 3. “Por interaçãonos referimos aqualquer comunicação entre o usuário e ocomputador, seja direta ou indireta”.DIX, FINLAY, ABOWD e BEALE (1998)
  • 4. MauDesignBomDesign
  • 5. O que projetar
  • 6. • Considerar no que as pessoas são boas ou não• Considerar o que pode auxiliar as pessoas na sua atualmaneira de fazer as coisas• Pensar no que pode proporcionar experiências dequalidade ao usuário• Ouvir o que as pessoas querem e envolvê-las no design• Utilizar técnicas baseadas no usuário “testadas eaprovadas” durante o processo de design
  • 7. Construir um projeto interativo capazde atender as necessidades de seus usuários éuma missão desafiadora [ROCHA e BARNAUSKAS, 2003]
  • 8. “Por design de interação, entendemoso seguinte: design de produtos interativos quefornecem suporte às atividades cotidianas daspessoas, seja no lar ou no trabalho.”(PREECE, ROGERS e SHARP, 2005)
  • 9. Arquitetos x Engenheiros- TerryWinograd
  • 10. Multidisciplinaridade(PREECE, ROGERS e SHARP, 2005)
  • 11. Multidisciplinaridade(PREECE, ROGERS e SHARP, 2005)
  • 12. Design da Interação eNegócios
  • 13. O PROCESSO DO DESIGN DEINTERAÇÃO1. Identificação das necessidades do produtoavaliado e apresentação de propostas derequisitos para correção do problema.
  • 14. O PROCESSO DO DESIGN DEINTERAÇÃO2. Desenvolvimento de designs alternativos aopré-existente, capazes de preencher osrequisitos propostos no item anterior.
  • 15. O PROCESSO DO DESIGN DEINTERAÇÃO3. Construção de versões interativas dosdesigns propostos inicialmente, de maneira aserem analisados posteriormente.
  • 16. O PROCESSO DO DESIGN DEINTERAÇÃO4. Avaliação do que está sendo construído, nodecorrer do processo de desenvolvimento.
  • 17. MetasDO DESIGN DE INTERAÇÃO
  • 18. • Eficácia: Regra geral que busca saber oquanto um sistema é bom ao fazer o que seespera dele, permitindo que o usuárioaprenda, realize seus trabalhos, acesse asinformações que necessita, e realize os demaisserviços que desejar de forma satisfatória.
  • 19. • Eficiência: Refere-se à maneira de o sistemaauxiliar os usuários no desenvolvimento desuas tarefas, fornecendo suporte a serviçoscomuns, salvando dados a fim de evitar arepetição do fornecimento de dados, emantendo alto nível de produtividade após oaprendizado inicial.
  • 20. • Segurança: Segundo PREECE, ROGERS ESHARP (2005) “implica proteger o usuário decondições perigosas e situações indesejáveis,referindo-se às condições externas” (como emmaquinas de raios-X ou em indústriasquímicas) e às demais situações em que osistema deve evitar que os usuários realizemações indesejáveis acidentalmente.
  • 21. • Utilidade: O sistema deve oferecer ao usuárioconjuntos de funções que permitam arealização de tarefas da maneira desejada.
  • 22. • Learnability (ou capacidade de aprendizagem): Dizrespeito ao quão fácil é aprender a utilizar determinadosistema e quanto tempo o usuário leva para iniciar ouso das tarefas fundamentais e para aprender oconjunto de operações necessárias para realizarconjuntos amplos de tarefas.
  • 23. • Memorability (ou capacidade dememorização): É a facilidade de lembrar comose utiliza o sistema, após já ter aprendido comofazê-lo, mesmo em casos que o sistema não éutilizado com muita freqüência. Diz respeito aque tipos de suporte de interface são fornecidospara auxiliar os usuários a lembrar como realizartarefas.
  • 24. Metas DECORRENTES DAExperiência do Usuário
  • 25. (PREECE, ROGERS e SHARP, 2005)
  • 26. PRINCÍPIOS DE DESIGN EUSABILIDADE
  • 27. 1. Visibilidade – quanto mais visíveis forem as funções do sistema, mais osusuários saberão o que fazer.2. Feedback – refere-se ao retorno que o usuário recebe após suas ações,permitindo que ele continue suas atividades.3. Restrições – diz respeito à especificar quais áreas e quais funções o usuáriopode utilizar, desativando opções impossíveis ou, em casos de sites ousoftwares, sombreando botões que não podem ser clicados.4. Mapeamento – diz respeito à relação entre os controles e seus efeitos,geralmente seguindo uma convenção, como no caso dos botões de controle desom.5. Consistência – diz respeito à projeção de interfaces que possuam operaçõescomuns entre si, utilizando elementos semelhantes para a realização de tarefasparecidas.6. Affordance – refere-se ao atributo de um objeto que permite às pessoassaber como utilizá-los, ou seja, significa “dar uma pista” (NORMAN, 1988)
  • 28. Design Centrado noUsuário
  • 29. Design with the user,rather than designfor the user... - TerryWinograd
  • 30. BibliografiaPREECE, Jennifer; ROGERS, Yvone; SHARP, Helen. Design de Interação: Além daInteração homemcomputador. Editora Bookman, São Paulo: 2005.ROCHA, Heloísa Vieira; BARNAUSKAS, Maria Cecília Calani. Design e avaliação deinterfaces humanocomputador. 2000. Disponível em:< http://pan.nied.unicamp.br/download_livro/livro-design-aval.zip>

×