Motores
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Motores

on

  • 9,211 views

 

Statistics

Views

Total Views
9,211
Views on SlideShare
9,132
Embed Views
79

Actions

Likes
7
Downloads
530
Comments
3

3 Embeds 79

http://etectpca.com.br 67
https://cursosrapidosonline.com.br 9
https://www.cursosonlinecursos.com.br 3

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • manda no meu email... katiapatricia000@hotmail.com
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • That is good!!!
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Achei otimo esse slides.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Motores Presentation Transcript

  • 1. OPERAÇÕES E PROCESSOS MECÂNICOS Prof. MSc. Leandro Barradas Pereira Engenheiro Agrônomo MOTORES Etec “Sebastiana Augusta de Moraes” – 028 - Andradina Março 2011
  • 2.
    • INTRODUÇÃO
    • MOTOR  conjunto de mecanismo que transforma energia calorífica ou térmica contida no combustível em energia mecânica, utilizada sob a forma de trabalho.
    • Os primitivos tratores possuíam motor a vapor
    • -muitos pesados
    • -constante fornecimento de água e combustível
    • -eram mais utilizados como motores estacionários
    • -pouco usados para trabalhos de tração e implementos
  • 3.
    • INTRODUÇÃO
  • 4.
    • INTRODUÇÃO
    • Descoberta e construção de motores de combustão interna
    • -usados nos tratores
    • -tratores grandes e muito pesados
    • Aperfeiçoamento das indústrias de metais
    • -evolução na construção dos motores
    • -motores leves, de alto rendimento
    • -construção devidamente projetada
  • 5.
    • INTRODUÇÃO
    • O motor está constituído pelos seguintes sistemas:
    • sistema de arrefecimento  encarregado de manter a temperatura normal de funcionamento do motor
    • -a combustão da mistura explosiva em seu interior e atrito das peças produzem temperaturas elevadas que esse sistema deve controlar
  • 6.
    • INTRODUÇÃO
    • O motor está constituído pelos seguintes sistemas:
    • sistema de arrefecimento
    • - sistema de arrefecimento a água  bomba d’água, radiador, ventilador e condutos de água e termostato
    • - sistema de arrefecimento a ar  alhetas de refrigeração, condutos de ar, turbina e termostato
  • 7.
    • INTRODUÇÃO
    • O motor está constituído pelos seguintes sistemas:
    • sistema de arrefecimento
  • 8.
    • INTRODUÇÃO
    • O motor está constituído pelos seguintes sistemas:
    • sistema de lubrificação  reduz o atrito entre as peças em movimento no motor, mediante uma película de óleo lubrificante entre elas, ajudando o sistema de arrefecimento a manter a temperatura normal de funcionamento do motor
    • sistema de alimentação  fornece o combustível ao motor, de acordo com as necessidades de seu consumo
  • 9.
    • INTRODUÇÃO
    • O motor está constituído pelos seguintes sistemas:
    • sistema de alimentação
    • -motor a explosão
    combustível  tanque reservatório  carburador (filtro de ar) carburador: misturar combustível com o ar na proporção adequada para formar a mistura que será admitida (succionada) e se inflamará no interior do cilindro
  • 10.
    • INTRODUÇÃO
    • O motor está constituído pelos seguintes sistemas:
    • sistema de alimentação
    • -motor a explosão
  • 11.
    • INTRODUÇÃO
    • O motor está constituído pelos seguintes sistemas:
    • sistema de alimentação
    • -motor a explosão
    • -tanque no mesmo nível ou abaixo do carburador  alimentação por meio da bomba de gasolina
    • -tanque reservatório acima do motor  alimentação para o carburador se dá por gravidade
  • 12.
    • INTRODUÇÃO
    • O motor está constituído pelos seguintes sistemas:
    SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO 1. tanque de combustível 2. bomba de gasolina 3. filtro de gasolina 4. carburador 5. filtro de ar 6. tubulações e tubos flexíveis
  • 13.
    • INTRODUÇÃO
    • O motor está constituído pelos seguintes sistemas:
    • sistema de alimentação
    • -sistema diesel
    tanque reservatório  copo de se d imentação  filtro de combustível  bomba de alimentação  bomba de transferência ou injetora  bico injetor
  • 14.
    • INTRODUÇÃO
    • O motor está constituído pelos seguintes sistemas:
    • sistema de alimentação
    • -sistema diesel
    1. tanque de combustível 13. filtro de combustível 14. bomba injetora 16. Bicos injetores 16 14 1 13
  • 15.
    • INTRODUÇÃO
    • O motor está constituído pelos seguintes sistemas:
    • sistema de alimentação
    • -sistema diesel
  • 16.
    • INTRODUÇÃO
    • O motor está constituído pelos seguintes sistemas:
    • sistema de conjunto móvel  constituído pelos elementos que transformam o movimento retilíneo alternado em do pistão em movimento circular no virabrequim
  • 17.
    • INTRODUÇÃO
    • O motor está constituído pelos seguintes sistemas:
    • sistema de conjunto móvel
  • 18.
    • INTRODUÇÃO
    • O motor está constituído pelos seguintes sistemas:
    • Sistema elétrico  constituído pelo sistema de partida, permitindo por o motor em funcionamento
  • 19.
    • INTRODUÇÃO
    • O motor está constituído pelos seguintes sistemas:
    • sistema elétrico
    • - sistema de ignição  fornece centelha elétrica para as velas de ignição, ocorrendo a combustão da mistura ar-combustível
    • - sistema de carga  mantém a bateria constantemente com carga para alimentar os diferentes sistemas e elementos
  • 20.
    • INTRODUÇÃO
    • O motor está constituído pelos seguintes sistemas:
    • sistema elétrico
  • 21.
    • INTRODUÇÃO
    • O motor está constituído pelos seguintes sistemas:
    • -sistema de transmissão  conduzir a força do motor às partes movidas ou pontos de utilização
    • -sistema de direção e locomoção
    • -sistema de armação  serve de sustentação e ligação das várias partes
  • 22.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO, CABEÇOTE E CÁRTER
  • 23.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
  • 24.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    • -orifícios denominados cilindros, que são tubos abertos nas duas extremidades
    • -no interior dos cilindros deslizam os pistões, também denominados êmbolos
    • -um bloco pode ter 1 cilindro (monocilíndrico), 2, 3, 4, 6 ou mais cilindros (policilíndricos)
  • 25.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
  • 26.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    • -a posição do cilindro pode ser:
    • -horizontal (deitada)
    • -vertical (em pé ou em linha)
    • -em “V” (inclinada)
    • -radiais (dispostos em torno de um cárter circular)
  • 27.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
  • 28.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    • -pistão – um para cada cilindro – é fechado na parte superior e aberto na parte inferior
    • -na parte lateral externa do pistão estão os anéis de segmento ou molas de segmento
    • -há 2 tipos de anéis de segmento:
    • - anéis de compressão  impede a passagem dos gases de compressão e os queimados para o cárter
  • 29.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    • - anéis de lubrificação, ou de óleo ou raspadores de óleo  raspa o óleo que fica na parede do cilindro, removendo-o para o cárter
    • -o número de anéis de segmento é variável  mais comum é 2 ou 3 anéis de compressão e 1 ou 2 anéis de óleo
  • 30.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    A. anéis de compressão B. anéis de lubrificação
  • 31.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    • -molas de segmento  são colocadas no pistão, dentro do cilindro, com um certo afastamento entre as extremidades
    • -separação evita que as molas de segmento se quebrem ou impeçam o movimento do pistão quando o motor se aquece, provocando dilatação dos anéis de segmento
  • 32.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    • -pino do pistão  localizado no interior do pistão, que o prende à biela
    • -biela  fixa ao eixo de manivelas, conhecido por virabrequim ou árvore de manivelas
    • -pistão, a biela e o virabrequim funcionam como um conjunto, provido de movimento
  • 33.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    • -as bielas dividem-se em 3 partes:
    • - pé  é a parte que se acopla ao pistão por intermédio do pino
    • - corpo  constitui a parte média da biela
    • - cabeça  parte inferior da biela que a fixa ao virabrequim
  • 34.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    1. pistão 2. pino do pistão 6. biela 8. bronzinas 13. anéis de segmento 8 6 2 13 1 6 8
  • 35.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    • -o virabrequim apóia-se nas extremidades pelos mancais fixos
    • -as bielas são presas ao cotovelo do eixo
    • -o eixo não fica em contato direto com os mancais do bloco e da biela
    • -há entre eles os casquilhos ou moentes, existindo folga entre elas por onde circula óleo lubrificante
  • 36.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    • -o virabrequim possui na extremidade posterior o volante e na dianteira uma roda dentada, engrenando diretamente ou por intermédio de correntes ao eixo de comando de válvulas ou eixo de ressaltos
    • -este eixo possui os ressaltos ou camos, um para cada válvula de cada cilindro.
  • 37.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    • -as válvulas são elementos do sistema de distribuição que permitem a entrada ou a saída dos gases nos cilindros
    • -podem ser acionadas diretamente pela árvore do comando de válvulas, através dos tuchos
  • 38.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    ENGRENAGENS DE DISTRIBUIÇÃO DO MOTOR 2. de acionamento do regulador 3. do eixo de comando de válvulas 5. do virabrequim 7. de impulsão de bomba de óleo
  • 39.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    • -normalmente, cada cilindro possui 2 válvulas:
    • -admissão ou entrada
    • -escape ou descarga
    • -as válvulas podem também ser movidas diretamente pelos ressaltos ou por uma haste que aciona o balancim, abrindo-as ou fechando-as
    • o balancim ou balanceiro funciona com o mesmo princípio da gangorra
  • 40.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    motor de 4 cilindros mostrando a ordem das válvulas de admissão e escape ACIONAMENTO DAS VÁLVULAS 2 e 3. válvulas 4. mola da válvula 8. suporte do balancim 9. eixo do balancim 14. balancim
  • 41.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    • -as válvulas possuem 4 partes:
    • - cabeça  parte superior, podendo ser plana, convexa ou côncava
    • - haste  parte inferior e em seu torno há uma mola, que mantém a válvula fechada, tendo em sua extremidade as ranhuras
  • 42.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    • -as válvulas possuem 4 partes:
    • - margem  espessura que apresenta a válvula entre a cabeça e a contra-sede, para evitar que por efeito do calor se deforme ou queime
    • - contra-sede  parte da válvula que se apóia sobre a sede e veda a passagem dos gases
  • 43.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • BLOCO
    • -quando não há o balancim o ressalto atua sobre o pé da válvula, não diretamente, mas através de um tucho
  • 44.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • CABEÇOTE
  • 45.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • CABEÇOTE
    • -nele está localizada a câmara de compressão ou combustão, que fecha o cilindro pela parte superior
    • -se o motor é de explosão, há em cada câmara de compressão, uma vela de ignição para cada cilindro e se o motor é do sistema diesel, há um injetor
  • 46.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • CABEÇOTE
  • 47.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • CÁRTER
  • 48.
    • INTRODUÇÃO
    • Peças do motor:
    • CÁRTER
    • -é uma capa protetora inferior do motor e serve de reservatório do óleo lubrificante do motor
  • 49.
    • 2. DEFINIÇÕES
    • Ciclo: é o conjunto de transformações a que está sujeita a massa gasosa, no interior do cilindro, desde a sua admissão até a sua eliminação para o exterior
    • PONTOS MORTOS  são pontos máximos que o pistão atinge em seu deslocamento
    • -ponto morto inferior e ponto morto superior
    • -curso  é a distância entre esses pontos
  • 50.
    • 2. DEFINIÇÕES
    • Curso: é, portanto, o espaço percorrido pelo pistão
      • -como o pistão está ligado ao virabrequim pela biela, quando ele se movimenta percorrendo um curso, o virabrequim descreve meia volta
      • -esse percurso circular é denominado tempo
      • -logo, um curso equivale a um tempo
      • quando o pistão vai de um ponto morto ao outro o eixo de manivelas percorre meia volta (180º)
  • 51.
    • 2. DEFINIÇÕES
    • -o ciclo de um motor pode ser feito em 2 ou 4 tempos, conforme as transformações da massa gasosa no interior do cilindro se realizem em uma ida e uma volta do pistão ou duas idas e dois regressos do pistão
    • -o ciclo de um motor de 2 tempos se completa em uma volta do virabrequim (360º)
    • -o ciclo de um motor de 4 tempos se completa em duas voltas do virabrequim (720º)
  • 52.
    • 2. DEFINIÇÕES
    • -nos motores de mais de um cilindro o ciclo se completa em cada cilindro, independente do outro
    • -o virabrequim possui construção adequada para realizar o movimento dos pistões
    • VOLUME DO CILINDRO  é o espaço ocupado pela massa gasosa quando o pistão se desloca um curso – do ponto morto superior ao inferior
  • 53.
    • 2. DEFINIÇÕES
    • VOLUME DA CÂMARA DE COMPRESSÃO  é o existente acima da cabeça do pistão, quando este está no ponto morto superior
    • CILINDRADA
    cilindrada = volume do cilindro x número de cilindro (cm 3 ou ℓ)
        • volume do cilindro = 0,785 x (diâmetro) 2 x medida do curso do pistão
    • (cm 3 )
  • 54.
    • 2. DEFINIÇÕES
    • CILINDRADA
    • Exemplo: motor 6 cilindros
    • diâmetro do cilindro = 9,5 cm
    • curso do pistão = 12 cm
    • cilindrada = 0,785 x (9,5) 2 x 12
    • cilindrada = 850 cm 3
    • volume de cada cilindro
  • 55.
    • 2. DEFINIÇÕES
    • CILINDRADA
    • cilindrada total = 850 x 6
    • cilindrada total = 5100 cm 3 ou 5,1 ℓ
    • TAXA DE COMPRESSÃO
    taxa de compressão = cilindrada / volume da câmara de compressão -quanto maior for a diferença entre os valores desses volumes, maior será a taxa de compressão
  • 56.
    • 2. DEFINIÇÕES
    • TAXA DE COMPRESSÃO
    • Exemplo: admitindo-se o volume da câmara de compressão de 42,5 cm 3 para o motor cilindrada de 850 cm 3 a taxa de compressão será de:
    • taxa de compressão = 850 : 42,5
    • taxa de compressão = 20
    • -logo, a taxa de compressão será de 20:1
  • 57.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • -completa seu ciclo em 720º – 2 voltas do virabrequim ou 4 cursos do pistão
    • -os 4 tempos ou cursos de funcionamento do motor são:
    • -admissão
    • -compressão
    • -explosão
    • -escape
    o ciclo tem início no ponto morto superior
  • 58.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • motor ciclo Otto
    Nikolaus August Otto
  • 59.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • motor ciclo Otto
      • -admissão  começa quando o pistão se encontra no ponto morto superior
      • -abre-se a válvula de admissão e o pistão abaixa, permitindo a entrada da mistura devido à sucção que o pistão provoca
  • 60.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • motor ciclo Otto
      • -admissão
      • -quando o pistão chega no ponto morto inferior fecha-se a válvula de admissão
      • -o virabrequim percorreu 180º
  • 61.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • motor ciclo Otto
      • -compressão
      • -o pistão sobe até o ponto morto superior, enquanto as válvulas estão fechadas, comprimindo a mistura na câmara de compressão.
      • -o virabrequim completou 180º, perfazendo 360º
  • 62.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • motor ciclo Otto
      • -explosão
      • -no curso anterior a mistura ficou comprimida na câmara de combustão. Uma centelha ou faísca produzida pela vela de ignição acende o combustível
      • -os gases, ao se expandirem, produzem uma alta pressão que atua sobre a cabeça do pistão, obrigando-o abaixar do ponto morto superior para o inferior
  • 63.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • motor ciclo Otto
      • -explosão
      • -nesse curso é que se obtém a força que é aproveitada do motor
      • -esse tempo é o terceiro, também conhecido como tempo motor ou de força ou expansão
      • -o virabrequim percorreu mais 180º, perfazendo 540º
  • 64.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • motor ciclo Otto
      • -escape
      • -o pistão sobe do ponto morto inferior e abre-se a válvula de escape, que permite a saída dos gases para o exterior, que são expulsos pelo pistão
      • -ao chegar o pistão no ponto morto superior fecha-se a válvula de escape
  • 65.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • motor ciclo Otto
      • -escape
      • -esse é o quarto tempo, também conhecido como tempo de descarga
      • -o virabrequim girou duas voltas (720º), completando um ciclo de trabalho
  • 66.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • motor ciclo Otto
      • -o ciclo se repete continuadamente no cilindro
      • -no 1º tempo a válvula de admissão ou entrada fica aberta e no 4º tempo abre-se a válvula de escape ou descarga
      • -no 2º e 3º tempos as duas válvulas permanecem fechadas
  • 67.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • motor ciclo Otto - resumo
      • -o ciclo se repete continuadamente no cilindro
      • -no 1º tempo a válvula de admissão ou entrada fica aberta e no 4º tempo abre-se a válvula de escape ou descarga
      • -no 2º e 3º tempos as duas válvulas permanecem fechadas
      • -na explosão gera a potência e nos demais tempos o consumo
  • 68.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • motor ciclo Otto
    pistão e cilindro, indicando PMS e PMI, diâmetro do cilindro e curso
  • 69.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • motor ciclo Otto
  • 70.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • sistema diesel
    Rudolf Christian Karl Diesel
  • 71.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • sistema diesel
      • -os motores diesel podem ser de 2 ou 4 tempos
      • -construídos com 1, 2, 3, 4 ou mais cilindros
      • -os cilindros podem ser horizontais ou verticais
  • 72.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • sistema diesel
      • -admissão
      • -quando o pistão inicia o seu curso, do ponto morto superior ao ponto morto inferior, abre-se a válvula de admissão e dá-se a entrada de ar
  • 73.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • sistema diesel
      • -admissão
    ar + combustível
  • 74.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • sistema diesel
      • -compressão
      • -terminado o curso anterior fecha-se a válvula de admissão e o pistão começa a comprimir ar no interior do cilindro
  • 75.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • sistema diesel
      • -compressão
  • 76.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • sistema diesel
      • -explosão
      • -pouco antes do pistão atingir novamente o ponto morto superior, dá-se a injeção de combustível no ar comprimido
      • -devido à elevada temperatura e alta pressão o combustível injetado se queima
  • 77.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • sistema diesel
      • -explosão
      • -essa combustão produz maior elevação de pressão e temperatura, que impulsiona o pistão para baixo, indo do ponto morto superior ao inferior
  • 78.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • sistema diesel
      • -explosão
  • 79.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • sistema diesel
      • -escape
      • -quando o pistão está próximo do ponto morto inferior abre-se a válvula de escape ou descarga e os gases queimados saem para o exterior
      • -o pistão vai do ponto morto inferior ao superior, percorrendo o 4º curso, que é o tempo de escape ou descarga
  • 80.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • sistema diesel
      • -escape
  • 81.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • motor a explosão e sistema diesel
      • -o movimento do virabrequim e idêntico tanto no motor a explosão como no sistema diesel
      • -a abertura e fechamento das válvulas de admissão e de escape são também iguais
      • -as principais diferenças são as seguintes:
  • 82.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • motor a explosão e sistema diesel
      • -admissão  enquanto o motor de explosão admite a mistura de ar mais combustível, no motor sistema diesel a admissão é somente de ar
      • -compressão  enquanto nos motores a explosão taxa de compressão varia de 5 a 8:1, nos motores sistema diesel a taxa é de 15 a 20:1
  • 83.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • motor a explosão e sistema diesel
      • -final da compressão  motor a explosão há produção de centelha no eletrodo da vela, que provoca a queima da mistura e no motor sistema diesel há injeção de combustível no interior do ar comprimido
  • 84.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 4 TEMPOS
    • motor a explosão e sistema diesel
      • -para suportar a pressão mais elevada, motivada pela maior redução do volume de ar, na compressão, o material de que é construído o motor de sistema diesel é mais reforçado, principalmente na câmara de compressão (cabeçote) e blocos do cilindro e pistão
  • 85.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 2 TEMPOS
      • -é aquele em que o ciclo se completa em 2 cursos do pistão  1 volta do virabrequim
      • -a maioria desses motores do sistema explosão é desprovido de válvula
      • -o pistão executa a abertura e o fechamento para entrada e saída da mistura
      • -o virabrequim girou meia volta, realizando os tempo de escape e admissão
  • 86.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 2 TEMPOS
    • motor a explosão
      • -quando o pistão inicia o seu curso descendente impulsionado pelos gases da combustão, descobre a abertura de escape, permitindo a evacuação dos gases
      • -pela abertura de admissão se introduz mistura nova no interior do cárter, que é comprimida pela saia do pistão, obrigando-a a subir pela abertura de transferência
  • 87.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 2 TEMPOS
    • motor a explosão
      • -o pistão inicia o seu curso ascendente, comprimindo a mistura, até o ponto morto superior, onde é acesa pelas velas, provocando a explosão
      • -dessa forma se completa o ciclo de trabalho
  • 88.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 2 TEMPOS
    • motor a explosão
  • 89.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 2 TEMPOS
    • sistema diesel
    • -possui 2 válvulas de escape e ar entra para uma camisa que envolve o cilindro, com pressão, devido a uma turbina que aciona o ar
    • -há algumas aberturas circulares em torno de toda a saia do cilindro
    • -quando o pistão desce ao ponto morto inferior deixa livre essas aberturas e o ar entra para o interior do cilindro
  • 90.
    • 3. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    • MOTOR DE 2 TEMPOS
    • sistema diesel
    • -quando o pistão sobe, as aberturas são fechadas e começa a comprimir o ar
    • -no final desse tempo há a injeção de combustível
    • -o pistão desce em compressão e quando está aproximadamente no meio do curso descendente abrem-se as válvulas de escape e os gases queimados são eliminados