Embrapa: Empreededorismo e Inovação

8,037 views
7,900 views

Published on

Published in: Business
3 Comments
12 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
8,037
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
165
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
3
Likes
12
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Embrapa: Empreededorismo e Inovação

  1. 1. PALESTRA Empreendedorismo e Inovação EMBRAPA – CNPMF Cruz das Almas, 11 de agosto de 2009
  2. 2. Roteiro <ul><li>Inovação e Empreendedorismo em tempos de Sociedade do Conhecimento e Crise </li></ul><ul><li>Empreendedorismo: Conceito, Incubadoras </li></ul><ul><li>Inovação: Conceitos, Modelos, Tendências </li></ul><ul><li>Gestão da Inovação </li></ul><ul><li>Instrumentos de Apoio a Inovação </li></ul>
  3. 3. Sociedade do Conhecimento
  4. 4. Crise <ul><li>“ A crise representa um momento singular, uma oportunidade para que as empresas e pessoas repensem os conceitos e as premissas que as impedem de ver o quadro real.” Peter Senge </li></ul><ul><li>“ O quadro a ser construído deve ter como alicerce o desenvolvimento sustentável da nova economia e não o modelo exploratório da velha economia.” McKinsey & Co. </li></ul><ul><li>“ Não vivemos em uma época de mudança, mas sim em uma mudança de época.” </li></ul><ul><li>Estamos vivendo uma mudança de sistema. É mais do que uma crise da economia. É uma crise de percepção” Hazel Henderson. </li></ul>
  5. 5. “ Remédios” para a crise <ul><li>Inovação  Competitividade </li></ul><ul><li>Inovação  Sustentabilidade </li></ul><ul><li>Empreendedorismo  Inovação </li></ul><ul><li>Como fazer isso acontecer? </li></ul>
  6. 6. Empreendedorismo e Inovação: Lugar comum... http://olimpiadas.uol.com.br/2008/guia/locais-de-competicao/centro-aquatico-cubo-dagua.jhtm
  7. 7. Incubadoras no Brasil
  8. 8. Incubadoras por região
  9. 9. Incubadoras por municípios
  10. 10. Incubadoras por tempo de operação
  11. 11. Parques tecnológicos por municípios
  12. 12. Parques tecnológicos por região
  13. 13. 1- O que é uma Incubadora de Empresas? <ul><li>É um local especialmente criado para abrigar empresas oferecendo uma estrutura configurada para estimular, agilizar, ou favorecer a transferência de resultados de pesquisa para atividades produtivas. Para isso a Incubadora oferece apoio gerencial e técnico (serviços de recepção e secretaria, salas de reunião, Internet , telefone, etc. ) e uma gama de serviços que propiciam excelentes oportunidades de negócios e parcerias, para que você desenvolva seu projeto/ empresa. </li></ul>
  14. 14. 2- O que é uma Incubadora de Empresas de Base Tecnológica? <ul><li>É a incubadora que abriga empresas cujos produtos, processos ou serviços são gerados a partir de resultados de pesquisas aplicadas, e nos quais a tecnologia representa alto valor agregado (Fonte: Ministério da Ciência e Tecnologia). </li></ul>
  15. 15. 3- Qual é o público alvo da Incubadora? <ul><li>Estudantes, cientistas, empreendedores, empresas que desejem desenvolver novos projetos, produtos e serviços baseados em tecnologia inovadora. </li></ul>
  16. 16. 4- Quanto custa estar na Incubadora de Empresas ? <ul><li>Geralmente cada empresário paga uma taxa para usufruir de todos esses serviços que é, normalmente, inferior ao preço que cada uma dessas despesas representaria para o empresário caso ele estivesse em outro ambiente. Essa taxa varia de incubadora e de região. </li></ul>
  17. 17. 5- As incubadoras recebem empresas de todos os tipos? <ul><li>As incubadoras de base tecnológica, recebem empresas de base tecnológica, responsáveis por algum tipo de inovação em produtos, processos, componentes ou acessórios. Há ainda as chamadas incubadoras tradicionais, que aceitam empresas dos setores tradicionais. As incubadoras mistas abrigam empresas de base tecnológica e dos setores tradicionais. No Brasil, estão surgindo as chamadas incubadoras sociais, responsáveis por apoio a programas e projetos sociais, e as incubadoras culturais, que apóiam programas culturais como grupos de teatro, de canto, e similares. </li></ul>
  18. 18. 6- Quais as vantagens em ser uma empresa incubada? <ul><li>Além dos espaços e serviços oferecidos, a própria concepção do sistema de incubação propicia o intercâmbio de idéias e tecnologias entre empresários incubados. Aprendem a importância de compartilhar o mesmo espaço, realizar parcerias e cultivar relacionamentos interpessoais de forma efetiva. Ter um projeto incubado, significa ter um negócio com grande potencial de sucesso, que se desenvolve num ambiente propício para que se estabeleça fortalecido no mercado. </li></ul>
  19. 19. 7- Uma empresa incubada tem isenção ou benefícios tributários? <ul><li>Não. Uma empresa incubada deve pagar todos os tributos como qualquer outra  que não faça parte de uma Incubadora. </li></ul>
  20. 20. 8- Quanto tempo uma empresa pode residir numa Incubadora? <ul><li>Geralmente, você pode permanecer na Incubadora durante o período de 6 meses no Programa de Pré-Incubação, 3 anos na Incubação e ao se graduar você poderá participar do Programa de Pós-Incubação durante um ano, no qual sua empresa pode usufruir dos serviços da Incubadora, mas não permanece instalada em seu prédio. </li></ul>
  21. 21. 9- O que é uma empresa graduada? <ul><li>É a empresa que já participou de todas as etapas da incubadora, e está pronta para enfrentar a realidade de mercado contando com seus próprios recursos para a instalação física. </li></ul>
  22. 22. 10- Como são formadas as incubadoras de empresas? <ul><li>Geralmente, através de convênios ou termos de cooperação firmados entre várias instituições comprometidas com o desenvolvimento da região como, universidades, institutos de pesquisa, prefeituras, empresas, associações de classe. </li></ul>
  23. 23. Intra-empreendedorismo <ul><li>É possível ser empreendedor como empregado? </li></ul><ul><li>Dentro de uma empresa pública? </li></ul><ul><li>Em um município do interior? </li></ul><ul><li>No nordeste do Brasil? </li></ul><ul><li>Como fazer isso ser potencializado? </li></ul>
  24. 24. INOVAÇÃO <ul><li>Que momento vivemos? </li></ul>
  25. 25. <ul><li>Novo marco regulatório nacional </li></ul><ul><ul><li>Fundos Setoriais, PICTE/PDP, Lei de Inovação (2004), Lei do Bem (2005), Subvenção Econômica etc. </li></ul></ul><ul><li>Gestão da Inovação Gestão para a Inovação </li></ul><ul><li>Disseminação de iniciativas de apoio à Inovação </li></ul><ul><li>Ampliação dos recursos públicos disponíveis </li></ul>Momento da Inovação Novo Cenário Oportunidades para captação de recursos: Finep, MCT, CNPq, BNDES, Fapesb, Decit/MS contabilizam o maior volume da história: R$ 39,1 bilhões estimados de 2007 a 2010.
  26. 27. Marco legal - mudança <ul><li>Lei de Inovação (N º 10.173/04) - organizada em três eixos: </li></ul><ul><li>a constituição de um ambiente propício à construção de parcerias entre as universidades, institutos tecnológicos e empresas </li></ul><ul><li>o estímulo à participação de institutos de ciência e tecnologia no processo de inovação </li></ul><ul><li>o estímulo direto à inovação na empresa </li></ul><ul><li>Lei do Bem (N º 11.196/05) – Benefícios Fiscais à Inovação: </li></ul><ul><ul><li>Diversos mecanismos à disposição. </li></ul></ul><ul><ul><li>Exemplos: Natura = R$ 15 mi (2006). </li></ul></ul><ul><ul><li>Braskem = R$ 6,2 mi (2006). </li></ul></ul>
  27. 28. Marco legal <ul><li>Subvenção Econômica </li></ul><ul><ul><li>Prevê a subvenção como forma de estímulo direto às empresas, e amplia as possibilidades de utilização desse mecanismo em dois sentidos. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Em primeiro lugar, ao desatrelar a concessão do benefício da utilização dos incentivos da Lei 8.661. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Em segundo, ao autorizar a destinação de percentual mínimo de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) para subvenção de atividades de P&D. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Aplicação de recursos públicos não-reembolsáveis diretamente em empresas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Linhas de crédito à inovação através do BNDES e fundos de capital de risco através da Finep. </li></ul></ul>
  28. 29. Competitividade via Inovação <ul><li>“ Finep vai investir R$ 1 bi em inovação nas empresas” </li></ul><ul><li>“ Bahia tem R$ 20 mi sobrando para inovação” </li></ul><ul><li>“ Novo presidente do BNDES defende inovação para a indústria” </li></ul><ul><li>“ Academias de Ciências de 13 países recomendam que G8 discuta mudanças climáticas e inovação” </li></ul><ul><li>As empresas conhecem os instrumentos à inovação? </li></ul><ul><li>Pesquisa realizada no mês de maio/2007, com 230 empresas no Estado de São Paulo, revela que apenas 14% delas conhecem os instrumentos existentes para o financiamento da inovação tecnológica. </li></ul>
  29. 30. Inovação Tecnológica no Brasil <ul><li>30% das empresas industriais realizam algum tipo de inovação tecnológica - média européia é de 50% </li></ul><ul><li>Menos de 4% das empresas lançam produto novo no mercado </li></ul><ul><li>Menos de 3% introduzem processo novo no mercado </li></ul><ul><li>Inovação para adequação a padrões internacionais: </li></ul><ul><li>- 23% das empresas que inovam e diferenciam produtos </li></ul><ul><li>13% das empresas especializadas em produtos padronizados realizaram inovação </li></ul><ul><li>Fonte: IPEA – Glauco Arbix, Mar.2006 </li></ul>
  30. 31. Razões do baixo investimento do empresariado em pesquisa tecnológica (ANPEI, 2006) <ul><li>Pouco domínio em relação às tendências dos mercados e das possibilidades de atendê-los </li></ul><ul><li>Distanciamento. Entendimento que a lucratividade depende da macroeconomia </li></ul><ul><li>Desconhecimento sobre os principais instrumentos de apoio à P&D, incentivos fiscais, fontes de financiamento </li></ul><ul><li>Aversão a novos formatos. Pouca disposição para o questionamento às regras de competição </li></ul>
  31. 32. <ul><li>Convergências das políticas públicas dos países desenvolvidos e dinâmicos voltadas para a incorporação do conhecimento como principal elemento de geração de competitividade e sustentabilidade </li></ul><ul><li>Inovação como meio para a competitividade e a sustentabilidade </li></ul>Momento Internacional “ Sociedade do Conhecimento”
  32. 33. Lugar comum... http://olimpiadas.uol.com.br/2008/guia/locais-de-competicao/centro-aquatico-cubo-dagua.jhtm
  33. 34. Produção Científica Brasil: Artigos publicados em periódicos científicos internacionais indexados no Institute for Scientific Information (ISI) e percentual em relação ao mundo, 1981-2006 Fonte: http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/5711.html
  34. 35. Investimentos Brasil: Comparação - índice dos investimentos empresariais em C&T com o percentual de investimentos empresariais em relação ao PIB, 2000-2005 Fonte: http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/73493.html
  35. 36. Propriedade Intelectual Depósito de patentes de invenção nos escritórios nacionais em relação ao produto interno bruto (PIB), 2004 Fonte: http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/9238.html
  36. 37. Relatório da OCDE diz que Brasil investiu 1,02% em P&D em 2006 <ul><li>Publicações científicas brasileiras: 1,4% mundo (Suécia), dobrou entre 1995 e 2005 </li></ul><ul><li>OCDE - Brasil destinou 1,02% PIB a P&D (2006) </li></ul><ul><li>Média OCDE: 2,26% (2006) </li></ul><ul><li>Acima Rússia e China, porém atrás da Argentina </li></ul><ul><li>Participação: 51% Estado, 49% empresas </li></ul><ul><li>60% da participação registrada no Brasil provêm de entidades de fora do país. </li></ul><ul><li>10,7% dos graduados universitários têm titulações em ciência e engenharia </li></ul><ul><li>Entre a população de 25 a 64 anos, 7,8% chegam ao ensino superior. </li></ul><ul><li>A tendência das patentes acadêmicas brasileiras aumentou em um terço entre 2004 e 2005 e as receitas de aluguel de patentes cresceram 60%, segundo dados da Agência de Inovação da Universidade de Campinas (Unicamp). </li></ul><ul><li>A OCDE reiterou que impulsionar a contribuição da inovação ao crescimento da produtividade e competitividade é um dos principais desafios estruturais do Brasil. </li></ul>
  37. 38. Inovação é isso? BMW (South Africa). Defining innovation.
  38. 39. Inovação é isso?
  39. 40. Ela está em todo o lugar...
  40. 41. Inovação levada a sério <ul><li>Entendimento profundo sobre o conceito de inovação na empresa; </li></ul><ul><li>Pequenas melhorias em partes da empresa são inovação? </li></ul><ul><li>Milhares de pequenas melhorias no dia a dia representam uma grande inovação? </li></ul><ul><li>O esforço constante para modernizar o obsoleto pode levar a um salto de patamar? </li></ul><ul><li>Inovação é sempre reinvenção? </li></ul><ul><li>Para que inovar? Médio Prazo? Sustentável? Resultados? </li></ul>Fonte: Oscar Motomura – Época Negócios jul09
  41. 42. “ Inovação virou um mantra” Guilherme Ary Plonsky - Anprotec
  42. 43. O que é Inovação? <ul><li>Inovação “é o impulso fundamental que coloca e mantém em movimento a engrenagem da economia” (Joseph Schumpeter) </li></ul><ul><ul><li>Essencial à evolução do mercado </li></ul></ul><ul><ul><li>Condição para o aumento da competitividade das empresas, regiões e países </li></ul></ul><ul><ul><li>Ponto fundamental da “Economia do Conhecimento” </li></ul></ul>
  43. 44. Você sabe o que é inovação? <ul><li>“ Não quero inventar nada que não seja vendável. A venda é a prova da utilidade, e utilidade é igual a sucesso.” Thomas Edison (1847 – 1931) </li></ul><ul><li>http://pt.wikipedia.org/wiki/Thomas_Edison </li></ul>
  44. 45. Inovação <ul><li>Inovação “é o impulso fundamental que coloca e mantém em movimento a engrenagem da economia” (Joseph Schumpeter) </li></ul><ul><li>“ A inovação é a força motriz do capitalismo.” </li></ul><ul><ul><li>Essencial à evolução do mercado </li></ul></ul><ul><ul><li>Condição para o aumento da competitividade das empresas, regiões e países </li></ul></ul><ul><ul><li>Ponto fundamental da “Economia do Conhecimento” </li></ul></ul>http://www.pensamentoeconomico.ecn.br/economistas/joseph_schumpeter.html
  45. 46. <ul><li>“ Inovação é a transformação de uma ideia em um produto novo ou melhorado que se introduz no mercado, ou em novos sistemas de produção, e em sua difusão, comercialização e utilização. Entende-se também por inovação tecnológica, a melhoria substancial de produtos ou processos já existentes.” Manual Frascati (2003) </li></ul>Inovação Nossa visão “ É o impulso fundamental que coloca e mantém em movimento a engrenagem da economia ” Joseph Schumpeter “ Inovação hoje é sinônimo de boa gestão .” Clemente Nóbrega &quot;Todas as inovações eficazes são surpreendentemente simples. O maior elogio que uma inovação pode receber é que alguém diga: 'É óbvio. Por que não pensei nisso antes?'&quot; Peter Drucker (1909-2005) Inovação = ideia + implementação + resultados Fórum de Inovação FGV-EAESP
  46. 47. Inovação Tecnológica <ul><li>Requer a posse de um conhecimento especializado mediante patentes ou licenças para que se agregue valor ao produto. </li></ul>“ t pequeno”
  47. 48. Inovação Organizacional <ul><li>Ocorre quando uma organização busca vantagem competitiva em outras áreas, tais como Operações, Comercial, Finanças, Logística, Marketing etc. </li></ul><ul><ul><li>Implica em mudanças no Modelo de Negócio </li></ul></ul><ul><ul><li>Impulsionado por Idéias </li></ul></ul>“ T grande”
  48. 49. Inovação <ul><li>Onde acontece? </li></ul><ul><ul><li>Produto (bem ou serviço) </li></ul></ul><ul><ul><li>Processo produtivo </li></ul></ul><ul><ul><li>Organizacional </li></ul></ul><ul><ul><li>Marketing </li></ul></ul><ul><li>Qual a abrangência da inovação? </li></ul><ul><ul><li>Novo para a empresa </li></ul></ul><ul><ul><li>Novo para o mercado local </li></ul></ul><ul><ul><li>Novo para o mundo </li></ul></ul><ul><li>Tipo? </li></ul><ul><ul><li>Tecnológica </li></ul></ul><ul><ul><li>Não tecnológica </li></ul></ul><ul><li>Qual o grau da inovação? </li></ul><ul><ul><li>Radical – resulta em um produto ou processo cujas características, atributos ou usos difiram radicalmente dos existentes </li></ul></ul><ul><ul><li>Incremental – entendida como a melhoria de produto ou processo existente cujo desempenho tenha sido significativamente melhorado ou a reconfiguração de uma tecnologia já existente para outros propósitos </li></ul></ul><ul><ul><li>Disruptiva - provocam uma ruptura em modelos de negócios que estão estabelecidos. Normalmente favorecem o aparecimento de novos produtos com desempenho equivalente ao padrão do mercado, mas inferior ao dos líderes, adotando uma nova abordagem que o torne mais barato, mais conveniente ou mais fácil de usar </li></ul></ul>
  49. 50. Inovação Tempo Desempenho/ custo e melhorias Incremental Radical Disruptiva/ Ruptura
  50. 51. Dinâmica da Inovação <ul><li>Os resultados vêm da mudança de uma visão endógena e unidirecional para uma perspectiva exógena, multidirecional e em rede </li></ul><ul><ul><li>Compreensão da cadeia produtiva e das potenciais fontes de obtenção de conhecimento, lucratividade e competitividade; </li></ul></ul><ul><ul><li>Potencialização das fontes internas de geração de conhecimento, lucratividade e competitividade </li></ul></ul>Atuação em rede e organização interna
  51. 52. Benefícios da inovação <ul><li>Desenvolver novos produtos, processos, serviços e mercados </li></ul><ul><li>Aperfeiçoar métodos de produção </li></ul><ul><li>Surpreender e fidelizar a clientela </li></ul><ul><li>Reduzir custos e impacto ambiental </li></ul><ul><li>Melhorar condições de trabalho e produtividade </li></ul><ul><li>Aumentar a participação de mercado e lucratividade </li></ul>
  52. 53. Tendências da Competitividade com base na Inovação <ul><li>Ampliação da participação das empresas no Sistema Nacional de Inovação </li></ul><ul><li>“ Ambientes de Inovação ” </li></ul><ul><li>Open Innovation </li></ul><ul><li>Estruturação do processo de pesquisa, desenvolvimento e inovação nas organizações </li></ul><ul><li>Foco em resultados: </li></ul><ul><li>C ... T  I = $ =  </li></ul>
  53. 54. Matriz de Ansoff
  54. 55. Modelo Linear de Inovação Fonte: Eduardo Grizendi
  55. 56. Modelo Interativo de Inovação Fonte: Eduardo Grizendi
  56. 57. Estágio – Portão
  57. 58. Dinâmica da Inovação Etkowitz – Capitalização do Conhecimento
  58. 59. Triângulo de Sábato <ul><li>ICTs </li></ul>Mercado Empresas Políticas públicas
  59. 60. Dinâmica da Inovação Atores envolvidos Capitalização do conhecimento (Etkowitz) Governos Empresas Instituições de CT&I Investidores Pesquisadores
  60. 61. Modelo fechado de inovação Pesquisa Desenvolvimento Século XX Pesquisa interna Integração vertical: Laboratórios próprios de P&D Altos investimentos tempo Antiga dinâmica...
  61. 62. “ O processo inovativo não segue uma linearidade que inicia no laboratório do cientista e termina na linha de montagem da fábrica ( science push ) ou se limita aos meros incentivos operados pelo mercado ( market-pull )” Jackson De Toni, 2006
  62. 63. Modelo Aberto de Inovação Pesquisa Desenvolvimento Século XXI Internalização de tecnologias Interação com outras empresas e laboratórios de pesquisa Altos investimentos tempo
  63. 64. Modelo Aberto de Inovação Pesquisa Desenvolvimento tempo Comercialização Internalização de idéias e tecnologias Licenciamento de patentes Internalização de patentes e know how Spin offs Internalização de protótipos para scale up Boas e viáveis idéias próprias Boas idéias, sem viabilidade
  64. 65. Gestão da Inovação Modelo de Implantação
  65. 66. Modelos de Gestão da Inovação <ul><li>Modelos conceituais que descrevem o desenvolvimento e a implementação de projetos de inovação. </li></ul>
  66. 67. <ul><li>Desenvolvimento da Cultura de Inovação </li></ul><ul><li>Todo o esforço de inovação na empresa, começa com a sensibilização das pessoas para o desafio, demonstrando a importância do tema para o desenvolvimento empresarial, e a capacitação dos profissionais nas ferramentas, instrumentos, habilidades e competências necessárias no processo de inovação da empresa. Esta base deve ser construída como uma verdadeira Cultura de Inovação. </li></ul>Gestão da Inovação Modelo de Implantação Cultura de Inovação Ações de sensibilização e capacitação
  67. 68. <ul><li>Estruturação para a Inovação </li></ul><ul><li>Após a sensibilização e a capacitação para a inovação, o desafio é estruturar adequadamente a empresa para a inovação, estabelecendo ações de inteligência competitiva, promovendo a organização interna e elaborando o planejamento estratégico da inovação. Estes alicerces são os principais elementos necessários para a Gestão da Inovação da empresa. </li></ul>Gestão da Inovação Modelo de Implantação Cultura de Inovação Ações de sensibilização e capacitação Organização para Inovação Planejamento Estratégico de Inovação Sistema de Inteligência Competitiva
  68. 69. <ul><li>Gestão da Inovação para a Competitividade </li></ul><ul><li>A construção da Cultura de Inovação e da Organização para a Inovação permitem o completo gerenciamento da inovação na empresa. O desafio é identificar idéias e oportunidades, avaliar viabilidades, planejar, desenvolver projetos e testar seu potencial de mercado. A Gestão da Inovação permite a obtenção de resultados diretos na competitividade empresarial. </li></ul>Gestão da Inovação Modelo de Implantação Organização para Inovação Planejamento Estratégico de Inovação Sistema de Inteligência Competitiva Cultura de Inovação Ações de sensibilização e capacitação Gestão da Inovação para a Competitividade
  69. 70. Gestão da Inovação Modelo de Implantação Organização para Inovação Planejamento Estratégico de Inovação Gestão da Inovação para a Competitividade Sistema de Inteligência Competitiva Cultura de Inovação Ações de sensibilização e capacitação Inovação e Competitividade
  70. 71. Gestão da Inovação Organização para Inovação Planejamento Estratégico de Inovação Gestão da Inovação para a Competitividade Sistema de Inteligência Competitiva Cultura de Inovação Ações de sensibilização e capacitação Inovação e Competitividade
  71. 72. Gestão da Inovação Aberta Idéias Conceito Produção Comercialização Estudos Viabilidade Planos de Negócios Protótipos Decisão 1 Decisão 2 Decisão 3 Decisão 4 Decisão 5 Disclosure Caixa de Sugestões Brainstorming Técnico Concursos Reuniões Brainstorming Eventos Econômico Comercial Modelo 1 Produtos Serviços Processos Modelos Modelo 2 Avaliação de Idéias Surgimento de Idéias Viabilidade das Idéias Avaliação do Potencial das Idéias Teste de Mercado Oferta ao mercado Inteligência Competitiva – Informações do Mercado Mercado Ambiental
  72. 73. Engenharia de Financiamento: Oportunidades Disponíveis
  73. 74. Engenharia de Financiamento DEMANDAS Expansão Comercial Disponibilidade de Capital Crescimento da Empresa INSTRUMENTO Plano de Negócios e de Financiamento RECURSOS NÃO REEMBOLSÁVEIS PAPPE Subvenção/Fapesb Pesquisador na Empresa/Fapesb Subvenção Econômica/Finep Prime/Finep Bolsas CNPq RECURSOS REEMBOLSÁVEIS Juro Zero/Fapesb Inova Brasil/Finep Prosoft/BNDES Capital Inovador/BNDES Inovação Tecnológica/BNDES SUPORTES DIVERSOS APEX Sebrae Programa Quadro União Européia
  74. 75. Instrumentos <ul><li>Bahia: FAPESB – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia </li></ul><ul><li>União: </li></ul><ul><li>Fundos Setoriais – 16 instrumentos de financiamento de projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação (Recursos não reembolsáveis) </li></ul><ul><li>PDP – Política de Desenvolvimento Produtivo (PITCE II) </li></ul><ul><li>RHAE Inovação – Capacitação de Recursos Humanos para Atividades Estratégicas em apoio à Inovação Tecnológica </li></ul><ul><li>Lei de Informática </li></ul><ul><li>Sibratec – Sistema Brasileiro de Tecnologia: “apoiar o desenvolvimento tecnológico do setor empresarial nacional, por meio da promoção de atividades de pesquisa e desenvolvimento de processos ou produtos voltados para a inovação e de prestação de serviços de metrologia, extensionismo, assistência e transferência de tecnologia.” </li></ul><ul><li>Financiamentos, Capital de Risco, Subvenção Econômica, Incentivos Fiscais (Lei do Bem), Formação e Capacitação de Recursos Humanos... </li></ul><ul><li> Tendência à convergência entre os instrumentos e organismos. </li></ul>
  75. 76. Contatos www. brasilinovacao .com.br BRAIN - Brasil Inovação Consultoria e Assessoria Ltda. Rua Rubens Guelli, 134, Ed. Empresarial Itaigara Sala 408, Itaigara – Salvador/BA Tel.: 71 335-335-63 E-mail: brain@brasilinovacao.com.br

×