Educação para a solidariedade

1,022 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,022
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
10
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Educação para a solidariedade

  1. 1. Educação para a solidariedade: Promoção do espírito de entreajuda Realização: Fábio Barbosa e Paulo Ferreira
  2. 2. Tópicos: <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>O que é a entreajuda </li></ul><ul><li>Formas de entreajuda </li></ul><ul><li>Conclusão </li></ul>
  3. 4. 1 - Introdução <ul><li>Este trabalho vai ser realizado em torno daquilo que é a entreajuda, provando que cada um de nós pode ajudar os outros, mas a maneira de ajudarmos pode ser diferente, ou seja, em várias dimensões, conforme a classe social de cada um. </li></ul>
  4. 6. 2 – O que é a entreajuda <ul><li>A entreajuda acontece quando alguma ou várias pessoas ajudam outra que precisa, tendo várias necessidades, tanto económicas como sociais, mas também em outros factores, desde as mais insignificantes às mais complexas. Mais à frente veremos esses factores e os compararemos. </li></ul>
  5. 8. 3 - Formas de entreajuda <ul><li>Há vários tipos de entreajuda, como já referimos anteriormente, desde as formas mais insignificantes às mais complexas e relevantes na vida da/das pessoa/s que vamos ajudar. Aqui vamos mostrar algumas formas, por ordem de relevância (dos menos para os mais relevantes). </li></ul>
  6. 9. 1º Exemplo <ul><li>O primeiro exemplo que vamos dar é a entreajuda do nosso dia-a-dia, ou seja, todas as oportunidades que cada um de nós tem de ajudar outra pessoa, e que, provavelmente, nos dias que correm, a maior parte das pessoas recusa. </li></ul><ul><li>Isto pode ser aplicado a vários exemplos simples, como vamos ver a seguir. </li></ul>
  7. 10. Entreajuda simples; todos podem praticar; desde aconselhar ou ajudar alguém, a dar esmola a um pobre…
  8. 11. 2º Exemplo <ul><li>Há também outros tipos de entreajuda, um pouco mais restritos para certas pessoas, por razões económicas, mas que também bastante gente tem possibilidade de praticar. </li></ul><ul><li>Por exemplo, doações a instituições de caridade. Aqui iremos mostrar algumas destas instituições. </li></ul>
  9. 13. FIADC <ul><li>Foi fundada em Julho de 2005 </li></ul><ul><li>É uma instituição de âmbito nacional, sem fins lucrativos, que integra instituições particulares que visem dar apoio a pessoas com doenças crónicas. </li></ul><ul><li>Para mais informações consultem a página oficial: fiadc .no.sapo.pt </li></ul>
  10. 15. Misericórdia de Gaia <ul><li>Há também, na nossa localidade de Vila Nova de Gaia, instituições de caridade. Uma delas é a Santa Casa da Misericórdia, que é uma instituição de caridade e assistência social, de fins benéficos e de utilidade pública – por outras palavras, um lar de 3ª idade. </li></ul><ul><li>Para mais informações consultem esta página . A Casa da Misericórdia tem um site oficial, porém, não está disponível. Este é o melhor que conseguimos. </li></ul>
  11. 17. <ul><li>A UNICEF é uma agência das Nações Unidas que tem como objectivo promover a defesa dos direitos das crianças. </li></ul><ul><li>Para mais informações consultem a página oficial . </li></ul>Unicef
  12. 19. Banco alimentar <ul><li>O Banco Alimentar contra a Fome é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que promove voluntariado na área da recolha e distribuição de bens. </li></ul><ul><li>Para mais informações consultem a página oficial. </li></ul>
  13. 21. Ajuda de berço <ul><li>A Ajuda de Berço, fundada em 1998, acolhe crianças dos 0 aos 3 anos, necessitadas de protecção urgente, face a situações que as coloquem em risco, tais como maus tratos, abusos sexuais, pais alcoólicos ou toxicodependentes, prostituição, falta de lar ou abandono. </li></ul><ul><li>Para mais informações consultem a página oficial . </li></ul>
  14. 23. Conclusão <ul><li>Com este trabalho concluímos que a entreajuda é importante, no sentido de ajudarmos, individualmente ou em grupo, a sociedade, da melhor maneira possível, dentro das nossas limitações económicas. </li></ul>

×