ISSN 1519-0404produtividade sistêmica      Boletim do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade no Paraná         ...
A ECONOMIA PARANAENSE E O                                                                                                 ...
qualidade para a sua população, o pequeno empresário esbarra          intensa transformação nas estruturas organizacionais...
maiores rebanhos, na maior área de pastagens do estado, e                 processamento de diversos alimentos como margari...
Católica do Paraná), UNOPAR (Universidade Norte do Paraná),                     Este é um projeto de suma importância para...
Essa realidade exige a implementação de estratégias que             concentra-se a maior capacidade do estado na moagem e ...
que são as atividades tradicionais que mantêm boa parcela da              Francisco Beltrão: município com 67.132 habitant...
2.9 Sudeste Paranaense                                                em um ambiente moderno e inovativo. Em seu entorno c...
TABELA 1 - VALOR ADICIONADO (2002) DE MUNICÍPIOS PARANAENSES COM               Outro aspecto a ser considerado, e que apre...
Pela tabela 3, que mostra a evolução do emprego formal                           Os cinco grupos de atividades econômicas ...
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33

792

Published on

Contém artigo sobre alternativas de utilização sustentável da Reserva Legal no Paraná

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
792
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Uso Sustentável da Reserva Florestal Legal - Jornal IBQP out-dez-2003 pag33

  1. 1. ISSN 1519-0404produtividade sistêmica Boletim do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade no Paraná v.3, n.10, out./dez. 2003 IBQP O Brasil vive uma crise econômica e social há mais de enorme aumento das desigualdades e do desemprego e20 anos, enfrentada na última década com políticas voltadas redução de recursos públicos que poderiam dar outro sentidopara uma menor participação do Estado tanto produtiva quanto à divisa nascida na Revolução Francesa. Entre outrasno sentido de dirigir e planejar o desenvolvimento. Entretanto, mazelas sociais, observam-se em conseqüência aso Estado tem aumentado a carga fiscal e exigido de todos os proporções atingidas pela criminalidade e a violência cotidianasegmentos da sociedade voltados à produção e ao trabalho na sociedade brasileira. Insistir em valores universais nestemenores expectativas em relação a bens públicos, aumento contexto perde o sentido uma vez que eles facilmente sede renda e perspectivas para os próximos anos. A idéia de convertem em armas inúteis contra a solidão e a falta depactuar um novo contrato social envolvendo a todos cedeu perspectivas. Só com políticas econômicas e sociaislugar à preocupação com o não alarmar o mercado. Isto tem alternativas poderão ascender na sociedade brasileirossignificado aumentar o superávit primário para pagar juros em valores coletivos, solidários, societários. Só assim com taisum montante inédito na esperança de que se reduzam as políticas terá sentido uma expansão de bens materiais eincertezas em relação à economia brasileira, isto é, à culturais que diga respeito a todos.capacidade de o Estado honrar contratos com o sistema Igor Zanonifinanceiro e sair fora do alvo da mídia. A partir daí se esperauma queda da taxa de juros que propicie uma nova fase deprosperidade. Entretanto, não há um plano alternativo, que SUMÁRIOacertasse, por exemplo, juros menores agora, permitindo a A Economia Paranaense e o Desenvolvimento Local ....... 2prosperidade desde já e melhorando as receitas públicas elogo nossa capacidade de solvência interna e externa. É de se Características do Desenvolvimento Regional no Paraná na Atualidade .................................................... 13temer que num momento eventual de piora nas condições Algumas Considerações sobre a Economia Solidáriainternacionais de crédito se procure uma saída desordenada e a Experiência Paranaense ......................................... 18ou com desdobramentos institucionais como tem ocorrido em Diretrizes Críticas do Desenvolvimento ......................... 26vários países da América Latina. Aspectos da Conjuntura Econômica .............................. 29 Essa política no que concerne aos valores universais Resenha - Parcerias e Pobreza - Soluções Locais narepublicanos da igualdade, fraternidade e liberdade, submete Construção de Relações Socioeconômicas ................... 31crescentemente a sociedade brasileira à lei do darwinismo Alternativas Sustentáveis para Favorecer a Produtividadesocial. O problema é que, no interior da crise e de diminuição da Reserva Florestal Legal do Estado do Paraná ......... 33das possibilidades de reprodução e realização pessoal e das Nota - Treinamento nas Empresas ............................... 40empresas, isto leva a uma exacerbação do mercado quebrando Anexos .......................................................................... 41laços básicos de solidariedade. O resultado tem sido um
  2. 2. A ECONOMIA PARANAENSE E O DESENVOLVIMENTO LOCAL Marcelo Antonio Percicotti da Silva 1. DESENVOLVIMENTO LOCAL – ASPECTOS sofrer uma crise cambial, que se reflete em freqüentes flutuações CULTURAIS E ECONÔMICOS do câmbio e, por conseqüência, classificada em um alto grau de Uma intensa movimentação em torno da questão do risco para investimentos externos, em conjunto com severas metas desenvolvimento local está ocorrendo nos últimos anos, inspirada fiscais e de inflação, como é o caso do Brasil, o resultado de principalmente pelo sucesso da experiência italiana, que se iniciou qualquer estratégia de desenvolvimento de arranjos produtivos com vigor durante a década de 1980 e permanece como importante locais seria, com certeza, bem mais restrito. referência sobre o assunto. Na realidade brasileira, além das restrições macroeconômicas, Em vários pontos do centro e do nordeste da Itália verificou- pode-se citar ainda diversos fatores regionais e microeconômicos se um expressivo crescimento da interação entre pequenas que se destacam como gargalos para o desenvolvimento empresas altamente produtivas e competitivas, baseadas em um socioeconômico local. paradigma de flexibilidade e inovação. Diversos estudiosos citam Na questão regional destacam-se as disparidades no que que a maior propensão ao associativismo e à cooperação diz respeito ao nível de renda e a qualidade da infra-estrutura, presentes nesta região constitui um aspecto fundamental para a que impactam diretamente na formação de um eficiente sistema eficácia das ações empreendidas. Deve-se citar que as tradições local/regional de inovação. Estes aspectos estruturais culturais e políticas, ligadas fortemente ao movimento comunista historicamente acentuam o padrão de concentração da renda e italiano, contribuíram para um maior grau de confiança e da disponibilidade de recursos materiais e imateriais que cooperação entre os atores sociais e econômicos inseridos na caracterizam os desníveis de participação no produto da economia dinâmica produtiva local, ou seja, o chamado “capital social” do país entre as regiões. Este é um fato de extrema relevância contribuiu, de fato, para que os distritos italianos do norte que demonstra a necessidade de que a promoção do adquirissem vantagens competitivas oriundas das economias desenvolvimento de arranjos produtivos locais, ou de qualquer externas geradas pela interação entre agentes produtores outra iniciativa de desenvolvimento local, deve estar submetida, aglomerados em atividades econômicas similares e correlatas. de forma complementar, a uma estratégia de desenvolvimento Esta constatação pode ser confirmada, em parte, por outra mais ampla e de âmbito nacional. experiência italiana, quando o governo implementou políticas que No ambiente micro, pode-se verificar a dura realidade dos buscavam viabilizar os mesmos resultados na Região Sul do país pequenos empreendimentos que buscam alternativas, muitas vezes e não obtiveram os mesmos resultados, deve-se destacar que, às margens da legalidade, para sobreviverem à situação adversa. nesta região, a tradição é de maior individualismo e desagregação, A evasão fiscal e a busca das relações trabalhistas informais são em outras palavras, o grau de confiança e disposição para a recursos utilizados para se adquirir um nível de competitividade cooperação é menor, ou o capital social é reduzido. que não se sustenta no longo prazo, pois não se baseia em desen- Entretanto, não se pode interpretar todas as experiências volvimento da capacidade de reagir as constantes oscilações que bem-sucedidas na Itália somente pelo prisma de uma maior ocorrem em um período de sucessivas crises econômicas e transfor- capacidade dos pequenos empreendimentos se adaptarem a um mações radicais no processo produtivo. 2 sistema de produção flexível e inovativo, aliado a um nível de A qualidade na gestão dos micros, pequenos e médios capital social mais elevado. empreendimentos também revela-se extremamente frágil. As IBQP Boletim do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade no Paranáprodutividade sistêmica Um ambiente macroeconômico favorável ao investimento falhas envolvem desde a baixa qualificação da força de trabalho, é fundamental para que se criem expectativas de médio e longo o despreparo dos gestores e, muitas vezes, até a ausência de prazos propícias ao surgimento de novos empreendimentos, ou um balanço patrimonial mais consolidado, ou de qualquer outra para que os existentes busquem aumentar os seus dispêndios forma de controle efetivo das finanças da firma, que possibilitem o em ampliação ou modernização da capacidade produtiva. Se a acesso à linhas de financiamento para obtenção de crédito. Em v.3, n.10,out./dez. 2003 Itália estivesse passando naquele momento por uma situação de outras palavras, em um país desigual, que carece de necessidades extrema vulnerabilidade externa, com constantes ameaças de sociais básicas, como uma educação pública e gratuita de
  3. 3. qualidade para a sua população, o pequeno empresário esbarra intensa transformação nas estruturas organizacionais e estratégiasna falta de conhecimento e informação para tornar o seu empresariais. No setor agropecuário, o câmbio valorizado, aoempreendimento competitivo e sustentável. mesmo tempo em que prejudicou as exportações, possibilitou o Uma estratégia fundamentada na promoção de agências investimento nas grandes propriedades em modernização dasde desenvolvimento local, ou de qualquer outra forma descen- máquinas e dos equipamentos agrícolas.tralizada de apoio deliberado, deve destinar uma parcela Depois dessa fase de transição verifica-se que as mudançasconsiderável de suas políticas para o fomento na qualificação da ocorridas atuaram no sentido de reforçar o padrão de concentraçãogestão das organizações. Especialmente no caso de arranjos que já existia anteriormente, as atividades industriais de maiorprodutivos locais deve-se apoiar as iniciativas voltadas para as intensidade tecnológica e maior participação no valor adicionadopráticas que contribuam para a disseminação da informação, do concentraram-se ainda mais na RMC e, secundariamente noconhecimento e da inovação. Norte Central e Centro-Oriental, enquanto as outras mesorregiões O papel que cabe às especificidades locais, no que diz do estado mantêm as suas estruturas produtivas basicamente emrespeito ao desenvolvimento local, refere-se ao fato de que locais atividades agroindustriais de nível intermediário e em atividadesmais bem estruturados, com melhor infra-estrutura econômica e industriais de baixa tecnologia e intensivas em mão-de-obra,social, e com maior grau de capital social aproveitam melhor as tanto que, segundo estudo do DIEESE – PR são as atividadesoportunidades e suportam com mais força as crises e tradicionais e alocadas no interior do estado que estãoadversidades. Em um momento em que prevalecem as idéias respondendo por boa parcela dos níveis de emprego formal daneoliberais do Estado mínimo verifica-se que, ao contrário do economia paranaense.que se apregoa, ao Estado cabe, entre outras, a importante Com a intenção de se obter um sintético mapeamento detarefa de promover o desenvolvimento, e isso envolve inclusive algumas das principais atividades econômicas e a estruturaaumentar o nível de coesão e cooperação entre os agentes institucional/acadêmica de alguns dos principais municípios, queeconômicos e sociais, para que se possa promover o aumento exercem algum nível de centralidade em cada uma das 10do nível de confiança e o compartilhamento de boas práticas e mesorregiões do Estado do Paraná, realizou-se uma resumidaresgate da cidadania. sistematização regionalizada que segue logo abaixo.2. A ECONOMIA PARANAENSE 2.1 Noroeste Paranaense O Estado do Paraná vem consolidando maior participação A mesorregião noroeste compõe-se de 62 municípios. Seudo setor secundário na economia desde a década de 1970 grau de urbanização era de aproximadamente 75% em 1996 evalendo-se da expansão econômica verificada no período. é conseqüência de um intenso processo iniciado na década deEvidentemente que vários fatores contribuíram para a diversificação 1970, quando a maioria da população era rural.produtiva do estado durante os anos 70 e meados dos anos 80, Seus principais centros de importância regional sãodentre alguns, pode-se destacar: Paranavaí, Umuarama e Cianorte, que se distribuem de tal forma facilidade de acesso à financiamento externo; que permitem atingir toda a mesorregião através das cidades construção de uma infra-estrutura adequada para que lhe são limítrofes. Esta pode ser uma característica fundamental receber plantas industriais de grande porte; da região que pode possibilitar uma estratégia de políticas públicas que consigam ser irradiadas a partir desses centros para a quase mecanismos fiscais e creditícios, dentre os quais, deve- totalidade dos municípios da região. Principalmente porque é a se destacar o FDE (Fundo de Desenvolvimento segunda região do Paraná com a maior taxa de crescimento Econômico), criado em 1962, gerido inicialmente pela negativo da população durante o período 1991/2000 (0,25%) CODEPAR (Companhia de Desenvolvimento do ao ano, perdendo apenas para a região Centro-Ocidental. Deve- Paraná) e mais tarde pelo BADEP (Banco de se destacar, ainda, que no período 1980/1991 foi a região com a 3 Desenvolvimento do Estado do Paraná); maior taxa de crescimento negativa (1,17%) ao ano. uma agricultura dinâmica e em processo de moder- IBQP Boletim do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade no Paraná produtividade sistêmica A dinâmica populacional recente indica um crescimento nização, que estimula a atividade agroindustrial. urbano incipiente e um esvaziamento rural intenso. Essa forte Durante a década de 1990 verifica-se um processo de evasão ocorre devido à forte erosão do solo que modificaram asreestruturação na indústria paranaense com o intuito de se adaptar, atividades produtivas rurais, que eram baseadas em culturasou sobreviver, à política de abertura da economia, dessa forma, intensivas em mão-de-obra e atualmente dirigiram-se para a v.3, n.10,out./dez. 2003ocorre um relativo movimento de modernização do parque pecuária. Mesmo com a especialização na pecuária, a atividadeprodutivo, apoiado na valorização do câmbio, em paralelo a uma apresenta pouco dinamismo na região ao concentrar um dos
  4. 4. maiores rebanhos, na maior área de pastagens do estado, e processamento de diversos alimentos como margarina, óleo de estar entre as regiões com menor participação no valor da soja, moinho de trigo e álcool anidro. produção agrícola. Possui ainda uma reduzida participação no setor de Sua estrutura industrial baseia-se predominantemente em confecções puxado pela dinâmica do setor na mesorregião vizinha atividades tradicionais de baixa agregação de valor, mas de enorme do Noroeste Paranaense. potencialidade para a geração de empregos, como as atividades de Mesmo considerando a forte presença da agroindústria confecção e têxtil, química (sucroalcooleira), agroindústria (fécula in na região, a indústria de processamento de alimentos não têm natura, sucos, carnes e laticínios), estas ancoradas em grandes sido suficiente para gerar um desenvolvimento regional mais empresas ou cooperativas, como a COCAMAR (Cooperativa de dinâmico, conseqüentemente não é capaz de evitar o Cafeicultores e Pecuaristas de Maringá). esvaziamento contínuo que se apresenta. Paranavaí: município com 75.750 habitantes (IBGE 2000). Campo Mourão: município com 57.401 habitantes (2000). Principais atividades: agropecuária (mandioca, frutas, Principais atividades: agrícolas (produção de grãos) e carnes, leite e derivados), indústrias de alimentos (fecularias e agroindústria (margarina, óleo de soja, moinho de trigo, algodão farinheiras, processadoras de laranjas) e confecções. e álcool anidro). Estrutura institucional/acadêmica: UNIPAR (Universidade Apoio institucional/acadêmico: CEFET (Centro Federal de Paranaense), FAFIPA (Faculdade Estadual de Educação, Educação Tecnológica do Paraná), CIES (Centro Integrado de Ciências e Letras de Paranavaí), SENAI, SEBRAE. Ensino Superior), UNESPAR/FECILCAM (Universidade Estadual Umuarama: município com 90.690 habitantes (IBGE, 2000). do Paraná/Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Principais atividades: agropecuária (leite, bovino). Mourão), TECNOCAMPO (Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico de Campo Mourão), EDUCERE Apoio institucional/acadêmico: UNIPAR (Universidade (Incubadora Tecnológica de Campo Mourão). Paranaense). Cianorte: município com 57.401 habitantes (2000). 2.3 Norte Central Paranaense Constitui o principal pólo da indústria têxtil e de confecção A mesorregião Norte Central constitui-se de 79 municípios e da região com mais de 300 lojas em 5 shoppings atacadistas e no representa a segunda maior concentração populacional do estado. centro da cidade. Seu grau de urbanização que em 1996 era de 84,79% perde apenas Apoio institucional/acadêmico: SINVEST (Sindicato do para a Região Metropolitana de Curitiba. As aglomerações urbanas Vestuário de Cianorte), ASAMODAS (Associação dos Shoppings são polarizadas por dois municípios, Londrina e Maringá, que Atacadistas de Cianorte), UNIPAR (Universidade Paranaense), possuem extensas regiões metropolitanas. Nesse aspecto, deve-se UEM (Universidade Estadual de Maringá). destacar Londrina como o principal pólo da região pela diversidade de suas funções, inclusive naquelas de alta complexidade. 2.2 Centro-Ocidental Paranaense Contudo, diversos municípios que se localizam nas extremi- A mesorregião Centro-Ocidental constitui-se de 25 dades sul e norte da região encontram-se isolados de uma relação municípios e apresenta uma considerável evasão rural aliada a mais dinâmica com as maiores centralidades regionais. Pode-se um precário grau de urbanização. Durante o período 1991/2000 citar como referência a microrregião de Ivaiporã que se constitui foi a região que apresentou a maior taxa de crescimento negativo de municípios que em sua maior parte apresentam baixo nível de do estado (1,24%) ao ano, com maior peso para o decréscimo urbanização e elevado nível de evasão rural. da taxa de crescimento na área rural (5,07%) ao ano. A região é Algumas das principais atividades produtivas presentes essencialmente agrícola e sua industrialização é pautada na mesorregião Norte Central são: metal-mecânica, indústria de 4 basicamente no processamento de alimentos. O município mais alimentos, moveleiro, têxtil e confecções e artefatos e embalagens representativo, ou seja, aquele que detém o maior nível de plásticas. IBQP Boletim do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade no Paranáprodutividade sistêmica centralidade da região é Campo Mourão, que possui seu volume de emprego no setor de serviços e boa parte de sua estrutura Londrina: município com 447.065 habitantes (IBGE, 2000). urbana essencialmente voltada para atender à COAMO Principais atividades: metal-mecânica, química, material (Cooperativa Agropecuária Mouraoense), que é a maior elétrico e de comunicações, têxtil/confecções, plásticos e cooperativa do Paraná. embalagens, indústria de alimentos e café. v.3, n.10,out./dez. 2003 A COAMO desempenha importante papel na diversificação Estrutura institucional/acadêmica: UEL (Universidade da produção agrícola da região e também na verticalização do Estadual de Londrina), PUC – PR (Pontifícia Universidade
  5. 5. Católica do Paraná), UNOPAR (Universidade Norte do Paraná), Este é um projeto de suma importância para a principalUNINORTE (Faculdade Norte Paranaense), UNIFIL (Centro atividade econômica local porque não se verifica nenhum cursoUniversitário Filadélfia), INESUL, Sulamericana, UMP, IPOLON de nível técnico profissionalizante ou superior especificamente(Instituto Politécnico de Londrina), SENAI, SEBRAE, ADETEC voltado para a qualificação de trabalhadores do setor que seja(Associação de Desenvolvimento Tecnológico de Londrina), ofertado pelas instituições de ensino públicas ou privadas doFAUEL (Fundação de Apoio à Pesquisa da UEL), FAPEAGRO município.(Fundação de Apoio à Pesquisa e de Apoio ao Agronegócio), Estrutura institucional/acadêmica: ACIA (AssociaçãoHUTEC (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico Comercial e Industrial de Apucarana), FETAP (Fundação dedo Hospital Universitário Regional do Norte do Paraná da UEL), Ensino Técnico de Apucarana), FECEA (Faculdade Estadual deINCIL (Incubadora Industrial de Londrina), INTUEL (Incubadora Ciências Econômicas de Apucarana), FACNOPAR (FaculdadeInternacional de Base Tecnológica da Universidade de Londrina do Norte Novo de Apucarana) e FAP (Faculdade de Apucarana),(Genesis/Genorp). SENAI, SEBRAE. Maringá: município com 288.653 habitantes (IBGE, 2000). Na mesorregião Norte Central Paranaense deve-se Principais atividades: indústria de alimentos, têxtil/confecções destacar ainda a microrregião de Ivaiporã que representa uma(vestuário, uniformes e vestuários de segurança), indústria química. extensa área composta por 15 municípios que têm por centralidade o próprio município de Ivaiporã e encontra-se de certa forma Estrutura institucional/acadêmica: UEM (Universidade isolada de qualquer dinâmica mais expressiva de concentraçãoEstadual de Maringá), UNIANDRADE, CESUMAR, UNINGÁ, espacial e setorial de segmentos especializados. A atividadeUNISSA, SENAI, SEBRAE, TECPAR, INFOMAR (Incubadora agropecuária que participa com 20,59% do PIB municipal podeTecnológica de Maringá), FADEC (Fundação de Apoio ao representar uma guinada nesse processo. O potencial existenteDesenvolvimento Científico de Maringá), IDR (Instituto de para a criação de um arranjo coureiro-calçadista na região podeDesenvolvimento Regional de Maringá). viabilizar a inserção da pecuária da região nos elos da cadeia Arapongas: município com 85.428 habitantes (IBGE, 2000). produtiva. Assim como a oferta de couro pode viabilizar a maior Principais atividades: Destaca-se por ser um dos maiores inserção na atividade de uniformes de segurança.pólos moveleiros do Brasil. É especializado na produção deestofados e móveis populares para atender basicamente o 2.4 Norte Pioneiro Paranaensemercado interno. Somente no município de Arapongas concentram- A mesorregião norte pioneiro compõe-se de 46 municípiosse mais de 150 empresas ligadas ao arranjo produtivo moveleiro, e configura-se em uma considerável espacialidade dea maioria delas compõe-se de pequenas empresas. esvaziamento, no período de 1980/1991 ocorreu uma taxa de Estrutura institucional/acadêmica: Universidade do Móvel crescimento negativa de (0,26%) ao ano, e no período de 1991// Fundação Araponguense de Ensino, SENAI/CETMAM, IAP 2000 a taxa foi negativa em (0,15%) ao ano. Esse pequeno(Instituto Ambiental do Paraná), EMATER (Empresa Paranaense decréscimo no padrão de esvaziamento pode ser explicado emde Assistência Técnica e Extensão Rural), Secretaria da Indústria parte por um relativo aumento no grau de urbanização de Cornélioe Comércio do Paraná, SIMA (Sindicato das Indústrias de Móveis Procópio na medida em que este município absorve marginalmentede Arapongas). algumas atividades ligadas à industria de transformação do Norte Apucarana: município com 107.827 habitantes (IBGE, 2000). Central. Contudo, apesar do crescimento de 1,61% ao ano Possui um arranjo produtivo local de bonés e brindes que verificado nas aglomerações urbanas na última década, constata-garante o maior número de empregos diretos e indiretos do se uma significativa evasão rural na região de (4,11%) ao ano, omunicípio e responde por 80% da produção nacional de bonés. que atesta o fato de que o relativo aumento no grau de urbanizaçãoA atividade é tão importante para o município que a ACIA não consegue impedir o padrão de esvaziamento populacional 5(Associação Comercial e Industrial de Apucarana) e a FETAP verificado na região. IBQP Boletim do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade no Paraná produtividade sistêmica(Fundação de Ensino Técnico de Apucarana) uniram esforços A característica de forte especialização agropecuáriano sentido de viabilizar a criação do Centro Tecnológico de denota sinais crescentes de enfraquecimento desde a crise daDesenvolvimento Profissional do Norte do Paraná - o Centro cafeicultura, que estimulou a reordenação de diversosModa de Apucarana. A conclusão do processo de implantação produtores para uma atividade pecuária de baixa produtividade.do projeto está prevista para o ano de 2004, quando serão Soma-se a isso o esgotamento da possibilidade de expansão v.3, n.10,out./dez. 2003ofertados inicialmente dois cursos: de design de produto de moda física da produção rural pela limitação da quantidade de terrase de técnico da indústria de confecção. agricultáveis ainda disponíveis.
  6. 6. Essa realidade exige a implementação de estratégias que concentra-se a maior capacidade do estado na moagem e busquem aproveitar as potencialidades da região e, dessa forma, processamento de soja, e em Palmeira e Carambeí, que possam inseri-la em um novo contexto socioeconômico de maior representam o principal pólo de derivados lácteos do Paraná. produtividade e prosperidade. O pólo de derivados lácteos da região desenvolve-se por Verifica-se que a ausência de grandes cooperativas e de uma intermédio de grandes cooperativas e caracteriza-se por um indústria de transformação mais significativa intimida o crescimento da elevado padrão tecnológico. Deve-se destacar que a sua agroindustrialização que poderia aproveitar as potencialidades e capacidade inovativa alia-se a um elevado capital social oriundo aumentar a produtividade agropecuária da região, dada a limitação das tradições e do conhecimento tácito herdados dos traços étnicos física de terras já mencionada. Também, poderia apresentar e culturais das comunidades locais. resultados satisfatórios nas microrregiões de Assaí, Cornélio Procópio O município de Ponta Grossa, principal centralidade da região, e Jacarezinho. Não apenas porque representam as maiores ainda destaca-se na indústria de bebidas, e possui relativa aglomerações urbanas da mesorregião, como também pela presença participação no setor mobiliário devido a sua forte presença no setor do CEFET - PR (Centro Federal de Educação Tecnológica do madereiro. Sua inserção em atividades mais modernas limita-se à Paraná) no município de Cornélio Procópio, que oferece os cursos metalurgia e a mecânica, mediante a fabricação de implementos de Tecnologia em Eletrotécnica, Tecnologia em Informática e agrícolas e uma reduzida participação no gênero de transportes. Tecnologia em Mecânica, além da FAFIJA (Faculdade Estadual A mesorregião Centro-Oriental apresenta ainda um Filosofia, Ciências e Letras de Jacarezinho) e a FUNDINOP significativo potencial turístico por causa de seus atrativos naturais. (Faculdade Estadual de direito do Norte Pioneiro) da UNESPAR (Universidade Estadual do Paraná). Ponta Grossa: município com 273.616 habitantes (IBGE, 2000). Cornélio Procópio: município com 46.861 habitantes Principais atividades: Agropecuária (soja, milho e trigo), (IBGE, 2000). Agroindústria (moagem e processamento de óleo de soja, bebidas), Principais atividades: agropecuária, beneficiamento, fiação moveleiro, metal-mecânica (implementos agrícolas), turismo. e tecelagem de fibras naturais, beneficiamento do café. Estrutura institucional/acadêmica: CEFET-PR (Centro Estrutura institucional/acadêmica: CEFET - PR (Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná), UEPG (Universi- Federal de Educação Tecnológica do Paraná), FAFICOP, dade de Ponta Grossa), UNIANDRADE, CESCAGE, FACREILA, FECOP, FACCREI, SENAI, SEBRAE. INTECPONTA (Incubadora Tecnológica de Ponta Grossa), Fundação ABC para Assistência e Divulgação Técnica 2.5 Centro-Oriental Paranaense Agropecuária. A mesorregião Centro-Oriental Paranaense agrega apenas 14 municípios e caracteriza-se por um intenso processo de Palmeira: município com 30.847 habitantes (IBGE, 2000). urbanização na maioria de suas cidades desde a década de Principais atividades: Agropecuária (soja, aves e leite), 1970. Pode-se dizer que não se configura nessa região um Agroindústria (derivados do leite e rações), madeira e turismo. aspecto muito severo de decréscimo populacional, como pode Estrutura institucional/acadêmica: UEPG (Universidade de ser visto na tabela 1, uma relativa evasão rural ocorrida na última Ponta Grossa). década (2,21%) ao ano é plenamente compensada pelo aumento da taxa de crescimento da população urbana (2,54%) ao ano. Carambeí: município com 14.860 habitantes (IBGE, 2000). A região mantém-se especializada em diversas atividades Principais atividades: leites e derivados. produtivas que lhe garantem um razoável desenvolvimento local, dentre as quais pode-se destacar a produção de papel/papelão, 2.6 Oeste Paranaense 6 que é a maior do estado, e constitui-se de um pólo papeleiro que A mesorregião Oeste compõe-se de 49 municípios e passou abriga direta e indiretamente pelo menos seis municípios da região: por um intenso processo de urbanização nos últimos 30 anos. Telêmaco Borba, Jaguariaíva, Arapoti, Sengés, Palmeira e Piraí Apresentou uma taxa média de crescimento anual entre 1991- IBQP Boletim do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade no Paranáprodutividade sistêmica do Sul. 2000 de 1,28%, com uma taxa de crescimento negativo nas Contudo, o segmento agroalimentar ainda apresenta-se áreas rurais de (3,51%) ao ano. como a atividade mais representativa da região, através da Com forte especialização na agricultura, mediante a produção de commodities como soja, trigo e milho. Também, produção de grãos (soja, milho e trigo) e também de aves, suínos v.3, n.10,out./dez. 2003 destaca-se como importante bacia leiteira do estado. A indústria e de leite, que resulta em uma estrutura agroindustrial viabilizada de alimentos encontra-se principalmente em Ponta Grossa, onde por meio de um eficiente sistema cooperativista. Pode-se dizer
  7. 7. que são as atividades tradicionais que mantêm boa parcela da Francisco Beltrão: município com 67.132 habitantesdinâmica produtiva da região e respondem pela maioria dos (IBGE, 2000)postos de trabalho, principalmente a agroindústria. A região de Principais atividades: agroindústria (abate e processamentofronteira ainda se caracteriza pela forte atividade comercial e de aves, produção de leites e derivados, embutidos suínos).como pólo turístico. Estrutura institucional/acadêmica: UNOESTE, UNIPAR, Cascavel: município com 245.369 habitantes (IBGE, 2000). CESUL. Pode-se determiná-lo como um pólo regional e, como tal, Pato Branco: município com 62.234 habitantes (IBGE, 2000).possui diversas atividades terciárias de baixa e média Principais atividades: agroindústria, eletrodomésticos,complexidade correspondentes a sua centralidade, também, metalurgia.caracteriza-se pela forte presença da agroindústria na economia Estrutura institucional/acadêmica: CEFET, FADEC,local, principalmente a cooperativada, como a COOPAVEL. São FACMATER, SEBRAE, Incubadora do CEFET de Pato Brancoprocessados por meio da agroindústria cooperativada diversos (Gênesis – Empreender).produtos como leite e derivados, aves e derivados, suínos ederivados, além do processamento de óleos e gorduras vegetais. 2.8 Centro-Sul Paranaense Estrutura institucional/acadêmica: UNOESTE, FADESC, A mesorregião Centro-Sul compõe-se de 29 municípios, aUNIPAN, UNIPAR, FAG, Dom Bosco, UNIVEL, SENAI, SEBRAE, grande maioria é rural e de pequena dimensão. GuarapuavaFUNDETEC (Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico possui um relevante nível de centralidade para a região.de Cascavel). Pode-se dizer que é uma região caracterizada por um Foz do Iguaçu: município com 258.543 habitantes. processo mais lento de esvaziamento da população rural, porém, Caracteriza-se por uma forte centralidade ao polarizar uma o baixo dinamismo econômico das áreas rurais e o incipienteextensa faixa de municípios, e apresenta, inclusive, significativa padrão de urbanização da região começam a pressionar porinteração com cidades de países vizinhos, como Puerto Iguazu uma determinada evasão das regiões agrícolas.(Argentina) e Ciudad del Este (Paraguai). Destaca-se pela atividade agroindustrial, impulsionada por Constitui-se em importante pólo turístico do estado (Parque cooperativas como a Cooperativa Agrária Mista Entre Rios Ltda.Nacional do Iguaçu, Cataratas, Hidrelétrica de Itaipu) que ainda e a Camilas (Cooperativa Agrária Mista de Laranjeiras do Sulcarece de melhor aproveitamento de suas potencialidades. Ltda.). Também, apresenta uma expressiva participação na Estrutura institucional/acadêmica: UNOESTE, CESUFOZ, indústria da madeira, especificamente nas atividades de processamento e desdobramento, silvicultura e papel e celulose.UDC, UNIAMÉRICA, ITAI/IETI (Incubadora Empresarial Tecno- A cadeia da madeira da região não evoluiu significativamentelógica do Iguaçu), SENAI, SEBRAE. para a atividade de produção de móveis. A indústria da madeira, principal atividade empregadora2.7 Sudoeste Paranaense da região, passa por um momento de inflexão em sua trajetória, A mesorregião Sudoeste constitui-se de 37 municípios, a devido à crescente necessidade de reflorestamento e às novasmaioria especializada na produção agropecuária baseada em exigências legais para a utilização das reservas naturais. A suapequenas e médias propriedades e sustentadas pelo trabalho familiar. importância social e econômica exige que se implementem Os principais centros que polarizam o dinamismo econômico estratégias que, ao mesmo tempo, reestruture e desenvolva todoregional são os municípios de Francisco Beltrão e Pato Branco. o setor no sentido de reforçar a complementaridade em todos osVerifica-se um significativo processo de esvaziamento das áreas elos da cadeia produtiva e promova a difusão e absorção derurais, que apresentam uma taxa de crescimento negativa de novas tecnologias de produto, processo e gestão que aumentem(3,08%) ao ano durante o período de 1991-2000, que foi a produtividade e a sustentabilidade do setor. 7parcialmente absorvido pelo crescimento de 2,48% ao ano das Guarapuava: município com 155.161 habitantes IBQP Boletim do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade no Paraná produtividade sistêmicaáreas urbanas no mesmo período. Essas taxas configuram a (IBGE, 2000).mesorregião em uma espacialidade de esvaziamento (0,13%) Principais atividades: agroindústria (soja, milho), madeiraao ano no período 1991-2000. (desdobramento e beneficiamento), celulose, papel e papelão. Destaca-se na produção de alimentos (aves, suínos e leite) Estrutura institucional/acadêmica: UNICENTRO, FEG, Campoe de commodities (milho). Sua produção industrial representa Real, SENAI, SEBRAE, INTEG (Incubadora Tecnológica de v.3, n.10,out./dez. 2003uma das menores participações no valor adicionado do estado. Guarapuava), Projeto Phoenix – Pré-Incubadora de Guarapuava.
  8. 8. 2.9 Sudeste Paranaense em um ambiente moderno e inovativo. Em seu entorno concentram- A mesorregião Sudeste é a que possui o menor número de se muitos municípios que absorvem parte da dinâmica que irradia municípios (21), a maior parte constitui-se de municípios rurais de do centro, principalmente Colombo, Campo Largo e São José pequena dimensão. dos Pinhais. Apesar do baixo dinamismo econômico que a caracteriza, A mesorregião caracteriza-se por um intenso crescimento a mesorregião Sudeste apresenta uma das menores taxas de populacional ao absorver intensamente o fluxo migratório evasão da população rural. Na última década a população proveniente das áreas rurais e urbanas do interior do estado. No urbana cresceu em torno de 3,09% ao ano e a população rural período de 1991-2000 houve uma taxa de crescimento da caracterizou-se por uma espacialidade de esvaziamento à taxa população de 3,13% ao ano, a maior do estado. Este valor de (1,17%) ao ano. Porém, devido à suas especificidades, a corresponde a uma taxa de crescimento da população urbana tendência é de aumento da evasão rural e, possivelmente, de de 3,28% ao ano, e uma taxa de crescimento da população rural maior esvaziamento das áreas urbanas. de 1,82% ao ano. Pode-se afirmar que a atividade rural cresce A economia da região baseia-se em atividades de baixa no entorno da área metropolitana justamente para atender à geração de valor, como a produção agrícola de milho, arroz, demanda da significativa expansão regional. feijão e batata, a produção de erva-mate, e a indústria da madeira. Curitiba: município com 1.587.315 habitantes (IBGE, 2000). Deve-se ressaltar que a atividade madeireira restringe-se às etapas iniciais do processamento, como o desdobramento e o Principais atividades: metal-mecânica, eletrodomésticos, beneficiamento da madeira, e uma relativa participação da indústria material elétrico e de comunicações, tecnologia de informação e de papel e celulose. No município de São Mateus do Sul encontra- comunicação, madeira e mobiliário, serviços de média e alta se uma importante usina de extração e beneficiamento de Xisto, complexidade. entretanto, a mesma apresenta uma incipiente presença de Estrutura institucional/acadêmica: UFPR, CEFET, PUC, ligações produtivas com a região. UNICENP, UNIANDRADE, Tuiuti, FAE, SEBRAE, SENAI, O município de União da Vitória possui um conjunto de TECPAR, MINEROPAR, IPARDES, IPEM, CITPAR, CEHPAR, nascentes de rios, cachoeiras e quedas d’água de grande CITS, IBEG, LACTEC, LAC, LEME, LAME, SIMEPAR, ITAI, IBQP/ potencial turístico, ainda não explorado devidamente. PR, CITPAR, IPD, FUNPAR, FUNCEFET, Paraná Metrologia, O município de maior centralidade é União da Vitória, que REDE TIC, Parque de Software de Curitiba, INTEC, IIES, Hotel forma uma importante aglomeração urbana em conjunto com Porto Tecnológico do CEFET/PR de Curitiba, NEMPS (Incubadora União, município de Santa Catarina. Tecnológica de Curitiba). União da Vitória: município com 48.522 habitantes Região Metropolitana: corresponde a 25 municípios da (IBGE, 2000). mesorregião. Principais atividades: Desdobramento e beneficiamento da Principais atividades: automotivo (São José dos Pinhais), madeira, agricultura, beneficiamento de erva-mate. minerais não-metálicos, químico e petroquímico, madeira e Estrutura institucional/acadêmica: UEPG, FACE, FAFI, mobiliário, metalurgia, cerâmica. SENAI, SEBRAE. Litoral: corresponde à microrregião de Paranaguá. Composta pelos municípios de Antonina, Morretes, Paranaguá, 2.10 Metropolitana de Curitiba Pontal do Paraná, Guaratuba, Matinhos, Guaraqueçaba. A mesorregião Metropolitana de Curitiba constitui-se de 37 municípios, que abrange desde uma extensa área rural, que Principais atividades: atividade portuária, óleos e gorduras circunda a aglomeração urbana de Curitiba, até a região litorânea. vegetais, fertilizantes e defensivos agrícolas, turismo. 8 Pode-se afirmar que é a mesorregião mais dinâmica do estado, dessa forma, concentra uma parcela considerável do IBQP Boletim do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade no Paranáprodutividade sistêmica valor adicionado estadual do setor secundário e terciário. O município de Curitiba caracteriza-se como o mais importante pólo dinâmico da região e do estado, estendendo sua área de influência até alguns municípios limítrofes de Santa v.3, n.10,out./dez. 2003 Catarina. Neste município concentram-se as atividades terciárias de maior complexidade, e muitas atividades industriais inseridas
  9. 9. TABELA 1 - VALOR ADICIONADO (2002) DE MUNICÍPIOS PARANAENSES COM Outro aspecto a ser considerado, e que apresenta forte influência ALGUM NÍVEL DE CENTRALIDADE REGIONAL nos resultados das políticas de promoção de arranjos produtivos locais MUNICÍPIOS VALOR ADICIONADO com foco na disseminação do conhecimento, da informação e na difusãoRegião Noroeste Paranavaí 276.401.285 e absorção de novas tecnologias, são as características que compõem Umuarama 300.060.727 cada grupo, setor ou subsetor de atividade econômica que apresentam Cianorte 214.647.973 destacada importância local/regional, tanto no que se refere aosRegião Centro-Oriental Campo Mourão 415.604.967 seus componentes estruturais como no que diz respeito ao grau deRegião Norte Central concentração da capacidade produtiva. Londrina 2.802.790.162 As estratégias empresariais da indústria automobilística, Maringá 1.712.851.004 Arapongas 594.237.113 em relação à seus principais fornecedores, podem determinar as Apucarana 491.441.088 facilidades ou os impedimentos do grau de acesso a uma maiorRegião Norte Pioneiro interação com fornecedores locais. Cornélio Procópio 270.020.220Região Centro-Oriental Por outro lado, o setor moveleiro paranaense apresenta Ponta Grossa 2.846.855.188 especificidades que lhe conferem a possibilidade de obter um Palmeira 175.241.644 expressivo desenvolvimento endógeno que promova a difusão Carambeí 283.374.601Região Oeste de novas tecnologias mais eficientes e produtivas e, também, Cascavel 1.438.429.546 aumente o valor adicionado dos produtos exportados. Foz do Iguaçu 4.521.207.099 No que se refere ao grau de concentração industrialRegião Sudoeste Francisco Beltrão 333.817.561 verifica-se pela tabela 2 que, entre as cinco atividades que Pato Branco 364.075.408 possuem maior participação no valor adicionado da indústriaRegião Centro-Sul paranaense (automotivo; celulose, papel e papelão; fertilizantes Guarapuava 903.841.931Região Sudoeste e defensivos; autopeças e lâminas e chapas de madeira), as União da Vitória 244.668.714 mesmas caracterizam-se por uma significativa especialização daMetropolitana de Curitiba produção em poucas empresas. A tabela 2 mostra o índice de Curitiba 10.518.032.892 concentração1 dos quatro e dos oito maiores estabelecimentosFONTE: www.fazenda.pr.gov.br das atividades econômicas com maior participação no valor adicionado da indústria paranaense no ano de 2000.3. CONCLUSÃO O índice de concentração médio de 82,4, em 2000, para O Paraná apresenta forte tendência de concentrar suas os oito maiores estabelecimentos da atividade produtiva daatividades agropecuárias em algumas commodities exportadoras e indústria automobilística e do setor de autopeças demonstra quena agregação de valor obtida por uma agroindústria dinâmica e o setor concentra-se em torno de poucos fornecedores de primeiracompetitiva. Estes dois movimentos são capitaneados pelo crescimento camada. A estratégia de relacionamento desses principaisexpressivo do cooperativismo rural. Como a fronteira agrícola fornecedores da indústria automobilística com seus própriosencontra-se muito próxima do seu limite físico prevalece cada vez fornecedores torna-se, portanto, crucial para uma maior interaçãomais a tendência de incorporar novas tecnologias para o aumento com empresas locais.da produtividade, que aumentam o grau de mecanização e contribuem A atividade de lâminas e placas de madeira apresenta umpara a evasão rural. O ideal seria que o setor primário evoluísse índice de concentração menor, mesmo assim, praticamente metadecada vez mais para a diferenciação de uma gama variada de produtos da atividade produtiva concentra-se nos oito maiores estabelecimentos.industrializados, agregando valor e competitividade sem depender Assim como a produção de papel e papelão apresenta um índice dequase que exclusivamente das oscilações cambiais, como ocorre concentração de 64,2, em 2000, nos quatro maiores estabelecimentoscom os produtos in natura, deve-se considerar, também, o possível e de 82,3, em 2000, nos oito maiores estabelecimentos.impacto positivo sobre o emprego. A produção de fertilizantes e defensivos agrícolas apresenta Os setores inseridos nas áreas urbanas, que compõem a uma tendência de desconcentração nos últimos anos, mesmo 9indústria de transformação de baixa, média e alta tecnologia, assim, verifica-se que os oito maiores estabelecimentos ainda apresentam um índice de concentração de 57,7, em 2000. IBQPpodem assegurar importantes ganhos de produtividade ao Boletim do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade no Paraná produtividade sistêmicareforçar a interação deliberada entre todos os agentes produtores O fato de essas atividades industriais também apresentaremque compõem os elos de determinados segmentos especializados. um considerável grau de concentração indica que as maioresA disseminação da informação, do conhecimento e da inovação empresas desses ramos podem desempenhar um importantemediante a articulação em rede, dentro de uma visão sistêmica, papel como indutores de maior integração vertical e difusores de v.3, n.10,out./dez. 2003pode representar uma vantagem essencial para a sobrevivência inovações, porém, deve-se buscar conhecer quais são asde muitas atividades econômicas em um contexto de acirrada estratégias empresariais definidas por essas firmas maiscompetição por nichos cada vez mais estreitos de mercados. representativas em relação a seus principais fornecedores.
  10. 10. Pela tabela 3, que mostra a evolução do emprego formal Os cinco grupos de atividades econômicas que mais na indústria de transformação no Paraná, pode-se verificar a contratam trabalhadores no Paraná (indústria de produtos presença marcante das atividades tradicionais na indústria alimentares, bebidas e produção de álcool etílico; indústria da paranaense. O grupo de atividades que se referem à indústria madeira e do mobiliário; indústria têxtil do vestuário e artefatos de de produtos alimentícios, bebidas e produção de álcool etílico tecidos; indústria química de produtos farmacêuticos, veterinários, responde por 102.022 empregos formais de um total de 409.065 perfumaria, sabão; indústria do papel, papelão, editora e gráfica) empregos industriais, o que corresponde a aproximadamente respondem por 294.821 empregos formais, o que corresponde 25% do emprego industrial paranaense. a 72% dos 409.065 empregos da indústria paranaense. TABELA 2 - ÍNDICE DE CONCENTRAÇÃO DOS QUATRO MAIORES (CR4) E DOS OITO MAIORES (CR8) ESTABELECIMENTOS POR GRUPO DE ATIVIDADES ECONÔMICAS COM MAIOR PARTICIPAÇÃO NO VALOR ADICIONADO DA INDÚSTRIA PARANAENSE - 1985 -2000 CR4 CR8 GRUPO INDUSTRIAL 1985 1990 1995 2000 1985 1990 1995 2000 Automotiva Automóveis e caminhões 100,0 100,0 99,9 99,8 100,0 100,0 100,0 100,0 Partes e acessórios da automobilística 65,9 84,5 88,7 51,3 80,6 89,3 93,1 63,4 Outras partes e peças da automobilística 89,1 79,4 73,6 63,4 91,7 84,3 86,0 83,8 Média 85,0 87,9 87,4 71,5 90,8 91,2 93,0 82,4 Produtos químicos Pigmentos, tintas, vernizes e lacas 67,3 58,7 69,2 42,2 87,2 78,7 85,1 63,9 Fertilizantes e inseticidas 56,2 70,0 41,1 37,1 80,3 82,7 60,9 57,7 Fibras e borrachas artificiais e sintéticas 95,3 96,1 90,9 81,0 100,0 99,3 95,1 89,5 Medicamentos, perfumaria e cosméticos 92,4 44,3 70,5 75,9 96,3 62,8 79,7 82,3 Média 77,8 67,3 67,9 59,0 91,0 80,9 80,2 73,4 Papel e gráfica Fabricação de papel e papelão 77,5 72,7 76,6 64,2 90,5 89,3 86,8 82,3 Editorial e gráfica 51,1 30,5 54,8 60,1 62,9 42,9 68,6 71,9 Média 64,3 51,6 65,7 62,1 76,7 66,1 77,7 77,1 Agroindústria Fiação e tecelagem 68,8 65,5 43,9 45,6 89,7 85,4 68,8 67,1 Óleos e gorduras vegetais 54,3 58,0 29,3 47,5 74,0 82,2 52,9 70,2 Rações e alimentos preparados para animais 42,3 49,5 48,8 40,7 73,0 71,4 69,4 60,0 Fumo 98,0 99,5 99,9 94,8 100,0 100,0 100,0 100,0 Média 65,8 68,1 55,4 57,2 84,2 84,7 72,8 74,3 FONTE: IPARDES TABELA 3 - EVOLUÇÃO DO EMPREGO FORMAL POR GRUPO DE ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DO PARANÁ GRUPOS DE ATIVIDADES ESTOQUE EM 31/12/2001 Paraná Indústria de Produtos Minerais Não-Metálicos 18.879 Indústria Metalúrgica 24.421 Indústria Mecânica 21.344 Indústria Material Elétrico e de Comunicação 13.078 10 Indústria do Material de Transporte 20.093 Indústria da Madeira e do Mobiliário 74.264 IBQP Boletim do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade no Paranáprodutividade sistêmica Indústria do Papel, Papelão, Editora e Gráfica 29.949 Indústria Borracha, Fumo, Couros, Peles, Sim, Ind. Diversa 15.033 Indústria Química de Produtos Farmcêuticos, Veterinário, Perfumaria, Sabão 31.597 Indústria Têxtil do Vestuário e Artefatos de Tecidos 56.989 Indústria de Calçados 1.396 Indústria de Produtos Alimentos, Bebidas e Álcool Etílico 102.022 v.3, n.10,out./dez. 2003 Indústria de Transformação 409.065 FONTE: DIEESE - ER/PR

×