MINISTÉRIO DA DEFESA                                EXÉRCITO BRASILEIRO                                   DEP - DEPA      ...
1 CONCURSO DE ADMISSÃO - 5ª SÉRIE / ENSINO FUND. – LÍNGUA PORTUGUESA – 2005/06 – Fl. 02 4 5                            PRO...
2 CONCURSO DE ADMISSÃO - 5ª SÉRIE / ENSINO FUND. – LÍNGUA PORTUGUESA – 2005/06 – Fl. 03 62dormem se não conseguem tirar o ...
3 CONCURSO DE ADMISSÃO - 5ª SÉRIE / ENSINO FUND. – LÍNGUA PORTUGUESA – 2005/06 – Fl. 0412206. O homem é paradoxal porque:1...
4 CONCURSO DE ADMISSÃO - 5ª SÉRIE / ENSINO FUND. – LÍNGUA PORTUGUESA – 2005/06 – Fl. 0518118218318412. No trecho “E, para ...
5 CONCURSO DE ADMISSÃO - 5ª SÉRIE / ENSINO FUND. – LÍNGUA PORTUGUESA – 2005/06 – Fl. 06234235236TEXTO 2237238             ...
6 CONCURSO DE ADMISSÃO - 5ª SÉRIE / ENSINO FUND. – LÍNGUA PORTUGUESA – 2005/06 – Fl. 07290291292                        PR...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Prova de português cmf 6 ano

6,112

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
6,112
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
71
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Prova de português cmf 6 ano

  1. 1. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEP - DEPA COLÉGIO MILITAR DE FORTALEZA CONCURSO DE ADMISSÃO 2005/2006 5a. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS N° DE INSCRIÇÃO __________ NOME: ____________________________________ 1. Esta prova está dividida em duas partes, contendo um total de 9 (nove) folhas, incluindo a capa, 01 (uma) folha de rascunho e 01 (uma) folha de redação. 1a. parte (folhas 02 a 06 ) – itens objetivos de 01 a 20 (passar para o cartão-resposta). 2a. parte (folhas 07 a 09) – item 21 – produção textual. 2. Verifique se sua prova está completa. 3. Escreva nos locais indicados na capa seu número de inscrição e nome. 4. Além da capa, APENAS A FOLHA 07(sete) deverá ser identificada no local indicado: número de inscrição, nome completo e assinatura. 5. Assine o cartão-resposta, escreva o seu número de inscrição e marque-o no local indicado. Em caso de erro ou dúvida na identificação do cartão-resposta, consulte o fiscal. 6. Só serão aceitas as respostas contidas no local indicado no cartão-resposta e assinaladas com caneta azul ou preta. 7. Só será aceito o texto redigido com caneta azul ou preta. 8. Leia com atenção todos os itens e, somente então, comece a resolvê-los. 9. Não será permitida a consulta a quaisquer documentos, nem a outro candidato. 10. O tempo máximo para a resolução de toda a prova (1a. e 2a. partes) é de 2 (duas) horas. 11. Só será permitida a saída do candidato após 80 (oitenta) minutos do início da prova. 12. Tire suas dúvidas quanto à impressão da prova nos 10 (dez) primeiros minutos. 13. Ao término da prova, entregue tudo ao fiscal: 1a. parte, 2a. parte (com folha de rascunho) e cartão-resposta.123
  2. 2. 1 CONCURSO DE ADMISSÃO - 5ª SÉRIE / ENSINO FUND. – LÍNGUA PORTUGUESA – 2005/06 – Fl. 02 4 5 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA – 1ª PARTE 6 7MARQUE, NO CARTÃO-RESPOSTA ANEXO, A ÚNICA ALTERNATIVA CORRETA 8CORRESPONDENTE A CADA ITEM. OS ITENS 01 A 16 REFEREM-SE AO TEXTO 1, E OS 9ITENS 17 A 20, AO TEXTO 2.1011 TEXTO 112 O GNOMO E O HOMEM1314 Sentado em uma pedra em frente à sua casinha, o gnomo Epistêmio já estava há algum tempo15meditando. Ao longe dava para ver o Mar Báltico. Logo abaixo, uma trilha, descendo a montanha como16se fosse um rio tortuoso, perdia-se no bosque. De repente viu na trilha uma minúscula imagem em17movimento. Foi chegando mais perto. Era sua filha adolescente, que vinha ofegante:18  Papai, eu... Eu vi um homem!19 A menina se aconchegou no pai, escondendo o rosto em seu peito. Estava com o coração20palpitando. Ele alisou os cabelos da menina e disse:21  Calma, filha, calma... Agora está tudo bem.22 Em seguida levou a menina para dentro de casa e a colocou na cama, enquanto sua mulher trazia23um copo de água com mel. Um dos meninos já tinha ido chamar Paracelsus, o médico. Paracelsus24chegou, examinou a menina e deu-lhe uma poção calmante para beber. Logo ela dormiu. Epistêmio25acompanhou o médico até a porta e falou baixinho:26  É muito estranho. Desde criança que ela tem essas alucinações...27 O médico tentou tranqüilizá-lo:28  Na idade dela é comum. Os adolescentes gostam de fantasiar e podem acabar confundindo a29imaginação com a realidade. Com o tempo isso passa.30 No dia seguinte Epistêmio resolveu ir até a casa do velho lógico Xavier Brentano. A casa ficava31perto da sua, como todas as casas da pequena aldeia de Aldebaran. Brentano estava no jardim, dando32milho para uma fênix de estimação. Recebeu-o afetivamente e Epistêmio foi logo contando o que33sucedera na véspera. O lógico convidou-o para entrar e sentaram-se junto a uma mesa cheia de livros.34Com a voz pausada Brentano começou:35  Você está cansado de saber que logicamente o homem é um ser fantástico, sem possibilidade36de existência real. Mas vejo que está ficando supersticioso, está na dúvida. Pense bem. Digamos, como37hipótese, que exista esse ser chamado homem, que, segundo a lenda, é bípede e racional. Vá lá que38seja.39 Epistêmio começou a se sentir envergonhado e tentou justificar:40  Eu sei que isso é bobagem, mas... a menina insiste em ter visto. Além disso, ela não é a única.41Há gnomos sábios, como o velho Molinero, que acreditam no homem e até...42 Brentano interrompeu-o:43  O velho Molinero é um sábio, mas místico. E, para um místico, tudo é possível, até mesmo a44existência do homem.45 Epistêmio retrucou:46  Mas eu não sou místico, você sabe muito bem. E nós dois sabemos que há mais coisas entre o47céu e a terra do que podemos imaginar. Racionalmente sei que é impossível um ser como o homem,48destruidor da natureza, de outras espécies animais, além de sua própria espécie. Isso é um absurdo. E a49própria lenda diz que o homem é o lobo do homem. Eu sei. Mas...50 Brentano não deixou que ele continuasse:51  Esses argumentos tradicionais são convincentes, mas não decisivos. Há outros seres violentos52e destrutivos que realmente existem, monstros como os ciclopes, as bruxas, os trolls, os ogres53demoníacos...54 Foi a vez de Epistêmio interromper:55  Então o homem é possível ou, ao menos, verossímil?56 O lógico mostrou um ar de paciência e continuou:57  Se fosse só pela destrutividade e maldade, sim. O que torna esse monstro absolutamente58inverossímil não são esses defeitos, mas a sua inconsistência. Os outros seres do mal são coerentemente59maus: praticam a maldade como um objetivo para o qual foram criados. Uma bruxa existe para60infernizar a vida dos outros seres e sorri quando consegue isso. Não sente culpa nem pede desculpa.61Um ciclope é violento e gasta sua energia na violência. Não justifica o mal que faz. Há ogres que não
  3. 3. 2 CONCURSO DE ADMISSÃO - 5ª SÉRIE / ENSINO FUND. – LÍNGUA PORTUGUESA – 2005/06 – Fl. 03 62dormem se não conseguem tirar o sono alheio e fazem isso com satisfação. O homem, não. É 63paradoxal. Não dá para entender: faz guerras em nome da paz, mata em nome da vida e de Deus. 64Oprime em nome da liberdade... Qual a lógica desse ser? 65 Epistêmio balançava a cabeça concordando. Depois de uma pausa, Brentano concluiu: 66  E há detalhes intrigantes. Como dizia um poeta, esse ser, que põe na existência tamanha 67anulação da existência, tem coisas inimagináveis. Diz a lenda que come sardinha em lata, toma leite de 68vaca, espirra com a mudança de temperatura, acorda com um aparelho infernal chamado despertador... 69 Os dois se levantaram. Epistêmio, comovido, agradeceu ao amigo e foi para casa. 70 A tarde estava fresca e o vento trazia um suave perfume de alcaçuz. Ao chegar em casa, 71encontrou a filha sentada na pedra da entrada, olhando pensativa para o horizonte. Colocou-a no colo e, 72como um bom gnomo, começou a contar uma história: 73  Era uma vez um ser fantástico, bípede e racional, chamado homem. O homem era um monstro. 74Destruía a natureza, matava os outros seres e seus semelhantes. Chegou a colocar em risco a vida do 75planeta. Mas, um dia, apareceu um homem... 76 O gnomo olhou para a filha e viu que ela dormia tranqüila, como em criança, quando lhe contava 77contos de fadas. Suspirou aliviado. Eram umas cinco horas da tarde. Lá longe, ainda dava para ver o 78Mar Báltico. 79 (MESERANI, Samir. Os incríveis seres fantásticos. São Paulo: FTD, 1997, p. 36-38.) 80 81 8201. A intenção principal do texto é: 83 84(a) mostrar que os gnomos existem. 85(b) ensinar as diferenças entre os gnomos e os homens. 86(c) criticar o comportamento incoerente dos homens. 87(d) descrever o modo de vida dos gnomos. 88(e) expressar o sentimento de medo dos gnomos em relação aos homens. 89 9002. O conflito vivido por Epistêmio na história é que: 91 92(a) ele avistou um homem próximo à aldeia. 93(b) os gnomos não eram amigos do homem. 94(c) ele questionava a sabedoria do lógico Brentano. 95(d) ele duvidava que o homem fosse apenas uma lenda. 96(e) ele desejava que o homem fosse real. 97 9803. Para tentar resolver seu conflito, o gnomo Epistêmio: 99100(a) chamou o médico Paracelsus.101(b) colocou sua filha para dormir.102(c) buscou a ajuda do velho Molinero.103(d) procurou os conselhos do lógico Brentano.104(e) esperou que o tempo passasse.10510604. Sobre o velho Xavier Brentano é correto dizer:107108(a) era místico e supersticioso.109(b) acreditava na existência do homem.110(c) afirmava que o homem era bípede e racional.111(d) protegia o homem de monstros, como ciclopes e bruxas.112(e) tinha certeza de que o homem era um ser fantástico.11311405. Há equivalência de sentido entre o trecho e sua respectiva explicação em:115116(a) “...é um ser fantástico...” (Linha 22) – Inferniza a vida de outros seres.117(b) “...está ficando supersticioso...” (Linha 23) – Pratica a maldade.118(c) “...é um sábio...” (Linha 30) – Oprime em nome da liberdade.119(d) “...o homem é o lobo do homem.” (Linha 36) – Destrói sua própria espécie.120(e) “...esse monstro absolutamente inverossímil...” (Linhas 44/45) – Destrói a natureza.121
  4. 4. 3 CONCURSO DE ADMISSÃO - 5ª SÉRIE / ENSINO FUND. – LÍNGUA PORTUGUESA – 2005/06 – Fl. 0412206. O homem é paradoxal porque:123124 I- Faz guerras em nome da paz.125 II- Mata em nome da vida.126 III- Come sardinha em lata.127 IV- Acorda com um aparelho infernal chamado despertador.128129 São verdadeiros os itens:130131(a) I, II e III132(b) I e II133(c) III e IV134(d) I e III135(e) II e IV13613707. No trecho “...uma trilha, descendo a montanha como se fosse um rio tortuoso...” (Linhas 2/3), o termo138em destaque expressa a idéia de:139140(a) analogia141(b) causa142(c) oposição143(d) finalidade144(e) conseqüência14514608. Entre as frases “Eram umas cinco horas da tarde.” e “Lá longe, ainda dava para ver o Mar Báltico.”147(Linhas 64/65), há uma relação implícita de:148149(a) causa150(b) comparação151(c) oposição152(d) finalidade153(e) conseqüência15415509. Em “Era sua filha adolescente, que vinha ofegante:” (Linha 4), o termo sublinhado tem sentido156equivalente a:157158(a) cansada159(b) radiante160(c) contente161(d) elegante162(e) depressa16316410. O pronome sublinhado que se refere exclusivamente ao gnomo Epistêmio é:165166(a) “- Papai, eu... Eu vi um homem!” (Linha 5)167(b) “O médico tentou tranqüilizá-lo:” (Linha 14)168(c) “... e sentaram-se junto a uma mesa cheia de livros.” (Linha 20)169(d) “- Mas eu não sou místico, você sabe muito bem.” (Linha 33)170(e) “...como em criança, quando lhe contava contos de fadas.” (Linhas 63/64)17117211. O termo sublinhado no trecho “Em seguida levou a menina para dentro de casa e a colocou na cama...”173(Linha 9) pertence à mesma classe de palavras do termo destacado em:174175(a) “Sentado em uma pedra em frente à sua casinha...” (Linha 1)176(b) “Além disso, ela não é a única.” (Linha 27)177(c) “A tarde estava fresca...” (Linha 57)178(d) “Colocou-a no colo e, como um bom gnomo, começou a contar uma história:” (Linhas 58/59)179(e) “Chegou a colocar em risco a vida do planeta.” (Linhas 61/62)180
  5. 5. 4 CONCURSO DE ADMISSÃO - 5ª SÉRIE / ENSINO FUND. – LÍNGUA PORTUGUESA – 2005/06 – Fl. 0518118218318412. No trecho “E, para um místico, tudo é possível...” (Linha 30), a palavra “místico” equivale, quanto à185classe de palavras, ao termo destacado em:186187(a) “Era sua filha adolescente, que vinha ofegante:” (Linha 4)188(b) “Os adolescentes gostam de fantasiar...” (Linha 15)189(c) “Há gnomos sábios, como o velho Molinero, que acreditam no homem...” (Linha 28)190(d) “Mas eu não sou místico, você sabe muito bem.” (Linha 33)191(e) “...um ser como o homem, destruidor da natureza, de outras espécies animais...” (Linhas 34/35)19219313. A circunstância indicada pelo termo sublinhado está corretamente identificada em:194195(a) “Foi chegando mais perto.” (Linha 4) – intensidade196(b) “Agora está tudo bem.” (Linha 8) – modo197(c) “Recebeu-o afetivamente...” (Linha 19) – afirmação198(d) “Você está cansado de saber que logicamente o homem...” (Linha 22) – negação199(e) “O que torna esse monstro absolutamente inverossímil...” (Linhas 44/45) – dúvida20020114. Considerando os termos abaixo:202203 I. casinha (Linha 1)204 II. minúscula imagem (Linha 3)205 III. baixinho (Linha 12)206 IV. pequena aldeia (Linha 18)207208 Identifica-se a idéia de diminuição de tamanho em:209210(a) I e II apenas211(b) I, II e III212(c) II e IV apenas213(d) I, II e IV214(e) todos21521615. Observe os acentos gráficos das palavras destacadas no trecho: “Além disso, ela não é a única. Há217gnomos sábios...” (Linhas 27/28). Seguem, respectivamente, as mesmas regras de acentuação as palavras218sublinhadas em:219220(a) O Mar Báltico já não possui águas tão limpas.221(b) O gnomo Epistêmio foi até a casa do médico.222(c) Os ogres demoníacos têm assustado as minúsculas criaturas.223(d) As espécies fantásticas vivem entre o céu e a terra.224(e) O lógico Brentano está alimentando sua fênix.22522616. A seqüência de palavras em que a separação das sílabas está corretamente efetuada é:227228(a) gno-mo / ca-si-nha / tor-tuo-so229(b) á-gu-a / a-lu-ci-na-çõ-es / e-xis-tên-cia230(c) chei-a / su-pers-ti-ci-o-so / a-lém231(d) sá-bi-os / ve-lho / po-ssí-vel232(e) ab-sur-do / con-ti-nu-as-se / ma-us233
  6. 6. 5 CONCURSO DE ADMISSÃO - 5ª SÉRIE / ENSINO FUND. – LÍNGUA PORTUGUESA – 2005/06 – Fl. 06234235236TEXTO 2237238 SONHO239240 Um dia os homens acordaram241 e estava tudo diferente:242 das armas atômicas nem sinal havia243 e todos falavam a mesma língua,244 falavam poesia.245 Quem visse a Terra do alto246 nem reconheceria,247 eram campos e campos de trigo248 e corações de puro mel.249 E foi uma felicidade tamanha,250 nos jornais nem um só crime,251 que contando ninguém acreditaria.252253(MURRAY, Roseana. Lições de céu. In Palavras de encantamento: antologia de poetas brasileiros. São Paulo:254Moderna, 2001, p. 44.)25525617. O título do poema de Roseana Murray se justifica porque:257258(a) os homens sonhavam morar em outro planeta.259(b) os homens acreditavam no sonho de transformar o mundo.260(c) viver na Terra era um pesadelo constante.261(d) já não havia com o que sonhar na Terra.262(e) a Terra havia se transformado em um lugar melhor de se viver.26326418. Os versos “e todos falavam a mesma língua, / falavam poesia.” fazem referência a uma nova forma de265comunicação e sugerem que:266267(a) ninguém entende poesia da mesma maneira.268(b) todos passaram a se entender usando a linguagem da poesia.269(c) a comunicação entre os homens ficou limitada.270(d) a poesia cria várias linguagens entre os homens.271(e) os homens desejavam ter total liberdade para se comunicar.27227319. A expressão “corações de puro mel” está associada, em linguagem figurada, à idéia de:274275(a) paladar agradável276(b) amores impossíveis277(c) vida de sonhos278(d) idéias puras279(e) bons sentimentos28028120. Se substituíssemos a forma verbal “visse” por “viu” em “Quem visse a Terra do alto / nem282reconheceria”, a frase seria reescrita da seguinte forma:283284(a) Quem viu a Terra do alto nem reconheceu.285(b) Quem viu a Terra do alto nem reconhecia.286(c) Quem viu a Terra do alto nem reconhecera.287(d) Quem viu a Terra do alto nem reconhecerá.288(e) Quem viu a Terra do alto nem reconhece.289
  7. 7. 6 CONCURSO DE ADMISSÃO - 5ª SÉRIE / ENSINO FUND. – LÍNGUA PORTUGUESA – 2005/06 – Fl. 07290291292 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA – 2a PARTE29329421. PRODUÇÃO TEXTUAL295296 LEIA ATENTAMENTE A PROPOSTA QUE SEGUE E PRODUZA UM TEXTO, ATENDENDO297 ÀS ORIENTAÇÕES APRESENTADAS.298299 Releia o trecho do texto O Gnomo e o Homem em que o gnomo Epistêmio começa a contar uma300história para a filha sobre um homem "diferente":301302“Era uma vez um ser fantástico, bípede e racional, chamado homem. O homem era um monstro. Destruía303a natureza, matava os outros seres e seus semelhantes. Chegou a colocar em risco a vida do planeta. Mas,304um dia, apareceu um homem...”305306 Quem seria esse homem? Por que ele era “diferente”? Por que ele apareceu? Dê continuidade à307narrativa, a partir do trecho em destaque, contando o que aconteceu depois da chegada desse homem.308309OBSERVAÇÕES:310311 • O texto deve ter no mínimo 20 linhas e no máximo 30.312 • Dê um título à sua história.313 • Você dispõe de uma Folha de Rascunho para planejar seu texto, porém, para efeito de avaliação,314 só será considerado o que você escrever na FOLHA DE REDAÇÃO.315 • O rascunho não será considerado.316317318319320 IDENTIFICAÇÃO N° DE INSCRIÇÃO: ______________________ NOME: ___________________________________________________________________ ASSINATURA: _____________________________________________________________322 Nº CÓDIGO ESCORES323324 1a. PARTE: __________________325 2a. PARTE: __________________326 TOTAL: _____________________327328 (Não escreva neste espaço)329330

×