Visão diacrónica da literatura portuguesa
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Visão diacrónica da literatura portuguesa

on

  • 2,840 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,840
Views on SlideShare
1,050
Embed Views
1,790

Actions

Likes
0
Downloads
17
Comments
0

18 Embeds 1,790

http://12portugues-cad.blogspot.pt 1007
http://10portugues-cad.blogspot.pt 364
http://9portugues-cad.blogspot.pt 123
http://www.12portugues-cad.blogspot.pt 123
http://11portugues-cad.blogspot.pt 107
http://www.10portugues-cad.blogspot.pt 20
http://12portugues-cad.blogspot.com.br 11
http://www.11portugues-cad.blogspot.pt 7
http://12portugues-cad.blogspot.com 6
http://9portugues-cad.blogspot.com.br 6
http://10portugues-cad.blogspot.com 3
http://11portugues-cad.blogspot.com 3
http://9portugues-cad.blogspot.com 3
http://12portugues-cad.blogspot.de 2
http://10portugues-cad.blogspot.com.br 2
http://12portugues-cad.blogspot.nl 1
http://10portugues-cad.blogspot.nl 1
http://12portugues-cad.blogspot.be 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Visão diacrónica da literatura portuguesa Visão diacrónica da literatura portuguesa Document Transcript

    • C o l é g i o A m o r d e D e u s – C a s c a i s P o r t u g u ê s F i c h a I n f o r m a t i v a Visão Diacrónica da LiteraturaSéculo Época Escola literária Tópicos AutoresXII - XIV Período Cantigas de amigo – vários subgéneros (encontro, saudade, (Cancioneiro da Trovadoresco amor da donzela pelo seu amigo em diferentes contextos) Ajuda, da Biblioteca Poesia Lírica Cantigas de amor – amor impossível do trovador pela sua Nacional, do vaticano e Satírica «senhor» e Cantigas de Sta Medieval (XII- 1383/85) Cantigas de escárnio e maldizer – crítica social (indireta ou Maria) D. Dinis; Feudalismo direta) Martin Codax; etc., Teocentrismo Prosa Novelas de Cavalaria e Demanda do Graal anónimaXIV -XV Período Palaciano Poesia Coita de amor, saudade, conflito entre o amor platónico e o amor (Cancioneiro de (1383/85-1526) sensual, etc. Garcia de Resende - 1516) Garcia de Resende; Bernardim Ribeiro; Sá de Miranda; etc. Prosa Historiografia Príncipes de Avis; Fernão Lopes XVI Período Género Os Lusíadas –Camões (1572) Renascentista ou Épico- Quinhentista Narrativo (1526-1580) Corrente tradicional – temas da poesia trovadoresca e palaciana Camões; Bernardim Clássica e as formas palacianas, ou seja, redondilha maior e menor, Ribeiro; Sá de Antropocentrismo quadras e quintilhas e normalmente rima cruzada. Por vezes Miranda; António Género lírico também o refrão. Ferreira; etc. Corrente renascentista – Camões, soneto italiano, constituído por catorze versos decassilábicos, distribuídos por duas quadras e dois tercetos; Petrarquismo; «locus amoenus»; a natureza como reflexo do estado de alma; destino cruel e inexorável; etc. Género Tragicomédia com crítica social, ridendo castigat mores – Gil Dramático Vicente XVII Período Barroco Poesia como engenho formal ou conceptual: temas banais ou fechados; a morte e Padre António Vieira; (1580-1750) a efemeridade da vida; Prosa religiosa; etc. etc. XVIII Neoclassicismo e Regresso aos temas da Antiguidade Clássica; sátira aos poetas do Barroco Correia Garção; Iluminismo («inutilia truncat» – corta o inútil); tentativa da simplicidade e da imitação dos Luís António Verney, (1750-1825) antigos com originalidade, etc. etc. XVIII - Pré-Romantismo Supremacia do sentimento sobre a razão; expressão do individualismo, egotismo; Bocage; etc. XIX ânsia de liberdade; «locus horrendus»; desejo da morte; arrependimento; etc. XIX Romântica Romantismo = ao Pré-Romantismo; exaltação do eu; procura de temas nacionais; ligação aos Almeida Garrett; (1825/ (1825-1865) ideais do liberalismo; etc. Alexandre Herculano; 1871) etc.XIX - XX Realismo A problemática do tempo; análise objetiva e impassível da realidade; crítica social e Antero de Quental; (1871/1890) de costumes; determinismo da existência humana (naturalismo); predileção por Eça de Queirós; etc. temas que mostrem a decomposição da sociedade; etc. Parnasianismo A poesia como uma aguarela: união da poesia à pintura Cesário Verde (1890/ Simbolismo A realidade é aquilo que cada um consegue captar; o poeta descobre Eugénio de Castro; 1912) correspondências entre o mundo real e o mundo interior; nova conceção do Camilo Pessanha; Homem; conceção pessimista da existência; impressionismo; saudosismo; Guerra Junqueiro; decadentismo; reinado da intuição, do sonho e do mistério, etc. Teixeira de Pascoaes; (também saudosista) etc. Neogarretismo Retorno às características do período romântico António Nobre, Florbela Espanca (1915/ Contemporânea Modernismo Fragmentação do eu; poder criador da palavra; futurismo; sensacionismo; Fernando Pessoa; 1927) ou Moderna Primeiro Modernismo cubismo/intersecionismo; angústia existencial; etc. Mário de Sá- (1825 – Orpheu (1915) Carneiro; Almada actualidade) Negreiros; etc. (1927/ Presença/Segundo Revalorização do Modernismo; intuicionismo; psicologismo; originalidade e José Régio; Miguel 1940) Modernismo sinceridade; individualismo e angústia metafísica; etc. Torga, etc. Presença (1927)1940/50 Neo-Realismo Visão Marxista da história; luta de classes; etc. Manuel Tiago, etc. Poesia Não há uma classificação completa Eugénio de Andrade; Contemporânea Sophia de Mello Breyner; etc. Prosa Não há uma classificação completa José Saramago, Contemporânea Vergílio Ferreira, etc.