Your SlideShare is downloading. ×
O jantar no hotel central
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

O jantar no hotel central

895

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
895
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
13
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. O jantar no Hotel Central (cap. VI) Neste jantar, Ega pretende homenagear Cohen. Este momento existe com a função de propiciar a integração de Carlos no meio social lisboeta, no entanto Carlos adopta uma atitude distante (que manterá até ao final da obra). Interessa, neste capítulo, salientar a emissão de juízos realizada pelas personagens e que nos permite compreender o panorama cultural da Lisboa da época. Todos os problemas abordados são objeto de discussão que acaba em desacato, o que vem denunciar a fragilidade moral dessa sociedade que pretendia apresentar-se como civilizada. Este episódio representa o esforço frustrado de uma certa camada social para assumir um comportamento digno e requintado, só que as limitações culturais e morais não se ocultam à custa de emendas afrancesadas, divãs de marroquim e ramos de camélias. Assuntos e controvérsias: - Literatura: Alencar defende o Ultra-Romantismo; Ega defende o Realismo e o Naturalismo (esta discussão revela uma sociedade dominada por valores tradicionais, a que se opõe uma nova geração, representante da Geração de 70, na figura de Ega). Este, contudo defende exageradamente a inserção da ciência na literatura; - Política: Ega critica a decadência do país e afirma desejar a bancarrota e a invasão espanhola; - Maneira de ser português: é revelada, sobretudo, através das visões de Carlos (que começa por pensar, a propósito do crime da Mouraria, que «esse mundo de fadistas, de faias merecia um estudo, um romance») e de Craft, que fica impassível perante a feroz discussão entre Alencar e Ega (a propósito de uns versos do Craveiro, «o homem da Ideia Nova, o paladino do Realismo»), discussão que quase termina em violência física, reconhecendo que a «torpeza do Alencar sobre a irmã do outro fazia parte dos costumes de crítica em Portugal», até por que sabia que «a reconciliação não tardaria, ardente e com abraços».   C o l é g i o A m o r d e D e u s – C a s c a i s P o r t u g u ê s 1 1 º a n o A n o l e c t i v o 2 0 1 3 / 2 0 1 4

×