Funções sintáticas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Funções sintáticas

on

  • 1,630 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,630
Views on SlideShare
1,422
Embed Views
208

Actions

Likes
1
Downloads
76
Comments
0

5 Embeds 208

http://7portugues-cad.blogspot.pt 203
http://www.7portugues-cad.blogspot.pt 2
http://7portugues-cad.blogspot.com 1
https://www.google.pt 1
http://7portugues-cad.blogspot.de 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Funções sintáticas Presentation Transcript

  • 1. Funções     sintá,cas   Porto  Editora  
  • 2. Funções  sintá,cas   1.  ao  nível  da  frase   2.  internas  ao  grupo  verbal   Porto  Editora  
  • 3. Quais  são  as  funções  sintá4cas  ao  nível  da  frase?   Sujeito   Predicado   Voca,vo   Modificador  da  frase   Porto  Editora  
  • 4.           O   sujeito   é   uma   função   sintá4ca   desempenhada   por   um   grupo   nominal   ou   oração.         O   sujeito   concorda   com   o   verbo   da   frase   e   pode   ser   subs4tuído   por   um   pronome   pessoal  tónico.  (Ex.:  eu/tu/ele/ela…).   Ex.:       O   Filipe   e   o   Vasco   trouxeram   o   lanche.   ➞   Eles   trouxeram  o  lanche.     Quem  chegou  atrasado  não  pode  entrar.   Porto  Editora  
  • 5. Existem  três  4pos  de  sujeito:     •  sujeito  simples;   •  sujeito  composto;   •  sujeito  nulo.     Porto  Editora  
  • 6.   O   sujeito   simples  é   cons4tuído   por   um   grupo   nominal  ou  uma  oração.     Ex.:  O  meu  padrinho  chegou  ontem  de  viagem.                Quem  já  terminou  pode  sair..                              O  sujeito  composto  é  cons4tuído  por  dois   ou  mais  grupos  nominais  ou  orações   coordenadas  pela  conjunção  copula4va  “e”.     Ex.:  O  meu  pai  e  o  meu  professor  reuniram-­‐se   na  semana  passada.   Porto  Editora  
  • 7.            O  sujeito  nulo  é  um  sujeito  que  não   se   realiza   lexicalmente   (isto   é,   por   palavras).              O  sujeito  nulo  pode  ser:                  subentendido,  quando  é  possível  recuperá-­‐lo  pelo  contexto         indeterminado,   quando   se   refere   a   algo   que   não   é   especificado  e  qerbal.   ser  parafraseado  por  “alguém”.   ou  pela  flexão  vue  pode              Ex.:  Vamos  sair  mais  tarde.  ➞  [Nós]  vamos  sair  mais  tarde.            Ex.:  Dizem  que  este  livro  é  excelente!  ➞  Alguém  diz  que  este   livro  é  excelente.   Porto  Editora  
  • 8.           O   predicado   é   uma   função   sintá4ca   desempenhada   pelo   grupo   verbal.   O   predicado   pode   ser   cons4tuído,   exclusivamente,   pelo   verbo   ou   pelo   verbo   e   pelos   seus   complementos   e/ou   modi-­‐ ficadores.       Porto  Editora  
  • 9. Ex.:  Os  jornalistas  anunciaram  a  estreia   deste  filme.   Ex.:  O  meu  cão  gosta  de  brincar  no  parque.     Porto  Editora  
  • 10. O   voca,vo   é   a   função   sintá4ca   desempenhada   por   uma   ou   mais   palavras   u4lizadas   para   interpelar   o   locutor.     O   v o c a 4 v o   o c o r r e ,   m u i t o   f r e q u e n t e -­‐ m e n t e ,   e m   f r a s e s   i m p e r a 4 v a s ,   i n t e r r o g a 4 v a s   e   exclama4vas   e   surge,   geralmente,   no   início   de   uma   frase,   isolando-­‐se   dos   restantes  elementos  pela  vírgula.     Ex.:  Eduarda,  podes  fazer  o  jantar?   Porto  Editora  
  • 11. O  modificador  da  frase  é  uma  função   sintá4ca   que   pode   ser   desempenhada   p o r   g r u p o s   a d v e r b i a i s ,   g r u p o s   preposicionais   ou   por   orações   que   modificam   e   enriquecem   o   sen4do   da   frase.   São   grupos   móveis   na   frase   e   podem   ser   re4rados   sem   que   esta   se   torne  agrama4cal.     Porto  Editora  
  • 12. O   modificador   da   frase   transmite   o   ponto   de   vista   do   locutor   em   relação   ao   que   é   afirmado   ou   faz   referência   a   uma   determinada  área  do  saber.   Ex.:  O  Miguel  teve  um  óMmo  resultado,  com   certeza.                Matema=camente,  esta  equação  está   errada.     Porto  Editora  
  • 13. Quais  são  as  funções  sintá4cas  internas  ao  grupo  verbal?   Complemento  direto   Complemento  indireto   Complemento  oblíquo   Complemento  agente   da  passiva   Predica,vo  do  sujeito   Modificador  do  grupo   verbal   Porto  Editora  
  • 14.           O   complemento   direto   é   uma   função   sintá4ca   desempenhada   por   um   grupo   nominal   ou   por   uma   oração   selecionados  pelo  verbo  e  que  podem  ser   subs4tuídos     pelo   pronome   pessoal   átono   -­‐o,   -­‐a,   -­‐os,   -­‐as)   ou   pelo   pronome   demonstra4vo  –o,  respe4vamente.       Ex.:   A   bailarina   Mnha   uma   saia   cor-­‐de-­‐rosa.   ➞   A   bailarina  Mnha-­‐a.   Gustavo   disse   que   gostava   da   boneca.   ➞   Gustavo   disse-­‐o.   Porto  Editora  
  • 15.           O   complemento   indireto   é   uma   função   sintá4ca   desempenhada   por   um   grupo   preposicional   selecionado   pelo  verbo  e  que  pode  ser  subs4tuído   pelo  pronome  pessoal  átono  lhe,  lhes.   Ex.:   A   Ma   mais   nova   ofereceu   a   bailarina   ao   Gustavo.   ➞   A   Ma   mais   nova   ofereceu-­‐lhe   a   bailarina.   Porto  Editora  
  • 16.           O   complemento   oblíquo   é   uma   função   sintá4ca   desempenhada   por   um   grupo   preposicional,   por   um   grupo   adverbial   ou   por   qualquer  um  destes  coordenado.                Não  se  pode  subs,tuir  o  complemento   oblíquo  por  pronomes.       Ex.:  Os  gatos  de  veludo  olhavam  para  ele.                Gustavo  morava  com  as  Mas.   *   Os   gatos   de   veludo   olhavam-­‐lhe./*Gustavo   morava-­‐as.  à  frases  incorretas       Porto  Editora  
  • 17.           O   complemento   agente   da   passiva   é   uma   função   sintá4ca   que   surge   apenas   em  frases  passivas  e  que  corresponde  ao   sujeito   da   frase   a4va   correspondente.   É   um   grupo   preposicional   introduzido   pela   preposição  “por”,  simples  ou  contraída.   Ex.:  A  bailarina  de  papelão  foi  oferecida  pela  Ma.   ➞  A  Ma  ofereceu  a  bailarina  de  papelão.  (frase   a,va).   Porto  Editora  
  • 18.          O  predica,vo  do  sujeito  é  uma  função   sintá4ca   desempenhada   por   um   grupo   nominal,   adje4val,   adverbial   ou   preposicional   exigido   por   um   verbo   copula4vo.   Ex.:  A  cara  da  bailarina  conMnuava  bonita.                Gustavo  estava  em  casa  das  Mas.              A  boneca  de  papelão  era  dele.   Porto  Editora  
  • 19.          O   modificador  do  grupo  verbal   é  uma   função   sintá4ca   desempenhada   por   elementos   que   não   são   exigidos   pelo   verbo  (isto  é,  por  grupos  móveis  na  frase   e  que  podem  ser  re4rados  sem  que  esta   se  torne  agrama4cal).       Porto  Editora  
  • 20.           Os   modificadores   do   grupo   verbal   podem   ser   grupos   adverbiais,   grupos   preposicionais   e/ou   orações.   Podem   também  ter  valores  dis4ntos:   •  temporal   (Ex.:   A   bailarina   mexia   diariamente  os  braços  e  as  pernas.);   •  lugar  (Ex.:  O  rapaz  sentou-­‐se  ali.);   •  Modal   (Ex.:   Ali   brincava   alegremente   nos  tempos  de  infância.).   Porto  Editora  
  • 21. Em  síntese…   Funções  sintá,cas   Ao  nível  da  frase   Internas  ao  grupo  verbal   Sujeito   Complemento  direto   Predicado   Complemento  indireto   Voca4vo   Complemento  oblíquo   Modificador  da  frase   Predica4vo  do  sujeito   Complemento  agente  da  passiva   Modificador  do  grupo  verbal   Porto  Editora