• Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
454
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7

Actions

Shares
Downloads
5
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Colégio Amor de Deus – Cascais Português 11º ano A  Educação  n’  Os  Maias     Eça   de   Queirós,   através   da   obra   Os   Maias,   tece   uma   crítica   à   educação   portuguesa   pondo-­‐a   em   confronto   com   a   educação   à   inglesa.   Assim   podemos   identificar   duas   personagens,   preponderantes   para   o   desenrolar   da   história,   que   personificam   estes   dois   tipos   de   educação,   respetivamente   Pedro   (também   Eusebiozinho)  e  Carlos  da  Maia.     Educação  tradicional  portuguesa   (Pedro  da  Maia  e  Eusebiozinho)   Educação  Inglesa   (Carlos  da  Maia)   • Repetição  e  memorização  acrítica  de  informação     • Compreensão  e  desenvolvimento  da  curiosidade   natural  da  criança   • Aquisição  de  conhecimentos  /conceitos  teóricos   ultrapassados,  com  base  na  cartilha   • Aquisição  de  conhecimentos  sobre  «coisas  práticas»   • Aprendizagem  de  línguas  mortas,  como  o  latim   • Aprendizagem  de  línguas  vivas,  como  o  inglês   • Educação  religiosa   • Educação  laica:  a  criança  é  ensinada  a  amar  a  virtude   e  a  honra.   • Superproteção  da  criança   • Incentivo  à  autonomia  e  ao  contacto  com  o  ar  livre   • Inexistência  de  atividade  física   • Valorização  do  exercício  físico  (ginástica,  remo,   equitação)   • Fuga  ao  contacto  direto  com  a  natureza  e  com  as   realidades  práticas  da  vida   • Contacto  com  a  vida  prática   • Ausência  de  rigor  e  disciplina     • Rigor  e  disciplina  nos  horários  e  na  alimentação     Consequências  do  tipo  de  educação  ministrado   Educação  tradicional  portuguesa   Fragilidade  física   Cobardia   Ausência  de  vontade  própria   Apatia   Caráter  tristonho   Passividade   Observação  limitada  da  realidade   Educação  Inglesa   Saúde   Valentia   Autonomia   Força  psicológica   Caráter  alegre   Dinamismo   Observação  crítica  da  realidade.                      Este   tipo   de   educação   é   pedagogicamente   fossilizada  e  não  criativa,  não  desenvolve  o  físico,  nem   a  reflexão  o  que  significa  que  não  existe  uma  evolução   nem   em   termos   físicos,   nem   intelectuais,   por   isso   origina   seres   mais   passivos   perante   a   vida,   sem   grandes   desejos   nem   audácias.   Pedro,   seu   exemplo   máximo,   é,   por   isso,   um   homem   com   uma   devoção   histérica   e   grande   incapacidade   para   encarar   e   resolver   as   contrariedades   com   que   se   defronta   (acabando   por   se   suicidar).   Em   termos   literários   poderíamos   comparar   este   tipo   de   educação   ao   Romantismo,  pelo  seu  recurso  à  tradição  portuguesa,   assim  como  pelo  catolicismo  e  fragilidade  humana.                Este   tipo   de   educação   tem   como   grande   objetivo   criar   pessoas   ativas,   que   se   preocupem   com   o   próximo   e   que   tentem   fazer   algo   produtivo   da   e   à   sua   vida.   Em   termos   literários   poderíamos   comparar   este   tipo   de   educação   ao   Realismo,   pelos   objetivos   de   progresso,   objetividade,  renovação  do  país  e  do  Ser.  
  • 2.   Em  conclusão:   Em   princípio   estes   dois   tipos   de   educação   deveriam   formar   pessoas   distintas,   cujo   destino   fosse   diametralmente  diferente,  no  entanto,  acabamos  por  constatar  que  n’  Os  Maias  o  destino  de  Pedro  e  Carlos   se  assemelha  em  dois  aspetos  fundamentais:  amor  e  trabalho.   Ambos  sofrem  por  amor  e  se  Pedro  se  suicida  devido  ao  seu  desgosto  amoroso  por  Maria  Monforte,   Carlos   morre   socialmente   e   para   o   amor,   depois   do   conhecimento   da   sua   relação   incestuosa   com   a   irmã   Maria  Eduarda.  Relativamente  ao  segundo  aspeto,  Pedro  nunca  foi  um  homem  ativo,  nunca  trabalhou,  nem   teve   objetivos   de   vida   e   Carlos,   embora   de   início   demonstrasse   vontade   de   trabalhar   e   tivesse   objetivos   definidos  em  relação  à  medicina,  na  realidade  após  ter  dado  algumas  consultas  (de  carácter  duvidoso),  rende-­‐ se   à   vida   social   lisboeta   e   esquece   os   objetivos   altruístas   como   médico,   não   exercendo   efetivamente   a   sua   função  como  tal.     Podemos  justificar  a  semelhança  das  suas  vidas  a  fatores  naturalistas  que  influenciam  a  personalidade   do  indivíduo:  hereditariedade,  meio  e  educação.