Coordenação e Subordinação
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Coordenação e Subordinação

on

  • 272 views

 

Statistics

Views

Total Views
272
Views on SlideShare
160
Embed Views
112

Actions

Likes
0
Downloads
7
Comments
0

4 Embeds 112

http://7portugues-cad.blogspot.pt 106
http://www.7portugues-cad.blogspot.pt 4
http://www.slideee.com 1
http://7portugues-cad.blogspot.com.br 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Coordenação e Subordinação Coordenação e Subordinação Presentation Transcript

    • Porto  Editora   Coordenação   e     subordinação  
    •     Porto  Editora   simples   complexa   Frase  
    •             Frase  simples      Cons3tuída  apenas  por  um  verbo  ou  por  um  complexo  verbal.           Porto  Editora   Ex.:   A  Maria  brinca  muito  com  o  irmão.  –  frase  simples  (cons3tuída  por  um  verbo)   O  Jorge  con)nua  a  ler  aquele  livro.  –  frase  simples  (cons3tuída  por  um  complexo  verbal)  
    •         Porto  Editora   Ex.:   A  mãe  usa  óculos  e  o  pai  tem  bigode.  –  frase  complexa  (cons3tuída  por  dois  verbos)   O  Jorge  já  estava  em  casa,  mas  a  Inês  acabou  de  chegar.  –  frase  complexa    (cons3tuída  por  um  verbo  e  um  complexo  verbal)       Frase  complexa            Cons3tuída  por  dois  ou  mais  verbos  ou  complexos  verbais,   ou  seja,  por  duas  ou  mais  orações.          
    •              A  relação  entre  orações  pode  ser   estabelecida  por:   Porto  Editora   coordenação     subordinação    
    • Porto  Editora   A.  Coordenação            Consiste  na  juncão  de  orações  ou  de  cons3tuintes  da  frase  da   mesma  categoria  ou  que  tem  a  mesma  função  sintá3ca,  por  meio  de   conjunções  (ou  locuções  conjuncionais)  coordena3vas  ou  de   advérbios  (ou  locuções  adverbiais)  conec3vos.    
    •     Porto  Editora   assindé3ca   sindé3ca                      A  coordenação  pode  ser:  
    •     Porto  Editora   assindé3ca   sindé3ca            As  orações  ou  os  cons3tuintes  não  iniciais  não  se   introduzem  por  conjunção.              Ex.:  [O  Pedro  jogou  ténis],  [pra3cou  natação].  
    •     Porto  Editora   assindé3ca   sindé3ca          As  orações  ou  os  cons3tuintes  não  iniciais  introduzem-­‐ se  por  conjunção.              Ex.:  [O  Pedro  jogou  ténis]  [e  praEcou  natação].  
    • Porto  Editora   Recebem  o  nome  da  conjunção  ou  locução  conjuncional   coordena3va  que  as  liga,  de  acordo  com  o  sen3do  expresso:   1.  Oração    coordenada   copula;va   adversa;va   disjun;va   conclusiva   explica;va  
    • Porto  Editora   1.1.  Oração  coordenada  copula;va      Expressa  ligação  ou  adição  de  informações.                                        Ex.:  O  público  entrou  e  o  espetáculo  começou.   Conjunções  coordena;vas   copula;vas   Locuções    conjuncionais     coordena;vas  copula;vas        e,  nem,  nem…  nem*   não  só…  mas  também,   não  só…  como  também   *   Trata-­‐se   de   conjunções/locuções   conjuncionais   correla3vas,   pois   surgem  antes  de  cada  elemento  coordenado.  
    • Porto  Editora   1.2.  Oração  coordenada  adversa;va      Estabelece  uma  oposição,  rela3vamente  à  oração  anterior.                                  Ex.:  Queria  parEcipar  no  concurso,  mas  o  prazo  Enha  terminado.   Conjunções  coordena;vas   adversa;vas   Advérbios  (ou  locuções  adverbiais)   conec;vos        mas   porém,  assim,  contudo,  todavia,  no   entanto,  não  obstante,  ainda  assim  
    • Porto  Editora   1.3.  Oração  coordenada  disjun;va      Estabelece  uma  alterna3va  em  relação  à  oração  anterior.                                  Ex.:  Queres  uma  pera  ou  preferes  uma  laranja?   Conjunções  coordena;vas  disjun;vas        ou,  ou…  ou*,  ora…  ora*,  quer…  quer*,  seja…  seja*   *   Trata-­‐se   de   conjunções/locuções   conjuncionais   correla3vas,   pois   surgem  antes  de  cada  elemento  coordenado.  
    • Porto  Editora   1.4.  Oração  coordenada  conclusiva                                    Indica  uma  conclusão/o  desfecho  de  um  raciocínio.      Ex.:  O  telemóvel  está  sem  bateria,  logo  não  te  posso  ligar.   Conjunções  coordena;vas   conclusivas   Advérbios  (ou  locuções   adverbiais)  conec;vos        logo   pois,  portanto,  assim,  por  isso  
    • Porto  Editora   1.5.  Oração  coordenada  explica;va      apresenta  um  esclarecimento  ou  uma  jus3ficação.    Ex.:  Não  posso  sair,  pois  tenho  tarefas  a  cumprir.   Conjunções  coordena;vas  conclusivas        pois,  porquanto  
    • Porto  Editora   B.  Subordinação                A  subordinação  consiste  na  junção  de  orações  através  de  conjunções   ou   locuções   conjuncionais   subordina3vas.   A   oração   subordinante   e   a   oração   principal   da   frase   e,   geralmente,   pode   con3nuar   a   exis3r   como   oração  independente.  A  oração  subordinada  apenas  tem  sen3do  quando   ligada  a  subordinante.      
    • Porto  Editora   1.  Oração  subordinada  adverbial               As   orações   subordinadas   adverbiais   tem   esta   designação,   pois   desempenham  funções  sintá3cas  Xpicas  de  um  advérbio  ou  de  um  grupo   adverbial.  O  seu  nome  advém  da  conjunção  ou  da  locução  conjuncional   subordina3va  que  as  liga,  de  acordo  com  o  sen3do  que  expressa.  
    • Porto  Editora   1.1.  Oração  subordinada  adverbial  temporal     Exprime   uma   ideia   de   tempo   rela3vamente   ao   afirmado   na       oração  subordinante.                  Ex.:  Quando  viajo  de  carro,  não  consigo  ler  nada.   Conjunções  subordina;vas   temporais   Locuções    conjuncionais     subordina;vas  temporais   quando,  mal,  enquanto,  apenas   logo  que,  assim  que,  até  que,  antes   que    
    • Porto  Editora   1.2.  Oração  subordinada  adverbial  causal      Transmite  a  causa  do  que  se  afirma  na  oração  subordinante.                                        Ex.:  Não  como  morangos  porque  sou  alérgico.   Conjunções  subordina;vas   causais   Locuções    conjuncionais     subordina;vas  causais   porque,  que,  como   visto  que,  já  que,  pois  que    
    • Porto  Editora   1.3.  Oração  subordinada  adverbial  final      Expressa  a  finalidade  da  ideia  indicada  na  oração  subordinante.                                        Ex.:  O  Rui  adiou  a  reunião  para  que  pudesse  ir  comigo.   Conjunções  subordina;vas  finais   Locuções    conjuncionais     subordina;vas  finais        que,  para   para  que,  a  fim  de  que    
    • Porto  Editora   1.4.  Oração  subordinada  adverbial  condicional                                      Indica  uma  condição  que  permi3rá  a  realização  do  que  é   expresso  na  oração  subordinante.                                          Ex.:  Só  troco  de  computador  se  este  não  )ver  conserto.   Conjunções  subordina;vas   condicionais   Locuções    conjuncionais     subordina;vas  condicionais      se   a   não   ser   que,   a   menos   que,   desde   que,   salvo  se    
    • Porto  Editora   2.  Oração  subordinada  adje;va  rela;va                   As   orações   subordinadas   adje3vas   tem   esta   designação,   pois   desempenham  funções  sintá3cas  Xpicas  de  um  adje3vo  ou  de  um  grupo   adje3val.  As  orações  subordinadas  adje3vas  rela3vas  são  introduzidas  por   palavras  rela3vas.  
    • Porto  Editora   2.1.  Oração  subordinada  adje;va  rela;va  restri;va                                          Limita  a  informação  dada  sobre  o  que  a  antecede.  Na  escrita,  não   pode  ser  delimitada  por  virgulas.     Ex.:  O  funcionário  que  me  atendeu    foi  muito  simpáEco.    
    • Porto  Editora   2.2.  Oração  subordinada  adje;va  rela;va  explica;va                      Apresenta  informação  adicional  sobre  o  que  a  antecede.  Na  escrita,  deve  estar   delimitada  por  virgulas.                                          Ex.:  A  minha  Ea,  a  quem  ofereci  uma  viagem,  criou-­‐me  desde  pequeno.  
    • Porto  Editora  
    • Porto  Editora   Em  síntese:   Oração  coordenada          Copula3va          Adversa3va          Disjun3va          Conclusiva          Explica3va  
    • Porto  Editora   Em  síntese:   Oração  subordinada  adverbial   Temporal     Causal     Final     Condicional   Oração  subordinada  adje;va  rela;va                                                                      Restri3va                                                                      Explica3va