Your SlideShare is downloading. ×
Características da poesia de Cesário Verde
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Características da poesia de Cesário Verde

1,013

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,013
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
18
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Cesário Verde (1855-1886) Poeta Realista Poeta Parnasiano Poeta Impressionista Cesário Verde (1855-1886) Poeta Realista Poeta Parnasiano Poeta Impressionista
  • 2. Poeta Realista •  Capta as impressões da realidade com grande objectividade; • Atento ao pormenor; • Poeta do quotidiano.
  • 3. Poeta Parnasiano • Arte pela arte; • Reacção contra o Romantismo; •  Impessoalidade (não dá a conhecer o que sente, não é sua intenção dar-se a conhecer) e impassibilidade (indiferença à dor); • Conteúdo: objectividade/pormenor; realidade exterior; • Forma: regularidade estrófica, métrica e rimática.
  • 4. Poeta  Impressionista   •   Descrição  do  quotidiano  através  de  quadros  pitorescos;   •   Poeta  pintor  (pinta  quadros  por  letras,  por  sinais);   •   Percepção  imediata/mistura  de  percepções  sensoriais;   •   Cor  e  luminosidade;   •   Construções  impessoais;   •   Fuga  ao  sentimento  de  decadência;   •   Interesse  não  só  pelo  objecto,  mas  pelo  efeito  que  provoca  no   artista  (visão  de  artista)    
  • 5. Temática Humilhação   •       Social:   O  povo  oprimido  e  dominado  pelos  poderosos;   abandono  dos  doentes;     •       Literária:   Marginalização  dos  seus  textos;  incompreensão  da   sua  poesia;     •       Sentimental:     Mulher  da  cidade  (poderosa,  altiva,  distante)   humilha  o  homem  que  tenta  a  aproximação.  
  • 6. Humilhação   •       Social:   O  povo  oprimido  e  dominado  pelos  poderosos;  abandono  dos  doentes;     Poema:  Num  Bairro  Moderno     «E  rota,  pequenina,  azafamada,     Notei  de  costas  uma  rapariga,     Que  no  xadrez  marmóreo  duma  escada,     Como  um  retalho  da  horta  aglomerada     Pousara,  ajoelhando,  a  sua  giga.       E  eu,  apesar  do  sol,  examinei-­‐a.     Pôs-­‐se  de  pé,  ressoam-­‐lhe  os  tamancos;     E  abre-­‐se-­‐lhe  o  algodão  azul  da  meia,     Se  ela  se  curva,  esguelhada,  feia,     E  pendurando  os  seus  bracinhos  brancos.       Do  patamar  responde-­‐lhe  um  criado:     "Se  te  convém,  despacha;  não  converses.     Eu  não  dou  mais."  È  muito  descansado,     Atira  um  cobre  lívido,  oxidado,     Que  vem  bater  nas  faces  duns  alperces.  »  
  • 7. Humilhação   •       Literária:   Marginalização  dos  seus  textos;  incompreensão  da  sua  poesia;     Poema:  Nós     «De  tal  maneira  que  hoje,  eu  desgostoso  e  azedo     Com  tanta  crueldade  e  tantas  injustiças,     Se  inda  trabalho  é  como  os  presos  no  degredo,     Com  planos  de  vingança  e  ideias  insubmissas.            E  agora,  de  tal  modo  a  minha  vida  é  dura,      Tenho  momentos  maus,  tão  tristes,  tão  perversos,     Que  sinto  só  desdém  pela  literatura,   E  até  desprezo  e  esqueço  os  meus  amados  versos!  »       •       
  • 8. Humilhação   •       Sentimental:  Mulher  da  cidade  (poderosa,  altiva,  distante)  humilha  o  homem   que  tenta  a  aproximação.     Poema:  Cristalizações     «Homens  de  carga!  Assim  as  bestas  vão  curvadas!   Que  vida  tão  custosa!  Que  diabo!   E  os  cavadores  descansam  as  enxadas,   E  cospem  nas  calosas  mãos  gretadas,   Para  que  não  lhes  escorregue  o  cabo.  […]     De  escuro,  bruscamente,  ao  cimo  da  barroca,   Surge  um  perfil  direito  que  se  aguça;   E  ar  matinal  de  quem  saiu  da  toca,   Uma  figura  fina,  desemboca,   Toda  abafada  num  casaco  à  russa.[…]     Mas  fina  de  feições,  o  queixo  hostil,  distinto,   Furtiva  a  tiritar  em  suas  peles,   Espanta-­‐me  a  actrizita  que  hoje  pinto,   Neste  Dezembro  enérgico,  sucinto,   E  nestes  sítios  suburbanos,  reles!»    
  • 9. Temática Binómio  campo/  cidade   •       Cidade:  cidade  desumana,  injusta,  depravada,   espaço  de  perversão  do  amor  e  doença.  Lisboa  –   descrição   das   ruas   sombrias,   soturnas   e   melancólicas;   •      Campo:   vida   activa   e   natural,   espaço   de   identificação  –  solução  social  e  pessoal  –  recusa  da   opressão,   espaço   e   liberdade.   Linda-­‐a-­‐pastora   –   descreve   as   canseiras   da   família   durante   as   colheitas.  
  • 10. Binómio  campo/  cidade   Poema:  Nós     Foi  quando  em  dois  verões,  seguidamente,  a  Febre   E  a  Cólera  também  andaram  na  cidade,   Que  esta  população,  com  um  terror  de  lebre,     Fugiu  da  capital  como  da  tempestade.           Ora,  meu  pai,  depois  das  nossas  vidas  salvas     (Até  então  nós  só  tivéramos  sarampo).     Tanto  nos  viu  crescer  entre  uns  montões  de  malvas     Que  ele  ganhou  por  isso  um  grande  amor  ao  campo!    [...]             Pela  manhã,  em  vez  dos  trens  dos  batizados,    Rodavam  sem  cessar  as  seges  dos  enterros.     Que  triste  a  sucessão  dos  armazéns  fechados!     Como  um  domingo  inglês  na  city,  que  desterros!           Sem  canalização,  em  muitos  burgos  ermos     Secavam  dejeções  cobertas  de  mosqueiros.     E  os  médicos,  ao  pé  dos  padres  e  coveiros,     Os  últimos  fiéis,  tremiam  dos  enfermos!  »  
  • 11. Temática Imagética  feminina   •        Mulher   fatal:   esplêndida,   atraente,   mas   fria,   associada  à  cidade;     •       Mulher  angélica:  regeneradora,  simples,  frágil,   terna,   vulnerável,   portadora   de   uma   certa   reminiscência  dos  valores  do  campo;     •       Mulher  trabalhadora:  trabalhadoras,  que  tentam   ganhar  o  pão  de  uma  forma  quase  heróica;     •       Mulher  burguesa:  simplesmente  passeia  ou  faz   compras  rodeada  de  atenções  e  de  vénias.  
  • 12. Imagética  feminina   Poema:  Débil     «Com  elegância  e  sem  ostentação,   Atravessavas  branca,  esbelta  e  fina,   Uma  chusma  de  padres  de  batina,   E  de  altos  funcionários  da  nação.       «  Mas  se  a  atropela  o  povo  turbulento!   Se  fosse,  por  acaso,  ali  pisada!»   De  repente,  paraste,  embaraçada   Ao  pé  dum  numeroso  ajuntamento.       E  eu,  que  urdia  estes  fáceis  esbocetos,   Julguei  ver,  com  a  vista  de  poeta,   Uma  pombinha  tímida  e  quieta   Num  bando  ameaçador  de  corvos  pretos.       E  foi,  então,  que  eu,  homem  varonil,   Quis  dedicar-­‐te  a  minha  pobre  vida,   A  ti,  que  és  ténue,  dócil,  recolhida,   Eu,  que  sou  hábil,  prático,  viril.»     Poema:  Vaidosa     Dizem  que  tu  és  pura  como  um  lírio   E  mais  fria  e  insensível  que  o  granito,   E  que  eu  que  passo  aí  por  favorito   Vivo  louco  de  dor  e  de  martírio.     Contam  que  tens  um  modo  altivo  e  sério,   Que  és  muito  desdenhosa  e  presumida,   E  que  o  maior  prazer  da  tua  vida,   Seria  acompanhar-­‐me  ao  cemitério.     Chamam-­‐te  a  bela  imperatriz  das  fátuas,   A  déspota,  a  fatal,  o  figurino,   E  afirmam  que  és  um  molde  alabastrino,   E  não  tens  coração  como  as  estátuas.    
  • 13. Temática Questão  social   •       Realismo  de  intenção  basicamente  naturalista;     •       «Fez  a  anatomia  do  homem  esmagado  pela  cidade»   Adolfo  Monteiro;     •       Recusa  do  modo  de  vida  da  burguesia  urbana;           •          Denúncia   das   desigualdades   e   das   injustiças;   a   opressão  do  povo.    
  • 14. Temática Deambulação   •       Pelas  ruas  e  becos  da  cidade;     •       «Camponês  preso  em  liberdade  pela  cidade.»  Alberto   Caeiro;     •         Desejo  absurdo  de  sofrer.  
  • 15. Temática Poetização  do  real   •       Quotidiano;   •         Visão  impressionista  do  real;     •         Objectividade  (descrição  pura  /  realismo  pictórico)/   subjectividade  (simbolismo/  transfiguração);     •         Inovação  da  arte  poética:         Modelo  de  naturalidade  e  sereno  realismo  visual;   Abandono  das  formas  antigas.  
  • 16. Estilo •  Linguagem   coloquial/   popular/   burguesa/   rica   em   termos   concretos;   •   Objectiva  (descrição),  subjectiva  (simbolismos)  e  fantasista;   •   Escassez  de  palavras  eruditas;   •   Imagens  sensoriais  (impressionista);   •   Aliteração,  metáfora,  sinestesia,  adjectivação,  etc.   •   Valor  expressivo  do  diminutivo.  

×