Completo relevo brasileiro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Completo relevo brasileiro

on

  • 205 views

 

Statistics

Views

Total Views
205
Views on SlideShare
205
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
6
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Completo relevo brasileiro Completo relevo brasileiro Presentation Transcript

  • ESTRUTURA GEOLÓGICA
  • ESTRUTURA GEOLÓGICA
  • AGENTES INTERNOS DO RELEVO  Tectonismo  Sismos  Vulcanismo
  • Teoria da Tectônica de Placas As placas que compõem a litosfera deslocam-se horizontal e verticalmente devido a forças oriundas do interior da Terra Tectonismo
  • Horizontais: orogênese. Originam grandes cadeias de montanhas Verticais: epirogênese. Originam rebaixamentos e soerguimentos de porções da crosta (falhamentos)
  • Topografia do Atlântico Norte
  • Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915)
  • Teoria da Tectônica de Placas - Harry Hess (1960)
  • Oceânico/Continental Ex.: Placa sul-americana e placa de Nazca (Cordilheira dos Andes)
  • Continental/Continental Ex.: Placa Indiana e placa Euro-asiática (Cordilheira do Himalaia e Planalto do Tibet)
  • Oceânico/Oceânico Ex.: Japão e Ilhas Aleutas.
  • Sismos A conseqüência do choque entre placas tectônicas são chamadas de abalos sísmicos ou terremotos
  • Ondas Sísmicas
  • Terremotos
  • Terremoto na Ásia - Dez./2004
  • Países onde as mortes ocorreram Mortes Feridos Desaparecidos Desabrigados Confirmado Estimado 1 Indonésia 126.915 +126.915 ~100.000 37063 400.000 - 700.000 Sri Lanka 30957 38195 15686 5637 2 ~573.000 Índia 10749 16413 — 5640 380.000 Tailândia 5395 3 11000 8457 2932 — Somália 298 298 — — 5000 Myanmar (Burma) 61 290– 600] 45 200 3200 confirmados Malásia 68– 74 74 299 — — Maldivas 82 108 — 26 12000– 22000 Seychelles 1– 3 3 — — — Tanzânia 10 +10 — — — Bangladesh 2 2 — — — África do Sul 2 4 2 — — — Quênia 1 2 2 — — Iêmen 1 1 — — — Madagascar — — — — +1000 Total 174.542 ~193.623 ~125.000 ~51498 ~1,5 milhão Terremoto na Ásia - Dez./2004 – Número de Vítimas
  • Descrição Magnitude Efeitos Frequência Micro < 2,0 Micro tremor de terra, não se sente [1] . ~ 8000 por dia Muito pequeno 2,0-2,9 Geralmente não se sente mas é detectado/registado. ~1000 por dia Pequeno 3,0-3,9 Frequentemente sentido mas raramente causa danos. ~49000 por ano Ligeiro 4,0-4,9 Tremor notório de objectos no interior de habitações, ruídos de choque entre objectos. Danos importantes pouco comuns. ~ 6200 por ano Moderado 5,0-5,9 Pode causar danos maiores em edifícios mal concebidos em zonas restritas. Provoca danos ligeiros nos edifícios bem construídos. 800 por ano Forte 6,0-6,9 Pode ser destruidor em zonas num raio de até 180 quilómetros em áreas habitadas. 120 por ano Grande 7,0-7,9 Pode provocar danos graves em zonas mais vastas. 18 por ano Importante 8,0-8,9 Pode causar danos sérios em zonas num raio de centenas de quilómetros. 1 por ano Excepcional 9,0 < Devasta zonas num raio de milhares de quilómetros. 1 a cada 20 anos A Escala Richter – Elaborada em 1935, por Charles Francis Richter e Beno Gutemberg. Maior registro: 9,5 na escala Richter, Chile (1960).
  • Vulcanismo Expulsão de magna, rocha e gás do interior da Terra.
  • Vulcão Santa Helena
  • OS AGENTES EXTERNOS TRANSFORMADORES DO RELEVO • O VULCANISMO, O TECTONISMO E OS TERREMOTOS SÃO AGENTES INTERNOS QUE MODIFICAM O RELEVO. • OS AGENTES EXTERNOS SÃO AQUELES QUE CONJUNTAMENTE MODELAM E MODIFICAM O RELEVO TERRESTRE. • OS PRINCIPAIS AGENTES EXTERNOS SÃO :ÁGUA, VENTO, GELO E OS SERES VIVOS. • A ROCHA QUANDO EXPOSTA SOFRE UM DESGASTE PROVOCADO PELAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS .ESSE PROCESSO DE DESAGREGAÇÃO DA ROCHA RECEBE O NOME DE INTEMPERISMO • O INTEMPERISMO PODE SER DE TRÊS TIPOS : • INTEMPERISMO FÍSICO:OCORRE ONDE HÁ GRANDE OSCILAÇÃO DE TEMPERATURA. AS ROCHAS EXPOSTAS À TEMPERATURAS ELEVADAS SE DILATAM E, EM TEMPERATURAS BAIXAS, SE COMPRIMEM • INTEMPERISMO QUÍMICO : OCORRE PELA ATUAÇÃO DA ÁGUA, PROVOCANDO ALTERAÇÕES NA COMPOSIÇÃO MINERAL DAS ROCHAS. • INTEMPERISMO BIOLÓGICO:OCORRE PELA ATUAÇÃO DAS RAÍZES DAS PLANTAS QUE NASCEM NAS FENDAS ENTRE AS ROCHAS E, QUANDO CRESCEM, VÃO OCUPANDO MAIS ESPAÇO E PROVOCANDO A QUEBRA DAS ROCHAS E A FORMAÇÃO DE SEDIMENTOS
  • AÇÃO DO VENTO • OS VENTOS SÃO RESPONSÁVEIS PELA EROSÃO EÓLICA, QUE CONSISTE NA RETIRADA DE SEDIMENTOS, OU SEJA, PEQUENOS FRAGMENTOS COMO GRÃOS DE AREIA, DAS ROCHAS. ARCO DELICADO, NO PARQUE DOS ARCOS , EM UTAH(E.U.A)
  • FORÇA DOS VENTOS • A FORÇA DOS VENTOS TAMBÉM DESLOCA COM INTENSIDADE GRANDES QUANTIDADES DE SEDIMENTOS , QUE, AO SEREM DEPOSITADOS, FORMAM MONTES DENOMINADOS DUNAS DUNAS DE GENIPABU (RN)
  • AÇÃO DO GELO • As geleiras são grandes massas de gelo duradouras,formadas nas regiões continentais extremamente frias. • As massas de gelo das águas de lagos ou mares congelados, como as que ocorrem no oceano Glacial ÁRTICO e nos mares do entorno da Antártida, não se constituem em geleiras, pois não agem sobre as áreas continentais.
  • No litoral da Noruega , da Islândia ,da Groelândia e de outros países, a erosão glacial cavou no relevo inúmeros vales em forma de U , dando origem aos fiordes, que são braços de mar escavados em litorais montanhosos
  • AÇÃO DA ÁGUA A água constitui o elemento mais importante no modelamento do relevo.Uma boa parte da água que cai em forma de chuva ou de neve escoa pela superfície em direção aos riachos, rios e lagoas.
  • AÇÃO DAS ÁGUAS MARINHAS A AÇÃO EROSIVA DAS ÁGUAS MARINHAS OCORRE BASICAMENTE NO PONTO DE CONTATO ENTRE OS OCEANOS E OS CONTINENTES
  • As restingas são resultado do acúmulo de sedimentos promovidos pelo trabalho dos oceanos.Elas são formadas quando as ondas depositam areia principalmente próximo à foz dos rios,produzindo assim cordões arenosos.Quando o depósito de areia trazido pelas águas marinhas promove a ligação de uma ilha ao continente, formam-se os tômbolos
  • Recifes –rochedos constituídos por arenito ou acúmulo de carapaças de certos animais que se encontram submersos ou em pequena profundidade, situados próximo às costas e lagos de água salgada, que geralmente se formam entre bancos de areia que servem como barragens.
  • AÇÃO DO HOMEM SOBRE O RELEVO • AS SOCIEDADES HUMANAS DA MESMA FORMA QUE OS AGENTES NATURAIS TAMBÉM INTERFEREM NO MODELAMENTO DO RELEVO. • PARA CONSTRUIR ESTRADAS, ABREM TÚNEIS, CORTAM MORROS E SOTERRAM VALES. PARA PLANTAR RETIRAM A VEGETAÇÃO ORIGINAL.... • A AÇÃO HUMANA NO CAMPO, MUITAS VEZES , EXPÕE O SOLO À AÇÃO DOS VENTOS E DAS CHUVAS, O QUE INTENSIFICA O PROCESSO EROSIVO, PROVOCANDO A FORMAÇÃO DE ENORMES VALAS CONHECIDAS COMO VOÇOROCAS
  • Formação geológica do Brasil O Brasil é formado predominantemente por terrenos antigos datados do pré-cambriano, recobertos em grandes extensões por espessos mantos sedimentares antigos e recentes.
  • Escudos Cristalinos Os escudos cristalinos abrangem cerca de 36% da superfície brasileira, datando 32% do Arqueozóico e 4% do Proterozóico (presença de minerais metálicos e pedras preciosas).
  • Bacias Sedimentares Cerca de 64% do território brasileiro é coberto por bacias sedimentares, parte de formação antiga (paleo-mesozóico) e parte de formação recente (cenozóico).Presença de jazidas de carvão mineral e de petróleo.
  • Relevo do Brasil • As baixas altitudes que caracterizam o relevo brasileiro deve-se: • - por ser formado em grande parte por terrenos muito antigos; • - ter sofrido intenso desgaste por processos erosivos; • - pela ausência de dobramentos modernos (Cenozóico). • É um país de planaltos baixos e de planícies também baixas hoje divididas em planícies verdadeiras e depressões relativas.
  • Diversas classificações do relevo no Brasil
  • Segundo Aroldo de Azevedo, há no Brasil 2 planaltos e 4 planícies
  • Segundo a classificação do professor Aziz Ab'Saber , há no Brasil 7 planaltos e 3 planícies
  • O professor Jurandyr Ross identifica as depressões além dos já conhecidos planaltos e planícies e como muda o critério altimétrico, mudarão também os planaltos e as planícies numa versão inovadora.
  • • Está assentado sobre o Escudo das Guianas, de base cristalina, ocupa a porção mais setentrional do país. • Este bloco pode ser entendido em duas sub-partes: • a região serrana onde se localizam os picos mais elevados do país como o Pico da Neblina com 3014m e o pico 31 de Março com 2992m , ambos na serra do Imeri. • Planalto Norte-Amazônicos com altitudes de 200m a 300m de altitude. Planalto da Guianas
  • Planalto Brasileiro Trata-se de um grande setor de terras entremeadas de escudos cristalinos e bacias sedimentares antigas, ocupa a porção central, oriental e sul do país. Subdividido em: Central; Nordestino; Serras e planaltos do Leste e Sudeste; Meridional e Uruguaio Sul-Rio-Grandense
  • PLANALTO CENTRAL • Como seu próprio nome diz, esse planalto está posicionado no setor central do Brasil, abrangendo terras meridionais da região Norte, da porção ocidental do Nordeste, quase todo o Centro oeste e uma pequena porção do Sudeste referente ao noroeste de MG (segundo Aroldo Azevedo). • É uma região formada por planaltos cristalinos bastante desgastados intercalados a planaltos sedimentares de aspecto tabuliforme denominados chapadas ou chapadões.
  • Planalto Atlântico-Setor Nordestino • O setor nordestino com a presença de chapadas ou serras, nomes que são utilizados alternadamente para os mesmos acidentes geográficos. • Segundo Ab'Saber esse seria o Planalto Nordestino, segundo Ross a depressão sertaneja somada à do São Francisco com uma forma planáltica notável que é o Planalto de Borborema.
  • Serras e Planaltos do Leste e Sudeste • Essa é a porção do relevo brasileiro que se destaca por vários motivos, um deles é devido à grande ocupação humana e econômica , a sua riqueza mineral e destaca-se também por ser a área de relevo mais "movimentado" com presença da Serra do Mar, a Serra da Mantiqueira, a Serra do Espinhaço, a Serra da Canastra , num complexo montanhoso identificado como "mar de morros" de origem cristalina muito antigos, extremamente trabalhados , com formas que se assemelham a "meia laranja" ou ao "pão de açúcar".
  • PLANALTO MERIDIONAL • Esse planalto ocupa quase a totalidade da porção sul do Brasil, abrangendo parte do Sudeste (SP) e também parte do Centro Oeste MS) e a quase totalidade da região Sul, coincidindo em muito com a Bacia sedimentar Paranaica. • Esse planalto é dividido em duas partes, a Depressão Periférica e o Planalto Arenito- Basáltico.
  • A Depressão Periférica corresponde a uma grande faixa alongada de sedimentos antigos paleomesozóicos, encaixada entre o Planalto Atlântico e os Planaltos da Bacia do Paraná, é contínuo de SP até o estado de SC, passando pelo PR. O planalto Arenito-basáltico apresenta uma topografia com caída do leste para oeste. Os rios dessa área como o Tietê, Ivaí, Iguaçu correm para o interior do país e não diretamente para o litoral. Ocorre a formação de um tipo de "serras" muito particular denominado relevo de cuestas, com uma borda abrupta de um lado e um declive suave na direção inversa , as cristas dessas cuestas são denominadas "frentes de cuestas".
  • PLANÍCIE AMAZÔNICA • A Planície Amazônica é uma fina faixa de planícies ao longo do rio Amazonas e seus afluentes, correspondendo apenas a 5% daquela grande área. • Os 95% restantes da antiga planície, são hoje classificados como sendo baixos planaltos amazônicos ou como depressão marginal norte ou depressão marginal sul amazônicas.
  • PLANÍCIE DO PANTANAL • Essa unidade do relevo nacional acha-se localizada na porção ocidental do MS, corresponde a uma área de sedimentação recente, do quaternário e por esse motivo não apresenta altitudes superiores a 100 metros, sendo a mais típica planície brasileira, unanimidade entre os diversos pesquisadores. • Corre por esse terreno a bacia do rio Paraguai , com rios navegáveis que na época das chuvas acaba por apresentar uma grande extensão de terras alagadas mas não pantanosas como sugere o nome da região.
  • PLANÍCIES E TABULEIROS LITORÂNEOS • Essa planície corresponde a uma faixa que inicia na região Norte , estendendo-se até a região Sul , ora mais larga ora mais estreita. • É interrompida às vezes pela presença das estruturas cristalinas, principalmente na região Sudeste. • Na fachada oriental do Nordeste ocorrem as Barreiras que são pequenas falésias sedimentares próximo às praias. • Bem ao sul do país há formação de lagoas ou lagunas muito grandes como a Lagoa Mirim e a Lagoa dos Patos que tem na saída de sua imensa restinga a importante cidade portuária do Rio Grande
  • RELEVO DE SANTA CATARINA • Observando-se o mapa do relevo de Santa Catarina, nota-se um relevo bem acidentado com grande predominância das terras planálticas, 77% do território acha-se acima dos 300 metros e 64% dentro da faixa dos 800 metros a 1000 metros acima do nível do mar. • A altitude média das terras catarinenses é a maior do país se comparada com todas as demais unidades da federação
  • FORMAS DO RELEVO BRASILEIRO  Escudos cristalinos: 36%  Bacias sedimentares: 64% Escudos Cristalinos - Armazenamento de jazidas minerais - Ferro - Níquel - Ouro - Prata - Chumbo - Diamantes Bacias Sedimentares - Produção de Combustíveis fósseis - Petróleo - Carvão Mineral - Xisto Betuminoso - Urânio - Materiais de construção - Cascalho, areia, calcáreo
  • Petróleo: formação
  • Subdivisão do Relevo Brasileiro  Plataformas ou crátons: terrenos antigos, atingidos por processos erosivos. - Plataforma das Guianas - Plataforma Sul-Americana - Plataforma do São Francisco
  •  Dobramentos antigos: Três antigas cadeias montanhosas, desgastadas por erosão (Pré- cambriano 4,5 – 2 bilhões de anos) - Cinturão do Atlântico - Cinturão de Brasília - Cinturão do Paraguai-Araguaia
  •  Bacias Sedimentares: receberam sedimentos marinhos e continentais durante a evolução geológica. - Bacia da Amazônia - Bacia do Parnaíba ou Maranhão - Bacia do Paraná
  •  Aroldo Azevedo (1949) - Associar as grandes unidades do relevo à terminologia geológica. - A topografia e as características geológicas. - Individualização e a simplificação das unidades. CLASSIFICAÇÕES DO RELEVO
  •  Aziz Nacib Ab’Saber (1962) - Diferenciar o que é a estrutura geológica e o relevo propriamente dito. - Denominações regionais - Influência dos climas sobre a estrutura geológica
  •  Jurandyr Ross (1995) - Fruto do Projeto Radam Brasil. - Planalto: superfície irregular, com altitude acima de 300m, resultante de erosão. - Planície: superfície plana, com altitude inferior a 100m, formada pelo acúmulo de sedimentos. - Depressão: intensa ação erosiva nas bordas das bacias sedimentares.
  • OS AGENTES EXTERNOS TRANSFORMADORES DO RELEVO • O VULCANISMO, O TECTONISMO E OS TERREMOTOS SÃO AGENTES INTERNOS QUE MODIFICAM O RELEVO. • OS AGENTES EXTERNOS SÃO AQUELES QUE CONJUNTAMENTE MODELAM E MODIFICAM O RELEVO TERRESTRE. • OS PRINCIPAIS AGENTES EXTERNOS SÃO :ÁGUA, VENTO, GELO E OS SERES VIVOS. • A ROCHA QUANDO EXPOSTA SOFRE UM DESGASTE PROVOCADO PELAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS .ESSE PROCESSO DE DESAGREGAÇÃO DA ROCHA RECEBE O NOME DE INTEMPERISMO • O INTEMPERISMO PODE SER DE TRÊS TIPOS : • INTEMPERISMO FÍSICO:OCORRE ONDE HÁ GRANDE OSCILAÇÃO DE TEMPERATURA. AS ROCHAS EXPOSTAS À TEMPERATURAS ELEVADAS SE DILATAM E, EM TEMPERATURAS BAIXAS, SE COMPRIMEM • INTEMPERISMO QUÍMICO : OCORRE PELA ATUAÇÃO DA ÁGUA, PROVOCANDO ALTERAÇÕES NA COMPOSIÇÃO MINERAL DAS ROCHAS. • INTEMPERISMO BIOLÓGICO:OCORRE PELA ATUAÇÃO DAS RAÍZES DAS PLANTAS QUE NASCEM NAS FENDAS ENTRE AS ROCHAS E, QUANDO CRESCEM, VÃO OCUPANDO MAIS ESPAÇO E PROVOCANDO A QUEBRA DAS ROCHAS E A FORMAÇÃO DE SEDIMENTOS
  • AÇÃO DO VENTO • OS VENTOS SÃO RESPONSÁVEIS PELA EROSÃO EÓLICA, QUE CONSISTE NA RETIRADA DE SEDIMENTOS, OU SEJA, PEQUENOS FRAGMENTOS COMO GRÃOS DE AREIA, DAS ROCHAS. ARCO DELICADO, NO PARQUE DOS ARCOS , EM UTAH(E.U.A)
  • FORÇA DOS VENTOS • A FORÇA DOS VENTOS TAMBÉM DESLOCA COM INTENSIDADE GRANDES QUANTIDADES DE SEDIMENTOS , QUE, AO SEREM DEPOSITADOS, FORMAM MONTES DENOMINADOS DUNAS DUNAS DE GENIPABU (RN)
  • AÇÃO DO GELO • As geleiras são grandes massas de gelo duradouras,formadas nas regiões continentais extremamente frias. • As massas de gelo das águas de lagos ou mares congelados, como as que ocorrem no oceano Glacial ÁRTICO e nos mares do entorno da Antártida, não se constituem em geleiras, pois não agem sobre as áreas continentais.
  • No litoral da Noruega , da Islândia ,da Groelândia e de outros países, a erosão glacial cavou no relevo inúmeros vales em forma de U , dando origem aos fiordes, que são braços de mar escavados em litorais montanhosos
  • AÇÃO DA ÁGUA A água constitui o elemento mais importante no modelamento do relevo.Uma boa parte da água que cai em forma de chuva ou de neve escoa pela superfície em direção aos riachos, rios e lagoas.
  • AÇÃO DAS ÁGUAS MARINHAS A AÇÃO EROSIVA DAS ÁGUAS MARINHAS OCORRE BASICAMENTE NO PONTO DE CONTATO ENTRE OS OCEANOS E OS CONTINENTES
  • As restingas são resultado do acúmulo de sedimentos promovidos pelo trabalho dos oceanos.Elas são formadas quando as ondas depositam areia principalmente próximo à foz dos rios,produzindo assim cordões arenosos.Quando o depósito de areia trazido pelas águas marinhas promove a ligação de uma ilha ao continente, formam-se os tômbolos
  • Recifes –rochedos constituídos por arenito ou acúmulo de carapaças de certos animais que se encontram submersos ou em pequena profundidade, situados próximo às costas e lagos de água salgada, que geralmente se formam entre bancos de areia que servem como barragens.
  • AÇÃO DO HOMEM SOBRE O RELEVO • AS SOCIEDADES HUMANAS DA MESMA FORMA QUE OS AGENTES NATURAIS TAMBÉM INTERFEREM NO MODELAMENTO DO RELEVO. • PARA CONSTRUIR ESTRADAS, ABREM TÚNEIS, CORTAM MORROS E SOTERRAM VALES. PARA PLANTAR RETIRAM A VEGETAÇÃO ORIGINAL.... • A AÇÃO HUMANA NO CAMPO, MUITAS VEZES , EXPÕE O SOLO À AÇÃO DOS VENTOS E DAS CHUVAS, O QUE INTENSIFICA O PROCESSO EROSIVO, PROVOCANDO A FORMAÇÃO DE ENORMES VALAS CONHECIDAS COMO VOÇOROCAS