• Like
Geogvsig
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Published

Apostila

Apostila

Published in Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
904
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
43
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Geotecnologias à cartografia temática: gvSIGCleverson Alexsander Reolon ASSOCIAÇÃO DOS GEÓGRAFOS BRASILEIROS SEÇÃO LOCAL DE M. C. RONDON
  • 2. CLEVERSON ALEXSANDER REOLONGEOTECNOLOGIAS À CARTOGRAFIA TEMÁTICA: gvSIG ASSOCIAÇÃO DOS GEÓGRAFOS BRASILEIROS SEÇÃO LOCAL DE M. C. RONDON 2008
  • 3. Dados Internacionais de Catalogação-na-Publicação (CIP)(Biblioteca da UNIOESTE – Campus de Marechal Cândido Rondon – PR., Brasil) Reolon, Cleverson AlexsanderR424g Geotecnologias à cartografia temática: GvSIG/ Cleverson Alexsander Reolon. – Marechal Cândido Rondon: AGB, 2008. 54 p. ISBN: 978-85-7644-128-1 1. Geografia. 2.Cartografia. 3. Sistema de Informação Geográfica.II. Título. CDD 21.ed. 526 CIP-NBR 12899Ficha catalográfica elaborada por Helena Soterio Bejio CRB-9/965
  • 4. Comissão EditorialDjoni RoosDiane Daniela GemelliFernando HeckGabriel Rodrigues da SilvaIvanildo Vieira LimaJoão Edmilson FabriniLeandro Daneluz GonçalvesLeandro Neri BortoluzziMarcelo Dornelis CarvalhalSolange Queiroz RibeiroTerezinha Brumatti Carvalhal Diretoria Executiva (Gestão 2007/2009) Diretor: Ivanildo Vieira Lima Vice-Diretor: João Edmilson Fabrini Secretários(as): Diane Daniela Gemelli Leandro Neri Bortoluzzi Tesoureiro: Marcelo Dornelis Carvalhal Walter Junior Ferrari Secretária de Publicação: Terezinha Brumatti Carvalhal Secretário de Divulgação: Djoni RoosEndereço:Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB), Seção Local de Marechal Cândido RondonRua Pernambuco, 1777 – Centro, prédio da UNIOESTEMarechal Cândido Rondon – Paraná – BrasilCEP: 85960-000Fone: (45) 3284-7870e-mail: agb_mcr@yahoo.com.br
  • 5. SUMÁRIOIntrodução........................................................................................................... 051 gvSIG ................................................................................................................ 081.1 Apresentação ................................................................................................. 081.2 Funcionamento do gvSIG............................................................................... 082 Criação de um projeto..................................................................................... 093 Criação de um documento View .................................................................... 093.1 Inserção de camadas de informações em um documento View .................... 103.2 Ajuste das propriedades de um documento View .......................................... 123.2.1 Nome e outras informações pertinentes...................................................... 133.2.2 Propriedades de medida do mapa .............................................................. 133.2.3 Projeção cartográfica................................................................................... 134 Inserção e configuração de um mapa de localização .................................. 134.1 Ajuste das propriedades visuais de um mapa de localização ........................ 145 Seleção de feições geográficas desejadas ................................................... 155.1 Seleção por intermédio do cursor................................................................... 155.2 Seleção por intermédio da tabela de atributos ............................................... 165.3 Seleção por intermédio do construtor de consultas........................................ 176 Conversão das feições selecionadas para um novo arquivo shapefile ..... 177 Ajuste das propriedades visuais de uma camada de informações ............ 197.1 Símbolo único (Unique symbols).................................................................... 207.2 Valor único (Unique values) ........................................................................... 217.3 Intervalos (Intervals) ....................................................................................... 217.3.1 Intervalos iguais (Equal intervals)................................................................ 227.3.2 Intervalos naturais (Natural intervals) .......................................................... 237.3.3 Por quantil (Quantile interval) ...................................................................... 248 Criação de um arquivo de formato shapefile................................................ 258.1 Editoração do nome e escolha do tipo de formato vetorial............................. 268.2 Configuração dos campos de atributos .......................................................... 268.2.1 Campo......................................................................................................... 278.2.2 Tipo ............................................................................................................. 278.2.3 Tamanho ..................................................................................................... 288.3 Definição do nome e caminho do arquivo shapefile ....................................... 28
  • 6. 48.4 Criação dos pontos relativos à classe de feições da nova camada deinformações.......................................................................................................... 299 Identificação das feições de uma camada de informações......................... 3110 Agregação de novos campos de atributos ao banco de dados da camada de informações ativa ...................................................................... 3311 Criação de arquivos de formato shape com o auxílio de ferramentas de geoprocessamento ....................................................................................... 3511.1 Ferramentas de análise do gvSIG................................................................ 3511.1.1 Análise de proximidade ............................................................................. 3511.1.2 Sobreposição de camadas ........................................................................ 3611.1.3 Geometria computacional.......................................................................... 3811.1.4 Agregação de polígonos............................................................................ 3811.2 Ferramentas de conversão do gvSIG........................................................... 3911.3 Criação de uma camada de informações geográficas mediante o uso da ferramenta de geoprocessamento Clip ........................................................ 3912 Criação de um documento Map ................................................................... 4212.1 Ajuste das propriedades de um documento Map ......................................... 4312.2 Inserção de elementos gráficos em um documento Map ............................. 4412.2.1 Adição de um título ao documento Map .................................................... 4512.2.2 Inserção de um documento View .............................................................. 4612.2.3 Inserção e configuração de uma escala .................................................... 4712.2.4 Inserção de um elemento de orientação geográfica.................................. 4712.2.5 Inserção e configuração de uma legenda.................................................. 4812.2.6 Inserção de um mapa de localização ........................................................ 4913 Exportação de um documento Map ............................................................. 51Considerações finais ......................................................................................... 52Referências ......................................................................................................... 53Anexo I ................................................................................................................ 54
  • 7. INTRODUÇÃO O gvSIG é um Sistema de Informações Geográficas (SIG)1 livre e decódigo aberto (open source), ou seja, ele pode ser distribuído gratuitamente e tersuas funções aprimoradas por seus usuários2. Trata-se, assim, de um software(programa de informática) interessante às universidades e demais instituiçõespúblicas do país, inclusive prefeituras, pois, além dos componentes de hardwarenecessários (o computador em si), não demanda investimentos em aquisição elicença de uso, e também não implica na aquisição de um sistema operacionalespecífico, pois roda em Windows, Linux e Mac OS, da Macintosh. O gvSIG constitui um software que se destaca, ainda, por possuirinterface amigável e pela versatilidade, oferecendo funções de geoprocessamentode camadas de informações geográficas dos tipos vetorial e raster. Tais características fizeram do gvSIG, num curto período de existência,um software amplamente aceito entre os profissionais da área de geotecnologias.Suas potencialidades indicam tratar-se de um programa que merece atenção dosbacharéis e licenciados em Geografia, haja vista a natureza desta ciência,intimamente ligada aos mapas. Visando o apoio ao desenvolvimento da ciência geográfica, o objetivodesta apostila consiste na demonstração e ensinamento dos procedimentos básicosde visualização, consulta, manipulação, tratamento e análise de informaçõesgeográficas e geração de mapas temáticos3, ou cartogramas, com uso do gvSIG.São abordadas, assim, as funções mais importantes dos SIG´s, tais como, criação eedição de camadas de informações geográficas, geoprocessamento e elaboração demapas.1 Geographic Information System (GIS), em inglês.2 Em 2007, membros da Universidad de Extremadura, da Espanha, desenvolveram uma séria deextensões que ampliam os horizontes de aplicação do gvSIG. Trata-se de um conjunto de mais de200 ferramentas de análise de dados do tipo vetorial ou raster, que podem ser incorporadas aosoftware (sem custo). Para executar o download deste conjunto de ferramentas, denominadoSextante, acesse <http://www.sextantegis.com/>.3 Mapas temáticos dizem respeito a um tipo de representação, de qualquer escala, cujo foco são asinformações exibidas em seu interior, podendo contemplar uma infinidade de objetivos, comoapresentar a distribuição populacional de uma determinada área, sua densidade demográfica, adistribuição das indústrias ou das ocorrências de alguma doença epidêmica, etc.
  • 8. 6 Optou-se pela elaboração de um material o mais didático possível, repletode exercícios práticos, para facilitar o aprendizado. Caso a execução de todos osexercícios demonstrados sejam seguidas passo a passo, ao final, ter-se-á um mapatemático semelhante ao apresentado na Figura 1. Figura 1 Inicialmente, os recursos necessários à prática dos exercícios sugeridosincluem, além do software gvSIG, as seguintes bases cartográficas: <world_car>,<fundo_oceano_car>, <br_mun_2000_car>, <uf_car> e <princ_rod_br_car> (Quadro1).
  • 9. 7 Quadro 1 Shapefile Descrição<world_car> Camada de informações que representa os limites entre os países do mundo<fundo_oceano_car> Camada que representa os oceanos<br_mun_2000_car> Camada de informações geográficas referente ao Censo Demográfico de 2000, sobre os municípios do Brasil<uf_car> Camada de informações territoriais das unidades federativas do Brasil<princ_rod_br_car> Camada ilustrativa das principais rodovias federais e estaduais do Brasil
  • 10. 1 gvSIG1.1 Apresentação O gvSIG é um Sistema de Informações Geográficas (SIG) caracterizadocomo software livre, podendo ser redistribuído ou modificado sob os termos daGenaral Public License (GNU GPL)4. Este software, que continua a ser aprimorado,fora lançado em 2005, tendo sido desenvolvido pelas instituições espanholasGeneralitat Valenciana e Iver Tecnologias de la Información S.A., dentre outroscolaboradores e co-financiadores, como a União Européia. O gvSIG busca satisfazer as demandas dos usuários finais deinformações geográficas, em especial as demandas dos profissionais das áreas deplanejamento do setor público. Todavia, devido ao seu conjunto de funções, ele setornou extremamente interessante para o uso acadêmico e profissional na área degeografia, dentre outras afins. Dentre os formatos de arquivos vetoriais suportados pelo gvSIG, estão:.shp, .dfx, .dwg 2000 e dgn. Embora, nesta apostila, não se incluam exemplos deutilização de camadas de informações cujos dados são de formato raster, o gvSIGtambém suporta este tipo de arquivo, tais como images tiff, .jpg, .ecw, mrsid, etc.1.2 Funcionamento do gvSIG Um arquivo do gvSIG, que pode ser caracterizado como <projeto>, possuiextensão denominada <.gvp>. Cada projeto oferece suporte a três tipos dedocumentos: View, Table e Map. Todos os três documentos estão agrupados nogerenciador de projetos <Project manager> do programa. O documento View, ou Vista em português, corresponde ao local onde ascamadas de informações geográficas são visualizadas, manipuladas, organizadas eanalisadas, e também onde podem ser criadas ou editadas as feições de uma4 Para saber mais sobre as modalidades de licença de softwares, ver Uchoa e Ferreira (2004).
  • 11. 9camada de informações. Table, ou Tabela, diz respeito ao documento onde sevisualiza, cria-se ou se edita a tabela de atributos de uma camada de informaçõesgeográficas; este documento também pode ser acessado a partir do View.Finalmente, o documento Map, também conhecido em outros SIG´s como Layout,corresponde ao local onde o usuário prepara os mapas para impressão. Um único projeto do gvSIG pode conter vários Views, Tables e Maps.2 Criação de um projeto Para criar um projeto no gvSIG basta abrir o programa e, mesmo antes dese adicionar qualquer camada de informações ao documento View, escolher a opção<Save project>, do menu <File>, da janela inicial. Posteriormente, deve-se atribuirum nome para o arquivo e indicar o caminho da pasta em que ele será salvo. Érecomendável que esta operação seja executada e que o projeto seja salvo a cadaprocedimento realizado.3 Criação de um documento View Ao abrir o gvSIG, além de poder visualizar a barra de menus e deferramentas de sua janela inicial, o usuário deverá estar diante do gerenciador deprojetos <Project manager>. Nesta janela, deverá ser selecionada a opção <View> epressionado o botão <New>. Por padrão, o título atribuído automaticamente ao novodocumento View será <Untitled - 0>, podendo-se renomeá-lo por meio da opção<Rename> (Figura 2)5.5 Recomenda-se a execução dos exercícios sugeridos observando-se atentamente os procedimentosilustrados nas figuras.
  • 12. 10 Figura 2 Para acessar o documento criado, marque-o e clique em <Open>.3.1 Inserção de camadas de informações em um documento View Para adicionar camadas de informações geográficas em um documentodo tipo View, escolha a opção <Add layer>, do menu View, ou clique sobre o ícone<Add layer> , da barra de ferramentas da janela do documento ativo. A janela<Add layer> será aberta, então, escolha a opção <Add> e, na janela <Open>,procure e selecione as camadas de informações que deseja adicionar ao projeto(Quadro 1), clicando, posteriormente, sobre o botão <Open>. A tecla <Ctrl>, quandomantida pressionada, permite a seleção simultânea de arquivos (Figura 3).
  • 13. 11 Figura 3Figura 4 Novamente na janela <Add Layer>, percebe-se que as camadas de informações nem sempre são sobrepostas de maneira ideal pelo gvSIG, de modo que algumas, referentes a níveis territoriais de maior grandeza, acabam encobrindo as demais. Para organizá-las, basta selecionar a camada cuja posição deseja-se alterar e clicar sobre os botões <Up> ou <Down> (Figura 4), ou então, na janela principal do documento View, selecionar a camada de
  • 14. 12informações, presente na tábua de conteúdos do documento ativo, e arrastá-la paraa posição pretendida (Figura 5). Figura 53.2 Ajuste das propriedades de um documento View É recomendável que as propriedades do documento View sejamajustadas após a inserção de, pelo menos, uma camada de informações geográficasno projeto. Figura 6 As propriedades do documento sãoexibidas na janela <View properties> (Figura 6),que pode ser acessada a partir do gerenciador deprojetos, clicando-se sobre o botão de comando<Properties>, do quadro <View>, depois deselecionar o documento pretendido. Também sepode acessar as propriedades do documento apartir da opção <Properties>, do menu <View>, dajanela principal do documento ativo.
  • 15. 133.2.1 Nome e outras informações pertinentes: Como pode ser observado naFigura 6, na própria janela <View properties> é possível alterar o nome dodocumento e sua data e hora de criação, nomear seu autor e realizar comentáriosdiversos.3.2.2 Propriedades de medida do mapa: A opção <Map units: Measuring Units>,da janela <View properties>, se destina à informação das unidades de medida dodocumento. Selecione a opção quilômetros <Kilometers> para ambos os casos.3.2.3 Projeção cartográfica: Em alguns casos, especialmente pelo fato de o gvSIGter sido desenvolvido na Europa, é necessário alterar a modalidade de projeçãoutilizada pelo programa. Caso este procedimento não seja realizado, a escala podeapresentar problemas de representação. Figura 7 Sendo assim, na janela <View properties>, clique sobre o botão que se refere à opção <Current projection> e, na janela <Choose reference system>, mude a forma de projeção para Geodésica; pressione o botão <Accept> para confirmar a operação (Figura 7)6.4 Inserção e configuração de um mapa de localização A inserção de um mapa de localização em um documento View e,consequentemente, em um projeto, consiste num processo semelhante à adição decamadas de informações geográficas ao documento View. Primeiramente, escolha aopção <Configure locator map>, do menu View. Na janela <Configure locator ...>,6 No gvSIG 1.1, utilizar o seguinte Sistema Referencial de Coordenadas (Coordinate ReferenceSystem): Tipo - ESRI; Code - 104000; Name - GCS_Assumed_Geographic_1.
  • 16. 14clique sobre o botão <Add layer>. Em seguida, na janela <Add layer>, escolha oarquivo que será utilizado como mapa de localização. Antes de finalizar a operação,porém, deve-se adequar a forma de projeção geográfica do mapa de localização aomodo de projeção escolhido para a apresentação das camadas de informaçõesanteriormente adicionadas ao documento View. Sendo assim, ainda na janela <Addlayer>, clique sobre o botão de comando <Current projection> e repita osprocedimentos abordados no item 3.2.3 desta apostila (Figura 8). Figura 84.1 Ajuste das propriedades visuais de um mapa de localização O ajuste das propriedades visuais de um mapa de localização segue omodo de ajuste das propriedades visuais de uma camada de informaçõesgeográficas7.7 Ver item 7 desta apostila.
  • 17. 155 Seleção de feições geográficas desejadas O primeiro passo para a elaboração do mapa proposto no início destaapostila é criar uma camada de informações referente ao estado do Paraná. Estacamada, a princípio, não existe, mas sabe-se que as informações contidas em<br_mun_2000_car> são convenientes, embora o nível territorial de sua coberturadiga respeito a todos os municípios do Brasil. É possível, todavia, selecionar ospolígonos e informações referentes aos municípios do estado do Paraná e convertê-los para um novo arquivo do tipo shapefile.5.1 Seleção por intermédio do cursor A seleção de polígonos, no caso deste exemplo, assim como de linhas epontos, pode ser feita mediante o uso do cursor (Figura 9). Figura 9
  • 18. 16 Existem três formas de se realizar este tipo de seleção: por ponto, porretângulo ou por polígono. Os ícones que se referem a essas formas de seleção são,respectivamente, <Select by point> , <Select by rectangle> , e <Select bypolygon> . Não obstante, este tipo de seleção é viável apenas quando não envolveum conjunto numeroso de feições.5.2 Seleção por intermédio da tabela de atributos Para realizar uma seleção de polígonos a partir da tabela de atributos,ative a camada desejada clicando sobre a mesma, na tábua de conteúdos do View,e pressione o ícone <Show attributes of selected layers> , presente na barra deferramentas do documento. No documento Table, que, como visto, também pode seracessado a partir do gerenciador de projetos do gvSIG, marque os registrospretendidos utilizando o mouse enquanto mantém pressionadas as teclas <Ctrl> ou<Shift> (Figura 10). Figura 10 A classificação de registros de forma ascendente ou descendente,conforme o valor de seus atributos, pode ser útil ao se realizar determinadasseleções de feições. Para utilizar estas funções, escolha o campo de atributos a ser
  • 19. 17classificado e clique sobre os ícones <Sort by selected field in ascending order> 8ou <Sort by selected field in descending order> .5.3 Seleção por intermédio do construtor de consultas Figura 11 O construtor de consultas dogvSIG consiste uma excelente maneira dese realizar seleções de feições, sejamsimples ou complexas. Para utilizá-lo,clique sobre o ícone <Filter> , presentena barra de ferramentas dos documentosView ou Table e, em seguida, na novajanela que irá se abrir, utilize os critériosadequados para montar a linha decomando que irá apontar quais polígonos da camada <br_mun_2000_car> devemser selecionados. Para finalizar a operação, clique sobre o botão <New set> (Figura11).6 Conversão das feições selecionadas para um novo arquivo shapefile Para converter os polígonos selecionados anteriormente em um novoarquivo de formato vetorial do tipo shapefile, selecione a opção <SHP>, do comando<Export to ...>, no menu <Layer>. Pressione o botão <Ok> da caixa de diálogo<Export to ...> caso o número de polígonos selecionados esteja correto. Em seguida,na janela <Save>, indique o caminho, atribua um nome para o arquivo que serágerado e clique em <Save>. Ao final da operação, o usuário será questionado sedeseja adicionar a nova camada de informações gerada ao documento View ativo:pressione o botão <Yes> da caixa de diálogo correspondente (Figura 12).8 A descrição da nomenclatura dos campos da tabela de atributos da camada de informaçõesgeográficas <br_mun_2000_car> está presente no Anexo I.
  • 20. 18 Figura 12 Repare que a nova camada passará a figurar na tábua de conteúdos dodocumento ativo, sobrepondo as demais (Figura 13). Figura 13
  • 21. 19 Realizada a operação, é recomendável que se limpe a seleção depolígonos da camada <br_mun_2000_car>, ativando esta camada e clicando-sesobre o ícone <Clear selection> , da barra de ferramentas.7 Ajuste das propriedades visuais de uma camada de informações Figura 14 Para se ajustar as propriedades visuais de uma camada de informações geográficas é preciso clicar sobre a camada desejada, situada na tábua de conteúdos, com o botão direito do mouse e, no menu de contexto, escolher a opção <Properties>. A janela<Layer properties> se abrirá (Figura 14). Além de dispor informações sobre a camada de informações ativa, ajanela <Layer properties> oferece a opção de renomeá-la, em <Name:>. O modo deapresentação de cada camada deve ser ajustado na aba <Symbols>. O gvSIG disponibiliza opções para organizar as informações geográficasde cada tabela conforme símbolos únicos, valores únicos e intervalos, ou faixas devalores. Levando-se em consideração os próximos itens explicativos, aspropriedades visuais de todas as camadas de informações, já presentes na tábua deconteúdos, devem ser configuradas de acordo com o mapa proposto na Figura 1.
  • 22. 207.1 Símbolo único (Unique symbols) Permite configurar um modo de apresentação padrão para o conjunto depolígonos que compõem a classe de feições da camada de informações geográficasativa. O gvSIG possibilita escolher a cor e o tipo de preenchimento dospolígonos de uma classe de feições e também a cor, o tipo e a espessura de suaslinhas. Dois recursos importantes desta função são os modos <Transparency>, quepermite tornar transparente o preenchimento de um polígono, e <Sincronize color ofstroke and fill:>, que faz com o sistema altere a cor da linha segundo a cor depreenchimento escolhida (Figura 15). Figura 15 Os botões <Apply> e <Accept> devem ser utilizados para aplicar aspropriedades visuais atribuídas a uma camada de informações.
  • 23. 217.2 Valor único (Unique values) Esta opção permite configurar as propriedades visuais de uma camadaativa de modo que cada feição poligonal que a compõe ilustre o valor do atributoselecionado correspondente (Figura 16). Figura 16 Após selecionar o campo de atributos <Classification field>, cujos valoresserão utilizados como referência para a configuração da legenda, clique sobre obotão de comando <Add all> para adicionar todos os registros, ou <Add> paraadicionar registros manualmente à legenda; desmarque a caixa de seleção da opção<Other values>.7.3 Intervalos (Intervals) Nesta opção é possível ajustar a legenda de uma camada para que osvalores numéricos de determinado campo de atributos sejam agrupados por
  • 24. 22categorias, ou faixas de valores. Pode-se optar entre três modos de cálculo para adivisão do conjunto de valores de uma camada em categorias: intervalos iguais<Equal intervals>, naturais <Natural intervals> e por quantil <Quantile interval>.7.3.1 Intervalos iguais (Equal intervals): Utilizando este método, o gvSIG criaráintervalos cuja soma dos valores dos registros que os integram será igual em todosos casos. Ou seja, supondo que a amplitude dos valores do campo de atributosescolhido para ilustrar o mapa temático seja 50, compreendidos entre 1 e 51, e sequeira criar uma legenda com 5 intervalos iguais, o gvSIG o fará de modo que asoma dos valores de cada intervalo corresponda a 10 (Figura 17). Figura 17 Este método é útil quando se pretende enfatizar o valor de um atributo emrelação aos demais.
  • 25. 23 Após escolher o campo de atributos <Classification field> pretendido,selecione a opção <Equal intervals>, no campo <Interval type>, as cores – <Begincolor> e <End color> – e o número de intervalos desejados – <Nr of intervals> – eclique no botão <Compute intervals>. Os botões <Accept> ou <Apply> aplicam alegenda definida.7.3.2 Intervalos naturais (Natural intervals): Este é o modo padrão utilizado pelogvSIG para calcular os intervalos do conjunto de valores de um determinado campode atributos de uma camada de informações e, quase sempre, a melhor maneira derepresentar informações numéricas em um mapa temático. A cada quebra deinformação o gvSIG constrói uma nova faixa de valores, de acordo com a quantidadede faixas indicada pelo usuário (Figura 18). Figura 18 Após escolher o campo de atributos <Classification field>, selecione omodo de classificação a ser utilizado <Interval type>, indique as cores e o número de
  • 26. 24intervalos pretendidos e pressione o botão <Compute intervals>. Os botões<Accept> ou <Apply> aplicam a legenda definida.7.3.3 Por quantil (Quantile interval): Selecionando-se esta opção, cada classe devalores da legenda possuirá a mesma quantidade de registros. A forma de cálculodos limiares e limites de cada faixa, não se considerando quebras de valores, poderesultar em situações em que registros cujo valor do campo de atributos seja baixoe, mesmo assim, figurem no mesmo intervalo dos registros cujo valor do campo deatributos selecionado seja alto. A indicação de uma grande quantidade de faixaspode minimizar este problema (Figura 19). Figura 19 Desde que o conjunto de valores de um determinado campo de atributosesteja linearmente distribuído, este tipo de classificação pode ser útil quando sepretende enfatizar a posição de um determinado valor entre os demais.
  • 27. 25 A utilização desta opção requer, como as demais, a indicação do campode atributos numéricos, as cores e o número de intervalos desejado.8 Criação de um arquivo de formato shapefile Após configurar as propriedades visuais de todas as camadas deinformações já adicionadas ao projeto, será necessário criar uma nova camadabaseada em um arquivo vetorial do tipo shapefile, correspondente às cidades deporte médio do estado do Paraná. Uma dica para facilitar o processo é a construçãode uma consulta para ressaltar os polígonos cujos valores do campo de atributos depopulação total, residente em 2000, sejam iguais ou superiores a 100.000 (Figura20)9. Figura 209 Ver item 5.3.
  • 28. 26 Em seguida, selecione o comando <Nuevo SHP>, na opção <New layer>,do menu <View>.8.1 Editoração do nome e escolha do tipo de formato vetorial Figura 21 Na janela <Newlayer>, que se abrirá, atribuaum nome para a camada deinformações que será criada etambém selecione a formageométrica de suas feições,conforme demonstrado naFigura 21. O nome atribuído àcamada será o mesmo queirá identificá-la na tábua de conteúdos. Clique no botão <Next> para prosseguir.8.2 Configuração dos campos de atributos Posteriormente à operação anterior, será necessário definir os campos deatributos correspondentes aos registros da camada de informações geográficas quese está criando.
  • 29. 27 Figura 22 Clique no botão <Add field> para adicionar um campo de atributos à tabela. Pressione o botão do mouse duas vezes sobre o nome do campo para renomeá-lo e, em seguida, escolha o tipo de informação que ele irá conter, assim como tamanho dessainformação (em caracteres) (Figura 22).8.2.1 Campo (Field): O nome do campo de atributos não deve possuir mais quenove caracteres – o que também é válido para outros SIG’s.8.2.2 Tipo (Type): Cada campo de atributos do gvSIG pode conter informações deformato binário <Boolean>, de data <Date>, numérico – <Integer> e <Double> – oude texto <String>. Boolean: representa um tipo especial de informação, como verdadeiro ou falso, sim ou não, etc.; Date: é um tipo especial de dado numérico, representado por datas; Integer: corresponde a um tipo de informação numérica que inclui qualquer espécie de número, positivo ou negativo, desde que não seja fracionado; Double: diz respeito a qualquer tipo de número, seja positivo ou negativo, inteiro ou fracionado;
  • 30. 28 String: designa caracteres do tipo texto, utilizados para descrever as características nominais ou para adjetivar as feições que compõem uma camada de informações geográficas.8.2.3 Tamanho (Lenght): O tamanho do valor de um atributo é medido emcaracteres, como mencionado anteriormente.8.3 Definição do nome e caminho do arquivo shapefile Depois de configurar os campos de atributos da tabela correspondente àcamada de informações geográficas que se está criando e pressionar o botão<Next>, indique o nome e o local onde o arquivo shapefile deverá ser armazenado(Figura 23).
  • 31. 29 Figura 23 Posteriormente à indicação do nome e caminho do arquivo clique em<Save> e, na próxima janela, em <Finish>, para finalizar a operação.8.4 Criação dos pontos relativos à classe de feições da nova camada de informações O próximo passo será indicar a localização geográfica dos vários pontosque, juntos, irão compor a classe de feições da camada de informações do novoarquivo shapefile que se está criando. Note que a janela principal do gvSIG se alterou, estando destacado, emvermelho, na tábua de conteúdos, o nome da nova camada de informaçõesgeográficas (isto ocorre porque ela ainda está sendo editada). Selecione o ícone<Point> , da barra de ferramentas de edição, e clique sobre os polígonosanteriormente selecionados, correspondentes aos municípios com população total
  • 32. 30igual ou superior a 100.000 habitantes, para definir a localização de cada ponto(Figura 24). Figura 24 Posteriormente, para nomear os pontos de acordo com os municípioscorrespondentes, abra o documento Table, pressionando o ícone <Show attributesof selected layers> . Para facilitar este processo, insira etiquetas de identificaçãonos polígonos da camada correspondente aos municípios do Paraná <Populaçãototal 2000>10. Note que, ao clicar sobre um registro qualquer, o ponto correspondenteserá selecionado no documento View, facilitando o processo de nomeação (Figura25).10 Para saber como identificar as feições de uma camada de informações geográficas, veja o item 9desta apostila.
  • 33. 31 Figura 25 Figura 26 Depois de nomear todos os pontos criados, clique sobre o nome da nova camada de informações geográficas, na tábua de conteúdos, com o botão direito do mouse e, no menu de contexto, escolha a opção <Finish edition> para finalizar o processo (Figura 26). Na caixa de diálogo seguinte, para confirmar a operação de gravação dacamada de informações criada, pressione o botão <Yes>.9 Identificação das feições de uma camada de informações O processo de identificação das feições de uma camada de informaçõesgeográficas qualquer equivale ao ato de adicionar etiquetas a essas feições. As
  • 34. 32informações de cada etiqueta correspondem ao valor que cada registro possui emrelação a um determinado campo de atributos. Figura 27 Para identificaras feições de umadeterminada camada deinformações geográficasacesse as propriedadesda mesma, clicando como botão direito do mousesobre seu nome, dispostona tábua de conteúdosdo documento View, eescolhendo a opção<Properties>, do menude contexto. Na janela<Layer properties>, quese abrirá, selecione a aba<Symbols> e marque acaixa de seleção<Labelling>. Após, marque a opção <Enable labelling> e escolha a o campo deatributos desejado, na opção <Labelling field>. Repare que também é possívelescolher o tipo, o tamanho e a cor da fonte dos textos de identificação (Figura 27). Caso a camada de informações identificada possua muitos registros, istoé, haja muitas feições, de modo que os textos de identificação acabem sobrepondouns aos outros, aplique um zoom sobre o mapa, selecionando o ícone <Zoom In> , da barra de ferramentas, e marcando a área do mapa a ser visualizada deforma aproximada (Figura 28).
  • 35. 33 Figura 2810 Agregação de novos campos de atributos ao banco de dados da camada de informações ativa Quando a camada de informações <Cidades de porte médio> fora criada,adicionou-se um único campo de atributos ao seu banco de dados, visando-se,simplesmente, identificar cada um dos polígonos que formavam sua classe defeições. Mas, como um dos objetivos práticos propostos nesta apostila é criar ummapa que, dentre outras informações, ilustre a distribuição das cidades de portemédio paranaenses, segundo as classes de tamanho de sua população, deve-se,agora, adicionar um novo campo de atributos a tal camada, especificando-se otamanho populacional de cada município.
  • 36. 34 Figura 29 Sendo assim, ative a camada de informações anteriormente criada, denominada <Cidades de porte médio>, clique sobre ela utilizando o botão direito do mouse e escolha a opção <Start edition>, do menu de contexto. Posteriormente, migre para o documentoTable, clicando sobre o ícone <Show attributes of selected layers> , da barra deferramentas, e escolha o comando <Manage fields> do menu Table. A janela <Fieldmanager> se abrirá (Figura 29). Figura 30 Clique sobre o botão <New field> e, na janela<New field properties>, atribua um nome para o campode atributos que está sendo criado, além de selecionar otipo e o tamanho da informação que ele irá conter (Figura30). Figura 31 Finalmente, de volta à tela principal do documento Table, atribua um valor para cada registro disposto na camada de informações geográficas denominada <Cidades de porte médio> (Figura 31). Nesta etapa, caso de desconheça a quantidade de pessoas residentes em cada município no ano de 2000, o Estatcartpode ser utilizado como ferramenta de auxílio.
  • 37. 35 Para finalizar a operação, retorne ao documento View, clique sobre acamada editada com o botão direito do mouse e, no menu de contexto, selecione aopção <Finish edition>. O usuário será questionado se deseja ou não salvar asmodificações efetuadas: pressione o botão <Yes> para confirmar. O próximo passo será ajustar as propriedades visuais desta camada deinformações. Para tanto, observe a Figura 1 e siga os procedimentos abordados noitem 7 desta apostila.11 Criação de arquivos de formato shape com o auxílio de ferramentas de geoprocessamento De um modo geral, pode-se dizer que a manipulação e análise deinformações geográficas, com utilização de um SIG, consistem operações degeoprocessamento. Operações típicas dessa natureza, como de análise ouconversão, resultam na criação de camadas de informações geográficas derivadasde camadas existentes, normalmente já adicionadas a um determinado projeto. OgvSIG, pelo conjunto de ferramentas de geoprocessamento que apresenta, tanto nocampo de análise quanto de conversão, pode ser considerado um ótimo SIG.11.1 Ferramentas de análise do gvSIG O gvSIG possui várias ferramentas de análise de informaçõesgeográficas, possibilitando a realização de operações de cálculo de proximidade, desobreposição de camadas, de geometria e de agregação.11.1.1 Análise de proximidade: As ferramentas de análise de proximidade dogvSIG são Buffer e Spatial join:
  • 38. 36 Figura 32 Buffer: cria uma zona disposta em torno de uma feição geográfica, em formato de ponto, linha ou polígono, cuja extensão fora calculada em unidades de distância ou tempo. A utilização deste comando implica a criação de um novo polígono ou conjunto de polígonos de formato vetorial eqüidistantes entre si. Caso a camada de origem consista num polígono, os buffers podem ser internos, externos ou ambos (Figura 32). Figura 33 Spatial join: esse tipo de operação de geoprocessamento é utilizada para transferir atributos de uma camada de informações a outra. O critério utilizado para transferir informações, neste caso, é espacial, consistindo em interseção ou proximidade (Figura 33).11.1.2 Sobreposição de camadas: A sobreposição de camadas pode ser realizadacom o auxílio das ferramentas Clip, Difference, Intersect e Union:
  • 39. 37 Figura 34Clip: esta ferramenta permite, literalmente,aparar uma feição qualquer ou uma classede feições com base nos limites espaciaisde uma outra camada de informaçõesgeográficas. A camada resultante desteprocesso irá possuir os mesmos atributosque a camada de origem, já que apenas asformas geométricas da camada são afetadas (Figura 34). Figura 35Difference: consiste num processo desobreposição realizado com duascamadas de informações geográficas deformato vetorial: uma camada de origem eoutra de sobreposição. Este processo éutilizado quando se deseja extrair dageometria de uma determinada camada deinformações a parte que é sobreposta por outra camada (Figura35). Figura 36Intersect: assim como a ferramentaanterior, esta também pode ser utilizadaapenas mediante a escolha de duascamadas de formato vetorial. Porém,diferentemente da ferramenta Difference,esta operação faz com que apenas ageometria da camada de origem queestiver sobreposta pela camada escolhida para este fim sejapreservada. Ambas as ferramentas, Intersect e Difference nãointerferem na base de dados, ou tabela de atributos, da camada
  • 40. 38 resultante, que irá preservar os atributos da camada de origem (Figura 36). Figura 37 Union: este tipo de operação é utilizada para unir as tabelas de atributos e as feições de duas camadas de informações geográficas vetoriais (Figura 37).11.1.3 Geometria computacional: A ferramenta Convex Hull é disponibilizada pelogvSIG para a análise de geometria computacional. Figura 38Basicamente, o gvSIG une os pontos geométricos extremosde uma determinada camada, criando uma única feição degeometria poligonal (Figura 38). Esta ferramenta pode sermuito útil quando se deseja determinar a espacialidadeaproximada de ocorrência de um determinado fenômeno emestudo.11.1.4 Agregação de polígonos: O gvSIG possui a ferramenta Dissolve paraagregar feições poligonais de uma determinada camada de informações geográficas(Figura 39).
  • 41. 39 Figura 39Esta operação de geoprocessamento requer, portanto, ouso de apenas uma camada, cujas feições devem possuirformato poligonal. A camada resultante terá os polígonosunidos conforme a semelhança de valor dos atributos de umdeterminado campo selecionado pelo usuário.11.2 Ferramentas de conversão do gvSIG Dentre as ferramentas de conversão de camadas disponibilizadas peloprograma, uma das mais usuais diz respeito à operação Merge, embora existamoutras. Figura 40 Este tipo de operação de geoprocessamentopode ser realizada mediante a escolha simultânea de váriascamadas de informações geográficas, desde que suasfeições possuam o mesmo formato vetorial. O gvSIG irájuntar as feições e as tabelas de atributos das camadas deinformações selecionadas, todavia, o usuário deveráinformar qual base de dados deverá ser mantida peloprograma, já que uma camada de informações pode conter apenas uma tabela(Figura 40).11.3 Criação de uma camada de informações geográficas mediante o uso da ferramenta de geoprocessamento Clip Como exemplo de emprego de uma ferramenta de geoprocessamento,propôs-se limitar a espacialidade geométrica da classe de feições da camada deinformações que ilustra as principais rodovias do Brasil aos limites geográficos doestado do Paraná (Figura 41).
  • 42. 40 Figura 41 Figura 42 Sendo assim, clique sobre o ícone <Geoprocessing Wizard> , presente na barra de ferramentas do documento View, ou acesse o menu View e escolha o comando de mesmo nome. A janela <Analisys Tools> deverá se abrir (Figura 42). Marque a caixa de seleção correspondente à opção <Clip> e pressione o botão <Next>. Na próxima janela, escolha a camada de origem das informações que sepretende manipular e também aquela que será utilizada para limitar a espacialidadede suas feições. Por fim, clique sobre o botão <Choose>, informe o caminho eatribua um nome para a nova camada de informações geográficas resultante daoperação de geoprocessamento em realização. O botão <Finish> deve ser utilizadopara finalizar a operação, porém, antes que ela seja executada, o usuário seráquestionado se deseja ou não criar um indexador entre a camada de origem e acamada resultante: pressione o botão <No>, da caixa de diálogo correspondente(Figura 43).
  • 43. 41 Figura 43 Os últimos passos serão ajustar as propriedades visuais da nova camadade informações criada e adicionada ao projeto e alterar o modo de sobreposição dascamadas presentes na tábua de conteúdos (Figura 44).
  • 44. 42 Figura 4412 Criação de um documento Map Assim como o documento View, o documento Map é criado a partir dogerenciador de projetos <Project manager> do gvSIG. Nesta janela, deve-seselecionar a opção <Map> e pressionar o botão <New>. Por padrão, o títuloatribuído automaticamente ao novo documento Map será <Untitled - 0>. Renomeie-oclicando no botão <Rename> (Figura 45).
  • 45. 43 Figura 45 Para acessar o documento criado, clique em <Open>.12.1 Ajuste das propriedades de um documento Map Figura 46Após acessar o documento Map criado, a primeiracoisa a se fazer deve ser configurar sua página.Sendo assim, clique sobre o ícone <Prepare page> , da barra de ferramentas. Em seguida, na janela<Prepare page>, que irá se abrir, defina o tamanhoda página <Page Size>, suas unidades de medida<Measuring units>, a orientação do papel<Orientation>, a espessura das margens <Margins>e o modo de resolução do mapa <Resolution of the result> (Figura 46). Para finalizara operação, pressione o botão de comando <Accept>.
  • 46. 4412.2 Inserção de elementos gráficos em um documento Map A princípio, o documento Map criado deverá estar em branco (Figura 47),significando que o usuário deverá adicionar manualmente os elementos gráficosdesejados. Figura 47 Em relação à elaboração de uma mapa qualquer, o gvSIG possui grandevantagem em relação a muitos softwares similares, pois oferece, ao usuário, grandecontrole sobre os elementos gráficos do mapa, sendo possível manipulá-los econfigurá-los da maneira desejada. Além de objetos gráficos de variados formatos, tais como pontos,retângulos, círculos, linhas, polilinhas e polígonos, e figuras variadas, de extensão.jpeg, .jpg, .gif, .png, .bmp e .svg, o gvSIG permite adicionar, no documento Map,
  • 47. 45elementos cartográficos essenciais a um mapa, como título e outras informaçõestextuais definidas pelo usuário, mapa de localização (criado no documento View),legenda, escala gráfica e numérica e elementos de orientação geográfica, além domapa principal, obviamente.12.2.1 Adição de um título ao documento Map: Para adicionar um título aodocumento Map, clique sobre o ícone <Insert text> , da barra de ferramentas,marque a área da página que deverá conter o texto e, na janela <Properties of text>,descreva o título e escolha as características de letra. Para selecionar o tipo e definiras características da fonte que será utilizada, clique sobre o botão de comando<Font>, fazendo com que se abra a janela <Select font> (Figura 48). Figura 48
  • 48. 46 Além das ações sugeridas, na janela <Porperties of text>, também épossível alterar a cor do título, modificar seu grau de inclinação, definir o modo dealinhamento do texto em relação à sua caixa, adicionar margens e definir um títulode descrição para o mesmo. Quando as propriedades visuais do título do mapaestiverem devidamente configuradas, pressione o botão <Ok>. Após, ajuste a posição da caixa de texto do título do mapa em relação àpagina. Para tanto, clique sobre o ícone, presente na barra de ferramentas, querepresenta a ferramenta de seleção <Select by rectangle> ou <Size/position> , pressione o botão do mouse sobre o elemento gráfico desejado, selecionando-o, e, mantendo o botão pressionado, arraste esse elemento para a nova posição. Caso se deseje excluir um elemento gráfico qualquer do mapa, bastaselecioná-lo e clicar no ícone <Clear selection> .12.2.2 Inserção de um documento View: Para adicionar um documento View aomapa, clique sobre o ícone <Insert view> , marque a área da página que deverácontê-lo e, na janela <Properties of view framework>, selecione o documento Viewdesejado, o modo de definição de sua escala e sua qualidade de apresentação.Pressione o botão <Accept> para finalizar a operação (Figura 49). Figura 49
  • 49. 4712.2.3 Inserção e configuração de uma escala: Para inserir uma escala nodocumento Map, clique no ícone <Insert scale> , marque a área da página quedeverá abrigar este elemento gráfico e, na janela <Properties of scale bar>, definasuas propriedades visuais e de configuração (Figura 50). Figura 50 O usuário deverá selecionar o documento View que deverá estar relacionado com a escala que se está criando, definir o tipo e as propriedades de apresentação e visuais da escala, além da unidade de medida sob a qual deverá ser elaborada – existe mais de um modelo de escalae várias unidades de medida disponíveis para escolha, sendo: metros, centímetros,milímetros, milhas, jardas, pés e polegadas. Por fim, marque a caixa de seleção <Onthe scale bar>, referente à opção <Lables>, para apresentar os textos descritivos daescala. Pressione o botão <Accept> para finalizar a operação. Embora seja possível substituir a escala gráfica pela numérica, ouapresentar a escala numérica juntamente com a gráfica, marcando-se a caixa<Show numeric scale>, da opção <Scale>, da janela <Properties of scale bar>, esteprocedimento é recomendado apenas para casos em que o mapa em elaboraçãonão será mais redimensionado.12.2.4 Inserção de um elemento de orientação geográfica: Elementos deorientação geográfica são obrigatórios para todos os mapas de pequena escala.Quando um mapa qualquer não apresentar um elemento de orientação geográfica,deve-se concluir que sua parte superior esteja voltada para o norte.
  • 50. 48 Figura 51 Para inserir um elemento de orientaçãogeográfica, clique sobre o ícone <Insert north> ,defina sua posição em relação à página e, na janela<Porperties of image framework>, que se abrirá,escolha o modelo do elemento de orientaçãodesejado, selecione o documento Viewcorrespondente e pressione o botão <Ok> parafinalizar a operação.12.2.5 Inserção e configuração de uma legenda: Para adicionar uma legenda aodocumento Map, clique sobre o ícone <Insert legend> , marque a área da páginaque deverá contê-la e, na janela <Properties of legend framework>, selecione odocumento View correspondente e as camadas de informações que deverão integrá-la (Figura 52). Figura 52 Pressione o botão <Font> para definir o modelo e característica dos textos da legenda. Por fim, pressione o botão <Ok> para finalizar aoperação. A aparência da legenda apresentada no documento View pode sermelhorada caso os elementos que a compõem sejam desagrupados e configuradosindividualmente. Para realizar esta operação, selecione a ferramenta <Select byrectangle> , clique com o botão direito do mouse sobre a legenda criada eselecione a opção <Simplify legend>, do menu de contexto que irá se abrir. A Figura53 ilustra o estágio de elaboração do mapa e o processo anteriormente descrito.
  • 51. 49 Figura 53 A partir de então, cada elemento gráfico que compõe a legenda poderáser configurado individualmente, na janela de propriedades correspondente,mediante um duplo clique do mouse sobre o mesmo.12.2.6 Inserção de um mapa de localização: Para finalizar o mapa que está sendocriado, deve-se adicionar um mapa de localização ao documento Map ativo.Salienta-se que este mapa de localização já deve ter sido elaborado no documentoView.
  • 52. 50 Figura 54 Clique sobre o ícone<Insertar_localizador> , da barraferramentas do documento Map11. Marque aárea da página onde o mapa de localizaçãodeverá ser inserido e, na janela<propriedades_marco_localizador>,selecione o documento View que contém o elemento que se deseja adicionar aomapa. Para finalizar a operação, pressione o botão <Accept> (Figura 54). Para adicionar uma borda externa ao mapa de localização inserido, cliqueno ícone <Graphic line> e, na janela <Graphic line settings>, marque a caixa deseleção da opção <Place around the graphics selected>, determine 0 (zero) para adistância, na opção <Equal displacement for all sides>, e pressione o botão<Accept> para finalizar a operação. Caso se queira determinar o tipo da linha decontorno a ser utilizada, sua cor e espessura, clique no botão <Configure> (Figura55).11 Devido a um erro de programação do software, este comando não possui descrição em inglês.
  • 53. 51 Figura 5513 Exportação de um documento Map Figura 56 Um documento Map podeexportado para dois formatos de arquivo:PDF (documento do Adobe Acrobat) ouPS (arquivo PostSript). Para exportar umdocumento Map para qualquer um dosformatos mencionados, clique sobre osícones <Export to pdf> ou <Export tops> e, na janela <Save>, determine onome e o caminho do arquivo que será gerado. Clique em <Save> para finalizar aoperação (Figura 56).
  • 54. CONSIDERAÇÕES FINAIS Um Sistema de Informações Geográficas (SIG) permite oarmazenamento, agregação, atualização, visualização e análise de informaçõesgeográficas, podendo ser útil para identificação de relacionamentos, padrões etendências, auxiliando o encaminhamento de soluções para determinadosproblemas. O gvSIG, como se pode perceber, cumpre tais funções, satisfazendo asexpectativas de muitos usuários de geotecnologias. Buscou-se, nesta apostila, abordar apenas as funções básicas dos SIG’s,disponibilizadas pelo gvSIG. Outras funções deste software, incluindo aquelasagregadas pelas extensões que têm sido desenvolvidas, como o conjunto deferramentas Sextante, podem ser aprendidas de modo intuitivo pelos usuários quedemonstrarem interesse em comprometer parte de seu tempo livre semanal. As qualidades e potencialidades do gvSIG, conforme citadas no iníciodesta apostila, são muitas, valendo a pena reiterar o fato de ser um software livre.Essa característica faz do gvSIG um software que pode ser utilizado para apopularização dos SIG´s entre os estudantes de geografia das universidadespúblicas do Brasil, sem mencionar outros países. Existem vários outros softwaresque podem cumprir tal função, mas o gvSIG se destaca porque, além de bom, temsido bem aceito e recomendado entre os profissionais da área de geotecnologias.
  • 55. REFERÊNCIASIVER TECNOLOGIAS DE LA INFORMACIÓN. Caso práctico gvSIG 1.0. Valencia,Espanha: Generalitat Valenciana, 2007.ROSA, Roberto. Curso: introdução ao ArcView. Uberlândia: Universidade Federalde Uberlândia, fev. 2004.TROCADO, Pedro. ArcGis 9. Lisboa, Portugal: Instituto Superior Técnico, [200-].UCHOA, Helton Nogueira; FERREIRA, Paulo Roberto. Geoprocessamento comSoftware Livre. [S.l.]: [s.n.], 26 out. 2004.
  • 56. ANEXO I Descrição da nomenclatura dos campos da tabela de atributos da camada de informações geográficas denominada “br_mun_2000_car”POP_TOT Pessoas residentesPOP_MASC Homens residentesPOP_FEM Mulheres residentesPOP_URB Pessoas residentes - área urbanaPOP_RUR Pessoas residentes - área ruralPOP__10 Pessoas residentes - 10 anos ou mais de idadePOP__10_A Pessoas residentes - 10 anos ou mais de idade - alfabetizadaPOP__10_TA Pessoas residentes - 10 anos ou mais de idade - taxa de alfabetizaçãoPOP_0_4 Pessoas residentes - 0 a 4 anos de idadePOP_5_9 Pessoas residentes - 5 a 9 anos de idadePOP_10_19 Pessoas residentes - 10 a 19 anos de idadePOP_20_29 Pessoas residentes - 20 a 29 anos de idadePOP_30_39 Pessoas residentes - 30 a 39 anos de idadePOP_40_49 Pessoas residentes - 40 a 49 anos de idadePOP_50_59 Pessoas residentes - 50 a 59 anos de idadePOP__60 Pessoas residentes - 60 anos ou mais de idadeDPP Domicílios particulares permanentesDPP_R_GER Domicílios particulares permanentes - forma de abastecimento de água - rede geralDPP_PC_NA Domicílios particulares permanentes - forma de abastecimento de água - poço ou nascenteDPP_AB_OU Domicílios particulares permanentes - forma de abastecimento de água - outras formasDPP_BANH Domicílios particulares permanentes - com banheiro ou sanitárioDPP_BESRG Domicílios particulares permanentes - com banheiro ou sanitário - esgotamento sanitário - rede geralDPP_SBANH Domicílios particulares permanentes - sem banheiro ou sanitárioDPP_COL_L Domicílios particulares permanentes - destino de lixo - coletadoDPP_OUT_L Domicílios particulares permanentes - destino de lixo - outro destinoFonte: IBGE, Censo Demográfico 2000