Concurso Literário – Vencedores                  “Árvores de Leitura”                                                     ...
6º ano:          Árvore          Árvore, és verde,          Esguia, escultural e resistente.          És vida, abrigo e al...
7º ano:                               A árvore de leitura    Era uma vez dois inventores, um chamava-se Luís e o outro Mig...
8º ano:          Árvores de Leitura          Quem me dera poder ter,          Um enorme pomar,          Mas que fosse dife...
9º ano:                              Talvez...Gostava de acreditarQue cada ramo de uma árvore é um sonho,Que mesmo quando ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Trabalhos vencedores conc_literario_2011

261

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
261
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Trabalhos vencedores conc_literario_2011

  1. 1. Concurso Literário – Vencedores “Árvores de Leitura” Junho de 20115º ano: Uma árvore me falou, muito bem sobre a leitura. Esta mensagem se revelou numa pequena verdura. Todas as árvores são úteis, incluindo o pinheiro. São importantes para a saúde, melhores do que o dinheiro. Se das árvores nascem livros, é porque estão a ser lidos. Mas se das árvores nascem flores, é porque têm várias cores. Os livros são importantes para quem os sabe ler, por isso, há as escolas para irmos aprender. João 5.ºE, n.º 11
  2. 2. 6º ano: Árvore Árvore, és verde, Esguia, escultural e resistente. És vida, abrigo e alimento, Conselheira e fonte de oxigénio e vida. Encosto-me a ti, Oiço os sons que atravessam as tuas folhas E acabo este poema, gritando: Obrigado, árvore! Arnaldo Leão 6.ºC
  3. 3. 7º ano: A árvore de leitura Era uma vez dois inventores, um chamava-se Luís e o outro Miguel. Eles trabalhavamnuma empresa de invenções chamada "lnventorium". O Luís tinha mais e melhores ideias do que o Miguel. À conta disso, o Miguel tinhamuitos ciúmes dele, por isso começou a roubar as ideias mais geniais do Luís. Quando o Luísse apercebeu, já o Miguel lhe tinha roubado as melhores ideias. O Luís foi falar de imediato com o seu chefe, mas ele não acreditou. Também não podiacomeçar a dizer as suas ideias ao chefe, porque só o ouviria quando ele tivesse tudo no papel. Apesar deste contratempo, o Luís ainda tinha uma invenção de génio, que era umaárvore de leitura. Mas o que é que ela fazia? O que a tornava tão especial? Bem, uma pessoachegava perto da árvore, abraçava o tronco, inseria o nome do livro que queria, e dos veiossaía um livro novinho em folha! A pessoa sentava-se debaixo dos ramos e, desfrutandodaquela refrescante sombra, deliciava-se com as novas leituras. Ora, o Luís sabia que esta ideia era demasiado preciosa para a perder, por isso ele teve deengendrar um plano, que consistia no seguinte: fazia uns planos falsos e deixava-os em cimada secretária, para o Miguel os ir lá roubar, e guardava a sete chaves os verdadeiros. Claroque o Miguel caiu na armadilha. Então, quando ele levou ao chefe a "sua" fantásticainvenção, a árvore não funcionava e ele não conseguia explicar o porquê. Depois, chegou oLuís com os planos verdadeiros e, como é óbvio, a árvore funcionou às mil maravilhas. O Luís contou todo o estratagema ao chefe, e claro que o Miguel ficou sem resposta e foidespedido. A ideia do Luís tornou-se um sucesso e tiveram de se fazer florestas daquelasmaravilhosas árvores, porque toda a gente passou a adorar a leitura. Carina Sousa 7.ºB, N.º7
  4. 4. 8º ano: Árvores de Leitura Quem me dera poder ter, Um enorme pomar, Mas que fosse diferente, Fora do vulgar. Podia ter árvores diferentes, Tal como eu queria, Árvores de gramática, E outras de ortografia. Árvores de romance, Ou talvez de aventura, la ser tão fascinante, Uma magia pura! Árvores lindas e interessantes, Com um misto de emoções, Onde me posso perder, Longe de preocupações. Um pomar tão belo, Cheio de árvores de leitura, Onde a diversão não acaba, E a perfeição sempre perdura. Ana Rita Rodrigues Rocha. 8.ºA, N.º4
  5. 5. 9º ano: Talvez...Gostava de acreditarQue cada ramo de uma árvore é um sonho,Que mesmo quando cortado volta a nascer,E todos os anos dá fruto. Ou talvez não!Talvez as raízes sejam avós,Talvez o tronco os nossos pais,E, se calhar, nós é que somos os ramos:Ganhámos folhas que podem cair,Temos frutos que podem ser amargos,Mas vamos crescendo... Ou talvez não!Uma árvore pode ser apenas o que aparenta:Tem ramos para dar folhas e flores,Flores para dar frutos,E frutos para os outros se saciarem.Existe sobretudo para continuar a vida do próximo. Ou talvez não!Talvez a árvore sirva apenas para o ser humano.Porquê?Não estou a falar do oxigénio que produz!Refiro-me ao papel, e, se dá papel, dá livros,E, se dá livros, proporciona-nos prazer infinito!A interpretação é variada:As árvores tanto podem ser feitas de sonhos como do nosso crescimento,Podem ser para todos ou só para alguns:Servem para ler.Já sei!São árvores de leitura!! Sofia Coutinho 9ºB, nº 24

×