Your SlideShare is downloading. ×
Apres Mod Aval Cp Agrup Gandara Mar
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Apres Mod Aval Cp Agrup Gandara Mar

405
views

Published on

Documento apresentado em Conselho Pedagógico, a16 de Dezembro de 2009.

Documento apresentado em Conselho Pedagógico, a16 de Dezembro de 2009.

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
405
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Agrupamento de Escolas Gândara Mar Biblioteca Escolar Apresentação do ao Conselho Pedagógico 16 de Dezembro de 2009
  • 2. Integração do processo de auto-avaliação no contexto do Agrupamento
    • O papel e mais valias da auto-avaliação da BE
    • O processo e o necessário envolvimento da escola / agrupamento
    • A relação com o processo de planeamento
    • A integração dos resultados na auto-avaliação da escola
    1
  • 3. Integração do processo de auto-avaliação no contexto do Agrupamento
    • “ A ligação entre a biblioteca escolar, a escola e o sucesso educativo é hoje um facto assumido por Organizações e Associações Internacionais que a definem como núcleo de trabalho e aprendizagem ao serviço da escola.”
    in texto da sessão 2
  • 4. O papel e mais valias da auto-avaliação da BE O Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar “ tem por principal finalidade proporcionar às bibliotecas escolares (BE)  um instrumento regulador e de melhoria contínua , que lhes permita avaliar a forma como estão a concretizar o seu trabalho e que resultados estão a alcançar , constituindo-se como um meio indispensável de qualificação das BEs e das próprias escolas , no cumprimento da sua missão e objectivos”. in Página da RBE, apresentação do MABE Porquê um Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar? 3
  • 5. O papel e mais valias da auto-avaliação da BE O Modelo de Avaliação é um:
    • instrumento pedagógico, regulador, indispensável à gestão e procura de melhoria contínua da BE;
    • instrumento estruturado em torno de áreas nucleares do trabalho da BE;
    • instrumento orientador do trabalho a desenvolver em cada uma das áreas, com indicação dos factores críticos de sucesso e sugestão de eventuais acções para melhoria;
    • instrumento que aponta para a recolha sistemática de evidências, sua análise e, caso seja necessário, mudança de práticas;
    Porquê um Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar? 4
  • 6. O papel e mais valias da auto-avaliação da BE A Auto-Avaliação permite à Biblioteca Escolar: - Determinar o grau de consecução da sua missão e objectivos; - Aferir a qualidade e eficácia dos serviços e a satisfação dos utilizadores; - Identificar pontos fortes e pontos fracos a melhorar; - Envolver a Escola; - Demonstrar o contributo da BE para o processo ensino-aprendizagem e sucesso dos alunos; - Ajustar continuamente as práticas com vista à melhoria dos resultados; - Conhecer o desempenho para se poder perspectivar o futuro; - Afirmar-se e ver reconhecido o seu papel na Escola; Porquê um Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar? 5
  • 7. O processo e o necessário envolvimento do Agrupamento A autoavaliação da BE: alguns pressupostos
    • Trata-se de um processo regulador que envolve toda a Escola, não estando só dependente do trabalho do professor bibliotecário ou da equipa.
    • O envolvimento de toda a comunidade escolar é fundamental para a procura da melhoria através da acção colectiva.
    • Pretende-se avaliar a qualidade e eficácia da BE e não o desempenho individual do professor bibliotecário ou da equipa.
    • Processo gerador de mudanças e não um fim em si mesma.
    6
  • 8. O processo e o necessário envolvimento do Agrupamento
    • Para cada um destes domínios são estabelecidos sub-domínios , indicadores , factores críticos de sucesso , evidências a recolher e exemplos de acções para melhoria , assim como perfis de desempenho em que a BE se situa. (ver modelo)
    A auto-avaliação da BE incide sobre os quatro domínios em que assenta a sua acção: A - Apoio ao desenvolvimento curricular B - Leitura e literacias C - Projectos, parcerias e actividades de Abertura à comunidade D - Gestão da Biblioteca 7
  • 9. O processo e o necessário envolvimento do Agrupamento
      • - a sua operacionalização desenvolve-se de forma faseada (etapas);
    Implementação do modelo de auto-avaliação:
      • - a avaliação processa-se num ciclo de 4 anos / 1 domínio diferente para cada ano (os restantes não são descurados);
    8
  • 10. O processo e o necessário envolvimento do Agrupamento
      • Recolha de evidências (quantitativas, qualitativas,…)
    Fases de implementação / gestão das evidências 1º Etapa: (preparação e recolha de evidências)
    • Comunicação / sensibilização da comunidade educativa para a pertinência da Auto-avaliação;
    • Selecção de um dos quatro domínios a avaliar no corrente ano lectivo;
    • Selecção da amostra e calendarização do processo;
    9
  • 11. O processo e o necessário envolvimento do Agrupamento
    • Elaboração de um relatório com indicação dos pontos fortes e fracos;
    Fases de implementação / gestão das evidências 2ª Etapa: (gestão e interpretação da informação recolhida)
    • Tratamento e análise dos dados recolhidos;
    • Concepção de um plano de desenvolvimento / melhoria;
    10
  • 12. O processo e o necessário envolvimento do Agrupamento
      • Divulgação de resultados à Comunidade Educativa (através de diferentes canais de comunicação da BE com o exterior);
    3º Etapa: (gestão dessas evidências ao nível da escola)
      • Apresentação dos resultados da auto-avaliação (relatório e plano de melhoria) ao Órgão de Gestão e ao Conselho Pedagógico;
    Fases de implementação / gestão das evidências 11
  • 13. O processo e o necessário envolvimento da Agrupamento
    • Conselho Pedagógico
    • O Conselho Pedagógico deverá analisar o relatório dos resultados da avaliação, dando sugestões de melhoria.
    Clusters / estruturas envolvidas no processo Professor Bibliotecário e Equipa da BE A equipa deve estar bem informada e preparada para implementar o processo e reorientar práticas (catalisador). Professores, Alunos e Encarregados de Educação Deverão participar e colaborar em diversas acções, responder a questionários ou outras solicitações. Director/ Órgão de Gestão O Director deverá envolver-se, ser líder coadjuvante no processo e aglutinar vontades e acções. 12
  • 14. O processo e o necessário envolvimento da Agrupamento Alguns pressupostos sobre a auto-avaliação:
    • Processo gerador de mudanças e não um fim em si mesma.
    • Implica o envolvimento de toda a comunidade escolar e a procura da melhoria através da acção colectiva.
    • Pretende-se avaliar a qualidade e eficácia da BE e não o desempenho individual do professor bibliotecário ou da equipa.
    13
  • 15. A relação com o processo de planeamento
    • Articulação, colaboração e comunicação permanentes na escola e com outros stakeholders.
    • Eisenberg e Miller (2002)
    O desenvolvimento do processo de Auto-Avaliação implica:
    • Articulação de prioridades e objectivos com a escola;
    • Atitude e capacidade de intervenção face aos problemas identificados;
    • Desenvolvimento de uma cultura de avaliação, em que a gestão das evidências recolhidas sirvam para comunicar o valor da biblioteca escolar e corrigir as lacunas identificadas;
    14
  • 16. A integração dos resultados na auto-avaliação da escola
      • A Inspecção, ao fazer a avaliação externa da escola, poderá, assim, avaliar o impacto da BE na escola, mencionando-a no seu relatório final.
    A avaliação da BE está intimamente ligada à avaliação da escola , uma vez que:
      • O relatório da avaliação da BE e o plano de melhoria que vier a ser delineado são discutidos e aprovados em Conselho Pedagógico;
      • Deste relatório deve transitar uma síntese que integrará o relatório de avaliação da Escola;
    15
  • 17. Em síntese
    • Para que haja uma melhoria permanente das práticas (redefinir objectivos, modificar estratégias) e um impacto cada vez maior da BE no sucesso das aprendizagens dos alunos.
    O Modelo de Auto-Avaliação aponta o caminho a seguir e é essencial para a qualidade da BE / sucesso da escola. Assim, é fundamental que se verifique: - o envolvimento de toda a escola no processo; - a recolha de evidências (várias fontes); - a análise e comunicação de resultados; 16
  • 18. Bibliografia
    • “ Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar” – Rede de Bibliotecas Escolares;
    • Rede de Bibliotecas Escolares. Texto de apresentação do MABE: http://www.rbe.min-edu.pt/np4/76 (acedido a 17/11/2009).
    17
  • 19.
    • Professor Bibliotecário:
    • João Paulo Martins
    • 16 de Dezembro de 2009
    18