Your SlideShare is downloading. ×
ARTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ARTICLES




Rede Nacional de Bancos de Leite Humano:                                       P...
Maia PRS et al.




                        Introdução                                                     Métodos

      ...
Rede Nacional de Bancos de Leite Humano




de vista epidemiológico, tinha-se que 85% dos           gando as ações de estí...
Maia PRS et al.




                        Humano. Dessa forma, criava-se importante fórum                REDEBLH - www.r...
Rede Nacional de Bancos de Leite Humano




viabilizar o compartilhamento do conhecimento,          o processo de decisão ...
Maia PRS et al.




                        amamentação no ambiente hospitalar, demonstrou                 quer comportame...
Rede Nacional de Bancos de Leite Humano




gerada com a expansão da REDEBLH no Brasil.                            O mesmo...
Maia PRS et al.




                        9. Souza LMBM. Alimentação do lactente brasileiro - saber        16. Cruz MHS....
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Rede Nacional De Bancos De Leite Humano

806

Published on

Published in: Business, Economy & Finance
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
806
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Rede Nacional De Bancos De Leite Humano"

  1. 1. ARTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ARTICLES Rede Nacional de Bancos de Leite Humano: Paulo Ricardo da Silva Maia 1 gênese e evolução João Aprígio Guerra de Almeida 2 Franz Reis Novak 3 Danielle Aparecida da Silva 4 Human Milk Banks National Network: genesis and evolution 1-4 Banco de Leite Humano. Instituto Fernandes Figueira. Fundação Oswaldo Cruz. Av. Rui Barbosa, 716, 1. andar. Flamengo. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. CEP: 22.250-020. E-mail: pmaia@fiocruz.br Abstract Resumo Objectives: establishment and progress analysis Objetivos: analisar a gênese e evolução da Rede of the Human Milk Banks National Network in Brazil. Nacional de Bancos de Leite Humano no Brasil. São Determinant elements are highlighted for their destacados os elementos determinantes de sua reconhe- acknowledged participation and influence on the state cida participação e influência na formulação da política policy for the sector. estatal para o setor. Methods: content analysis of primary documental Métodos: foram realizadas análises de conteúdo de sources generated by official organizations and insti- fontes documentais primárias geradas pelos órgãos tutions offering Human Milk Banks services were oficiais e instituições mantenedoras de Bancos de Leite analyzed, as well as thesis, dissertations, books and Humano, de teses, dissertações, livros e artigos cientí- scientific articles focusing on the subject. Social ficos, que versam sobre a temática. Identificou-se que as perceptions and concerns were assessed and the percepções e construções sociais acerca destas unidades conclusion was that with time they suffered changes de serviço sofreram flutuações ao longo do tempo, e a and depending on the historical moment considered, depender do momento histórico que se considere, atores actors and social groups have conveyed different e grupos sociais lhes atribuíram diferentes significados. meanings to the service. Resultados: o conhecimento aparece como elemento Results: knowledge appears to give conductivity que confere conectividade à Rede. Ou seja, a análise to the network. That is, analysis performed of the realizada, da gênese e evolução dos Bancos, permite Banks creation and progress, identified that in addi- identificar que além dos movimentos dos atores sociais tion to the social actors involved, there are knowledge envolvidos, há uma dinâmica da produção do conheci- production dynamics that should be understood. mento que deve ser entendida. Conclusions: it's possible to identify a potential Conclusões: é possível identificar a potencial Network contribution to promote social change and to contribuição da Rede para promoção de transformações formulate public policies aiming at women and chil- sociais e para a formulação de políticas públicas dren's health. voltadas para área da saúde da mulher e da criança. Key words Milk banks, History, Knowledge Palavras-chave Bancos de leite, História, Conhecimento Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, 6 (3): 285-292, jul. / set., 2006 285
  2. 2. Maia PRS et al. Introdução Métodos A política pública de saúde, voltada para o incentivo Utilizou-se o referencial teórico-metodológico da à amamentação tem, ao longo das últimas décadas, pesquisa qualitativa em saúde.3 Parte-se portanto da fortalecido a importância dos bancos de leite premissa epistêmica de que o conhecimento é humano (BLH). Essas unidades configuram-se como produzido numa interação dinâmica entre o sujeito e locais privilegiados para as ações de incentivo ao o objeto do conhecimento. Com o intuito de buscar o aleitamento materno no território nacional. Contudo, significado das ações sociais dos atores envolvidos vale destacar que as percepções e construções sociais na construção da REDEBLH foi realizada pesquisa acerca de tais unidades de serviço sofreram flutua- bibliográfica. Foram também analisadas teses e ções ao longo do tempo, e a depender do momento dissertações defendidas na pós-graduação do histórico que se considere, atores e grupos sociais Instituto Fernandes Figueira da Fundação Oswaldo lhes atribuíram diferentes significados. Assim foram Cruz (FIOCRUZ). Para seleção dos trabalhos ana- caracterizadas tanto como estruturas de apoio às lisados adotou-se como critério os estudos cujo situações de excepcionalidade do desmame comer- objeto de investigação estava centrado nas temáticas ciogênico, como unidades de atendimento a serviço de bancos de leite humano ou aleitamento materno da amamentação.1,2 no período de 1998 a 2004. Utilizou-se o catálogo de O primeiro BLH do Brasil foi implantado em teses da FIOCRUZ para localização dos docu- outubro de 1943 no então Instituto Nacional de mentos. Puericultura, atualmente Instituto Fernandes A análise revelou que a trajetória dos BLH no Figueira (IFF). O seu principal objetivo era coletar e Brasil pode ser dividida em três períodos distintos, distribuir leite humano visando atender os casos assim demarcada: 1943/1984 - fase inicial de conso- considerados especiais, a exemplo da prematuridade, lidação com a implantação da primeira unidade; perturbações nutricionais e alergias a proteínas 1985/1997 - ampliação da forma de atuação, com a heterólogas. Com essa mesma perspectiva, entre a incorporação de atividades de promoção, proteção e década de quarenta e o início dos anos oitenta do apoio à amamentação; e a partir de 1998 - desen- século passado, foram implantadas mais cinco volvimento do projeto da Rede Nacional cujo unidades no país. Contudo, foi com o desenvolvi- modelo instala um processo de crescimento pautado mento do Programa Nacional de Incentivo ao na descentralização e na construção de competência Aleitamento Materno, sobretudo a partir de 1985, técnica nos estados e municípios. Um panorama que os BLH passaram a assumir um novo papel no desses diferentes momentos passa a ser descrito a cenário da saúde pública brasileira, transformando- seguir. se em elementos estratégicos para as ações de promoção, proteção e apoio à amamentação.1,2 Esse novo modelo induziu um período de franca Resultados e Discussão expansão e viria mais tarde a se transformar na maior rede mundial de bancos de leite humano. No Os precursores na implantação de BLH do país em momento atual, dela fazem parte mais de 180 1943 foram os professores Mário Olinto e unidades operando em todo território nacional. O Adamastor Barbosa do Departamento Nacional da Ministério da Saúde tem projeto para implantação de Criança. Contudo, registros revelam que a primeira dez novas unidades no curto prazo. iniciativa de manipulação de leite humano orde- Para compreender a gênese e a evolução da Rede nhado no Brasil teve lugar no Lactário de Leite Nacional de Bancos de Leite Humano (REDEBLH) Humano, construído por Martagão Gesteira, no é necessário resgatar a historicidade desses serviços Abrigo Maternal da cidade de Salvador, na Bahia.1 de saúde, ao longo de seus sessenta anos de Os BLH foram originalmente projetados para existência no Brasil. Em especial, no que concerne atender casos especiais, em que o leite humano era aos elementos determinantes de sua reconhecida considerado imprescindível, muito mais por suas participação e influência tanto na formulação da propriedades farmacológicas do que por suas quali- política estatal para o setor como na geração e dades nutricionais. Assim o leite humano destinava- disseminação do conhecimento científico produzido se tão somente às situações de emergência que não na área. podiam ser solucionadas com a alimentação artifi- cial, que era colocada como primeira alternativa.4 Não havia competição entre o leite humano distribuído e os produtos industrializados. Do ponto 286 Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, 6 (3): 285-292, jul. / set., 2006
  3. 3. Rede Nacional de Bancos de Leite Humano de vista epidemiológico, tinha-se que 85% dos gando as ações de estímulo à amamentação a um óbitos, decorrentes de desnutrição nos lactentes plano secundário. desmamados, estavam relacionados ao uso de Ao longo dos anos 80 estrutura-se um novo alimentação artificial. Dessa forma, era necessário modelo. Ocorre também importante expansão do um quot;estoquequot; de leite humano que pudesse ser número de BLH instalados no Brasil. Nesse cresci- disponibilizado para atender aquela demanda. Essa mento desempenhou um importante papel o questão, associada à questionável resolutividade das Programa Nacional de Incentivo ao Aleitamento opções alimentares alternativas, justificava a neces- Materno (PNIAM). Com a formalização do Grupo sidade de um BLH.1,2,4 Técnico de Bancos de Leite Humano em 1984, teve Em decorrência, os BLH teriam surgido como início um processo de institucionalização de expe- uma alternativa capaz de preencher a lacuna deixada riências até então isoladas. Três anos mais tarde seria pela incapacidade de resposta dos produtos desti- elaborado o primeiro documento oficial de recomen- nados à alimentação do lactente, de forma discreta e dações técnicas, que serviu de base para elaboração bem delimitada, sem nenhuma perspectiva de da primeira legislação federal, publicada na forma construir avanços nesse campo para além do que as de portaria pelo Ministério da Saúde, demonstrando fórmulas fossem capazes de possibilitar.4 oficialmente a formalização de um processo de arti- O principal objetivo dos BLH, por mais de culação das ações dos BLH com o aparelho de quarenta anos (de 1943 a 1985), foi a coleta. A Estado.6 doação não resultava de um processo voluntário e Também nesse período, foi criado o Centro de consciente. Ao contrário, havia casos em que a Referência Nacional em Bancos de Leite Humano, doadora era remunerada de acordo com a quantidade um projeto de parceria entre a área da criança do de leite disponibilizado, operando numa lógica com Ministério da Saúde e a Fundação Oswaldo Cruz. evidências comerciais. Eram também adotados Esse projeto viabilizou ações de desenvolvimento rigorosos critérios para a seleção das doadoras. Além tecnológico, criando opções de baixo custo, do exame físico geral e inspeção minuciosa com centradas no processamento e no controle de quali- ênfase para doenças contagiosas, efetuava-se o dade do leite humano que foram gradualmente sendo exame ginecológico na busca de outras enfermi- incorporadas às rotinas. dades.1,2,4 Da mesma forma, estratégica foi a preparação e Em relação aos cuidados dispensados ao leite e à formação de quadros técnicos, em diversos graus de sua manipulação, era recomendado rigor asséptico complexidade, para atuarem nos BLH do Brasil. em todas as etapas, desde a ordenha até o consumo. Assim, havia o entendimento de que a radicalização O leite era distribuído preferencialmente na na formação de quadros técnicos capazes era funda- forma de produto cru, sem receber qualquer tipo de mental para reverter o quadro de desmame precoce.1 tratamento. Entretanto, em decorrência do grande De forma complementar, porém igualmente volume de leite coletado, fez-se necessário intro- estratégica para o processo de estruturação dos BLH, duzir o tratamento térmico, que era conduzido em foi organizado em 1992, o primeiro Encontro equipamento de esterilização de mamadeiras, em Nacional de Bancos de Leite Humano no Rio de banho-maria por 20 minutos.5 Janeiro. Esse evento marcou a definição de um A concepção de funcionamento tinha idealmente planejamento participativo e de um modelo genuíno a intenção de ser um órgão de proteção social, com de gestão, estabelecendo assim os alicerces da Rede objetivo de preservar e garantir os interesses da Nacional de Bancos de Leite Humano. doadora e de seu filho. Não havia expectativa de Dando seguimento à lógica de planejamento lucro, mas estimulava a prática da amamentação participativo, foi organizado em 1995, o II Encontro natural por meio de recompensa oferecida à nutriz Nacional de Bancos de Leite Humano. Naquele pelo leite doado. Entretanto, é importante entender a momento constatou-se haver um baixo nível de distância existente entre a intenção expressa na investimento público para fomento às ações dos definição do modelo e o que ele próprio possibilitou BLH. Como alternativa de captação de recursos foi na prática. A desfavorável realidade socioeconômica sugerida pela plenária a criação de uma organização das doadoras contribuía para a comercialização do não governamental. Tal iniciativa só não prosperou leite que, para elas, se apresentava como forma de em função da retomada, por parte do Ministério da complementação de seu sustento e da família. Essa Saúde, de uma política considerada mais adequada prática teria inclusive contribuído para estimular a às necessidades do setor.1 gravidez. Na realidade, os BLH operavam basica- Mais adiante, em julho de 1998, foi realizado em mente nos processos de coleta e distribuição, rele- Brasília o I Congresso Brasileiro de Bancos de Leite Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, 6 (3): 285-292, jul. / set., 2006 287
  4. 4. Maia PRS et al. Humano. Dessa forma, criava-se importante fórum REDEBLH - www.redeblh.fiocruz.br. A idéia era para compartilhamento do conhecimento produzido. ampliar as oportunidades de acesso ao conhecimento Esse evento produziu fatos que influenciariam, de e informação. forma contundente, o futuro da organização dos A projeção internacional do sucesso da expe- BLH no país, destacando-se entre eles: a consoli- riência brasileira passou a ser decorrência natural, dação da parceria com a Vigilância Sanitária - iniciando-se por países sul-americanos. Através de Nacional e Estaduais; a discussão sobre o papel um programa de cooperação técnica, estabelecido central da mulher no processo de amamentação e, a entre o Ministério da Saúde, a FIOCRUZ e o reafirmação da importância da qualificação dos Governo venezuelano, três BLH já foram implan- profissionais.1 tados. Além disso, programas de cooperação estão Ainda em 1998, foi criada pelo Ministério da sendo estabelecidos com a Universidade Central Saúde, através do Centro de Referência Nacional da daquele país, para transferência de tecnologia. Fundação Oswaldo Cruz, a Rede Nacional de No ano de 2003 teve início um processo estrutu- Bancos de Leite Humano. Tal fato significou, por um rado de ampliação da REDEBLH. No momento, lado, importante decisão de política pública no dando prioridade para a América Latina, estão em campo da saúde e, de outro, sedimentou um novo andamento mais duas iniciativas internacionais. modelo de gestão mais apropriado à realidade de Como decorrência, no Equador está sendo implan- expansão que se verificava naquele momento. A tado o primeiro BLH do país, na Maternidade Isidro idéia de trabalho em rede se apresentava como Ayora em Quito. No Uruguai também foram implan- solução apropriada.7 tadas duas unidades. Esta nova lógica operacional também contribuiu A REDEBLH contribui para o compartilhamento para a expansão das atividades da REDEBLH para do conhecimento em seu âmbito de atuação. Neste além das fronteiras do território nacional. sentido, vale destacar a organização e realização do I A redução da mortalidade infantil foi seu obje- Congresso Internacional de Bancos de Leite Humano tivo estratégico e, portanto, a grande prioridade de e do II Congresso Brasileiro de Bancos de Leite sua atuação. Humano, ocorridos em 2000, na cidade de Natal, no Para consecução dos objetivos da REDEBLH, o Rio Grande do Norte. Na oportunidade, estiveram Centro de Referência Nacional, localizado no Rio de presentes profissionais vinculados a BLH de vários Janeiro, articula-se com cada Centro de Referência países. Esse evento caracterizou-se, no cenário inter- Estadual e suas respectivas comissões. As decisões nacional, como momento de afirmação da posição de são compartilhadas com as representações dos BLH vanguarda do Brasil na geração de conhecimento na localizadas em outros municípios. área. Na articulação da REDEBLH, a informação e o Todos estes aspectos conferem à REDEBLH, no conhecimento se tornam estratégicos. O Centro de que concerne ao seu modelo de atuação, uma posição Referência Nacional, sede da Rede, busca soluções diferenciada de outras experiências. Difere por ter para os problemas apontados em sua área de atuação. uma atuação voltada para o incentivo à amamentação Dessa forma, as atividades acadêmicas desen- e também por trabalhar o leite humano na perspec- volvidas na sede da REDEBLH, buscam construir o tiva dos referenciais da tecnologia de alimentos.1 conhecimento dito eficiente, capaz de promover as Há consenso de que os resultados positivos transformações sociais necessárias à melhoria da alcançados pela REDEBLH foram decorrentes dos qualidade da saúde.1 investimentos realizados no âmbito da pesquisa e do Em continuidade ao novo processo de estrutu- desenvolvimento tecnológico. Assim, esses referen- ração das ações dos BLH, foi realizada em 1999 a ciais foram o eixo temático do III Congresso primeira reunião nacional dos Centros de Referência Brasileiro de Bancos de Leite Humano, realizado em Estaduais. A formulação de diretrizes para um novo 2002 na cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro, que programa de qualificação de recursos humanos, com consolidou as bases de dois importantes programas base no curso de quot;Processamento e Controle de da Rede Nacional - O Programa Nacional de Qualidade de Leite Humanoquot;, foi considerada um Qualidade em Bancos de Leite Humano e o Sistema dos importantes resultados do evento.1 de Gestão Rede BLH - on line. O desenvolvimento tecnológico também ocorreu Em 2005, marcando os 20 anos de política na área da informação e comunicação. Em projeto de pública em BLH, foi realizado em Brasília, no mês parceria com o Centro de Informação Científica e de maio, o II Congresso Internacional de Bancos de Tecnológica da Fundação Oswaldo Cruz Leite Humano, concomitantemente ao IV Congresso (FIOCRUZ) foi criado, em 1998, o site da Brasileiro. Além da oportunidade de mais uma vez 288 Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, 6 (3): 285-292, jul. / set., 2006
  5. 5. Rede Nacional de Bancos de Leite Humano viabilizar o compartilhamento do conhecimento, o processo de decisão da mulher, mãe do bebê esse evento deu início a um processo de discussão prematuro internado, em unidade de tratamento com a finalidade de construção coletiva da Rede intensivo neonatal, sobre a alimentação de seu filho Latino-americana de BLH. após a alta hospitalar. As conclusões apontam que Em paralelo temporal ao processo de institu- essa decisão contém elementos dinâmicos e interde- cionalização da REDEBLH, via novo modelo de pendentes, que culminam em duas categorias - tendo gestão, ocorria um movimento de consolidação das medo e temendo a perda de peso. O estudo indica, atividades de ensino e pesquisa na área da amamen- ainda, que a mulher se mostra sujeita a influências tação e bancos de leite, na busca da legitimação e advindas de sua vivência anterior, de experiências sustentação acadêmica da REDEBLH. Tal fato foi familiares e de outras mulheres, bem como de orien- bastante perceptível no espaço acadêmico circuns- tações de profissionais. crito pela pós-graduação em Saúde da Mulher e da De igual importância no que diz respeito à Criança do Instituto Fernandes Figueira, sede da geração do conhecimento neste período, são os Rede. trabalhos relacionados ao assistir em amamentação e Levando-se em conta o eixo cronológico da BLH. O estudo de Souza,11 discute as representações produção acadêmica vinculada à linha de pesquisa sociais em aleitamento junto a profissionais de saúde em BLH nos cursos de mestrado e doutorado da e puérperas que participaram do programa Iniciativa referida pós-graduação, ou seja, do conhecimento Hospital Amigo da Criança (IHAC) comparando científico produzido na sede da REDEBLH, é com grupos que dela não fizeram parte. Identifica possível entender sua importância como elemento de como aspectos importantes as diferenças entre as legitimação. Para uma visão mais detalhada e, ao representações sociais dos profissionais dos dois mesmo tempo panorâmica do conhecimento gerado, grupos e a similaridade das representações entre as foram analisadas as contribuições das teses e disser- mulheres estudadas. Tal investigação é importante, tações defendidas nos últimos anos. na medida em que oferece oportunidade de reflexão A tese de Almeida 8 tem a marca de uma das sobre o funcionamento e resultados de um programa produções científicas de maior impacto na área de oficial do Ministério da Saúde e ao mesmo tempo estudo nos tempos recentes. Num movimento abre espaço para estudos de natureza qualitativa, inovador, o autor traz para a discussão o híbrido utilizando as representações sociais como instru- natureza-cultura como fundamento epistemológico mento teórico-metodológico. Ramos, 12 também para repensar questões sobre amamentação, configu- utilizando o referencial teórico-metodológico das rando, dessa forma, um dos mais robustos referen- representações sociais, investigou as alegações ciais teóricos que vem influenciando grande parte da maternas para o desmame e a percepção sobre a produção literária e acadêmica nesse campo. assistência em amamentação, entre mulheres aten- Segue nesta linha a tese de doutorado de Souza.9 didas na Maternidade Dona Evangelina Rosa, em Sustentada nos conceitos de transcendência e Teresina, Piauí, um Hospital Amigo da Criança. Com imanência, o autor desenvolveu uma pesquisa quali- relação à assistência em amamentação, foi tativa, partindo de análise documental de fontes constatado o descolamento entre o modelo adotado primárias. O estudo apresenta três principais eixos pela instituição e a vivência das mulheres, traduzidas de discussão: o paradigma da amamentação desde o pela impossibilidade de cumpri-lo, frente às dificul- Brasil-colonial até os argumentos científicos atuais, dades impostas no seu cotidiano. Por fim, sugere a a seguir analisa as construções acadêmicas no século reformulação do modelo assistencial, de modo que XIX e século XX e, por fim, investiga a relação entre leve em conta, além dos determinantes biológicos, a propaganda e a construção do conhecimento e as os condicionantes sócio-culturais associados a essa estratégias de marketing utilizadas pela indústria de prática. A dissertação de Veloso13 retoma essa linha alimentos para lactentes. Sua conclusão é de que a de investigação. Seu pressuposto foi de que o pediatria brasileira, ao longo de sua trajetória, tem modelo de Alojamento Conjunto Especial (ACE) lidado preponderantemente com a amamentação contribui para redução do desmame precoce entre a como fenômeno natural, recortando-a enquanto clientela assistida na UTI Neonatal da Maternidade objeto de estudo sob a égide das leis transcendentes. Dona Evangelina Rosa. Seus resultados indicam que Ferreira 10 focaliza seu estudo partindo do pressu- a adoção de práticas que visam a redução do tempo posto de que apenas o conhecimento biológico sobre de permanência do prematuro na incubadora e a amamentação é insuficiente para que a orientação e presença da mãe na instituição foram relevantes na apoio às mulheres-mães, que buscam apoio, atinjam melhoria dos índices de aleitamento materno. os resultados esperados. Seu objetivo é compreender Crivaro, 14 preocupado com a assistência em Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, 6 (3): 285-292, jul. / set., 2006 289
  6. 6. Maia PRS et al. amamentação no ambiente hospitalar, demonstrou quer comportamento que não correspondesse a um que a prevalência de Aleitamento Materno (AM) foi ideal de maternidade. Verificou ainda que na inversamente influenciada pelo tempo de internação. formação do nutricionista, no que diz respeito a Quanto maior o tempo de internação no ambiente da amamentação, falta uma abordagem que contemple UTI-neonatal, menor a prevalência de AM. A os aspectos sociais, induzindo a uma compreensão pesquisa teve como enfoque o momento da alta dos descontextualizada do processo. Por fim, é apontada recém-nascidos internados em unidades de trata- a necessidade de refletir e avaliar a forma como é mento intensivo neonatal, de Hospitais Amigos da abordado o tema amamentação na graduação em Criança, no município do Rio de Janeiro. Em outra Nutrição. A dissertação de Zein19 focaliza seu objeto pesquisa qualitativa voltada para o assistir em na qualificação de recursos humanos. Seu campo de amamentação, Castro,15 com o referencial das repre- investigação foi o Curso de Aconselhamento em sentações sociais, estudou as questões de amamen- Amamentação, desenvolvido no Brasil pelo tação com profissionais de saúde que assistem Ministério da Saúde, tendo por base a teoria das gestantes e puérperas portadoras do vírus da imuno- representações sociais. Sua conclusão é de que o deficiência humana (HIV). Seu objetivo foi discutir curso, apesar de não apresentar transformações a ambigüidade entre o incentivo à amamentação e a concretas, cria no profissional a oportunidade necessidade de inibir a lactação em tempos de reflexiva de uma nova forma de pensar sobre sua epidemia de AIDS, através da revisão dos modelos postura no assistir a mulher que amamenta. Esse assistenciais prescritos pelas políticas públicas de mesmo Curso foi tema da dissertação de Azevedo,20 saúde. Cruz 16 trabalhou com o inédito tema rela- que buscou identificar e analisar, a partir da cionado ao posicionamento do pai frente à fase de compreensão de sua concepção teórico- pedagógica, gestação, parto e pós-parto, sobretudo no tocante à os obstáculos que impedem a ação transformadora amamentação do filho. Seus resultados mostraram esperada por seus idealizadores. Em sua conclusão que os pais se posicionaram de uma maneira fica o entendimento de que o enfoque adotado no favorável diante da amamentação. Aponta que o pai Curso, com relação a amamentação, termina por pode ter um papel importante de apoio na fase de reduzir a ação do profissional como um ato de assis- amamentação e recomenda que o mesmo deve ser tir, em função da excessiva valorização das questões incluído no programa de saúde da família, desde as técnicas. Além disso, conclui, a concepção primeiras consultas no pré-natal, para que os senti- pedagógica demonstra ser incompatível com a ação mentos de insegurança e ciúme não interfiram nega- transformadora pretendida no modelo proposto. tivamente na amamentação do filho. O controle de qualidade em BLH se configura Vários e importantes trabalhos foram desen- como outro tema contemplado na produção volvidos com relação à formação e qualificação de acadêmica recente. O próprio crescimento da profissionais para lidar com a questão da amamen- REDEBLH induziu a uma necessidade de maior tação. O ensino do aleitamento materno na gradua- ancoragem científica. Neste sentido, vale destacar o ção de medicina foi investigado por Silva.17 O refe- trabalho de Moreira,21 realizado com base em infor- rencial teórico metodológico teve como base a mações oriundas de inspeções realizadas pela proposta elaborada pela Organização Pan-Americana Vigilância Sanitária em onze BLH do Estado do Rio da Saúde (OPAS) e pela Organização Mundial da de Janeiro. Dentre outras questões, o autor conclui Saúde (OMS) para avaliação do ensino de aleita- sobre a importância de adoção de práticas preven- mento materno nas escolas de saúde do país no ano tivas, com base na análise de risco, no intuito de de 1993. O autor conclui que deve haver uma assegurar a qualidade do leite humano distribuído. adequação do ensino com a assistência que inte- Ainda na mesma linha de controle de qualidade, graliza a saúde da mulher, objetivando a capacitação Fonseca 22 identificou um vazio na literatura sobre do profissional médico para lidar com a questão do Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle aleitamento materno de forma segura e eficaz. (APPCC) em BLH. Seus resultados revelam que o Também nesta linha de pesquisa encontra-se a LHO pasteurizado - LHOp, em BLH da rede muni- dissertação de Monteiro, 18 que teve como objeto a cipal de saúde do Rio de Janeiro, distribuído aos representação que docentes e graduandos dos cursos lactentes nas maternidades que fizeram parte do de Nutrição têm sobre a amamentação. Na interpre- estudo, são processados em condições sanitárias tação das falas dos entrevistados, o autor constatou adequadas. Silva23 descreve as normas técnicas para que a mulher, no período de gravidez e amamentação coleta, processamento e distribuição de leite humano foi identificada apenas como quot;mãequot;, sendo desquali- ordenhado, na perspectiva da Gestão pela Qualidade ficada, principalmente na fala dos alunos, por qual- em BLH. Essa tese foi decorrente de demanda 290 Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, 6 (3): 285-292, jul. / set., 2006
  7. 7. Rede Nacional de Bancos de Leite Humano gerada com a expansão da REDEBLH no Brasil. O mesmo caminho pode ser vislumbrado para os Para o autor há necessidade de uniformização de estudos que abordam formação e qualificação de condutas, visando o estabelecimento de um profissionais. A identificação do descolamento entre programa de garantia de qualidade de produtos e as instâncias formadoras e as prestadoras de processos sob a responsabilidade dos BLH. serviços, via de regra devido a distorções em estru- turas curriculares, tal qual diagnosticado em alguns estudos, sugere de modo idêntico, discussões que Conclusões transcendem o lócus formador e explicitam nova- mente o necessário compartilhamento. Apesar da REDEBLH ser gerada com essa Outro aspecto que merece relevo, diz respeito ao denominação e desenho a partir de 1998, o movi- ineditismo teórico/metodológico identificado em mento de construção desse modelo é anterior e alguns estudos, que serviram de base para novas historicamente determinado. problematizações e formulações. Nesse sentido, os O conhecimento aparece como elemento que avanços alcançados pela REDEBLH foram funda- confere conectividade. Ou seja, a análise realizada, mentalmente dependentes do compartilhamento do da gênese e evolução dos BLH, permite identificar conhecimento, a partir do qual se tornou possível a que além dos movimentos dos atores sociais geração de novos saberes e práticas. envolvidos, há uma dinâmica da produção do A análise da gênese e evolução da REDEBLH conhecimento que deve ser entendida. permitiu identificar a importância de sua sede - o Neste sentido, o estudo evidencia a importância Centro de Referência Nacional - como instância real e potencial do conhecimento que vem sendo catalizadora, que capta as necessidades de mudança gerado nas suas diversidades de métodos e de e as processa, utilizando-as não só como elemento objetos de investigação. A apropriação desse conhe- indutor do avanço científico e tecnológico, mas cimento, como elemento transformador de práticas, também para a retroalimentação da formulação de será determinada em sua intensidade pela capacidade política pública em seu âmbito de atuação. Estas de compartilhá-lo. Assim, torna-se relevante a iden- questões são processadas, gerando respostas cientifi- tificação de caminhos que ampliem tal comparti- camente embasadas, que retornam ao demandante lhamento. por intermédio de processos de conversão do Quando se apresentam resultados, com validação conhecimento. acadêmica, de pesquisas que indicam, por exemplo, Por fim, vale destacar que o estudo permitiu necessidades de modificações em programas ofi- identificar a potencial contribuição da REDEBLH ciais, abre-se espaço concreto para uma discussão para promoção de transformações sociais e na que vai além do limite dos modelos de serviços e se formulação da política pública voltada para área da instala na instância do aparelho de Estado, responsá- saúde da mulher e da criança. vel pela formulação da política pública para o setor. Referências 1. Almeida JAG, Maia PRS, Novak FR. Os bancos de leite 5. Almeida JAG, Novak FR. Banco de Leite Humano: funda- humano como suporte para a redução da mortalidade mentos e técnicas. In: Anais do VIII Congresso Brasileiro infantil: a experiência brasileira. In: Anais do II Congresso de Nutrição e Metabolismo Infantil; 1994 julho; Porto Uruguayo de Lactancia Materna; 2004 setembro 1-4; Alegre, Brasil. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Montevideo, Uruguay. Montevideo: Sociedad Uruguaya de Pediatria;1994. Pediatria; 2004. Disponível em: http://www.bvsam.cict. 6. INAM (Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição). fiocruz.br/evcientif/2culm/2culm.htm [2005 fev 4] Programa Nacional de Incentivo ao Aleitamento Materno: 2. Almeida JAG. A evolução dos bancos de leite no Brasil relatório. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 1987. [videocassete]. Rio de Janeiro: Núcleo de Vídeo do Centro 7. Maia PRS, Novak FR, Almeida JAG, Silva DA. Bases de Informação Científica e Tecnológica da Fundação conceituais para uma estratégia de gestão: o caso da rede Oswaldo Cruz; 1992. nacional de bancos de leite humano. Cad Saúde Pública. 3. Minayo MCS. Caminhos do pensamento: epistemologia e 2004; 20: 1700-8. método. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2002. 8. Almeida JAG. Amamentação: repensando o paradigma [tese 4. Almeida JAG. Amamentação: um híbrido natureza-cultura. doutorado]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 1998. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 1999. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, 6 (3): 285-292, jul. / set., 2006 291
  8. 8. Maia PRS et al. 9. Souza LMBM. Alimentação do lactente brasileiro - saber 16. Cruz MHS. Como o homem representa o processo de construído ou saber induzido: reflexões sobre os saberes e amamentação do seu filho [dissertação mestrado]. Rio de práticas da alimentação do lactente na pediatria brasileira Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2002. [tese doutorado]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 17. Silva VG. Programa de controle interno e externo de quali- 2003. dade em bancos de leite humano [tese doutorado]. Rio de 10. Ferreira SLC. A decisão materna e a alimentação do filho Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2004. no pós-alta hospitalar [dissertação mestrado]. Rio de 18. Monteiro KA. O nutricionista e a amamentação: formação Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2003. e docência para uma prática profissional [dissertação 11. Souza LMBM. Promoção, proteção e apoio. mestrado]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2000. Representações sociais em aleitamento materno [disser- 19. Zein ET. Princípios do aconselhamento aplicados ao assis- tação mestrado]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; tir em amamentação na perspectiva dos profissionais de 1996. saúde [dissertação mestrado]. Rio de Janeiro: Fundação 12. Ramos CV. Amamentação do discurso à prática: um estudo Oswaldo Cruz; 2001. sobre a percepção de mulheres assistidas na maternidade 20. Azevedo IGS. Aconselhamento aplicado ao assistir em Dona Evangelina Rosa - Teresina, Piauí [dissertação amamentação: uma análise da proposta oficial [dissertação mestrado]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2000. mestrado]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2004. 13. Veloso LFG. Alojamento conjunto especial: uma proposta 21. Moreira AS. Condições higiênico-sanitárias dos bancos de alternativa [dissertação mestrado]. Rio de Janeiro: leite humano do Estado do Rio de Janeiro sob a ótica da Fundação Oswaldo Cruz; 2003. vigilância sanitária [dissertação mestrado]. Rio de Janeiro: 14. Crivaro ET. Estudo da prevalência de aleitamento materno Fundação Oswaldo Cruz; 2000. em unidades de tratamento intensivo neonatal de hospitais 22. Fonseca LM. Estudo da implantação da metodologia de amigos da criança no município do Rio de Janeiro [disser- análise de perigos e pontos críticos de controle em bancos tação mestrado]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; de leite humano no município do Rio de Janeiro [disser- 2002. tação mestrado] Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 15. Castro RC. As contradições do assistir em amamentação - 2003. Incentivo ao aleitamento materno versus inibição da 23. Silva VG. O ensino do aleitamento materno na lactação [dissertação mestrado]. Rio de Janeiro: Fundação Universidade Federal de Juiz de Fora [dissertação Oswaldo Cruz; 2002. mestrado]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 1998. Recebido em 7 de junho de 2005 Versão final apresentada em 8 de junho de 2006 Aprovado em 27 de junho de 2006 292 Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, 6 (3): 285-292, jul. / set., 2006

×