Monografia Elizangela Pedagogia 2010

2,958
-1

Published on

Pedagogia 2010

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,958
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
17
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Monografia Elizangela Pedagogia 2010

  1. 1. 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA-UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS VII – SENHOR DO BONFIM ELIZANGELA BRASILEIRO DE DEUS CONTRIBUIÇÕES DA LUDICIDADENO PROCESSO DE FORMAÇÃO DOCENTE SENHOR DO BONFIM 2010
  2. 2. 2 ELIZANGELA BRASILEIRO DE DEUS CONTRIBUIÇÕES DA LUDICIDADENO PROCESSO DE FORMAÇÃO DOCENTE Monografia apresentada como requisito para Conclusão do Curso de Pedagogia: Docência e Gestão de Processos Educativos da Universidade do Estado da Bahia. UNEB, Departamento de Educação Campus VII. Orientador Profº Pascoal Eron Santos de Souza Senhor do Bonfim - Bahia 2010
  3. 3. 3 ELIZANGELA BRASILEIRO DE DEUS CONTRIBUIÇÕES DA LUDICIDADE NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DOCENTE APROVADA _________ DE _____________________ DE 2010ORIENTADOR:___________________________________________________PROFESSOR PASCOAL ERON SANTOS DE SOUZAAVALIADOR ( A ): _________________________________________AVALIADOR ( A ): __________________________________________
  4. 4. 4À Deus, Autor da minha vidaÀ meus pais pela educação, pelo cuidado e amor.À meus irmãos: Erizan, Manoel, Hugo, Eleilma (AMIGA),pelo apoio, incentivo e principalmente pelo carinho.À minha irmã Eliane (in memória), eternamente amada!À minhas sobrinhas, Julliane e Geysa “minhas monitoras”,pela torcida.
  5. 5. 5 AGRADECIMENTOSÀ Deus, Autor da minha vida, pela saúde, pela força, pela sua proteção e por estaoportunidade.À minha mãe, minha AMIGA, muito amada, companheira de todas as horas, queesteve presente durante toda essa caminhada, que está presente em todos osmomentos da minha vida, pelas suas orações, pelo seu carinho e pelo seu amor!À minha sobrinha Julliane, pelo companheirismo, por ouvir as minhas inquietaçõescom os trabalhos acadêmicos, por estar sempre ao meu lado me incentivando.À Universidade do Estado da Bahia- UNEB Departamento de Educação CAMPUSVII.Aos professores do Curso de Pedagogia: Ana Maria, Beatriz Barros, Claudia Maísa,,Elizabete Barbosa, Elizabete Gonçalves, Helder Amorim, Jader Rocha, JoanitaMoura, Lílian Teixeira, Maria da Conceição Curaçá, Ozelito Souza Cruz, RicardoAmorim, Rita Braz, Rita Carneiro, Romilson do Carmo, Sandra Fabiana, SimoneWanderley, Suzzana Alice, Zozina.Em especial ao meu orientador, Professor Pascoal Eron pela sua competência,compromisso, profissionalismo e pela oportunidade de compartilhar o seu saber.Aos colegas da turma de Pedagogia 2006.1, pelos trabalhos realizados juntos, peloaprendizado e pelas amizades.Aos colegas de trabalho, que me acompanharam durante este período pelacolaboração.
  6. 6. 6 RESUMOO presente trabalho monográfico discute sobre as contribuições da ludicidade noprocesso de formação docente, na perspectiva dos (as) professores (as) das sériesiniciais do ensino fundamental, com a finalidade de refletir sobre a importância dolúdico no desenvolvimento da criança, em seus aspectos cognitivo, afetivo, físico esocial. Entendendo que o professor é agente importante no processo educativo,acreditamos ser pertinente articular discussões referentes à formação docente.Inicialmente apresentamos uma abordagem significativa em relação ao nosso objetode estudo, contextualizando a temática. Em seguida fundamentamos comembasamento teórico em autores que nos deram respaldo para discussão dealguns conceitos chave. A metodologia deste trabalho norteou-se mediante pesquisaqualitativa, na qual utilizamos alguns instrumentos para coleta de dados comoquestionário fechado e questionário aberto. Os resultados obtidos mostraram a visãodos educadores sobre as contribuições da ludicidade no processo de formaçãodocente.CONCEITOS–CHAVE: Ludicidade, Formação Docente, Professor.
  7. 7. 7 LISTA DE FIGURASFIGURA 01 - Gênero ............................................................................................... 35FIGURA 02 - Faixa etária .........................................................................................35FIGURA 03 - Nível de escolaridade ........................................................................36FIGURA 04 - Área de formação ..............................................................................36FIGURA 05 - Jornada de trabalho / Carga horária ................................................37FIGURA 06 - Tempo de atuação na área docente ................................................38FIGURA 07 - Formação continuada .......................................................................38FIGURA 08 - Ludicidade no curso de formação acadêmica ...............................39FIGURA 09 - Curso de capacitação na área de ludicidade .................................40
  8. 8. 8 SUMÁRIOINTRODUÇÃO....................................................................................................... 10CAPITULO I1.LUDICIDADE/CONTEXTUALIZANDO.............................................................. 121.1 Importância da Ludicidade no desenvolvimento da criança.................... 121.2 Contribuições da Ludicidade no Processo de Formação Docente.......... 13CAPÍTULO II2. DISCUTINDO OS CONCEITOS CHAVE.......................................................... 192.1 Ludicidade..................................................................................................... 192.2 Formação Docente........................................................................................ 242.3 Professor........................................................................................................ 28CAPÍTULO III3. CAMINHOS METODOLÓGICOS..................................................................... 303.1 Tipo de Pesquisa.......................................................................................... 303.2 Lócus de Pesquisa........................................................................................ 313.3 Sujeito da Pesquisa....................................................................................... 313. 4 Instrumentos e Coletas de Dados............................................................... 32 3.4.1 Questionário Fechado....................................................................... 32 3.4.2 Questionário Aberto.......................................................................... 32CAPÍTULO IV4- ANALISANDO OS DADOS DA PESQUISA ................................................... 344.1 Análise dos Questionários Fechados................................................... 34 4.1.1 Gênero dos sujeitos............................................................................. 34 4.1.2 Faixa etária............................................................................................ 35 4.1.3 Nível de escolaridade.......................................................................... 35 4.1.4 Área de formação................................................................................. 36 4.1.5 Jornada de trabalho / Carga horária................................................... 37
  9. 9. 9 4.1.6 Tempo de atuação na área docente.................................................. 37 4.1.7 Formação continuada / Cursos de capacitação............................... 38 4.1.8 Ludicidade no Curso de formação acadêmica ................................. 39 4.1.9 Cursos de capacitação na área de ludicidade .................................. 404.2 Analisando as falas dos sujeitos........................................................ 40 4.2.1 Conceituando Ludicidade ................................................................... 40 4.2.2 Ludicidade na formação acadêmica ................................................. 42 4.2.3 Buscando aprimoramento através da formação continuada ......... 44 4.2.4 A visão dos educadores em relação ao lúdico o processo de ensino-aprendizagem ......................................................................... 45 4.2.5 Uma análise dos educadores sobre a ludicidade no processo de formação docente ........................................................................................ 465. CONSIDERAÇÕES FINAIS.............................................................................. 50REFERÊNCIAS.................................................................................................... 53APÊNDICES......................................................................................................... 56
  10. 10. 10 INTRODUÇÃO No decorrer do processo de formação acadêmica no curso de Pedagogiativemos a oportunidade de estudar sobre várias temáticas na área da educação eque perpassam o contexto social, através de discussões, questionamentos,articulação de idéias e embasamento teórico através das aulas e constantespesquisas para realização de trabalhos acadêmicos. Por exercer a ação docente eter a oportunidade de estar em sala de aula percebendo as questões que permeiamo processo de aprendizagem e desenvolvimento da criança, buscamos pesquisarsobre ludicidade já em alguns projetos anteriores, na perspectiva de um estudo maisaprofundado nesta área. O presente trabalho monográfico apresenta-se com a finalidade de refletirsobre a ludicidade no processo de ensino-aprendizagem e no desenvolvimento dacriança no contexto escolar, entendendo que o educador é agente importante noprocesso educativo, buscamos desenvolver este trabalho tendo como nosso objetode estudo as contribuições da ludicidade no processo de formação docente naperspectiva dos professores das séries iniciais do ensino fundamental. Inicialmente, no Capítulo I apresentamos considerações sobre o nossoobjeto de estudo, contextualizando sobre a importância da ludicidade nodesenvolvimento da criança e as contribuições da ludicidade no processo deformação docente. No Capítulo II, fundamentamos explanando sobre alguns conceitos chavecom embasamento teórico em autores que nos deram respaldo para discussãodentre eles: Almeida (2003), Candau (1997), Ferreiro (2001), Kishimoto (2009),Libâneo (1985), Maluf (2003), Nascimento (1997), Piaget (1988), Pimenta (2006),Reis (2003), Santos (1997), Saviani (2006), Vigotsky (1994), entre outros. No Capítulo III, a metodologia mostrando os caminhos que nortearam estapesquisa, ressaltando que este trabalho realizou-se mediante constantes pesquisas
  11. 11. 11e estudos sobre à temática e a utilização de instrumentos como o questionáriofechado e o questionário aberto para coleta de dados No Capítulo IV, apresentamos o resultado desta pesquisa obtido mediante aaplicação de questionário com os nossos sujeitos de pesquisa, mostrando a relaçãodos sujeitos com o nosso objeto de estudo. Por fim, as Considerações finais sobre este trabalho, mostrando o resultadoda pesquisa.
  12. 12. 12 CAPÍTULO I1. LUDICIDADE / CONTEXTUALIZANDO1.1 Importância da Ludicidade no desenvolvimento da criança No contexto escolar, diante das constantes transformações que o mundovem passando nas diversas áreas que o homem vive, é necessário um novo olharem relação ao processo de ensino-aprendizagem, possibilitando uma aprendizagemque envolva outros saberes inerentes à formação humana, desenvolvendo umaprática educativa pautada em valores que perpassam o convívio sócio cultural doindividuo, como a ludicidade, a criatividade e a sensibilidade. Tais saberes já nãopodem mais ser vistos como algo que a escola não deva se preocupar ou valorizar,pois os mesmos são considerados como impulsionadores da auto-realização eexercem papel importante na construção da personalidade da criança. Nos primeiros anos de vida da criança, ocorrem mudanças importantíssimasem relação a tudo o que se refere à capacidade de movimento dos seres humanos.A criança passa de uma situação de total dependência das pessoas que cuidam auma completa autonomia, do movimento descoordenado e incontrolado ao controlequase que total dos seus movimentos. Segundo Oliveira (2001) nos falta assumir emteoria e na prática a construção de concepções claras, de um ideário que expresse aessência pedagógica, formativa, singular para o momento de vida no qual seencontra a criança. Segundo Almeida (2003), “O ato educativo não é uma ação inconsciente,espontânea, mas um ato consciente, histórico e planejado” (p.44) Por isso éfundamental que antes de concretizá-lo, definam-se metas, prioridades,considerando para isso o tipo de individuo que se deseja formar, o tipo deconhecimento e valores que se deseja transmitir estabelecendo os meiosnecessários para concretização desse processo.
  13. 13. 131.2 Contribuições da Ludicidade no Processo de Formação Docente Entender a educação como um processo historicamente produzido e o papeldo educador como agente desse processo, implica repensar a formação docente.Santos (1997), ao adentrar nas questões referentes à docência enfatiza que umadas formas de repensar os cursos de formação, é introduzir na base de suaestrutura curricular um novo pilar, além dos cursos teóricos, da prática, destaca aformação lúdica. Percebendo assim, que a ludicidade tem sido enfocada como umaalternativa para a formação do ser humano. A ludicidade, portanto, implica na formação do professor por estar ligadadiretamente com o lado humano, ontológico, permitindo a ele um estado deinteireza e de estar pleno naquilo que faz. Sendo assim, é possível notar aimportância da ludicidade no processo de formação docente. Santos (1997) aindaressalta que ”a formação lúdica deve possibilitar ao futuro educador conhecer-secomo pessoa, saber de suas possibilidades e limitações, desbloquear suasresistências e ter uma visão clara sobre a importância do jogo e do brinquedo para avida da criança, do jovem e do adulto “(p.14). Em relação à expressão lúdica, entende-se que esta, não é manifestaçãopura da criança, uma vez que é impregnada da cultura existente, considera-se que aludicidade, para além da finalidade de propiciar a inserção dos códigos de linguagemartística e ainda que tenha como objetivo moldar o gosto dos alunos, deve-se tertambém como intenção, o prazer e momentos que valorizem a liberdade deexpressão e a espontaneidade. Almeida (2003), destaca o papel da ludicidade na formação da criança: A educação lúdica além de contribuir e influenciar na formação da criança e do adolescente, possibilitando um crescimento sadio, um enriquecimento permanente, integra-se ao mais alto espírito de uma prática democrática, enquanto investe em uma produção séria do conhecimento. Sua prática exige a participação franca, criativa, livre, crítica, promovendo a interação social e tendo em vista o forte compromisso de transformação e modificação com o meio (p.57).
  14. 14. 14 Assim, o termo lúdico denota prazer, ausência de tensão e de conflito.Lúdico também se liga à criatividade, à arte, à poesia, à construção e desconstruçãoda realidade, envolve um espaço-tempo pautado na imaginação, inventividade,fantasia e desejo. A Instituição escolar, portanto, deve estar atenta ao seu papel eresponsabilidade junto ao educador no intuito de viabilizar um processo educativoque garanta e oportunize à criança desenvolver-se no seu aspecto físico, emocional,cognitivo. É importante que desde a pré-escola sejam oferecidas às criançasatividades onde elas tenham a oportunidade de estar em contato com a ludicidade.Segundo Piaget (1988), A atividade lúdica é o berço obrigatório das atividadesintelectuais da criança, sendo, por isso, indispensável à prática educativa. Quandoas crianças participam de atividades lúdicas, manifestam-se nelas novas buscas deconhecimento e seu aprendizado será muito prazeroso. Maluf (2003); ressalta a importância do professor neste processo: É necessário apontar o papel do professor na garantia e enriquecimento da brincadeira como atividade social do universo infantil. As atividades lúdicas precisam ocupar um lugar especial na educação. Entendendo que o professor é figura essencial para que isso aconteça, criando os espaços, oferecendo materiais adequados e participando de momentos lúdicos (p.31) A educadora Ferreiro (2001), já apontava para a importância de se oferecerà criança ambientes agradáveis onde se sinta bem e a vontade, pois a criançadeverá se sentir como integrante do meio em que está inserida. Para Almeida(2003), não basta ter um ambiente profícuo para esse trabalho, com muita riquezade materiais; é preciso ter professores, educadores preparados para essa novaconcepção de escola. Além de sua formação acadêmica (domínio de conhecimentoespecífico), é fundamental que os professores redescubram seu papel depesquisadores, buscando conhecimentos novos, por meio de leituras, cursos,entrevistas, palestras, ações que lhes darão embasamento para o novo.
  15. 15. 15 A ação docente sem dúvida necessita de constantes reflexões, pois essefazer pedagógico revela que a formação do educador requer articulações entre osdiferentes saberes da formação e os saberes da prática. O docente deve procuraralternativas que aprimorem sua ação, neste aspecto a formação continuada éimportante, pois ela oportuniza essa atualização de conhecimentos, meiosinovadores para facilitar a ação pedagógica, e permite reflexão sobre a práticaeducativa. Candau (1997), sobre formação continuada lembra que: A formação continuada não pode ser concebida como meio de acumulação (de cursos, palestras, seminários, de conhecimentos ou técnicas ), mas através de um trabalho de reflexibilidade crítica sobre as práticas e de (re) construção permanente de uma identidade pessoal e profissional em interação mútua (p.64). Diante disso, percebemos a importância sobre a formação docente econtinuada do educador não como acúmulo de cursos, mas com o propósito derepensar a sua prática pedagógica. Santos (1997), nas suas discussões sobreludicidade, salienta que a formação do educador ganharia em qualidade se, em suasustentação estivessem presentes os três pilares: a formação teórica, a formaçãopedagógica e como inovação a formação lúdica. A autora citada ainda enfatiza“quanto mais o adulto vivenciar sua ludicidade maior será a chance desteprofissional trabalhar com a criança de forma prazerosa“ (SANTOS, 1997, p.14). É importante que o educador perceba que o papel da ludicidade na práticaeducativa vai além do simples brincar, seus objetivos buscam a dimensão daexperiência vivenciada pelo ser humano que se expressa no individual, no coletivo,no interior e exterior de cada indivíduo. Esse momento lúdico, vivenciado por cadaindivíduo é uma experiência única e pessoal que se constitui em um aprendizado. Através do brincar a criança prepara-se para aprender. Brincando elaaprende novos conceitos, adquire novas informações e têm um crescimento
  16. 16. 16saudável. Segundo Santos (1999), “do ponto de vista pedagógico, o brincar tem serevelado como uma estratégia poderosa para a criança aprender. Todaaprendizagem que o brincar proporciona é importantíssima para a formação dacriança em todas as etapas de sua vida. Segundo Maluf (2008): As atividades lúdicas são instrumentos pedagógicos altamente importantes, mais do que entretenimento, são um auxilio indispensável para o processo ensino-aprendizagem, que propicia obtenção de informações em perspectivas e dimensões que perpassam o desenvolvimento do educando. A ludicidade é uma tática insubstituível para ser empregada como estímulo ao aprimoramento do conhecimento e no progresso das diferentes habilidades (p.42) O brincar ajuda a criança no seu desenvolvimento físico, afetivo, intelectual esocial, pois através das atividades lúdicas, a criança forma conceitos, relacionaidéias, estabelece relações lógicas, desenvolve a expressão oral e corporal, reforçaas habilidades sociais, reduz a agressividade, integra-se na sociedade e constróiseu próprio conhecimento. Portanto ao valorizar as atividades lúdicas, ainda apercebemos como uma atividade natural, espontânea e necessárias a todas ascrianças, tanto que o brincar é um direito da criança reconhecido em declarações,convenções e leis a nível mundial. No Estatuto da criança e do adolescente (BRASIL, 1990), é explicitado odireito ao lazer à diversão e a serviços que respeitem a condição peculiar da criançae do adolescente como pessoas em desenvolvimento. É importante ressaltar que todas as atividades das quais as criançasparticipam ou pelas quais se interessam, constituem verdadeiros estímulos, queenriquecem os estímulos perceptivos e operatórios, funções estas que combinadascom as estimulações psicomotoras, definem alguns aspectos básicos que sãocondições para o domínio quer seja da leitura ou da escrita. É nesse processo queentra o professor, que contribui para as práticas educativas e para que estasrealmente aconteçam, é necessário que os educadores busquem aprimorar seuconhecimento.
  17. 17. 17 A ludicidade usada no processo educativo é um instrumento que oportunizao desenvolvimento do potencial criador do aluno e reflete sua convivência cultural.Nas atividades lúdicas estão presentes as funções educativas, pois contribuem paraajudar na formação de sua personalidade, implicando portanto, sempre em algumaaprendizagem. Segundo Kishimoto (2009): Quando as situações lúdicas são intencionalmente criadas pelo adulto com vista a estimular certos tipos de aprendizagem, surge a dimensão educativa. Desde que mantidas as condições para a expressão do jogo, ou seja, a ação intencional da criança para brincar, o educador está potencializando as situações de aprendizagem. (p.36) A utilização de recursos lúdicos no processo de aprendizagem possibilita aoeducador desenvolver através de jogos e brincadeiras atividades de leitura e escrita,em matemática e em outras áreas. O brinquedo envolve regras que são originadas erepresentadas pela criança através da ligação com o objeto, por isso que obrinquedo é a riqueza do imaginário infantil. O jogo entra para contribuir, pois ele éuma atividade de caráter lúdico,assim como a brincadeira, os dois são sinônimo dedivertimento que pouco se diferenciam, o jogo mantém relações profundas entre ascrianças e as fazem aprender, a viver e a crescer conjuntamente nas relaçõessociais. O lúdico, assim, propicia a facilidade para a aprendizagem, odesenvolvimento pessoal, social e cultural, bem como colaborador para a boa saúdemental, também como facilitador dos processos de socialização, comunicação eexpressão, além de construtor do conhecimento, pois à medida que a criançainterage com os objetos e com outras pessoas constrói relações e conhecimentosobre o mundo em que vive. Almeida (2003), “ainda afirma que educar ludicamente tem um significadomuito profundo e está presente em todos os segmentos da vida” (p.11). Portanto é
  18. 18. 18importante que o professor descubra e trabalhe a dimensão lúdica que existe emsua essência, no seu trajeto cultural de forma que venha aperfeiçoar a sua práticapedagógica. Diante do contexto apresentado sobre a importância das atividades lúdicasna formação da personalidade da criança, no processo de aprendizagem econstrução do conhecimento nas relações e interações sociais, enfim, em váriosaspectos de seu desenvolvimento, e entendendo que o professor é agente desseprocesso acreditamos ser pertinente o estudo dessa temática, trazendo a seguintequestão: Quais as contribuições da ludicidade no processo de formação docente naperspectiva dos professores (as) das séries iniciais do Ensino Fundamental? Portanto o nosso estudo tem como objetivo identificar quais as contribuiçõesda ludicidade no processo de formação docente na perspectiva dos professores (as)das séries iniciais do Ensino Fundamental. A construção desta pesquisa é relevante, pois busca um estudo aprofundadosobre a temática aqui abordada, trazendo discussões significativas, no intuito decontribuir para uma reflexão sobre a formação docente repensando a práticapedagógica.
  19. 19. 19 CAPÍTULO II2. DISCUTINDO OS CONCEITOS - CHAVE Neste capítulo faremos uma abordagem teórica do nosso objeto de estudo,explanando sobre alguns conceitos-chave como ludicidade, formação docente,professor, na perspectiva de dimensionarmos um novo olhar, pautado numaaprendizagem que envolva saberes inerentes à formação humana, implicandovalores que perpassam o convívio social e cultural da criança. Apresentaremos umestudo mais aprofundado sobre ludicidade, percebendo sua importância no processode desenvolvimento da criança. Entendendo que o professor é agente desseprocesso, é relevante as discussões sobre a preparação e formação doseducadores.2.1 Ludicidade A palavra lúdico vem do latim ludus e significa brincar. Neste brincar estãoincluídos os jogos, brinquedos e divertimentos e é relativa também à condutadaquele que joga, que brinca, que se diverte. O lúdico faz parte da atividade humanae caracteriza-se por ser espontâneo. Na atividade lúdica não importa somente oresultado, mas a ação, o movimento vivenciado. Segundo Luckesi (2002) o quecaracteriza o lúdico “é a experiência de plenitude que ele possibilita a quem ovivencia em seus atos” (p. 96). A abordagem deste tema nos remete a discussões referentes à infância, porserem as atividades lúdicas a essência da infância. Retomando um pouco a históriae a evolução do homem na sociedade, notamos que nos diferentes contextos sociaise culturais de variadas épocas existia uma visão diferenciada de infância, mas a quemais predominou foi a da criança como ser inocente, inacabado, incompleto. Acriança nem sempre foi considerada como é hoje, antigamente ela não tinhaexistência social era considerada miniatura do adulto, seu valor era relativo, combase na classe social a que pertencia. Nas classes altas era educada para o futuro
  20. 20. 20e nas classes baixas o valor da criança iniciava quando ela podia ser útil ao trabalhocolaborando na geração da renda familiar. Os jogos e brinquedos, embora sendo um elemento sempre presente nahumanidade desde seu inicio, também não tinham a conotação que têm hoje, eramvistos com o objetivo de distração, do recreio. No entanto hoje a visão de infância,dos jogos e brinquedos é totalmente diferente, em um contexto social queapresenta-se com outros valores e conceitos. Kishimoto (2009) referindo-se a infância, ressalta que: Hoje a imagem de infância é enriquecida, também, com o auxílio de concepções psicológicas e pedagógicas, que reconhecem o papel de brinquedos e brincadeiras no desenvolvimento e na construção do conhecimento infantil (p.21) A instituição escolar, portanto deve estar atenta para a importância dobrinquedo, das brincadeiras e a utilização de jogos educativos como instrumentosque podem auxiliar no processo de ensino aprendizagem, sendo que, ao mesmotempo que possibilita dinamizar as aulas estará contribuindo positivamente para odesenvolvimento da criança no seu aspecto físico, intelectual e suas interações noconvívio social. Santos (1997), em suas discussões sobre a temática, afirma: Educar não se limita a repassar informações ou mostrar apenas um caminho, aquele caminho que o professor considera o mais correto, mas é ajudar a pessoa a tomar consciência de si mesma, dos outros e da sociedade.é aceitar-se como pessoa e saber aceitar os outros. E oferecer várias ferramentas para que a pessoa possa escolher entre muitos caminhos, aquele que for compatível com seus valores, sua visão de mundo e com as circunstâncias adversas que cada um irá encontrar. Educar é preparar para a vida (p.11)
  21. 21. 21 A ludicidade exerce um papel importante no processo educativo, poisinterage de forma positiva na aprendizagem da criança, sem impor umaaprendizagem sistemática, mecânica, conteudista, mas criando uma base sólida, umalicerce para a construção de conhecimentos e desenvolvimento do indivíduo nassuas interações sociail. “A educação consiste, pois, de uma prática social queenvolve o desenvolvimento dos indivíduos no processo de sua relação ativa com omeio natural e social. (LIBÂNEO, 2000, p.114) É importante a utilização de mecanismos que envolvam a criança permitindouma interação e socialização no seu convívio dentro do contexto escolar. Ferreiro(2001), atenta para esta questão ressaltando que toda educação infantil teria porfinalidade provocar uma autêntica participação das crianças em sua própriaeducação. Desta forma, o educador deve proporcionar momentos prazerosos deaprendizagem, promovendo atividades lúdicas, utilizando recursos pedagógicoscomo jogos educativos, brincadeiras, visando despertar o interesse e a participaçãoda criança no seu processo de formação e aprendizagem. Kishimoto(2009),apresenta discussões sobre esses recursos na educação Na vida da criança, para além do entretenimento, o jogo ganha espaço através da focalização de suas propriedades formativas consideradas sob perspectivas educacionais e progressistas, que valorizam a participação ativa do educando no seu processo de formação (p.166) Para Maluf (2003): “A busca do saber torna-se prazerosa quando a criançaaprende brincando. E é possível através do brincar, formar indivíduos comautonomia motivados por muitos interesses e capazes de aprender rapidamente”. (p.09). Portanto, é importante que o educador introduza na prática de sala de aula aludicidade como um meio que contribui para tornar a aprendizagem algo prazeroso,envolvendo uma dimensão de conhecimentos valorosos e significativos. A ludicidade utilizada na prática educativa deve ser vista de formasignificativa, criando um ambiente alfabetizador, oportunizando a criança construir
  22. 22. 22conhecimentos através das atividades propostas, viabilizando um processo deinteração dentro da sala de aula, no qual a criança possa desenvolver suas funçõespsicológicas, intelectuais, potencializar a interação social, percebendo-se como umindivíduo sociável. Cabe à instituição escolar junto ao professor promover este momento lúdicono decorrer das aulas, durante o desempenho das atividades, relacionando einterligando os conteúdos pedagógicos propostos pela escola, na perspectiva dedesenvolver uma metodologia que envolva os indivíduos no processo deaprendizagem, disponibilizando tempo para proporcionar interações sociais dentrodo contexto escolar. “Os conteúdos veiculados durante as brincadeiras infantis, bemcomo os temas de brincadeiras, as oportunidades para interações sociais e o tempodisponível são todos fatores que dependem basicamente do currículo proposto pelaescola “(KISHIMOTO, 2009, p.39). A aprendizagem da criança está relacionada ao seu desenvolvimento, pois amedida em que a criança aprende ela está se desenvolvendo intelectualmente,cognitivamente, desenvolvendo o raciocínio, por isso é importante que o processode aprendizagem seja realizado dentro de uma proposta que vislumbre o potencialde desenvolvimento infantil. Segundo Vigotsky (1994) “A aprendizagem e odesenvolvimento estão estreitamente relacionadas, sendo que as crianças se inter-relacionam com o meio objetal e social, internalizando o conhecimento advindo deum processo de construção” (p.103). É importante que o professor utilize objetosconcretos para que as crianças possam manipular, recursos pedagógicos educativospara favorecer a aprendizagem. Kishimoto (2009), afirma: Ao permitir a ação intencional (afetividade), a construção de representações mentais (cognição), a manipulação de objetos e o desempenho de ações sensório-motoras (físico) e as trocas nas interações (social), o jogo contempla várias formas de representação da criança ou suas múltiplas inteligências, contribuindo para o desenvolvimento infantil. (p.36) É importante que o professor realize sua prática docente utilizando recursosque propicie o desempenho da criança, na construção do conhecimento através demateriais pedagógicos educativos que permitam a interação com outras crianças
  23. 23. 23com trabalhos que estimulem sua criatividade. Kishimoto (2009), fala sobre aimportância de o professor estar trabalhando com jogos e trabalhos artísticos naescola, para que possa ser produzidos caminhos para a construção de umapedagogia da criança ajudando-a a elaborar os seus conceitos para organizá-los emseus pensamentos. O desenvolvimento dessas atividades tem uma papel significativo, poisestimulam o interesse, instiga a criança à participar desse momento lúdico,prazeroso, que investe na aquisição de conhecimentos, potencializando aaprendizagem. Maluf (2003) afirma que “quanto mais a criança participa deatividades lúdicas novas buscas de conhecimentos se manifestam, seu aprendizadoserá sempre mais prazeroso” (p.32). Desta forma é importante que o professordesperte o prazer e a busca pelo conhecimento. Portanto é importante que os educadores percebam o valor, do brincar, navida da criança, entendendo que os recursos pedagógicos como jogos educativos,trabalhos artísticos, objetos concretos, o brinquedo, a brincadeira são essenciaispara potencializar o desempenho na aprendizagem. Pois através do brincar acriança pode construir conhecimentos desenvolvendo habilidades de coordenaçãomotora, relacionar idéias, trabalhando assim o raciocínio lógico, visando tornar oambiente alfabetizador agradável e prazeroso, no qual a criança sinta-se a vontadepara participar e interagir. Santos (1997), também reforça sobre a concepção do brincar: Brincar ajuda a criança no seu desenvolvimento físico, afetivo, intelectual e social, pois, através das atividades lúdicas, a criança forma conceito, relaciona idéias, estabelece relações lógicas, desenvolve a expressão oral e corporal, reforça habilidades sociais, reduz a agressividade, integra-se na sociedade e constrói seu próprio conhecimento (p.20) É relevante ressaltar o papel do professor nesse processo, pois segundoAlmeida (2003) “O sentido real, verdadeiro, funcional da educação lúdica, estágarantido se o educador estiver preparado para realizá-lo, Nada será feito se ele não
  24. 24. 24tiver um profundo conhecimento e pré disposição para levar isso adiante” (p.63),sendo assim é fundamental a intervenção do professor na realização destasatividades. A ludicidade é essencial na aprendizagem e no desenvolvimento infantil,desta forma, o educador que apresenta-se como facilitador do processo ensino-aprendizagem, dentro da instituição escolar, deve estar preparado para o seu fazerpedagógico, possibilitando dentro desta perspectiva o desenvolvimento da criança,mediante a utilização de atividades lúdicas que contribuam para potencializar o seuaprendizado. O educador, sendo agente importante no processo educativo, deve estaratento a sua função, buscando aprimorar seus conhecimentos, investindo na suaformação, visando o aperfeiçoamento da ação docente através de cursos decapacitação e formação continuada, para que ele possa ter acesso à conhecimentosque sejam pertinentes à sua área de atuação propiciando assim, o desenvolvimentode um trabalho significativo, pautado em uma aprendizagem que seja direcionada aodesenvolvimento do educando, envolvendo valores que perpassam o convívio sociale que sejam inerentes à sua formação.2.2 Formação Docente As discussões sobre formação de professores apresentam-se hoje comotema de destaque em variados cenários. Da parte dos órgãos governamentais,nunca houve tanta ênfase na função dos professores como agentes das mudançasrequeridas pela nova ordem mundial. A formação docente emerge com anecessidade de se ter pessoas capacitadas para dar continuidade e desenvolver aprática de ensino dentro da instituição escolar. Conforme Pimenta (2006): Os próprios professores de variadas formas, mostram a premência por ações de formação que dêem conta de atender as reais necessidades da escola, que se apresenta real, multifacetada, carregada de ambigüidade e contradições, a semelhança da sociedade (p.167)
  25. 25. 25 Diante das constantes transformações que o mundo vem passando, nasdiversas áreas, frente aos avanços tecnológicos, a globalização, é imprescindível abusca por conhecimentos que aprimorem o trabalho docente. A formação deprofissionais da educação é essencial para o desenvolvimento da prática educativae deve fazer parte da carreira do educador. Reis (2003,p.41), salienta que “aformação continuada não pode estar vinculada somente ao acúmulo deconhecimentos”. O educador deve estar atento ao desenvolvimento da ação docenteno cotidiano repensando a sua prática. O docente deve buscar alternativas que contribuam para o aprimoramentoda ação pedagógica, neste aspecto é importante ressaltar a formação continuadacomo um elemento indispensável no processo educativo, pois oportuniza aoeducador atualizar seus conhecimentos através de cursos, seminários, palestras,não visando apenas o acúmulo de saberes, mas na perspectiva de uma visãoreflexiva sobre a prática pedagógica, percebendo que a formação de professoresrequer articulações entre os diferentes saberes da formação/ teoria e prática/ açãopedagógica. A Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional 9.394/96, promulgada em1996 traz em seu texto, no Artigo 61, a seguinte definição: Art. 61- A formação de profissionais da educação, de modo a atender aos objetivos dos diferentes níveis e modalidades de ensino e às características de cada fase de desenvolvimento do educando, terá como fundamentos: I- a associação entre teoria e prática, inclusive mediante a capacitação em serviço; II-aproveitamento da formação e experiência anteriores em instituição de ensino e outras atividades. É importante ressaltar sobre o texto apresentado no Artigo 61 (inciso I) daLei de Diretrizes e Base da Educação Nacional (LDB) que fala sobre “a associaçãoentre teoria e prática”, esta associação é imprescindível, pois, na instituição escolar,na prática de sala de aula, o educador, através dos conhecimentos teóricosadquiridos no processo de formação, poderá potencializar a ação docentearticulando os saberes da teoria e da prática ”É através da prática que o professor
  26. 26. 26realiza, no cotidiano da escola, em contato com alunos concretos, que a suacompetência adquire um sentido mais pleno, porque incorpora a realidade situada edatada historicamente” (LELIS, 1989, p.20). Portanto, a formação do professor éimportante para o desenvolvimento da ação educativa. É fundamental para atuar na área educacional, o preparo do professoratravés do processo de formação, pois a aquisição de conhecimentos teóricos sãorelevantes para o desenvolvimento da prática. Conforme Reis (2003), “a teoria éimportante na formação de todo profissional, mas deve ser direcionada para aprática para os problemas reais do dia-a-dia das escolas, favorecendo uma reflexãoe intervenção na prática pedagógica” (p.31). Este direcionamento é importante naperspectiva de trabalhar com conhecimentos que perpassam o convívio sócio-cultural do educando. No que se refere à formação do professor para atuar na educação básica aLei de Diretrizes e Base da Educação no Artigo 62, TÍTULO VI, Dos Profissionais daEducação, fala sobre a formação de docentes para atuar na educação básica,estabelecendo: Art.62 A formação de docentes para atuar na educação básica far-se-á em nível superior, em curso de licenciatura, de graduação plena, em Universidades e institutos superiores de educação, admitida, como formação mínima para o exercício do magistério na educação infantil e nas primeiras séries do ensino fundamental, a oferecida em nível médio, na modalidade normal. Portanto, faz-se necessário que os educadores tenham esta formaçãoadmitida como mínima para atuar nas séries iniciais do ensino fundamentalapresentada na Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional 9.394/96, explicitano Artigo 62 “(...) far-se-á em nível superior, em curso de licenciatura, de graduaçãoplena, em Universidades e institutos superiores de educação, admitida, comoformação mínima para o exercício do magistério (...)” A formação docente deve oportunizar ao educador conhecimento epreparação assegurando o desenvolvimento da prática pedagógica, permitindo
  27. 27. 27adquirir habilidades e competências necessárias para o exercício e desempenho daprática educativa, pois, “a formação dos professores deve ser vista como umtrabalho de constante reflexão, construção e reconstrução da identidade pessoal eprofissional” (REIS, 2003, p.42). É importante esta reflexão por parte do educadorvisando um ensino de qualidade, pautada em uma aprendizagem que envolvasaberes, princípios e valores inerentes à formação do indivíduo. Além da aquisição de conhecimentos teóricos específicos na sua área oscurso de formação deve oportunizar ao educador uma visão ampla em relação aosconhecimentos e saberes inerentes ao exercício da ação docente e também teruma postura de pesquisador, levantando questionamentos, fazendo indagações ereflexões sobre a sua prática pedagógica. Segundo Candau (1997), ”A formação deprofessores supõe um enfoque multidimensional. Nela o cientifico, o político e oafetivo devem estar intimamente articulados entre si e o pedagógico.” A autoracitada ainda refere-se ao domínio do educador em uma área específica, ressaltandoque “o domínio consistente de uma área específica, supõe uma adequadacompreensão da construção do seu objeto dos diferentes enfoque metodológicospossíveis e suas respectivas bases epistemológicas” (CANDAU, 1997,p.46). Candau (1997), nesta linha de pensamento, ainda enfatiza: A dimensão política em intima relação com a científica, supõe uma perspectiva clara do papel social do conhecimento em questão, do tipo de sociedade e de homem que se quer ajudar a construir, da realidade que se quer compreender, desvelar e transformar. Supõe também uma consciência crítica sobre o papel da ciência da educação e do professor na sociedade em que vivemos. Quanto à dimensão afetiva, afirma que ensinar supõe interação humana, envolvimento emocional, prazer, compromisso (p.46). Desta forma, percebemos os vários aspectos que podem ser articulados noprocesso de formação docente, os níveis e área de conhecimentos, as dimensõesque podem ser abrangidas dentro desta proposta de formação, envolvendo umadiversidade de saberes, em vários aspectos, o político, o científico, o pedagógico, oafetivo.
  28. 28. 28 Nascimento (1997), sobre formação de professores, ressalta que: A formação de professores deve ser compreendida como um processo global e precisa assegurar a formação integral da pessoa, do cidadão, do profissional. No entanto é possível verificar que as estratégias de formação, que tem sido utilizado com mais freqüência em nosso país têm estado voltadas, preferencialmente, para a formação do profissional, de uma forma praticamente pautada da formação da pessoa e do cidadão (p.76) Dentro de uma perspectiva de formação de professores para atuar nasséries iniciais vale ressaltar as discussões de Santos (1997), quando a autoramenciona além da formação teórica, da prática aponta a formação lúdica como umaforma de repensar os cursos de formação docente, ressaltando que ludicidade naformação deve possibilitar ao futuro educador conhecer-se como pessoa, saber desuas possibilidades e limitações favorecendo o desempenho da prática pedagógica.2.3 Professor A instituição escolar, espaço formal da educação, implica à responsabilidadee o compromisso para com a sociedade de desempenhar a prática educativa,pautada em valores que perpassam o convívio social, viabilizando um processo deaprendizagem que possibilite ao individuo desenvolver suas funções intelectuais,morais e a prática social. Segundo Libâneo (2000): A educação consiste, pois, de uma prática social que envolve o desenvolvimento dos indivíduos no processo de sua relação ativa com o meio natural e social, mediante a atividade cognoscitiva necessária para tornar mais produtiva, afetiva, criadora, a atividade humana prática.(p.114) A prática educativa, dentro do contexto escolar realiza-se mediante atransmissão, assimilação e construção de conhecimentos, esta prática, por sua vezrequer um mediador, um facilitador do processo de aprendizagem. Segundo Libâneo(1985) “O professor é o elemento mediador entre um aluno ser educável e a
  29. 29. 29sociedade, através do processo de transmissão/assimilação ativa dosconhecimentos.” (p.49). O professor é agente importante no processo educacional, a ele cabe afunção de desenvolver a prática de sala de aula. Para Arroyo (2007), “ser professoré muito mais ser profissional da prática do que do discurso“ (p.152), exercendo opapel de facilitador, promovendo no ambiente de sala de aula as interações sociaisatravés de atividades que oportunizem a integração dos indivíduos no processo deaprendizagem permitindo uma aquisição de conhecimentos que auxiliem nodesenvolvimento da sua criticidade, interpretação e questionamento de idéias. O papel do professor como agente de valores é uma construção pessoal eoriginal. Estes valores pessoais resultam de um conjunto de fatores que envolvementre outros, a competência dos docentes para ensinar determinada disciplina, suamaneira de se relacionar com os alunos nas situações de sala de aula e sua posturacomo pessoa e como profissional (CASTRO, 2001, p.114). Promovendo, assim umespaço de construção de conhecimentos e aquisição de valores. Segundo Moura(2001): O sujeito professor é membro da comunidade e a representa com a incumbência de promover a interação de seus membros de modo que eles possam adquirir códigos culturais que lhes permita executar e partilhar tarefas coordenadas pelo conhecimento comum dos sujeitos (p.144) A “ação docente” e o “sujeito professor” estão fortemente relacionados umavez, que o professor apresenta-se neste contexto como agente, que interage, quedireciona, que cria meios, viabilizando na sala de aula, o processo educativo.
  30. 30. 30 CAPÍTULO III3. CAMINHOS METODOLÓGICOS O pesquisador com o seu olhar de investigador em busca de conhecimentos,informações sobre a temática estudada na perspectiva de obtenção de dados quesejam analisados, buscando uma possível resposta de questionamentos, traçacaminhos utilizando-se de alguns instrumentos que permitam desenvolver suapesquisa de forma investigadora, sem ter a preocupação de buscar evidências quecomprovem hipóteses definidas, mas com o intuito de perceber a visão dos sujeitosem relação à problemática, o significado que eles dão ao assunto pesquisado.Utilizamos assim, alguns instrumentos que nos possibilitaram o contato com oambiente e os sujeitos envolvidos na pesquisa.3.1 Tipo de Pesquisa A pesquisa qualitativa, muito usada nas pesquisas educacionais nas últimasdécadas, tem como uma das características investigar os significados que osenvolvidos dão ao assunto pesquisado. Estes significados são obtidos por meio depalavras e de observações junto ao sujeito de pesquisa, percebendo o contexto noqual está inserido, suas interações no convívio social. Ludke e André (1986), ressaltam que: A pesquisa qualitativa estabelece o contato direto prolongado do pesquisador com o ambiente e a situação em que está sendo estudada.. O material obtido nessa pesquisa é rico em descrições de pessoas, situações e acontecimentos. (p. 11-12). Sendo todos os dados da pesquisa relevantes, na qual o pesquisador deveter uma atenção especial ao maior número de elementos presentes nas situações deestudo. Para realizar a pesquisa qualitativa deve-se levar em conta fatos reais,
  31. 31. 31fundamentados em questões metodológicas com a finalidade de observar e analisaros dados coletado junto aos sujeitos envolvidos na pesquisa. Segundo Lakatos(1991), “pesquisa é um procedimento formal, com método de pensamento reflexivoque requer um tratamento científico e se constitui no caminho para conhecer arealidade ou para descobrir verdades parciais.” (p.155). Este tipo de pesquisa permite a análise dos resultados numa visãodiferenciada que considera a situação contextual dos sujeitos pesquisados,considerando-os seres complexos e uma atitude de pesquisador, que procuradesenvolver compreensões sem se apoiar em teoria já constituída.3.2 Locus da Pesquisa O locus da pesquisa propicia ao pesquisador uma vivência que trazinterações entre o pesquisador e o sujeito, oportunizando espaço para investigação,diálogo, para que consiga perceber a realidade existente. O locus foi Colégio Municipal Manoel Ricardo de Almeida, situado noMunicípio de Campo Formoso-BA. Seu espaço físico é composto por 06 salas deaulas, diretoria, secretaria, sala de professores, cantina, pátio para recreação,quadra esportiva. A Instituição atende alunos da Educação Infantil e EnsinoFundamental, funciona nos turnos matutino e vespertino. A referida instituição foiescolhida como lócus por possibilitar o desenvolvimento desta pesquisa., na qual játivemos a oportunidade de realizar outros trabalhos acadêmicos durante o curso depedagogia.3.3 Sujeito da Pesquisa O sujeito de pesquisa é uma fonte de informação para o pesquisador, poisatravés de suas ações e discursos, é que o pesquisador terá respaldo para poderdesenvolver a sua pesquisa. Os sujeitos desta pesquisa foram 10 (dez) professores(as) das séries iniciais do Ensino Fundamental, do Colégio Municipal ManoelRicardo de Almeida.
  32. 32. 323.4 Instrumento de Coleta de Dados Para alcançar o objetivo proposto foram utilizados alguns instrumentos, quenos auxiliaram na coleta de dados e obtenção de resultados para o desenvolvimentoe análise desta pesquisa.3.4.1 Questionário fechado O questionário fechado é um instrumento importante para o desenvolvimentoda pesquisa qualitativa, ele foi relevante para a realização deste trabalho pois nospermitiu traçar o perfil dos sujeitos envolvidos na pesquisa , obtendo dados comofaixa etária , nível de escolaridade dos sujeitos, área de formação, tempo de atuaçãona área docente , entre outros.Marconi e Lakatos (1996) definem o questionário como: Um instrumento de coleta de dados, constituído por uma série ordenada de perguntas que devem ser respondida sem a presença do investigador. Em geral o pesquisador envia o questionário pelo correio ou por um portador, depois de preenchido o pesquisado, devolve-o do mesmo modo. (p.88) Este instrumento enriquece as informações, pois possibilita uma visão darealidade e contexto dos sujeitos envolvidos na pesquisa.3.4.2 Questionário aberto O questionário aberto é uma forma de adquirirmos as respostas dos sujeitosinvestigados, sem influenciá-los, no qual os pesquisados se sentem mais livres pararesponderem as perguntas. Visto que nos permite uma coleta de dados do problemapesquisado. Através da aplicação do questionário aberto com questões norteadorassobre a temática mediante a análise de dados podemos perceber a visão dos
  33. 33. 33educadores/sujeitos desta pesquisa em relação ao nosso objeto de estudo, suasperspectiva, suas interações e conhecimentos sobre o assunto abordado, Os dadosobtidos através do questionário foram relevantes e significativos para análise edesenvolvimento deste trabalho.
  34. 34. 34 CAPÍTULO IV4. ANALISANDO OS DADOS DA PESQUISA A pesquisa apresentada realizou-se mediante a aplicação de algunsinstrumentos que foram relevantes para a obtenção dos dados que serão aquiapresentados. O questionário fechado foi de extrema importância, pois nospossibilitou traçar um perfil dos sujeitos, baseado em dados obtidos através de suasrespostas no questionário, favorecendo a configuração do perfil dos sujeitos,destacando aspectos como: faixa etária, nível de escolaridade, formação, tempo deatuação na área docente, entre outros. O questionário aberto constitui-se comoinstrumento fundamental para a realização desta pesquisa, pois conseguimosperceber a relação dos sujeitos com o nosso objeto de estudo, a sua visão ereflexão sobre as questões que norteiam esta pesquisa. Inicialmente apresentaremos o resultado e o percentual dos dados obtidosno questionário fechado, e por fim analisaremos as informações conseguidas com aaplicação de questionários abertos.4.1 Análises dos Questionários Fechados4.1.1 Gênero dos sujeitos Os sujeitos envolvidos na pesquisa, apresentou um percentual em relaçãoao gênero: 100% são do sexo feminino. Percebe-se que o resultado desta pesquisarevela que na educação, nas séries iniciais do ensino fundamental tem umapresença mais forte de mulheres atuando nesta área.
  35. 35. 35 100% Feminino FIGURA 01/ GÊNERO4.1.2 Faixa etária Os dados obtidos em relação à faixa etária, demonstra uma diversidade emrelação a idade das docentes, 10% tem idade entre 20 e 25 anos. 10% entre 26 e 30anos, 20% entre 31 e 35 anos, 40% entre 36 e 40 anos, 20% entre 41 e 45 anos. 20% 10% 10% Entre 20 e 25 anos Entre 26 e 30 anos 20% Entre 31 e 35 anos Entre 36 e 40 anos Entre 41 e 45 anos 40% FIGURA 02/ FAIXA ETÁRIA4.1.3 Nível de escolaridade A docência é uma atividade que requer do educador um nível deescolaridade para o exercício de suas atividades pedagógicas. A Lei de Diretrizes eBase da Educação Nacional 9.394/96, promulgada em 1996 traz em seu texto noArtigo 62 referente a formação do educador para atuar nas séries iniciais daeducação básica “(...) far-se-á em nível superior, em curso de licenciatura, degraduação plena, em Universidades e institutos superiores de educação, admitida,como formação mínima para o exercício do magistério (...)” Dentre os sujeitos
  36. 36. 36envolvidos nesta pesquisa 70% tem nível superior / graduação e 30% pósgraduação. 70% Nivel Superior/Graduação Pós Graduação 30% FIGURA 03 / Nível de escolaridade O percentual aqui apresentado nos permite perceber que as professorasbuscam aprimoramento para sua ação docente através da formação acadêmica,pois 70% das educadoras tem nível superior e 30% buscaram ampliar estesconhecimentos dando prosseguimento aos seus estudos através do curso de pós-graduação. Sendo que 10% tem especialização em Língua Portuguesa, 10%Psicopedagogia e 10% em Gestão escolar para coordenação pedagógica.4.1.4 Área de Formação dos Educadores A formação docente, apresentada nesta pesquisa como conceito chave é umelemento fundamental para a atuação do educador e para aprimoramento do seufazer pedagógico. Os índices obtidos no questionário fechado revelam que 80% daseducadoras tem formação na área de pedagogia, 20% tem formação em áreaespecífica (História ). 80% Formação em Pedagogia Formação Area Específica (História) 20% FIGURA 04 / Área de Formação
  37. 37. 37 É relevante ressaltar a área de formação das educadoras, pois o percentualda pesquisa nos mostra que 80% tem formação acadêmica na área de pedagogia oque possibilita ao educador sentir se mais preparado e ter um melhor embasamentopara atuar nas séries iniciais.4.1.5 Jornada de trabalho / Carga horária A carga horária de trabalho é um fator importante que pode interferir naqualidade do ensino. Os professores precisam ter um momento para que possamplanejar e organizar suas aulas, um tempo disponível para pesquisa, poder atualizarseus conhecimentos através de cursos de capacitação e formação continuada. Apesquisa demonstra que 40% exercem jornada de trabalho com carga horária de 20horas e 60% no regime de 40 horas semanais. 40% 60% 20 Horas 40 Horas FIGURA 05 Jornada de trabalho / Carga horária4.1.6 Tempo de atuação na área docente Os dados obtidos revelam que as educadoras atuam na área docente háalguns anos, permitindo uma experiência significativa na docência. 30% estão entreos que tem até 5 anos de trabalho nesta área, 10% entre 6 e 9 anos, 30% entre 10e 14 anos, 30% mais de 20 anos.
  38. 38. 38 30% 30% Até 5 anos Entre 6 e 9 anos Entre 10 e 14 anos Entre 15 e 20 anos 10% Mais de 20 anos 30% FIGURA 06 Tempo de atuação na área docente Os saberes da experiência se fundam no trabalho cotidiano e noconhecimento de seu meio. São saberes que brotam da experiência e são por elavalidados. Incorporam à vivência individual e coletiva sob a forma de habilidades, desaber fazer e de saber ser. É através desses saberes que os professores julgam aformação que adquiriram, a pertinência ou realismo dos planos e das reformas quelhes são propostas e concebem o modelo de excelência profissional.(CANDAU,1997, p.59).4.1.7 Formação continuada / Cursos de capacitação A formação docente requer constantes reflexões sobre sua prática,implicando por parte do educador uma busca por ampliar e atualizar seusconhecimentos. A formação continuada é essencial para a docência. Os dadosobtidos mostram que apenas 10% participa com freqüência, 40% participa um vezpor ano, 40% raramente participa e 10% nunca participa de algum tipo de curso decapacitação. 10% 40% Participa com frequencia 10% Participam uma vez por ano Raramente participa 40% Nunca participa FIGURA 07 / Formação continuada/ Cursos de capacitação
  39. 39. 39 Nascimento (1997), por formação continuada , compreende: Toda e qualquer atividade de formação do professor que está atuando nos estabelecimentos de ensino , posterior a sua formação inicial, incluindo-se aí os diversos cursos de especialização e extensão oferecidos pelas instituições de ensino superior e todas as atividades de formação propostas pelos diferentes sistemas de ensino. (p.70). Os dados obtidos apresentam um percentual insignificante em relação aoportunidade e participação das educadoras nos cursos de formação continuada.4.1.8 Ludicidade no curso de formação acadêmica Através das explanações feitas sobre ludicidade, nosso objeto de estudo, naperspectiva de estar buscando um aprofundamento e mais conhecimento na áreadevido a sua importância na vida da criança e entendendo que o professor é agenteimportante neste processo, é imprescindível a ludicidade na formação do educador .O percentual apresentado mostra um resultado significativo, 70% das docentestiveram a oportunidade de estudar sobre ludicidade nos cursos de formaçãoacadêmica, 30% não tiveram essa formação. 30% Estudaram ludicidade na formação acadêmica Não estudaram ludicidade na formação 70% acadêmica FIGURA 08 / Ludicidade nos cursos de formação acadêmica
  40. 40. 404.1.9 Cursos de capacitação na área de ludicidade Os dados obtidos em relação a participação das professoras em cursosrevelam que 50% já participaram de cursos na área de ludicidade e 50% nuncaparticiparam de cursos nesta área. 50% Participaram de curso 50% na área de ludicidade Não participaram de curso na área de ludicidade FIGURA 09 / Curso de capacitação na área de ludicidade É importante que o educador busque aprimorar sua prática pedagógica,participando de cursos, nos quais, possa adquirir conhecimentos inerentes à suaprática de sala de aula, ressaltando que os conhecimentos na área de ludicidadesão relevantes, uma vez, que contribuem para o processo de ensino aprendizageme o desenvolvimento da criança. 4.2 ANALISANDO AS FALAS DOS SUJEITOSA relação dos sujeitos com o objeto de pesquisa Os resultados aqui apresentados foram obtidos através do questionárioaberto aplicado aos sujeitos envolvidos nesta pesquisa. Os resultados não sãoafirmações com caráter de verdade absoluta, mas questões para serem refletidas.4.2.1 Conceituando ludicidade No decorrer da pesquisa buscamos um estudo mais aprofundado sobreludicidade e vimos que está relacionada ao lúdico, palavra que se origina do latim e
  41. 41. 41significa brincar, neste brincar estão incluídos os jogos, brinquedos, as brincadeiras.Percebemos a importância das atividades lúdicas na vida da criança, no seuprocesso de formação e desenvolvimento cognitivo, social, motor e no aspectofísico. Ao abordar sobre ludicidade nos referimos à criança por serem as atividadeslúdicas a essência da infância. No contexto escolar enfatizando principalmente nasséries iniciais, na qual a criança está na fase de descobertas, de desenvolvimento, otrabalho com atividades lúdicas são de grande importância, pois exercem um papelfundamental neste processo. Através do questionário aberto utilizamos algumas questões norteadorasrelacionadas à temática, e buscamos inicialmente o conceito de ludicidade naperspectiva das docentes das séries iniciais. Para preservar a identidade dasdocentes utilizaremos um código para identificar sua fala: a letra P seguida donúmero indo arábico. “Acredito que é mais um instrumento de trabalho. Porque o docente tem a liberdade de utilizar jogos, brincadeiras e materiais concretos em sua prática, com o objetivo de desenvolver o raciocínio e a interpretação dos conteúdos propostos”. (P.01) “Sem dúvida ludicidade é indispensável nas primeiras séries do Ensino Fundamental, è um período em que a criança viaja no mundo da imaginação. Portanto o brincar na escola auxilia na descoberta da aprendizagem”. (P.02) “Que é um processo importante, que não pode faltar na sala de aula, principalmente nas séries iniciais”. (P.05) “Palavra usada para o trabalho feito com jogos e brincadeiras a fim de Incentivar os alunos a terem mais prazer ao aprender”.(P.09) É importante ressaltar sobre a fala de P02 quando enfatiza ”Sem dúvidaludicidade é indispensável nas primeiras séries do ensino fundamental”, podemosperceber que a professora reconhece a importância da ludicidade na práticaeducativa. P.05 reforça o conceito de P.02, afirmando “que não pode faltar na salade aula principalmente nas séries iniciais” (P.05). Existe uma ligação na fala de P01 e P.09 quando destacam os jogos, asbrincadeiras como um instrumento que pode auxiliar no trabalho de sala de aula.P.04 também conceitua de forma semelhante, “que tem a ver com lúdico, relativo a
  42. 42. 42jogos”. Em relação ao jogo, Kishimoto (2009), afirma: ”O jogo não pode ser vistoapenas como divertimento ou brincadeira para desgastar energia, pois ele favoreceo desenvolvimento físico, cognitivo, afetivo, social e moral”. A autora citada aindaenfatiza o uso do jogo com fins pedagógicos: “O uso do brinquedo / jogo educativocom fins pedagógicos remete-nos para a relevância desse instrumento parasituações de ensino-aprendizagem e de desenvolvimento infantil”. (Kishimoto,2009,p.36) O conceito de P.03 e P.10, refere-se a ludicidade como “algo que torna asaulas alegres, divertidas, prazerosas” e que pode tornar a “aprendizagemagradável”. P07 e P.08 falam de ludicidade como um meio que possibilita a criança a“compreender o mundo de forma alegre e significativa”, tornando “a aprendizagematraente e eficaz”. Percebe-se que P.06 através de sua fala, “O lúdico é uma necessidade doser humano em qualquer idade (...), “facilita a aprendizagem e o desenvolvimentopessoal, social e cultural”, está plenamente de acordo com o que diz Santos, (1997): A ludicidade é uma necessidade do ser humano em qualquer idade e não pode ser vista apenas como diversão. O desenvolvimento do aspecto lúdico facilita a aprendizagem, o desenvolvimento pessoal, social e cultural, colabora para uma boa saúde mental, prepara para o estado interior fértil, facilita os processos de socialização, comunicação, expressão e construção do conhecimento. (p.12). Portanto, a ludicidade exerce um papel importante no desenvolvimento doindivíduo, pois ela interage e auxilia no seu desenvolvimento em vários aspectos,colaborando não apenas para realização de atividades prazerosas, mas sendodirecionada à construção de conhecimentos e dos processos de socialização.4.2.2 Ludicidade na formação acadêmica Através dos conceitos concernentes à ludicidade, apresentados pelasdocentes, é possível perceber que elas reconhecem o papel da ludicidade na práticaeducativa e no processo de desenvolvimento da criança. Diante da importância das
  43. 43. 43atividades lúdicas na vida da criança, e entendendo que o educador é agenteimportante nesse processo, levantamos o seguinte questionamento: No processo deformação acadêmica quais as contribuições que você teve na área de ludicidade(embasamento teórico, prática)? Qual a sua análise sobre esses conhecimentospara o desenvolvimento da prática docente? “Apenas na parte prática. A mesma contribui para as aulas ficarem mais interessantes e prazerosas, facilitando a aprendizagem dos alunos”. (P.01) “Embora já enxergasse ludicidade como conteúdo, na pedagogia o processo de formação acadêmica contribuiu para fortalecer a metodologia adquirir mais conhecimento nesta área”.(P.02) “Foi através deste embasamento teórico e prático que tive mais conhecimento na área. Pois as atividades lúdicas descansam e divertem os alunos e tornam as aulas mais descontraídas quando são bem desenvolvidas”. (P.03) “Jogos e brincadeiras resgatando a cultura de forma interessante, pois os mesmos trazem valores culturais, respeito e conhecimento no meio em que vive. Portanto o lúdico torna-se um conhecimento necessário para abordar objetivos em todas as disciplinas”. (P.08) “A contribuição foi teórica. Todo professor deve refletir sobre a prática em sala de aula e o trabalho com ludicidade é uma estratégia bem interessante que prende a atenção envolvendo os alunos de maneira descontraída sem cobranças duras”. (P.09) Na fala de P.01 e P08 é ressaltado a contribuição que tiveram na prática, eé feito uma análise sobre esse conhecimento para á prática docente, falando sobreas contribuições nas aulas. ”Contribuiu para as aulas ficarem mais interessantes eprazerosas, facilitando a aprendizagem dos alunos”(P.01). “Portanto o lúdico torna-se um conhecimento necessário para abordar objetivos em todas as disciplinas”(p.08). P.07 também faz uma análise sobre a contribuição para a prática educativa,”facilita a integração dos conteúdos e oferece oportunidade para o exercício daliberdade, o aluno aprende brincando, facilitando assim a aprendizagem e tornandoa mesma consistente e duradoura”. Santos (1997), ressalta “quanto mais vivênciaslúdicas forem proporcionadas nos currículos acadêmicos, mais preparado oeducador estará para trabalhar com a criança”(p.21).
  44. 44. 44 P.06 Faz uma análise: “Educar exige alegria e esperança como também pesquisa e reflexão crítica da prática” assim argumentou nosso Mestre Paulo Freire. Na minha concepção o espaço- tempo da educação deveria ser recheado de encantamento, alegria e liberdade de expressão (...). Nas respostas de P.02 e P.03 afirma-se que foi através do curso de formação acadêmica que “tiveram mais conhecimento na área”. P.04, P.05 e P.10 dizem que “não tiveram essa formação”. Diante de todo esse contexto apresentado sobre ludicidade, sua importância e o papel que exerce na formação da criança, percebendo a relevância de ludicidade no processo de formação docente, entendemos que todo educador deveria ter a oportunidade de estudar e adquirir conhecimento nesta área durante o processo de formação acadêmica. Santos (1997) discute com propriedade sobre a temática e ao adentrar nas questões referentes a formação docente ressalta, “ Uma das formas de repensar os cursos de formação é introduzir na base da sua estrutura curricular como pilar a formação lúdica”(p.13) 4.2.3 Buscando aprimoramento através da formação continuada Através das respostas obtidas no questionário aberto podemos constatar que 30% das docentes não tiveram um estudo na área de ludicidade em sua formação. Sabemos que a formação do educador não se resume ao curso de formação inicial, mas é uma busca constante por conhecimentos que aprimorem a sua prática através dos cursos de formação continuada. Nesta linha de pensamento buscamos saber das educadoras, quais outras contribuições de ludicidade elas tiveram (cursos, oficinas, seminários) na área de ludicidade, no decorrer do processo de formação docente. “Em oficinas durante jornadas pedagógicas e no curso 1 PROLETRAMENTO , tive a oportunidade de aprimorar como, por exemplo, trabalhar com jogos, músicas, dinâmicas e muitas outras brincadeiras”. (P.02) 2 “Brinquedoteca – UNOPAR ”. (P.06) “Oficinas: confecção de jogos, brinquedos, brincadeiras, também músicas e danças”. (P.08)_______________________________________1Curso de capacitação de professores voltado para alfabetização/Letramento.2A docente refere-se a um curso, do qual participou da Universidade Norte do Paraná.
  45. 45. 45 Em relação a oportunidade de participar de cursos, palestras, seminários naárea de ludicidade, através das respostas, vimos que P.01, P.03 .e P.09 jáparticiparam somente de palestras, P.04, P.05 e P.10, já tiveram a oportunidade departicipar de oficinas. É importante que os educadores estejam buscando ampliarseus conhecimentos para aprimorar o desenvolvimento da prática educativa. Santos (1997), reforça este pensamento afirmando, “quanto mais o adultovivenciar sua ludicidade maior será a chance de este profissional trabalhar com acriança de forma prazerosa”(p.14) . Portanto, quanto mais conhecimentos eexperiência vivenciadas pelos educadores mais preparados eles se sentirão paraatuarem em sala de aula.4.2.4 A visão dos educadores em relação ao lúdico no processo de ensino-aprendizagem As discussões até aqui apresentadas, enfocaram a relevância da ludicidadena formação docente, em cursos de formação continuada. Diante disso, buscamosperceber a visão das docentes em relação ao lúdico no processo de ensino-aprendizagem: “De suma importância para a atuação da prática docente, é essencial para os educandos no que diz respeito ao seu desenvolvimento cognitivo e motor”. (P.01) “Como qualquer outra disciplina as atividades relacionadas ao lúdico devem ser inseridas em projetos pedagógicos e planejamentos, pois desperta na criança o gosto e o interesse para aprender com o mundo das descobertas”. (P.02) “O lúdico não pode deixar de existir no processo de ensino-aprendizagem uma vez que é uma importante fonte de motivação”. (P.05) “O lúdico é de extrema importância na vida da criança, é preciso que os profissionais nesta área tenham acesso ao conhecimento para repassarem sua prática e assim estejam conscientes da importância do lúdico na vida de seu aluno”. (P.06) “Favorável. O lúdico é responsável pelo desenvolvimento físico, moral e cognitivo da criança. Por isso deve ser trabalhado de forma bastante significativa”. (P.08)
  46. 46. 46 “Vejo como algo imprescindível no trabalho de sala de aula. Os jogos e brincadeiras é uma forma de atrair a atenção e o interesse pelo conteúdo trabalhado”. (P.09) Existe uma coerência de pensamentos na fala de P.01 e P.08, sobre a visãoem relação ao lúdico no processo de aprendizagem, destacam um dos aspectosmais importantes que a ludicidade possibilita na vida da criança: o desenvolvimentofísico, moral, cognitivo e motor, concordando com afirmação de Santos (1997) “Odesenvolvimento do aspecto lúdico facilita a aprendizagem, o desenvolvimentopessoal, social e cultural “(p.12). Na fala dos sujeitos P.02, P.05 e P.09 também são enfatizados aspectosimportantes como o gosto, o interesse e o despertar à atenção dos alunos para aaprendizagem, percebendo as atividades lúdicas como uma fonte de motivação.P.03 e P.04 destacam o “brincar”, percebendo as atividades lúdicas como um meioque possibilita aprendizagem através do brincar. Maluf (2003), reforça esta visão emrelação ao brincar, “a busca do saber torna-se prazerosa quando a criança aprendebrincando.”(p.09) P.07 e P.10 vêem o lúdico como algo que auxilia na aprendizagem, queajuda o professor na sua prática docente. Nas falas de P.01 [ludicidade é] “De sumaimportância para atuação da prática docente” e P.06”O lúdico é de extremaimportância na vida da criança”, notamos que a visão das docentes em relação aolúdico no processo de ensino aprendizagem é de algo imprescindível para a práticadocente.4.2.5 Uma análise sobre a ludicidade no processo de formação docente Diante da explanação apresentada, das argumentações sobre a temática dapesquisa, para finalizar buscamos saber qual a análise das educadoras sobre aludicidade no processo de formação docente do educador (importância,contribuições...) para o desenvolvimento da prática docente em sala de aula.
  47. 47. 47 “É importante que o educador amplie seus conhecimentos e valorizem a ludicidade, pois a mesma só tem a contribuir no processo de formação dos educandos como: respeitar regras, interagir com os colegas, dividir atividades, cumprir com combinados, divertir-se durante as aulas, descobrir novas sensações e acima de tudo entender os conteúdos propostos pelo sistema de uma maneira mais simples, porém eficaz”. (P.01) “O educador deve buscar formação na ludicidade, principalmente o professor de séries iniciais, pois deve estar bem preparado e atuar com segurança em sua prática pedagógica. Como qualquer conteúdo o lúdico deve ser levado a sério”. (P.02) “É de grande importância tanto pelo fato de participar de momentos alegres e prazerosos no trabalho coletivo, como para aprimorar e adquirir mais conhecimentos para trabalhar em sala de aula”. (P.08) “Sendo o lúdico um trabalho bem divertido, tanto alunos como professores, irão desenvolver um trabalho mais significativo. Os educadores deveriam ter a oportunidade de participar mais de oficinas e cursos e dispor de materiais para realizar um trabalho com maior diversidade”. (P.09) Em sua análise sobre a ludicidade no processo de formação docente e suascontribuições para prática educativa, P.01 diz: “É importante que o educador amplieseus conhecimentos e valorize a ludicidade”, P02 reforça a fala de P01, enfatizando,“O educador deve buscar formação na ludicidade, principalmente o professor deséries iniciais”(P.02). Através da fala das professoras podemos perceber o valor queelas atribuem a ludicidade na formação docente. Segundo Maluf (2003): A formação de um profissional nesta área precisa ser melhor embasada, com conhecimentos que vivenciem experiências lúdicas, que atuem como estímulos para aplicar seus poderes de habilidades, que desabrochem naturalmente em uma variedade de maneira de explorar a si próprio e o ambiente que se encontra (p.11) Nas falas de P.04 e P.07, a ludicidade no processo de formação docente, éconsiderada “importante”, pois percebem que ela contribui na aprendizagem “poismotiva e desperta o interesse do aluno para aprender”. P.05 e P.10 em sua análise
  48. 48. 48referem-se a ludicidade no processo de formação como um “suporte rico, motivador”,e “facilitador no processo de ensino-aprendizagem”. Na fala de P.03 e P.08 ressaltam-se as contribuições para a prática. ”Muito importante, pois hoje posso estar adaptando à realidade dos alunos e trabalhando todo conhecimento que tive, junto com eles através da prática”.(P. 03) “É de grande importância tanto pelo fato de participar de momentos alegres e prazerosos no trabalho coletivo como para aprimorar e adquirir mais conhecimento para o trabalho em sala de aula”.(P. 08) Na análise feita pelos sujeitos P.03 e P.08 sobre a ludicidade no processo deformação docente é enfatizado a importância dos conhecimentos adquiridos e dasexperiências vivenciadas durante esse processo reconhecendo o valor dasatividades lúdicas para a atuação em sala de aula, na qual o educador pode estarcolocando em prática os conhecimentos teóricos. É relevante destacar a fala de P.09 “Os professores deveriam ter aoportunidade de participar mais de oficinas e cursos e dispor de materiais pararealizar um trabalho com maior diversidade”. O educador deve estar constantementebuscando atualizar seus conhecimentos, é importante que seja oportunizado eoferecido aos educadores cursos de capacitação, formação continuada na qualpossam estar ampliando seu saber pedagógico, adquirindo conhecimentos quesejam inerentes à formação humana, com valores que perpassam o convívio social.Segundo Santos (1997). “A grande maioria das instituições educacionais ainda épautada numa prática que considera a idéia do conhecimento-repetição sob umaótica comportamentalista” (p.11). A formação lúdica se assenta em pressupostosque valorizam a criatividade, o desenvolvimento da criança nos aspectos físico,cognitivo, social, afetivo e na construção do conhecimento. Para Santos (1997), “A formação do educador, a nosso ver, ganharia emqualidade se, em sua sustentação, estivessem presentes os três pilares: a formaçãoteórica, a formação pedagógica, e como inovação a formação lúdica”, (p.14). Esta
  49. 49. 49pesquisa norteou-se na perspectiva de estar contribuindo para uma reflexão sobreessa temática. Assim, tem a pretensão de despertar um novo olhar sobre o lúdico noprocesso de aprendizagem no contexto escolar.
  50. 50. 50 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS A ludicidade usada no processo educativo como instrumento pedagógico,exerce um papel importante, que vai além do simples brincar, seus objetivos buscama dimensão da experiência vivenciada pelo ser humano que se expressa noindividual, no coletivo, no interior e exterior de cada indivíduo, oportunizando odesenvolvimento do potencial criador do aluno, a construção de conhecimentos, dapersonalidade e auxiliando no desenvolvimento da criança em vários aspectoscomo: cognitivo, afetivo emocional, sensório-motor, físico e nas interações sociais. A abordagem desta temática nos remete a discussões referentes à infância,por serem as atividades lúdicas a essência da infância. No entanto percebemos quenos diferentes contextos sociais e culturais de variadas épocas existia uma visãodiferenciada de infância, antigamente ela não tinha uma existência social. Os jogos,os brinquedos, as brincadeiras que se apresentam como atividades de caráter lúdicotambém não tinham a conotação que se tem hoje, eram vistos apenas comodiversão. Hoje, o papel das atividades lúdicas na vida da criança é reconhecido como auxílio de concepções psicológicas e pedagógicas que percebem a importância dobrincar na infância. Os estudos realizados mostraram o valor do brincar na vida da criança,permitindo perceber que através do brincar a criança pode construir conhecimentos,desenvolver-se e interagir no convívio social por meio de atividades lúdicasrealizadas no ambiente escolar. O lúdico aplicado à prática pedagógica não apenascontribui para o aprendizado da criança, mas possibilita ao educador tornar as aulasdinâmicas e prazerosas. Diante das considerações e explanações referentes à ludicidade nodesenvolvimento da criança, é fundamental que nas séries iniciais as atividadeslúdicas estejam presentes no processo de aprendizagem. É importante que oeducador perceba que o lúdico, enquanto recurso pedagógico, deve ser visto deforma significativa criando um ambiente alfabetizador, pois, os brinquedos, os jogos
  51. 51. 51educativos constituem-se como instrumentos pedagógicos que contribuem parapotencializar a construção e aquisição de conhecimentos. À instituição escolar, portanto, junto aos educadores, deve assegurar otempo e o espaço para que o trabalho lúdico seja vivenciado em sala de aula,criando mecanismos que envolvam e desperte o interesse da criança, percebendoque as atividades lúdicas interagem de forma positiva, sem impor umaaprendizagem mecânica, mas contribuem para criar uma base sólida para aconstrução de conhecimentos. O professor exerce um papel importante neste processo apresentando-secomo mediador, agente facilitador, que interage na prática educativa. Diante docontexto apresentado, é imprescindível por parte do educador a busca por aquisiçãode conhecimentos na área de ludicidade, para que ele possa desenvolver a suaprática pedagógica viabilizando uma aprendizagem que envolva valores inerentes àformação do educando, oportunizando a criança desenvolver-se e interagir noconvívio social. Mediante a pesquisa realizada podemos perceber através das análises feitapelas docentes, o conceito que elas têm sobre ludicidade. A análise sobre osconhecimentos adquiridos na formação acadêmica para o desenvolvimento naprática de sala de aula. A visão em relação às atividades lúdicas no processo deensino-aprendizagem. E uma análise sobre a ludicidade no processo de formaçãodocente. As docentes conceituam ludicidade como instrumento pedagógicoindispensável nas séries iniciais, que não pode faltar no processo educativo, no qualo professor pode utilizar jogos, brinquedos, brincadeiras, tornando as aulasdinâmicas e prazerosas. Considerando os conhecimentos da teoria e da práticaadquiridos na formação acadêmica, como relevantes para o desenvolvimento daprática pedagógica. Em relação às atividades lúdicas no processo de ensino aprendizagem asdocentes ressaltam que são imprescindíveis no trabalho de sala de aula, consideram

×