Your SlideShare is downloading. ×
Metodologia científica
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Metodologia científica

68,704
views

Published on

Aula de Metodologia Científica da Biblioteca FMVZ/USP.

Aula de Metodologia Científica da Biblioteca FMVZ/USP.

Published in: Education, Travel, Technology

2 Comments
12 Likes
Statistics
Notes
  • num entendi quase nada com essa letra minuscula....
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • num entendi quase nada com essa letra minuscula...
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total Views
68,704
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
772
Comments
2
Likes
12
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Metodologia científica
    Rosa Maria FischiDiretora Técnica da Biblioteca “Virginie Buff D’Ápice” – FMVZ/USP
  • 2. O método científico
    “Um método se caracteriza por um procedimento sistematizado, passível de ser repetido, para se conseguir alguma coisa material ou conceitual”.(HADDAD, 2004, p. 4)
  • 3. Fases da pesquisa bibliográfica
    De acordo com Marconi & Lakatos (2001, p.44) a pesquisa bibliográfica compreende oito fases distintas:
    Escolha do tema;
    • O tema é o assunto que deseja provar ou desenvolver.
    Elaboração do plano de trabalho;
    • Na elaboração do plano deve-se observar a estrutura de todo o trabalho científico (introdução, desenvolvimento e conclusão).
    Identificação;
    • É a fase de reconhecimento do assunto pertinente ao tema em estudo.
    Localização;
    • Fase de busca por informações, são os famosos levantamentos bibliográficos.
    Compilação
    • Reunião sistemática do material obtido com o levantamento bibliográfico. É o acesso físico/textual ao documento.
    Fichamento;
    • É a fase de organização e montagem da bibliografia.
    Análise e interpretação;
    • Fase em que se realiza a leitura crítica da bibliografia.
    Redação.
    • Esta é a fase de escrita do trabalho.
  • ESTRUTURA DO TRABALHO
    Para a confecção da monografia deve-se seguir as Diretrizes para apresentação de dissertações e teses na FMVZ/USP disponível no site da Biblioteca: www.fmvz.usp.br/biblioteca
    A parte textual e metodológica da monografia deve seguir a seguinte estrutura:
    Introdução
    Revisão da Literatura
    Material(is) e Método(s)
    Resultados
    Discussão
    Conclusões
  • 4. Estrutura do trabalho:introdução
    Parte inicial do texto, onde é apresentado o problema investigado (De que assunto trata a sua dissertação/tese?), a formulação de hipóteses (Por que é importante tratar esse assunto?), delimitações do assunto (Como tratou o assunto?) e os objetivos propostos (Qual é o seu objetivo?).
  • 5. Estrutura do trabalho:introdução >> O PROBLEMA
    Segundo Marconi & Lakatos (2002, p.26):
    Problema é uma dificuldade, teórica ou prática, no conhecimento de alguma coisa de real importância, para a qual se deve encontrar uma solução. Definir um problema significa especificá-lo em detalhes precisos e exatos. Na formulação de um problema deve haver clareza, concisão e objetividade. A colocação clara do problema pode facilitar a construção da hipótese central. O problema deve ser levantado, formulado, de preferência em forma interrogativa e delimitado com indicações das variáveis que intervêm no estudo de possíveis relações entre si.
    O problema, antes de ser considerado apropriado, deve ser analisado sob o aspecto de sua valoração:
    Viabilidade. Pode ser eficazmente resolvido por meio da pesquisa.
    Relevância. Deve ser capaz de trazer conhecimentos novos.
    Novidade. Estar adequado ao estágio atual da evolução científica.
    Exeqüibilidade. Pode levar a uma conclusão válida.
    Oportunidade. Atender a interesses particulares e gerais.
  • 6. Estrutura do trabalho:introdução >> O OBJETIVO
    Segundo Marconi & Lakatos (2002, p.24):
    Toda pesquisa deve ter um objetivo determinado para saber o que se vai procurar e o que se pretende alcançar. Deve partir, afirma Ander-Egg (1978:62), "de um objetivo limitado e claramente definido, sejam estudos formulativos, descritivos ou de verificação de hipóteses". O objetivo torna explícito o problema, aumentando os conhecimentos sobre determinado assunto. Os objetivos podem definir "a natureza do trabalho, o tipo de problema a ser selecionado, o material a coletar" (Cervo, 1978:49). Podem ser intrínsecos ou extrínsecos, teóricos ou práticos, gerais ou específicos, a curto ou a longo prazo.
    Respondem às perguntas: Por quê? Para quê? Para quem?
  • 7. Estrutura do trabalho:introdução >> A HIPÓTESE
    Segundo Marconi & Lakatos (2002, p.28):
    Hipótese é uma proposição que se faz na tentativa de verificar a validade de resposta existente para um problema. É uma suposição que antecede a constatação dos fatos e tem como característica uma formulação provisória; deve ser testada para determinar sua validade. Correta ou errada, de acordo ou contrária ao senso comum, a hipótese sempre conduz a uma verificação empírica. A função da hipótese, na pesquisa científica, é propor explicações para certos fatos e ao mesmo tempo orientar a busca de outras informações. A clareza da definição dos termos da hipótese é condição de importância fundamental para o desenvolvimento da pesquisa. Praticamente não há regras para a formulação de hipóteses de trabalho de pesquisa científica, mas é necessário que haja embasamento teórico e que ela seja formulada de tal maneira que possa servir de guia na tarefa da investigação.
  • 8. Estrutura do trabalho:introdução >> A justificativa
    Adaptado de Haddad (2004, p. 61):
    O pesquisador deve expor as razões para a elaboração da pesquisa. A justificativa do tema envolve motivos de ordem teórica e prática e pode ser apresentada da seguinte forma:
    Tendo-se em vista a necessidade de provar a contribuição da pesquisa para o avanço do conhecimento, torna-se necessária a demonstração do estágio atual do tema.
    Esse posicionamento do tema pode ser feito a partir da apresentação do estudo de vários autores que tenham trabalhado o referido assunto, citando os avanços ocorridos, assim como o estágio em que se encontra o tema.
    Deve-se apresentar também a contribuição e o provável avanço que ocorrerá com o desenvolvimento da pesquisa, seja no campo teórico seja no prático. É a partir desse acréscimo ao conhecimento já existente que será definida a execução ou não do projeto.
    A justificativa pode ser também para um avanço de ordem pessoal, pois o avanço do profissional na área acadêmica poderá ser de suma importância na qualidade do futuro trabalho que ele desenvolverá profissionalmente.
    Deve ser ressaltada a importância da pesquisa num contexto mais amplo. Muitas vezes determinados temas só adquirem importância dentro de um conjunto maior de situações.
    Muitas vezes as pesquisas servem para confirmar determinadas realidades ou encontrar soluções para um problema existente no dia-a-dia das pessoas ou das comunidades.
  • 9. Estrutura do trabalho:REVISÃO DA LITERATURA
    Parte do trabalho que reúne a literatura lida sobre o tema com o objetivo de:
    oferecer informações que sejam relevantes sobre o assunto abordado;
    oferecer condições para melhor compreensão e interpretação dos resultados a serem apresentados no decorrer do trabalho;
    corroborar a necessidade ou a oportunidade do estudo.
  • 10. Estrutura do trabalho:Material(is) e Método(s)
    É a descrição precisa dos métodos, materiais e equipamentos utilizados, de modo a permitir a repetição dos ensaios por outros pesquisadores. Técnicas e equipamentos novos devem ser descritos com detalhes; entretanto, se os métodos empregados já forem conhecidos, será suficiente a citação de seu autor. A especificação e a origem do material utilizado poderá ser feita no próprio texto ou em nota de rodapé. Neste capítulo o autor do trabalho deverá demonstrar sua capacidade de síntese e clareza. Os testes estatísticos empregados e o nível de significância adotado também devem ser referidos neste capítulo.
  • 11. Estrutura do trabalho:RESULTADOS
    É a apresentação, em ordem lógica, dos resultados obtidos, sem interpretações pessoais. Para maior facilidade de exposição, podem ser acompanhados por figuras, quadros, tabelas, gráficos, mapas e plantas. Os dados numéricos, sempre que necessário, deverão ser submetidos a uma análise estatística.
  • 12. Estrutura do trabalho:Discussão
    Neste capítulo os resultados da pesquisa são analisados, criticados e comparados com os já existentes sobre o assunto na literatura citada; são discutidos suas possíveis implicações, significados e razões para concordância ou discordância com outros autores. A discussão deve fornecer elementos para as conclusões. É o mais livre dos itens e aquele em que o autor mais destaca sua vivência de pesquisador.
  • 13. Estrutura do trabalho:Conclusões
    Devem ser fundamentadas nos resultados e na discussão, contendo deduções lógicas e correspondentes. Então, verifique se concluiu com base no que discutiu, devendo haver consistência entre o objetivo proposto e a conclusão alcançada. Verifique se concluiu com base na proposta inicial.
  • 14. resumos
    “O resumo é a apresentação concisa e frequentemente seletiva do texto, destacando-se os elementos de maior interesse e importância, isto é, as principais ideias do autor da obra”. (MARCONI & LAKATOS, 2001, p. 44)
  • 15. Tipos de resumoindicativo ou descritivo
    Quando faz referência às partes mais importantes, componentes do texto. Utiliza frases curtas, cada uma correspondendo a um elemento importante da obra. Não é simples enumeração do sumário ou índice do trabalho. Não dispensa a leitura do texto completo, pois apenas descreve sua natureza, forma e propósito.
  • 16. EXEMPLO de resumoindicativo ou descritivo
    PIRES, Marcos Paulo Fonseca. Abordagem ao paciente intoxicado. Revista Brasileira de Medicina, v. 56, n. 9, set., p. 861, 1999.
    Os casos de intoxicação exógena são bastante frequentes no Brasil, apesar da subordinação em nossa estatística. Nos Estados Unidos ocorreram mais de dois milhões de casos relacionados a intoxicação no ano de 1997, sendo 59.211 necessitando terapia intensiva. A principal via de exposição foi a do aparelho digestivo (74%). Portanto, é indiscutível a importância do conhecimento da abordagem inicial ao paciente vítima de intoxicação, principalmente relacionado às medidas de descontaminação gastrointestinal. A sistemática do atendimento compreende em estabilizar o quadro clínico do paciente, realização de anamnese detalhada a fim de identificar o agente etiológico, exame físico e laboratoriais e métodos de descontaminação. As medidas de descontaminação gastrointestinal compreenderam no uso de catárticos, lavagem intestinal, lavagem gástrica, xarope de ipeca e carvão ativado, que foram cuidadosamente revisados neste estudo, abordado indicações, contra-indicações, dosagem e complicações, a fim de orientar o médico generalista no atendimento desses pacientes.
  • 17. Tipos de resumoinformativo ou analítico
    Quando contém todas as informações principais apresentadas no texto e permite dispensar a leitura desse último; portanto é mais amplo do que o indicativo ou descritivo. Tem a finalidade de informar o conteúdo e as principais ideias do autor, salientando:
    os objetivos e o assunto (a menos que se encontre explicitado no título);
    os métodos e as técnicas (descritivas de forma concisa, exceto quando um dos objetivos do trabalho é a apresentação de nova técnica);
    os resultados e as conclusões.
    Sendo uma apresentação condensada do texto, esse tipo de resumo não deve conter comentários pessoais ou julgamentos de valor, da mesma maneira que não deve formular críticas.
  • 18. EXEMPLO de resumoinformativo ou analítico
    SCHOR, Eduardo. et. al. Endometriose: Modelo experimental em ratas. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 21, n. 5, p. 281, 1999.
    Objetivo: Divulgar a metodologia da indução de endometriose experimentais em animais de laboratório. Método: utilizamos ratas albinas, virgens, adultas de aproximadamente três meses de idade, que foram inicialmente anestesiadas pelo éter etílico. Aberta a cavidade abdominal, identificamos os corvos uterinos e retiramos um fragmento de aproximadamente 4 cm co corvo uterino direito. Esse fragmento foi mergulhado em solução fisiológica e sob lupa estereoscópica foi separado o endométrio do tniométrio e feitos retângulos de aproximadamente 4 por 5 mm. Esses foram fixados por meio de fio de sutura, sobre vasos sanguíneos visíveis a olho mi, na parede lateral do abdômen, tomando-se sempre o cuidado de manter a porção do endométrio livre voltada para a luz da cavidade abdominal. Após 21 dias os animais foram novamente operados para verificarmos o tamanho dos implantes e para a retirada do endométrio ectópico para análise histológica. Resultados: Macroscópicamente observamos crescimento significativo dos implantes endometriais. Ao exame microscópico pudemos observar a presença de epitélio glandular e estroma. Conclusão: O modelo utilizado reproduz a doença. Em ratas, sendo método auxiliar de valia para estudar esta afecção, principalmente a ação de medicamentos sobre esses implantes.
  • 19. Tipos de resumocrítico
    Quando se formula um julgamento sobre o trabalho. É a crítica da forma, no que se refere aos aspectos metodológicos; do conteúdo; do desenvolvimento da lógica da demonstração; da técnica de apresentação das ideias principais. No resumo crítico não pode haver citações.
  • 20. EXEMPLO de resumoCRÍTICO
    LAKATOS, Eva Maria. O trabalho temporário: nova forma de relações sociais no trabalho. Tese (Livre-docência em Sociologia) - Escola de Sociologia e Política de São Paulo, 1979. 2. v.
    Traça um panorama do trabalho temporário nos dias atuais, nos municípios de São Paulo, ABC e Rio de Janeiro, relacionando as razões históricas, sociais e econômicas que levaram ao seu aparecimento e desenvolvimento. Divide-se em duas partes. Na primeira, geral, tem-se a retrospectiva do trabalho temporário. Partindo do surgimento da produção industrial, traça um pano- rama da evolução dos sistemas de trabalho. Dessa maneira são enfocadas, do ponto de vista sociológico, as relações de produção através dos tempos. Esse quadro histórico fornece a base para a compreensão dos fatores sociais e econômicos que levaram à existência do trabalho temporário tal como é conhecido hoje no contexto urbano. A parte teórica permite também visualizar a realidade socioeconômica do trabalhador temporário, conduzindo, em sequencia lógica, as pesquisas de campo apresentadas na segunda parte do trabalho. A parte essencial consiste em uma pesquisa realizada em três níveis: o trabalhador temporário, as agências de mão de obra temporária e as empresas que a utilizam. Ao abordar os três elementos atuantes no processo, a pesquisa cerca o problema e faz um levantamento profundo do mesmo. As técnicas utilizadas para a seleção da amostra e coleta de dados são rigorosamente corretas do ponto de vista metodológico, o que dá à pesquisa grande confiabilidade. As tabelas apresentadas confirmam ou refutam as hipóteses levantadas, permitindo que, a cada passo, se acompanhe o raciocínio que leva às conclusões do trabalho. Estas são apresentadas por tópicos e divididas conforme a parte a que se referem, permitindo ao leitor uma confrontação entre o texto comprobatório e a conclusão dele resultante. Ao final de cada capítulo aparece um glossário, com a definição dos principais conceitos utilizados no texto. São ainda apresentadas, em anexo, a legislação referente ao trabalho temporário, o modelo de formulário utilizado na pesquisa e a lista de itens que a integra. As tabelas, apresentando os resultados da pesquisa, fazem parte do segundo volume. Esse material permite que se conheça em detalhes e se possa reproduzir o processo de investigação realizado.
  • 21. referências
    HADDAD, N. Metodologia de estudos em ciências da saúde: como planejar,analisar e apresentar um trabalho científico. São Paulo: Roca. 2004.
    MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia do trabalho científico : procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2001.
    MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa : planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.
    UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. Serviço de Biblioteca e Documentação. Diretrizes para apresentação de dissertações e teses na Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo. 4. ed. rev. atual. ampl. São Paulo : SBD, 2003.