123º aniversário natalício de  Fernando   Pessoa  Fernando António Nogueira Pessoa , de nome completo, nasceu a 13 de Junh...
 
 
 
 
Não sei quem sou, que alma tenho.  Quando falo com sinceridade não sei com que sinceridade falo. Sou variamente outro do q...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Fernando Pessoa-aniversário natalício

736

Published on

123º aniversário natalício de Fernando Pessoa

Published in: Education, Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
736
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Fernando Pessoa-aniversário natalício

  1. 2. 123º aniversário natalício de Fernando Pessoa Fernando António Nogueira Pessoa , de nome completo, nasceu a 13 de Junho de 1888, em Lisboa e faleceu a 30 de Novembro de 1935, com 47 anos, de cirrose hepática. Como poeta, Fernando Pessoa desdobrou-se em várias personagens e criou heterónimos como Ricardo Reis, Álvaro de Campos ou Alberto Caeiro, entre outros. Em virtude de ter vivido na África do Sul, entre os seis e os 17 anos, escreveu ainda em inglês. O crítico literário norte-americano Harold Bloom considerou a sua obra “legado da língua portuguesa no mundo”. A Google costuma celebrar datas importantes da humanidade com a criação de doodles, que se conjugam com o logótipo do motor de busca da Internet.
  2. 7. Não sei quem sou, que alma tenho. Quando falo com sinceridade não sei com que sinceridade falo. Sou variamente outro do que um eu que não sei se existe (se é esses outros). Sinto crenças que não tenho. Enlevam-me ânsias que repudio. A minha perpétua atenção sobre mim perpetuamente me ponta traições de alma a um carácter que talvez eu não tenha, nem ela julga que eu tenho. Sinto-me múltiplo. Sou como um quarto com inúmeros espelhos fantásticos que torcem para reflexões falsas uma única anterior realidade que não está em nenhuma e está em todas. Como o panteísta se sente árvore [?] e até a flor, eu sinto-me vários seres. Sinto-me viver vidas alheias, em mim, incompletamente, como se o meu ser participasse de todos os homens, incompletamente de cada [?], por uma suma de não-eus sintetizados num eu postiço. Quando Falo com Sinceridade não sei com que Sinceridade Falo Fernando Pessoa, in 'Para a Explicação da Heteronímia'

×