Your SlideShare is downloading. ×
0
Charles dickens
Charles dickens
Charles dickens
Charles dickens
Charles dickens
Charles dickens
Charles dickens
Charles dickens
Charles dickens
Charles dickens
Charles dickens
Charles dickens
Charles dickens
Charles dickens
Charles dickens
Charles dickens
Charles dickens
Charles dickens
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Charles dickens

1,618

Published on

Algumas imagens para celebrar o bicentenário natalício deste famoso escritor inglês.

Algumas imagens para celebrar o bicentenário natalício deste famoso escritor inglês.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,618
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Charles Dickens Bicentenário natalício
  • 2. <ul><li>Foi há 200 anos , no dia 7 de Fevereiro de 1812 , que nasceu em Portsmouth , na Inglaterra , o escritor Charles Dickens . </li></ul><ul><li>Que sentido e oportunidade terá, nos tempos que correm, voltar à obra de Charles Dickens, tendo ela como tem uma marca profunda de crítica social , um retrato cru sobre uma sociedade marcada pela prosperidade de poucos à custa do sacrifício e miséria de muitos . </li></ul><ul><li>Esta terça-feira celebram-se 200 anos sobre o seu nascimento de Charles Dickens. </li></ul>
  • 3. &nbsp;
  • 4. &nbsp;
  • 5. Obras do autor <ul><li>Em Portugal, segundo nota da Biblioteca Nacional, a primeira tradução de uma obra de Dickens, &amp;quot; Conto verdadeiro: o estalajadeiro de Andermatt &amp;quot;, foi publicado no jornal &amp;quot;O Ramalhete&amp;quot;, nº 83 de 22 de agosto de 1839. </li></ul><ul><li>Ainda no século XIX são apresentadas &amp;quot;as primeiras traduções de cinco dos seus romances: &apos;Oliver Twist &apos; (1837-1839), &apos;The Life and Adventures of Nicholas Nickleby &apos;(1838-1839), &apos;A Tale of two Cities &apos; (1859), &apos;Great Expectations &apos; (1860-1861) e &apos;The Posthumous Papers of the Pickwick Club &apos; (1836-1837)&amp;quot;, refere uma nota da </li></ul><ul><li>Biblioteca Nacional que acrescenta que, em Portugal, o escritor teve maior proliferação editorial nas décadas de 1940 e 1950. </li></ul><ul><li>Ler mais: http://aeiou.expresso.pt/charles-dickens-nasceu-ha-200-anos=f703221#ixzz1lhYeLnNK </li></ul>
  • 6. <ul><li>Mestre da literatura vitoriana, o autor de &amp;quot; Oliver Twist &amp;quot;, &amp;quot; David Copperfield &amp;quot; e &amp;quot; A Christmas Carol &amp;quot; é evocado na sua Inglaterra e também por cá: hoje, em Lisboa, na Biblioteca Nacional, abre uma exposição sobre Dickens e a sua obra. </li></ul>
  • 7. <ul><li>“ Please, sir, I want some more !” “Por favor, senhor, quero mais um pouco”, pedia Oliver Twist , o famoso órfão londrino nascido da pena de Charles Dickens, o mestre da literatura vitoriana, cujo bicentenário de assinala hoje. </li></ul><ul><li>A frase tornou-se no slog an de uma época pobre, suja e dura para a maioria dos ingleses a viver sob a “ Po or Law ”, vigente desde o século XIV. </li></ul>
  • 8. <ul><li>A “ Lei dos Pobres ” estabelecia uma espécie de sistema de “apoio” aos desfavorecidos, antecedendo aquilo que hoje conhecemos por &amp;quot;estado social&amp;quot;. Consistia em criar abrigos com más condições e racionamentos propositadamente baixos. </li></ul><ul><li>O objetivo era cortar pela base a multiplicação de pobres, que assim tinham a escolha: ou morriam rapidamente de fome e falta de condições de higiene nas ruas, ou morriam mais lentamente, pelas mesmas causas, nos asilos. Nenhum dos sítios era pior que Londres – cidade a que Charles Dickens foi parar aos dez anos de idade. </li></ul>
  • 9. <ul><li>Nascido a 7 de Fevereiro de 1812, em Portsmouth, no sul de Inglaterra, Charles Dickens, ou “ Boz ”, como era também conhecido, gozou de um imenso sucesso e reconhecimento em vida pela sua extensa obra literária. </li></ul><ul><li>Uma aura de mistério não deixou, contudo, de acompanhar Dickens , um homem originário, aparentemente, de uma família abastada, que contava histórias de miséria e injustiça social. Na verdade, Dickens passou cedo na vida um &amp;quot; período negro &amp;quot;, que o instigou a pegar na caneta e acabou por motivar a temática recorrente na obra. </li></ul>
  • 10. <ul><li>Até aos dez anos, frequentou colégios privados e viveu entre leituras de Daniel Defoe e “ Dom Quixote ”. Aos doze, já a viver em Londres, num bairro barato, Dickens foi forçado a sair da escola e a ir trabalhar numa fábrica de graxa, enquanto o pai, que vivera sempre acima das suas possibilidades, foi preso por causa de dívidas. Com a chegada de uma herança, a situação da família melhorou, mas a sua mãe não o retirou imediatamente da fábrica. O jovem Charles nunca chegaria a perdoar-lhe esse atitude. </li></ul>
  • 11. <ul><li>A partir daí, surge o autor como agora o conhecemos. Nas palavras da investigadora Alexandra Assis Rosa, do Centro de Estudos Anglísticos da Universidade de Lisboa, Dickens faz o percurso desde “criança feliz, aluno excecional, trabalhador infantil numa fábrica de graxa, profundamente infeliz” a “filantropo, pai de dez filhos”, “homem separado”, “insone, exausto, mas enérgico, entusiasta de leituras dramatizadas da sua obra” – até, “fisicamente esgotado, incansável escritor famoso.” </li></ul>
  • 12. <ul><li>Mas qual o impacto real de Dickens em Portugal? Têm os portugueses o mesmo carinho por ele que, por exemplo, os ingleses? “Charles Dickens é um autor da humanidade , faz parte da literatura mundo”, considera Alexandra Assis Rosa. </li></ul><ul><li>“ Há um conjunto de personagens que são muito nossas conhecidas. Quem não conhece o Oliver Twist ? Quem não conhece o David Copperfield ? Quem não conhece o velho avarento do Conto de Natal – a obra mais traduzida entre nós, com mais de 25 edições diferentes?”, questiona a investigadora. </li></ul>
  • 13. <ul><li>Charles Dickens e as personagens que criou foram muito divulgados entre nós por via da tradução. Das 51 obras que se conhecem traduzidas, as edições são em número elevadíssimo. Entre nós, é traduzido desde 1839 e existem mais de 183 traduções, todas elas distintas. </li></ul>
  • 14. <ul><li>Tempos difíceis e o cavalo do inglês </li></ul><ul><li>Na obra “ Hard Times, These Times ” Charles Dickens desejava educar os seus leitores acerca das condições de trabalho nas fábricas de Inglaterra. Ao mesmo tempo, o autor queria confrontar o argumento de que a prosperidade surge em paralelo com a moralidade . </li></ul>
  • 15. <ul><li>A abrir o livro, a citação bíblica: “ Aquilo que o homem semear, isso mesmo colherá ”. Dividido em três partes, os capítulos de “ Hard Times ” intitulam-se “ Semear ”, “ Colher ” e “ Armazenar ”, por esta ordem. Para Alexandra Assis Rosa, há aqui uma lição a reter. </li></ul><ul><li>“ É sempre interessante revisitar as obras literárias, e, falando em &apos;Hard Times&apos;, revisitar também as adaptações, como por exemplo para filme [como ‘Tempos Difíceis, Este Tempo’, de João Botelho, 1988] porque estas propostas artísticas, que criam um mundo paralelo, são incentivos a refletir sobre a nossa realidade”. </li></ul>
  • 16. <ul><li>Diz Assis Rosa que “o narrador de ‘Oliver Twist’ - e o narrador ‘dickensiano’ é muito irónico - usa esta história como introdução ao sistema que a Ama usa para criar as crianças. Da tradução de Fernanda Pinto Rodrigues, de 1981, edições Europa-América, cito: &apos;toda a gente sabe a história do outro filósofo experimental que formulou uma grande teoria acerca de um cavalo poder viver sem comer e que a demonstrou tão bem que reduziu a ração do seu próprio cavalo a uma palha por dia e, inquestionavelmente, o teria transformado num animal muito fogoso e vivo, sem comer absolutamente nada, se ele não tivesse morrido exatamente vinte e quatro horas antes da sua primeira e reconfortante refeição de ar&apos;”. </li></ul>
  • 17. Este é certamente um dos Doodles mais previsíveis do ano. No dia em que se assinala o 200.º aniversário do nascimento de Charles Dickens, a Google produziu um dos seus habituais Doodles de homenagem, que já visível nas páginas regionais do motor de busca onde o calendário já assinala dia 7 de fevereiro. http://lerebooks.wordpress.com/2012/02/06/google-homenageia-dickens-com-um-doodle/
  • 18. http://aeiou.expresso.pt/charles-dickens-nasceu-ha-200-anos=f703221 http://en.nkfu.com/wp-content/uploads/2012/02/charles-dickens-pictures-5.jpg http://hardmusica.pt/noticia_detalhe.php?cd_noticia=11885 http://m.tsf.pt/m/newsArticle?contentId=2288254&amp;page=1 http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=30&amp;did=49610 http://www.cm-lisboa.pt/?idc=136&amp;idi=59259 http://www.google.pt/imgres?q=charles+dickens&amp;hl=pt-PT&amp;cr=countryPT&amp;sa=X&amp;biw=1280&amp;bih=911&amp;tbs=ctr:countryPT&amp;tbm=isch&amp;prmd=imvnsubo&amp;tbnid=o-LJnqHagJJKNM:&amp;imgrefurl=http://palavras-chave.cmjornal.xl.pt/Charles_Dickens&amp;docid=TXnCqHuyKALdYM&amp;imgurl=http://www.record.xl.pt/storage/ngB47BF6E8-53F1-4533-83B9-77BCB59EBACB.jpg&amp;w=634&amp;h=805&amp;ei=xyExT-v1MYTs8QPSodzeBg&amp;zoom=1&amp;iact=rc&amp;dur=301&amp;sig=103234316795556763277&amp;page=1&amp;tbnh=149&amp;tbnw=117&amp;start=0&amp;ndsp=24&amp;ved=1t:429,r:20,s:0&amp;tx=67&amp;ty= 81

×