Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this presentation? Why not share!

MAABE - BE 2009

on

  • 734 views

 

Statistics

Views

Total Views
734
Views on SlideShare
734
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

MAABE - BE 2009 MAABE - BE 2009 Presentation Transcript

  • Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares : Integração do processo de auto-avaliação no contexto da escola
    Coordenadora da Biblioteca
    Inês Aguiar
  • As Bibliotecas Escolares de ontem:
    Espaços organizados com recursos destinados ao acesso de informação e ao lazer
    Impacto aferido através da relação directa entre inputs e outputs
    Professor da biblioteca: gestor de informação
  • Bibliotecas escolares de hoje
    Espaços de trabalho e de construção de conhecimento
    Avaliação para aferir a eficácia (resultados) dos serviços e aferir o impacto nas atitudes e competências de aprendizagem
    Professor bibliotecário: interventor no percurso formativo e curricular dos alunos, na cooperação com os professores no desenvolvimento das diferentes Literacias
     A biblioteca escolar: núcleo de trabalho e
    de aprendizagem ao serviço da escola
  • Avaliação em contexto
    BE como sistema aberto e integrado influência e é influenciada pelos sistemas micro, macro e mesossistema:
  • Desafio herculeano
    Gerir a mudança neste novo contexto tecnológico e na relação com a escola: redefinindo e reorientando práticas ligadas ao currículo e ao sucesso educativo
    PEE
  • Impacto a priori do modelo de Auto-avaliação
    Existência de um documento orientador capaz de avaliar o trabalho da BE, com o objectivo de:
    Melhorar o desempenho da BE nas suas dimensões informacional, transformativa e formativa
    Promover o sucesso educativo, a construção das aprendizagens e o desenvolvimento das competências nas diferentes literacias
  • Impacto a priori do modelo de Auto-avaliação - Continuação
    Reforçar a cooperação através da planificação e do trabalho colaborativo com os docentes
    Demonstrar o valor da BE através de evidências e da comunicação com os actores e stakekolders
     Conclusão: Dotar as escolas de um quadro de referência e de instrumentos proporcionadores de uma melhoria contínua e uma perspectiva de inovação
  • “Se as escolas são avaliadas, porque não as bibliotecas como centros de aprendizagem e de ensino?”
    A avaliação implica um planeamento e uma estratégia exequível, concretizada em objectivos, acções e metodologia que determinam e definem prioridades, transformando “boas ideias em boas práticas”
    -Por isso, é fundamental saber responder às seguintes perguntas:
    “How are wedoing?”
    “How do weknow?”
    “What are wegoing to do now?”
  • Envolvimento da comunidade Educativa
    Director da escola: o apoio do Director é fundamental na procura de soluções promotoras do seu funcionamento e respectiva auto-avaliação
    Conselho Pedagógico: confere credibilidade estratégica ao processo
    Professores, alunos e pais: rentabilizam o valor da BE no trabalho colaborativo e na divulgação de informação
  • Requisitos para melhorar o ensino - aprendizagem na BE, adequando o trabalho da BE aos objectivos e ao sucesso dos alunos
    Planificação que permite:
    Posicionamento face à realidade da BE e da escola
    Validação da actuação da BE
    Projecção para o futuro, através de uma avaliação contínua e de planos de melhoria
  • Organização do MAABE
    Modelo de Auto-avaliação
    Modelo de Auto-avaliação
    Quatro domínios:
    A - Apoio ao desenvolvimento curricular
    B - Leitura e Literacias
    C - Projectos, parcerias e actividades livres e de abertura à comunidade
    D - Gestão da BE
    O coordenador deve seleccionar um domínio a ser objecto de avaliação, mas esta deve resultar de uma decisão fundamentada, discutida com o director, em função das prioridades, por forma a poder ser validamente justificada
    O ciclo completa-se ao fim de quatro anos e deve fornecer uma visão clara e holística da BE
  • Etapas do processo
    Identificar problemas através da análise Swot
    Recolher evidências: as informações mais pertinentes e válidas para os problemas identificados
    Interpretar a informação recolhida, transformando-a em conhecimento ajuizador das linhas de orientação do processo
    Gerir as evidências ao nível da escola, realizando as mudanças necessárias
  • Etapas do processo(Continuação)
  • Etapas do processo(Conclusão)
    Comunicar os resultados da avaliação aos órgãos pedagógicos, integrando-os na avaliação interna e externa , consentâneos nos mesmos objectivos
    Todo o processo requer a ética, sem viciação dos dados, pois pretende-se a melhoria organizacional
  • A recolha de evidências será efectuada
    Em documentos já existentes e que regulam a actividade da escola (PEA, PCA, RI) ou da BE (Plano de Actividades, Normas de funcionamento, Plano de Acção, etc.).
    Em registos diversos (actas de reuniões, relatos de actividades, etc.).
    Em materiais produzidos pela BE ou em colaboração (planos de trabalho, planificações para sessões na BE, documentos de apoio ao trabalho na BE, material de promoção, etc.)
    Em estatísticas produzidas pelo Módulo de Circulação do Programa Bibliobase (requisições, utilização do espaço,…).
    Em trabalhos realizados pelos alunos e devidamente divulgados
    Em instrumentos especificamente construídos para recolher informação no âmbito da avaliação da BE (registos de observação, questionários, entrevistas, etc.)
  • O sucesso do processo depende:
    Uma liderança forte, ou seja, ter atitude e capacidade de intervenção face aos problemas identificados
    Reconhecer a oportunidade e ter sentido de agenda na abordagem, na apresentação de estratégias junto à Directora
    Articular prioridades e objectivos com a escola
    Desenvolver uma cultura de avaliação (auto-avaliação é determinante para a mudança e o desenvolvimento qualitativo
    Articular, colaborar e comunicar permanentemente
  • A posteriori o modelo de auto-avaliação permite:
    Aferir o impacto no modelo de trabalho dos professores e aprendizagens dos alunos
    Aferir o sucesso e as consequências nos resultados, atitudes e competências dos alunos
    Uma reflexão para a mudança pela definição de um plano de acção e, respectiva auto-avaliação, de acordo com os objectivos da escola, perspectivando melhorias e mudanças na prática
  • Comentário
    A integração do processo de auto-avaliação no contexto de escola parte de uma premissa básica: “a liderança forte do professor bibliotecário orientada pela recolha de evidências”. Este desafio interpela-nos a perspectivar uma gestão mais profícua da informação e um processo de comunicação mais visível, por isso, menos risível.
    Condição necessária: o modelo de auto-avaliação, enquanto instrumento regulador e pedagógico na melhoria contínua da qualidade
    Das palavras aos actos … saberemos nós gerir a mudança?
  • Biblioteca Escolar
    “O lugar mais espectacular da escola!”
    Dr.ª Teresa Calçada, impulsionadora, criadora e responsável pelo Gabinete da RBE (2009)
  • Grata pela atenção e espero a colaboração de todos na concretização desta grande missão.
    A coordenadora da equipa da Biblioteca Escolar da Escola Secundária Dra Laura Ayres
    Inês Aguiar
    20.11.2009