Your SlideShare is downloading. ×
Guiões de leitura do projeto pinta o que lês
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Guiões de leitura do projeto pinta o que lês

2,512
views

Published on

Pinta o que Lês - Guiões de leitura - PNL

Pinta o que Lês - Guiões de leitura - PNL

Published in: Education

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,512
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
67
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Projecto – Pinta o que Lês<br />O CAVALEIRO DA DINAMARCA - GUIÃO DE LEITURA<br />I - ACTIVIDADES<br />1- Traçar num mapa da Europa o percurso realizado pelo Cavaleiro na sua viagem.<br />2- Localizar num mapa da Europa os principais locais visitados pelo Cavaleiro<br />(Dinamarca, Jerusalém, Florença, Veneza e Antuérpia)<br />3- Ilustrar esses locais com imagens (pesquisa na Internet)<br />4 – Em grupos de trabalho, fazer a ilustração em BD da estadia do Cavaleiro nas várias cidades (cada grupo ilustra uma cidade)<br />II<br />(até à página 11)<br />1- Ao longo da sua aventura, o Cavaleiro vai mover-se em vários espaços. Contudo, a narrativa inicia-se e acaba exactamente no mesmo local. Qual é esse local?<br />A noite de Natal na casa do Cavaleiro “era igual todos os anos”.<br />Como é que o Cavaleiro e a sua família festejavam o Natal?<br />3. Depois da ceia de Natal, fazia-se a narração de histórias " ...uns contavam histórias de lobos e ursos, outros de gnomos e anões. Uma mulher contava a lenda de Tristão e Isolda e um velho de barbas brancas contava a lenda de Alf, rei da Dinamarca, e de Sigurd."<br />3.1. Quem foram Tristão e Isolda? Gostaste da sua história? Porquê? <br />4. Depois da ceia de Natal e das histórias, o Cavaleiro informa a sua família que daí a um ano não festejaria o Natal com eles. <br />4.1. Indica as razões pelas quais ele não passaria o próximo Natal com a sua família. <br />5. O Cavaleiro explica que pretende ir em peregrinação à Terra Santa.5.1. Onde pretendia passar ele a noite de Natal? <br /> 5.2. Quando voltaria para casa?<br />(pág. 20 a 26)<br />6. Na cidade de Veneza, e num final de serão, o mercador e o Cavaleiro ficaram a conversar na varanda. É então que o mercador lhe conta uma bela história de amor. <br />6.1. Indica o nome das personagens da história. <br />6.2. Vanina não quer casar com Arrigo. Por quem se apaixona ela? <br />6.3. Qual o transporte usado por Guidobaldo para namorar Vanina? <br />6.4. O Tutor de Vanina não autoriza o seu namoro com Guidobaldo. Que resolveram fazer eles? <br />6.5. Como fugiram ?<br />6.6. O que fez o seu tutor para os encontrar? Será que os achou?<br />6.7. A história de Vanina e Guidobaldo não acabou por aqui. Termina a história, de acordo com a versão que conheces.<br />( páginas 60 e 61 )<br />7. Depois de ter passado algum tempo na Flandres, e apesar do convite do negociante para que viajasse nos seus navios, o Cavaleiro decide regressar à Dinamarca. Partiu embora fosse Inverno. Caminhou durante longas semanas, até que chegou a uma povoação perto da sua casa. <br />7.1. Quando chega ele a essa pequena povoação?7.2. Como foi recebido?7.3. Quanto tempo esteve ausente?<br />( páginas 61 a 65 )<br />8. Na madrugada seguinte o Cavaleiro partiu em direcção à sua povoação.<br />8.1. Como descobriu ele o caminho?8.2. Como o receberam os homens da sua aldeia?<br />9. Indica dois dos vários perigos que o Cavaleiro enfrentou ao longo da sua viagem de regresso e explica como ele os ultrapassou<br />Projecto – Pinta o que Lês<br />Novos contos da montanha – conto NATAL, de Miguel Torga<br />GUIÃO DE LEITURA<br />I<br />Em que altura do ano se passa a acção deste conto (localização no tempo)?<br />Onde decorre esta acção (localização no espaço)?<br />Caracteriza física e psicologicamente o Garrinchas..<br />O que fazia ele na montanha naquela noite?<br />Na sua terra natal (Lourosa), as pessoas tinham revelado solidariedade para com este homem? Justifica.<br />Onde passou ele a noite de Natal?<br />E como celebrou ele a consoada?<br />II<br />1 - Desenha, com base no conto, o retrato do Garrinchas.<br />2 - Elabora postais de Natal com a Ceia de Natal do Garrinchas.<br />Projecto: Pinta o que Lês<br />Obra: O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá, uma história de amor<br />Guião de Leitura<br />Prefácio<br />1.Quem escreveu este livro? Em que ano? Em que cidade?<br />2. A quem é dedicada esta obra?<br />Poema de Estêvão da Escuna<br />3. A seguir às dedicatórias, é apresentado um poema de Estêvão da Escuna. <br />3.1.Faz o seu resumo.<br />3.2. Que moralidade se pode retirar dele?<br />O tempo da história<br />4. Em que tempo se situa a história?<br />Madrugada<br />5. Qual era o principal defeito da Manhã?<br />6. Faz a caracterização desta personagem.<br />7.Como é que a Manhã acordava as estrelas?<br />8.Refere dois adjectivos que caracterizem o Vento.<br />9. O Vento é, acima de tudo, um óptimo contador de histórias.<br />9.1. Como é que ele sabe tantas histórias?<br />10. Quem contou à Manhã a história de amor?.11.O que prometeu o Tempo oferecer à Manhã em troca da história que esta ouvira ao Vento?<br />Parêntesis12.Quem contou a história ao narrador, que a escreveu?<br />A Estação da Primavera<br />13. Qual é a primeira personagem que aparece neste capítulo?<br />14. Faz a sua caracterização.<br />15. Como reagiam os animais do parque e as flores quando o Gato Malhado passava?<br />16. Quem se suicidou contra o espinho de um mandacaru quando o seu filhinho pequeno desapareceu?<br />17. Que árvore chegou a acreditar que o Gato Malhado sentia uma paixão por si?18. O ambiente primaveril modifica o comportamento do Gato. Qual o primeiro sinal desta mudança?<br />19.Fala-se que o Galo tem um harém. O que é um harém?<br />20. Por que motivo o Galo se chamará Don Juan?<br />21. O que aconteceu, finalmente, quando o Gato se levantou da sesta?<br />22.Somente um animal ficou a olhar o Gato. De quem se tratava?<br />Novo parêntesis para apresentar a Andorinha Sinhá<br />23. Caracteriza a Andorinha.<br />Continuação da estação da Primavera<br />24.Qual era a nacionalidade do velho cão do Parque?25.Porque tratavam o Papagaio por “Reverendo”?<br />Capítulo inicial, atrasado e fora de lugar26.Que escola era frequentada pela Andorinha?<br />27. Como surge caracterizada a Andorinha neste capítulo?<br />28.Quem era o professor de canto?29.Quais eram as duas figuras com mais prestígio no Parque?<br />Fim da estação da Primavera<br />30. Indica dois sentimentos que os pais da Andorinha demonstram pela sua filha.<br />31. Porque é que a Andorinha não prestou muita atenção às advertências dos pais?<br />32. O encontro com a Andorinha deixou o Gato indiferente? <br />33. Apesar de ainda não ter percebido, o Gato Malhado está apaixonado. Como reage ele quando a Andorinha lhe chama “Feio”?<br />34. O que fizeram o Gato e a Andorinha durante a estação da Primavera?<br />A estação do Verão<br />35.Porque é que o capítulo do Verão é tão curto?<br />36. Comenta a seguinte afirmação: “É sempre rápido o tempo da felicidade.”<br />37. O que fizeram a Andorinha e o Gato durante o Verão?38.Qual era o principal motivo dos “arrufos” entre o gato e a Andorinha?<br />39.O que é que, segundo os animais do parque, impedia que o Gato e a Andorinha casassem?<br />40. “Ele era um gato e os gatos são inimigos irreconciliáveis das andorinhas.”<br />40.1. Qual o significado desta expressão?<br />40.2. Concordas com ela? Justifica a tua resposta.<br />41. O que representa o último dia de Verão?<br />Parêntesis das murmurações<br />42. Como reagem os habitantes do parque quando se apercebem da relação entre o Gato e a Andorinha?<br />43. Depois de tanto falatório, o que decidem os pais da jovem?<br />A estação do Outono<br />44. Quais os sinais que anunciam a chegada do Outono?<br />45. Além da paisagem, o que mais mudou?<br />46. “O gato havia sofrido sensível mudança.”<br /> 46.1. Quem foi o/a responsável por esta mudança?<br />46.2 Como reagiram os habitantes do parque a esta mudança de comportamento?<br />Parêntesis crítico<br />47.Quem deu ao narrador cópia do soneto que o Gato escreveu para a Andorinha?<br />48. Qual a autoridade do Sapo Cururu em matéria de literatura?<br />Continuação da estação do Outono<br />49. Quem era, no parque, a fiel amiga do Gato?<br />50. Quais os conselhos que esta personagem dá ao Gato?<br />51. Naquele dia, o passeio entre a Andorinha e o Gato foi como aqueles que haviam dado no Verão? Porquê?<br />52. Quando, no segundo dia de Outono, a Andorinha não apareceu, como reagiu o Gato?<br />53. No terceiro dia, o Gato recebeu uma carta da Andorinha.<br />53.1. Quem era o portador?<br />53.2. Que mensagem transmitia esta carta?<br />54. Chegou o último dia de Outono. <br />54.1. Como estava a Andorinha nesse dia?<br />54.2. Ao anoitecer, que notícia dá ao Gato?<br />55. Quando a Andorinha se separou do Gato, no último dia de Verão, “de longe ainda o olhou”, mas desta vez “não olhou para trás.” Como interpretas este comportamento da Andorinha?<br />A estação do Inverno<br />56. Nesta estação decorreu o casamento entre a Andorinha e o Rouxinol. Em que árvore se realizou o casamento?<br />57. A Andorinha atirou ao Gato uma pétala vermelha do seu ramo de rosas.<br />57.1. Qual o seu significado?<br />57.2. Onde a colocou o Gato?<br />58.O parque estava em festa, só o Gato Malhado não compartilhava de toda aquela alegria. Porquê?<br />A noite sem estrelas59.No último capítulo desta fábula, diz-se que “O Gato tomou a direcção dos estreitos caminhos que conduzem à encruzilhada do fim do mundo.”. Que final teve, então, o Gato Malhado?<br />60. A Manhã sempre recebeu a prometida rosa azul? Como a utilizou?<br />Projecto: Pinta o que Lês<br />SONHO DE UMA NOITE DE VERÃO<br />Questionário:<br />Em que espaço decorre a acção apresentada?<br />De que modo este espaço é importante para o desenrolar da acção?<br />Localiza a acção no tempo.<br />De que modo o tempo histórico em que decorre a acção vai interferir no desenrolar dos acontecimentos?<br />Esta obra centra-se na história de dois pares de jovens apaixonados. <br />Identifica estas personagens.<br />Descreve as relações que se estabelecem entre elas.<br />Das personagens mágicas que habitam a floresta, o duende Traquinas desempenha um papel muito importante.<br />Faz a caracterização desta personagem.<br />Relaciona o seu nome com as suas características psicológicas.<br />Ao pretender ajudar Oberon, Traquinas interfere no relacionamento entre os jovens apaixonados. Explica de que forma as suas atitudes vão acabar por ajudar estes dois pares de jovens.<br />Com base na leitura que fizeste da obra, explica o seu título.<br />Sonho de uma Noite de Verão (sinopse)Em Atenas uma lei obriga as moças a se casarem com os noivos escolhidos por seus pais. Caso estas não aceitem podem ser condenadas à morte ou reclusas num convento. As vésperas do casamento de Teseu, herói grego, Duque de Atenas com a Amazona Hipólita, Egeu chega com sua filha Hermia e pede que se cumpra a lei já que ela está destinada a Demétrio, mas ama Lisandro.Teseu fica preocupado, mas como governante deve fazer cumprir as leis. Dá um prazo a Hermia para aceitar o casamento com Demétrio: quatro dias. Ou decide a favor do noivo ou será condenada à morte.Hermia procura Lisandro e este lhe propõe uma fuga. Marcam um encontro para o dia seguinte num bosque, de onde vão partir para casar fora dos domínios da cidade onde a lei não vigora. Feliz com a solução Hermia conta a Helena os seus planos. Helena ama Demétrio e pensando em ter sua gratidão conta a ele os planos do casal.No bosque escolhido para o encontro vivem seres misteriosos: fadas, elfos e duendes, fiéis súditos de Oberon rei dos duendes e Titânia, rainha das fadas. Oberon e Titânia são casadas e brigam pela tutela de um menino órfão cuja mãe foi amiga de Titânia que cuida do pequeno.Um grupo de artesão resolve encenar uma peça de teatro para homenagear Teseu em seu casamento. Também escolhem o bosque para seus ensaios.Na noite do encontro entre Hermia e Lisandro, Oberon e Titânia se encontram casualmente e se desentendem porque ele lhe pede um pajem especial e ela recusa saindo do bosque. Oberon promete que vai castigá-la antes do amanhecer. Chama Puck, um duende esperto e brincalhão cujo maior divertimento é pregar peças nos outros e ordena-lhe que bosque uma flor chamada amor-perfeito, encantada pelo cupido e que guarda em seu sumo o poder de quando derramado sobre as pálpebras de alguém que dorme, este se apaixona pela primeira criatura que vê ao acordar. Com o encantamento de Titânia ela lhe entregaria o menino e depois ele desfaria o feitiço com outra erva.Enquanto Puck busca a flor e Oberon espera, Demétrio chega ao bosque seguido por Helena. O rapaz à censura e ela desabafa seu sofrimento por amá-lo tanto. Ele a deixa sozinha, mas ela corre atrás dele implorando seu amor. Oberon decide ajudá-la: vai derramar nos olhos de seu amado o suco da flor.Quando Puck volta Oberon pega a flor e diz que vai encontrar Titânia. Pede a Puck que procure um rapaz que despreza uma moça, e derrame o suco em seus olhos,cuidando para que ao acordar a moça desprezada seja a primeira que ele vê. Recomenda que se certifique de ter encontrado o rapaz certo, observando os seus trajes, típicos de um ateniense.Puck parte o Oberon segue para o esconderijo onde Titânia dorme. Ao encontrá-la derrama o suco sobre seus olhos e sai.Hermia e Lisandro chegam ao bosque cansados e decidem dormir. Puck ao encontrá-los reconhece neles o modo de vestir dos atenienses e derrama o suco sobre os olhos de Lisandro que dorme um pouco afastado de Hérmia. Certo de que ele a verá ao acordar por não haver ninguém por perto Puck sai tranqüilo.Helena que ainda procura Demétrio que lhe fugiu, encontra Lisandro e preocupada por vê-lo no chão chama-o. Ao acordar e vê-la Lisandro apaixona-se imediatamente e lhe faz declarações de amor. Ela não entende e foge. Ele a segue, deixando Hermia que ao acordar se vê sozinha e sai à procura de seu amor.Puck, crente de sua missão cumprida, vai ao lugar onde Titânia dorme e encontra os artesãos ensaiando a peça. Quando um deles, Botom, se afasta, Puck coloca-lhe uma cabeça de burro sobre os ombros. Quando ele retorna ao grupo, todos se assustam e fogem. Com o barulho, Titânia acorda e ao ver o burro, apaixona-se por ele. Puck corre para contar a Oberon. Nisso passam pelo bosque Helena seguida por Lisandro. Oberon percebe que Puck se enganou. Entram então Hérmia seguida por Demétrio. Eles discutem. Demétrio resolve parar para descansar e Oberon aproveita para derramar o suco sobre seus olhos. Quando Helena que está pelo bosque fugindo de Lisandro passa por ali, acorda Demétrio que ao vê-la se apaixona. Lisandro chega e então os dois passam a brigar por Helena. Ela não entende nada, acha que os dois estão debochando dela. Hermia chega e fica sem entender nada. Ao vê-la, Helena acredita que Hermia também está no jogo contra ela. Elas brigam e enquanto isso os dois rapazes resolvem procurar um outro lugar para brigar.Oberon que assiste a tudo invisível repreende Puck. Ele se desculpa dizendo que não fez por mal pois não sabia que havia dois casais de atenienses no bosque. Oberon ordena que Puck separe os dois rapazes e que quando estiverem cansados os faça dormir, derramando sobre os olhos de Lisandro o suco da planta que desfaz o encanto para que ele volte a amar Hermia e todos sejam felizes.Titânia não tem mais tempo para cuidar do pajem, pois se desdobra para agradar o homem com a cabeça de burro pedindo a suas fadas que façam todas as suas vontades. Oberon que conseguiu que Titânia lhe entregasse o menino, resolve desfazer o encanto e quando ela dorme ao lado do seu amor derrama-lhe o antídoto sobre os olhos. Ao acordar, Titânia diz a Oberon que teve um sonho estranho no qual parecia estar apaixonada por um asno. Oberon aponta o camponês que ainda dorme com sua cabeça de burro e ela fica horrorizada sem entender nem acreditar no que vê. Eles fazem as pazes e Oberon pede às fadas que cantem música para embalar e encantar o sono de todos que dormem no bosque, para que ao acordarem pensem que tudo não passou de um sonho. Também pediu a Puck que desencante Botom. Este ao acordar também pensou que tudo o que ocorreu fosse sonho e saiu a procura de seus amigos para representarem a peça.Ao amanhecer, Teseu, Hipólita, Egeu e uma pequena comitiva observam uma matilha à procura de caça. Ao encontrarem os jovens dormindo se admiram. Egeu reconhece sua filha. Teseu pergunta o que dois inimigos fazem tão próximos.Lisandro diz que pretendia fugir com Hermia e Egeu fica furioso. Demétrio então conta a Teseu que não mais ama Hermia e que está apaixonado por Helena. Teseu, contrariando Egeu abençoa os casais e propõe que eles se casem junto com ele e Hipólita. Diz que o amor é superior a qualquer lei. Na festa de casamento, Botom e sua trupe apresentam a mais lamentável comédia trágica: a morte de Píramo e Tisbe. Todos assistem e em seguida recolhem-se a seus leitos nupciais. Neste momento, todos os seres mágicos do bosque entram nos quartos para garantir a felicidade dos casais. Puck, Oberon e Titânia Em Sonho de uma Noite de Verão, vários seres sobrenaturais pertencem a um mundo fantástico, paralelo ao mundo real. Além de realizarem a ligação entre as cenas como um recurso cênico bastante eficiente, têm participação ativa, como personagens, desenvolvendo tensões dramáticas que conformam um material fundamental na peça. Estes, apresentam semelhanças com o mundo real, pois mesmo possuindo poderes enquanto seres superiores, possuem fraquezas e defeitos humanos ; sentem paixão, raiva, amor, piedade. São personagens que interferem no destino dos humanos, conduzindo-os pelos caminhos das decisões pessoais, modificando seu destino, mesmo sem contar com o consentimento destes, e nem ao menos estabelecer contatos mútuos com os humanos. Não há diálogo entre os mundos real e sobrenatural, mesmo quando há indícios deste contato: ocorrem pressentimentos dos humanos de que alguém esteja agindo, como podemos verificar na fala de Demétrio no quarto ato, cena um: “meu caro senhor, eu desconheço por que forças...mas por alguma força foi...que meu amor por Hérmia como a neve derreteu-se.”, ou na fala de Botom, na mesma cena: “Tive uma visão das mais fantásticas”.Os espíritos que assombram o bosque, são mais que espíritos, são elementos cuja discórdia perturba o cosmos. Percebe-se isso na fala de Titânia que diz a Oberon que ambos são os culpados pelos problemas da natureza na cena dois do segundo ato: “E uma igual proliferação de males nasce de nossas brigas, de nossas desavenças. Somos pais e a origem desses males”.Oberon, Rei dos Duendes, é dotado de uma grande inteligência, além da capacidade de se tornar invisível. Não hesita em utilizar seus poderes para tirar proveito de uma situação, como no caso em que lança sobre Titânia sua raiva por esta não lhe dar o pajem desejado: “segue teu caminho. Mas, não sairás deste bosque sem que eu te atormente por esse insulto”. Na cena um do segundo ato, ele mostra uma outra face: identifica-se como um ser bondoso e solidário quando percebe o sofrimento de Helena e resolve ajudá-la a conquistar seu amor: “Não se preocupe senhorita, ele não sairá do bosque sem que a queira”.Puck, o fiel escudeiro de Oberon, é um espírito maroto e trapalhão. Diverte-se com suas travessuras: “sou eu quem faz sorrir [...] sou eu, que derrubo as contadoras de histórias” (cena 3; ato 1). Também demonstra satisfação ao ver os mortais em situações difíceis provocadas por ele: “Gosto de ver tudo assim às avessas” na cena dois do quarto ato, quando percebe que se atrapalhou involuntariamente, ao despejar o sumo mágico nos olhos de Lisandro e não em Demétrio.Titânia, como Rainha demonstra um aspecto de superioridade. Percebe-se isso em suas falas como na cena um do primeiro ato, quando se dirigiu a Oberon e às fadas “Se você quiser dançar pacientemente em nossa roda e acompanhar nossas folias ao luar, venha conosco, ou então se afaste de mim e eu cuidarei de evitar seus lugares preferidos”; “Minhas fadas, vamos embora! Vamos acabar brigando feio se eu ficar aqui mais tempo”. Na cena dois do mesmo ato, Titânia ordena às fadas: “Cantem para eu dormir, depois todas embora daqui [...] Algumas matem lagartas nas rosas, outras guerreiem com morcegos e tirem seu couro para eu fazer casaquinhos para meus elfos, e outras, afastem a coruja [...] Vamos, cantem para que eu adormeça, depois, todas ao trabalho e deixem-me repousar”. Mais adiante, na primeira cena do terceiro ato, ao ser acordada pelo canto de Botom: “Quem vem me acordar tirando-me da minha cama florida? [...] Tu deves permanecer aqui, seja este teu desejo ou não”.<br />Professora<br />Maria Mestre<br />

×