• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
As camélias na "Saga" de Sophia de Mello Breyner Andresen - Escola EB23de Beiriz
 

As camélias na "Saga" de Sophia de Mello Breyner Andresen - Escola EB23de Beiriz

on

  • 5,726 views

 

Statistics

Views

Total Views
5,726
Views on SlideShare
3,533
Embed Views
2,193

Actions

Likes
4
Downloads
1
Comments
0

4 Embeds 2,193

http://bibliobeiriz.wordpress.com 2184
url_unknown 4
https://bibliobeiriz.wordpress.com 4
https://www.google.pt 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    As camélias na "Saga" de Sophia de Mello Breyner Andresen - Escola EB23de Beiriz As camélias na "Saga" de Sophia de Mello Breyner Andresen - Escola EB23de Beiriz Presentation Transcript

    • As Camélias na “Saga” Breves apontamentos sobre a importância das camélias no conto “Saga”, da obra Histórias da Terra e do Mar de Sophia de Mello Breyner AndresenMarta Flores e Sandra Claro - 8ºEProfª Língua Portuguesa - Manuela SilvaFotografias - Profª Manuela Ramos Escola EB 2/3 de Beiriz- Março 2011
    • A vida de Hans, personagem principal do conto “Saga” da obraHistórias da Terra e do Mar de Sophia de Mello Breyner Andresen,vai decorrendo consoante o ciclo de floração das camélias,distinguindo-se estas de todas as outras flores. ( ver nota)
    • Simbolicamente, as camélias são as flores do Inverno. TambémHans floresce no Inverno, só tem sucesso fora de tempo e,sobretudo, fora do espaço – só tem sucesso em áreas que nãocontribuem para a sua felicidade.
    • Alguns excertos do conto:«E foi no tempo das últimas camélias (vermelhas, pesadas e largas) que nasceu o seu primeiro filho.» (pág. 97)
    • «Nasceu o seu segundo filho no tempo das primeiras camélias,em Novembro do seguinte ano. » (pág. 98)
    • «Porém em redor dacasa os anos faziamcrescer os jardins epomares. As cerejasbrancas e camélias daquinta tornaram-secélebres. (…) »(pág. 106)
    • «As camélias brancas estavam em flor, levemente rosadas,macias, transparentes. Algumas lhe trouxeram ao quarto,apanhadas à beira do roseiral.» (pág. 109)
    • «Os seus troncos largavamnos dedos um pó escuro queas crianças limpavam ao bibe. E ritmados pelas quatroestações, os anos passavame, como as tílias e pomares, anova geração de criançascrescia.» (pág. 107)
    • Nota:Ao facto de as camélias surgirem recorrentemente neste conto, não será de todo alheia,para além da simbologia já referida, a circunstância de a escritora ter passado muitosmomentos da sua infância e adolescência em casas rodeadas de jardins onde imperavamestas flores, ou melhor dizendo, estas árvores. Podem referir-se por exemplo, os jardinsda Casa Andresen, hoje Jardim Botânico do Porto, e os jardins da fundação Eng.Antóniode Almeida, propriedade que também pertenceu a familiares da escritora.Profª Manuela Ramos Arranjo gráfico e fotografias de manueladlramos - Março 2011