Your SlideShare is downloading. ×
Trabalho sobre formação
Trabalho sobre formação
Trabalho sobre formação
Trabalho sobre formação
Trabalho sobre formação
Trabalho sobre formação
Trabalho sobre formação
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Trabalho sobre formação

438

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
438
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Trabalho sobre formação Origem da formação bibliotecária A primeira escola de biblioteconomia (library school) foi estabelecida por Melvin Dewey,criador do sistema decimal Dewey em 1887, (as datas são muito confusas, porque Dewey foitrabalhar como bibliotecário lá em 1883, então todo o período entre 1883 e 1887 é creditadopor diferentes fontes como um dos anos em que foi instituída a escola) na ColumbiaUniversity, chamada Columbia School of Library Economy. A primeira instituição voltada ao ensino de biblioteconomia foi a escola de Columbia. Noano seguinte, 1888, a escola de Columbia se mudou para Albany e se tornou a State LibrarySchool (estado de New York). A escola de bibliteconomia mais antiga da Europa é a da Universidad de Barcelona,fundada em 1915, mesmo ano em que foi fundada a escola de Leipzig, e dois anos antes dacriação da escola de biblioteconomia na Universidade de Londres (1917). Modelo Europeu A biblioteconomia, segundo a visão francesa, definida no “Dictionnaire encyclopédiquede l’information ET de La documentation”, é o conjunto de técnicas de organização e degestão, ou se preferir, “arte” das bibliotecas. Não é uma ciência nem uma técnica rigorosa,mas uma prática de organização. A biblioteconomia é dividida em três grandes domínios: osdocumentos, o público e os estabelecimentos. O que caracteriza a biblioteconomia é suaunidade, pois não é possível isolar completamente qualquer um desses elementos. • Os documentos: compreende a constituição e o desenvolvimento de coleções, sua conservação e tratamento intelectual (catalogação e classificação); • O público: compreende recepção, acesso aos documentos, comunicação, conhecimento dos usuários especificamente no ponto de vista psicológico e sociológico (para os franceses sendo a área mais importante) • Os estabelecimentos: reúne todas as questões ligadas à organização administrativa, técnica, financeira e humana das bibliotecas. Cursos na Europa
  • 2. No Reino Unido, há cursos de bacharelado de três ou quatro anos em Estudo emBiblioteca e Informação ou Ciência da Informação. Esses cursos são creditados pelo CharteredInstitute of Library and Information Professionals e pela Society of Archivists Na França, nos últimos dez anos, tem havido uma reestruturação no processo deformação de pessoal que vai desde a preparação do chamado Bibliotecário Estagiário, comum curso de 450 horas, até a formação do Bibliotecário Conservador, com currículo de 18meses. No conjunto de modos de preparação de profissionais no país, também é formado ochamado Bibliotecário Adjunto Especializado, em 2 anos, aos quais sendo agregadas mais1600 horas chega ao Diploma universitário de Tecnologias de Ocupações do Livro, por umlado; ou, por outro, ao Diploma de Estudos universitários de Ciências e Técnicas, com maisou menos 1200 horas de acréscimo. Essa evolução que se dá na França, tanto nos conteúdos quanto no número de vagaspara a preparação de pessoal, tem sido uma resposta objetiva a este momento docapitalismo internacional que situa a informação como mercadoria em disputa nummercado mundial. Sendo a França um dos sócios mais fortes da Comunidade internacionalde negócios identificada como Comunidade Européia, não poderia deixar de adequar-seinternamente a fim de melhor participar desse mercado. E a formação de bibliotecários,portanto, tem sido afetada tanto pelo viés qualitativo quanto pelo âmbito da quantidade. Na Espanha, é onde se tem verificado o mais claro e acelerado crescimento daeducação bibliotecária. Um primeiro aspecto ressaltado diz respeito ao número de cursosexistentes e aos títulos universitários fornecidos para a capacitação em Biblioteconomia. A primeira titulação, equivalente ao Bacharelado brasileiro, chamada Diplomatura,conta com 13 cursos, até 1998, dos quais 8 surgiram a partir do ano 1990, 4 na década dosanos 80 e apenas 1 já existia de anos anteriores, tendo sido criado em 1915. A segunda titulação, obtida com uma segunda formação universitária, alí chamadade Licenciatura, contava até 1998 com 9 cursos, todos iniciados a partir de 1984. A terceira titulação se obtém com uma formação em nível de doutorado e contava,até 1998, com a oferta de 8 programas, todos também de funcionamento recente. Na Suécia, chama a atenção o fato de que o país está acrescentando a atérecentemente única escola de Biblioteconomia – A Escola Nacional de Biblioteconomia eCiência da Informação, instalada na cidade de Boras – departamento de pesquisa emBiblioteconomia e Ciência da Informação na Universidade de Goteborg e novos cursos na
  • 3. Universidades de Umeá, Lund e Uppsala. Do mesmo modo, o diploma que dantes eraapenas profissionalizante hoje leva à pós-graduação stricto sensu. Desse modo, um traço marcante do avanço na formação bibliotecária na Suécia é oinvestimento na pesquisa, cujo propósito mais notável é responder adequadamente àscaracterísticas da Sociedade do Conhecimento. Essa vertente, na análise dos articulistasmencionados, tem produzido uma evolução geral nas práticas e serviços bibliotecários ede documentação naquele país. Modelo Norte Americano A Biblioteconomia no conceito norte americano: é a profissão devotada a aplicar ateoria e a tecnologia para a criação, seleção, organização, gerenciamento, preservação,disseminação e utilização das coleções de informação em todos os formatos. Nos Estados Unidos, freqüentemente o termo biblioteconomia é usado comosinônimo de "Library Science“ - Ciência das Bibliotecas.  Biblioteca + economia (no sentido de organização, gestão, administração) As mudanças nas Bibliotecas, nos usuários e na comunicação levantam algumasquestões: o uso privado das técnicas de produção, processamento e difusão da memóriaescrita ou audiovisual; O custo do acesso às fontes de informação e, portanto, reforçando a idéia dagratuidade e livre acesso, fortalecendo as Bibliotecas; A prática do uso das ferramentas de acesso, exigindo a qualificação dos usuários e are-invenção das técnicas de organização; A renovação/reinvenção da profissão do bibliotecário, buscando a atualização,compreensão e adoção das mudanças e alternativas mais produtivas (abandonar a visãoconservadora e SER o profissional da informação e do conhecimento). Formação nos Estados Unidos Nos Estados Unidos, um bibliotecário pode ter um mestrado de um ou dois anos(mais comum) em biblioteca e ciência da informação (library and information science),biblioteconomia (library science) ou ciência da informação (information science) de umauniversidade autorizada. Estes mestrados são autorizados pela Associação de Bibliotecas
  • 4. Americana (American Library Association) e podem ter especializações em campos comoarquivística, gerenciamento de registros, arquitetura da informação, bibliotecas públicas,bibliotecas médicas, bibliotecas de direito, bibliotecas especializadas, bibliotecasacadêmicas ou escolares. É comum requerer de bibliotecários escolares uma credencial deprofessor, como também uma licenciatura em biblioteconomia. Formação no Brasil O primeiro Curso de Biblioteconomia no Brasil foi criado pelo Decreto n. 8.835, de11/07/1911. Iniciou em abril de 1915 na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, tendocomo diretor Manuel Cícero Peregrino Silva. O programa deste curso pioneiro se inspiravano modelo francês (École de Chartes), dando ênfase ao aspecto cultural e informativo. Em 1929, o “Mackenzie College”, hoje Universidade Mackenzie, de São Paulo, criouum Curso de Biblioteconomia, inspirado no modelo norte-americano, que enfatizava osaspectos técnicos da profissão. A Prefeitura Municipal da cidade de São Paulo, em 1936, criou um Curso deBiblioteconomia, no âmbito do Departamento de Cultura, onde destacamos a participaçãodo professor Rubens Borba de Moraes. Em 1940, este curso foi incorporado à Escola deSociologia e Política de São Paulo, onde funciona até hoje. Em 1942, surgiu a Escola de Biblioteconomia e Documentação da UFBA, fundadapela Professora Bernadete Sinay Neves, que não era bibliotecária, mas engenheira civil;em 1945 foi criada a Faculdade de Biblioteconomia da PUCCAMP, por um grupo debibliotecários paulistas; em 1947 surge a Escola de Biblioteconomia e Documentação daUFRS, e em 1950 surgiu o Curso de Biblioteconomia e Documentação da UFPR, peloesforço de alguns bibliotecários do Paraná e a Escola de Biblioteconomia da UFMG, cujafundadora foi Dona Etelvina Lima. Em 1954 foi realizado o 1º Congresso Brasileiro deBiblioteconomia e Documentação, na cidade do Recife. Modelo de Ensino Coordenadas pela ABEBD e os Estudos de Harmonização curricular entre Brasil,Argentina, Uruguai e Paraguai, foi organizada uma estrutura curricular dentro de áreas deensino:
  • 5. Área 01: Fundamentos Teóricos da Biblioteconomia e Ciência da Informação- Concentra o maior número de disciplinas;- Abriga disciplinas instrumentais, além de disciplinas ligadas a Humanas e Ciências Sociais, e os Princípios da Biblioteconomia e Ciência da Informação- Tem o propósito de oferecer ao aluno um entendimento melhor do mundo e como interferir nele de maneira positiva, além de dar capacidade de identificação de situações problemas e busca de soluções por meio de estudo e pesquisa. Área 02: Processamento da Informação- Esta área inclui organização processamento e tratamento da informação;- Também encontramos a representação descritiva e temática, análise documentária, linguagens alfabéticas de indexação e normalização de documentos;- Encontra se no terceiro lugar no número de disciplinas oferecidas, uma colocação abaixo de anteriormente, quando se valorizava muito mais as áreas tecnicistas em relação às humanas. Área 03: Recursos de Serviços de Informação- Encontram–se conteúdos referentes a fontes de informação, serviços de informação e referência e educação do usuário;- Oferece subsídio para que o bibliotecário possa fornecer a informação certa, a partir da fonte certa, para o cliente certo, no tempo certo e na forma adequada para o uso a que se destina e a um custo que seja justificado pelo uso que será feito;- E apesar de ser diretamente voltada para o usuário e ações voltadas a ele, não está contemplada em todas as grades curriculares dos cursos de biblioteconomia.
  • 6. Área 04: Gestão da Informação- Contém um grande número de disciplinas, demonstrando forte tendência de se formar gestores de informação com grande embasamento técnico e também uma mudança no cenário que anteriormente privilegiava a organização da biblioteca ao invés de sua gestão;- Planejamento Estratégico, Marketing, Gestão de Capital Humano, Estudos de Comunidade e Usuários, Políticas de Informação e Empreendedorismo, são apenas algumas das muitas disciplinas oferecidas;- A gestão de bibliotecas tem se tornado cada vez mais complexa, de um lado o aumento de acervo e da população a ser atendida, e do outro, a própria automação dos processos técnicos e administrativos, o que obriga a constante atualização do profissional atuante nesta área; Área 05: Tecnologia da Informação- A tecnologia da informação é uma constante na vida acadêmica e profissional do bibliotecário, ela está presente em todas as áreas anteriormente citadas;- Introdução a Informática, Planejamento e Elaboração de Base de Dados e Redes de Informação são algumas de suas disciplinas;- As estratégias de busca on line requerem qualificação por parte dos usuários e dos bibliotecários devido a sua complexidade e a automação dos acervos modificou completamente o processamento da informação entre outras tantas mudanças trazidas pela tecnologia exigiu do bibliotecário conhecimento mais aprofundado na área. Área 06: Pesquisa
  • 7. - A pesquisa é outra constante no cotidiano do bibliotecário, tanto para fornecimento de informação segura e adequada ao usuário quanto para seu progresso profissional e acadêmico; Na grade curricular ela se encontra em todas as disciplinas da grade, uma vez quetodo estudo e todos os trabalhos acadêmicos exigem pesquisas cada vez mais específicas,conforme a evolução do curso. Análise da grade curricular da FESP Ao analisar o gráfico podemos notar uma maior preocupação com a formação doprofissional, não em ser apenas técnico, mas com um maior embasamento cultural, porisso a grande quantidade de disciplinas na área 1. As áreas 2 e 5 são complementares ehoje em dia já são expostas como uma só área, lembrando que a fonte do texto anterior éde 1998, e representam a parte técnica da biblioteconomia. A área 3 representa ocrescimento nessa área, mas ainda conta com o menor número de disciplinas. Divisão de cursos por região Podemos ver que na maioria dos estados só a curso de biblioteconomia porquetodas as universidades federais têm o curso. A região sudeste tem quase metade doscursos no Brasil, sendo que dos 19, 10 estão em São Paulo.

×